Enfermeiros... O elemento charneira do sistema de saúde

  Tupam Editores

Outrora, os cuidados de saúde prestados às pessoas enfermas eram realizados por pessoas solidárias, magos e feitiçeiros, que baseavam as suas curas, muitas das vezes, em rezas e crendices. Posteriormente, estes cuidados passaram a ser prestados de forma mais eficaz por freiras e pelos militares. Aquele cunho está ainda presente, em muitos países, na terminologia actual.

No último século assistiu-se a uma evolução do conceito de enfermagem – abrangendo, hoje em dia, outras áreas dentro desta ciência –, evolução essa que percorreu os mais variados contextos, desde o cultural, ao político, passando pelo tecnológico. Porém, durante todo este percurso houve um factor que não sofreu qualquer alteração: o objecto receptor destes cuidados, o indivíduo.

Actualmente, os cuidados de saúde são prestados por enfermeiros com formação a nível científico, tecnológico e humano, regidos por princípios éticos, baseados, em primeira e última instância, no respeito pelo ser humano e pela sua multiculturalidade. Deste modo, no âmbito do exercício da sua profissão, o enfermeiro tem habilitações para intervir sobre as mais variadas situações de saúde e de doença, identificando o seu carácter bio-psico-social.

Deste modo, e segundo as definições mais modernas, o enfermeiro é o profissional que "na área da saúde, tem como objectivo prestar cuidados de enfermagem, ao ser humano são ou doente, ao longo do ciclo vital, e aos grupos sociais em que ele está integrado, de forma que mantenham, melhorem e recuperem a saúde, ajudando-os a atingir a sua máxima capacidade funcional tão rapidamente quanto possível".

Estes actuam em quatro grandes áreas: na prestação de cuidados, na administrativa, na educativa e na investigacional.

A nível da área de prestação de cuidados, a mais conhecida, estes caracterizam-se, entre outros, por "terem por fundamento uma interacção entre enfermeiro e utente, indivíduo, família, grupos e comunidade, estabelecerem uma relação de ajuda com o utente e utilizarem metodologia científica – que inclui a identificação dos problemas de saúde em geral e de enfermagem em especial, a recolha e apreciação de dados sobre cada situação que se apresenta, a formulação do diagnóstico de enfermagem, a elaboração e realização de planos para a prestação de cuidados de enfermagem, a execução correcta e adequada" desses mesmos cuidados, avaliando-os e reformulando-os, sempre que necessário. Os enfermeiros decidem, igualmente, "sobre técnicas e meios a utilizar na prestação de cuidados, potenciando e rentabilizando os recursos existentes, criando a confiança e a participação activa do indivíduo, família, grupos e comunidade", utilizando o seu conhecimento científico para manter e recuperar as funções vitais, nomeadamente, a respiração, alimentação, eliminação, circulação, e comunicação" e "procedem à administração da terapêutica prescrita, detectando os seus efeitos e actuando em conformidade".

A nível administrativo, os enfermeiros "participam na elaboração e concretização de protocolos referentes a normas e critérios para administração de tratamentos e medicamentos," e podem exercer cargos de consultadoria em escritórios de advocacia ou em seguradoras, entre outros.

Já no plano educativo, esta classe procede ao "ensino do utente sobre a administração e utilização de medicamentos ou tratamentos", participa na "coordenação e dinamização das actividades inerentes à situação de saúde/doença, quer o utente seja seguido em internamento, ambulatório ou domiciliário".

A era moderna assistiu, também, à criação de licenciaturas na área da enfermagem e de várias especializações.

Em Portugal, em 1999, o Decreto-Lei nº 353/99, "fixou as regras gerais a que ficou subordinado o Ensino de Enfermagem no âmbito do ensino superior politécnico, estabelecendo que à licenciatura cabe "assegurar a formação científica, técnica, humana e cultural para a prestação e gestão de cuidados de enfermagem gerais"
(nº 1, art. 5º) e ainda a participação na gestão, na formação de profissionais e na investigação, áreas de actuação profissional previstas no Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros", criado em 1996.

enfermeiro

Dois anos mais tarde, com a criação da Ordem dos Enfermeiros foi afirmado que "os enfermeiros constituem, actualmente, uma comunidade profissional e científica da maior relevância no funcionamento do sistema de saúde e na garantia do acesso da população a cuidados de saúde de qualidade, em especial em cuidados de enfermagem".

Apesar de a formação dos enfermeiros ainda diferir de país para país, esta classe tem vindo a acumular responsabilidades e status. Esta situação estimulou o aparecimento de jornais científicos com artigos especializados decorrentes de investigações nesta área em particular e na saúde em geral, que promovem, cada vez mais, o desenvolvimento desta disciplina e dos seus profissionais.

Representando cerca de 80% dos profissionais de saúde, o enfermeiro desempenha, deste modo, um papel fulcral dentro dos sistemas de saúde, uma vez que é dele a "responsabilidade última de garantir a continuidade e a segurança nos cuidados que presta aos cidadãos", prevendo-se um fortalecimento, cada vez maior deste seu papel, quer no Centro de Saúde, quer na Unidade de Saúde Familiar. Pretende-se que este seja, igualmente, responsável pela garantia da existência de um técnico de referência, por cada família, que lhe permita a "possibilidade de gerir os seus prórpios recursos e saber a que outros recursos poderá recorrer".

Tendo a seu cargo uma panóplia de tarefas, o enfermeiro é o elemento mais multidisciplinar no grupo dos profissionais de saúde, sendo objectivo desta classe, um pouco por todo o mundo, o desenvolvimento de uma profissão orientada para a aprendizagem constante e regular dos parâmetros da competência e da ética.

Mais do que salvadores, os enfermeiros são guardadores de vidas, que nos acompanham em todo o caminho, nem que seja para que não nos sintamos sós no momento da despedida. Tão curta a vida, da arte tão longa a aprendizagem, tão dura a prova, dolorosa a conquista (Chaucer).

Ver mais:
A SITUAÇÃO ECONÓMICA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA UNIÃO EUROPEIA
ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS, PELA SUA SAÚDE, É URGENTE AGIR!
CHECK-UP MÉDICO, A SAÚDE EM DIA
DIA MUNDIAL DA SAÚDE 2006
FARMACÊUTICO, O AGENTE DA SAÚDE
INVISTA NA SUA SAÚDE
JUNTOS PELA SAÚDE, ESTRATÉGIAS DA UE PARA O QUINQUÉNIO 2008 - 2013
O MEIO AMBIENTE E A SAÚDE PÚBLICA
SAÚDE NOS PALOP-TL
UNICEF, 60 ANOS NA SAÚDE E BEM-ESTAR DA CRIANÇA


ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
28 de Abril de 2017

Referências Externas:

Relacionados

CONTAMINAÇÕES HOSPITALARES

O conceito geral de hospital tem a sua origem no vocábulo latino hospes (hóspede ou hospedeiro) do qual resulta hospitalitas (hospitalidade), noção que ao longo do tempo passou a dizer respeito à qual...

MEDICAÇÃO PERSONALIZADA

“A educação dos profissionais de saúde em farmacogenética como parte de seu currículo em farmacologia, e a exposição de seu potencial para a população em geral, serão indispensáveis para o sucesso da...

Destaques

TELEMEDICINA

Etimologicamente telemedicina (tele, prefixo grego de distância + medicina, do latim medicinae, remédio) entende-se como a realização de atos médicos à distância.

CAFÉ

É simplesmente a bebida mais consumida no mundo, a seguir à água, não só pelo seu aroma apelativo aos sentidos e sabor caraterístico, como também pelos seus efeitos estimulantes.
0 Comentários