SAÚDE À SUA MESA: CAMARÃO

SAÚDE À SUA MESA: CAMARÃO

DIETA E NUTRIÇÃO

  Tupam Editores

0

De tamanhos e espécies diferentes, produzido em aquacultura, cativeiro, ou capturado em habitat natural, o camarão é presença assídua nas mesas festivas. Desde as entradas e petiscos aos pratos mais elaborados, esta saborosa iguaria deixa qualquer um com água na boca. Mas, afinal, faz bem ou mal à saúde? Saiba tudo sobre estes “frutos do mar”.

Muito apreciado pela maioria da população, o camarão é um dos tipos de crustáceos mais famosos do mundo. Pode ser encontrado tanto em águas quentes como frias, no mar, em rios, lagos e tanques de criação em várias regiões, e as suas características diferem, dependendo da região onde se encontra. É possível que existam no mundo mais de dois mil tipos de camarão, de tamanhos, cores e formas diferentes!

Acessível durante todo o ano, congelado ou fresco, a carne do camarão é firme e translúcida, surgindo numa grande variedade de cores, podendo ser rosada, cinzenta, amarela ou acastanhada. Cozido, frito, panado, no forno, na grelha, na chapa, ao vapor, etc., são imensos os métodos de confecção deste crustáceo de pequenas dimensões.

Sabia que, para além de um sabor que facilmente conquista os mais diversos paladares, o camarão também tem propriedades nutricionais muito interessantes para a nossa saúde?

Pois é verdade, o marisco em geral, e o camarão em particular, tem um excelente valor nutritivo. Contém proteínas de alto valor biológico (semelhantes às do peixe), conhecidas como proteínas completas, possuindo grande parte dos aminoácidos de que o organismo necessita; é pobre em gorduras, baixo em calorias e não possui hidratos de carbono.

É ainda uma excelente fonte de vitamina B12, muito importante no metabolismo, contribuindo para a manutenção das células nervosas; e bom fornecedor de vitamina B3, ou niacina, importante na produção de energia e no processo de formação do ADN.

No que diz respeito aos minerais, fornece fósforo, nutriente com um papel importante na formação dos ossos e dentes, participando ainda no crescimento e regeneração dos tecidos. É rico em selénio que, para além das propriedades antioxidantes, contribui para o bom funcionamento da tiróide.

É boa fonte de cobre, magnésio, ferro e zinco, minerais com funções importantes ao nível da construção de proteínas, bom funcionamento do sistema imunitário, contracção muscular, ou transporte de oxigénio no sangue.

Para além de ácidos gordos ómega-3, é rico nos “compostos bioactivos”, aos quais se atribuem propriedades de prevenção de doenças crónicas, cuja importância só começou a evidenciar-se recentemente – como é o caso da astaxantina e da coenzima Q, que possuem grande capacidade antioxidante.

A astaxantina é o pigmento que confere a cor característica dos tecidos do camarão. Enquanto a cor vermelha-alaranjada dos outros alimentos é conferida por vários carotenóides, a cor do camarão deve-se apenas à acção de um único carotenóide – a astaxantina. Este antioxidante parece ajudar a melhorar a função cerebral e a reduzir o risco de ataques cardíacos.

Não restam dúvidas de que o consumo de camarão oferece benefícios ao nosso organismo a vários níveis. Fique a saber quais são os principais benefícios… e não só.

Benefícios e malefícios do consumo de camarão

Se pensava que os benefícios deste delicioso alimento se manifestavam apenas no interior do organismo está enganado. O consumo do camarão, graças à presença da astaxantina, também beneficia a pele ao combater o envelhecimento precoce. Além disso, o zinco presente no marisco participa directamente na formação de novas células do organismo e ataca os radicais livres que podem comprometer as células cutâneas.

Mas os benefícios estéticos não se ficam por aqui, a saúde capilar também sai a ganhar. O cobre presente no camarão auxilia no combate à queda de cabelo e proporciona força e brilho aos seus fios.

Mais importante ainda que estes benefícios é o facto de a sua ingestão fortalecer o sistema imunitário. Os minerais presentes no camarão deixam o organismo mais protegido contra várias doenças e infecções e ainda auxiliam na recuperação de lesões.

A concentração de minerais como o fósforo e o cálcio tornam o camarão um bom alimento para a manutenção da saúde óssea. A Vitamina D existente neste fruto do mar acentua a absorção destes nutrientes pelo organismo ajudando a evitar problemas relacionados com a estrutura óssea, como a osteoporose.

Por ser uma óptima fonte de ferro, ainda previne e ajuda no tratamento da anemia.

A presença de glicosamina também é importante no combate à artrite e à artrose pois a substância é eficaz na redução da velocidade do processo de desgaste das articulações, melhorando o estado geral e a qualidade de vida dos doentes.

O cérebro beneficia devido às vitaminas do complexo B, em especial a Vitamina B12. Além de ser um bom aliado da memória, ajuda a evitar a doença de Alzheimer e outras doenças neurológicas.

Até a casca do camarão oferece benefícios ao nosso organismo – rica em fibras (as mesmas encontradas nas verduras), esta actua estimulando o bom funcionamento do intestino. Possui ainda uma outra substância que cada vez mais chama a atenção de médicos e nutricionistas, a quitosana. Também presente na aveia, esta substância consegue baixar os níveis de colesterol no sangue ao diminuir a sua absorção no intestino.

Mas nem tudo são benefícios. Por várias razões, há pessoas que nem devem “chegar perto” do camarão. É o caso de quem é alérgico ao alimento.

A alergia manifesta-se, geralmente, imediatamente ou algumas horas após a sua ingestão. Quem sofre do problema, pode apresentar sintomas como vermelhidão na pele, urticária, prurido, inchaço da face, lábios, língua e garganta, ou outras partes do corpo, sibilos, congestão nasal ou dificuldade em respirar, dor abdominal, diarreia, náuseas ou vómitos, tonturas ou desmaios. Os casos mais raros e mais graves podem levar a choque anafiláctico.

Quando se fala de alergia a camarão há que fazer uma ressalva – esta alergia pode dever-se não ao alimento em si mas ao metabissulfito de sódio, uma substância usada pela indústria para o conservar e evitar o seu escurecimento. Assim, é importante ter atenção ao rótulo da embalagem na altura da compra.

Para além de fazer parte da lista dos alimentos alergénicos, o camarão ainda deve ser consumido com alguma moderação por possuir um teor elevado de colesterol e de sódio, o que pode prejudicar a saúde cardiovascular. Por essa razão, os níveis de colesterol LDL no sangue podem ficar elevados, e o sódio contribui para aumentar a pressão arterial.

Pessoas que apresentem problemas de excesso de ácido úrico também devem evitar o crustáceo pois contém purinas na sua composição, as quais são transformadas em ácido úrico pelo organismo.

Agora que já conhece os benefícios e malefícios de ingerir este alimento resta aprender a escolher e como conservar.

Como comprar e conservar o camarão

Para escolher com qualidade devemos estar atentos aos pequenos pormenores pois eles ditam o que colocamos no prato, principalmente no que diz respeito à compra do camarão. Tal como todos os alimentos que provêm do mar, é sempre melhor comprar o camarão numa peixaria ou loja de confiança, para garantir o máximo de frescura.

Para começar, os camarões devem ter aspecto e cheiro fresco, suave e a maresia, com cascas brilhantes. A textura do camarão fresco é firme, sendo que a casca deve estar presa ao corpo. Quando a casca começa a soltar-se do corpo é sinal que o crustáceo está a deixar de ser fresco.

Se o preocupa o sabor do camarão e o vai comprar congelado, procure comprá-lo com casca, pois parte de seu sabor acaba por se perder quando é congelado sem casca. A casca contribui para conservar o sabor. Além disso, antes de comprar camarão congelado, apalpe a embalagem para ver se os crustáceos estão sólidos.

Outro indicador de frescura, quer sejam frescos ou congelados, são os bigodes. Se tiverem poucos é porque foram muito manipulados e estão pouco frescos, no caso de serem congelados se mantiverem os longos bigodes indicam que estão congelados há pouco tempo.

Acima de tudo, a escolha do camarão fresco ou congelado vai depender de quando, e de que forma, está a pensar confeccioná-lo. Se for para uma refeição no próprio dia deve optar pelo fresco, mas se for para confeccionar mais tarde, então compre camarão congelado e armazene-o no congelador imediatamente para que não descongele.

Uma forma de manter o camarão fresco no frigorífico é colocá-lo nas prateleiras de baixo do mesmo, dentro de um saco de plástico e em cima de um tabuleiro com gelo pois a temperatura do frigorífico é mais elevada do que a temperatura ideal para conservar camarão.

Agora que já conhece os benefícios e os malefícios do consumo deste tão apreciado alimento resta-me apenas lembrar que não deve exagerar, até porque uma boa alimentação deve estar em harmonia com um princípio básico: Nada em excesso. Bom apetite!

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
09 de Abril de 2024

Referências Externas:

O CONSUMO DE SAL E A HIPERTENSÃO

DIETA E NUTRIÇÃO

O CONSUMO DE SAL E A HIPERTENSÃO

Popularmente conhecido como sal de cozinha ou simplesmente por sal, o cloreto de sódio é um elemento essencial para a vida animal, sendo igualmente um importante conservante de alimentos e um dos cond...
IMPORTÂNCIA DA VITAMINA B12 NO VEGANISMO

DIETA E NUTRIÇÃO

IMPORTÂNCIA DA VITAMINA B12 NO VEGANISMO

A vitamina B12 também denominada por cianocobalamina ou simplesmente cobalamina, devido à presença iões de cobalto na sua estrutura, é um micronutriente essencial hidrossolúvel, altamente complexo.
CONHEÇA O SEU TIPO DE PELE PARA A SABER PROTEGER

BELEZA E BEM-ESTAR

CONHEÇA O SEU TIPO DE PELE PARA A SABER PROTEGER

Face ao esperado agravamento das condições climáticas, torna-se necessário estar precavido e saber cuidar da pele, primeira linha de defesa do nosso corpo contra as intempéries.
UMA HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

SOCIEDADE E SAÚDE

UMA HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

O Dia Internacional da Mulher, data dedicada à celebração das conquistas e contribuições das mulheres ao longo da história, bem como à consciencialização sobre as desigualdades de género e à promoção...
0 Comentários