FARMACÊUTICO, O AGENTE DA SAÚDE

100


FARMACÊUTICO, O AGENTE DA SAÚDE

  Tupam Editores

O exercício da actividade farmacêutica tem como objectivo essencial a pessoa doente, artigo primeiro, do primeiro capítulo do Código Deontológico dos Farmacêuticos. Este artigo é a base de toda a profissão, demonstrando que a principal responsabilidade do farmacêutico é a saúde e o bem-estar do doente em particular e da população em geral.

A profissão de farmacêutico evoluiu dos antigos boticários, que dominavam o conhecimento das plantas e as misturavam para curar o mais variado tipo de doenças.

O registo histórico da primeira botica data de 754 a.C, em Bagdad, no Iraque.

Em Portugal, o aparecimento das primeiras boticas data do século XII. Porém, antes dos boticários, pensa-se que existiam indivíduos especializados na preparação e comércio de fármacos, conhecidos por especieiros.

No reinado de D. Afonso IV (1338) surge o primeiro documento conhecido, que diz respeito à actividade farmacêutica. Porém, remonta ao reinado de D. Afonso V, a promulgação da Carta dos Boticários – uma carta que lhes concede diversos privilégios em várias áreas – e a regulamentação da separação entre as profissões de médico e de farmacêutico.

Ao longo dos anos, o farmacêutico foi sempre visto como uma ponte entre o doente e o medicamento. Contudo, o seu papel na sociedade foi evoluindo, tornando-se mais interactivo.

Muitas vezes, as pessoas olham para o farmacêutico como alguém que passa o tempo a contar medicamentos e a aviar receitas. Esta visão não é de todo errónea, mas, actualmente, as funções e os deveres de um farmacêutico são muito mais vastos. A sua área de acção está cada vez mais focada para o conhecimento do produto e para o aconselhamento do público. Este facto deve-se, em parte, aos avanços das ciências farmacêuticas, uma vez que os tratamentos são, actualmente, mais complexos do que há 20 anos. Deve-se, igualmente, à mudança das primeiras opções de tratamento: hoje em dia, os medicamentos são a primeira opção de tratamento, enquanto que antigamente, a cirurgia era a primeira opção.

Outra das razões que contribuiu para uma evolução funcional na actividade do farmacêutico foi a abertura de novos espaços para a comercialização de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM), tais como hipermercados e lojas de conveniência, entre outras. Nestes espaços, a presença de um farmacêutico ou técnico de farmácia, além de obrigatória, é essencial para esclarecer o público, certificando-se de que o doente sabe como utilizar o fármaco e aconselhando-o a consultar o seu médico em caso de agravamento ou de incerteza sintomática.

A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) ao aperceber-se desta evolução e da crescente e benéfica importância do farmacêutico para a sociedade organizou várias reuniões, subordinadas ao papel do farmacêutico.

Uma das mais importantes teve lugar em Vancouver (1997), na qual a OMS se debruçou sobre a preparação do fututro e do desenvolvimento curricular do farmacêutico, estabelecendo objectivos e valências formativas para o seu futuro. Desta reunião saiu o denominado farmacêutico sete estrelas, um guia para que os farmacêuticos se tornem cada vez mais aptos a ir de encontro às novas necessidades da profissão, uma vez que cada estrela corresponde a uma competência específica que o futuro farmacêutico deverá desenvolver: são elas a prestação de cuidados, capacidade de decisão, comunicação, liderança, gestão, formação contínua e função de formador.

Em primeiro lugar, o farmacêutico presta cuidados da mais variada natureza – clínica, analítica, tecnológica ou regulatória –, por isso o seu desempenho deve ser de elevada qualidade. A necessidade do desenvolvimento das suas capacidades de decisão, comunicação, liderança deve-se à sua interacção com o público e com as outros profissionais de saúde.

Farmacêutico, o Agente da Saúde

A interacção com o público atinge o seu auge no que diz respeito aos MNSRM e nos pequenos povoados. Em lugares onde os médicos são escassos ou inexistentes, o farmacêutico é o primeiro a ser consultado, pois oferece a informação necessária para que os doentes usufruam dos fármacos de um modo racional, evitando o seu uso indevido.

De notar que mesmo nas grande cidades, os habitantes, sobretudo os cidadãos séniores, conhecem o farmacêutico da área onde aviam as suas receitas, mantendo com ele, habitualmente, uma relacção próxima e questionando-o frequentemente sobre os seus problemas de saúde.

A frase "consulte o seu médico ou farmacêutico" é, também, cada vez mais comum nos anúncios a MNSRM.

O farmacêutico deve, igualmente, desenvolver uma boa capacidade de gestão, pois terá de gerir de uma forma eficaz, quer os meios, quer a informação disponível. "É importante notar que, cada vez mais, a informação associada à tecnologia assume um desafio crescente na responsabilidade de partilha de informação (com o paciente e com o prescritor) nas áreas do medicamento e produtos relacionados."

Com a constante evolução do mercado farmacêutico, este deverá estar sempre actualizado para poder esclarecer eficazmente o público. Por outro lado, deve participar activamente na formação de futuros farmacêuticos.

No contexto do actual sistema de saúde é igualmente importante reflectir sobre o papel do farmacêutico hospitalar. Este foi um dos temas abordados no V Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares, em 2006. Nesta área, é necessário ter em conta não apenas a evolução e complexidade terapêutica, mas também os novos modelos de gestão hospitalar e o desenvolvimento dos conceitos subjacentes ao sistema de saúde.

O farmacêutico hospitalar surge, assim, como elemento-chave no circuito do medicamento e da sua correcta utilização. Pretende-se que o farmacêutico seja a peça basilar do sistema, uma vez que tem acesso ao fármaco desde a sua aquisição até à sua dispensa ao doente. Para assegurar a excelência do trabalho do farmacêutico é necessário, porém, criar infra-estruturas que levem "à intervenção correcta do farmacêutico" neste meio.

Com o desenvolvimento e consequente expansão da área farmacêutica, em parte para fazer face à mudança de conjuntura, o farmacêutico, apesar de continuar a ser visto como um perito na aplicação e domínio de substâncias, tem agora um novo papel: orientador e guardião da saúde, promovendo a mesma não apenas a nível dos fármacos, mas também a nível de aconselhamento e de acções de educação, com isenção, assistindo todos sem excepção, dando-lhes a possibilidade de terem direito a um tratamento com qualidade e segurança.

Deste modo, com o ceptro de Asclépio na mão – cuja serpente simboliza o poder/a possibilidade que os farmacêuticos têm de libertar as pessoas das doenças, tal como esta se liberta da sua pele –, o farmacêutico assume-se como um agente de saúde por excelência.

Ver mais:
A NOVA FARMÁCIA
A SITUAÇÃO ECONÓMICA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA UNIÃO EUROPEIA
ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS, PELA SUA SAÚDE, É URGENTE AGIR!
CHECK-UP MÉDICO, A SAÚDE EM DIA
DIA MUNDIAL DA SAÚDE 2006
ENFERMEIROS ... O ELEMENTO CHARNEIRA DO SISTEMA DE SAÚDE
INVISTA NA SUA SAÚDE
JUNTOS PELA SAÚDE, ESTRATÉGIAS DA UE PARA O QUINQUÉNIO 2008 - 2013
O MEIO AMBIENTE E A SAÚDE PÚBLICA
SAÚDE NOS PALOP-TL
UNICEF, 60 ANOS NA SAÚDE E BEM-ESTAR DA CRIANÇA


ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
27 de Abril de 2017

Referências Externas:

Relacionados

CONTAMINAÇÕES HOSPITALARES

O conceito geral de hospital tem a sua origem no vocábulo latino hospes (hóspede ou hospedeiro) do qual resulta hospitalitas (hospitalidade), noção que ao longo do tempo passou a dizer respeito à qual...

MEDICAÇÃO PERSONALIZADA

“A educação dos profissionais de saúde em farmacogenética como parte de seu currículo em farmacologia, e a exposição de seu potencial para a população em geral, serão indispensáveis para o sucesso da...

Destaques

CONHECE O PODER DO SORRISO?

Dias cansativos, trabalho que nunca mais acaba, stress, correrias, casa para arrumar, filhos para acompanhar, contas para pagar, para além daqueles problemas ou situações mais negativas que, por vezes...

BIOTECNOLOGIA: A ALQUIMIA DOS TEMPOS MODERNOS

O toque de alvorada da indústria da biotecnologia soou quando se realizaram as primeiras experiências de splicing genético, isto é, a modificação da informação genética do DNA para o RNA após a transc...
0 Comentários