EMAGRECER, A DITADURA DO VERÃO

100


EMAGRECER, A DITADURA DO VERÃO

  Tupam Editores

Nesta época do ano a preocupação com as formas do corpo atinge o seu nível mais elevado. O Verão está aí e o Sol aperta. Vestir roupas frescas, o biquíni ou o fato de banho do ano passado é uma necessidade urgente!

Durante as estações do Outono e Inverno, o cuidado com as formas do corpo permanece adormecido pois uns "quilitos" a mais acabam por permanecer escondidos por baixo das camadas de roupa que o frio obriga a usar. Em consequência, a gordura acumulada durante o tempo frio não se manifesta apenas na balança, mas também na consciência de muitas mulheres e homens que, antes do Verão, tentam a todo o custo recuperar a forma.

Em desespero por resultados imediatos, sem pensar nas efeitos prejudiciais para a saúde, muitos recorrem, sem hesitar, a tratamentos e produtos que prometem verdadeiros milagres. As dietas da moda, como da seiva, água, sopa, de Atkins, do iogurte, das frutas, entre outras, passam a ser uma constante no dia-a-dia de muita gente. De salientar que, normalmente, quanto mais exageradas as promessas e os milagres realizados, mais graves são as consequências para a saúde. Muitas vezes bastariam pequenas alterações no comportamento diário para se conseguir uma perda de peso equilibrada, saudável e sem grandes sacrifícios.

São diversas as razões que motivam as pessoas a optar por uma dieta de emagrecimento. Por vezes a ideia é ditada pelo médico, após um diagnóstico de hipercolesterolemia, ou mesmo por um problema vascular preocupante que, por isso, aconselha uma dieta restritiva. Noutros casos o indivíduo sente-se mal no seu corpo e os olhares censórios à sua volta, combinados com preocupações de ordem estética, impele-o à tomada de medidas através da dieta.

Numa sociedade marcada pela valorização da imagem, perder peso, emagrecendo naturalmente e de forma saudável, são preocupações generalizadas da maioria das pessoas, seja para obter sucesso no emprego, no círculo de amigos ou para aumentar a auto-estima.

Tanto num como no outro caso, para alcançar esse objectivo impõe-se uma mudança dos hábitos de vida, principalmente no que respeita ao comportamento alimentar.

Neste sentido, para seguir um plano alimentar adequado, é conveniente a ajuda e aconselhamento de um técnico da área da nutrição que estude as medidas mais adequadas para o organismo e estilos de vida de cada um.

A actuação do profissional nutricionista na avaliação do perfil nutricional do paciente e na elaboração de um plano alimentar individualizado acaba por proporcionar motivação adicional aos cuidados sugeridos pelo médico, evitando o aparecimento de complicações tardias, em consequência de uma deficiente e inadequada orientação dietética.

Ouve-se frequentemente falar do "metabolismo" como estando na origem do aumento de peso. Expressões como "o meu metabolismo é lento e por isso eu tenho mais facilidade em engordar" ou "o meu metabolismo não queima calorias como devia" são vulgares.

Estas expressões pretendem reflectir a ideia de que o metabolismo se adapta à dieta, provocando a estagnação ou aumento de peso.

Mas afinal o que é o metabolismo?

O metabolismo é o conjunto de reacções químicas responsáveis pelos processos de síntese e degradação dos nutrientes na célula. O metabolismo pode estar em anabolismo, que é a síntese ou formação de compostos, ou pode estar em catabolismo, em que se dá a sua degradação. No processo de emagrecimento o organismo está em fase de catabolismo.

Para determinar a quantidade de energia que uma pessoa normal necessita de ingerir diariamente, há que ter em conta factores como o peso, idade, sexo, actividade física e até a influência da temperatura ambiente.

Cada indivíduo possui o seu próprio indicador de metabolismo, mais lento ou mais acelerado. Com o emagrecimento dá-se uma diminuição na ingestão energética e, com o passar do tempo, o organismo acomoda-se a essa restrição, precisando de menos energia para as suas funções vitais (respiração e funcionamento cardiovascular), o que provoca um abrandamento do metabolismo.

Nestas situações, em que o metabolismo entra numa espécie de simulacro de hibernação, deve diminuir-se o consumo de calorias e/ou aumentar a actividade física, para que haja um maior desgaste calórico.

Acima de tudo devemos ter presente que emagrecer requer manutenção. O emagrecimento sazonal traz por vezes algumas consequências nefastas para o corpo e bem-estar. O ideal é adoptar um estilo de vida com hábitos alimentares saudáveis acompanhados por exercício físico regular.

Reeducação alimentar

É do senso comum que muitas doenças estão relacionadas com o que se come. Entre elas estão a obesidade, problemas cardiovasculares, hipertensão, diabetes tipo 2 e cancro. Geralmente as pessoas acomodam-se pensando que praticam uma alimentação correcta e equilibrada, quando na realidade não o fazem.

Uma boa alimentação deve contribuir para o bem-estar do indivíduo e proporcionar a máxima saúde. Deve ser repartida por cinco a seis refeições ao longo do dia, equilibrada do ponto de vista energético, fornecer a quantidade de água indispensável à vida e respeitar as proporções sugeridas na Roda dos Alimentos. (Ver Medical News nº 200 da 2ª quinzena de Julho de 2009).

alimentos

Para emagrecer saudavelmente deve seguir-se um plano alimentar individualizado e adaptado às doenças (hipertensão, dislipidemias, diabetes, entre outras) que o indivíduo apresente.

Actualmente recomenda-se dietas pouco restritivas, com uma restrição calórica diária de cerca de 500-600 Kcal, que forneçam no mínimo 1200 a 1500 kcal por dia, para ambos os sexos. É muito importante manter o equilíbrio nutricional respeitando as proporções energéticas propostas para os vários nutrientes.

A dieta a prescrever deve permitir um aporte calórico adequado, o fornecimento das doses diárias recomendadas de todos os nutrientes, assim como a ingestão de alimentos de todos os grupos (lacticínios, carnes, peixes, ovos, farináceos, leguminosas, etc.) sempre com moderação e variedade.

Deve restringir-se o consumo de açúcares e álcool, que fornecem calorias extra mas são pobres em nutrientes. Também o consumo de sal deve ser restringido por não ser um alimento, mas sim um condimento.

A ingestão de alimentos ricos em gorduras, como fritos, folhados, molhos, bolos de pastelaria, lacticínios gordos, bolachas e biscoitos, deverá ser igualmente restringida. A gordura dos alimentos é o grande inimigo de um peso corporal saudável, porque fornece mais do dobro das calorias por grama dos restantes nutrientes, além de ser menos oxidada e mais facilmente armazenada.

Deve aumentar-se o consumo de fruta, verduras, farináceos e leguminosas que, além de ricas em fibras (solúveis e insolúveis), contêm proteínas. O elevado teor em vitaminas e sais minerais é outra das razões para que se mantenha a ingestão diária de 6 a 7 porções de frutos e legumes. Estes alimentos estimulam o crescimento, o normal funcionamento dos vários órgãos e tecidos e previnem doenças de vária etiologia.

Entre nós!

Um dos erros mais comuns entre os portugueses quando iniciam uma dieta é a eliminação do pão das refeições, devido à ideia generalizada de que engorda. Isto é um erro! O pão, principalmente de mistura ou o integral, é rico em fibras e vitaminas do complexo B que conferem óptimas propriedades nutricionais. As fibras alimentares são fundamentais para o correcto funcionamento intestinal e uma dieta pobre nestas substâncias propicia a prisão de ventre e potencia, consequentemente, o desenvolvimento de cancro do intestino. Além disso, a fibra existente nestes tipos de pão tem a capacidade de absorver e eliminar o colesterol.

Outro erro é a supressão do pequeno almoço, que deve constituir a principal refeição do dia. "Saltar" esta refeição, fazendo longos intervalos entre as refeições (superiores a 3 horas) pode trazer consequências graves, nomeadamente a nível das alterações metabólicas favorecendo a acumulação de gordura, perturbações digestivas (úlceras e gastrites), diminuição do rendimento físico e intelectual, podendo, inclusive, contribuir para acidentes de trabalho e viação.

Não esquecer a ingestão de água! O corpo humano é composto por cerca de setenta por cento de água. Para manter o equilíbrio hidroelectrolítico do organismo é importante beber muita água, particularmente no Verão, para compensar as perdas por transpiração e radiação solar. Deficiente hidratação pode conduzir a complicações como prisão de ventre, problemas renais, celulite, pele e cabelos secos. Para manter a hidratação do organismo a níveis aceitáveis de equilíbrio, deve beber-se um e meio a dois litros deste precioso líquido por dia. Para além de hidratar, suprime o apetite, acelera o metabolismo, ajuda a eliminar as toxinas e é isenta de calorias.

Levar uma alimentação equilibrada é meio caminho andado para um emagrecimento gradual, com saúde. A outra parte do percurso é fruto do exercício físico, do empenho e da força de vontade de cada indivíduo.

Abandone o sedentarismo
extra walking

É entre os meses de Abril e Junho que a maior parte das pessoas se preocupa com a prática de exercício, sempre com o objectivo de perder os "quilitos" a mais acumulados durante o Inverno. É nessa altura que os ginásios e centros de estética se enchem em busca da melhor figura possível e para perder a "barriguinha".

Nem todas as pessoas, porém, dispõem de tempo, dinheiro, ou gostam de frequentar o ginásio. Para essas existem outras opções para levar um estilo de vida activo. A caminhada é um exercício fácil, sem custos ou contra-indicações, que tonifica os músculos e contribui para o emagrecimento rápido e uma vida mais saudável. Pode ser praticada por qualquer pessoa, independentemente da idade ou condicionamento físico, e deve ser realizado no mínimo três vezes por semana, durante 30 minutos.

Outra alternativa são as saídas à noite para dançar. Além do prazer que proporciona, "queima" mais calorias do que muitos exercícios praticados em ginásio. Independentemente da actividade física que se escolha, o importante é que se abandone o sedentarismo, aumentando assim o desgaste de energia.

Além de benéfica para a saúde e bem-estar, a actividade física proporciona um aumento da auto-estima de quem a pratica, ajudando a ultrapassar os estados depressivos, stress, ansiedade ou aborrecimento, estados emotivos muitas vezes desencadeados durante o seguimento da dieta.

No processo de emagrecimento a balança não pode nem deve ser o ponto de referência mais importante, mas sim o equilíbrio físico e psicológico para que cada um se sinta confortável consigo próprio. Mais importante que adoptar uma dieta é realizar uma actividade física regular e optar por uma alimentação saudável e equilibrada.

Emagrecer sim... mas de forma saudável e em segurança!

Ver mais:
A FOME
AÇÚCAR
ALIMENTAÇÃO ANTICANCEROSA
ANOREXIA, BULIMIA E OUTROS DISTÚRBIOS ALIMENTARES
DIETAS INSENSATAS DE VERÃO, SAÚDE EM RISCO!
JÁ PODE COMER DEMAIS!
O QUINTO SABOR
SUPLEMENTOS ALIMENTARES
TOXINFECÇÕES ALIMENTARES: O PERIGO INVISÍVEL
VITAMINAS


ARTIGO

Relacionados

ESTÉTICA E AUTOESTIMA - Na saúde e bem-estar pessoal

Engana-se quem pensa que os conceitos e padrões de beleza são invenções modernas. Já na Grécia antiga existiam padrões de beleza muito bem estabelecidos. Estes modelos sofreram alterações ao longo dos...

Destaques

STRESS, COMO CONVIVER COM ELE

Nunca se falou tanto de stress como agora. Todos se queixam, mas poucos sabem que não se pode viver sem ele.

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.
0 Comentários