SANGUE

IPST apela à dádiva de sangue, reservas dão para quatro a 19 dias

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) alerta para o facto de os meses de janeiro e fevereiro serem “particularmente exigentes para a manutenção das reservas de sangue em níveis confortáveis”, devido ao frio e às constipações, sublinhando que, este ano, a situação é agravada pela pandemia de COVID-19, as medidas de confinamento e as regras para garantir a segurança para dadores e profissionais.

IPST apela à dádiva de sangue, reservas dão para quatro a 19 dias
SANGUE: A GOTA QUE SALVA VIDAS

SOCIEDADE E SAÚDE

SANGUE: A GOTA QUE SALVA VIDAS

Segundo os dados do IPST, à data de 19 de janeiro, do grupo sanguíneo “A positivo”, o mais prevalente na população portuguesa, há reserva para quatro dias, e do “O negativo” (dador universal) e “B negativo” existe reserva para cinco dias.

No entanto, a reserva estratégica nacional, que considera também as reservas existentes nos hospitais, é de 12 a 35 dias, consoante os grupos sanguíneos. Apesar da suspensão da atividade programada não urgente em alguns hospitais, a necessidade diária de componentes sanguíneos mantém-se, frisa o IPST.

O IPST pede que se dê sangue, relembrando que “mesmo em tempos de pandemia é possível continuar a ajudar a salvar vidas, já que nos locais de colheita foram reforçadas todas as medidas para que o ato se efetue com segurança” e as deslocações para efeitos de dádiva são permitidas pelas autoridades.

Podem doar sangue todas as pessoas com bom estado de saúde, com hábitos de vida saudáveis, peso igual ou superior a 50 kg e idade compreendida entre os 18 e os 65 anos. Para uma primeira dádiva, o limite de idade é 60 anos. A dádiva de sangue é benévola e não remunerada. 

A doação de sangue pode ser feita de quatro em quatro meses pelas mulheres e de três em três meses pelos homens.

Fonte: SNS

TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS