DOR

É importante estar atento às dores de costas persistentes

A campanha “Controlar o Monstro”, uma iniciativa da Novartis, Associação Nacional de Espondilite Anquilosante (ANEA), Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas (LPCDR) e Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR), pretende alertar para os sintomas da Espondilartrite Axial, uma doença fortemente associada a dores nas costas inflamatórias e crónicas e que, se não for atempadamente diagnosticada e devidamente acompanhada, pode deixar sequelas impactantes na vida dos doentes.

É importante estar atento às dores de costas persistentes
ESCOLIOSE

DOENÇAS E TRATAMENTOS

ESCOLIOSE

A iniciativa recorre à metáfora do “Monstro” para ilustrar visualmente o impacto que os sintomas causam nos doentes, alertando para os sinais a que se deve dar atenção. Este alerta é ilustrado através de vídeos que representam o impacto do “Monstro” (ou dos sintomas) no dia a dia destas pessoas, seja na sua vida familiar (https://bit.ly/2SYoA9V) ou em situações como o teletrabalho (https://bit.ly/3wPLX4n) ou em lazer (https://bit.ly/3gNmQcI).

O sinal de alerta mais comum é a dor nas costas há três ou mais meses consecutivos, de ritmo inflamatório, ou seja, uma dor que teve um início lento, que melhora com o exercício, mas agrava ou não melhora em repouso, podendo, por vezes, levar a despertares noturnos na segunda metade da noite.

Este é um sinal que surge normalmente antes dos 45 anos de idade. Entre outros sintomas, os doentes com Espondilartrite Axial podem também experienciar uma rigidez na coluna quando acordam, o que limita os seus movimentos durante 30 ou mais minutos.  

“Controlar o Monstro” deixa ainda o apelo, em caso de identificação com os sintomas ilustrados, para a procura de aconselhamento, diagnóstico e cuidado médico junto da especialidade médica indicada para o diagnóstico da patologia – a Reumatologia.  

Para aprofundar a partilha de informação relevante sobre a patologia, a campanha incide ainda na criação de uma comunidade de Instagram - @Conheceromonstro - na qual passa a estar disponível, com atualizações regulares, mais e nova informação sobre a campanha e a doença, assim como recomendações úteis para uma boa gestão da patologia.  

Segundo Helena Canhão, presidente da SPR, “o confinamento associado à pandemia representou para muitas pessoas menor atividade física, maior sedentarismo e adoção de más posturas. Temos observado com maior frequência dores articulares e musculares de carácter mecânico. Porém, é necessário estar alerta para os sintomas e sinais de doenças reumáticas inflamatórias que podem ocorrer em qualquer idade e se não diagnosticadas, podem tornar-se crónicas e incapacitantes”.

“A Campanha “Controlar o Monstro” é deveras importante para alertar a comunidade da existência desta situação. Controlar os sintomas que “atacam” e que tanto afetam o dia a dia destes doentes é o grande problema que tem de ser dominado. Este é um monstro que tem várias “manias” e gosta que se sinta a sua presença e é por isso que é tão importante aprender a Controlar o Monstro”, afirma José Gomes da Silva, presidente da ANEA. 

Para Elsa Mateus, presidente da LPCDR, “com esta campanha, esperamos que seja possível diagnosticar a Espondilartrite Axial mais rapidamente, já que entre os primeiros sintomas e o diagnóstico decorrem, em média, cerca de sete anos. Uma intervenção atempada e adequada ajudará a diminuir o enorme impacto desta doença e a melhorar a qualidade de vida das pessoas por ela afetadas”.

Fonte: Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas (LPCDR)

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS