GRAND DANOIS

100


GRAND DANOIS

  Tupam Editores

Na natureza certamente que o cão não precisa de um homem, mas um homem precisa muito de um cão. A relação existente entre cães e humanos, durante muito tempo, teve por base suprir determinadas necessidades. Mas, contrariamente a outros animais, o amor e o respeito entre humanos e cães elevaram este a um patamar de companheiro inseparável.

Um dos cães que mais se destaca neste sentido é o Grand Danois, também conhecido por Dogue Alemão – um cão muito carinhoso e atencioso com as pessoas da família, especialmente crianças.

É conhecido pelo seu porte gigante, sendo considerado pelo Guiness Book a raça de cão mais alta do mundo. Tal como uma escultura nobre, concilia imponência e elegância, força e agilidade, chegando a ser considerado o "Apolo" entre as raças caninas.

Mas lembra-se do Scooby-Doo, o medroso e assustadiço herói da série de desenhos animados do estúdio Hanna-Barbera? Pois ele será um dos mais célebres exemplares desta raça, muito embora a coragem desta mereça um outro retrato. Até porque o seu designer, Iwao Takamoto, assumiu que ao criar o personagem resolveu desenhá-lo de forma oposta, com pernas tortas, queixo proeminente e uma cor não aceite pelo padrão.

Importa, então, conhecer verdadeiramente mais um pouco deste que é um dos cães mais admirados por criadores em todo o mundo.

À nobreza da estirpe está associada uma notável história. Antigo na sua linhagem, o Grand Danois possui uma origem bastante controversa. A hipótese mais aceite é de que o seu ancestral remoto, já extinto, chamado de molosso assírio, foi cruzado pelos romanos com cães de menor porte.

Alguns autores consideram que tem sangue de Woofhound Irlandês e Mastim Inglês, e outros reconhecem nele a influência do Mastim do Tibete, o que lhe confere origem asiática.

É, porém, na Alemanha que esta estirpe é selecionada e adquire popularidade na caça. Ela demonstra possuir a força e resistência física necessárias para enfrentar a caça grossa, nomeadamente javalis selvagens, durante o séc. XVI. Por esta altura estes cães eram conhecidos como "Boar Hounds", embora também tenham desempenhado o seu papel nas lutas de touros e como cão de guarda.

Por volta do séc. XVII, a raça tornou-se popular entre as classes aristocráticas alemãs recebendo destas a proteção e o estímulo para o seu desenvolvimento. Tratados como verdadeiros animais de estimação, receberam o epíteto de "Kammerhunde" ou "Chamber Dogs", e eram treinados para guardar a realeza dormindo aos pés do seu leito.

Durante o séc. XVII e XVIII, a sua criação adotou um considerável ritmo e foi submetida a uma cuidadosa seleção.

Otto von Bismarck

O estadista alemão Otto von Bismarck é tido como um dos grandes impulsionadores do Grand Danois apresentado, pela primeira vez em 1863 numa exposição em Hamburgo, de onde saíram os primeiros padrões da raça, mas não sem controvérsia, pois havia quem defendesse o perfil dos cães de caça grossa, e quem preferisse um cão mais elegante.

Cruzou-se um Mastim do sul da Alemanha com um Grand Danois do norte, de forma a obter um exemplar semelhante ao que conhecemos hoje. Foram exibidos separadamente na altura, sob a designação "Ulmer Dogge" e "Dannisch Dogge". Em 1876, esta duas designações desaparecem, dando origem a um único título: o Deutsche Dogge.

O Deutsche Doggen Klub que publicou o primeiro standard da raça foi fundado em 1888, apesar do seu homólogo na Grã-Bretanha já existir desde 1882. Sete anos mais tarde, surge nos EUA o German Mastiff or Great Dane Club of America.

Em Portugal, existe o Dogue Alemão Clube de Portugal reconhecido pela Federação Cinológica Internacional, pelo Clube Português de Canicultura e membro da European Deutch Dogen Club, e a raça dá pequenos mas sólidos passos tendo, nos últimos dez anos, suscitado maior interesse e procura.

Características físicas da raça e temperamento

A raça destaca-se pelo seu tamanho. O "Apolo dos Cães" possui de altura mínima, com mais de 18 meses, 76 cm nos machos, e 71 cm nas fêmeas. O peso nesta idade ronda os 54 Kg nos machos e os 46 Kg nas fêmea. Não é raro, contudo, encontraram-se exemplares que ultrapassam os 90 cm de altura e 70 kg de peso. O padrão não especifica peso ou altura máximos, embora seja desejável cães de maior tamanho, desde que respeitem as proporções exigidas.

A pelagem é curta, densa e lustrosa e as cores permitidas são o preto, castanho, azul, tigrado, branco com manchas pretas (Dogue Alemão Arlequim) e preto com manchas brancas no pescoço, pernas e ponta da cauda.

A cabeça é grande, com um crânio achatado e comprido, focinho largo e chanfro bem marcado. Os olhos são redondos e profundos, de cor quase sempre escura. As orelhas têm raiz alta e dobram pendentes para a frente, mas quando são cortadas, ficam eretas e pontiagudas.

O corpo possui um porte altivo e atlético e é dotado de linhas harmoniosas, e o pescoço é comprido e forte, terminando num peito largo e robusto. Possui pernas altas, sendo as anteriores verticais e o quarto traseiro muito musculoso. A cauda é de raiz baixa e comprimento médio, atingindo os jarretes.

Grand Danois preto

A nobreza do seu aspeto físico encontra eco no seu caráter amigável. Também aqui, são generosas as doses de amor, afeto e carinho que dispensa aos donos, sendo particularmente ternurento e cuidadoso com crianças.

Tudo muda perante estranhos, junto dos quais se mostra bem mais reservado mas, se confrontado com situações de perigo, é corajoso e temerário. Razão pela qual é um bom cão de guarda, muito embora apenas o seu tamanho sirva como elemento dissuasor.

De temperamento estável, são, normalmente, cães tranquilos, amistosos e inteligentes, que convivem bem com outros cães de igual ou diferente porte. É um animal muito brincalhão e alegre que por vezes se "esquece" da sua força. Poderá tirar-se melhor partido de todos os seus atributos se for treinado desde cedo, ensinando-lhe que lugar ocupa na matilha e na família.

Devido ao seu tamanho, pode aspirar à liderança. Não deixar que isso aconteça.

Também não deve ser tratado como uma pessoa. Algumas atitudes que se tomam de forma inconsciente podem baralhar o animal. Ele considera que a família é uma matilha e comporta-se em conformidade com aquela que julga ser a sua posição no grupo.

Deve sempre mostrar-lhe que é quem manda e não dar informações conflituosas. Comece por nunca se colocar em situação de submissão, ainda que inconsciente, como seja colocar-se abaixo da altura do cão (sentado ou deitado no chão), ou deixando que ele o morda, ainda que na brincadeira. Quanto maior é o animal, mais importante é que obedeça às suas ordens.

Comportamento e personalidade do Grand Danois

É definitivamente um raça extremamente meiga, que adora mimos e quer estar sempre onde a sua família está. Por mais estranho que possa parecer, é um cão que adora colo e fará tudo para conseguir caber num, mesmo que possa ser super desconfortável para ele. Há donos que afirmam que estes cães estão mesmo convencidos que são cãezinhos de colo.

Grand Danois ao colo

Imponente, elegante, dócil, carinhoso, autoconfiante, ciumento, dependente do dono e com uma personalidade estável e equilibrada, o Grand Danois é um dos melhores cães de guarda que impõe respeito só com a sua presença. Apesar das suas grandes dimensões é excecional no trato com crianças suportando todos os seus caprichos e protegendo-as.

O único "perigo" são as brincadeiras, que se podem tornar abrutalhadas quando o cão não tem consciência do seu próprio tamanho. Além disso, pode viver perto de outros animais de estimação, e cães de outras raças, quer sejam de pequeno ou grande porte.

Descontraído, equilibrado, razoavelmente obediente e extremamente ágil, é um ótimo companheiro para se ter na família. Cumpre as funções de guarda com elegância e não ataca sem necessidade mas, devido ao seu tamanho, não precisa de muito esforço para impor respeito e defender o que considera o seu território (a casa do dono). Mostram-se esquivos e desconfiados com pessoas estranhas ao círculo familiar, sendo capazes de reagir para defender os seus donos ao menor sinal de ameaça. Com tanta valentia, é até difícil acreditar que se trata da raça do Scooby-Doo, o cão mais cobarde e envergonhado dos clássicos desenhos animados!

Embora se possa habituar a viver num apartamento, pois é um animal relativamente calmo dentro de casa, e que aprecia o seu conforto, necessita de muito espaço para brincar, libertar energias e fazer exercício regularmente (no mínimo entre 30 a 60 minutos de exercício diário). A vida moderna é demasiado sedentária, e o Grand Danois não é um cão para se deixar todo o dia preso e sozinho, e dar uma volta à noite. Aliás nenhum animal o é. E se o quer ver feliz e com saúde é importante não descurar alguns cuidados específicos.

Alimentação, cuidados de higiene e saúde

A dieta alimentar é mais importante para um cão juvenil de porte gigante e que cresce rapidamente como um Grand Danois, do que para a maioria das raças.

A um filhote de Grand Danois deve ser dada uma ração apropriada, desenvolvida para raças de grande porte e não uma ração normal para cães porque é demasiado rica para ele. Não lhe devem ser dados outros alimentos, estando terminantemente proibidos doces, pães, biscoitos, refrigerantes, molhos, alimentos condimentados, batatas, gorduras, fritos, e principalmente ossos. É importante perceber que uma alimentação incorreta pode provocar anormalidades esqueléticas.

A sua ração deve ser de elevada qualidade, que contenha todos os elementos necessários para um desenvolvimento saudável, sendo que a quantidade varia muito com a idade e sexo. Genericamente, as quantidades diárias recomendadas são:

Dos 3 aos 6 meses: Fêmeas – 3 a 6 copos de ração e machos – 4 a 8 copos;

Dos 8 meses a 1 ano: Fêmeas – 5 a 8 copos de ração e machos – 6 a 10 copos;

Adolescentes: Fêmeas – 8 copos de ração e machos – 9 a 15 copos;

Adultos: Fêmeas – 6 a 8 copos de ração e machos – 8 a 10 copos.

Até à idade de 4 a 5 meses, os cachorros devem fazer três refeições diárias. Depois disso, passar a duas refeições por dia para o resto das suas vidas. Estes cães nunca devem fazer apenas uma refeição por dia. O dono deve ter em mente que precisará de disponibilidade para que a higiene do seu amigo de quatro patas seja feita de maneira correta.

Para manter o pelo curto e bonito, deve ser limpo com uma escova de cerdas firmes uma vez por semana, para que sejam removidos pêlos e células mortas. As unhas, que costumam crescer muito nos animais que vivem em casa, devem ser cortadas para que não aleijem o animal e este não magoe ninguém. Atenção que esta operação só deverá ser feita por veterinários ou pessoas capacitadas. As patas também devem ser observadas, no clima seco e frio, pois podem apresentar ressecamento e rachadelas.

Grand Danois no banho

Quanto ao banho – uma tarefa que nem sempre é fácil por se tratar de um gigante brincalhão –, deverá ser mensal e ser utilizados produtos apropriados para cães. É precisamente devido ao seu porte gigante que esta raça tem uma expectativa de vida relativamente curta, cerca de 6 a 8 anos, embora em casos raros alcancem os 14 anos de idade.

Os cães da raça Grand Danois são geralmente saudáveis mas, como todas as raças, estão propensos a certas condições de saúde. As causas de morte mais comuns nestes animais são a Síndrome de Dilatação vólvulo-gástrica, também conhecida como torção gástrica, cardiopatias e cancro (sendo os mais comuns o osteosarcoma, linfomas e tumores mamários).

Estes animais também são bastante propensos a apesentarem displasia coxofemoral – uma doença forte de caráter genético que causa dores fortes e dificuldades de locomoção. A osteodistrofia hipertrófica também é comum, e a juntar às dificuldades de locomoção, existe inchaço das articulações, febre alta e perda de apetite. A descamação da pele, que pode estar muito oleosa ou muito ressequida, deve chamar a atenção para uma possível dermatite seborreica, o tipo mais registado entre o Grand Danois.

É importante que, antes de reproduzir cães desta raça, se façam exames em ambos os progenitores para diminuir as hipóteses de os filhotes virem a desenvolver os mesmos problemas que afetavam os pais. Além do mais, excesso de exercício, uma dieta desequilibrada e um peso exagerado em animais em crescimento podem favorecer o desenvolvimento de doenças. É preciso estar atento!

Até porque se trata de animais com custos elevados de manutenção pelo que é aconselhável ponderar cuidadosamente todos os aspetos antes da sua aquisição – que só deve ser efetuada após solicitação de uma listagem de criadores ao Clube Português de Canicultura.

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
07 de Junho de 2017

Referências Externas:

Relacionados

FURÕES

Dono de uma personalidade incrível, simpático, agitado e curioso – talvez a sua característica mais marcante e a que mais chama a atenção – o furão já está entre os animais de companhia que os portugu...

A PROCESSIONÁRIA

Até pode parecer inofensiva, mas é uma praga devastadora para o pinheiro (manso ou bravo) e toda a floresta, causando graves problemas para a saúde pública, sendo muito perigosa para quem entra em con...

Destaques

0 Comentários