SPM — SÍNDROME PRÉ-MENSTRUAL

100


SPM — SÍNDROME PRÉ-MENSTRUAL

  Tupam Editores

A menos que surja alguma perturbação, tal como o tiquetaque de um relógio, o ciclo menstrual marca o ritmo biológico do organismo feminino. É natural, previsível, mas a sua chegada raramente é pacífica, pois vem acompanhado de desconforto, cólicas, uma irritação colossal e a sensação de se estar "no limite". Na verdade, para cerca de 85 a 90 por cento das mulheres em idade fértil, os dias que antecedem a menstruação são complicados. Não se trata, definitivamente, de um capricho!

Mulher deitadaA Síndrome pré-menstrual (SPM), vulgo tensão pré-menstrual (TPM), caracteriza-se por um conjunto de sintomas físicos, emocionais e comportamentais, com caráter cíclico e recorrente, que se iniciam na semana anterior à menstruação, e que aliviam com a chegada do fluxo.

Poucas são as mulheres que podem orgulhar-se de nunca ter sentido qualquer variação de humor ou mal-estar físico nesta altura; as outras, sentem os sintomas atrapalharem o seu dia-a-dia em casa e no trabalho, afetando a sua qualidade de vida.

Embora a causa exata da SPM não seja conhecida são muitos os fatores que podem contribuir para a condição. Mudanças cíclicas nos níveis hormonais parecem contribuir para o seu aparecimento, pois os sinais e sintomas da síndrome mudam com as flutuações hormonais e desaparecem com a gravidez e a menopausa.

Mudanças químicas no cérebro também podem estar envolvidas. Alterações nos níveis de serotonina, um neurotransmissor cerebral que participa das alterações do estado de humor, podem igualmente desencadear alguns dos sintomas. E embora o stress ou problemas psicológicos não causem a TPM, podem contribuir para agravar os sintomas.

Outros fatores que podem estar associados à TPM são baixos níveis de vitaminas e minerais, como as vitaminas E e B6; diminuição do cálcio e do magnésio no organismo; excesso de sal nos alimentos e ingestão de bebidas alcoólicas ou com cafeína.

Cada mulher experiencia a SPM de forma diferente. A intensidade dos sintomas varia não só de mulher para mulher, como de ciclo para ciclo, podendo ainda ser mais pronunciados durante as diferentes fases da vida. Por exemplo, podem ter mais sintomas quando atingem a puberdade ou quando atingem os trinta ou quarenta anos.

Sintomatologia e tratamento da síndrome

Segundo os especialistas, estão reconhecidos mais de 200 sintomas da SPM, embora alguns sejam mais recorrentes que outros.

Mulher com dor cabeçaOs sintomas emocionais e as alterações de comportamento mais comummente relatados pelas mulheres são tensão e ansiedade, depressão, choro fácil, alterações do humor, impulsividade, irritabilidade, raiva, agressividade, dificuldade de concentração, insónias ou sonolência, recolhimento social, reclusão, diminuição da libido, alterações no apetite, nomeadamente compulsão por alimentos específicos.

De entre os sinais físicos destaque para as dores abdominais (cólicas), musculares e articulações, náuseas, dor de cabeça, vertigem, palpitações, fadiga e letargia, obstipação ou diarreia, sensibilidade aumentada nos seios, ganho de peso por retenção de líquidos, aumento da circunferência abdominal, edema nas mãos e nos pés, e aparecimento de acne por oleosidade excessiva na pele. Os distúrbios de pele existentes podem piorar, assim como os problemas respiratórios (p. ex., alergia, infeção) e oftalmológicos (p. ex., distúrbios visuais, conjuntivites).

Cada mulher apresenta um padrão de sintomas diferente, pelo que o tratamento da síndrome também deve ser personalizado. A opinião do médico é fundamental para ditar o melhor caminho para solucionar o problema, devendo evitar-se a automedicação.

A medicação normalmente prescrita para a SPM inclui:
Contracetivos orais - as pílulas anticoncecionais impedem a ovulação e estabilizam as variações hormonais, aliviando a sintomatologia;

Anti-inflamatórios não hormonais (como o ibuprofeno ou o naproxeno) que, tomados antes ou no início da menstruação, melhoram o desconforto mamário;

Antidepressivos, inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), que ajudam a reduzir a fadiga, a compulsão alimentar e as insónias;

Acetato de medroxiprogesterona - nos casos mais severos de SPM a injeção pode ser usada para interromper temporariamente a ovulação; no entanto, também pode piorar alguns sintomas, como aumento do apetite, ganho de peso, dor de cabeça e humor depressivo;

O uso de diuréticos pode ajudar a eliminar o excesso de líquidos retido pelos rins e o excesso de sal no organismo.

A verdade é que não existe um tratamento único para a SPM. Dado os sintomas e a sua intensidade variarem de pessoa para pessoa e serem até diferentes em cada mês, o que solucionará o problema de uma mulher, pode não surtir efeito noutra. Contudo, há uma regra universal a seguir: um estilo de vida saudável.

Quando se fala de SPM, a ideia de mente sã em corpo são não podia ser mais acertada. Este equilíbrio é fundamental para que as flutuações hormonais não levem a melhor.

Apenas alguns cuidados no dia-a-dia podem ajudar a minimizar os efeitos associados à fase final do ciclo menstrual. Uma das estratégias passa por dormir oito horas por noite, evitar o stress e praticar exercício físico, sobretudo de baixo impacto. Andar de bicicleta, caminhar, nadar ou praticar modalidades de relaxamento (yoga) são boas opções. Outras terapias como a acupuntura, homeopatia e meditação também podem ajudar.

A alimentação é outra aliada do bem-estar, por reduzir alguns sintomas associados à síndrome e contribuir positivamente para a defesa contra outras patologias.

Mulher com taça de saladaDeve fazer-se uma alimentação variada e equilibrada, rica em hidratos de carbono complexos (cereais e massas integrais, leguminosas), em fruta e vegetais; ingerir alimentos ricos em ómega-3 (salmão e nozes), e em cálcio e vitamina D (espinafres, avelãs, sardinha, queijo e iogurte).

É igualmente importante ingerir alimentos ricos em zinco (marisco, queijo), magnésio (ervilhas, feijões, vegetais verdes), vitamina B6 (rebentos de soja, abacate, frango, flocos de aveia e cereais integrais, bacalhau e banana) e vitamina B1 (carne de porco, sementes de girassol).

Reduzir a ingestão de gorduras, de sal e de açúcar, esquecer a fast food, evitar o álcool e a cafeína são pequenos gestos diários que contribuem para controlar as inevitáveis alterações hormonais que afetam mulheres… e homens.

A verdade é que todos acabam por sofrer um pouco com a SPM. Mesmo aqueles que só estão por perto acabam por sentir a instabilidade desse período e, nomeadamente os homens, são quem mais precisa de ajuda para o ultrapassar.

Dicas para os homens enfrentarem a SPM

Todos os relacionamentos entre homens e mulheres passam por alguns momentos difíceis e complicados, grande parte deles causados pela falta de compatibilidade – a maioria das mulheres diz não entender os homens, e os homens dizem não entender as mulheres.

A SPM é, de facto, um enigma na cabeça dos homens que se sentem ameaçados, acabando alguns por se afastar das suas companheiras durante estes dias. Mas será esta a melhor opção para ultrapassar uma síndrome cíclica que, quer se queira quer não, estará presente praticamente durante toda a vida reprodutiva feminina?

CasalA opção mais acertada não é fugir mas aprender a lidar com esta fase e respeitá-la. É importante entender que não se trata de uma suscetibilidade, mas de um período complicado na vida de qualquer mulher e do qual não é culpada. Muita calma e compreensão vão ajudá-lo a ultrapassar esta altura do mês sem conflitos maiores.

Conforme as alterações de humor, apesar de irritadas, a maioria das mulheres costuma sentir-se carente e sensível durante este período. Telefonemas inesperados, mensagens carinhosas, cuidados extra, e umas massagens são boas opções e todos gostamos. No entanto, para satisfazer e acalmar uma mulher neste período, nada como o chocolate. E a razão é simples, o chocolate estimula a produção de um neurotransmissor a serotonina (em queda nesta fase), que é responsável pela sensação de prazer.

O companheiro deve ser um bom ouvinte... mas apenas isso. Ela não precisa que a questione, julgue ou tente aconselhar, mas que a escute. Qualquer crítica feita nesta altura, por menor que seja, vai doer muito mais por estar extremamente sensível.

As discussões devem ser evitadas, porque o nível de stress e sensibilidade feminina pode levar a discussão a um nível grave o que acaba por prejudicar a relação. Outro conselho útil é fugir de filmes dramáticos, optando por comédias ou programas mais ligeiros. Ver algo dramático nesta altura pode causar elevados danos, como crises de choro e até depressão.

Nada ajuda tanto como um elogio inesperado. Um elogio a algo que normalmente não tenha o hábito de comentar, é importante para a mulher saber que repara e com certeza vai gostar.

Todas as pessoas têm os seus altos e baixos… as mulheres apenas passam por um período menos bom todos os meses. E embora seja uma reação natural do corpo humano, o mal-estar desta altura do mês pode também ser indício de que algo não está bem.

Assim, se os sintomas forem exagerados e tenderem a agravar-se mês após mês, ou se interferirem na vida pessoal e profissional da mulher, deverá procurar aconselhamento médico para que possa ser feito o despiste das razões na origem do problema.

A SPM é uma condição da qual existem referências há mais de 2500 anos. Não é nada de novo, e também nada que não tenha solução. Se os sintomas da SPM estão a afetar a sua saúde e as atividades do quotidiano, procure aconselhamento profissional. Até porque tem todo o direito de estar bem, e ser feliz… todos os dias do mês!

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
06 de Janeiro de 2020

Referências Externas:

Relacionados

ESTÉTICA E AUTOESTIMA - Na saúde e bem-estar pessoal

Engana-se quem pensa que os conceitos e padrões de beleza são invenções modernas. Já na Grécia antiga existiam padrões de beleza muito bem estabelecidos. Estes modelos sofreram alterações ao longo dos...

Destaques

STRESS, COMO CONVIVER COM ELE

Nunca se falou tanto de stress como agora. Todos se queixam, mas poucos sabem que não se pode viver sem ele.

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.
0 Comentários