Tocoferol (Vitamina E)

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
O Tocoferol (Vitamina E) é um antioxidante que ocorre naturalmente em alimentos como nozes, sementes, e vegetais de folhas verdes.

A Vitamina E é importante para muitos processos no organismo. É usada para prevenir e tratar a sua deficiência.

As pessoas com certas doenças podem precisar de doses extras de vitamina E.
Usos comuns
As vitaminas são compostos que devem ser tomados para o crescimento e saúde. São necessárias apenas em pequenas quantidades e estão disponíveis nos alimentos.

A vitamina E impede uma reação química chamada oxidação, o que por vezes pode resultar em efeitos nocivos para o organismo. Também é importante para o funcionamento adequado de nervos e músculos.

Algumas condições podem aumentar a sua necessidade de vitamina E.
Estes incluem:
– doença intestino
– doença hepática
– doença do pâncreas
– a remoção cirúrgica do estômago.
A necessidade de aumento de vitamina E deve ser determinada pelo profissional de saúde.

Em crianças que estão a receber uma fórmula não enriquecida com vitamina E é provável que haja uma deficiência dessa vitamina. Além disso, dietas ricas em ácidos gordos poli-insaturados podem aumentar as suas necessidades de vitamina E.

Alegações de que a vitamina E é eficaz para o tratamento de cancro e para a prevenção ou o tratamento da acne, envelhecimento, perda de cabelo, picadas de abelha, manchas do fígado nas mãos, bursite, queimaduras, úlcera no estômago, ataques cardíacos, dores de parto, certas doenças do sangue, aborto, distrofia muscular, má postura, impotência sexual, esterilidade, infertilidade, menopausa, queimaduras solares e danos nos pulmões da poluição do ar não foram comprovadas.

Embora a vitamina E esteja sendo usada para prevenir certos tipos de cancro, não há informações suficientes que demonstrem a sua eficácia. A carência de vitamina E é extremamente rara, excepto em pessoas que sofram de uma doença em que não é absorvida pelo organismo.
Tipo
Molécula pequena.
História
Durante experimentos de alimentação com ratos, Herbert McLean Evans concluiu em 1922 que além das vitaminas B e C, existia uma vitamina desconhecida.
Embora todos os outros nutrientes estivessem presentes, os ratos não eram férteis. Esta condição pode ser alterada com alimentação adicional com germe de trigo.
Demorou vários anos até 1936, quando a substância foi isolada do gérmen de trigo e a fórmula C29H50O2 foi determinada.
Evans também descobriu que o composto reagia como um álcool e concluiu que um dos átomos de oxigénio fazia parte de um grupo OH (hidroxila).
Como observado na introdução, a vitamina recebeu seu nome por Evans de palavras gregas que significam "ter filhos jovens" com a adição de -ol como álcool.
A estrutura foi determinada logo em seguida, em 1938.
Indicações
A Vitamina E está recomendada para prevenção e tratamento da deficiência de Vitamina E em pacientes com doenças de má absorção que combinam com esteatorréia (resseções gastrointestinais, doença celíaca), em condições em que a absorção de vitamina E está impedida (a fibrose cística ou a doença tracto hepatobiliar) ou em abetalipoproteinemia.
Classificação CFT

N.D.

Mecanismo De Ação
A Vitamina E é uma Vitamina lipossolúvel, essencial para o corpo, mas seus efeitos não são conhecidos com exactidão.

Tem um efeito antioxidante significativo, impedindo a oxidação de ácidos gordos poli-insaturados, principalmente, protegendo, assim, a integridade e a estabilidade das membranas celulares. Devido a esses efeitos, o aumento da sobrevida dos eritrócitos.

Isso também evita a formação de oxidantes tóxicos. Contribui para o funcionamento dos músculos, vasos sanguíneos e sistema nervoso e reprodutivo.

Também pode participar como cofactor em alguns processos metabólicos, como o metabolismo de esteróides, ácidos gordos e nucléicos.
Posologia Orientativa
Adultos, oral:
– Deficiência de Vitamina E: 800-1000 mg/24 horas.
– Má absorção com esteatorreia: 100 mg/kg/24 horas.
– Fibrose cística: 100-200 mg/24 horas.

Abetalipoproteinemia: 50-100 mg/kg/24 horas.
– Crianças Oral:
– Fibrose cística: 100 mg/24 horas.
– Colestase crónica, atresia biliar: 150-200 mg/kg/24 horas.
Administração
Via oral.
Cápsulas e comprimidos: devem ser administrados engolidos inteiros com um copo de água, sem mastigar, e durante ou após as refeições.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Tocoferol.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
O Tocoferol é geralmente bem tolerado, e as reacções adversas são normalmente associados à sobredosagem. Estes efeitos geralmente desaparecem após a interrupção da administração de tocoferol.

– Digestivo. Em raras ocasiões, pode haver diarreia, dor abdominal, distensão abdominal e náuseas. Em prematuros menos de 1,5 kg foram relatados casos de enterocolite necrosante.
– Neurológica / psicológico. É raro (<1%), a presença de tontura e dor de cabeça.
– Hematológicas. Há um aumento do risco de hemorragia e trombose, especialmente quando utilizado em doses elevadas e por períodos de tempo longos. No entanto, a frequência não foi quantificada.
– Alérgica / dermatológica. Erupções.
– Oculares. É muito raro apresentar visão turva.
– Geral. Miastenia.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: A - Não há evidência de risco em mulheres. Estudos bem controlados não revelam problemas no primeiro trimestre de gravidez e não há evidências de problemas nos segundo e terceiro trimestres.
Precauções Gerais
História de trombose. A vitamina E aumenta o risco de trombose em pacientes predispostos, especialmente em mulheres que usam contraceptivos de estrogénio.

Hipoprotrombinemia associada a vitamina K. É recomendado evitar a administração de doses superiores a 400 mg de Tocoferol por dia, pois pode antagonizar os efeitos da vitamina K, possivelmente devido a uma inibição da gamacarboxilase.

Anemia por deficiência de ferro. A administração de doses superiores a 100 mg / kg de Tocoferol, pode levar a um atraso na absorção de ferro, piorando o quadro em crianças com anemia ferropriva.

Pacientes tratados com anticoagulantes orais. O paciente deve evitar a administração de altas doses de Tocoferol, uma vez que poderia se comportar como antagonista da vitamina K e potencializar os efeitos da varfarina.

– Não é recomendado o uso de suplementos vitamínicos como um substituto para uma dieta adequada.
– Avise o Médico se o Paciente está a tomar anticoagulantes ou contraceptivos.
– Não é avaliada a eficácia da administração de doses muito elevadas de vitaminas, por isso não é recomendado para exceder a dose recomendada.
Cuidados com a Dieta
Poderá tomar com ou sem alimentos.
Terapêutica Interrompida
Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não use medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o suplemento dietético em recipiente fechado a temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz directa.
Evite o congelamento.
Não guarde medicamentos desactualizados ou que já não são necessários.
Guardar em local seco e fresco.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lactulose + Parafina líquida + Vaselina branca + Tocoferol (Vitamina E)

Observações: N.D.
Interacções: A utilização prolongada pode diminuir a absorção das vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) devido à parafina. - Tocoferol (Vitamina E)
Sem efeito descrito

Colessevelam + Tocoferol (Vitamina E)

Observações: O Colessevelam pode afetar a biodisponibilidade de outros medicamentos. Por conseguinte, quando não é possível excluir a ocorrência de uma interação medicamentosa com um medicamento administrado concomitantemente para o qual seriam clinicam ente importantes pequenas variações no nível terapêutico, Colessevelam deve ser administrado pelo menos quatro horas antes ou pelo menos quatro horas após a administração da medicação concomitante para minimizar o risco de redução da absorção dessa medicação. Para medicamentos concomitantes que exijam administração através de doses divididas, deve referir-se que a dose necessária de Colessevelam pode ser tomada uma vez por dia. Quando são administrados medicamentos nos quais as alterações nos níveis sanguíneos podem ter um impacto clinicamente significativo na segurança ou na eficácia, os médicos devem considerar a monitorização dos respetivos níveis séricos ou dos efeitos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interacções: O Colessevelam não induziu qualquer redução clinicamente significativa na absorção das vitaminas A, D, E ou K durante os estudos clínicos até um ano. - Tocoferol (Vitamina E)
Usar com precaução

Orlistato + Tocoferol (Vitamina E)

Observações: N.D.
Interacções: Vitaminas lipossolúveis: O tratamento com orlistato pode diminuir a absorção das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K). Nos ensaios clínicos, a grande maioria dos doentes em tratamento com orlistato até 4 anos completos apresentou níveis de vitaminas A, D, E e K e de betacaroteno que se mantiveram dentro dos limites normais. De forma a assegurar uma nutrição adequada, os doentes em dieta de controlo de peso devem ser aconselhados a terem uma dieta rica em fruta e vegetais e devem considerar tomar um suplemento multivitamínico. Se for recomendado a toma de um suplemento vitamínico, deverá ser administrado pelo menos duas horas após a administração de orlistato ou ao deitar. - Tocoferol (Vitamina E)
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Neomicina + Tocoferol (Vitamina E)

Observações: N.D.
Interacções: A Neomicina diminui a absorção e, por vezes, aumenta a excreção de diversos nutrientes, a exemplo de hidratos de carbono (sobretudo lactose, sacarose), gorduras (por lesão da mucosa do intestino delgado, com diarreia e, se for prolongada, com menor absorção de vitaminas lipossolúveis), cálcio, ferro, magnésio, potássio, sódio, azoto, ácido fólico e vitaminas A, B6, B12, D, E e K. A Neomicina destrói parte da flora bacteriana normal, levando a diarreia, micoses oportunistas, inclusive vaginais. A suplementação com flora bacteriana normal (Lactobacillus acidophilus, Bifidobacterium bifidus, Bifidobacterium longum, e Lactobacillus casei, Saccharomyces boulardi, Saccharomyces cerevesiae), na dose de um bilião de organismos por dia, bem como a vitamina K são aconselhadas. - Tocoferol (Vitamina E)
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Tocoferol (Vitamina E)
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 05 de Março de 2021