A ALIMENTAÇÃO DO SEU ANIMAL É SAUDÁVEL?

100


A ALIMENTAÇÃO DO SEU ANIMAL É SAUDÁVEL?

  Tupam Editores

Uma boa alimentação é fator fundamental para a sobrevivência de todos os seres vivos, e no caso dos animais de companhia não é diferente. Providenciar os nutrientes adequados a cada etapa da vida do animal é fundamental para manter a sua saúde, prevenir doenças e aumentar a esperança e qualidade de vida.

Mas quando se fala em animais de companhia e em “boa alimentação” verifica-se que ainda há tutores com dúvidas.

Comida de gente

Nas zonas rurais, sobretudo, ainda está muito arreigado o hábito de dar aos animais restos de refeições. Para alguns tutores a alimentação dos animais deve ser como a nossa: variada, incluindo todos os grupos alimentares, com sabor (temperada), já para não falar nas premissas enraizadas na nossa mente de que os cães roem ossos e os gatos comem espinhas, e contrariar isso é contrariar a sua natureza.

Convém frisar também que alimentar bem um animal não é alimentar demais, até que este deixe sobras.

A alimentação influencia consideravelmente a saúde, procriação e crescimento de todos os animais, razão pela qual é importante adotar alguns cuidados nutricionais pois tanto as carências como os excessos são nocivos.

Eles também são o que comem

As carências e os excessos alimentares influenciam vários aspetos fisiológicos nos animais, por exemplo, a magreza extrema de origem alimentar deprime o sistema imunitário, e a obesidade provoca um estado pró-inflamatório e predispõe para patologias metabólicas particularmente preocupantes.

Alguns problemas nutricionais decorrentes de desequilíbrios alimentares são a hipoptoteinemia, que ocorre devido a falta de proteínas na dieta. Como consequência dá-se uma perda da massa muscular, e muitas vezes ascite, conhecida por barriga d’água.

O hiperparatiroidismo nutricional secundário é uma desordem óssea que ocorre devido ao desequilíbrio mineral induzido por uma alimentação composta exclusivamente por carne ou tecidos ósseos deficientes em cálcio. Ocorre com maior frequência em filhotes, e causa descalcificação, resultando em ossos fracos.

Os filhotes são igualmente os mais atingidos pela hipervitaminose A, como resultado da administração de grande quantidade de óleo de fígado de bacalhau ou de outros suplementos ricos em vitamina A.

Isto dará origem a uma irregular remodelação óssea, ossos fracos, dor articular, perda do apetite e gengivite.

A vitamina D é necessária para o equilíbrio do cálcio no organismo, mas uma hipervitaminose D, a ingestão desta vitamina em excesso, causa calcificação dos tecidos moles, levando a problemas renais, rigidez dos membros e fraqueza muscular.

Já a deficiência em vitamina D dá origem ao raquitismo, que causa um distúrbio na ossificação do esqueleto, ocorrendo alargamento das extremidades dos ossos longos.

Os filhotes alimentados com uma dieta excessivamente rica em cálcio acabam por sofrer de hipercalcitonismo secundário de origem alimentar. Há um retardo na remodelagem óssea, causando anormalidades nos ossos dos braços e pernas, o que resulta em dificuldade para caminhar.

Os gatos alimentados exclusivamente com peixe cru ou dietas comerciais preparadas, inadequadamente processadas e, ocasionalmente, os cães alimentados unicamente com uma dieta de carne cozida acabam por sofrer uma deficiência de tiamina (vitamina B1).

Como consequência, o gato não se consegue alimentar, tem vómitos, fraqueza muscular progressiva e distúrbios neurológicos.

Gato obeso no sofã

A deficiência em taurina ocorre em gatos adultos que se alimentaram exclusivamente de rações caninas ou em filhotes que receberam quantidades inadequadas de taurina na dieta. A taurina é um aminoácido essencial para os gatos, mas não para os cães. A ingestão inadequada de taurina causa cegueira, diminui a eficiência reprodutiva, crescimento lento e anormalidades neurológicas.

De todas as patologias decorrentes dos desequilíbrios alimentares, a que assume maior importância atualmente é a obesidade. A causa reside principalmente na sobrealimentação e sedentarismo a que hoje sujeitamos os animais de companhia, no entanto, de forma indireta, resulta também do estilo de vida e da envolvência emocional do tutor.

A obesidade aumenta o risco de aparecimento de problemas crónicos como hiperinsulinémia, intolerância à glucose ou diabetes e contribui para as doenças cardiovasculares e pulmonares. Além disso, o excesso de peso dificulta a locomoção e pode originar artrites e osteocondrites.

Nos gatos a obesidade pode induzir o aparecimento da diabetes mellitus e de problemas de pele não alérgicos.

Gato a comer

Como se não fosse já bastante, uma sobrealimentação durante o período de crescimento está associada a alterações esqueléticas nos cães como a displasia da anca, osteocondroses ou osteodistrofia hipertrófica.

Coincidindo com esta fase, o excesso de cálcio pode provocar o aparecimento de osteocondroses, articulações alargadas e deformações angulares da garupa, para além de uma quantidade elevada de magnésio associada à urolitíase.

As doenças confinadas a áreas geográficas ou a comunidades especiais também são de referir. É o caso da pansteatite nos gatos (a doença da gordura amarela), frequente nos animais de comunidades piscatórias, com acesso a grande quantidade de peixe fresco e principalmente às suas vísceras.

Os problemas de pele estão geralmente associados ao desequilíbrio de nutrientes como a proteína ou ácidos aminados essenciais, vitamina A e E, ácidos gordos essenciais e zinco, embora as alergias ou hipersensibilidade aos alimentos também possam provocar problemas graves.

São muitas as doenças com origem numa nutrição qualitativa e quantitativamente deficiente ou desequilibrada. Por ser um problema frequente, têm surgido produtos alimentares com o objetivo de o corrigir. Uma boa nutrição assume, assim, um caráter essencialmente preventivo que se traduz numa melhor qualidade de vida.

Necessidades diferentes em fases diferentes

Os nutrientes que os animais de companhia necessitam são os mesmos durante toda a sua vida variando, contudo, as suas quantidades e a relação entre eles, devendo adaptar-se a dieta às necessidades de cada fase.

A fase de crescimento é muito exigente pois a síntese de tecido ósseo e muscular é muito intensa. Casos de subnutrição durante este período podem comprometer irreversivelmente o desenvolvimento do animal, sendo mais graves a deficiência em certos nutrientes como ácidos aminados essenciais, cálcio ou fósforo.

Gatinho com prato

As dietas de crescimento caracterizam-se por possuírem uma elevada concentração energética e teores muito elevados de proteína, que deve ser de boa qualidade e alta digestibilidade. A relação cálcio/fósforo também deve ser equilibrada.

Já no estado adulto, os cães e os gatos devem ser alimentados para a manutenção do peso e da saúde, evitando-se a ingestão excessiva de energia. O alimento deve conter alguma fibra, para dar uma sensação de saciedade, um valor reduzido de gorduras e elevado de proteína. O seu valor em cálcio e fósforo deverá ser mais baixo que nas dietas de crescimento.

A ingestão de alimento deve ser regulada em função da atividade do animal. Aconselham-se nesta altura a utilização de substâncias antioxidantes para retardar o efeito do envelhecimento.

Outra fase em que se impõe um aporte alimentar suplementar é durante a gestação, de maneira a prover as necessidades dos fetos no decurso do seu desenvolvimento e para a produção de leite durante o período de aleitamento.

A importância da nutrição não se resume a um coadjuvante na manutenção da saúde do animal, assume igualmente relevância na prevenção e recuperação de algumas patologias.

Em constante inovação

Os avanços na nutrição dos animais de companhia têm acompanhado os verificados na nutrição humana, tendo este tipo de alimentação passado por uma evolução visível nas últimas décadas.

Atualmente o mercado oferece uma gama bastante variada de alimentos para animais de companhia (diferentes formas, cores, sabores e marcas), e até tendências diferentes da indústria.

O século XXI é considerado o século da Nutrição e da Saúde – uma era impulsionada pela investigação científica. Graças à constante investigação em nutrição animal, ao longo dos anos tem surgido uma crescente e variada gama de rações “medicadas” e “preventivas” o que torna possível usar a alimentação como parte integrante do tratamento ou na prevenção de muitas patologias comuns nos animais de companhia.

No âmbito da prevenção destacam-se as rações adequadas às diferentes raças, que permitem prevenir as patologias mais comuns – obesidade nos Retrievers, problemas de pelo e estomatites nos Persas – e outras patologias específicas como sejam os problemas do trato urinário felino, as alergias alimentares, patologia do trato intestinal, entre outras.

Em consequência da maior sensibilização dos donos para os cuidados a ter com os animais de companhia e incremento do diagnóstico clínico, a procura deste tipo de produtos tem aumentado.

Alimentação de animais

Para além da redução do risco de patologias recorre-se ao alimento também como promotor do bem-estar físico e mental – o chamado alimento funcional –, o alimento comum que quando consumido como parte da dieta produz benefícios para a saúde.

Na composição deste tipo de alimentos encontram-se princípios ativos classificados em grupos como: probióticos, prebióticos, simbióticos, vitaminas, compostos fenólicos, ácidos gordos polinsaturados e fibras.

Em desenvolvimento há alguns anos está um novo ramo da ciência – a nutrigenómica – cujo objetivo se traduz em estudar o impacto dos nutrientes na produção e ação de proteínas codificadas por genes específicos e nas consequências dessas proteínas na resposta aos nutrientes.

Esta ciência torna possível a promoção da saúde tendo em conta a predisposição genética do animal. Até porque cada animal é único, cada um tem o seu feitio especial, gostos, desagrados e necessidades.

É precisamente a pensar na qualidade de vida, e em criar alimentos de qualidade que atendam às necessidades nutricionais dos animais de companhia que têm surgido no mercado cada vez mais produtos diferenciados, com o apelo de “naturais”.

A designação “natural” abrange os alimentos isentos de produtos químicos e sem conservantes artificiais. Uma dieta natural é comummente referida como dieta BARF, acróstico de “bone and raw food”, ou “biological appropriated raw food” (ossos e alimentos crus), composta por alimentos de origem animal crus, juntamente com vegetais.

Dona prepara alimentos naturais

De acordo com os especialistas, uma dieta natural crua corretamente formulada é a mais completa e equilibrada possível, pois apresenta níveis apropriados de sódio e potássio; equilíbrio em cálcio e fósforo; enzimas e probióticos; antioxidantes biologicamente apropriados e outros nutrientes protetores; ausência de substâncias químicas artificiais, como corantes, condimentos ou conservantes; baixos níveis de hidratos de carbono, baixos níveis de cloretos e grãos; e não sujeitos a processamento por calor, método responsável por perdas de nutrientes como vitaminas e desnaturação proteica.

Para os consumidores, a segurança alimentar, e os benefícios ambientais e de saúde, são os principais fatores que levam à aquisição deste tipo de produtos.

Uma forma de demonstrar amor ao seu animal de companhia é apostar numa alimentação equilibrada, zelando pela sua saúde, bem-estar e longevidade. Ele vai agradecer-lhe!

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
08 de Novembro de 2018

Referências Externas:

Relacionados

REABILITAÇÃO ANIMAL

Em Portugal, o interesse pela reabilitação e pela fisioterapia – as áreas da medicina veterinária que permitem resolver as desordens de movimento – tem vindo a expandir-se, principalmente na classe do...

O ANIMAL SÉNIOR

Deu-lhe muitos anos de alegria, porém, já não é aquele filhote ativo e cheio de energia que era! Já não vê tão bem, já não corre depressa, cansa-se com facilidade, e está mais mal humorado. A velhice...

Destaques

0 Comentários