METABOLISMO

Ingestão de peixe na gravidez melhora metabolismo da criança

Um estudo recente teve como objetivo avaliar as associações entre a ingestão de peixes e a exposição ao mercúrio durante a gravidez e a ocorrência de síndrome metabólica e alterações em biomarcadores inflamatórios nas crianças.

Ingestão de peixe na gravidez melhora metabolismo da criança

Cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, usaram para o estudo dados de questionários alimentares do projeto Human Early Life Exposome (1 de abril de 2003 a 26 de fevereiro de 2016).

A concentração materna de mercúrio foi avaliada em amostras de sangue total e no sangue do cordão umbilical. A análise incluiu 805 mães e os seus filhos únicos (acompanhamento até as crianças terem entre seis a 12 anos) em cinco países europeus (França, Grécia, Noruega, Espanha e Reino Unido).

Os cientistas descobriram que a ingestão de peixes seguindo as recomendações de saúde (uma a três vezes por semana) durante a gravidez foi associada a uma diminuição de 1U no score da síndrome metabólica em crianças (ß=-0,96), em comparação com o baixo consumo de peixes (menos de uma vez uma semana) após o ajuste dos níveis de mercúrio materno e outras covariáveis. Não houve benefício adicional com a ingestão de peixes mais de três vezes por semana.

Há uma associação independente observada entre um aumento no score da síndrome metabólica da prole e maior concentração materna de mercúrio (ß por duplo aumento na concentração de mercúrio=0,18).

A ingestão moderada a alta de peixes durante a gravidez foi associada a níveis reduzidos de citocinas e adipocinas pró-inflamatórias em crianças, em comparação com a baixa ingestão de peixes.

O estudo concluiu que a ingestão moderada de peixes durante a gravidez (uma a três vezes por semana) está associada a melhorias na saúde metabólica subsequente das crianças.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS