MAIO, MÊS DO CORAÇÃO POR SI E POR QUEM GOSTA DE SI, MEÇA REGULARMENTE A TENSÃO ARTERIAL

  Tupam Editores

Anualmente morrem cerca de 17 milhões de pessoas em todo o mundo vítimas de doenças cardiovasculares. Numa tentativa de alertar a sociedade portuguesa para a gravidade destas doenças, a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) tem vindo a dedicar o mês de Maio ao coração.

Todos os anos, a FPC chama a atenção para um dos factores de risco associados às doenças cardiovasculares. Este ano, numa parceria com a Sociedade Portuguesa de Hipertensão, empenha-se no combate à hipertensão.

Em Portugal, e no resto da Europa, parece estar a assistir-se a um decréscimo da taxa de mortalidade – segundo dados disponíveis, entre 2003 e 2004, o número de mortes por doenças cardiovasculares diminuiu cerca de 9,5 por cento – mas, simultaneamente, a taxa de morbilidade está a aumentar. Apesar de ocorrerem cada vez menos mortes, o que é "efectivamente excelente", existem cada vez mais indivíduos a sofrer de doenças cardiovasculares. O facto de não se estar a conseguir debelar o problema na sua raiz – baixar a incidência dos factores que contribuem para o aumento do risco do desenvolvimento de doenças no coração – é muito preocupante.

Os factores de risco mais comuns são a obesidade, o tabagismo, o stress, o sedentarismo e a hipertensão arterial, sendo este último o principal. A hipertensão é uma das doenças com maior prevalência no mundo.

Segundo o estudo mais recente da Organização Mundial de Saúde, 14 por cento das mortes a nível mundial são consequência de complicações associadas à hipertensão. Por isso, "por si e por quem gosta de si, meça regularmente a tensão arterial".

A hipertensão arterial (HTA) caracteriza-se pelo aumento dos valores da pressão arterial. Um indivíduo é considerado hipertenso quando os seus valores se situam acima dos 140x90 mmHg.

A pressão em adultos é considerada normal (saudável), quando os seus valores se situarem abaixo de 120 mmHg (pressão sistólica) e de 80 mmHg (pressão diastólica). No entanto os valores de pressão sistólica abaixo de 60 mmHg (hipotensão) pode indiciar choque ou perdas elevadas de sangue.

A doença só por si pode causar lesões graves nos órgãos vitais, levando a uma progressiva diminuição ou mesmo perda da sua função. Uma das principais causas de morte associadas à HTA são os aneurismas, nomeadamente os Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC).

A formação destes aneurismas, na sua maioria assintomáticos, ocorre quando um determinado segmento vascular, enfraquecido pela elevada pressão, cede ou dilata, provocando a rotura ou outras complicações como a trombose (oclusão), e a embolização nas artérias (coágulos), com graves repercussões no organismo.

A hipertensão força, igualmente, o coração a trabalhar mais intensamente. Este esforço adicional pode levar, ou a uma insuficiência cardíaca – o coração já não tem capacidade para bombear o sangue necessário para alimentar o organismo – ou a uma angina de peito – a quantidade de sangue que aflui ao coração é insuficiente para o seu funcionamento.

Quando associada ao sedentarismo, a uma má alimentação, a factores de hereditariedade, ao consumo de tabaco e de álcool e à obesidade, o risco de ataque cardíaco e de trombose é três a cinco vezes mais elevado.

Para além das patologias já mencionadas, a HTA pode também provocar cardiopatias isquémicas – incluindo o enfarte do miocárdio e a morte súbita –, o aneurisma dissecante da aorta e a insuficiência renal.

A sua detecção precoce e controlo eficaz podem contribuir significativamente para a diminuição das doenças cardiovasculares. Por isso, "por si e por quem gosta de si, meça regularmente a tensão arterial".

Apesar de ser uma doença relativamente fácil de prevenir e de detectar, é assintomática. Um indivíduo pode ser hipertenso e não o saber. Os portugueses são disso exemplo. Cerca de 40 por cento da população adulta é hipertensa, mais de 50 por cento não está diagnosticada e apenas 11 por cento dos pacientes estão controlados. A ausência de diagnóstico leva à falta de tratamento da doença e à sua evolução que, com o decorrer dos anos, vai silenciosamente minando o organismo, sendo, muitas vezes, descoberta tarde de mais. Por isso, "por si e por quem gosta de si, meça regularmente a tensão arterial".

Tensão Arterial

A campanha deste ano da FPC, cujo lema serve de título a este artigo, visa essencialmente reverter as estatísticas, através da sensibilização para a importância de medir regularmente a tensão arterial, como forma de detecção precoce e de consciencializar a população para as medidas de prevenção não farmacológicas que estão ao alcance de todos.

Durante todo o mês está a ser distribuído material didáctico, estão em curso rastreios cardiovasculares e iniciativas de natureza diversa, que estimulam a prática de exercício físico e a melhoria das rotinas diárias.

Em todos os grandes centros urbanos, desde os mupis de rua até aos posters no centro de saúde, nos transportes, entre outros, se apela à prevenção e se alerta para os cuidados a ter para eliminar um dos maiores inimigos do coração.

Para encerrar as comemorações do mês do coração, a FPC escolheu o Estoril para levar a cabo a Gala Mulheres de Vermelho, que terá lugar dia 29 de Maio. Esta gala tem por objectivo alertar a população em geral e as mulheres em particular, pois a partir da menopausa passam a integrar os grupos de risco. Este alerta é essencial, uma vez que se tem vindo a tratar a doença coronária na mulher com alguma benignidade ou mesmo negligência.

Este conceito prevalece desde 1955, data em que Sir George Pickering afirmou que "qualquer que seja o valor da pressão arterial, o prognóstico da mulher é melhor que o do homem", após a realização de estudos sobre as diferenças entre homens e mulheres com hipertensão.

Porém, as estatísticas actuais desmentem as afirmações de Pickering: por dia, só em Portugal, morrem 61 mulheres vítimas de doenças associadas ao coração, sobretudo de AVC.

Estudos mais recentes revelaram igualmente que, nomeadamente após a menopausa, o risco de uma mulher hipertensa vir a desenvolver uma doença cardiovascular é tão elevado como o de um homem com o mesmo problema. É vital que as mulheres conheçam os factores de risco e formas de prevenção, tal como os homens.

Apesar de no final do mês encerrar a campanha contra a hipertensão e as comemorações do mês do coração, não se poderão encerrar as comemorações do coração de cada indivíduo nessa data. É necessário comemorar o nosso coração diariamente. Devemos amá-lo, tal como ele nos ama ou não fosse ele o símbolo do amor: eu queria que o Amor estivesse realmente no coração e também a Bondade e a Sinceridade, e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração. Então poderia dizer-vos: "meus amados irmãos, falo-vos do coração". Mas o meu coração é como o dos compêndios. Tem duas válvulas e os seus compartimentos. O sangue a circular contrai-os e distende-os segundo a obrigação das leis dos movimentos.

Já que o nosso coração é como o dos compêndios, vamos cuidar dele. Todos podem cuidar do seu coração através da prática regular de exercício físico, da redução do consumo de sal e da adopção de uma dieta alimentar saudável, rica em legumes e frutas. Estas medidas simples são essenciais para debelar o flagelo da hipertensão.

Em 2007, cerca de duas mil pessoas faleceram vítimas de AVC – a principal causa de morte no país. Por isso, "por si e por quem gosta de si, meça regularmente a tensão arterial".

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
15 de Maio de 2017

Referências Externas:

Relacionados

ARTRITES - Viver sem dores articulares

Com origem nos étimos gregos árthron (articulação) e ite (inflamação), a palavra artrite é utilizada para designar uma inflamação nas articulações independentemente da sua etiologia. Confundida por ve...

Destaques

DOENÇAS DE VIAGENS

As viagens internacionais aumentaram surpreendentemente nos últimos anos. Segundo as estatísticas disponíveis mais recentes (2006) do World Tourism Organization, o número de viagens internacionais de...

CELULITE, UM PRIVILÉGIO FEMININO

O pesadelo da maior parte das mulheres tem nome e sobrenome: hidrolipodistrofia ginoide – mais conhecida por celulite. E não é à toa que é tão temida, pois ataca as partes mais sensuais do seu corpo,...
0 Comentários