A DIABETES

100


A DIABETES

  Tupam Editores

A diabetes é uma doença metabólica crónica, em que a quantidade de glicose no sangue é muito elevada porque o pâncreas não tem capacidade para produzir insulina ou não a produz em quantidade suficiente por forma a ajudar a glicose a penetrar nas células do corpo – ou a que é produzida não funciona adequadamente, anomalia que é conhecida como resistência à insulina.

Estão identificados dois tipos de diabetes: Tipo 1, que surge geralmente na infância e adolescência, em que o sistema imunológico ataca e destrói as células beta do pâncreas, que são as responsáveis pela produção de insulina, e do Tipo 2, que se desenvolve normalmente na idade adulta, quando o organismo não consegue produzir insulina suficiente ou a que produz não funciona.

O Dia Mundial da Diabetes comemora-se todos os anos, por todo o mundo, a 14 de Novembro, data que também este ano não foi esquecida no nosso país, e que se mantém inalterada para 2017. Trata-se do reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo fisiologista Frederick Banting que, em 1922, assistido por Charles Best isolou a insulina, a hormona chave que permite tratar a diabetes, doença metabólica caraterizada pelo aumento anormal de açúcar no sangue.

diabetes

A data foi introduzida no calendário pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela Federação Internacional da Diabetes (FID) em 1991, com o objetivo de sensibilizar organismos públicos, profissionais da saúde, comunicação social e sociedade civil para uma doença que segundo os dados mais recentes da OMS vitima mais de 4,9 milhões pessoas por ano em todo o mundo, mais que o HIV, malária e tuberculose juntos. É a quarta maior causa de morte nos países desenvolvidos e a principal causa de cegueira, insuficiência renal, problemas cardiovasculares e amputações.

O primeiro relatório mundial da OMS sobre a diabetes, divulgado por altura da celebração do Dia Mundial da Saúde, mostra que o número de adultos que vivem com diabetes quadruplicou desde 1980 para 422 milhões de adultos. Este aumento dramático é em grande parte devido ao aumento da diabetes Tipo 2 e aos fatores que para isso contribuíram, como o excesso de peso e a obesidade. O último relatório divulgado por aquela organização, indica que a diabetes só por si causou 1,5 milhões de mortes em 2012, para além das complicações associadas que podem levar a ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, cegueira, insuficiência renal e amputação dos membros inferiores.

Por isso o novo relatório exorta os governos a garantir que as pessoas sejam capazes de fazer escolhas saudáveis e que os sistemas de saúde possam diagnosticar, tratar e cuidar das pessoas com diabetes, incentivando cada um de nós como indivíduo a comer saudavelmente, tornar-se fisicamente ativo, e evitar ganhos excessivos de peso.

No entanto, e apesar de tudo, somente em 2007 a Assembleia Geral da ONU, através da resolução 61/225, passou a considerar a diabetes um problema de saúde pública, o que obrigou os governos a definir políticas de apoio ao doente. Nessa altura foi também adoptado o símbolo global da diabetes, o círculo azul, bem como o lema da campanha de consciencialização a nível mundial: unidos pela diabetes.

simbolo

A combinação do círculo, simbolizando a vida e a saúde, com a cor azul associada ao céu, que une todas as nações, representa a unidade da comunidade global como resposta a uma epidemia que alastra dia a dia. Atualmente são mais de 285 milhões os portadores de diabetes e a FID prevê que, caso a tendência se mantenha, esse número atinja os 435 milhões dentro de 20 anos.

O dia mundial da diabetes, que em 2016 teve como lema "Olhos na diabetes", é parte de uma campanha mundial que já reúne mais de 200 associações em mais de 160 países e que todos os anos apresenta um tema escolhido pela FID, com o objetivo de abordar todos os aspetos inerentes à problemática da diabetes. Este ano o lema teve como objetivo alertar para a necessidade de rastrear as complicações da diabetes, nomeadamente a retinopatia diabética que afeta cerca de um terço das pessoas com diabetes e que pode conduzir à cegueira.

Por cá, os portadores de diabetes já ultrapassam um milhão de pessoas, com idades entre os 20 e 79 anos, o equivalente a cerca de 13% da população, com custos para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), superiores a 50 milhões de euros, estimando-se ainda em mais de 420 mil os casos por diagnosticar.

Entre os vários eventos que todos os anos se realizam em Portugal, como corridas pedestres, congressos, seminários, palestras e atividades públicas de sensibilização através de folhetos e cartazes, vai realizar-se na Albufeira, a partir do dia 10 de março do próximo ano, o 13º Congresso Português de Diabetologia, organizado pela Sociedade Portuguesa de Diabetologia, que marcará o início das atividades para o resto do ano.

A Sociedade Portuguesa de Diabetologia em parceria com a Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral, a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal e a Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, marcam habitualmente, de forma muito ativa, a agenda das atividades ligadas à problemática da diabetes, através da abordados de todos os aspetos relacionados com a doença, nomeadamente, a alimentação, o pé diabético, hipertensão e dislipidemias, com vista a sensibilizar a população para os vários fatores de risco, para além de realizar eventos desportivos, exposições e distribuição de material informativo.

Até ao momento, não são conhecidos meios de prevenção para a diabetes Tipo 1, embora os fatores ambientais que provocam o processo de destruição das células responsáveis pela produção de insulina estejam a ser investigados. Porém, a diabetes Tipo 2, que ocorre já em idade adulta, pode ser prevenida através da manutenção de um peso normal, alimentação equilibrada e prática de atividade desportiva regular.

diabetes

A diabetes impõe exigências aos seus portadores ao longo de toda a vida. Tal não significa que o paciente diabético, desde que siga os tratamentos adequados, não possa levar uma existência normal. Para os que ainda não conhecem a doença, torna-se necessário saber identificar os fatores de risco associados, assim como as medidas de prevenção e os principais sintomas, de forma a evitar complicações futuras.

Mais de metade dos portadores da doença desconhecem a sua condição; quando a descobrem é muitas vezes tarde demais para evitar as suas sequelas, como a disfunção renal ou até a amputação de membros.

Como surge a diabetes

Grande parte dos alimentos que consumimos é transformada em glicose, uma forma de açúcar utilizado como combustível pelas células para fornecer a energia necessária ao organismo. Ao processo de transformação dos alimentos em energia denomina-se metabolismo, sendo que para metabolizar a glicose adequadamente, o organismo necessita de uma substância chamada insulina. Trata-se de uma hormona produzida pelo pâncreas, uma glândula localizada por debaixo do estômago, cuja função é regular o funcionamento da glicose no organismo, sendo a chave essencial de todo o processo metabólico. A presença de glicose ao longo da corrente sanguínea estimula as células beta do pâncreas a libertar mais insulina.

diabetes

Havendo uma deficiência na produção daquela hormona, a glicose não penetra nas células, podendo verificar-se uma carência de nutrientes e acumulação excessiva de açúcar no sangue.

O desafio de todo o diabético é tentar reduzir os níveis de glicose, mantendo uma taxa de glicemia situada no intervalo de 70 a 100 mg/dl
durante o maior tempo possível.

A deficiente produção de insulina pelo pâncreas obriga o doente a administrá-la durante toda a vida por outros meios. É a chamada diabetes mevllitus do Tipo 1 ou insulinodependente, que surge com mais frequência nas crianças e adolescentes, como já referido.

Neste caso, a falta de insulina é absoluta e a sua aplicação é, por enquanto subcutânea, dado que ainda não se descobriu forma oral ou outra que não seja destruída pelos ácidos gástricos do estômago. Este tipo de diabetes é o mais raro e não se consegue controlar apenas através da alteração do estilo de vida ou dos hábitos alimentares, como ocorre com o Tipo 2, no qual o organismo produz insulina, mas não funciona de forma adequada.

A diabetes Tipo 2 afeta mais os adultos, sobretudo, os que têm excesso de peso, antecedentes familiares com a doença, hipertensão, níveis elevados de colesterol no sangue ou ainda quando apresentam problemas no pâncreas ou distúrbios endócrinos. Nestes doentes não é necessário administrar insulina, salvo em raras exceções, nas quais também se podem prescrever medicamentos antidiabéticos orais para controlar a doença.

Porém, na sua maioria, os diabéticos não insulinodependentes, desde que controlem o peso através de uma alimentação adequada e exercício físico, podem não apresentar problemas mais graves com a doença. Este é o tipo de diabetes mais comum, correspondendo a cerca de 90 por cento dos casos.

Há ainda um outro tipo de diabetes, que surge durante a gravidez, a chamada diabetes gestacional, que habitualmente desaparece após o parto. Esta pré-diabetes atinge uma em cada vinte grávidas, sendo suficiente uma alteração na dieta alimentar para o seu controle. Deve no entanto agir-se assim que se detete uma situação de hiperglicemia (elevado valor de açúcar no sangue), de modo a evitar que a diabetes se instale mais tarde no organismo da mulher ou do bebé.

No decurso do tratamento, o doente também pode ver-se confrontado com situações de hipoglicemia ou baixos valores de glicose no sangue. Quando a doença não está controlada, pode surgir a cetoacidose, considerada uma das complicações mais graves da doença, que pode levar ao coma, com um desfecho fatal para o doente se não for tratada convenientemente.

Ocorre mais frequentemente em diabéticos do Tipo 1 e em situações de stress emocional ou físico, associada a uma infeção. Na cetoacidose o açúcar no sangue aumenta e verifica-se a decomposição de células gordas, produzindo-se corpos cetónicos ou ácidos, que dão ao hálito um odor caraterístico semelhante à acetona.

diabetes

É necessário estar atento aos primeiros sinais da diabetes, sobretudo quando se trata do Tipo 2, já que esta é mais difícil de detetar, podendo passar despercebida por muito tempo. Pelo contrário, em crianças e jovens os sinais são mais evidentes, como as dores de cabeça, náuseas e vómitos, embora haja outros sintomas comuns nas duas formas de diabetes: urinar com frequência, perda de peso repentina, cansaço, fome constante (polifagia), sede intensa (polidipsia), visão turva, feridas de difícil cicatrização, infeções frequentes e formigueiros ou torpor nas mãos e pés.

Os sintomas surgem com mais intensidade quando a taxa de glicemia está muito elevada. Nessa altura é conveniente consultar o médico para fazer os convenientes testes à urina e ao sangue. Aqueles sintomas, ligados a uma glicemia ocasional superior a 200 miligramas por decilitro ou superior a 126 miligramas em jejum, são fortes indícios que apontam para um diagnóstico de diabetes.

Com o tempo, à medida que a doença avança, aqueles sintomas vão-se acentuando progressivamente, surgindo complicações mais graves que afetam a vista, nervos, coração, pés, veias e artérias. Daí a importância de um diagnóstico precoce e um tratamento o mais disciplinado possível.

Tratamento e prevenção da diabetes

Muitas complicações podem surgir associadas à diabetes caso não se siga um tratamento atempado e eficaz. Elevada concentração de açúcar no sangue pode acumular-se nas paredes dos vasos sanguíneos, provocando o seu espessamento e ruptura, o que faz com que cada vez menos sangue seja enviado aos nervos. A lesão dos vasos sanguíneos na retina pode originar retinopatias, principal causa da perda de visão entre os diabéticos. O recurso ao laser, para vedar hermeticamente os vasos sanguíneos do olho, pode evitar lesões de maior gravidade e permanentes na retina.

exame oftalmológico

Quando um nervo não funciona adequadamente, afetando o braço ou a perna, surge a mononeuropatia, embora possa também ocorrer uma situação ainda mais grave e que atinge mais que um membro, a polineuropatia. As lesões dos nervos da pele, se reincidentes, provocam uma fraca sensibilidade do doente perante as mudanças de temperatura. A má circulação origina úlceras, fazendo com que as feridas cicatrizem muito lentamente. Quando são profundas e ficam infetadas pode ocorrer gangrena, que obriga frequentemente à amputação de parte do membro.

A arteriopatia, para além da neuropatia, são causas frequentes do denominado pé diabético, uma das mais dramáticas consequências da diabetes. Por isso, é conveniente uma revisão periódica dos pés do doente, de forma a detetar potenciais arranhões, fissuras, dor, mudanças na cor ou alterações neurocirculatórias.

No diabético, a concentração de substâncias gordas também tende a ser muito elevada, podendo ocasionar arteriosclerose acelerada.

As doenças cardiovasculares e os AVCs são então muito frequentes, podendo também ocorrer macroangiopatia, disfunção e impotência sexual, assim como infeções constantes, como as urinárias ou as gengivites, dado que o funcionamento dos glóbulos brancos também é afetado. Igualmente a função renal se deteriora, ocasionando nefropatias que obrigam a tratamentos de diálise.

diabetes

Todas estas complicações podem ser evitadas ou atenuadas se houver um rigoroso controlo da glicemia, pressão arterial e colesterol. Para isso torna-se importante a adopção de uma alimentação adequada, prática regular de exercício e a administração adequada de insulina, no caso dos insulinodependentes. Para a diabetes Tipo 2 pode ainda ser necessário utilizar fármacos, em particular hipoglicemiantes orais, que estimulem o pâncreas a produzir insulina e controlem os níveis de glicose.

Os doentes podem manter uma boa qualidade de vida, sem grandes limitações, desde que sigam os tratamentos e evitem as sequelas da doença. Para os que ainda não manifestaram os primeiros sinais é importante controlar os fatores de risco, como a obesidade, o sedentarismo, o tabagismo e manter um estilo de vida o mais saudável possível.

Como bem recorda o presidente da Federação Internacional da Diabetes (FID), Shaukat Sadikot, no último evento consagrado à diabetes: basta uma caminhada de 30 minutos para se ter controlo sobre uma doença crónica e incapacitante que, a nível mundial, tem um devastador impacto social, humano e económico. Há mais de sete milhões de pessoas que desenvolvem a diabetes em cada ano, afetando sobretudo as que estão em idade ativa, o que compromete o desenvolvimento económico de um país.

A luta não será fácil, conforme referiu o presidente da FID, mas "é uma batalha que tem de se travar", por se tratar de "uma escolha simples: ou fazemos alguma coisa agora ou pagaremos mais tarde as consequências", alertou o professor Jean Claude Mbanya, ex-presidente da FID no período de 2009-2013, no decurso do último Congresso Mundial da Diabetes.

Desde 1 de dezembro de 2015 que a Federação Internacional da Diabetes conta com o português Luís Gardete Correia (ex-presidente da APDP), na vice-presidência da organização, que por sua vez recomenda "coma pouco de cada vez, várias vezes ao dia e evite as frituras", e coincidência ou não, Lisboa vai acolher em 2017 o maior congresso europeu da diabetes (53ª edição), que se realizará de 11 a 15 de setembro em Lisboa.

Ver mais:
A DIABETES, FANTASMA DA SOCIEDADE OCIDENTAL
DIABETES, EDUCAR PARA PREVENIR!
PÉ DIABÉTICO


ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
07 de Junho de 2017

Referências Externas:

Relacionados

EPILEPSIA - O que é e como conviver com ela?

A epilepsia é uma doença crónica do Sistema Nervoso Central que não deixa ninguém indiferente. O seu diagnóstico é estabelecido quando determinada pessoa apresenta pelo menos dois episódios de convuls...

Seborreia - Saiba como controlar o problema!

A DS, ou eczema seborreico, é uma alteração crónica, não contagiosa e recorrente, em que ocorre inflamação nas áreas da pele onde existe um maior número de glândulas sebáceas. Caracteriza-se por placa...

Destaques

CONHECE O PODER DO SORRISO?

Dias cansativos, trabalho que nunca mais acaba, stress, correrias, casa para arrumar, filhos para acompanhar, contas para pagar, para além daqueles problemas ou situações mais negativas que, por vezes...

BIOTECNOLOGIA: A ALQUIMIA DOS TEMPOS MODERNOS

O toque de alvorada da indústria da biotecnologia soou quando se realizaram as primeiras experiências de splicing genético, isto é, a modificação da informação genética do DNA para o RNA após a transc...
0 Comentários