O PRÉ-NATAL E A CRIANÇA DEFICIENTE

O PRÉ-NATAL E A CRIANÇA DEFICIENTE

GRAVIDEZ E MATERNIDADE

  Tupam Editores

0

É designado por pré-natal o período que antecede o nascimento de uma criança e que hoje, com a enorme panóplia de meios de diagnóstico que está disponível aos futuros pais, lhes permite prevenir diversos tipos de potenciais deficiências, com eficácia.

Um período pré-natal eficaz, com a realização de vários exames e cuidados básicos, pode evitar consideravelmente os riscos de desenvolvimento de deficiências físicas, motoras e intelectuais. Fatores de risco como por exemplo a deficiência de ácido fólico, substância que deveria ser administrada a todas as mulheres em idade fértil antes da gestação, podem ser minimizados ou mesmo eliminados por forma a evitar o desenvolvimento de deficiência intelectual.

Diabetes ou pressão alta durante a gestação, dificuldades no parto, doenças como a rubéola e toxoplasmose, esta uma parasitose comum em gatos, são igualmente fatores de risco, que podem e devem ser identificados no período pré-natal, com o devido acompanhamento médico e a realização de exames adequados.

Também os fatores genéticos como as doenças autossómicas recessivas presentes no pai e na mãe podem contribuir em cerca de 50 por cento na probabilidade de poderem gerar um filho com deficiência cognitiva, mais ou menos acentuada. Daí ser muito importante o planeamento familiar que inclua investigação genética, pois segundo vários estudos realizados, cerca de 740 síndromes podem conduzir a algum tipo de deficiência cognitiva.

Considerando as sequelas perinatais que por vezes ocorrem durante o parto, como por exemplo a asfixia, a intervenção precoce para prevenir a deficiência no recém-nascido é de extrema importância para evitar possíveis lesões irreversíveis na criança, criando os estímulos e condições necessárias para o seu desenvolvimento motor e psicossocial equilibrados.

O parto normal é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como o momento do nascimento do bebé de forma natural, ou seja, aquele que começa espontaneamente, de baixo risco e assim se mantendo até terminar com o recém-nascido a nascer de forma espontânea, de cabeça para baixo e normalmente entre as 37 e as 42 semanas de gestação.

Para avaliar se a grávida está a entrar em trabalho de parto, normalmente faz-se o toque vaginal, para avaliar se existe dilatação ou extinção do colo do útero, sendo também realizada uma cardiotocografia, para avaliar se a grávida tem contrações uterinas e observando simultaneamente o bem-estar fetal através do registo da frequência cardíaca do feto, exames que são complementados com uma ecografia obstétrica para avaliação do peso, dinâmica fetal, líquido amniótico e outros dados relevantes para a saúde da mãe e do seu futuro bebé.

Todas as mulheres que desejem engravidar, devem estar cientes de que os cuidados no pré-natal são o melhor meio para garantir a sua saúde e do seu bebé. Todos concordamos que a deficiência não é uma doença, mas pode ser causada por uma, assim como por outros fatores. Estima-se que em 30% a 40% dos casos, ela pode ser evitada em diferentes fases, nomeadamente antes da gravidez, durante a gestação, no momento do parto e após o nascimento.

O comportamento preventivo deve ter início a partir do momento em que a mulher decidir ter filhos, dado que os risco de malformação do feto ocorre geralmente durante as primeiras semanas de gestação, sendo por isso, antes da gravidez, o melhor momento para o casal conhecer as suas condições de saúde para gerar uma criança e tomar para esse efeito alguns cuidados.

Antes de mais, o casal deve procurar aconselhamento genético antes de a mulher engravidar, caso haja suspeita ou casos confirmados de deficiência intelectual na família, casamentos entre parentes próximos ou idade materna avançada e seguir um acompanhamento pré-natal adequado de acordo com as indicações do seu médico assistente.

Além disso, durante a gestação, deve manter uma alimentação saudável e não consumir bebidas alcoólicas, tabaco ou quaisquer outras drogas, realizar o teste do pezinho assim que o bebé nascer e seguir as recomendações do Plano Nacional de Vacinação (PNV), procurando um médico caso se aperceba de alguma anomalia no desenvolvimento ou crescimento da criança.

Normalmente a recuperação após um parto normal é muito rápida. Nas primeiras duas horas após o parto, é necessário manter o repouso e uma vigilância mais rigorosa, mas se tudo estiver bem durante esse período, a parturiente pode levantar-se e iniciar uma vida normal, uma vez que a mobilização precoce, nas primeiras 6 a 8 horas após o parto, deve ser promovida, pois diminui a incidência de riscos tromboembólicos, além de melhorar o trânsito intestinal.

Por sua vez, nos primeiros anos de vida, a criança está sujeita a adquirir deficiências que podem afetar o resto de suas vidas. Doenças como a meningite, sarampo, traumatismos, ingestão de alimentos contaminados, intoxicações e acidentes diversos, problemas metabólicos e maus-tratos na primeira infância, são algumas das causas mais frequentes das deficiências nesta fase crítica da vida da criança.

Melhorar a qualidade de vida das crianças especiais, com deficiências motoras ou intelectuais é um dos objetivos das sociedades modernas mais inclusivas, existindo hoje um leque alargado de organizações de caráter público e privado que cumprem cabalmente esse desiderato.

No entanto, além de outros, um dos maiores problemas da criança com deficiência é a solidão. Em uma das análises mais abrangentes revelada em recente relatório da UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância -, é referido existirem cerca de 240 milhões de crianças com deficiência em todo o mundo, sendo exposta, em profundidade, a privação vivida por uma em cada dez crianças com deficiência em vários indicadores de bem-estar, incluindo saúde, educação e proteção.

Proporcionar oportunidades iguais às crianças com deficiência e atenuar as barreiras físicas, comunicacionais e de atitude, deve ser uma das prioridades dos governos de todo o mundo, como é recomendado por aquele Organismo Internacional.

 

DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR DO BEBÉ

GRAVIDEZ E MATERNIDADE

DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR DO BEBÉ

Chegou a altura de iniciar a diversificação alimentar do seu bebé e não sabe por onde começar? É normal que surjam dúvidas e receios mas esta fase deve ser encarada com tranquilidade.
VULNERABILIDADES À CANDIDA ALBICANS

DOENÇAS E TRATAMENTOS

VULNERABILIDADES À CANDIDA ALBICANS

A candidíase é uma infeção causada por qualquer um dos mais de vinte fungos do género Candida conhecidos, sendo a espécie mais dominante a Candida Albicans.
0 Comentários