ALOÉ VERA, UMA DÁDIVA DA NATUREZA

ALOÉ VERA, UMA DÁDIVA DA NATUREZA

TRATAMENTOS NATURAIS

  Tupam Editores

5

Antes do aparecimento dos medicamentos sintéticos, antes do desenvolvimento industrial, o Homem ia procurar a mãe natureza para tratar as suas maleitas e aliviar o seu sofrimento. Deste modo, a fitoterapia – terapia à base de plantas – poderá ser considerada a forma mais antiga de cura.

Na última década assistiu-se a um aumento do consumo de medicamentos fitoterápicos, especialmente nos Estados Unidos – o mercado norte-americano testemunhou uma subida na ordem dos 3 milhões de doláres por ano, nesta área.

Apesar de não serem fármacos, alguma plantas possuem propriedades medicinais que proporcionam ao seu consumidor um sentimento de bem-estar, podendo até resolver os seus problemas de saúde.

Porém, a fitoterapia dos nossos dias é bem diferente da que era praticada na época dos nossos antepassados. Actualmente, a produção de fitoterápicos é feita com um profundo rigor científico. Os laboratórios farmacêuticos estão a apostar cada vez mais nesta área, desenvolvendo investigações em conjunto com povos indígenas, que há séculos usam os tratamentos herbais, para uma melhor compreensão das propriedades curativas de algumas plantas.

A planta mais reputada entre as fitoterápicas e cujos benefícos são os mais abrangentes é o Aloe Barbadencis (Miller), vulgo aloé vera.

Os aloés são plantas suculentas, carnudas, de folhas lanceoladas – por isso, muitas vezes confundidas com cactos – da família das liliáceas. Existem mais de 250 variedades de aloés, porém, apenas quatro espécies têm propriedades medicinais valiosas. A pérola desta manancial é, segundo os investigadores, o aloé vera.

As referências mais antigas a esta planta remontam ao tempo dos Sumérios (2300 anos a.C.)

No antigo Egipto, o aloé desempenhava um papel central nos tratamentos de beleza, veja-se que no antigo Egipto a beleza e a saúde estavam intrinsecamente associadas.

Também na era de Alexandre, o Grande o aloé foi famoso. Reza a lenda que a ilha de Socotra apenas foi conquistada pelas suas plantações de aloés.

Se naqueles tempos se acreditava em milagres, agora, crê-se na ciência, e esta mostrou-nos que o aloé vera não é uma planta milagrosa, mas uma grande dádiva da mãe natureza: é composto por 75 nutrientes conhecidos, entre eles: 19 aminoácidos, 20 minerais, 12 vitaminas (entre outras a A, B1, B6, B12, C e E), enzimas, glicosidos de antraquinona, resina, polisacarídeos, esteróis e aloína.

Porém, os seus benefícios só poderão ser aproveitados na plenitude quando a planta atinge a idade adulta (4 anos). O muco e a polpa das suas folhas são muito ricos, contendo propriedades anti-inflamatórias e anti-sépticas. O famoso gel de aloé é extraído apenas da polpa.

Apesar do seu importante percurso histórico, a sociedade ocidental só lhe deu a merecida atenção no início dos anos 50, utilizando-o como base para bebidas nutricionais, cremes e produtos OTC. Contudo, a sua reputação rapidamente se espalhou, captando a atenção de investigadores e laboratórios farmacêuticos, ansiosos por descobrir as suas propriedades "mágicas".

Actualmente, o produtos com aloé vera podem ser aplicados topicamente ou tomados oralmente.

Como tópico, o aloé vera é utilizado para tratar várias condições da pele, desde queimaduras, cortes, a picadas de insecto, nódoas negras, irritações, entre outras.

Uma vez que é sugerido em alguns estudos, que esta planta revitaliza a pele, previne as estrias e combate o eczema à volta dos olhos, a sua presença é cada vez mais uma constante na composição de produtos de beleza – desde maquilhagem, loções corporais, protectores solares, a champôs e amaciadores, máscaras faciais, bálsamos tonificantes, entre outros.

aloé vera

A nível interno, a planta é utilizada pelos seus efeitos laxantes ou como contributo para uma alimentação saudável, auxiliando a digestão.

Presentemente, estão a decorrer estudos para provar a sua eficácia clínica no que diz respeito à prevenção e tratamento de úlceras estomacais, hipertensão, insónias, anemia, reumatismo, tuberculose, varizes, osteoporose, entre outras. Uma das mais recentes descobertas sobre o aloé é que este estimula a regeneração celular.

A imagem do aloé nunca esteve tão em destaque, e por isso mesmo, vulnerável a publicidade enganosa, que pode, inclusive, ser prejudicial para a saúde. O grande sucesso do aloé e a sua consequente utilização nos mais variados produtos deve-se a uma cuidada estabilização da planta, realizada sob rigorosas medidas de esterelização sanitária. A ausência deste tipo de cuidados poderá causar várias doenças, provocadas por bactérias nocivas que se encontram na planta.

Deste modo, a indústria do aloé estabeleceu padrões éticos e higiénicos muito elevados para quaisquer negócios que envolvam esta planta.

Através do International Aloe Science Council (IASC), a indústria reiterou a sua decisão de fornecer ao mercado um aloé da mais alta qualidade.

Uma outra organização, fundada em 1989, a ESCOP, tem como objectivo representar as associações fitoterápicas europeias, nomeadamente nas reuniões com as entidades reguladoras de medicamentos. Uma das suas conquistas foi a publicação de 60 monografias sobre o uso das plantas em medicamentos (em Março último a EMEA editou um draft sobre o uso medicinal do Aloe Barbadencis e do Aloe Capensis).

Muitos investigadores acreditam que nos estudos desenvolvidos, um pouco por todo o mundo, ficarão cientificamente provadas muitas das propriedades curativas do aloé vera.

Se as suas convicções estiverem correctas, apesar de aloé significar coisa amargosa, o seu valor medicinal poderá ser uma das coisas mais doces, jamais provadas pela humanidade.

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
29 de Setembro de 2020

Referências Externas:

Vinho pode ser eficaz no combate ao cancro do pulmão

TRATAMENTOS NATURAIS

Vinho pode ser eficaz no combate ao cancro do pulmão

Um estudo internacional concluiu que um poderoso composto encontrado no vinho é capaz de matar células do cancro do pulmão. A pesquisa apontou que o resveratrol, presente nas uvas, reduziu o número de...
SEMENTES - Pequenas mas poderosas

DIETA E NUTRIÇÃO

SEMENTES - Pequenas mas poderosas

Chia, linhaça, sésamo, girassol, cânhamo, abóbora… Há quem lhes chame “comida de pássaro” e há também quem já se tenha rendido às suas propriedades nutricionais. Sabe porque as devemos incluir na alim...
IOGA - Equilíbrio de corpo e mente

EXERCÍCIO FÍSICO

IOGA - Equilíbrio de corpo e mente

Teve origem na Índia, há cerca de 5000 anos. Possui inúmeras vertentes e derivações, mas a essência é sempre a mesma, a harmonia do corpo, da mente e da alma. Se ainda não percebeu, é de ioga que fala...
0 Comentários