Registados 80 casos de mutilação genital feminina em Portugal  num ano

100


Registados 80 casos de mutilação genital feminina em Portugal num ano

  Tupam Editores

Foram registados, em Portugal, 80 casos de mutilação genital feminina entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, indicam dados que acabam de ser divulgados no âmbito Dia Internacional da Tolerância Zero contra esta prática, assinalado no passado dia 5 de fevereiro.

Os dados constam do Relatório Intercalar de Execução do Programa de Ação para a Prevenção e Eliminação da Mutilação Genital Feminina (2014-2017).

Mulher deprimida

Os casos foram registados na Plataforma de Dados de Saúde (PDS), indica a UNICEF, num documento em que alerta para as consequências nocivas desta prática em várias comunidades no mundo.

O documento revela que as vítimas foram quase todas adultas, havendo apenas registo de uma menor, com 17 anos.

Eram provenientes, na esmagadora maioria, da Guiné-Bissau (53), seguindo-se a Guiné-Conacri (20), a Eritreia (2), o Senegal (2), e a Nigéria, a Gâmbia e o Egito, cada um com 1 caso registado, de acordo com a informação recolhida.
A mutilação genital feminina é um ato violento que causa infeções, doenças, complicações no parto e até mesmo a morte.

Trata-se de “uma prática cruel que inflige danos emocionais para toda a vida e atinge os membros mais vulneráveis e com menos poder da sociedade: raparigas até aos 15 anos de idade. Uma violação dos direitos humanos que reflete e perpetua a desvalorização das raparigas e mulheres em demasiados lugares do mundo”, afirmara, numa declaração conjunta, as diretoras executivas da UNICEF, Henrietta Fore, e do FNUAP (Fundo das Nações Unidas para a População), Natalia Kanem.

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
18 de Janeiro de 2020

Mais Sobre:
SAÚDE GINECOLOGIA

Referências Externas:

Destaques

SEXERCISES - Otimize a sua Performance!

Derivada das palavras “sex” + “exercise”, estes exercícios físicos tem como objetivo tonificar, reconstruir e fortalecer a massa muscular para melhorar a atividade e o prazer sexual.
0 Comentários