DEPRESSÃO

Distúrbios alimentares associados a sintomas depressivos em mulheres

Mulheres com distúrbios alimentares apresentam maiores sintomas depressivos ao longo da vida, de acordo com um estudo publicado no British Journal of Psychiatry.

Distúrbios alimentares associados a sintomas depressivos em mulheres

Cientistas britânicos usaram dados do Estudo Longitudinal Avon de Pais e Filhos (9 276 mulheres) para modelar trajetórias de sintomas depressivos a partir da 18.ª semana de gravidez até 18 anos pós-natais em mulheres com transtornos alimentares auto-relatados ao longo da vida (anorexia nervosa, bulimia nervosa ou ambas).

Os cientistas descobriram que 1,4 por cento das mulheres relataram um diagnóstico de anorexia nervosa ao longo da vida; 1,6 por cento relataram bulimia nervosa; e 0,6 por cento relataram ambos os transtornos.

Em comparação com mulheres sem distúrbios alimentares, mulheres com transtornos alimentares ao longo da vida apresentaram maiores scores de sintomas depressivos, mesmo após o ajuste para fatores de confusão.

Houve uma associação dose-resposta entre maior imagem corporal e preocupações alimentares na gravidez e trajetórias mais graves de sintomas depressivos.

O estudo concluiu que as mulheres com distúrbios alimentares experimentam sintomas depressivos persistentemente maiores ao longo da vida.

A oferta de mais treinamento para profissionais de saúde sobre como reconhecer distúrbios alimentares durante a gravidez pode ajudar a identificar sintomas depressivos e reduzir a carga de doença a longo prazo resultante dessa comorbidade, afirmaram os autores do estudo.

Fonte: Boa Saúde/Bibliomed

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS