Piridoxina (Vitamina B6)

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
Piridoxina é a forma 4-metanol de vitamina B6 e é convertida em piridoxal 5-fosfato no corpo.

Piridoxal 5-fosfato é uma coenzima para a síntese de aminoácidos, neurotransmissores (serotonina, norepinefrina), esfingolípidos, ácido aminolevulínico.

Embora a piridoxina e vitamina B6 ainda sejam frequentemente usados ​​como sinónimos, especialmente por pesquisadores médicos, essa prática é errónea e, por vezes enganosa.
Usos comuns
Para o tratamento de deficiência de vitamina B6 e para a profilaxia de neuropatia periférica induzida por isoniazida.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Profilaxia e tratamento dos estados deficitários; défices produzidos por fármacos (isoniazida); anemias sideroblásticas.
Classificação CFT

11.03.01.02 : Vitaminas hidrossolúveis

Mecanismo De Ação
A vitamina B6 é o termo genérico para um grupo de três compostos relacionados, a piridoxina (PN), piridoxal (PL) e piridoxamina (PM), e os seus derivados fosforilados, piridoxina-5'-fosfato (PNP), piridoxal-5'-fosfato (PLP ) e piridoxamina 5'-fosfato (PMP).

Apesar de todos os seis destes compostos deve ser tecnicamente referido como a vitamina B6, o termo vitamina B6 é utilizada alternadamente com apenas um deles, piridoxina.

A vitamina B6, principalmente na sua forma biologicamente ativa coenzima piridoxal-5'-fosfato, está envolvida numa grande variedade de reações bioquímicas, incluindo o metabolismo de ácidos aminados e de glicogénio, a síntese de ácidos nucleicos, hemogloblina, esfingomielina e outros esfingolípidos, e a síntese de neurotransmissores serotonina, dopamina, norepinefrina e ácido gama-aminobutírico (GABA).
Posologia Orientativa
Na deficiência geral: 20 a 50 mg até 3 vezes/dia.

Na anemia sideroblástica idiopática: 100 a 400 mg/dia em doses repartidas.

No síndrome pré-menstrual: 50 a 100 mg/dia.

Na neuropatia isoniazídica: 10 a 20 mg/dia (profilaxia); 100 a 200 mg/dia (tratamento).
Administração
Via oral ou EV. Administrar os comprimidos com água e sem mastigá-los.
Contraindicações
Hipersensibilidade à piridoxina. Tratamento concomitante com levodopa.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
A administração prolongada de altas doses está associada ao desenvolvimento de neuropatias periféricas graves.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Não deve usar piridoxina se já teve uma reação alérgica a este anteriormente.

Fale com o médico ou farmacêutico antes de tomar piridoxina se tem quaisquer condições médicas, se toma outros medicamentos ou produtos naturais, ou se é alérgico a algum medicamento ou alimentos.

Antes de receber piridoxina injetável, informe o médico se tem doença renal ou doença cardíaca.

Piridoxina é apenas parte de um programa completo de tratamento que também pode incluir uma dieta especial.

É muito importante seguir o plano de dieta criado pelo médico ou nutricionista.

Deve tornar-se muito familiarizado com a lista de alimentos que deve comer ou evitar para ajudar a controlar a sua doença.
Cuidados com a Dieta
Alguns medicamentos não devem ser tomados perto das refeições ou em conjunto com certos alimentos, pois podem ocorrer interações.

Ingerir álcool ou fumar tabaco com certos medicamentos também podem causar interações.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar. Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazene piridoxina (vitamina B6) em temperatura ambiente, entre 15° e 30° C).
Armazene longe do calor, humidade e luz.
Não armazene na casa de banho.
Mantenha piridoxina (vitamina B6) fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potencialmente Grave

Levodopa + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: A levodopa é degradada no intestino antes de alcançar os locais de absorção. Os agentes que alteram a motilidade gastrintestinal podem alterar o grau de degradação intra-luminal. O efeito anti-parkinsoniano da levodopa é susceptível à inibição por outros fármacos.
Interações: Fármacos que inibem o efeito antiparkinsónico - Piridoxina - Piridoxina (Vitamina B6)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Cicloserina (Terizidona)

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Cicloserina (Terizidona)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: A isoniazida é um inibidor do metabolismo hepático de vários fármacos, o que pode potenciar a toxicidade de alguns fármacos tomados concomitantemente. Alimentos ricos em tiramina (queijo e peixe): A isoniazida com o consumo destes alimentos, pode causar elevação dos valores tensionais, taquicardia e rubor facial.
Interações: As necessidades de piridoxina podem estar aumentadas nos doentes submetidos a terapêutica com isoniazida. - Piridoxina (Vitamina B6)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Penicilamina + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: O prurido e o exantema prematuro podem frequentemente ser prevenidos pela administração concomitante de anti-histamínicos. Em caso de alteração do paladar deve ser administrado diariamente 5 mg de sulfato de cobre solução a 0,1% em toma alternada com a de Penicilamina. Em caso de artrite reumatóide a reacção terapêutica pode demorar alguns meses; o tratamento pré-existente com analgésicos, anti-inflamatórios ou corticosteróides deve ser prosseguido e, em seguida, gradualmente diminuído.
Interações: A penicilamina aumenta a necessidade de piridoxina, deve haver, portanto, um aporte de 25 mg por dia de piridoxina durante o tratamento. - Piridoxina (Vitamina B6)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Altretamina + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: N.D.
Interações: A combinação com a piridoxina (vitamina B6) diminui a neurotoxicidade, mas descobriu-se que reduz a eficácia de um regime de altretamina / cisplatina. - Piridoxina (Vitamina B6)
Usar com precaução

Cisplatina + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: N.D.
Interações: Num ensaio randomizado em doentes com carcinoma do ovário avançado a resposta à terapia foi influenciada negativamente pela administração concomitante de piridoxina e hexametilmelamina. - Piridoxina (Vitamina B6)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Hidralazina

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Hidralazina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Isoniazida

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Isoniazida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Penicilamina

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Penicilamina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Contracetivos orais
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Álcool
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Levodopa (L-dopa)

Observações: N.D.
Interações: A administração de cloridrato de piridoxina (vitamina B6) também pode reduzir a eficácia de medicamentos administrados concomitantemente, nomeadamente da levodopa. - Levodopa (L-dopa)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piridoxina (Vitamina B6) + Desoxipiridoxina

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos podem interferir e reduzir os níveis de cloridrato de piridoxina (vitamina B6): - Cicloserina - Hidralazinas - Isoniazida - Desoxipiridoxina - D-penicilamina - Contracetivos orais - Álcool - Desoxipiridoxina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Neomicina + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: N.D.
Interações: A Neomicina diminui a absorção e, por vezes, aumenta a excreção de diversos nutrientes, a exemplo de hidratos de carbono (sobretudo lactose, sacarose), gorduras (por lesão da mucosa do intestino delgado, com diarreia e, se for prolongada, com menor absorção de vitaminas lipossolúveis), cálcio, ferro, magnésio, potássio, sódio, azoto, ácido fólico e vitaminas A, B6, B12, D, E e K. A Neomicina destrói parte da flora bacteriana normal, levando a diarreia, micoses oportunistas, inclusive vaginais. A suplementação com flora bacteriana normal (Lactobacillus acidophilus, Bifidobacterium bifidus, Bifidobacterium longum, e Lactobacillus casei, Saccharomyces boulardi, Saccharomyces cerevesiae), na dose de um bilião de organismos por dia, bem como a vitamina K são aconselhadas. - Piridoxina (Vitamina B6)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Diazepam + Fenitoína + Piridoxina (Vitamina B6)

Observações: n.d.
Interações: Algumas drogas que podem diminuir os efeitos da fenitoína: ácido fólico, álcool (uso crónico), antiácidos, antineoplásicos, barbituratos, diazóxido, nitrofurantoína, piridoxina, rifampicina. - Piridoxina (Vitamina B6)
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Piridoxina (Vitamina B6)
Enfatizar importância de cumprir as recomendações dietéticas prescritas.

Ensine paciente sobre os alimentos ricos em B6 (cereais integrais, carne [por exemplo, o fígado], batata, verduras, legumes [por exemplo, feijão], o fermento e as bananas).

Se o paciente se automedicar com suplementos vitamínicos, alertá-lo para a sobredosagem que pode causar reações adversas, tais como marcha instável, coordenação da mão prejudicada, entre outros.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020