Zofenopril + Hidroclorotiazida

DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Inibidores da enzima de conversão da angiotensina.

Zofenopril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento da hipertensão essencial ligeira a moderada.
Usos comuns
Zofenopril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento da hipertensão essencial ligeira a moderada.

Enfarte agudo do miocárdio:
Zofenopril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento, iniciado nas primeiras 24 horas, de doentes com enfarte agudo do miocárdio, com ou sem sinais e sintomas de insuficiência cardíaca, que estejam hemodinamicamente estáveis, e que não tenham sido submetidos a trombólise.

Os doentes poderão também ser medicados, se indicado, com os tratamentos usuais com nitratos, aspirina ou β-bloqueadores.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Zofenopril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento da hipertensão essencial ligeira a moderada.

Enfarte agudo do miocárdio:
Zofenopril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento, iniciado nas primeiras 24 horas, de doentes com enfarte agudo do miocárdio, com ou sem sinais e sintomas de insuficiência cardíaca, que estejam hemodinamicamente estáveis, e que não tenham sido submetidos a trombólise.

Os doentes poderão também ser medicados, se indicado, com os tratamentos usuais com nitratos, aspirina ou β-bloqueadores.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Sem informação.
Posologia Orientativa
A posologia deve ser ajustada, em função da resposta terapêutica do doente.

Hipertensão: a necessidade de ajustamento deve ser determinada pela medição da pressão arterial imediatamente antes da dose seguinte.

A dose deve ser aumentada a intervalos de quatro semanas.

Doentes sem depleção de volume ou de sal: deve-se iniciar o tratamento com 15 mg, uma vez por dia, e posteriormente, ajustar a dose até se atingir um controlo ótimo da pressão arterial.

A dose terapêutica, habitualmente utilizada, é de 30 mg, uma vez por dia.

A dose máxima é de 60 mg por dia, em toma única ou dividida em duas tomas.

Doentes suspeitos de depleção de volume ou de sal:
A dose diária inicial de 15 mg.

Se não for possível, a dose diária inicial deverá ser de 7,5 mg.

Enfarte agudo do miocárdio:
O tratamento deve ser instituído nas 24 horas seguintes ao início dos sintomas do enfarte agudo do miocárdio e mantido durante seis semanas.

A posologia recomendada é: 1º e 2º dia: 7,5 mg cada 12 horas
3º e 4º dia: 15 mg cada 12 horas
A partir do 5º dia: 30 mg cada 12 horas.
Administração
Via oral.

Zofenopril/Hidroclorotiazidapode ser administrado antes, durante e após as refeições.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao zofenopril de cálcio, outros inibidores da ECA.

História de edema angioneurótico associado a tratamento anterior com inibidores da ECA.

Edema angioneurótico hereditário/idiopático.

Insuficiência hepática grave.

Gravidez Período de lactação.

Mulheres em idade fértil a não ser quando protegidas por uma contraceção eficaz.

Estenose bilateral das artérias renais ou estenose unilateral da artéria renal em casos de um rim único.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Alterações gerais e localizadas:
Comuns: Fadiga
Não comuns: Fraqueza

Alterações gastrintestinais:
Comuns: Náuseas/vómitos

Alterações musculoesqueléticas e do tecido conjuntivo:
Não comuns: Cãibras musculares

Alterações do sistema nervoso:
Comuns: Tonturas, cefaleia

Alterações respiratórias, torácicas e mediastínicas:
Comuns: Tosse

Alterações cutâneas e subcutâneas:
Não comuns: Rash
Raras: Angioedema

Observaram-se as seguintes reações adversas associadas com a terapêutica com inibidores da ECA:
Sistema cardiovascular: ocorrência de hipotensão grave, após o início do tratamento ou aumento da dose, especialmente em certos grupos de risco.

Podem ocorrer ainda sintomas como tonturas, sensação de fraqueza, visão turva e, raramente, distúrbios de consciência (síncope).

Casos individuais de taquicardia, palpitações, arritmias, angina de peito, enfarte do miocárdio, acidentes isquémicos transitórios e hemorragia cerebral associados a hipotensão foram referidos para os inibidores da ECA.

Muito raramente, foram descritos edema periférico, hipotensão ortostática e dor no peito.

Sistema musculoesquelético: ocasionalmente, podem ocorrer mialgia e cãibras musculares.

Sistema renal: pode ocorrer insuficiência renal ou acentuar-se a existente.

Foi referida insuficiência renal aguda.

Sistema respiratório está documentada a indução de tosse, pelos inibidores da ECA, num número substancial de doentes.

Raramente, foram descritos, casos de dispneia, sinusite, rinite, glossite, bronquite e broncospasmo.

Os inibidores da ECA foram associados com o aparecimento de edema angioneurótico num pequeno grupo de doentes, envolvendo a face e os tecidos orofaríngeos.

Em casos isolados, o edema angioneurótico envolvendo as vias aéreas superiores causou obstrução respiratória fatal.

Trato gastrintestinal podem ocorrer, ocasionalmente náuseas, dor abdominal, vómitos, diarreia, obstipação e secura de boca.

Casos individuais de icterícia colestática, hepatite, pancreatite e ileus foram relacionados com os inibidores da ECA.

Pele e anexos podem ocorrer, ocasionalmente, reações alérgicas e de hipersensibilidade, como rash, prurido, urticária, eritema multiforme, síndroma de Stevens-Johnson, necrose epidérmica tóxica, eflorescências do tipo psoriático, alopécia.

Podem ser acompanhados de febre, mialgia, artralgia, eosinofilia e/ou aumento dos valores da titulação de anticorpos anti ANA.

Sistema nervoso: ocasionalmente, cefaleias, tonturas, fadiga; raramente, depressão, alterações de comportamento, distúrbios do sono, parastesias, impotência, perturbações do equilíbrio, confusão, zumbidos, visão turva e alterações do paladar.

Parâmetros laboratoriais: pode ocorrer elevação da urémia e da creatinina plasmática, reversível após a suspensão do tratamento, especialmente em presença de insuficiência renal, insuficiência cardíaca grave e hipertensão renovascular.

Foi descrita, em poucos doentes, diminuição da hemoglobina, do hematócrito, do número de plaquetas e de leucócitos, que inclui agranulocitose e pancitopenia.

Existem casos descritos de anemia hemolítica em doentes com deficiência de glucose-6-fosfato desidrogenase.

Foi também descrita uma elevação dos níveis séricos das enzimas hepáticas e da bilirrubina.

Gerais: raramente, podem ocorrer aumento da sudação, rubor e alterações da micção.
Advertências
Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Deve informar o médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Não administrar durante a gravidez e amamentação.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 10 de Março de 2016