AÇÚCAR

100


AÇÚCAR

  Tupam Editores

Não lhe resistimos nos dias de festa e é o que mais nos apetece quando a tristeza aperta. Branco, light, amarelo ou mascavado, o açúcar é um produto que sabe bem, acalma e dá prazer mas que, quando consumido regularmente e em excesso, nos deixa gordinhos e, pior, gravemente doentes.

Já foi apreciado como especiaria, consumido como medicamento, e usado como adoçante e nenhum mal teria vindo ao mundo se tivesse continuado a ser consumido raramente e com moderação, como sucedeu durante milhares de anos.

Por ser um bem raro, encontrado apenas na fruta, em algumas plantas, raízes e no mel, o organismo habituou-se a armazená-lo, sob a forma de glicose, para ter energia de reserva em períodos de carência alimentar. Mas um dia tudo mudou.

A primeira grande alteração ocorreu há dez mil anos, com o surgimento da agricultura, e a outra veio na sequência da Revolução Industrial, quando o homem pôs de lado as farinhas e os grãos integrais (hidratos de carbono complexos, ou seja, açúcares de absorção lenta e ricos em fibra, vitaminas e minerais) e passou a consumir cereais refinados (hidratos de carbono simples, isto é, açúcares que o organismo transforma rapidamente em glicose).

Mas o pior foi o que sucedeu a partir da segunda metade do século passado, quando o açúcar – a sacarose, mas também a frutose e outros glícidos – começou a ser usado como aditivo na indústria alimentar, dando origem a um aumento da obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão, doenças cardíacas e fígado gordo de causa não alcoólica.

O açúcar não é apenas o pó branco e granulado com que adoçamos o chá ou o café – a sacarose –, mas também o xarope de milho com alto teor de frutose, o adoçante mais usado pela indústria alimentar desde os anos setenta do século passado e que é adicionado à grande maioria dos alimentos processados – às guloseimas (bolos, bolachas, bombons, chupas, pastilhas, etc.), mas também aos cereais de pequeno-almoço, refrigerantes, iogurtes, compotas, douradinhos, lasanhas, salsichas, almôndegas, molhos, sobremesas e por aí fora – que são cada vez mais precocemente consumidos.

comida com açúcar

Aliás, o "culto" do açúcar tem início logo nos primeiros dias de vida, quando as mães mergulham as chupetas no açucareiro para acalmar os bebés e evitar que chorem. E continua ao longo da infância sendo estimulado pelos pais que oferecem doces e rebuçados aos seus filhos, como recompensas ou prémios. Da televisão, que nos bombardeia a toda a hora com anúncios sedutores para induzir ao consumo de doces e junk food que nos pode matar, nem se fala!

Porém os cientistas estão cada vez mais atentos e de alguns anos para cá conseguiram despertar o público para o problema, que se agrava a olhos vistos.

Sugar: The Bitter Truth (Açúcar: A Verdade Amarga) e The Toxic Truth about Sugar (A Verdade Tóxica sobre o Açúcar) são trabalhos do endocrinologista pediátrico americano Robert Lustig, professor na Universidade da Califórnia, em São Francisco, onde o açúcar é apelidado de "toxina", "veneno" e "demónio".

Lustig afirma, categórico, que o açúcar é tóxico, induz dependência e deve ser visto como um verdadeiro problema de saúde pública, razão pela qual pede a intervenção das autoridades da saúde, e defende um controlo sobre a venda – idêntico ao do álcool, que é proibido a menores de 18 anos – e propõe que os governos taxem os alimentos que contenham açúcar adicionado, independentemente do tipo.

Tipos de açúcares

Sabe o que é, e donde provém, o açúcar? Pode parecer óbvio, mas não é assim tão evidente. O açúcar é geralmente criado como resultado do processamento de um dos dois tipos de plantas: a beterraba ou a cana-de-açúcar. Estas plantas são colhidas, processadas e refinadas para se parecerem com o açúcar branco que conhecemos.

Mas é importante entender que o açúcar não é apenas o do açucareiro, aquele que conseguimos ver, e que é uma substância sem qualquer valor nutricional – fornece calorias vazias, e é de absorção rápida. Está presente em grande quantidade em vários alimentos que comemos (pão, iogurtes, bolos, massas), e também nas bebidas que ingerimos (refrigerantes, leite achocolatado, sumos empacotados). Por mais incrível que pareça, tudo contém açúcar!

O termo "açúcares" é geralmente usado para classificar todos os hidratos de carbono simples, mono- e dissacarideos. Neles se englobam a glicose, frutose, galactose, sacarose, maltose e lactose. Na verdade, os três últimos são dímeros constituídos por subunidades dos três primeiros e necessitam de um passo enzimático, a digestão, antes de serem absorvidos no intestino delgado.

A glicose, frutose e galactose são captados pelos enterócitos (células do epitélio intestinal) através de transportadores específicos. Quanto à galactose, é captada pelos mesmos transportadores que a glicose, os SGLT, num processo ativo e dependente de energia. Já no enterócito, a galactose é praticamente toda convertida em glicose e é nesta forma que acaba por entrar na circulação.

A frutose é absorvida do intestino pelos GLUT5 num processo de difusão facilitada. Um aspeto curioso acerca da absorção da frutose é que este açúcar tem a capacidade de aumentar a sua própria absorção. Ou seja, a exposição prévia a níveis elevados de frutose aumenta a sua absorção numa dose seguinte. Isto é particularmente importante porque a sua captação é linear mas incompleta, e doses muito elevadas no seu estado puro, cristalino, causam diarreia. No entanto, quem tem por hábito consumi-la adquire uma capacidade absortiva bastante superior.

Os fabricantes de produtos alimentares adicionam muitos destes açúcares aos alimentos durante o processo de produção, desempenhando funções importantes, em virtude das suas propriedades adoçantes (sabor), e do seu papel a nível de textura, estrutura e consistência. Outra das funções dos açúcares é a conservação de geleias e compotas, contribuição para a fermentação de leveduras, assim como para a cor e sabor dos alimentos cozinhados.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a recomendação diária para o consumo de açúcar é de apenas 5 por cento do valor calórico total ingerido no dia. Mas os dados do INE, em 2012, revelaram algo mais assustador. Cada português ingere diariamente o equivalente a 16 pacotes de açúcar daqueles com que se adoça o café, ou o equivalente a 23 colheres de chá de açúcar. Isto significa que cada um de nós ingere 96,3 gramas de açúcar por dia, 2,9 kg por mês, e 34,7 kg por ano.

criança obesa a comer doces

E o cenário tem vindo a piorar. Muitas patologias ditas de adulto, que antigamente surgiam aos 40 anos, se agravavam aos 60 e tinham consequências mesmo palpáveis aos 80, manifestam-se cada vez mais precocemente e com consequências mais graves. As crianças estão mais obesas, os adolescentes têm hipertensão, colesterol elevado e diabetes tipo 2. A questão é: a quem atribuir a responsabilidade?

Açúcar: um doce veneno que convida a muitas doenças

Segundo a OMS, a cada ano que passa as doenças não transmissíveis matam 36 milhões de pessoas e destas nove milhões têm menos de 60 anos. Só as doenças cardiovasculares são responsáveis pela morte de 17,3 milhões, seguidas do cancro (7,6 milhões), das doenças respiratórias (4,2 milhões) e da diabetes (1,3 milhões).

Portugal não é exceção. No nosso país, a OMS estima que as doenças não transmissíveis sejam responsáveis por 86 por cento da mortalidade total, sendo as doenças cardiovasculares (37 por cento), o cancro (26 por cento) e a diabetes (cinco por cento) as que mais matam.

A quantidade de açúcar que as crianças ingerem, diariamente, é assustadora. Tudo o que é processado e embalado num pacote tem açúcar. Basta olhar para o rótulo. Hoje em dia, o seu maior inimigo é o açúcar.

Pode mesmo dizer-se que o açúcar, em termos neurológicos, e de neurotransmissores, de prazer e da precocidade com que é introduzido, tem consequências mais nefastas do que o tabaco. A frutose, a dextrose, todos os açúcares criam dependência. Entra-se no domínio dos recetores cerebrais, no domínio do prazer, da compensação, do conforto.

O açúcar aumenta os níveis de hormonas como a dopamina e a serotonina, o que causa uma momentânea sensação de bem estar, mas com a liberação da insulina, esse estado de excitação passa rapidamente, e a pessoa sente vontade de ingerir mais açúcar.

Se as pessoas se habituarem a consumir açúcar e a ter prazer pelo açúcar, há modificações epigenéticas – genes que são acionados e que fazem com que se passe a ter mais tendência para o açúcar. E a mesma dose não surte o mesmo efeito a longo prazo, o que faz com que se aumente a dose de açúcar. Torna-se viciante!

São cada vez mais os que afirmam que o açúcar é tóxico, e que para além de destruir a homeostase do organismo (manutenção das condições estáveis para as células), o consumo excessivo deste "não alimento" pode causar várias outras consequências graves.

Segundo os cientistas o aumento de doenças crónicas não transmissíveis, como as doenças cardíacas, diabetes de tipo 2 e cancro, está relacionado com a dieta ocidental, principalmente comida de baixo custo e altamente transformada.

Afirmam ainda que a obesidade não é a causa daquelas doenças, mas, em vez disso, um sinal de disfunção metabólica, e que é o consumo excessivo de açúcar que origina todos os fatores de risco associados à síndrome metabólica, incluindo hipertensão, dislipidemias, resistência insulínica, diabetes e o processo de envelhecimento.

caries

Mas os perigos para o organismo não se ficam por aqui. Para além do conhecido risco para aumentar o número de cáries, acidificar a saliva e provocar doença periodontal das gengivas, o consumo excessivo de açúcar pode desativar o sistema imunológico, prejudicando as defesas contra doenças infeciosas;

É o inimigo Número 1 do intestino – provoca disbiose intestinal (fermentação, e mau funcionamento intestinal), ou seja, destroi as bactérias benéficas, aumentando a população de parasitas intestinais, especialmente a Candida Albicans;

Pode provocar doenças autoimunes como a artrite, asma e esclerose múltipla e outras condições como alergias alimentares, enfisema, aterosclerose, aumenta o risco de poliomielite, da Doença de Alzheimer, e a sua ingestão é mais alta em doentes com Parkinson;

Desorganiza as relações entre os sais minerais no organismo: provoca deficiência de cromo e cobre e interfere na absorção de magnésio e calcio, o que acarreta maior risco para a osteoporose;

Afeta os órgãos, pois o excesso transforma-se em gordura, predispondo à obesidade e ao depósito de gorduras. Pode aumentar o tamanho do fígado e dos rins. No fígado ao fazer com que as células do órgão se dividam e aumentem o nível de gordura (esteatose hepática), e nos rins pode contribuir para a formação de cálculos renais;

O consumo elevado por adolescentes grávidas pode levar a uma redução substancial da duração da gravidez e está associado à duplicação do risco de ter um bebé pequeno demais para a idade gestacional. Em bebés prematuros pode afetar o volume de dióxido de carbono que produzem;

Durante a infância pode provocar um aumento rápido de adrenalina, de hiperatividade, ansiedade, irritabilidade, de dificuldade de concentração e reduzir a capacidade de aprendizagem, além de piorar a sintomatologia em crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH);

Além de sintomas como cansaço, sonolência e queda de energia, pode provocar dores de cabeça e enxaqueca, desiquilíbrios hormonais, como aumentar o nível de estrogénio no homem, exacerbar a TPM e reduzir o nível da hormona do crescimento;

envelhecimento prematuro

Uma dieta rica em açúcar aumenta os radicais livre e o stress oxidativo, provoca o envelhecimento prematuro, perda de elasticidade e funcionamento dos tecidos, pode piorar a visão, e provocar cataratas e miopia;

Existem já algumas evidências de que o excesso de açúcar pode provocar cancro. Isso porque o excesso de insulina promove o crescimento tumoral. As células de muitos tipos de cancro dependem de insulina para crescerem e se multiplicarem, assim, quanto mais insulina circular no sangue, mais facilmente o cancro se desenvolve. Segundo os cientistas, muitas células pré-cancerosas jamais se transformariam em malignas se não tivessem insulina ao seu dispor.

E estes são apenas alguns dos malefícios deste doce veneno que consumimos diariamente e que nem sempre está visível, tornando mais difícil controlar a sua ingestão. Porém, como em tudo na vida, existe um lado mau e um lado bom!

O lado bom do açúcar

Apesar de o açúcar, na nossa mente, estar associado à obesidade e à diabetes, ele também é imprescindível ao organismo. O açúcar é a forma mais rápida de fornecer glicose ao organismo. E esse componente é essencial para o bom funcionamento do cérebro, da retina e dos rins.

A deficiência de glicose, condição conhecida por hipoglicemia, dá origem a dor de cabeça e os olhos entram em vertigem.

A glicose ainda auxilia na proliferação das Bifidobactérias e dos Lactobacillus sp. Essas bactérias compõem a flora intestinal e contribuem para a eliminação de bactérias nocivas como a Escherichia coli e o Clostridium. Além disso, o açúcar é uma importante fonte de calcio, fósforo, ferro, cloro, potássio, sódio, magnésio e de vitaminas do complexo B.

alface

Isto não significa, contudo, que os doces tenham de fazer parte do cardápio diário. Até porque o açúcar está presente também nos frutos e em fontes salgadas, como as massas, pães e bolachas. O ideal seria que não se consumissem doces e se fizesse uso do açúcar dos outros alimentos. A moderação aqui é crucial.

A solução para evitar consumir açúcar em excesso seria escolher produtos sem rótulo, sem lista de ingredientes: aqueles que vieram da terra, do mar ou do rio. É importante diminuir a adição de açúcar aos poucos para acostumar o paladar.

Pela sua saúde, e daqueles que ama, reeduque-se para conhecer o verdadeiro gosto dos alimentos e, com o tempo, começará a apreciá-los e a sentir-se mais saudável.

Não deixe que o doce de hoje, se torne o amargo amanhã!

Ver mais:
A FOME
ALIMENTAÇÃO ANTICANCEROSA
ANOREXIA, BULIMIA E OUTROS DISTÚRBIOS ALIMENTARES
EMAGRECER, A DITADURA DO VERÃO
JÁ PODE COMER DEMAIS!
O QUINTO SABOR
SUPLEMENTOS ALIMENTARES
TOXINFECÇÕES ALIMENTARES: O PERIGO INVISÍVEL
VITAMINAS


ARTIGO

Relacionados

Potássio - Minerais essenciais

O potássio é um elemento químico alcalino de origem mineral, essencial para o bom funcionamento do corpo humano sendo, de entre os vários nutrientes, um dos principais componentes das células e exerce...

Destaques

CONHECE O PODER DO SORRISO?

Dias cansativos, trabalho que nunca mais acaba, stress, correrias, casa para arrumar, filhos para acompanhar, contas para pagar, para além daqueles problemas ou situações mais negativas que, por vezes...

BIOTECNOLOGIA: A ALQUIMIA DOS TEMPOS MODERNOS

O toque de alvorada da indústria da biotecnologia soou quando se realizaram as primeiras experiências de splicing genético, isto é, a modificação da informação genética do DNA para o RNA após a transc...
0 Comentários