Maioria dos portugueses preocupada com alimentação saudável

  Tupam Editores

A maioria dos portugueses (74 por cento) preocupa-se com os ingredientes que compõem as suas refeições, de acordo com o estudo “ShopperTrends” da Nielsen. Um dos caminhos mais seguidos é o do consumo de frutas e legumes, que tem vindo a aumentar ao longo dos anos.

O número de lares onde o consumo desta categoria é reduzido tem vindo a descer, ao passo que os lares onde as frutas e legumes têm maior peso está a aumentar.

Banana, cebolas e cenouras fazem parte da lista de alimentos com crescimentos significativos, de acordo com a Nielsen. Também os produtos de 4.ª e 5.ª gama (legumes, vegetais e saladas embalados, lavados e prontos a consumir) apresentam dinamismo, a par dos frutos secos.

“Temos todos os motivos para acreditar que a alimentação saudável continuará a destacar-se como uma forte tendência no mercado nacional”, adianta Andreia Carvalho, analytics consultant CPS da Nielsen.

comprar-vegetais

O relatório “ShopperTrends” revela ainda que existem quatro grupos de lares em Portugal, tendo em conta os respetivos gastos em frutas e legumes. O primeiro corresponde a um perfil mais sénior, com um agregado menor e sem crianças: representam 19 por cento do total de lares e são os que mais consomem produtos desta categoria (36 por cento dos seus gastos).

Por outro lado, o grupo que menos frutas e legumes compra está associado a um perfil jovem e com crianças. Apesar de também comprarem produtos frescos, a sua cesta inclui, de uma forma significativa, produtos de conveniência e de indulgência.

Segundo a Nielsen, este é um perfil de famílias com vidas mais ativas, que se permitem a momentos de indulgência e que procuram produtos que lhes façam poupar algum tempo para as atividades de que mais gostam.

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
16 de Setembro de 2019

Referências Externas:

Relacionados

Destaques

VACINAÇÃO

Um dos maiores trunfos da ciência foi a imunização em larga escala da população, aventura que teve início há mais de mil anos.
0 Comentários