Retinol (ou vitamina A)

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O Retinol (ou vitamina A) e os seus derivados, desempenham um papel essencial no funcionamento metabólico da retina, crescimento e diferenciação de tecido epitelial, crescimento do osso, da reprodução e da resposta imunitária.

Como dietético a vitamina A é derivada de uma variedade de carotenóides encontrados em plantas.

É enriquecida no fígado, gema de ovo, é o componente da gordura de produtos lácteos.
Usos comuns
As vitaminas são compostos necessários para o crescimento e boa saúde.

São necessários apenas em pequenas quantidades e estão geralmente disponíveis nos alimentos ingeridos.

A vitamina A é necessária para a visão noturna e para o crescimento da pele, ossos e órgãos reprodutores masculinos e femininos.

Em mulheres grávidas a vitamina A é necessária para o crescimento de um feto saudável.

A carência de vitamina A pode levar a uma condição rara chamada cegueira noturna (problemas de visão no escuro), bem como olhos secos, infeções oculares, problemas de pele, e atraso de crescimento.

O médico pode tratar esses problemas prescrevendo vitamina A ao paciente.

Algumas situações podem aumentar a necessidade de vitamina A e incluem:

– diarréia
– doenças oculares
– doenças intestinais
– infeções (continuada ou crónica)
– sarampo
– doença do pâncreas
– remoção do estômago
– stress (contínuo)

Além disso, as crianças que receberam fórmula fortificada podem precisar de suplementos de vitamina A.

A absorção de vitamina será reduzida em qualquer situação em que a gordura seja mal absorvida.

A necessidade de aumento da vitamina A deve ser determinada por um Profissional de Saúde.

Alegações de que a vitamina A é eficaz para o tratamento de doenças como a acne ou doenças pulmonares, ou para o tratamento de problemas nos olhos, feridas ou pele seca ou enrugada, não foram comprovadas.

Embora a vitamina A esteja sendo usada para prevenir alguns tipos de cancro, alguns especialistas acham que não há informação suficiente para mostrar que é eficaz, particularmente em indivíduos bem nutridos.

A forma injetável de vitamina A é dada sob a supervisão de um profissional de saúde.

Outras formas de vitamina A estão disponíveis sem receita médica.
Tipo
pequena molécula
História
Em 1913, Elmer McCollum, um bioquímico da Universidade de Wisconsin-Madison, e a sua colega Marguerite Davis identificaram um nutriente solúvel na gordura da manteiga e óleo de fígado de bacalhau.

Essa investigação foi também confirmada em 1913 por Thomas Osborne e Lafayette Mendel, de Yale, que sugeriram a existência de um nutriente solúvel na gordura da manteiga.

A vitamina A foi sintetizada pela primeira vez em 1947 por dois químicos holandeses, David Adriaan van Dorp e Jozef Ferdinand Arens.

Embora a vitamina A não tenha sido identificada até ao século 20, as observações escritas das situações criadas pela deficiência deste nutriente apareceram muito mais cedo na história.
Indicações
Para o tratamento da deficiência em vitamina A.
Classificação CFT
11.03.01.01     Vitaminas lipossolúveis n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Visão: Vitamina A (retinol todo-trans) é convertido na retina em 11 - cis - isómero de retinaldeído ou 11 - cis-retinal.

O 11 - cis - retinal tem por função na retina a transdução de luz em sinais neurais necessários para a visão.

O 11 - cis-retinal, enquanto ligado a opsina em rodopsina é todo isomerizado para trans -retinal pela luz. Este provoca o impulso nervoso para o cérebro o que permite a percepção da luz. Todo o trans -retinal é então libertado de opsina e reduzido a trans - retinol.

Todo o trans - retinol é isomerizado para 11 - cis - retinol no escuro, e depois oxidado para 11 - cis-retinal. O 11-cis -retinal recombina com opsina para reformular a rodopsina.

A cegueira noturna ou visão deficiente com baixa iluminação, resulta de uma falha de re- sintetizar o retinal 11-cis rapidamente.

Diferenciação epitelial: O papel da vitamina A na diferenciação epitelial, assim como em outros processos fisiológicos, envolve a ligação de vitamina A para duas famílias de recetores de retinóides nucleares (recetores de ácido retinóico, RARs, e recetores de retinóide X, RXRs).

Estes recetores funcionam como fatores de transcrição activados por ligantes que modulam a transcrição do gene.

Quando não há suficiente vitamina A para ligar estes recetores, a diferenciação celular natural e o crescimento são interrompidos.
Posologia Orientativa
A dose de Vitamina A será diferente para diferentes pacientes. Siga as ordens do Médico ou as instruções do prospeto informativo.

As informações a seguir incluem apenas as doses médias de Vitamina A. Se a sua dose do utente é diferente, não a alterar a não ser que o Médico lhe diga para o fazer.

A quantidade de medicamento que toma depende da sua potência.
Além disso, o número de doses, o intervalo entre elas, e a duração do tratamento dependem do problema Médico para o qual está a ser usado o medicamento.

Por forma de apresentação dosagem oral (comprimidos, cápsulas, solução oral):
Para prevenir a deficiência, o total tomado por via oral é baseado em doses recomendadas diárias normais:

Para os EUA
Adultos e adolescentes do sexo masculino - 1000 equivalentes de Retinol (ER) (3330 unidades de Retinol ou 5000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Adultos e adolescentes do sexo feminino - 800 ER (2665 Unidades de Retinol ou 4000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

As mulheres grávidas - 800 ER (2665 Unidades de Retinol ou 4000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Mulheres a amamentar - 1200-1300 RE (4000-4330 Unidades de Retinol ou 6000-6500 Unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças de 7 a 10 anos de idade - 700 ER (2330 Unidades de Retinol ou 3500 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças de 4 a 6 anos de idade - 500 ER (1665 Unidades de Retinol ou 2500 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças desde o nascimento até 3 anos de idade - 375-400 ER (1250-1330 Unidades de Retinol ou 1875-2000 Unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Para o Canadá
Adultos e adolescentes do sexo masculino - 1000 RE (3330 Unidades de Retinol ou 5000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Adultos e adolescentes do sexo feminino - 800 ER (2665 Unidades de Retinol ou 4000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

As mulheres grávidas - 900 ER (2665-3000 Unidades de Retinol ou 4000-4500 Unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Mulheres a amamentar - 1200 RE (4000 Unidades de Retinol ou 6000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças de 7 a 10 anos de idade - 700-800 ER (2330-2665 Unidades de Retinol ou 3500 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças de 4 a 6 anos de idade-500 RE (1665 Unidades de Retinol ou 2500 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Crianças desde o nascimento até 3 anos de idade - 400 ER (1330 unidades ou 2000 unidades como uma combinação de Retinol e beta-caroteno) por dia.

Para tratar a deficiência:
Adultos e adolescentes - dose de tratamento é determinado pelo Médico para cada indivíduo com base na gravidade da deficiência.
A dose seguinte foi determinada para xeroftalmia (doença ocular): oral, 7500 a 15.000 RE (25.000 a 50.000 unidades por dia.

Crianças - A dose é estabelecida pelo Médico para cada indivíduo com base de gravidade da deficiência.
As doses seguintes foram determinados:

Para sarampo - Crianças de 6 meses a 1 ano de idade: Oral, 30.000 RE (100.000 unidades) em dose única.

Para crianças de 1 ano de idade e mais velhas: Oral, 60.000 RE (200.000 unidades) em dose única.

Xeroftalmia (doença dos olhos) - Crianças de 6 meses a 1 ano de idade: Oral, 30.000 RE (100.000 unidades), em dose única, a mesma dose se repete no dia seguinte e novamente após 4 semanas.

Crianças de 1 ano de idade e mais velhos: oral, RE 60.000 (200.000 unidades) como uma única dose, a mesma dose deve ser repetida no dia seguinte e novamente às 4 semanas.

Nota: A Vitamina A é usada em sarampo e xeroftalmia somente quando a deficiência de Vitamina A é um problema, conforme determinado pelo seu profissional de saúde.
A deficiência de Vitamina A ocorre na desnutrição ou em certos estados de doença.

Para os indivíduos que tomam a forma líquida oral de Vitamina A:
Esta preparação é para ser tomada por via oral, mesmo que venha em frasco conta-gotas.

Este suplemento dietético pode ser administrado diretamente na boca ou misturado com cereais, sumos de fruta, ou outro alimento.

Para formas de dosagem tópicas (creme, gel ou solução):
Para a acne:
Adultos e adolescentes - Aplicar à área afetada (s) da pele uma vez por dia, ao deitar.

Pela forma farmacêutica creme:

Para rugas finas, manchas escuras ou pele áspera causados ​​pelo sol:
Adultos até 50 anos de idade - Aplicar à área afetada da pele uma vez por dia, ao deitar.

Adultos com 50 anos de idade e mais velhos - uso e dose devem ser determinados pelo Médico.
Administração
As vias de administração são a VO e a IM. A administração com alimentos gordurosos aumenta a sua absorção.
Contraindicações
Administração IV.
– Preparação de alta dose oral de vitamina A: síndromes de má absorção.
– Hipervitaminose A.
– Sensibilidade conhecida a vitamina A ou a qualquer outro componente das formulações.
– Dosagens superiores a RDA contra-indicada em mulheres que estão ou podem engravidar.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obter ajuda médica de emergência se ocorrerem algum dos seguintes sinais de reação alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Efeitos secundários menos graves são mais prováveis ​​de ocorrer.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários e outros podem ocorrer.

Consultar o médico para aconselhamento sobre efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:As doses excessivas são teratogénicas em animais, mas é pouco provável que seja perigoso em doses terapêuticas; o défice materno pode aumentar a probabilidade de transmissão do VIH da mãe para o feto e atraso do crescimento no 1º ano de vida. sem risco fetal; seguro para utilizar na grávida (nocivo para o feto; o risco ultrapassa o benefício e, portanto, está contra-indicado na gravidez, se usado em doses superiores às necessidades diárias - acima de 8.000 UI/dia).
Aleitamento
Aleitamento:Risco teórico de toxicidade se as mães tomam doses elevadas.
Precauções Gerais
A vitamina A é armazenada no corpo e, portanto, quando se toma mais do que o necessário, ele irá acumular-se no organismo. Isso pode levar à intoxicação e até a morte. Os problemas são mais prováveis ​​de ocorrer em:

Adultos que tomam RE 7500 (25.000 unidades) por dia durante 8 meses ou 450.000 RE (1.500.000 unidades) de uma só vez, ou

Crianças que tomam RE 5400 (18.000 unidades) para 15.000 RE (50.000 unidades) por dia durante vários meses consecutivos, ou 22.500 RE (75.000 unidades) para 105.100 RE (350.000 unidades) de uma só vez.

As mulheres grávidas que tomam mais de 1800 RE (6000 unidades) por dia.

Lembre-se que a quantidade total de vitamina A que ingere todos os dias inclui a que está nos alimentos que come e a que toma como suplemento.

Altas doses e / ou o uso prolongado de vitamina A pode causar sangramento da gengiva, boca seca ou ferida, ou secagem, rachadura ou descamação dos lábios.
Cuidados com a Dieta
Alguns medicamentos não devem ser usados durante o tempo de ingestão de certos alimento, pois podem ocorrer interações.

O uso de álcool ou tabaco com certos medicamentos também pode provocar interações.

Rever com o Médico o uso de determinado medicamento com os alimentos, álcool ou tabaco.

A Vitamina A existe em vários alimentos, incluindo frutas amarelo-laranja e hortaliças; verde escuro, vegetais folhosos; vitamina fortificada-A leite; fígado, e margarina.

A Vitamina A é distribuída em duas formas diferentes, retinol e beta-caroteno.

O Retinol pode ser encontrado em alimentos de origem animal (carne, leite, ovos).

A forma de Vitamina A encontrada nas plantas é designada beta-caroteno (que é convertido em Vitamina A no organismo).

O processamento dos alimentos pode destruir algumas das vitaminas.

Por exemplo, a congelação pode reduzir a quantidade de Vitamina A nos alimentos.
Terapêutica Interrompida
Tomar a dose assim que se lembrar. Não tomar a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tomar medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, umidade e luz direta. Evite o congelamento.

Manter fora do alcance das crianças.
Não guarde medicamentos desatualizados ou medicamento que já não necessários.

Oral:
Cápsulas e Comprimidos – Recipientes bem fechados e resistentes à luz.

Parenteral:
Injetável: 2 a 8 °C; Proteger do ar e da luz.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Neomicina + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: A Neomicina diminui a absorção e, por vezes, aumenta a excreção de diversos nutrientes, a exemplo de hidratos de carbono (sobretudo lactose, sacarose), gorduras (por lesão da mucosa do intestino delgado, com diarreia e, se for prolongada, com menor absorção de vitaminas lipossolúveis), cálcio, ferro, magnésio, potássio, sódio, azoto, ácido fólico e vitaminas A, B6, B12, D, E e K. A Neomicina destrói parte da flora bacteriana normal, levando a diarreia, micoses oportunistas, inclusive vaginais. A suplementação com flora bacteriana normal (Lactobacillus acidophilus, Bifidobacterium bifidus, Bifidobacterium longum, e Lactobacillus casei, Saccharomyces boulardi, Saccharomyces cerevesiae), na dose de um bilião de organismos por dia, bem como a vitamina K são aconselhadas.

Alitretinoína + Retinol (ou vitamina A)

Observações: A alitretinoína é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4).
Interações: Os doentes não devem tomar vitamina A nem outros retinóides concomitantemente devido ao risco de hipervitaminose A. Foram notificados casos de hipertensão intracraniana benigna (pseudotumor do cérebro) com o uso concomitante de retinóides e tetraciclinas.

Acitretina + Retinol (ou vitamina A)

Observações: O tratamento sistémico com retinóides pode causar um aumento da pressão intracraniana.
Interações: Os doentes são aconselhados a não tomarem concomitantemente vitamina A e outros retinóides devido à possibilidade de ocorrer hipervitaminose A.

Orlistato + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: Vitaminas lipossolúveis: O tratamento com orlistato pode diminuir a absorção das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K). Nos ensaios clínicos, a grande maioria dos doentes em tratamento com orlistato até 4 anos completos apresentou níveis de vitaminas A, D, E e K e de betacaroteno que se mantiveram dentro dos limites normais. De forma a assegurar uma nutrição adequada, os doentes em dieta de controlo de peso devem ser aconselhados a terem uma dieta rica em fruta e vegetais e devem considerar tomar um suplemento multivitamínico. Se for recomendado a toma de um suplemento vitamínico, deverá ser administrado pelo menos duas horas após a administração de orlistato ou ao deitar.

Fluconazol + Retinol (ou vitamina A)

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interações: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Vitamina A: Com base na notificação de um caso de um doente a fazer terapêutica combinada com ácido all-trans retinóico (uma forma ácida da vitamina A) e fluconazol, desenvolveram- se efeitos adversos relacionados com o SNC na forma de pseudotumor cerebral, que desapareceu após a descontinuação do tratamento com fluconazol. Esta combinação pode ser utilizada mas deve-se ter atenção à incidência de efeitos indesejáveis relacionados com o SNC.

Retinol (ou vitamina A) + Colestipol

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de colestiramina, colestipol e neomicina pode interferir com a absorção de vitamina A, pelo que não se encontra recomendada.

Retinol (ou vitamina A) + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de colestiramina, colestipol e neomicina pode interferir com a absorção de vitamina A, pelo que não se encontra recomendada.

Retinol (ou vitamina A) + Neomicina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de colestiramina, colestipol e neomicina pode interferir com a absorção de vitamina A, pelo que não se encontra recomendada.

Retinol (ou vitamina A) + Retinóides

Observações: N.D.
Interações: Dada a possibilidade de reacções adversas aditivas, em indivíduos medicados com retinóides (isotretinoína, etretinato) deve ser evitada a administração de vitamina A.

Retinol (ou vitamina A) + Isotretinoína

Observações: N.D.
Interações: Dada a possibilidade de reacções adversas aditivas, em indivíduos medicados com retinóides (isotretinoína, etretinato) deve ser evitada a administração de vitamina A.

Retinol (ou vitamina A) + Etretinato

Observações: N.D.
Interações: Dada a possibilidade de reacções adversas aditivas, em indivíduos medicados com retinóides (isotretinoína, etretinato) deve ser evitada a administração de vitamina A.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Retinol (ou vitamina A) + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Doses elevadas de vitamina A podem aumentar o efeito hipoprotrombinémico da varfarina.
 Potencialmente Grave

Isotretinoína + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: Os doentes não devem tomar vitamina A concomitantemente devido ao risco de desenvolvimento de hipervitaminose A.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lactulose + Parafina líquida + Vaselina branca + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: A utilização prolongada pode diminuir a absorção das vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) devido à parafina.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: Vitamina A: Tal como acontece com outros retinóides, a tretinoína não deve ser administrada em associação com a vitamina A, uma vez que os sintomas de hipervitaminose A podem ser agravados.

Tocofersolano + Retinol (ou vitamina A)

Observações: Não foram realizados estudos de interação.
Interações: Devido à inibição do transportador P - Glicoproteína, o tocofersolano pode também reforçar a absorção intestinal de outras vitaminas lipossolúveis concomitantes (A, D, E, K) ou de outros medicamentos altamente lipofílicos (como esteróides, antibióticos, antihistamínicos, a ciclosporina, o tacrolimus). Por conseguinte, há que efetuar a devida monitorização e, quando necessário, ajustar a dose.

Colessevelam + Retinol (ou vitamina A)

Observações: O Colessevelam pode afetar a biodisponibilidade de outros medicamentos. Por conseguinte, quando não é possível excluir a ocorrência de uma interação medicamentosa com um medicamento administrado concomitantemente para o qual seriam clinicam ente importantes pequenas variações no nível terapêutico, Colessevelam deve ser administrado pelo menos quatro horas antes ou pelo menos quatro horas após a administração da medicação concomitante para minimizar o risco de redução da absorção dessa medicação. Para medicamentos concomitantes que exijam administração através de doses divididas, deve referir-se que a dose necessária de Colessevelam pode ser tomada uma vez por dia. Quando são administrados medicamentos nos quais as alterações nos níveis sanguíneos podem ter um impacto clinicamente significativo na segurança ou na eficácia, os médicos devem considerar a monitorização dos respetivos níveis séricos ou dos efeitos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O Colessevelam não induziu qualquer redução clinicamente significativa na absorção das vitaminas A, D, E ou K durante os estudos clínicos até um ano.
Aconselhar as mulheres em idade fértil para limitar o consumo de fontes alimentares (por exemplo, o fígado) que contenham altas concentrações de Vitamina A para evitar possíveis efeitos teratogénicos.

Informar esses Pacientes de que deverão consumir alimentos fortificados que contenham Vitamina A na forma de beta-caroteno (por exemplo, frutas e legumes ) ao invés de pré Vitamina A.

Manter fora do alcance das crianças.

Importância dos hábitos alimentares adequados, inclusive tomando AI apropriado ou RDA de Vitamina A.

Importância de informar o médico de terapia concomitante existente ou prevista, incluindo prescrição e medicamentos isentos de prescrição, bem como todas as doenças concomitantes.

Importância das mulheres informarem os clínicos se estão ou se planeiam engravidar ou amamentar.

Aconselhar as mulheres lactantes de que as suas necessidades de Vitamina A aumentam a concentração da Vitamina no leite.

Importância de informar os pacientes sobre outras precauções importantes.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017