SONO

Duração do sono associada a medidas adversas da taxa de glicose

A ocorrência auto relatada de muito ou de pouco sono está associada a medidas alteradas da glicose entre adultos com pré-diabetes, de acordo com um estudo publicado na revista Diabetes Care.

Duração do sono associada a medidas adversas da taxa de glicose

Cientistas da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, avaliaram o efeito de distúrbios do sono e desalinhamento circadiano em adultos com pré-diabetes. A análise incluiu 962 adultos com sobrepeso/obesos (55 por cento do sexo masculino; idade média de 52,2 anos) com pré-diabetes ou diabetes tipo 2 não tratada recentemente, e que completaram um teste oral de tolerância à glicose de duas horas e validaram questionários de sono.

Os cientistas descobriram que a duração média do sono foi de 6,6 horas. Mais da metade dos participantes relataram má qualidade do sono (54 por cento) e alto risco de apneia obstrutiva do sono (64 por cento).

Entre os que relataram menos de cinco horas ou mais de oito horas de sono por noite, a hemoglobina A1c foi significativamente maior. Houve também uma associação entre a duração do sono de mais de oito horas e maior glicemia de jejum e entre a duração do sono de menos de seis horas e maior índice de massa corporal.

Portanto, nesse estudo, o sono breve e o sono prolongado auto relatados estiveram associados a medidas adversas da glicemia.

Observou-se ainda que um sono de curta duração e o trabalho por turnos estavam associados a um IMC maior.

Fonte: Fonte: Boa Saúde/Bibliomed

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS