Factor de Von Willebrand humano

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Factor de von Willebrand (vWF) é uma glicoproteína de sangue envolvida na hemostase.

É deficiente ou defeituoso na doença de von Willebrand e está envolvido num grande número de outras doenças, incluindo púrpura trombocitopénica trombótica, síndrome de Heyde, e, possivelmente, na síndrome hemolítico-urémica.

Presume-se que os níveis plasmáticos aumentados em um grande número de doenças cardiovasculares, doenças neoplásicas, e doenças do tecido conjuntivo que surgem a partir de modificações adversas no endotélio e podem contribuir para um aumento do risco de trombose.
Usos comuns
Indicado na prevenção e tratamento de hemorragias ou de hemorragia cirúrgica na doença de von Willebrand quando o tratamento com desmopressina (DDAVP) em monoterapia é ineficaz ou contraindicado.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Indicado na prevenção e tratamento de hemorragias ou de hemorragia cirúrgica na doença de von Willebrand quando o tratamento com desmopressina (DDAVP) em monoterapia é ineficaz ou contraindicado.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
A administração do fator de von Willebrand permite a correção a dois níveis das anomalias hemostáticas apresentadas por doentes que têm uma deficiência do fator de von Willebrand: O fator de von Willebrand restabelece a adesão plaquetária ao subendotélio vascular no local da lesão vascular (visto que se liga ao subendotélio vascular e à membrana plaquetária) assegurando a hemostase primária demonstrada pela diminuição do tempo de hemorragia.

Sabe-se que este efeito depende em grande parte do nível de multimerização da substância ativa.

O fator de von Willebrand produz a correção retardada da deficiência associada do fator VIII.

Após administração intravenosa, o fator de von Willebrand liga-se ao fator VIII endógeno (que é produzido normalmente pelo doente) e, ao estabilizar este fator, evita a sua degradação rápida.

Em consequência, a administração do fator de von Willebrand puro (medicamento à base de fator de von Willebrand com um teor baixo de fator VIII) restabelece o nível de FVIII:C para um nível normal como efeito secundário após a primeira perfusão.

A administração de uma preparação de fator de von Willebrand que contém FVIII:C restabelece o nível de FVIII:C para um nível normal imediatamente após a primeira perfusão.
Posologia Orientativa
Início do tratamento: A primeira dose de Factor de Von Willebrand humano é de 40 a 80 UI/kg para o tratamento de uma hemorragia ou traumatismo, juntamente com a quantidade necessária de fator VIII, calculado de acordo com o nível plasmático inicial de FVIII:C do doente, a fim de atingir um nível plasmático apropriado de FVIII:C, imediatamente antes da intervenção ou, logo que possível, após o início do episódio de hemorragia ou do traumatismo grave.

No caso de cirurgia, deve ser administrado 1 hora antes da intervenção.

Pode ser necessária uma dose inicial de 80 UI/kg de Willfact, especialmente em doentes com doença de von Willebrand Tipo 3 nos quais a manutenção de níveis adequados pode exigir doses mais elevadas do que noutros tipos de doença de von Willebrand.

No caso de cirurgia eletiva, o tratamento com Factor de Von Willebrand humano deve ser iniciado 12-24 horas antes da cirurgia e deve ser repetido 1 hora antes da intervenção.

Neste caso, a administração concomitante de fator VIII não é necessária dado que a atividade do FVIII:C endógeno atingiu normalmente o nível crítico de 0,4 UI/ml (40%) antes da cirurgia.

Contudo, este nível deve ser confirmado em cada doente.

Injeções subsequentes: Se necessário, o tratamento deve continuar com uma dose apropriada de 40 - 80 UI/kg de Willfact por dia, em 1 ou 2 injeções diárias durante um ou vários dias.

A dose ou duração do tratamento depende do estado clínico do doente, do tipo e da gravidade da hemorragia e dos níveis de VWF:RCo e de FVIII:C.

Profilaxia a longo prazo: Factor de Von Willebrand humano pode ser administrado como profilaxia a longo prazo numa dose que é determinada de acordo com cada doente em particular.

Doses de Factor de Von Willebrand humano entre 40 e 60 UI/kg, administradas duas a três vezes por semana, diminuem o número de episódios hemorrágicos.

Não existem dados de um estudo clínico efetuado para caracterizar a resposta à utilização de Factor de Von Willebrand humano em crianças com menos de 6 anos de idade.

A utilização de Factor de Von Willebrand humano em crianças com menos de 12 anos de idade só foi documentada em casos individuais; a utilização de Factor de Von Willebrand humano em doentes previamente não tratados com o fator de von Willebrand não está documentada nos estudos clínicos.
Administração
O tratamento só deve ser iniciado sob a supervisão de um médico com experiência
no tratamento de doenças hemostáticas.

O medicamento deve ser administrado por via intravenosa num débito máximo de 4 ml/minuto.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Factor de Von Willebrand humano
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sistema imunitário:
Pouco frequentes: reações de hipersensibilidade ou alérgicas.

Em alguns casos, estas podem progredir para anafilaxia grave (incluindo choque).

Perturbações do foro psiquiátrico:
Pouco frequentes: irrequietude.

Doenças do sistema nervoso:
Pouco frequentes: cefaleias, formigueiros, letargia.

Cardiopatias:
Pouco frequentes: taquicardia.

Vasculopatias:
Pouco frequentes: hipotensão, rubores.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:
Pouco frequentes: sibilos.

Doenças gastrointestinais:
Pouco frequentes: náuseas, vómitos.

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Pouco frequentes: angioedema, urticária generalizada, urticária.

Perturbações gerais e alterações no local de administração:
Pouco frequentes: sensação de ardor e de picadas no local de perfusão, arrepios, opressão torácica.

Raros: febre.

Exames complementares de diagnóstico:
Muito raros: anticorpos neutralizantes (inibidores) contra o fator de von Willebrand.

Os doentes com doença de von Willebrand, especialmente doentes do tipo 3, podem muito raramente desenvolver anticorpos neutralizantes (inibidores) contra o fator de von Willebrand.

Os doentes tratados com fator de von Willebrand devem ser cuidadosamente monitorizados quanto ao desenvolvimento de inibidores através de vigilância clínica cuidadosa e de testes laboratoriais apropriados.

No caso de ocorrência destes inibidores, a afeção manifesta-se como uma resposta clínica inadequada.

Estes inibidores são anticorpos precipitantes e ocorrem em associação estreita com reações anafiláticas.

Em todos estes casos, recomenda-se que seja contactado um centro especializado em hemofilia.

Por conseguinte, os doentes que apresentem uma reação anafilática devem ser avaliados quanto à presença de um inibidor.

Após correção da deficiência do fator de von Willebrand, devido ao risco de um episódio trombótico em certas situações de risco, deve efetuar-se a monitorização de sinais precoces de trombose ou de coagulação intravascular disseminada e a prevenção de complicações tromboembólicas de acordo com as práticas correntes.

Em doentes medicados com produtos de fator de von Willebrand contendo fator VIII, níveis plasmáticos excessivos sustidos do FVIII:C podem aumentar o risco de acontecimentos trombóticos.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento:Este medicamento só deve ser administrado a mulheres a amamentar com deficiência do fator de von Willebrand se for claramente indicado.
Precauções Gerais
Em doentes com hemorragia ativa, recomenda-se a administração concomitante de um fator VIII com o produto de fator de von Willebrand que tenha um baixo teor de fator VIII como primeira linha de tratamento.

Como com qualquer administração intravenosa de uma proteína derivada do plasma, são possíveis reações de hipersensibilidade de tipo alérgico.

Os doentes devem ser monitorizados com frequência e observados cuidadosamente quanto a quaisquer sintomas durante todo o período de injeção.

Os doentes devem ser informados sobre os sinais precoces das reações de hipersensibilidade, como urticária, urticária generalizada, opressão torácica, sibilos, hipotensão e anafilaxia.

Se estes sintomas ocorrerem, a administração deve ser imediatamente interrompida.

Em caso de choque, deve ser implementado o tratamento médico padrão do choque.

As medidas padrão para prevenção de infeções resultantes da utilização de medicamentos preparados a partir de sangue ou plasma humanos incluem a seleção dos dadores, o rastreio de doações individuais e de pools de plasma para deteção de marcadores específicos de infeção e a inclusão de etapas de produção eficazes para a inativação/remoção de vírus.

Apesar destas medidas, não se pode excluir totalmente a possibilidade de transmissão de agentes infeciosos quando são administrados medicamentos preparados a partir de sangue ou plasma humanos.

Isto também se aplica a vírus desconhecidos ou emergentes e a outros agentes patogénicos.


As medidas tomadas são consideradas eficazes para vírus com invólucro tais como o VIH, VHB e VHC.

As medidas tomadas podem ter um valor limitado contra vírus sem invólucro como o VHA e o parvovírus B19.

A infeção pelo parvovírus B19 pode ser grave em mulheres grávidas (infeção fetal) ou em indivíduos com imunodeficiência ou com eritropoiese aumentada (ex., anemia hemolítica).

Deve ter-se em consideração as vacinações apropriadas (hepatite A e hepatite B) em doentes que recebem regularmente fator de von Willebrand derivado de plasma humano.

Note que o nome e o número do lote do medicamento devem ser documentados em cada administração de Willfact para permitir estabelecer uma relação entre o doente e o número do lote.

Existe um risco de ocorrência de acontecimentos trombóticos, especialmente em doentes com fatores de risco clínico ou laboratoriais conhecidos.

Por conseguinte, os doentes em risco devem ser monitorizados para deteção de sinais precoces de trombose.

Deve instituir-se uma profilaxia contra tromboembolismos venosos, de acordo com as recomendações atuais.

Ao utilizar uma preparação de fator de von Willebrand que contém fator VIII, o médico assistente deve estar ciente de que o tratamento contínuo pode causar uma elevação excessiva de FVIII:C.

Em doentes que estão a receber um fator de von Willebrand contendo fator VIII, os níveis plasmáticos de FVIII:C devem ser monitorizados para evitar níveis plasmáticos excessivos sustidos de FVIII:C, que podem aumentar o risco de acontecimentos trombóticos.

Os doentes com doença de von Willebrand, especialmente os doentes com a doença de tipo 3, podem desenvolver anticorpos neutralizantes (inibidores) contra o fator de von Willebrand.

Se não forem atingidos os níveis plasmáticos previstos da atividade da VWF:RCo ou se a hemorragia não puder ser controlada com uma dose apropriada, deve efetuar-se um ensaio para determinar se está presente um inibidor do fator de von Willebrand.

Em doentes com níveis elevados de inibidor, a terapêutica com o fator de von Willebrand pode não ser eficaz, devendo ser consideradas outras opções terapêuticas.

Cuidados com a Dieta
Não existem interações conhecidas de preparações do fator de von Willebrand com
alimentos e bebidas.

Portanto, não tem de evitar quaisquer alimentos ou bebidas específicos.

Terapêutica Interrompida
Este medicamento é administrado em meio hospitalar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

Não conservar acima de 25°C.

Não congelar.

O medicamento deve ser utilizado imediatamente após reconstituição.

Contudo, a sua estabilidade foi demonstrada durante 24 horas a 25°C.

Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Factor de Von Willebrand humano + Outros medicamentos

Observações: N.D.
Interações: Não são conhecidas interações dos produtos do fator humano de von Willebrand com outros medicamentos.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Este medicamento só deve ser administrado a mulheres grávidas ou a amamentar com deficiência do fator de von Willebrand se for claramente indicado.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 10 de Março de 2016