Insulinas

O que é
Moduladores metabólicos.

Insulina é a hormona responsável pela redução da glicemia (taxa de glicose no sangue), ao promover o ingresso de glicose nas células.

Esta é também essencial no consumo de carbohidratos, na síntese de proteínas e no armazenamento de lípidos (gorduras).

É produzida nas células beta das ilhotas de Langerhans, do pâncreas endócrino.

Atua numa grande parte das células do organismo, como nas células presentes no fígado, em músculos e no tecido adiposo, apesar de não agir em células particulares como as células nervosas.

Quando a produção de insulina é deficiente, a glicose acumula-se no sangue e na urina, destruindo as células por falta de fornecimento: diabetes mellitus.

Para os pacientes nessa condição, a insulina é providenciada através de injeções, ou bombas de insulina.

Recentemente foi aprovado o uso de insulina inalada.

A insulina é um polipeptídeo de estrutura química plenamente conhecida, e pode ser sintetizada a partir de diversos animais.

Mais recentemente, surgiram os medicamentos análogos de insulina, que não são propriamente a insulina em si, mas moléculas de insulina modificadas em laboratório.

Dopping: Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Usos comuns
Tratamento da diabetes
Tipo
Sem informação.
História
A insulina foi descoberta no verão de 1921 por Sir Frederick Grant Banting como consequência de experiências realizadas nas aulas do Prof. John J. R. MacLeod, professor de fisiologia da Universidade de Toronto.

Banting tinha mostrado muito interesse pela diabetes e tinha seguido de perto os trabalhos de Shafer e outros, os quais tinham observado que a diabetes estava relacionada pela carência de proteína originada nas células dos ilhotes de Langerhans e que tinham sido denominadas insulina.

Shafer suponha que a insulina controlava o metabolismo do açúcar no sangue e sua eliminação pela urina, de tal forma que a carência ocasionava um aumento excreção da urina.

Em 1921, Banting leu uma publicação de Moses Baron na qual se demonstrava que a ligação do conduto pancreático ocasionava a degeneração das células produtoras da tripsina, embora os ilhotes de Langerhans permaneciam intatos.

Banting e Best ligaram o conduto pancreático de vários cães e obtiveram um extrato de pâncreas livre de tripsina.

Depois, provocaram uma diabetes experimental em outros cães e, uma vez desenvolvida a doença, comprovaram que a administraçao do extrato de pâncreas dos primeiros reduzia ou anulava a glicosuria dos segundos.

Tinham descoberto a insulina.

Como consequência desta descoberta, MacLeod e Banting receberam em 1923 o Prémio Nobel de Medicina.
Indicações
Tratamento da diabetes
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Sem informação.
Posologia Orientativa
Sem informação.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Sem informação.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sem informação.
Advertências
Gravidez
Gravidez:As necessidades de insulina devem ser avaliadas frequentemente por um diabetologista ou um médico com treino no controlo da doença; na insulina lispro não há aumento de malformações congénitas. Evitar insulinas inaladas. Ausência de risco fetal, demonstrada em experimentação animal ou em estudos humanos. Trimestre: 1º, 2º e 3º
Aleitamento
Aleitamento:Presentes no leite em quantidades muito pequenas para serem perigosas.
Conducao
Conducao:Risco de hipoglicemia.
Dopping
Dopping:Dopping: Moduladores metabólicos. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Sem informação.
Cuidados no Armazenamento
Sem informação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bezafibrato + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A ação das sulfonilureias e da insulina pode ser potenciada pelo bezafibrato. Isto pode ser explicado por uma melhoria da utilização da glucose, com uma redução simultânea das necessidades de insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol + Cafeína + Insulinas

Observações: Não existem interações de segurança relevantes entre o ácido acetilsalicílico e o paracetamol.
Interações: Ácido acetilsalicílico e Sulfonilureias e insulina: O ASA aumenta o seu efeito hipoglicémico, pelo que, se se utilizarem doses elevadas de salicilatos, pode ser necessário reajustar a dose do antidiabético. Recomenda-se o controlo dos níveis aumentados de glicemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fosinopril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Doente diabético: A administração concomitante de IECAs e antidiabéticos orais ou insulina, pode potenciar o efeito de diminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicémia. Este fenómeno poderá ocorrer com maior frequência durante as primeiras semanas de tratamento e em doentes com insuficiência renal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metandienona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Glibenclamida, metformina, insulina: podem potenciar o efeito hipoglicemiante.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Insulinas

Observações: A isoniazida é um inibidor do metabolismo hepático de vários fármacos, o que pode potenciar a toxicidade de alguns fármacos tomados concomitantemente. Alimentos ricos em tiramina (queijo e peixe): A isoniazida com o consumo destes alimentos, pode causar elevação dos valores tensionais, taquicardia e rubor facial.
Interações: A isoniazida (250 - 400 mg, diariamente) antagoniza a acção hipoglicémica da insulina e eleva os níveis sanguíneos de açúcar.

Metanfetamina (metilanfetamina, desoxiefedrina) + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: As necessidades de insulina em diabetes mellitus pode ser alterada em associação com o uso de metanfetamina e o regime dietético concomitante.

Captopril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Estudos farmacológicos mostraram que os inibidores da ECA, incluindo o captopril, podem potenciar os efeitos da insulina e dos antidiabéticos orais, tal como a sulfonilureia em diabéticos, na redução da glucose sanguínea. Se esta interacção muito rara ocorrer, pode ser necessário, reduzir a dose do antidiabético durante o tratamento simultâneo com inibidores da ECA.

Danazol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos: O Danatrol pode provocar resistência à insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ertugliflozina + Sitagliptina + Insulinas

Observações: Não foram efetuados estudos de interação medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Sitagliptina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Sitagliptina.
Interações: Ertugliflozina Interações farmacodinâmicas Insulina e secretagogos de insulina A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, causam hipoglicemia. A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com Ertugliflozina + Sitagliptina.

Aminoácidos + Electrólitos + Glucose + Lípidos + Insulinas

Observações: Não existem dados clínicos que demonstrem que qualquer uma das interações tenha relevância clínica comprovada.
Interações: Alguns fármacos, como a insulina, podem interferir com o sistema de lipase do organismo. Este tipo de interacção parece ser, contudo, de importância clínica limitada.

Ramipril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Precauções de utilização: Agentes antidiabéticos incluindo insulina: Podem ocorrer reacções hipoglicémicas. A hidroclorotiazida pode atenuar o efeito dos medicamentos antidiabéticos. Consequentemente recomenda-se uma monitorização particularmente cuidadosa dos níveis de glucose no sangue durante a fase inicial da co-adminsitração destes medicamentos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Empagliflozina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos da insulina: A insulina e os secretagogos da insulina, tais como as sulfonilureias, podem aumentar o risco de hipoglicemia. Por conseguinte, pode ser necessária uma dose menor de insulina ou do secretagogo de insulina, de modo a diminuir o risco de hipoglicemia quando utilizado em associação com a empagliflozina.

Fosinopril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos (agentes orais e insulina): as tiazidas podem elevar a glicemia, pelo que podem ser necessários ajustes posológicos de fármacos antidiabéticos.

Aminoácidos + Glucose + Lípidos + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Alguns fármacos, como a insulina, podem interferir com o sistema de lipases do organismo. No entanto, este tipo de interacção parece ser pouco importante ao nível clínico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas principalmente com o CILAZAPRIL: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante dos inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ocorrer com maior probabilidade durante as primeiras semanas do tratamento combinado e em doentes com compromisso renal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos Orais e Insulina: A administração concomitante de IECA’s e de antidiabéticos (insulina e hipoglicemiantes orais), pode levar a um aumento do efeito hipoglicemiante dos antidiabéticos com o consequente risco de aparecimento de hipoglicémia. Esta situação tem maiores probabilidades de ocorrer durante as primeiras semanas de tratamento com a associação e em doentes com insuficiência renal. Pode ser necessário efetuar um ajustamento da dose do antidiabético.

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante com precaução: Medicamentos antidiabéticos (agentes orais e insulina): O tratamento com tiazida pode influenciar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajustar a dosagem do medicamento antidiabético.

Dapagliflozina + Insulinas

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos de insulina: Insulina e secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, provocam hipoglicemia. Assim, pode ser necessário uma dose mais baixa de insulina ou secretagogos de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com a dapagliflozina.

Perindopril + Indapamida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Maprotilina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante com sulfonilureias ou insulina pode potenciar o efeito hipoglicemiante dos agentes antidiabéticos. Os doentes diabéticos devem monitorizar a sua glucose sanguínea quando o tratamento com Maprotilina for iniciado ou interrompido.

Bisoprolol + Perindopril + Insulinas

Observações: Num estudo de interação conduzido em voluntários sãos, não foram observadas interações entre o bisoprolol e o perindopril.
Interações: Utilização concomitante que requer cuidados especiais Relacionada com o bisoprolol e o perindopril: Antidiabéticos (insulinas, antidiabéticos orais): Estudos epidemiológicos sugerem que a administração concomitante de IECAs e antidiabéticos (insulinas, antidiabéticos orais) pode causar um aumento do efeito de diminuição da glicémia com risco de hipoglicémia. Esse fenómeno parece ser mais provável de ocorrer durante as primeiras semanas de tratamento combinado e em doentes com compromisso renal. A administração concomitante de bisoprolol com insulina e antidiabéticos orais pode aumentar o efeito de diminuição da glicémia. O bloqueio dos beta-adrenorecetores pode mascarar os sintomas de hipoglicémia.

Metreleptina + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação em humanos.
Interações: Existe um risco de hipoglicemia em doentes tratados com Metreleptina que estejam a tomar medicamentos antidiabéticos, em especial insulina ou secretagogos de insulina.

Ácido acetilsalicílico + Ácido ascórbico + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Requer precaução: Com a administração de doses elevadas de ácido acetilsalicílico, verifica-se um aumento do efeito hipoglicémico, devido à acção hipoglicémica do ácido acetilsalicílico e à deslocação da sulfonilureia da sua ligação às proteínas plasmáticas.

Brometo de pinavério + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Os ensaios clínicos têm demonstrado a ausência de interações entre o brometo de pinavério e os digitálicos, antidiabéticos orais, insulina, anticoagulantes orais e heparina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lisinopril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos têm sugerido que a administração concomitante de inibidores da ECA e de medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicémicos orais) poderão causar um aumento do efeito de diminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicemia. A ocorrência deste fenómeno pareceu ser mais provável durante as primeiras semanas de tratamento combinado e nos doentes com insuficiência renal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Captopril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: CAPTOPRIL: Antidiabéticos: Os estudos farmacológicos mostraram que os inibidores ECA, incluindo o captopril, nos doentes diabéticos, podem potenciar os efeitos da insulina e dos antidiabéticos orais como a sulfonilureia, na redução da glicemia. No caso desta interacção muito rara ocorrer, pode ser necessário reduzir a dose do antidiabético durante o tratamento simultâneo com inibidores ECA.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (hipoglicemiantes orais e insulina): Pode ser necessário ajustar a dose do fármaco antidiabético.

Azilsartan medoxomil + Clorotalidona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos antidiabéticos (agentes orais e insulina): Podem ser necessários ajustes das doses dos medicamentos antidiabéticos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Norgestrel + Valerato de estradiol + Insulinas

Observações: A contracepção hormonal deve ser interrompida quando a THS é iniciada e a doente deve ser aconselhada a tomar medidas contraceptivas não-hormonais, se necessário.
Interações: Interações medicamentosas: Em casos individuais, a necessidade de antidiabéticos orais ou insulina pode variar, como resultado do efeito da tolerância à glucose.

Plantago ovata (sementes) + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: No caso de diabéticos insulino-dependentes, pode ser necessário reduzir a dosagem de insulina.

Nebivolol + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: As interações seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Insulina e antidiabéticos orais: Embora o nebivolol não afecte os níveis de glucose, o uso concomitante pode mascarar certos sintomas de hipoglicemia (palpitações, taquicardia).

Valsartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Utilização concomitante com precaução: Fármacos antidiabéticos (fármacos orais e insulina): A terapêutica com uma tiazída pode influenciar a tolerância à glicose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Empagliflozina + Linagliptina + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Empagliflozina / Linagliptinae outros medicamentos; contudo, foram realizados estudos desta natureza com as substâncias ativas individuais. Com base nos resultados dos estudos farmacocinéticos, não é recomendado qualquer ajuste posológico de Empagliflozina / Linagliptinaquando coadministrado com medicamentos habitualmente prescritos, exceto os mencionados à frente.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Insulina e sulfonilureias: A insulina e as sulfonilureias podem aumentar o risco de hipoglicemia. Por conseguinte, pode ser necessária uma dose menor de insulina ou de sulfonilureias para diminuir o risco de hipoglicemia quando utilizadas em associação com Empagliflozina / Linagliptina.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de Trinomia e de antidiabéticos, incluindo a insulina, aumenta o efeito hipoglicémico destes medicamentos. Recomenda-se a monitorização da glicemia. Precauções de utilização: Antidiabéticos incluindo insulina: Podem ocorrer reações hipoglicémicas. Recomenda-se a monitorização da glicemia.

Dorzolamida + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos específicos de interações.
Interações: Em estudos clínicos, a dorzolamida foi utilizada de forma concomitante com os seguintes medicamentos sem provas de interações adversas: Solução oftálmica de timolol, solução oftálmica de betaxolol e medicamentos sistémicos, incluindo inibidores da enzima conversora de angiotensina (ACE), bloqueadores dos canais de cálcio, diuréticos, medicamentos anti-inflamatórios não esteróides, incluindo Ácido Acetilsalicílico e hormonas (por ex., estrogénio, insulina, tiroxina). A associação entre a dorzolamida e os agentes mióticos e agonistas adrenérgicos não foi totalmente avaliada durante o tratamento do glaucoma.

Trandolapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Embora estudos clínicos não demonstrem um risco aumentado de hipoglicemia em doentes com diabetes mellitus, a administração concomitante de inibidores ECA e antidiabéticos orais ou insulina, pode potenciar o efeito de diminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicemia. Este fenómeno poderá ocorrer com maior frequência durante as primeiras semanas de tratamento e em doentes com insuficiência renal.

Ácido acetilsalicílico + Ácido ascórbico + Cafeína + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações que necessitam precauções especiais de utilização: Antidiabéticos (insulina, sulfamidas hipoglicemiantes como por exemplo a clorpropamida): Aumento do efeito hipoglicemiante com doses elevadas de ácido acetilsalicílico e deslocamento da sulfamida da sua ligação às proteínas plasmáticas. Prevenir o paciente e reforçar a autovigilância da glicemia.

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interações: Utilização concomitante que requer CUIDADOS ESPECIAIS: PERINDOPRIL: Antidiabéticos (insulinas, antidiabéticos orais): Estudos epidemiológicos sugerem que a administração concomitante de IECAs e antidiabéticos (insulinas, antidiabéticos orais) pode causar um aumento do efeito de diminuição da glicémia com risco de hipoglicémia. Esse fenómeno parece ser mais provável de ocorrer durante as primeiras semanas de tratamento combinado e em doentes com compromisso renal. O controlo da glicemia deve ser rigorosamente monitorizado durante o primeiro mês de tratamento.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pegvisomant + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação. A utilização deste medicamento em associação com outros medicamentos para o tratamento da acromegalia não foi exaustivamente estudada.
Interações: Os doentes com terapêutica concomitante de insulina ou medicamentos hipoglicemiantes orais podem necessitar redução da dose destas substâncias ativas, devido ao efeito do pegvisomant sobre a sensibilidade à insulina.

Gliclazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Os seguintes medicamentos são suscetíveis de aumentar o risco de hipoglicémia: Associações que requerem precauções de utilização: Potencialização do efeito hipoglicemiante podendo nalguns casos ocorrer hipoglicémia se forem administradas uma das seguintes substâncias: Outros antidiabéticos (insulina, acarbose, metformina, tiazolidinedionas, inibidores do dipeptidil peptidase-4, agonistas do recetor GLP-1), beta-bloqueantes, fluconazol, inibidores do enzima de conversão da angiotensina (captopril, enalapril), antagonistas dos recetores H2, IMAOs, sulfonamidas, claritromicina e anti-inflamatórios não esteroides.

Canagliflozina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, podem causar hipoglicemia. Deste modo, pode ser necessária uma dose mais baixa de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizada em combinação com canagliflozina.

Dienogest + Etinilestradiol + Insulinas

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interações do etinilestradiol e o dienogest, com outros medicamentos podem aumentar ou diminuir ou ambas, as concentrações séricas das hormonas esteroides. A redução das concentrações séricas de etinilestradiol/dienogest pode levar a um aumento das hemorragias intercorrentes e dos distúrbios menstruais e reduzir a eficácia do contracetivo do Dienogest / Etinilestradiol; o aumento de etinilestradiol/dienogest nos níveis séricos pode levar a um aumento de incidência e aumento da expressão de efeitos secundários.
Interações: Dienogest / Etinilestradiol contidos nas hormonas esteroides podem influenciar o metabolismo de outros medicamentos: - Inibindo as enzimas microssomais hepáticas, resultando num aumento das concentrações séricas de medicamentos, tais como o diazepam (e algumas outras benzodiazepinas), teofilina, ciclosporina e glucocorticoides, - Através da indução da glucuronidação hepática, resultando na diminuição das concentrações séricas de clofibrato por exemplo, paracetamol, morfina, lorazepam (e algumas outras benzodiazepinas) e lamotrigina. Estudos in vitro mostraram que o dienogest em concentrações relevantes não inibe as enzimas do citocromo P-450, pelo que a este nível não se esperam interações medicamentosas. Adicionalmente devem ser verificadas as informações técnicas dos medicamentos prescritos para verificar possíveis interações com Dienogest / Etinilestradiol. A necessidade de insulina ou de agentes hipoglicemiantes orais pode ser alterada em função da influência da tolerância à glicose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lisinopril + Amlodipina + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com o LISINOPRIL: Antidiabéticos: Estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante de inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, hipoglicemiantes orais), pode causar um aumento do efeito de diminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicemia. A ocorrência deste fenómeno pareceu ser mais provável durante as primeiras semanas do tratamento associado e nos doentes com insuficiência renal.

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos antidiabéticos (agentes orais e insulina): Poderá ser necessário proceder a um ajuste posológico dos medicamentos antidiabéticos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A administração concomitante de insulina e antidiabéticos orais pode conduzir à intensificação da hipoglicemia resultante da actividade destes medicamentos.

Metformina + Canagliflozina + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica farmacocinética com este medicamento. Contudo, tais estudos foram realizados com as substâncias ativas individuais (canagliflozina e metformina). A administração concomitante de canagliflozina (300 mg uma vez por dia) e metformina (2000 mg uma vez por dia) não teve um efeito clínico relevante sobre a farmacocinética quer da canagliflozina, quer da metformina.
Interações: CANAGLIFLOZINA Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, podem causar hipoglicemia. Deste modo, pode ser necessária uma dose mais baixa de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com este medicamento.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: O efeito de redução dos níveis de açúcar no sangue tanto dos antidiabéticos orais como da insulina podem ser intensificados. Os sintomas de hipoglicemia podem ser mascarados. Em dentes diabéticos é necessária uma monitorização regular dos níveis de glicose no sangue.

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores do ECA pode aumentar o efeito hipoglicémico nos diabéticos a receberem tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Empagliflozina + Metformina + Insulinas

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de empagliflozina e metformina não altera significativamente a farmacocinética da empagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interação com Empagliflozina/Metformina.
Interações: EMPAGLIFLOZINA: Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, podem aumentar o risco de hipoglicemia. Por conseguinte, pode ser necessária uma dose menor de insulina ou do secretagogo de insulina, de modo a diminuir o risco de hipoglicemia quando utilizado em associação com a empagliflozina. METFORMINA: Associações que requerem precauções de utilização: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, podem aumentar o risco de hipoglicemia. Por conseguinte, pode ser necessária uma dose menor de insulina ou do secretagogo de insulina, de modo a diminuir o risco de hipoglicemia quando utilizado em associação com a metformina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloromadinona + Etinilestradiol + Insulinas

Observações: A interação do etinilestradiol, com outros medicamentos, pode aumentar ou reduzir as concentrações séricas de etinilestradiol. Em caso de necessidade de tratamento prolongado com essas subtâncias ativas, devem ser utilizados métodos contracetivos não hormonais. Concentrações séricas reduzidas de etinilestradiol podem aumentar as hemorragias intracíclicas e as perturbações dos ciclos, e reduzir a eficácia contracetiva de Cloromadinona / Etinilestradiol; concentrações séricas aumentadas de etinilestradiol podem aumentar a frequência e a gravidade dos efeitos indesejáveis.
Interações: Os seguintes medicamentos/substâncias ativas podem aumentar as concentrações séricas de etinilestradiol: O etinilestradiol pode afetar o metabolismo de outras substâncias: Por inibir as enzimas microssomais hepáticas e, por esse motivo, aumentar as concentrações séricas de substâncias ativas, tais como diazepam (e outras benzodiazepinas metabolizadas por hidroxilação), ciclosporina, teofilina e prednisolona. Por induzir a glucuronização hepática e, por esse motivo, reduzir as concentrações séricas de por exemplo clofibrato, paracetamol, morfina e lorazepam. As necessidades de insulina ou de antidiabéticos orais (agentes que diminuem a glucose sanguínea) podem alterar-se em consequência da influência na tolerência à glucose. O mesmo pode ser válido para os medicamentos tomados pouco tempo antes. O Resumo das Características do Medicamento dos medicamentos prescritos devem ser consultados tendo em atenção as possíveis interações com Cloromadinona / Etinilestradiol.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Acarbose + Insulinas

Observações: Como resultado de um aumento da fermentação de hidratos de carbono no cólon, a sacarose (açúcar de cana) e os alimentos que contêm sacarose provocam, frequentemente, mal-estar abdominal ou mesmo diarreia durante o tratamento com os comprimidos de acarbose. A acarbose exerce um efeito anti-hiperglicemiante, mas não induz, por si só, hipoglicémia. Em casos individuais pode ocorrer choque hipoglicémico. Quando os medicamentos que produzem hiperglicémia são descontinuados nos doentes controlados com acarbose deve-se reavaliar o controlo destes doentes.
Interações: Nos casos em que a acarbose é prescrita em conjunto com fármacos que contêm sulfonilureias ou metformina, ou em complemento da insulina, a descida dos valores de glucose sanguínea para níveis hipoglicémicos pode requerer a correspondente redução das doses de sulfonilureia, metformina ou insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Esmolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de Esmolol e insulina ou fármacos antidiabéticos de via oral, pode intensificar o efeito de redução da insulinemia (principalmente beta-bloqueadores não seletivos). O bloqueio com beta-adrenérgicos pode mascarar o aparecimento dos sinais de hipoglicemia (taquicardia), mas outras manifestações como tonturas e suores podem não ser mascaradas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma potenciação do efeito hipoglicemiante e portanto, em alguns casos, hipoglicemia quando um dos seguintes medicamentos é administrado em simultâneo com glimepirida, por exemplo: - fenilbutazona, azapropazona e oxifenobutazona; - insulina e produtos antidiabéticos orais, tal como a metformina; - ácido p-amino-salicílico; - esteroides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; - cloranfenicol, algumas sulfonamidas de ação longa, tetraciclinas, antibióticos da classe das quinolonas e claritromicina; - anticoagulantes cumarínicos; - fenfluramina; - disopiramida; - fibratos; - inibidores da ECA; - fluoxetina, inibidores da MAO; - alopurinol, probenecida, sulfinpirazona; - simpaticolíticos; - ciclofosfamida, trofosfamida e ifosfamidas; - miconazol, fluconazol; - pentoxifilina (doses elevadas por via parentérica); - tritoqualina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido lipoico + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Como o efeito hipoglicémico da insulina e dos antidiabéticos orais pode ser intensificado, é recomendável a monitorização regular dos níveis glicémicos, sobretudo no início da terapêutica com Ácido lipoico. Em casos isolados, poderá ser necessário reduzir a dose de insulina ou dos antidiabéticos orais para evitar a hipoglicémia.

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Requerida PRECAUÇÃO com a utilização concomitante: HIDROCLOROTIAZIDA: Fármacos antidiabéticos (ex.: insulina e fármacos antidiabéticos orais): Metformina: As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético oral. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Glucagom + Insulinas

Observações: Não foram reportadas interações entre Glucagom e outros fármacos, sempre que este foi usado nas indicações aprovadas.
Interações: Reage antagonisticamente em relação ao glucagom.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Prednisolona + Cloranfenicol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração de glucocorticóides pode aumentar a necessidade de ajustes na terapêutica da insulina, fármacos hipoglicemiantes, ou fármacos hipertensivos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Bloqueadores beta-adrenérgicos + Insulinas

Observações: Os bloqueadores adrenérgicos beta (em especial os não selectivos como o propranolol) alteram a resposta aos simpaticomiméticos com actividade agonista-beta (ex.: adrenalina). Os bloqueadores que sofrem um metabolismo de primeira passagem extenso, podem ser afectados por fármacos capazes de alterar este processo. Estes bloqueadores podem reduzir o fluxo sanguíneo hepático.
Interações: Efeitos dos bloqueadores beta noutros fármacos: Insulina: há inibição da recuperação da glucose da hipoglicemia; inibição dos sintomas de hipoglicemia (excepto suores); pressão sanguínea aumentada durante a hipoglicemia - Insulina
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metilprednisolona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Os efeitos desejados de agentes hipoglicémicos (incluindo a insulina), dos anti-hipertensivos e dos diuréticos, são antagonizados por corticosteroides e os efeitos hipocalémicos da acetazolamida, dos diuréticos, dos diuréticos tiazídicos e da glicirrizina são aumentados.

Zofenopril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de uso: Antidiabéticos: Raramente, os inibidores da ECA podem potenciar os efeitos redutores da glucose no sangue, da insulina e antidiabéticos orais, como as sulfonilureias, nos diabéticos. Em tais casos pode ser necessário reduzir a dose do antidiabético durante o tratamento concomitante com inibidores da ECA.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos (por exemplo, insulinas, agentes hipoglicemiantes orais): Aumento da glucose sanguínea reduzindo o efeito com risco de hipoglicemia. Este fenómeno é mais provável de ocorrer durante as primeiras semanas de tratamento combinado e em doentes com insuficiência renal.

Eprosartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com a HIDROCLOROTIAZIDA: Administração concomitante requerendo precaução: Antidiabéticos (agentes orais e insulinas): O tratamento com uma tiazida pode influenciar a tolerância à glucose. Pode ser necessário um ajuste da dose para os fármacos antidiabéticos.

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante que requer cuidados especiais: PERINDOPRIL: Antidiabéticos (insulina, antidiabéticos orais): Estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante de IECAs e antidiabéticos (insulinas, antidiabéticos orais) podem causar um aumento do efeito da redução da pressão arterial com risco de hipoglicémia. Este fenómeno parece ocorrer com maior frequência durante as primeiras semanas de tratamento da associação e em doentes com insuficiência renal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Acebutolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Podem potenciar os efeitos da insulina e dos antidiabéticos orais.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Prednisolona + Neomicina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração de glucocorticóides pode aumentar a necessidade de ajustes na terapêutica da insulina, fármacos hipoglicemiantes, ou fármacos hipertensivos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lisinopril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Antidiabéticos: Estudos epidemiológicos indicam que a administração concomitante de inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicémicos orais) pode causar um aumento do efeito da diminuição da glicemia com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ser mais provável de ocorrer durante as primeiras semanas de terapêutica combinada e em doentes com comprometimento da função renal.
 Sem significado Clínico

Dexametasona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A absorção sistémica é mínima e não é de esperar a ocorrência de interações medicamentosas. No entanto, deve considerar-se que os efeitos dos agentes hipoglicemiantes (incluindo insulina), antihipertensores e diuréticos são antagonizados pelos glucocorticoides.

Metformina + dapagliflozina + Insulinas

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de dapagliflozina e metformina não alterou significativamente o perfil farmacocinético quer da dapagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interação para Metformina / dapagliflozina. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: DAPAGLIFLOZINA: Interações farmacodinâmicas: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e secretagogos de insulina, como as sulfonilureias, provocam hipoglicemia. Assim, pode ser necessária uma dose mais baixa de insulina ou secretagogos de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com dapagliflozina. METFORMINA: Associações que requerem precauções para utilização: Insulina e secretagogos de insulina: A insulina e secretagogos de insulina, tal como as sulfonilureias, provocam hipoglicemia. Assim, pode ser necessária uma dose mais baixa de insulina ou secretagogos de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com metformina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imidapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicemiantes): Os inibidores da ECA podem aumentar o efeito hipoglicemiante nos doentes diabéticos tratados com insulina ou sulfonamidas hipoglicemiantes. Os episódios hipoglicémicos parecem ser raros (aumento da tolerância à glucose que pode levar a uma redução da necessidade de insulina). Deve ser reforçada a auto-monitorização da glicemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pentoxifilina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: O efeito antihipoglicemiante da insulina ou dos antidiabéticos orais pode ser potenciado. Assim, recomenda-se que os doentes sob medicação antidiabética sejam controlados cuidadosamente.

Mecassermina + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos de interação.
Interações: As doses de insulina e/ou outros medicamentos hipoglicemiantes podem ter que ser reduzidas.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metilprednisolona + Lidocaína + Insulinas

Observações: As interações medicamentosas do Metilprednisolona/Lidocaína são comuns aos outros corticosteróides. Contudo, devido ao padrão particular de absorção do Metilprednisolona/Lidocaína, o aspecto clínico pode ser alterado.
Interações: Interações FARMACOLÓGICAS DOS CORTICOSTERÓIDES: Agentes antidiabéticos (insulina, glibenclamida, metformina): Controlo da diabetes diminuída. Os corticosteroides têm uma actividade hiperglicemiante intrínseca.

Felodipina + Ramipril + Insulinas

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interações: Insulinas, metformina e sulfonilureias: O tratamento concomitante com inibidores da ECA e agentes antidiabéticos pode causar um efeito hipoglicémico acentuado com o risco de hipoglicemia. O efeito é mais pronunciado no início do tratamento.

Bupropiom + Naltrexona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Aconselha-se precaução quando se prescrever naltrexona/bupropiom a doentes com fatores de predisposição que podem aumentar o risco de convulsões, incluindo: - como o tratamento com naltrexona/bupropiom pode resultar numa diminuição da glucose em doentes com diabetes, a dose de insulina e/ou de medicação oral para a diabetes deve ser avaliada para minimizar o risco de hipoglicemia, que pode predispor os doentes a convulsões. - a administração concomitante de medicamentos que podem reduzir o limiar convulsivo, incluindo antipsicóticos, antidepressivos, antimaláricos, tramadol, teofilina, esteroides sistémicos, quinolonas e anti-histamínicos sedativos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Insulinas

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Disopiramido: Aumento do efeito hipoglicémico de: - Insulina

Propranolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução, com as quais pode ser necessário ajuste posológico: Insulina e antidiabéticos orais: A utilização concomitante pode mascarar certos sintomas de hipoglicemia (palpitações, taquicardia). O propranolol pode prolongar a resposta hipoglicémica à insulina.

Ispagula (tegumento) + Ispagula (semente) + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Nos diabéticos insulina dependentes pode ser necessário reduzir da dose de insulina. A diminuição da atividade da hormona tiroideia não pode ser excluída.

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interações relacionadas com a hidroclorotiazida: Precauções necessárias em caso de uso concomitante com: Medicamentos antidiabéticos (orais e insulina): O tratamento com tiazida pode influenciar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajustar a dosagem do medicamento antidiabético.

Alprostadilo + Insulinas

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Durante os ensaios clínicos, a administração concomitante de outros fármacos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteroides, não teve efeito na segurança ou eficácia do Alprostadilo.

Moexipril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Ter em consideração: Antidiabéticos (insulina ou derivados da sulfonilureia): A administração concomitante de inibidores ECA e antidiabéticos orais ou insulina, pode potenciar o efeito de diminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicémia. Este fenómeno poderá ocorrer com maior frequência durante as primeiras semanas de tratamento; em doentes com insuficiência renal.

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interações: Precauções com utilização concomitante: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Clopidogrel + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Para além da informação relativa às interações específicas do fármaco acima descritas, não foram realizados estudos de interacção com o clopidogrel e alguns fármacos normalmente administrados em doentes com doença aterotrombótica. Contudo, os doentes que participaram em ensaios clínicos com o clopidogrel tomaram vários medicamentos concomitantes incluindo diuréticos, beta-bloqueantes, IECAs, antagonistas do cálcio, hipolipemiantes, vasodilatadores coronários, hipoglicemiantes (incluindo a insulina), antiepiléticos, e antagonistas GPIIb/IIIa sem evidência de interacção adversas de relevância clínica.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Pioglitazona + Insulinas

Observações: Não existem estudos formais de interação para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Potenciação do efeito hipoglicemiante e como tal, em alguns casos, poderá ocorrer hipoglicemia quando uma das seguintes substâncias ativas é tomada, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona; Insulina e outros produtos orais antidiabéticos; Metformina; Salicilatos e ácido p-amino salicílico; Esteróides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; Cloranfenicol; Claritromicina; Anticoagulantes cumarínicos; Disopiramida; Fenfluramina; Fibratos; Inibidores da ECA; Fluoxetina; Alopurinol; Simpatolíticos; Ciclo-, tro e ifosfamidas; Sulfinpirazona; Determinadas sulfonamidas de ação prolongada; tetraciclinas; Inibidores da MAO; Antibióticos que contêm quinolonas; Probenecida; Miconazol; Pentoxifilina (dose elevada, via parentérica); Tritoqualina; Fluconazol.

Irbesartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Informações adicionais sobre as interações da HIDROCLOROTIAZIDA: Quando são administrados concomitantemente, os medicamentos seguintes podem ter interações com os diuréticos tiazídicos: Medicamentos antidiabéticos (orais e insulina): pode ser necessário o ajuste posológico do medicamento antidiabético.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ginkgo biloba + Insulinas

Observações: O Ginkgo biloba interage com Anticoagulantes, Anticonvulsivantes, substâncias antiplaquetárias, buspirona, diltiazem, insulina, heparinas de baixo peso molecular, inibidores da monoamina oxidase, nicardipina, nifedipina, anti-inflamatórios não esteróides, papaverina, inibidores selectivos da recaptação de serotonina, hipericão, diuréticos tiazídicos, agentes trombolíticos e trazodona.
Interações: O Ginkgo biloba interage com a insulina.

Carvedilol + Ivabradina + Insulinas

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Insulina ou hipoglicemiantes orais. Carvedilol - Utilização concomitante precauçõe com: Os bloqueadores-beta podem aumentar os efeitos da insulina e dos hipoglicemiantes orais na redução do açúcar no sangue. Os sintomas de hipoglicemia (especialmente taquicardia e palpitações) podem ser mascarados ou atenuados. Assim, os níveis de glicemia devem ser cuidadosamente monitorizados em doentes medicados com insulina ou hipoglicemiantes orais.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Pasireotido + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas previstas: Insulina e medicamentos antidiabéticos: Podem ser necessários ajustes da dose (diminuição ou aumento) de insulina e medicamentos antidiabéticos (por exemplo, metformina, liraglutido, vildagliptina, nateglinida ) quando administrados concomitantemente com pasireotido.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nandrolona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Nos diabéticos, os esteroides anabolizantes podem aumentar a tolerância à glucose e diminuir a necessidade de insulina ou de outros medicamentos antidiabéticos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Benazepril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos orais (como sulfonilureias/biguanidas), insulina: A hidroclorotiazida pode atenuar e o cloridrato de benazepril potenciar o efeito hipoglicémico.

Losartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: HIDROCLOROTIAZIDA: Quando administrados concomitantemente, os seguintes fármacos podem interferir com os medicamentos diuréticos tiazídicos. Medicamentos antidiabéticos (orais e insulina): O tratamento com uma tiazida pode influenciar a tolerância à glucose. Pode ser necessário um ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser usada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível falência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a presença de potássio: Doentes que recebem administração concomitante de soluções contendo potássio e um dos seguintes medicamentos, que reduzem os níveis séricos de potássio, podem necessitar de doses mais elevadas de potássio: - Corticosteroides - Diuréticos (diuréticos da ansa, tiazidas e análogos, diuréticos osmóticos, inibidores da anidrase carbónica) - Elevadas doses de penicilinas - Aminoglicosídeos - Cisplatina - Foscarnet - Anfotericina B - Teofilina - Insulina - Ácido fólico e vitamina B12 - Agonistas β 2 -adrenérgicos Interações relacionadas com a presença de glucose: Insulina e antidiabéticos orais (biguanidas, sulfonilureias) (ação antagónica). Corticosteroides sistémicos com atividade glucocorticoide (tipo-cortisol) (efeito hiperglicemiante).

Bisoprolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Insulina e antidiabéticos orais: Intensificação do efeito hipoglicemiante. O bloqueio dos adrenoreceptores β pode mascarar os sintomas de hipoglicemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Timolol + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos específicos de interação com o timolol.
Interações: Insulina e fármacos antidiabéticos orais: Pode intensificar o efeito de diminuição da glicose no sangue e o bloqueio beta-adrenérgico pode prevenir o aparecimento de sinais de hipoglicemia (taquicardia).

Ramipril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Agentes antidiabéticos incluindo insulina: Podem ocorrer reações hipoglicémicas. Recomenda-se a monitorização dos níveis de glucose no sangue.

Ciproterona + Insulinas

Observações: Com base em estudos de inibição "in vitro", é possível uma inibição das enzimas CYP2C8, 2C9, 2C19, 3A4 e 2D6 do citocromo P450 a doses terapêuticas altas de acetato de ciproterona de 3 vezes 100 mg por dia.
Interações: A necessidade de antidiabéticos orais ou de insulina pode ser alterada.

Tertatolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de utilização (Insulina): Todos os β-bloqueantes podem mascarar alguns dos sintomas da hipoglicemia, isto é palpitações e taquicardia. É conveniente prevenir o doente e reforçar, sobretudo no início do tratamento, para o auto-controlo da glicemia.

Altizida + Espironolactona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos antidiabéticos (hipoglicemiantes orais e insulina): Pode ser necessário ajustar a dose dos medicamentos antidiabéticos quando administrados com tiazidas. A hiperglicemia induzida por tiazidas pode comprometer o controlo da glicemia. A depleção do potássio sérico, aumenta a tolerância à glucose. O controlo glicémico deve ser monitorizado, se necessário, devem ser administrados suplementos de potássio, de modo a manter os níveis adequados de potássio no sangue e ajustada a medicação para a diabetes conforme necessário.

Candesartan + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: O tratamento com um diurético tiazídico pode reduzir a tolerância à glucose. Pode ser necessário o ajuste posológico de medicamentos antidiabéticos, incluindo a insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Enalapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Estudos epidemiológicos sugerem que a administração concomitante de inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulina, fármacos antidiabéticos orais) podem potenciar a diminuição da glicemia com risco de hipoglicemia. É mais provável que este efeito ocorra durante as primeiras semanas de tratamento combinado e em doentes com insuficiência renal.

Claritromicina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da Claritromicina em outros medicamentos: Antidiabéticos orais/insulina: O uso concomitante de certos antidiabéticos como a nateglinida e repaglinida com claritromicina, podem comprometer a inibição da enzima CYP3A e causar hipoglicemia. Recomenda-se uma atenta monitorização dos níveis de glicose.

Hidroxiprogesterona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: As doses de antidiabéticos orais ou de insulina poderão ter que ser alteradas.

Timolol + Dorzolamida + Insulinas

Observações: Não foram realizados estudos específicos de interações com Timolol / Dorzolamida.
Interações: Em estudos clínicos, a dorzolamida/timolol colírio, solução foi utilizada de forma concomitante com os seguintes medicamentos sem provas de interações adversas: Inibidores da enzima conversora de angiotensina (ACE), bloqueadores dos canais de cálcio, diuréticos, medicamentos anti-inflamatórios não esteróides, incluindo Ácido Acetilsalicílico e hormonas (por ex., estrogénio, insulina, tiroxina). No entanto, há possibilidade de efeitos aditivos e ocorrência de hipotensão e/ou bradicárdia acentuada quando o maleato de timolol em colírio é administrado com agentes bloqueadores dos canais do cálcio, deplectores de catecolaminas ou bloqueadores beta adrenérgicos, antiarrítmicos (incluindo amiodarona), glucosídeos digitálicos, parasimpaticomiméticos, narcóticos e inibidores da Monoaminoxidase (IMAO).

Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Pregabalina + Insulinas

Observações: Como a pregabalina é predominantemente excretada na urina na forma inalterada, sofre uma metabolização negligenciável no ser humano (< 2% da dose recuperada na urina na forma de metabolitos), não inibe o metabolismo dos fármacos in vitro e não se fixa às proteínas plasmáticas, é improvável que produza ou esteja sujeita a interações farmacocinéticas. Não foram conduzidos estudos específicos de interação farmacodinâmica em voluntários idosos. Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: A análise farmacocinética populacional revelou que os antidiabéticos orais, os diuréticos, a insulina, o fenobarbital, a tiagabina e o topiramato não tiveram efeitos clinicamente significativos na depuração de pregabalina.

Levodropropizina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Nos estudos realizados em animais, verificou-se que o fármaco não modifica a atividade dos anticoagulantes orais como a varfarina, e não interfere na ação hipoglicemiante da insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Guanetidina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A Guanetidina aumenta os efeitos hipoglicemiantes da insulina e os hipoglicemiantes orais.

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante que requer precaução: Medicamentos antidiabéticos (agentes orais e insulina): O tratamento com tiazida pode influenciar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajustar a dosagem do medicamento antidiabético.

Perindopril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Estudos epidemiológicos sugerem que a administração concomitante de IECAs e medicamentos antidiabéticos (insulinas, hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. A ocorrência deste efeito é mais provável durante as primeiras semanas de tratamento combinado e em doentes com compromisso renal.

Testosterona + Insulinas

Observações: Os indutores enzimáticos podem diminuir os valores de testosterona e os inibidores enzimáticos podem aumentá-los. Consequentemente, pode ser necessário um ajuste da dose de Testosterona.
Interações: Insulina e outros medicamentos antidiabéticos: Os androgénios podem aumentar a tolerância à glucose e diminuir a necessidade de insulina ou outro antidiabético em doentes diabéticos. Desta forma, os doentes com diabetes mellitus devem ser monitorizados, especialmente no início ou fim do tratamento e em intervalos periódicos durante o tratamento com Testosterona
 Sem significado Clínico

Clopidogrel + Ácido acetilsalicílico + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Outras interações com clopidogrel e AAS: Mais de 30.000 doentes participaram em ensaios clínicos com clopidogrel mais AAS em doses de manutenção menores ou iguais a 325 mg e aos quais foram administrados concomitantemente vários medicamentos incluindo diuréticos, bloqueadores beta, IECA's, antagonistas de cálcio, hipolipidemiantes, vasodilatadores coronários, hipoglicemiantes (incluindo insulina), agentes antiepiléticos, e antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa, sem evidência de interações adversas clinicamente significativas. Para além da informação relativa às interações específicas do medicamento acima descritas, não foram realizados estudos de interação com o Clopidogrel + ASA e alguns medicamentos normalmente administrados em doentes com doença aterotrombótica.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metoprolol + Insulinas

Observações: Metoprolol é um substrato do CYP2D6. Os fármacos que inibem esta enzima podem aumentar a concentração plasmática de metoprolol.
Interações: O efeito de redução de glicose sanguínea através de insulina e antidiabéticos orais pode ser intensificada por beta-bloqueadores, em particular bloqueadores não seletivos beta. Neste caso, a dosagem do antidiabético oral deve ser ajustada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tolazamida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da enzima conversora da angiotensina (por exemplo, enalapril), anticoagulantes (por exemplo, varfarina), antifúngicos azóis (por exemplo, miconazol, cetoconazol), cloranfenicol, clofibrato, fenfluramina, insulina, inibidores da monoamina oxidase (por exemplo, fenelzina) (Por exemplo, ibuprofeno), fenilbutazona, probenecida, antibióticos quinolona (por exemplo, ciprofloxacina), salicilatos (por exemplo, aspirina) ou sulfonamidas (por exemplo, sulfametoxazol) porque o risco de baixo nível de açúcar no sangue pode ser aumentado.

Enalapril + Lercanidipina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: MALEATO DE ENALAPRIL: Associações que necessitam de precauções de utilização: Antidiabéticos: Estudos epidemiológicos sugeriram que o uso concomitante de inibidores da ECA e antidiabéticos (insulina, antidiabéticos orais) podem levar a um aumento de redução da glicemia (com risco de hipoglicemia). Estes casos são mais suscetíveis de ocorrer nas primeiras semanas de tratamento com a associação e em doentes com insuficiência renal.

Ramipril + Amlodipina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associadas ao ramipril Precauções de utilização Agentes antidiabéticos incluindo insulina: Podem ocorrer reações hipoglicémicas. Recomenda-se a monitorização dos níveis de glucose no sangue.

Sotalol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A utilização simultânea de cloridrato de sotalol e de insulina ou de fármacos antidiabéticos orais pode causar hipoglicemia, mais acentuada em especial em períodos de stress físico. Os sintomas resultantes da hipoglicemia podem ser mascarados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Insulinas

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Antidiabéticos (por exemplo, derivados de sulfonilureia) e insulina: Os corticosteroides podem aumentar os níveis de glucose no sangue. Os doentes diabéticos devem ser monitorizados, especialmente em caso de instigação e descontinuação de tratamento com corticosteroides, e se a dose sofrer alterações.

Bisoprolol + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações a UTILIZAR COM CUIDADO: Insulina e antidiabéticos orais: Aumento do efeito hipoglicemiante. O bloqueio de beta-adrenorecetores pode mascarar os sintomas da hipoglicemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ertugliflozina + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas Insulina e secretagogos de insulina A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, causam hipoglicemia. A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com a ertugliflozina.

Furazolidona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: O uso de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos pode causar um aumento do risco de alguns efeitos secundários. - Acarbose - Albiglutido - Alogliptina - Bromocriptina - Canagliflozina - Clorpropamida - Dapagliflozina - Dulaglutido - Empagliflozina - Exenatido - Ginseng - Glimepirida - Glipizida - Gliburida - Insulina - Insulina Aspart, Recombinante - Insulina Bovina - Insulina Degludec - Insulina Detemir - Insulina Glulisine - Insulina Lispro, Recombinante - Linagliptina - Liraglutido - Lixisenatido - Metformina - Miglitol - Nateglinida - Pioglitazona - Pramlintida - Repaglinida - Rosiglitazona - Saxagliptina - Sitagliptina - Tolazamida - Tolbutamida - Vildagliptina
 Sem significado Clínico

Ciproterona + Valerato de estradiol + Insulinas

Observações: A contracepção hormonal deve ser interrompida quando a THS é iniciada e a doente deve ser aconselhada a tomar medidas contraceptivas não-hormonais, se necessário.
Interações: Interações medicamentosas: Em casos individuais, a necessidade de antidiabéticos orais ou insulina pode variar, como resultado do efeito da tolerância à glucose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Rosiglitazona + Insulinas

Observações: Não existem estudos formais de interacção para este medicamento, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interações inesperadas. Anformação disponível é acerca das substâncias activas individualmente (rosiglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Com base na experiência com glimepirida e outras sulfonilureias, deverão ser mencionadas as seguintes interações. Potenciação do efeito de redução de glucose no sangue, pelo que em alguns casos poderá ocorrer hipoglicemia quando um dos seguintes fármacos é administrado, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona, sulfinpirazona, insulina e medicamentos antidiabéticos, algumas sulfamidas de longa duração, metformina, tetraciclinas, salicilatos e ácido p-amino-salicílico, inibidores da MAO, esteróides anabolizantes e hormonas masculinas, antibióticos quinolonas, cloranfenicol, probenecide, anticoagulantes cumarínicos, miconazol, fenfluramina, pentoxifilina (dose parentérica elevada), fibratos, tritoqualina, inibidores da ECA, fluconazol, fluoxetina, alopurinol, simpaticolíticos, ciclo-, tro- e ifosfamidas.

Perindopril + Amlodipina + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): O uso de inibidores do enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (há provavelmente uma melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Ertugliflozina + Metformina + Insulinas

Observações: Não foram efetuados estudos de interação medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interações: Ertugliflozina Interações farmacodinâmicas Insulina e secretagogos de insulina A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, causam hipoglicemia. A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com Ertugliflozina + Metformina.

Fluodesoxiglucose (18 F) + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração de glucose e insulina influencia no fluxo de fludesoxiglucose (18F) no interior das células. Se os níveis séricos de glucose forem elevados e se os níveis plasmáticos de insulina forem baixos, o fluxo de fludesoxiglucose (18F) no interior dos órgãos e tumores reduz-se.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Insulinas + Álcool

Observações: N.D.
Interações: O álcool pode intensificar e prolongar o efeito hipoglicémico da insulina.

Cassia angustifolia (fruto) + Ispagula (mucilagem) + Plantago ovata (sementes) + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração deste medicamento a doentes diabéticos insulino-dependentes, pode exigir uma redução da dose de insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Acetilsalicilato de lisina + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos orais tais como a insulina, clorpropamida: Potenciação do efeito hipoglicémico com doses elevadas de ácido acetilsalicílico devido ao efeito hipoglicemiante do ácido acetilsalicílico e deslocação da sulfonilureia da sua ligação às proteínas plasmáticas. Advertir o doente e reforçar o autocontrolo da glicemia.

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bexaroteno + Insulinas

Observações: Não se efectuaram quaisquer estudos formais para avaliar as interações medicamentosas com bexaroteno.
Interações: Bexaroteno pode potencialmente aumentar a ação da insulina, de agentes que promovam a secreção de insulina (por exemplo, sulfonilureias), ou insulino-sensibilizadores (por exemplo, tiazolidinedionas), resultando em hipoglicemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante dos inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ocorrer com maior probabilidade durante as primeiras semanas do tratamento combinado e em doentes com compromisso renal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Dopping: Moduladores metabólicos. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Março de 2016