Xilitol

O que é
Xilitol é um produto que está atraindo a atenção dos fabricantes de bebidas e alimentos.

É um adoçante que se destaca entre os demais, devido à sua forma de obtenção (por biotecnologia) e também por possuir importantes propriedades físico-químicas e fisiológicas, o que capacita a aplicação do Xilitol nas áreas odontológica e médica.

Comercialmente, o Xilitol é produzido a partir da hemicelulose xylan e de outras madeiras de várias árvores.

Apresenta 40% menos calorias em relação ao açúcar.
Usos comuns
Xilitol é um edulcorante perfeitamente capaz de substituir a sacarose, tem várias aplicações clínicas e é tolerado por diabéticos.

A molécula de Xilitol é um álcool-carboidrato (poliol, poli-idroxiálcool acíclico ou pentitol) com 5 átomos de carbono ou umpentiol, de estrutura aberta, e não fermentável (diferentemente da sacarose e da glicose).

É encontrado naturalmente em muitas frutas, como ameixas, morangos e framboesas e vegetais.

O corpo humano também produz cerca de 5 a 15g de Xilitol/dia durante o metabolismo natural de carboidratos.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
O Xilitol está indicado no combate às cáries dentárias e no tratamento de outras doenças como diabetes, desordem no metabolismo dos lípidos e lesões renais e parenterais.

Também previne infeções pulmonares, otite e osteoporose.

Utilizado na indústria alimentícia em formulações dietéticas e "light", em doces, rebuçados, pastilhas e produtos do mesmo género.

Também na indústria cosmética, no cuidado oral (colutórios, pastas e fios dentais), e na indústria farmacêutica, como agente corporal e agente de compressão, adoçante ou excipiente na formulação de xaropes, tónicos e vitaminas.
Classificação CFT

12.2.8 : CORRETIVOS DAS ALTERAÇÕES HIDROELETROLÍTICAS (Outros)

Mecanismo De Ação
Uma das vantagens do Xilitol sobre a Sacarose é que, em virtude de sua elevada estabilidade química e microbiológica, ele atua mesmo em baixas concentrações, como conservante de produtos alimentícios, oferecendo resistência ao crescimento de microrganismos e prolongando a vida de prateleira desses produtos.

Outra vantagem é que, devido à ausência de grupos aldeídicos ou cetônicos em sua molécula, o Xilitol não participa de reações com aminoácidos, conhecidas como reações de “Maillard”, ele não sofre reações de escurecimento não enzimático, que provocam diminuição do valor nutricional das proteínas.

Valor calórico do Xilitol: 2,4Kcal.
Posologia Orientativa
Xilitol é uma substância atóxica, tendo sua aplicação em alimentos legalmente permitida.

Bem tolerado quando ingerido em doses espaçadas de no máximo 20 g cada uma, e desde que a quantidade consumida por dia não ultrapasse 60 g, já que a ingestão de doses mais elevadas produz efeito laxativo.

Esse efeito é provavelmente levado em conta quando o Xilitol é utilizado em alimentos normalmente ingeridos em grandes quantidades, como é o caso dos refrigerantes.

O uso do Xilitol na nutrição parenteral (dose diária de até 6 g/kg de peso corporal)

A dose diária requerida de Xilitol capaz de combater a otite média aguda ainda não é conhecida.

No entanto, estudos realizados com crianças revelaram que uma dose diária de 8,4 g de Xilitol.
Administração
A Anvisa classifica o Xilitol como um aditivo alimentar do tipo umectante, usado na quantidade necessária para se obter o efeito desejado (“quantum satis”), uma vez que este não afeta a identidade e a genuinidade dos alimentos.
Contraindicações
Hipersensibilidade à substância ativa.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sem informação.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Doravirina + Lamivudina + Tenofovir + Xilitol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Diversos Solução de sorbitol (3,2 g, 10,2 g, 13,4 g)/lamivudina: Quando possível, evite a administração concomitante crónica de doravirina/lamivudina/tenofovir disoproxil com medicamentos contendo sorbitol ou outros poliálcoois de ação osmótica (por exemplo: xilitol, manitol, lactitol, maltitol). Considerar uma monitorização mais frequente da carga vírica do VIH-1 quando a coadministração crónica não puder ser evitada.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019