MEL, FONTE DE VITALIDADE - Sabe quais são as flores preferidas das abelhas?

MEL, FONTE DE VITALIDADE - Sabe quais são as flores preferidas das abelhas?

OUTROS TEMAS

  Tupam Editores

0

O complexo mundo das abelhas exerceu desde sempre um grande fascínio sobre o homem.

Pinturas rupestres, datadas do período Pleistocénico, comprovam este interesse, ao retratarem o homem a recolher e a consumir mel. A utilização dos produtos da colmeia no tratamento de doenças e infeções diversas parece ser, aliás, bastante antiga.

Alguns testemunhos credíveis mencionam o uso do pólen como estimulante sexual por sacerdotes assírios, 3000 a.C.. No início da era cristã vários escritos gregos e romanos mencionam os poderes curativos e cicatrizantes do própolis. Os vários tratados médicos, do século XII ao século XV, referem igualmente o uso medicinal do própolis, da cera e do mel – o alimento natural de maior fonte de energia.

Inicialmente extraído de forma danosa às colmeias, o mel sempre foi utilizado como alimento pelo homem. Com o passar dos séculos, este aprendeu a capturar enxames e instalá-los em “colmeias artificiais”.

Apicultura

O desenvolvimento e o aprimoramento das técnicas de maneio deram origem a um aumento da produção de mel e tornaram possível a sua extração sem danificar a colmeia. A “domesticação” das abelhas para a produção de mel dá início à apicultura.

Características gerais do mel

O mel é uma substância adocicada e viscosa produzida pelas abelhas melíferas a partir do néctar de flores ou soluções açucaradas, que é recolhido com a glossa (língua), armazenado na vesícula melífera (papo), digerido pelas enzimas da saliva (invertase, diástase, catálase, alfa-glicosidase, glicose-oxidase, peroxidase, lípase, amílase, fosfatase ácida e inulase), que principalmente transformam a sacarose em monossacarídeos (glicose e frutose) e o amido em maltose.

Após a recolha do néctar as abelhas regressam à colmeia, e transferem-no para o papo de outra abelha, que o transfere para outra, que o transfere para outra... A cada passagem o néctar vai sofrendo mais ações enzimáticas e vai perdendo maior quantidade de água. Desta forma, torna-se mel, que é depositado em células de cera (alvéolos) no interior da colmeia.

A composição química do mel depende de fatores como a espécie das abelhas, o tipo de solo e de flora e o estado fisiológico da colónia.

De um modo geral pode dizer-se dizer que o mel é constituído por três componentes essenciais: água (17 por cento), glúcidos (80 por cento) e substâncias diversas (3 por cento), como aminoácidos, proteínas, enzimas, ácidos orgânicos, minerais – como cálcio, cobre, ferro, magnésio, fósforo e potássio –, e vitaminas B, C, D e E.

Com conhecidas propriedades medicinais, o mel pode ser consumido diariamente por qualquer pessoa independentemente da idade pois equilibra o processo biológico do corpo, por ser o único alimento que contém proporções equilibradas de fermentos, vitaminas, minerais, ácidos e aminoácidos, semelhantes substâncias bactericidas e aromáticas.

Convém referir, no entanto, que a presença de quantidades de água acima dos 18 por cento torna o mel sujeito à ação de leveduras fermentadoras e outros microorganismos, como bactérias patogénicas, por ex. Clostridium botulinum, causador do botulismo. Por esse motivo, não se recomenda o seu consumo em crianças em idade muito tenra.

De característica aromática acentuada, o mel possui cor e sabor diretamente relacionados com a predominância da florada utilizada para a sua produção.

Tipos de mel

Os méis de coloração clara apresentam sabor e aroma mais suaves, e os de coloração escura são mais nutritivos, e ricos em proteínas e sais minerais.

Outra característica marcante em alguns méis é a consistência líquida ou endurecida que poderá apresentar quando armazenado em recipiente, sendo de igual qualidade indeopendentemente do aspeto.

O que acontece é que, por se tratar de uma solução saturada de açúcares, o mel tende a cristalizar-se de forma expontânea, adquirindo uma consistência sólida. Esse efeito nada mais é do que a condensação, a aglutinação, das partículas de glucose.

No que diz respeito à matéria-prima para a fabricação do mel, o néctar, pode provir de uma única flor (mel monofloral) ou de várias flores (multifloral), dando origem a vários tipos de mel.

As flores preferidas das abelhas e os vários tipos de mel

As abelhas são atraídas por plantas aromáticas, especialmente as que dão flores miúdas, brancas, amarelas, lilases. A flores amarelas são especialmente atrativas para todo o tipo de insetos polinizadores.

A macieira, cerejeira, pereira, ameixoeira e outras plantas e flores como a lavanda, a sálvia, a borragem, os ranúnculos, malvas, campânulas, manjericão, manjerona, alecrim, alfazema, madressilva, calêndula, margaridas, papoilas, gerânios e os girassóis são o deleite das abelhas. O que mais apreciam é a floração em massa, que acontece quando as flores desabrocham em simultâneo.

Cada espécie de planta enriquece o néctar com as suas qualidades e especificidade.

Abelha - flores-amarelas

O tipo de mel varia em função das características e localização geográfica das plantas de onde é extraído o néctar e dos tipos de abelhas produtoras, mas também do modo como é recolhido e posteriormente processado.

Em Portugal dispomos de vários tipos de mel, com diferentes propriedades.

Obtido nas planícies do Alentejo, o Mel de Trevo, é doce e delicado possuindo um leve sabor a erva fresca. Ao cristalizar facilmente, torna-se cremoso, claro e esbranquiçado. É rico em vitaminas e ajuda na prevenção de disturbios do sistema cardiovascular.

O Mel de Alecrim é um dos mais apreciados no mundo. Possui um odor muito intenso e aromático, o que lhe confere um sabor único. De cor muito clara, pode cristalizar rapidamente. É o mel que tem as propriedades mais estimulantes para todo o corpo, sendo muito benéfico para distúrbios digestivos, e também para úlceras no estômago.

Colhido no Minho e em Tras-os-Montes, o Mel de Castanheiro tem um aroma a madeira seca, característica das árvores de onde vem. É doce e tem notas salgadas com várias cores castanhas. Muito rico em minerais, ferro e taninos, promove uma melhor circulação sanguínea, melhora problemas relacionados com varizes e fragilidade capilar.

De sabor forte, o Mel de Urze é um mel muito aromático sobressaindo madeiras, especiarias e caramelo. Apresenta uma cor avermelhada escura, tornando-se acastanhado quando cristaliza. Terapeuticamente, é aconselhado para tratar infeções do sistema urinário e da próstata.

O Mel de Tomilho colhe-se em várias zonas da nossa costa litoral. O tomilho é uma planta com uma grande percentagem de timol, o que confere ao mel um aroma muito intenso e aromático e um sabor a mentol e hortelã.

Pode ter vários tons de castanho consoante a zona de colheita. É um mel bastante terapêutico, com reconhecidas propriedades antisséticas.

O mel mais característico de Portugal é o Mel de Rosmaninho. As suas plantas crescem espontaneamente por todo o interior do país. A cor deste mel lembra o ouro e possui um aroma muito floral, característico das plantas da família das Alfazemas. Na medicina tradicional emprega-se como anticonvulsivo e antiespasmódico.

O Mel de Medronheiro é o único mel amargo, cujo sabor lembra o café. Ao primeiro toque pode parecer doce mas rapidamente revela a sua amargura e complexidade deixando um travo único. De cor castanho-escura, cristaliza rapidamente. Na terapêutica é usado para a desinfeção das vias urinárias e é reconhecido como antiasmático.

O remédio mais natural para a sua respiração é o Mel de Eucalipto. Esta árvore dá origem a méis de variados tons acastanhados. De aroma ativo e sabor agradável a mentol, pode apresentar ligeiras variações consoante a região do país. Terapeuticamente é bastante reconhecida a sua ajuda para combater problemas respiratórios, tomado naturalmente ou adicionado nos chás.

Frasco com mel-de-flores

O mel mais comum do mundo e do nosso país é o Mel de Flores Silvestres. Provém das flores que florescem naturalmente em todo o país, logo apresenta múltiplas cores e diferentes sabores. Naturalmente doce, utiliza-se no seu estado puro e na confeção de bolos e doces.

Bastante rico em vitaminas e minerais, o Mel de Girassol tem uma cor amarela, normalmente comparada à cor da gema de ovo.  Possui um sabor doce muito cremoso e cristaliza rapidamente, sendo muito utilizado para barrar o pão.

Obtido a partir dos néctares das flores de laranjeiras do Algarve, o Mel de Laranjeira apresenta uma cor clara e ao abrir o frasco sente-se o aroma dos campos de laranjeiras desta região. Possui um inconfundível sabor a citrinos, é mais espesso e bastante doce. Terapeuticamente ajuda à normalização de problemas intestinais e do sistema nervoso. Recomenda-se para tratamentos de insónias, usado em infusões e estudos recentes comprovam a sua eficácia na redução dos efeitos do álcool.

Estes são apenas alguns tipos de mel mais conhecidos, com origem em plantas e flores do nosso país. Mas a lista é bem mais longa, assim como os benefícios do seu consumo.

Motivos para incluir o mel na alimentação diária

Conhecido como o néctar dos deuses, o mel é um dos poucos alimentos que não se consegue conceber artificialmente. Este produto natural único é produzido apenas pelas abelhas.

Desde o início da humanidade que é utilizado no tratamento de várias doenças e como alimento fonte de energia. O avanço da tecnologia permitiu efetuar vários estudos que provaram e confirmaram que se trata de um alimento extraordinário e saudável.

Para começar, o mel é rico em antioxidantes que têm como função a redução de radicais livres em excesso que podem ser prejudiciais à saúde. Este alimento tem na sua composição polifenóis que minimizam os efeitos dos radicais livres.

A sua riqueza em antioxidantes e flavonóides, torna-o um alimento bom para a saúde do coração. Um dos benefícios é o facto de ajudar a reduzir a taxa de colesterol LDL (mau colesterol).

Iniciar o dia com um copo de água misturado com limão e mel ajuda a equilibrar o pH do organismo e a limpar o sistema digestivo.

A sua consistência viscosa contribui para aliviar a sensação de azia e refluxo gástrico, reduz a sensação de inchaço, e ainda diminui a probabilidade de desenvolver úlceras.

Aqueles que precisam de um boost de energia pela manhã devem consumir mel ao pequeno-almoço.

É energia pura!

Pequeno-almoço com mel

E quem nunca bebeu um copo de leite ou uma chávena de chá com mel para aliviar as dores de garganta? O seu forte efeito expetorante ajuda neste processo.

Melhora a fixação do cálcio nos ossos e a anemia nas crianças. Substitui o açúcar no tratamento da diabetes e trata as úlceras provocadas por esta doença (o elevado teor de frutose diferencia o mel do açúcar devido a um menor índice glicémico e, consequentemente, subidas menos acentuadas dos níveis de glicémia).

Limpa, desinfeta e cura as feridas com mais eficácia que o álcool ou a água oxigenada, e acelera a cura de queimaduras de 1º e 2º grau.

Também é um aliado para conseguir uma pele mais bonita. Na área da estética é muito utilizado em máscaras de tratamento, e a sua ingestão ainda ajuda a combater os radicais livres que provocam o envelhecimento.

É rico em triptófano, importante para reduzir o nível de stress do organismo, logo, ajuda-o a descansar melhor e ainda estimula a produção de serotonina, responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Com tantos benefícios, não hesite, acrescente o mel às suas refeições: no leite, nos iogurtes, nas papas de aveia... até para temperar saladas é uma excelente opção. Não deixe de absorver todas as propriedades deste alimento único!
Não se esqueça, contudo,  que o mel é rico em hidratos de carbono simples, devendo ser consumido com moderação.

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
12 de Julho de 2022

Referências Externas:

Portugal vai ter um registo oncológico animal

OUTROS TEMAS

Portugal vai ter um registo oncológico animal

O ICBAS e o ISPUP preparam-se para lançar a plataforma Vet-OncoNet, um website que pretende reunir informação sobre neoplasias presentes em animais de companhia e criar um registo oncológico animal.
DO QUINTAL... PARA DENTRO DE CASA

COMPANHIA

DO QUINTAL... PARA DENTRO DE CASA

Quando se fala de animais de estimação as possibilidades são cada vez maiores. Aos típicos cães e gatos foram--se juntando os pássaros, os peixes, as tartarugas, os coelhos e outros pequenos roedores,...
0 Comentários