Triptófano

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
O triptofano (ou triptófano em Portugal) é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendo portanto um dos componentes das proteínas dos seres vivos.

É um aminoácido aromático essencial para a nutrição humana.

É um dos vinte aminoácidos no código genético (códon UGG).

Apenas o L-estereoisômero aparece na proteína mamália.

O triptofano vem antes da serotonina e é representado pela letra "W".

Estudos indicam também que o triptofano é a substância responsável pela promoção da sensação do bem-estar.

O triptofano absorve luz ultravioleta.

Um aminoácido essencial que é necessária para o crescimento normal em lactentes e para o equilíbrio de azoto em adultos.

É um precursor de alcaloides de indole em plantas.

É um precursor da serotonina (daí o seu uso como um antidepressivo e ajuda o sono).

Também pode ser um precursor para a niacina, ainda que de forma ineficiente, em mamíferos.

Este composto pertence à classe de compostos conhecidos como ácidos orgânicos carboxílicos e derivados de indolilo.

Estes são compostos que contêm uma cadeia de ácido carboxílico (de, pelo menos, 2 átomos de carbono) ligado a um anel de indole.
Usos comuns
Suplementos de triptofano podem ser utilizados como relaxantes naturais para ajudar a aliviar a insónia.

Triptofano pode também reduzir a ansiedade e depressão e tem sido mostrado para reduzir a intensidade das dores de cabeça da enxaqueca.

Outras indicações promissores incluem o alívio da dor crónica, a redução da impulsividade ou mania e o tratamento de doenças obsessivo-compulsivas.

Triptofano também parece ajudar o sistema imunitário e pode reduzir o risco de espasmos cardíacos.

Deficiências de triptofano pode levar a espasmos das artérias coronárias.

O triptofano é utilizado como um nutriente essencial em fórmulas para lactentes e alimentação intravenosa.

Fontes naturais:
Bananas
Grão-de-bico
Tâmaras secas
Amendoins
Leite
Carne
Peixe
Peru
Alimentos ricos em proteínas

É importante ressaltar que, embora o triptofano eleve os níveis de serotonina, o seu consumo na forma de lactíneos, peixe, carne etc, não faz efeito significativo sobre a produção de serotonina no Sistema Nervoso Central.

Isso ocorre pois o triptofano não é o único aminoacido presente nesses alimentos, assim, há uma "competição" com outros aminoácidos na absorção.

Desse modo a maior parte do triptofano presente nos alimentos não é utilizada.

O triptofano no Sistema Nervoso Central (SNC), é um dos responsáveis pela produção de serotonina.

Níveis baixos de serotonina estão associados à depressão, o triptofano atua como um antidepressivo pois eleva os níveis de serotonina (5HT) no SNC.
Tipo
Molécula pequena
História
Em 1989, uma empresa nos EUA, a Showa Denko K.K, que produzia L-triptofano, modificou uma bactéria que começou a ser usada para aumentar a produção industrial de L-triptofano.

A partir do momento em que este novo triptofano começou a ser utilizado, começaram a ocorrer diversas mortes causadas por uma doença auto-imune onde as próprias celulas de defesa do organismo começam a atacar o corpo e causava aumento das células sanguíneas chamadas eosinófilos e mialgia (dores musculares).

Por a empresa não ter fornecido informações sobre a bactéria utilizada, os cientistas não conseguiram determinar exatamente a causa e nem a cura da doença.

Sabe-se que mais de 40 pessoas morreram em decorrência do uso do L-triptofano e muitas outras ficaram permanentemente inválidas.

A empresa Showa Denko K.K afirmou que logo após evidências desta doença, destruiu toda e qualquer forma desta bactéria.

Nunca houve relatos de problemas relacionados a este aminoácido quando produzido de fermentação, que era o modo empregado antes das bactérias.
Indicações
Suplementos de triptofano podem ser utilizados como relaxantes naturais para ajudar a aliviar a insónia.

Triptofano pode também reduzir a ansiedade e depressão e tem sido mostrado para reduzir a intensidade das dores de cabeça da enxaqueca.

Outras indicações promissores incluem o alívio da dor crónica, a redução da impulsividade ou mania e o tratamento de doenças obsessivo-compulsivas.

Triptofano também parece ajudar o sistema imunitário e pode reduzir o risco de espasmos cardíacos.

Deficiências de triptofano pode levar a espasmos das artérias coronárias.

O triptofano é utilizado como um nutriente essencial em fórmulas para lactentes e alimentação intravenosa.

Fontes naturais:
Bananas
Grão-de-bico
Tâmaras secas
Amendoins
Leite
Carne
Peixe
Peru
Alimentos ricos em proteínas

É importante ressaltar que, embora o triptofano eleve os níveis de serotonina, o seu consumo na forma de lactíneos, peixe, carne etc, não faz efeito significativo sobre a produção de serotonina no Sistema Nervoso Central.

Isso ocorre pois o triptofano não é o único aminoacido presente nesses alimentos, assim, há uma "competição" com outros aminoácidos na absorção.

Desse modo a maior parte do triptofano presente nos alimentos não é utilizada.

O triptofano no Sistema Nervoso Central (SNC), é um dos responsáveis pela produção de serotonina.

Níveis baixos de serotonina estão associados à depressão, o triptofano atua como um antidepressivo pois eleva os níveis de serotonina (5HT) no SNC.
Classificação CFT

N.D.

Mecanismo De Ação
Um número de reacções colaterais importantes ocorrer durante o catabolismo do triptofano na via em acetoacetato.

A primeira enzima da via catabólica é uma porfirina oxigenase ferro que abre o anel de indole.

A última enzima é altamente indutível, a sua concentração crescente quase 10 vezes sobre uma dieta rica em triptofano.

Quinurenina é o primeiro ponto de ramificação intermediário chave na via.

Quinurenina sofre deamniation numa reação de transaminação padrão produzindo ácido cinurénico.

Ácido cinurénico e metabolitos têm mostrado agir como antiexcitotóxica e anticonvulsivantes.

A segunda reação ramo lateral produz ácido antranílico mais alanina.

Outro equivalente de alanina é produzido mais ao longo da principal via catabólica, e é a produção destes resíduos de alanina que permite triptofano para ser classificado entre os aminoácidos e Cetogénicas glicogénicos.

O segundo ponto de ramificação importante converte quinurenina em semialdeído 2-amino-3-carboxymuconic, que tem dois destinos.

O fluxo principal de elementos de carbono a partir deste intermediário é glutarato.

Uma reacção secundária importante no fígado é uma transaminação e diversos rearranjos para produzir quantidades limitadas de ácido nicotínico, que leva à produção de uma pequena quantidade de NAD + e NADP +.
Posologia Orientativa
A dose adulta habitual recomendada de L-triptofano é de 8 g a 12 g por dia, tomados em 3 a 4 subdoses igualmente divididas com as refeições ou lanches.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Não tome este medicamento se você é alérgico a L-triptofano.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os seguintes efeitos secundários foram notificados em pelo menos 1% das pessoas que tomam este medicamento.

Muitos destes efeitos secundários podem ser controlados, e alguns podem ir embora por conta própria ao longo do tempo.

Contate o médico se sentir estes efeitos secundários e eles são graves ou incómodo.

O farmacêutico pode ser capaz de aconselhá-lo sobre o gerenciamento de efeitos colaterais.

- tontura
- sonolência
- boca seca
- dor de cabeça
- perda de apetite
- náusea

Embora a maioria dos efeitos secundários listados abaixo não acontece muito frequentemente, eles podem levar a sérios problemas se não procurar atendimento médico.

Procurar imediata atenção médica, se qualquer um dos seguintes sintomas de sobredosagem ocorrer:
- agitação
- confusão
- diarreia
- febre
- reflexos alterados
- má coordenação
- inquietação
- tremores
- suar
- falar ou agir com emoção que você não pode controlar
- tremor ou estremecimento
- espasmos
- vómitos
Algumas pessoas podem experimentar diferentes daqueles listados efeitos colaterais.

Verifique com seu médico se você notar qualquer sintoma que o preocupa enquanto estiver a tomar este medicamento.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Este medicamento não deve ser usado durante a gravidez a menos que os benefícios superam os riscos.
Precauções Gerais
Diabetes: Se tem diabetes, o médico deve acompanhar de perto a sua condição enquanto estiver a tomar L-triptofano, pois pode afetar o controle de açúcar no sangue.

Outras condições médicas: Se tiver problemas de baixa acidez estomacal, além de estômago ou intestinos, ou uma história de catarata, discutir com o médico como este medicamento pode afetar a sua condição médica, como sua condição médica pode afetar a dosagem e a eficácia deste medicamento, e se algum acompanhamento especial é necessário.

Os suplementos de vitamina B6: O médico pode recomendar que você tomar suplementos de vitamina B6 para reduzir o risco de cancro da bexiga.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Se esquecer de uma dose, tome-a o mais rapidamente possível e continue com o seu horário regular.

Se estiver quase na hora de tomar a próxima dose, salte a dose e continue com o seu horário regular de dosagem.

Não tome uma dose dupla para compensar uma perdida.

Se você não tem certeza o que fazer depois de perder uma dose, entre em contato o médico ou farmacêutico para aconselhamento.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conserve o medicamento à temperatura ambiente, proteger da luz e humidade.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Consultar informação actualizada

Triptófano + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e o Lítio. - Lítio
Consultar informação actualizada

Triptófano + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Inibidores de MAO (por exemplo, fenelzina, tranilcipromina). - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Consultar informação actualizada

Triptófano + Fenelzina

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Inibidores de MAO (por exemplo, fenelzina, tranilcipromina). - Fenelzina
Consultar informação actualizada

Triptófano + Tranilcipromina

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Inibidores de MAO (por exemplo, fenelzina, tranilcipromina). - Tranilcipromina
Consultar informação actualizada

Triptófano + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Antidepressivos SSRI (por exemplo, paroxetina, fluoxetina). - Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)
Consultar informação actualizada

Triptófano + Paroxetina

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Antidepressivos SSRI (por exemplo, paroxetina, fluoxetina). - Paroxetina
Consultar informação actualizada

Triptófano + Fluoxetina

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e os Antidepressivos SSRI (por exemplo, paroxetina, fluoxetina). - Fluoxetina
Não recomendado/Evitar

Furazolidona + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos. - Amitriptilina - Apraclonidina - Atomoxetina - Benzefetamina - Brimonidina - Bupropiona - Carbamazepina - Carbidopa - Carbinoxamina - Citalopram - Clomipramina - Ciclobenzaprina - Cipro-heptadina - Desipramina - Desvenlafaxina - Dexmetilfenidato - Dextroanfetamina - Anfepramona (Dietilpropiona) - Doxilamina - Entacapona - Escitalopram - Femoxetina - Fluoxetina - Fluvoxamina - Guanedrel - Guanetidina - Hidroxitriptofano - Imipramina - Isocarboxazida - Levodopa - Levacetilmetadol - Levomilnacipran - Maprotilina - Mazindol - Metadona - Metanfetamina - Metildopa - Metilfenidato - Milnaciprano - Mirtazapina - Nefazodona - Nefopam - Nortriptilina - Opipramol - Paroxetina - Fendimetrazina - Fenmetrazina - Fentermina - Fenilalanina - Pseudoefedrina - Reserpina - Safinamida - Selegilina - Sertralina - Sibutramina - Sumatriptano - Tapentadol - Tetrabenazina - Tranilcipromina - Trazodona - Trimipramina - Triptofano - Venlafaxina - Vilazodona - Vortioxetina - Zimeldina - Triptófano
Usar com precaução

Fluoxetina + Triptófano

Observações: Estudos de interacção só foram efectuados em adultos.
Interações: Combinações que requerem precauções na utilização: Lítio e triptofano: Têm sido registados casos de síndrome da serotonina quando os ISRS são administrados com lítio ou triptofano e, por conseguinte, a utilização concomitante de fluoxetina com estes fármacos deve ser feita com precaução. Quando a fluoxetina é utilizada em combinação com lítio, é necessária uma monitorização clínica mais cuidada e frequente. - Triptófano
Usar com precaução

Citalopram + Triptófano

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interações: Medicamentos serotoninérgicos: Lítio e triptofano: Não foram encontradas interações farmacocinéticas em estudos clínicos nos quais o citalopram foi administrado concomitantemente com lítio. No entanto, há notificações de efeitos aumentados quando os ISRSs foram administrados com lítio ou triptofano e, portanto, a utilização concomitante do citalopram com estes medicamentos deve ser realizada com precaução. A rotina de monitorização dos níveis de lítio deve ser continuada, como habitual. Influência do citalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Lítio e triptofano: Não há nenhuma interação farmacocinética entre o lítio e o citalopram. Contudo, houve relatos de efeitos serotoninérgicos aumentados quando os ISRS foram administrados em associação com lítio ou triptofano. É aconselhada precaução durante a utilização simultânea de citalopram com estas substâncias ativas. A monitorização habitual dos níveis de lítio deverá ser continuada como habitualmente. - Triptófano
Consultar informação actualizada

Melatonina + Triptófano

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Interações farmacocinéticas: Observou-se que a melatonina induz o CYP3A in vitro em concentrações supraterapêuticas. Desconhece-se a relevância clínica desta observação. Caso a indução ocorra, esta pode dar origem a concentrações plasmáticas reduzidas de medicamentos administrados concomitantemente. A melatonina não induz as enzimas CYP1A in vitro a concentrações supraterapêuticas. Assim, as interações entre a melatonina e outras substâncias ativas em consequência do efeito da melatonina sobre as enzimas CYP1A não deverão ser significativas. O metabolismo da melatonina é principalmente mediado pelas enzimas CYP1A. Por este motivo, é possível que se registem interações entre a melatonina e outras substâncias ativas em consequência do seu efeito sobre as enzimas CYP1A.
Interações: Existe uma grande quantidade de informação na literatura da especialidade sobre o efeito dos agonistas/antagonistas adrenérgicos, agonistas/antagonistas opiáceos, medicamentos antidepressivos, inibidores das prostaglandinas, benzodiazepinas, triptofano e álcool sobre a secreção endógena de melatonina. Não foi estudado se estas substâncias ativas interferem ou não nos efeitos dinâmicos ou cinéticos da melatonina ou vice-versa. - Triptófano
Contraindicado

Dapoxetina + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos/produtos à base de plantas com efeitos serotoninérgicos: Tal como com outros ISRS, a administração concomitante com medicamentos/produtos à base de plantas serotoninérgicos [incluindo IMAO, L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, IRSN, lítio e preparações de Erva de São João (Hypericum perforatum)] poderá levar a uma incidência de efeitos associados com a serotonina. Dapoxetina não deverá ser utilizado em associação com outros ISRS, IMAO ou outros medicamentos/produtos à base de plantas serotoninérgicos nem nos 14 dias após suspender o tratamento com estes medicamentos/produtos à base de plantas. De um modo semelhante, estes medicamentos/produtos à base de plantas não deverão ser administrados nos 7 dias após Dapoxetina ter sido suspenso. - Triptófano
Usar com precaução

Vortioxetina + Triptófano

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interações: Potencial da vortioxetina para afetar outros medicamentos: Lítio, triptofano: Não foi observado nenhum efeito clinicamente relevante durante a exposição ao lítio no estado de equilíbrio após coadministração com doses múltiplas de vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, ocorreram notificações de potenciação de efeitos quando antidepressivos com efeito serotoninérgico foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; deste modo, o uso concomitante de vortioxetina com estes medicamentos deve ser feito com precaução. - Triptófano
Usar com precaução

Mirtazapina + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Adicionalmente, tal como com os ISRS, a administração concomitante de outras substâncias ativas serotoninérgicas (L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, venlafaxina, lítio e preparações à base de hipericão - Hypericum perforatum (pode levar a uma incidência de efeitos associados à serotonina (síndrome serotoninérgica). Deverá ser aconselhada precaução e é necessária uma monitorização clínica apertada quando estas substâncias ativas são administradas em combinação com a mirtazapina. - Triptófano
Usar com precaução

Duloxetina + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Triptófano
Usar com precaução

Escitalopram + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Lítio, triptofano: Foi notificado aumento dos efeitos quando os ISRS foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; portanto, a utilização concomitante de ISRS com estes medicamentos deve ser efectuada com precaução. - Triptófano
Usar com precaução

Paroxetina + Triptófano

Observações: n.d.
Interações: Fármacos serotoninérgicos: Tal como com outros ISRS, a administração concomitante com fármacos serotoninérgicos (incluindo IMAOs, L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, lítio e preparações de Erva de São João – Hypericum perfuratum) pode levar à incidência de efeitos associados à 5-hidroxitriptamina (síndrome serotoninérgico). Quando estes fármacos são utilizados em combinação com paroxetina deverão ser tomadas precauções, sendo requerida uma monitorização clínica rigorosa. - Triptófano
Não recomendado/Evitar

Venlafaxina + Triptófano

Observações: n.d.
Interações: Síndrome serotoninérgica: Tal como com outros agentes serotoninérgicos, durante o tratamento com a venlafaxina pode ocorrer uma síndrome serotoninérgica, especialmente com a administração concomitante de outros fármacos que possam afectar o sistema neurotransmissor serotoninérgico (incluindo triptanos, ISRSs, IRSNs, lítio, sibutramina, tramadol ou hipericão [Hypericum perforatum]), com fármacos que possam diminuir o metabolismo da serotonina (incluindo IMAOs), ou com precursores da serotonina (tal como suplementos de triptofano). Se a administração concomitante de venlafaxina com um ISRS, um IRSN ou com receptores agonistas da serotonina (triptano) estiver indicada, aconselha-se a observação cuidadosa do doente, especialmente durante o início do tratamento e durante os aumentos da dose. A administração concomitante de venlafaxina com precursores da serotonina (tal como suplementos de triptofano) não é recomendada. - Triptófano
Usar com precaução

Fluvoxamina + Triptófano

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: A fluvoxamina tem sido usada em combinação com lítio no tratamento de doentes com depressão grave resistente aos fármacos. Contudo, o lítio (e possivelmente o triptofano) potencia os efeitos serotoninérgicos da fluvoxamina. A combinação deve ser usada com precaução em doentes com depressão grave resistente aos fármacos. - Triptófano
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Triptófano
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Este medicamento não deve ser usado durante a gravidez a menos que os benefícios superam os riscos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020