ANTIBIÓTICO

Lavagem das mãos contribui para diminuir uso de antibióticos

As unidades de saúde melhoraram o cumprimento da higiene das mãos em 2020, em relação a 2019, acentuando a trajetória de contínuo e sustentado aumento de adesão ao longo da última década e ficando perto do objetivo definido pela Organização Mundial de Saúde.

Lavagem das mãos contribui para diminuir uso de antibióticos
ANTIBIÓTICOS, USAR COM MODERAÇÃO

MEDICINA E MEDICAMENTOS

ANTIBIÓTICOS, USAR COM MODERAÇÃO

De 2019 para 2020, triplicou a utilização de solução alcoólica para as mãos. Estas medidas, que concorrem para prevenir as infeções e a transmissão de microrganismos, contribuíram para reduzir o consumo de antibióticos no último ano e para manter a sua eficácia.

No que se refere à vigilância das infeções, houve uma redução importante de múltiplas infeções associadas a cuidados de saúde entre 2018 e 2019, por exemplo nas infeções após cirurgia ortopédica, após cesariana ou em serviços de medicina intensiva.

No que se refere ao consumo de antibióticos, Portugal situa-se muito próximo da média europeia em termos de consumo global de antibióticos em ambulatório e, entre janeiro e setembro de 2020, face ao período homólogo de 2019, a dispensa destes medicamentos nas farmácias comunitárias desceu 20 por cento.

O consumo de classes de antibióticos mais indutoras de seleção de bactérias resistentes a estes fármacos, nomeadamente quinolonas e carbapenemes, tem também diminuído progressivamente em Portugal.

Estes dados são revelados no Dia Mundial da Higiene das Mãos e demonstram a importância de alguns dos hábitos reforçados ao longo da pandemia por COVID-19. Este dia foi assinalado pela Direção-Geral da Saúde, através do Programa Nacional de Prevenção de Infeções e de Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA), em conjunto com a Direção-Geral da Educação (DGE).

Este ano foi preparada uma ampla campanha de sensibilização para a importância da higiene das mãos, associada à Campanha da Organização Mundial da Saúde, que tem como mote “Higiene das Mãos: segundos que salvam vidas”.

Além da higiene das mãos, que aumentou 21 por cento desde 2009, ano a partir do qual se iniciou a monitorização do cumprimento a nível nacional, existem outros indicadores com evolução muito positiva entre 2019 e 2020, nomeadamente ao nível da higienização de superfícies (3,9 por cento), cumprimento de medidas de etiqueta respiratória (5,1 por cento) ou o consumo de solução alcoólica. O somatório destas medidas contribuiu para reduzir o consumo de antibióticos na comunidade.

Este ano, a DGS e a DGE colocaram o foco nos cidadãos e, em particular nas crianças e jovens, como executores desta boa prática e também como transmissores da mensagem nos seus vários âmbitos (familiar, escolar, redes de amigos), de modo ativo e através de diversas gerações.

Fonte: DGS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS