Vitaminas do complexo B

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
Associações de vitaminas.

Como saber se tem carências de vitaminas do complexo B
As vitaminas são nutrientes essenciais à vida.

O organismo humano é incapaz de sintetizar as vitaminas, tendo de as receber em quantidades suficientes através de uma alimentação equilibrada.


Existem situações em que o nosso organismo necessita de mais vitaminas do complexo B do que habitualmente, tais como gravidez e aleitamento, tratamento com alguns medicamentos (anti-infecciosos, citostáticos, anti-epilépticos), no tratamento das doenças do fígado, nevralgias, nevrites e polinevrites (inflamação dos nervos com sintomas tais como perda de sensibilidade, formigueiro, dor, etc.) tratamento das sequelas do alcoolismo crónico (miocardiopatia, por exemplo) e estomatites (aftas) devido a uma carência vitamínica.


Outras situações que podem originar carências são um regime alimentar restritivo ou deficiente, anorexia ou perda de apetite (no decurso de afecções febris, por exemplo).


A falta de apetite, fraqueza ou cansaço e maior susceptibilidade às infecções, podem ser sinais da existência de carência vitamínica.
Usos comuns
Utilizado para a prevenção de estados carenciais de vitaminas do complexo B, em situações que requerem uma ingestão adicional (gravidez e aleitamento, esforço físico excessivo, recém-nascidos e idosos) ou associadas a uma deficiência por doença ou induzida por fármacos.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Profilaxia de avitaminoses em situações que requerem um aporte suplementar (gravidez e aleitamento, esforço físico excessivo, recém-nascidos e idosos) ou associadas a uma deficiência patológica ou induzida por fármacos.
Classificação CFT
11.03.01.03     Associações de vitaminas
Mecanismo De Ação
As vitaminas do complexo B são componentes de sistemas enzimáticos que catalisam várias reacções do metabolismo glucídico, lipídico e proteico.

Cada vitamina tem um papel biológico específico.

A carência em vitaminas do complexo B origina deficiência em coenzimas conduzindo a perturbações metabólicas.

Quimicamente, a tiamina (vitamina B1), consiste em dois anéis, um de tiazol e outro de pirimidina, ligados por uma ponte de metileno.

A tiamina existe em várias formas fosforiladas inter-convertíveis, predominando o pirofosfato de tiamina (TPP).

O TPP, a forma coenzimática da tiamina, está envolvido em dois tipos principais de reacções metabólicas: descarboxilação de -cetoácidos (ex. piruvato, -cetoglutarato e cetoácidos de cadeia ramificada) e transcetolização (ex. nas hexoses e pentoses fosfato).

Como tal, o principal papel fisiológico da tiamina é como coenzima no metabolismo dos hidratos de carbono, no qual o TPP é necessário em várias fases do metabolismo glucídico para o fornecimento de energia.

Também desempenha funções na condução dos impulsos nervosos.

A forma primária da vitamina B2 (riboflavina) é um componente integrante das coenzimas flavina mononucleótido (FMN) e flavina-adenina dinucleótido (FAD).

Nestas formas de coenzimas, a riboflavina funciona como um catalizador das reacções redox em várias vias metabólicas e na produção de energia.

A vitamina B2 é essencial para o metabolismo dos hidratos de carbono, lípidos e proteínas.

A vitamina B6 compraz um grupo de 6 compostos: piridoxal (PL), piridoxina (PN), piridoxamina (PM) e as respectivas formas 5’-fosforiladas PLP, PNP e PMP.

O PMP e PLP são as formas major encontradas nos tecidos animais e ligam-se a proteínas através dos grupos-amino dos resíduos de lisina.

O PN e PNP encontram-se em alimentos derivados de plantas e ocorrem normalmente na forma dos respectivos 5’-O-glucosidos.

Nos humanos, a forma mais excretada é o ácido 4-piridóxico (PA).

O PLP é uma coenzima de mais de 100 enzimas envolvidas no metabolismo dos aminoácidos, incluindo aminotransferases, decarboxilases, racemases, and desidratases.

É coenzima da -aminolevulinato sintetase, a qual cataliza o primeiro passo da biossíntese do heme, e da cistationina-sintetase e cistationinase, enzimas envolvidas na via da transsulfuração a partir da homocisteina para cisteina.

A maioria do PLP é encontrada no músculo, ligada à fosforilase.

O PLP é uma coenzima da reacção de fosforilação, estando também directamente envolvido na catálise.

O termo “niacina” refere-se à nicotinamida (amida do ácido nicotínico), ácido nicotínico (ácido piridina-3-carboxílico) e derivados com a mesma actividade biológica da nicotinamida.

A nicotinamida adenina dinucleótido (NAD) e a nicotinamida adenina dinucleótido fosfato (NADP) actuam como aceitadores ou dadores de electrões em reacções redox biológicas.

Adicionalmente, o NAD está também envolvido na reparação do DNA e na metabolização do cálcio.

O aminoácido triptofano é convertido em parte a nicotinamida, contribuindo para as necessidade em niacina.

A niacina está também envolvida na conversão de vitamina B2 e B6 nas suas formas activas.

O ácido pantoténico desempenha um papel importante na libertação de energia a partir dos hidratos de carbono, na gluconeogenese, na síntese e degradação de ácidos gordos, bem como na síntese de compostos vitais tais como esteróides, porfirinas, acetilcolina e nas reacções de acetilação no geral.

A deficiência em ácido pantoténico afecta sobretudo o córtex adrenal, o sistema nervoso, a pele e os cabelos.
Posologia Orientativa
Adultos: 1-2 colheres de sobremesa (5 – 10 ml) de xarope por dia.
Crianças: 1/2 – 1 colher de sobremesa (2,5 – 5 ml) de xarope por dia.
Administração
O xarope pode ser tomado tal como se apresenta ou diluído com água, sumos ou misturado com alimentos pouco consistentes.
Contraindicações
Hipersensibilidade às vitaminas do complexo B.

Contra-indicado em caso de doenças associadas à retenção de ferro como a hemocromatose, talassémia e anemia sideroblástica.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Apesar da piridoxina não ser habitualmente tóxica, a administração prolongada de doses elevadas (500 mg – 6 g por dia) foi associada a neuropatia sensorial periférica, reversível após a descontinuação do tratamento.

Podem ocorrer perturbações gastrointestinais moderadas (diarreia e obstipação).

Em casos isolados, encontram-se descritas reacções de hipersensibilidade (exantema, asma, angioedema e urticária).
Advertências
Gravidez
Gravidez:Pode ser administrado durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento:Este medicamento pode ser tomado durante a lactação.
Precauções Gerais
A coloração amarela da urina que se observa após administração deste medicamento é devida à presença da vitamina B2 (riboflavina) e não tem significado clínico.


Este medicamento contém vitamina B6 (cloridrato de piridoxina), não devendo associar-se com levodopa, a não ser quando associada a um inibidor da dopadescarboxilase.


Não ultrapassar os 2 g de vitamina B6 por dia.

Este medicamento deve ser utilizado com precaução em doentes com diabetes mellitus, doença hepática, doença péptica, gota, cálculos renais recorrentes, doentes sob terapêutica anticoagulante e hemofílicos.
Cuidados com a Dieta
Pode ser administrado independentemente das refeições.

Pode ser tomado puro ou diluído com água, sumo de fruta, ou misturado com alimentos pouco consistente.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.

Continue a tomar a dose diária.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Conservar no frigorífico (2ºC – 8ºC).
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Vitaminas do complexo B + Álcool

Observações: N.D.
Interações: O álcool interfere com a absorção intestinal da riboflavina (vitamina B2).

Vitaminas do complexo B + Aminoglicosídeos

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas do complexo B pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: As necessidades de riboflavina estão aumentadas em doentes a tomar fenotiazinas e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Bloqueadores neuromusculares

Observações: N.D.
Interações: É possível que a tiamina aumente o efeito dos bloqueadores neuromusculares, embora se desconheça o significado clínico deste efeito.

Vitaminas do complexo B + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas do complexo B pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.

Vitaminas do complexo B + Colquicina

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas do complexo B pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: É possível que a administração do cloridrato de piridoxina origine uma diminuição nas concentrações séricas do fenobarbital e da fenitoína.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: É possível que a administração do cloridrato de piridoxina origine uma diminuição nas concentrações séricas do fenobarbital e da fenitoína.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: N.D.
Interações: As necessidades de riboflavina estão aumentadas em doentes a tomar fenotiazinas e antidepressivos tricíclicos.

Vitaminas do complexo B + Isoniazida

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas do complexo B pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Vitaminas do complexo B + Levodopa

Observações: N.D.
Interações: Nos doentes com doença de Parkinson, o cloridrato de piridoxina (vitamina B6) contraria os efeitos terapêuticos da levodopa por acelerar o seu metabolismo periférico. Este efeito é evitado se se administrar concomitantemente carbidopa e levodopa.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vitaminas do complexo B + Probenecida

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de probenecida diminui a absorção de riboflavina. As necessidades de riboflavina estão aumentadas em doentes a tomar probenecida.

Vitaminas do complexo B + Tetraciclinas

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas do complexo B pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Nos doentes com doença de Parkinson, o cloridrato de piridoxina (vitamina B6) contraria os efeitos terapêuticos da levodopa por acelerar o seu metabolismo periférico.

Este efeito é evitado se se administrar concomitantemente carbidopa e levodopa.

É possível que a administração do cloridrato de piridoxina origine uma diminuição nas concentrações séricas do fenobarbital e da fenitoína.

É possível que a tiamina aumente o efeito dos bloqueadores neuromusculares, embora se desconheça o significado clínico deste efeito.

Este medicamento pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, colchicina, isoniazida e carbamazepina.

O álcool interfere com a absorção intestinal da riboflavina.

As necessidades de riboflavina estão aumentadas em doentes a tomar fenotiazinas e antidepressivos tricíclicos.

A administração concomitante de probenecide diminui a absorção de riboflavina.

As necessidades de riboflavina estão aumentadas em doentes a tomar probenecide.

Este medicamento pode ser tomado durante a gravidez e a lactação.

No entanto, a utilização de doses elevadas de vitamina B6 (piridoxina) durante a gravidez tem sido relacionada com a ocorrência de convulsões piridoxino-dependentes em recém-nascidos.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 10 de Março de 2016