Voriconazol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O voriconazol é um medicamento antifúngico triazol usado para tratar infeções fúngicas graves.

É usado para tratar infeções fúngicas invasivas que são geralmente observados em pacientes imunocomprometidos.

Estes incluem candidíase invasiva, aspergilose invasiva e infeções fúngicas emergentes.
Usos comuns
Voriconazol é um medicamento antifúngico.

Atua por destruição ou paragem do crescimento dos fungos que causam infeções.


É utilizado para o tratamento de doentes (adultos e crianças com idade superior a 2 anos) com:
aspergilose invasiva (um tipo de infeção fúngica devida a Aspergillus sp.), candidemia (outro tipo de infeção fúngica devida a Candida sp.), em doentes não-neutropénicos (doentes sem contagem de glóbulos brancos anormalmente baixa), infeções invasivas graves por Candida sp., quando o fungo é resistente ao fluconazol (outro medicamento antifúngico), infeções fúngicas graves causadas por Scedosporium sp. ou Fusarium sp. (duas espécies diferentes de fungos).


Voriconazol destina-se a doentes com infeções fúngicas graves, possivelmente com risco de vida.


Prevenção de infeções fúngicas em recetores de transplante de medula óssea de elevado de risco.


Este medicamento deve apenas ser utilizado sob supervisão de um médico.
Tipo
Molécula pequena
História
Sem informação.
Indicações
Voriconazol é um agente antifúngico triazólico de largo espectro e está indicado em adultos e crianças com 2 anos ou mais para:

Tratamento da aspergilose invasiva.


Tratamento da candidemia em doentes não neutropénicos.


Tratamento de infeções invasivas graves por Candida spp.

resistentes ao fluconazol (incluindo C. krusei).


Tratamento de infeções fúngicas graves por Scedosporium spp. e Fusarium spp.


Voriconazol deve ser administrado principalmente a doentes com infeções progressivas e passíveis de causar a morte.
Classificação CFT

01.02 : Antifúngicos

Mecanismo De Ação
O voriconazol é um agente antifúngico triazólico.

O principal modo de ação do voriconazol é a inibição do citocromo P450 fúngico mediado pela desmetilação do 14 alfa-lanosterol, uma etapa essencial na biossíntese do ergosterol fúngico.

A acumulação do esterol 14 alfa-metilo está relacionada com a subsequente perda de ergosterol na membrana da célula fúngica e pode ser responsável pela atividade antifúngica do voriconazol.

O voriconazol demonstrou ser mais seletivo para as enzimas fúngicas do citocromo P450, do que para vários sistemas enzimáticos do citocromo P450 dos mamíferos.
Posologia Orientativa
VIA ORAL (comprimidos e suspensão oral):
Adultos e adolescentes (12 aos 14 anos de idade e ≥50 kg; dos 15 aos 17 anos de idade independentemente do peso corporal)

Regime de dose de carga (primeiras 24 horas):
Doentes com peso igual ou superior a 40 kg: 400 mg (10 ml) de 12 em 12 horas

Doentes com peso inferior a 40 kg*:
200 mg (5 ml) de 12 em 12 horas

Dose de manutenção (após as primeiras 24 horas):
Doentes com peso igual ou superior a 40 kg:
200 mg duas vezes por dia

Doentes com peso inferior a 40 kg*:
100 mg (2,5 ml) duas vezes por dia

*Também se aplica a doentes com idade igual ou superior a 15 anos.

Crianças (2 a <12 anos) e adolescentes jovens com baixo peso corporal (12 a 14 anos e <50 kg).
O voriconazol deve ser doseado da mesma forma como nas crianças porque estes jovens adolescentes podem metabolizar o voriconazol de forma mais semelhante às crianças do que aos adultos.

Regime de dose de carga (primeiras 24 horas): Não recomendado
Dose de manutenção (após as primeiras 24 horas): 9 mg/kg duas vezes por dia (dose máxima de 350 mg duas vezes por dia)

VIA INJETÁVEL:
Adultos:
Regime de dose de carga (primeiras 24 horas): 6 mg/kg de 12 em 12 horas

Dose de manutenção (após as primeiras 24 horas): 4 mg/kg duas vezes por dia

Se o doente não tolerar o tratamento intravenoso de 4 mg/kg duas vezes por dia, reduzir a dose para a dose de 3 mg/kg duas vezes por dia.

Crianças (2 a <12 anos) e adolescentes jovens com baixo peso corpora (12 a 14 anos e <50 kg):
Regime de dose de carga (primeiras 24 horas): 9 mg/kg a cada 12 horas.

Dose de manutenção (após as primeiras 24 horas): 8 mg/kg duas vezes por dia.
Administração
Via oral e intravenosa.


Voriconazol comprimidos revestidos por película deve ser administrado pelo menos uma hora antes, ou uma hora após, uma refeição.



Engula o comprimido inteiro com um pouco de água.


Voriconazol IV requer reconstituição e diluição antes da administração como perfusão intravenosa.

Não administrar por bólus IV.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Voriconazol.


Coadministração com os substratos do CYP3A4, terfenadina, astemizol, cisaprida, pimozida ou quinidina, uma vez que o aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos pode provocar um prolongamento do intervalo QTc e, raramente, a ocorrência de torsades de pointes.

Coadministração com rifampicina, carbamazepinam mefobarbital e fenobarbital, uma vez que estes medicamentos podem provocar um decréscimo significativo das concentrações plasmáticas de voriconazol.


Coadministração com doses elevadas de ritonavir (400 mg ou doses superiores, duas vezes por dia), uma vez que o ritonavir nestas dosagens diminui significativamente as concentrações plasmáticas de voriconazol em indivíduos saudáveis.


É contraindicada a coadministração de doses padrão de voriconazol com doses de efavirenz de 400 mg uma vez por dia ou superiores uma vez que o efavirenz diminui significativamente as concentrações plasmáticas de voriconazol em indivíduos saudáveis.


O voriconazol também aumenta significativamente as concentrações plasmáticas do efavirenz.


Coadministração com alcaloides da cravagem de centeio (ergotamina, dihidroergotamina), que são substratos do CYP3A4, uma vez que o aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos pode conduzir ao ergotismo.

Coadministração com sirolimus, uma vez que o voriconazol pode aumentar significativamente a concentração plasmática de sirolimus.

Administração concomitante com hipericão.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Efeitos secundários frequentes (podem afetar até 1 em 10 pessoas)

- Uma situação em que o número de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas estão reduzidos com os seguintes sintomas; cansaço, falta de ar e ar pálido (pancitopenia)
- Dificuldade respiratória, acumulação de fluido nos pulmões
- Amarelecimento da pele ou do branco dos olhos (icterícia)
- Insuficiência renal.

Efeitos secundários pouco frequentes (podem afetar até 1 em 100 pessoas)

- Uma reação alérgica. Tais reações podem aparecer na forma de anafilaxia (uma forma grave de reação alérgica) com sintomas como:
- erupção cutânea
- inchaço da face, lábios, boca, língua ou garganta (angioedema)
- Uma erupção generalizada com bolhas e pele a descamar, especialmente ao redor da boca, nariz, olhos e órgãos genitais (Síndrome de Stevens-Johnson).
- Número gravemente baixo de alguns tipos de glóbulos brancos que causa mais infeções (agranulocitose)
- Reação na pele grave após exposição à luz ou ao sol
- Falência hepática ou doença hepática com os seguintes sintomas; náuseas, vómitos, perda de apetite, sensação de mal-estar geral, febre, comichão, amarelecimento da pele e dos olhos, fezes claras, urina escura (hepatite)
- Problemas do ritmo cardíaco
- Inflamação do pâncreas que causa dor grave no abdómen e nas costas (pancreatite)
- Ataques (convulsão)
- Função deprimida da glândula suprarrenal
- Inchaço do cérebro
- Inchaço dos nervos por trás do olho

Efeitos secundários raros (podem afetar até 1 em 1.000 pessoas)

- Perda de consciência devido a falência hepática
- Problemas do ritmo cardíaco incluindo batimento cardíaco muito rápido
- Diarreia grave, persistente ou com sangue associada com dor abdominal ou febre
- Uma erupção cutânea generalizada com bolhas e descamação da pele na maior parte da superfície corporal (necrólise epidérmica tóxica)
- Função anormal do cérebro
- Dano nos rins
- Dano no nervo ótico que resulta em compromisso da visão.

Desconhecido (a frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis)
- Dor muscular (periostite).

Existiram notificações de cancro da pele em doentes tratados com Voriconazol Mylan durante longos períodos de tempo.

Outros efeitos secundários

Efeitos secundários muito frequentes (podem afetar mais de 1 em 10 pessoas)

- Perturbações visuais (alterações na visão)
- Febre
- Erupção cutânea
- Náuseas, vómitos, diarreia
- Dor de cabeça
- Inchaço das extremidades
- Dores de estômago.

Efeitos secundários frequentes (podem afetar até 1 em 10 pessoas)

- Sintomas gripais, inflamação dos seios nasais, arrepios, fraqueza
- Anemia
- Números baixos de células chamadas plaquetas que ajudam o sangue a coagular, números baixos de alguns tipos de glóbulos brancos ou de todos os tipos de glóbulos vermelhos, descoloração vermelha ou roxa da pele que pode ser causada por uma contagem baixa de plaquetas, outras alterações nas células sanguíneas
- Ansiedade, depressão, formigueiro, confusão, tonturas, agitação, tremor, alucinações e outros sintomas nervosos
- Pressão arterial baixa, inflamação de uma veia (que pode ser associada com a formação de um coágulo de sangue)
- Dor no peito
- Açúcar baixo no sangue, potássio baixo no sague
- Vermelhidão da pele
- Queimadura solar ou reação cutânea grave após exposição à luz ou ao sol
- Comichão
- Perda de cabelo
- Dor nas costas
- Sangue na urina, alterações da função renal nas análises ao sangue
- Alterações da função hepática nas análises ao sangue
- Inflamação do trato gastrointestinal.

Efeitos secundários pouco frequentes (podem afetar até 1 em 100 pessoas)
- Glândulas linfáticas aumentadas (por vezes dolorosas)
- Aumento num tipo de glóbulos brancos que pode ser associado com reação alérgica, perturbação do sistema de coagulação do sangue
- Batimento cardíaco muito rápido, batimento cardíaco muito lento, desmaio
- Problemas com a coordenação
- Visão dupla, dor e inflamação dos olhos e das pálpebras, movimento involuntário do olho
- Diminuição da sensibilidade ao toque
- Obstipação, inflamação da parte superior do intestino delgado, dispepsia, peritonite
- Gengivite
- Inchaço e inflamação da língua
- Aumento do fígado, doença da vesícula biliar, cálculos biliares
- Dor nas articulações
- Inflamação do rim, proteínas na urina
- Eletrocardiograma (ECG) anormal
- Alterações químicas no sangue
- Erupção cutânea, que pode levar a bolhas ou descamação grave na pele, queimadura ou dor da pele
- Inchaço ou inflamação da pele, urticária, vermelhidão e irritação da pele.

Efeitos secundário raros (podem afetar até 1 em 1.000 pessoas)
- Incapacidade para dormir
- Dificuldades de audição, zumbido nos ouvidos
- Paladar anormal
- Aumento no tónus muscular, fraqueza muscular causada por uma resposta anormal do sistema imunitário
- Manchas vermelhas, com descamação da face e do couro cabeludo
- Sintomas Parkinsonianos, lesões dos nervos que resultam em dormência, dor, formigueiro ou queimadura nas mãos ou nos pés
- Diarreia grave, persistente ou com sangue associada com dor abdominal ou febre
- Glândula tiroide hiperativa ou hipoativa
- Hemorragia nos olhos, movimento ocular anormal, enevoamento da córnea
- Problemas do ritmo cardíaco incluem batimento cardíaco muito rápido ou batimento cardíaco muito lento
- Infeção da glândula linfoide

O seu médico deve monitorizar a sua função do seu fígado e rins através da realização de análises ao sangue, uma vez que foi demonstrado que Voriconazol afeta o fígado e o rim. Informe o seu médico se tiver dores de estômago, ou se as suas fezes tiverem uma consistência diferente.

Se algum destes efeitos secundários persistir ou se o incomodar, informe o seu médico.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Voriconazol não pode ser tomado durante o aleitamento.
Condução
Condução
Condução:Voriconazol pode causar visão turva, perceção visual alterada ou sensação de desconforto à luz. Quando afetado, não conduza.
Precauções Gerais
Hipersensibilidade
A prescrição de Voriconazol a doentes com hipersensibilidade a outros azois deverá ser feita com precaução.


Cardiovasculares
O voriconazol tem sido associado ao prolongamento do intervalo QT.

Têm ocorrido casos raros de torsades de pointes em doentes sob terapêutica com voriconazol e com determinados fatores de risco, tais como, história de quimioterapia cardiotóxica, cardiomiopatia, hipocaliemia e medicamentos concomitantes que poderá ter contribuído para o referido efeito.

O voriconazol deve ser administrado com precaução em doentes com condições proarrítmicas potenciais, tais como:
Prolongamento do intervalo QT congénito ou adquirido
Cardiomiopatia, especialmente quando existe falência cardíaca
Bradicardia sinusal
Existência de arritmias sintomáticas
Medicamentos concomitantes que prolongam o intervalo QT.

As alterações eletrolíticas, tais como hipocaliemia, hipomagnesemia e hipocalcemia devem ser monitorizadas e corrigidas, se necessário, antes do início da terapêutica com voriconazol e durante o período de tratamento.

Foi realizado um estudo com voluntários saudáveis em que foi avaliado o efeito no intervalo QT do tratamento com voriconazol, em dose única, com uma dose diária 4 vezes superior à dose recomendada.

Em nenhum indivíduo se excedeu o limite potencialmente relevante, do ponto de vista clínico, de 500 mseg.


Toxicidade hepática
Nos ensaios clínicos, houve casos pouco frequentes de reações hepáticas graves durante a terapêutica com voriconazol (nomeadamente hepatite clínica, colestase e afeção hepática fulminante, incluindo morte).

Foram registados casos de reações hepáticas principalmente em doentes com situações clínicas graves subjacentes (predominantemente com doença hematológica maligna).

Ocorreram reações hepáticas transitórias, incluindo hepatite e icterícia, em doentes sem outros fatores de risco identificados.

A disfunção hepática foi habitualmente reversível com a descontinuação da terapêutica.

Monitorização da função hepática
Os doentes em tratamento com voriconazol devem ser cuidadosamente monitorizados para a toxicidade hepática.

O controlo clínico deve incluir a avaliação laboratorial da função hepática (mais especificamente da AST e da ALT) no início do tratamento com voriconazol e, no mínimo, semanalmente durante o primeiro mês de tratamento.

A duração do tratamento deve ser o mais curto possível; no entanto, se a avaliação benefício/risco determinar a continuação do mesmo, a frequência da monitorização pode ser reduzida a mensal caso não ocorram alterações nos testes de função hepática.


Se os resultados dos testes da função hepática se tornarem acentuadamente elevados, o tratamento com voriconazol deve ser descontinuado, a menos que a avaliação médica do benefício/risco do tratamento para o doente justifique a continuação da sua utilização.

A monitorização da função hepática deve ser realizada em crianças e adultos.

Reações adversas visuais
Tem havido notificações de reações adversas visuais prolongadas, incluindo visão turva, neurite ótica e edema da papila.


Reações adversas renais
Foi observado compromisso renal agudo em doentes em estado grave submetidos a terapêutica com voriconazol.

É provável que os doentes a receberem tratamento com voriconazol estejam a ser tratados concomitantemente com medicamentos nefrotóxicos e possuam situações concomitantes que possam conduzir a uma diminuição da função renal.


Monitorização da função renal
Recomenda-se que os doentes sejam monitorizados quanto ao desenvolvimento de uma função renal anómala.

A monitorização deve incluir avaliação laboratorial, particularmente da creatinina sérica.


Monitorização da função pancreática
Doentes, especialmente crianças, com fatores de risco para pancreatite aguda (por ex., quimioterapia recente, transplante de células estaminais hematopoiéticas [HSCT]), devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento com Voriconazol.

A monitorização da amilase ou lipase séricas pode ser considerada nesta situação clínica.


Reações adversas dermatológicas
Durante a terapêutica com voriconazol os doentes desenvolveram raramente reações cutâneas esfoliativas tal como a síndrome de Stevens-Johnson.

Se os doentes desenvolverem um exantema, devem ser atentamente monitorizados e Voriconazol descontinuado se as lesões progredirem.


Adicionalmente, o voriconazol tem sido associado a reações de fototoxicidade e pseudoporfíria.

Recomenda-se que todos os doentes, especialmente as crianças, evitem a exposição solar intensa ou prolongada durante o tratamento com Voriconazol Mylan e que adotem medidas tais como o uso de vestuário protetor e protetor solar com elevado fator de proteção (FPS).

Tratamento de longa duração
Os seguintes acontecimentos adversos graves foram notificados em relação ao tratamento de longa duração com voriconazol; pelo que os médicos devem considerar a necessidade de limitar a exposição ao voriconazol:

Tem sido notificado carcinoma espinocelular em doentes.

Alguns destes doentes já tinham notificado reações de fototoxicidade prévias.

Se ocorrerem reações de fototoxicidade, deve ser solicitada uma avaliação multidisciplinar e o doente deve ser referenciado para a dermatologia.

A interrupção de Voriconazol deve ser considerada.

Deve ser realizada uma avaliação dermatológica de forma sistemática e regular, sempre que o tratamento com Voriconazol se mantenha apesar da ocorrência de lesões relacionadas com fototoxicidade, para permitir a deteção e tratamento precoces de lesões pré-cancerosas.

Voriconazol deve ser interrompido se forem identificadas lesões cutâneas pré-cancerosas ou carcinoma espinocelular.

Tem sido notificada periostite não-infeciosa com níveis elevados de fluoreto e fosfatase alcalina em doentes transplantados.

Se um doente desenvolver dor óssea e apresentar achados radiológicos compatíveis com periostite, deve considerar-se a interrupção de Voriconazol Mylan após avaliação multidisciplinar.


População pediátrica
A segurança e a eficácia em doentes pediátricos com idade inferior a dois anos não foram estabelecidas.

O voriconazol está indicado em doentes pediátricos com idade igual ou superior a dois anos.

A função hepática deve ser monitorizada nas crianças e nos adultos.

A biodisponibilidade oral pode ser limitada em doentes pediátricos com idades dos 2 aos <12 anos com má absorção e muito baixo peso corporal para a idade.

Nesse caso, é recomendada a administração de voriconazol intravenoso.


Fenitoína (substrato do CYP2C9 e potente indutor do CYP450)
Recomenda-se a monitorização cuidadosa das concentrações de fenitoína, quando esta é coadministrada com o voriconazol.

O uso concomitante de voriconazol e fenitoína deve ser evitado, a menos que o benefício compense o risco.


Efavirenz (indutor do CYP450; inibidor e substrato do CYP3A4)
Quando o voriconazol é coadministrado com o efavirenz, a dose de voriconazol deve ser aumentada para 400 mg, em intervalos de 12 horas, e a dose de efavirenz deverá ser diminuída para 300 mg, em intervalos de 24 horas.


Rifabutina (potente indutor do CYP450)
Recomenda-se a monitorização cuidadosa da contagem dos elementos figurados no sangue total e das reações adversas da rifabutina (por exemplo uveíte), quando esta é coadministrada com voriconazol.

O uso concomitante de voriconazol e rifabutina deve ser evitado, a menos que o benefício compense o risco.


Ritonavir (indutor potente do CYP450; inibidor e substrato do CYP3A4)

Deve ser evitada a coadministração de voriconazol e doses baixas de ritonavir (100 mg duas vezes por dia) a não ser que a avaliação benefício/risco para o doente justifique a utilização de voriconazol.


Everolímus (substrato do CYP3A4, substrato gp-P)
Não se recomenda a coadministração de voriconazol com everolímus uma vez que é expectável que o voriconazol aumente significativamente as concentrações de everolímus.

Atualmente não existem dados suficientes para permitir recomendações de dose nesta situação.


Metadona (substrato do CYP3A4)
Recomenda-se monitorização frequente das reações adversas e toxicidade relacionadas com a metadona, incluindo o prolongamento do intervalo QTc, quando esta é coadministrada com voriconazol, uma vez que se verifica um aumento dos níveis de metadona após coadministração com voriconazol.

Poderá ser necessário reduzir a dose de metadona.

Opiáceos de curta ação (substratos do CYP3A4)
Deve ser considerada a redução na dose do alfentanilo, fentanilo e outros opiáceos de curta ação com estrutura semelhante à do alfentanilo e metabolizados pelo CYP3A4 (por exemplo, sufentanilo), quando administrados concomitantemente com voriconazol.

Uma vez que a semivida do alfentanilo é prolongada em cerca de 4 vezes, quando coadministrado com voriconazol, e num estudo independente publicado, o uso concomitante de voriconazol com fentanilo resultou num aumento da AUC0-∞ média do fentanilo, pode ser necessário uma monitorização frequente das reações adversas relacionadas com os opiáceos (incluindo prolongar o período de monitorização respiratória).


Opiáceos de ação prolongada (substratos do CYP3A4)
Deve ser considerada a redução da dose da oxicodona e outros opiáceos de ação prolongada metabolizados pelo CYP3A4 (por exemplo, hidrocodona) quando coadministrados com voriconazol.

Pode ser necessária a monitorização frequente das reações adversas relacionadas com os opiáceos.

Fluconazol (inibidor do CYP2C9, CYP2C19 e CYP3A4)
A coadministração oral de voriconazol e fluconazol resultou num aumento significativo na Cmax e AUCτ de voriconazol em indivíduos saudáveis.

Não foi estabelecida a redução e/ou a frequência da dose de voriconazol e fluconazol que poderia eliminar este efeito.

Recomenda-se a monitorização das reações adversas associadas ao voriconazol, se o mesmo é usado sequencialmente após o fluconazol.
Cuidados com a Dieta
Tome o seu comprimido pelo menos uma hora antes, ou uma hora após uma refeição.
Terapêutica Interrompida
É importante tomar Voriconazol comprimidos regularmente, à mesma hora todos os dias.

Se se esqueceu de tomar uma dose, tome a próxima dose na altura devida.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.


Comprimidos:
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.


Injetável:
Uma vez reconstituído, Voriconazol deve ser utilizado imediatamente mas, se necessário, pode ser conservado até 24 horas a 2°C-8°C (no frigorífico).


Pó para suspensão oral:
Conservar a 2°C-8°C (no frigorífico) antes da reconstituição.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antifúngicos (Azol) + Voriconazol

Observações: Inibição do CYP3A4 (itraconazol = cetoconazol > fluconazol, voriconazol). Inibição do CYP269 (fluconazol, voriconazol). Susceptibilidade a indutores enzimáticos (itraconazol, cetoconazol, voriconazol). Absorção gastrintestinal dependente do pH (itraconazol, cetoconazol). Inibição da glicoproteína-P (itraconazol, cetoconazol).
Interações: Fenobarbital: aumento do metabolismo do cetoconazol, itraconazol, voriconazol - Voriconazol - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etoricoxib + Voriconazol

Observações: Com base em estudos in vitro, não é de se esperar que o etoricoxib iniba os citocromos P450 (CYP) 1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Num estudo com indivíduos saudáveis, a administração diária de etoricoxib 120 mg não alterou a atividade hepática da CYP3A4, conforme avaliado pelo teste respiratório da eritromicina. A via principal do metabolismo do etoricoxib depende das enzimas CYP. A CYP3A4 parece contribuir para o metabolismo do etoricoxib in vivo. Estudos in vitro indicam que a CYP2D6, CYP2C9, CYP1A2 e CYP2C19 também conseguem catalisar a via metabólica principal, mas os seus papéis quantitativos não foram estudados in vivo.
Interações: A coadministração de voriconazol oral ou de miconazol gel oral tópico, inibidores fortes da CYP3A4, com etoricoxib causou um aumento ligeiro da exposição ao etoricoxib, mas não se considera que o mesmo seja clinicamente significativo com base nos dados publicados. - Voriconazol
Usar com precaução

Ibuprofeno + Voriconazol

Observações: O ibuprofeno é um substrato do CYP2C9.
Interações: Deve ser considerada uma redução na dose de ibuprofeno quando inibidores do CYP2C9 são administrados concomitantemente, particularmente quando doses altas de ibuprofeno são administradas com voriconazol ou com fluconazol. - Voriconazol
Usar com precaução

Isradipina + Voriconazol

Observações: A isradipina não parece inibir as enzimas do citocromo P450, em particular CYP3A4, numa extensão clínica significativa. A ingestão concomitante de sumo de toranja pode aumentar a biodisponibilidade da isradipina.
Interações: A coadministração de Isradipina com antifúngicos azóis (por exemplo, cetoconazol, itraconazol, voriconazol) deve ser feita com precaução. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Anidulafungina + Voriconazol

Observações: A anidulafungina não é um substrato indutor ou inibidor clinicamente relevante das isoenzimas do citocromo P450 (1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 3A). De notar que os estudos in vitro não excluem por completo a possibilidade de interações in vivo. Foram realizados estudos de interação medicamentosa com a anidulafungina e outros fármacos passíveis de serem coadministrados. Apenas foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Não é recomendado o ajuste da dose de nenhum dos fármacos quando a anidulafungina é coadministrada com a ciclosporina, voriconazol ou tacrolimus, e não é recomendado ajuste da dose de anidulafungina quando é coadministrada com anfotericina B ou rifampicina. - Voriconazol
Usar com precaução

Bosentano + Voriconazol

Observações: Bosentano é um indutor dos isoenzimas do citocromo P450 (CYP), CYP2C9 e CYP3A4. Dados in vitro sugerem também a indução de CYP2C19. Consequentemente, as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estes isoenzimas estarão diminuídas com a administração concomitante de Bosentano. Deve ser considerada a possibilidade de uma alteração na eficácia dos medicamentos metabolizados por estes isoenzimas. A posologia destes produtos poderá ter de ser ajustada após o início do tratamento, uma alteração da dose de Bosentano ou interrupção do tratamento concomitante de Bosentano. Bosentano é metabolizado por CYP2C9 e CYP3A4. A inibição destes isoenzimas pode aumentar a concentração plasmática de bosentano.
Interações: Não se recomenda esta combinação. Não se recomenda a administração concomitante de um inibidor potente de CYP3A4 (tal como cetoconazol, itraconazol ou ritonavir) e de um inibidor de CYP2C9 (tal como voriconazol) juntamente com Bosentano. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cinacalcet + Voriconazol

Observações: Cinacalcet é metabolizado em parte pela enzima CYP3A4. Dados in vitro indicam que o cinacalcet é em parte metabolizado pela CYP1A2. Cinacalcet é um potente inibidor da CYP2D6.
Interações: A administração concomitante de 200 mg duas vezes ao dia de cetoconazol, um potente inibidor da CYP3A4, causou um aumento aproximado de 2 vezes nos níveis do cinacalcet. Pode ser necessário um ajuste da dose de Cinacalcet se um doente a fazer Cinacalcet iniciar ou suspender o tratamento com um potente inibidor (ex: cetoconazol, itraconazol, telitromicina, voriconazol, ritonavir) ou indutor (ex: rifampicina) desta enzima. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Micafungina + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: A micafungina tem um baixo potencial de interação com medicamentos metabolizados pelas vias mediadas pelo CYP3A. Foram realizados estudos de interação medicamentosa em seres humanos saudáveis para avaliar o potencial de interação entre a micafungina e micofenolato de mofetil, ciclosporina, tacrolímus, prednisolona, sirolímus, nifedipina, fluconazol, ritonavir, rifampicina, itraconazol, voriconazol e anfotericina B. Nestes estudos, não foi observada prova de alteração da farmacocinética da micafungina. Não são necessários ajustes da dose quando estes medicamentos são administrados concomitantemente. - Voriconazol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Inibidores do CYP2C19

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Inibidores do CYP2C19
Não recomendado/Evitar

Trastuzumab emtansina + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação. Estudos in vitro do metabolismo em microssomas hepáticos humanos sugerem que o DM1, um componente de trastuzumab emtansina, é metabolizado essencialmente pelo CYP3A4 e, em menor extensão, pelo CYP3A5.
Interações: O uso concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 (por exemplo, cetoconazol, itraconazol, claritromicina, atazanavir, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina e voriconazol) com trastuzumab emtansina deve ser evitado devido ao potencial para um aumento na exposição ao DM1 e toxicidade. Considerar um medicamento alternativo sem potencial, ou potencial reduzido, para inibir o CYP3A4. Se for inevitável o uso concomitante com inibidores potentes do CYP3A4, considerar, quando possível, o adiamento do tratamento com trastuzumab emtansina até os inibidores potentes do CYP3A4 terem sido eliminados da circulação (aproximadamente 3 semividas de eliminação dos inibidores). Se se coadministrar um inibidor potente do CYP3A4 e não se puder adiar o tratamento com trastuzumab emtansina, os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados quanto ao aparecimento de reações adversas. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Esomeprazol + Voriconazol

Observações: A supressão do ácido gástrico durante o tratamento com esomeprazol e outros IBPs poderá reduzir ou aumentar a absorção de medicamentos com uma absorção gástrica pH-dependente. O esomeprazol inibe o CYP2C19, a principal enzima metabolizadora do esomeprazol. O omeprazol tal como o esomeprazol atuam como inibidores do CYP2C19. O esomeprazol é metabolizado pelo CYP2C19 e CYP3A4.
Interações: O omeprazol (40 mg uma vez por dia) resultou num aumento na Cmáx e AUC até 15% e 41%, respetivamente, de voriconazol (um substrato do CYP2C19). A administração concomitante de esomeprazol e um inibidor combinado do CYP2C19 e CYP3A4, pode resultar em mais do que uma duplicação da exposição ao esomeprazol. O voriconazol, inibidor do CYP2C19 e CYP3A4, aumentou a AUCt de omeprazol em 280%. Um ajuste posológico de esomeprazol não é normalmente necessário em nenhuma destas situações. Contudo, deverá ser considerado um ajuste posológico em doentes com compromisso hepático grave e no caso de tratamento prolongado. - Voriconazol
Usar com precaução

Alfentanilo + Voriconazol

Observações: O alfentanilo é metabolizado principalmente por via da enzima 3A4 do citocromo P450.
Interações: Os dados de farmacocinética humana indicam que o metabolismo do alfentanilo pode ser inibido pelo fluconazol, voriconazol, eritromicina, diltiazem e cimetidina (conhecidos inibidores da enzima 3A4 do citocromo P450). Isto pode aumentar o risco de depressão respiratória prolongada ou tardia. A administração simultânea de tais fármacos exige cuidado e observação especial do doente; em particular pode ser necessário reduzir a dose de Alfentanilo. Geralmente, recomenda-se a interrupção da administração de inibidores da monoaminoxidase duas semanas antes de qualquer intervenção cirúrgica ou anestésica. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Alprazolam + Voriconazol

Observações: As interações farmacocinéticas podem ocorrer quando o alprazolam é administrado concomitantemente com compostos que inibem a enzima hepática CYP3A4, aumentando os níveis plasmáticos de alprazolam.
Interações: Inibidores da CYP3A4: Antimicóticos: O uso concomitante de itraconazol, cetoconazol, posaconazol, voriconazol e outros agentes antifúngicos do tipo azol (inibidores potentes do CYP3A4) não é recomendado. Deve ter-se um cuidado particular e uma redução substancial da dose no caso de utilização simultânea de inibidores de CYP3A4 tais como os inibidores da protease do VIH, fluoxetina, dextropropoxifeno, contracetivos orais, sertralina, diltiazem ou antibióticos macrólidos, tais como eritromicina, claritromicina, telitromicina e troleandomicina. O itraconazol, um potente inibidor de CYP3A4, aumenta a AUC e prolonga o tempo de semivida do alprazolam. Num estudo em que os voluntários saudáveis receberam 200 mg/ dia de itraconazol e 0,8 mg de alprazolam, a AUC foi aumentada 2-3 vezes, e o tempo de semivida foi prolongada para cerca de 40 horas. Também foram observadas alterações na função psicomotora afetada pelo alprazolam. O itraconazol pode aumentar os efeitos depressores do SNC de alprazolam e assim como retirar o itraconazol pode atenuar a eficácia terapêutica do alprazolam. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Cabazitaxel + Voriconazol

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel. - Voriconazol
Usar com precaução

Codergocrina + Voriconazol

Observações: Os componentes do mesilato de codergocrina são substratos e inibidores da CYP3A4.
Interações: É portanto necessária prudência quando se utilizar mesilato de codergocrina simultaneamente com inibidores potentes da CYP3A4: antifúngicos azólicos (ex.: cetoconazol, itraconazol, voriconazol) - uma vez que a exposição à codergocrina poderá aumentar e tornar-se exageradamente elevada, induzindo desse modo efeitos predominantemente dopaminérgicos. - Voriconazol
Usar com precaução

Docetaxel + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Em caso de combinação com inibidores do CYP3A4, a ocorrência de reacções adversas ao docetaxel pode aumentar, como resultado do metabolismo reduzido. Se a utilização concomitante de um inibidor forte do CYP3A4 (por exemplo, cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina e voriconazol) não puder ser evitada, é recomendada uma monitorização clínica e um ajuste da dose de docetaxel durante o tratamento com o inibidor forte do CYP3A4. Num estudo farmacocinético com 7 doentes, a co-administração de docetaxel com o inibidor forte do CYP3A4 cetoconazol leva a uma diminuição significativa da depuração do docetaxel de 49%. - Voriconazol
Usar com precaução

Ivacaftor + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. O ivacaftor é um substrato da CYP3A4 e da CYP3A5. É um inibidor fraco das CYP3A e da P-gp e um inibidor potencial da CYP2C9. O ivacaftor é um substrato sensível das CYP3A.
Interações: A coadministração com cetoconazol, um inibidor potente das CYP3A, aumentou 8,5 vezes a exposição ao ivacaftor (determinada como a área sob a curva [ AUC ] ) e aumentou o hidroximetil - ivacaftor ( M1) numa extensão inferior ao ivacaftor. Recomenda-se uma diminuição da dose do Ivacaftor para 150 mg duas vezes por semana durante a coadministração com inibidores potentes das CYP3A, como o cetoconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol, telitromicina e claritromicina. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Gefitinib + Voriconazol

Observações: O metabolismo de gefitinib faz-se via citocromo P450 isoenzima CYP3A4 (predominantemente) e via CYP2D6. Substâncias ativas que podem aumentar as concentrações plasmáticas de gefitinib Estudos in vitro demonstraram que gefitinib é um substrato da glicoproteína-p (gpP). Os dados disponíveis não sugerem qualquer consequência clínica em relação a este efeito in vitro. As substâncias que inibem o CYP3A4 podem diminuir a depuração de gefitinib.
Interações: A administração concomitante com inibidores potentes da atividade do CYP3A4 (por exemplo, cetoconazol, posaconazol, voriconazol, inibidores da protease, claritromicina, telitromicina) podem aumentar as concentrações plasmáticas de gefitinib. O aumento pode ser clinicamente relevante uma vez que as reações adversas estão relacionadas com a dose e exposição. O aumento pode ser superior em doentes individuais com genótipo metabolizador fraco do CYP2D6. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imatinib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Substâncias ativas que podem aumentar as concentrações plasmáticas de imatinib: As substâncias que inibem a atividade da isoenzima CYP3A4 do citocromo P450 (por ex. inibidores da protease tais como indinavir, lopinavir/ritonavir, ritonavir, saquinavir, telaprevir, nelfinavir, boceprevir; antifúngicos azois incluindo cetoconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol; alguns macrólidos tais como eritromicina, claritromicina e telitromicina ) podem diminuir o metabolismo e aumentar as concentrações de imatinib. Houve um aumento significativo na exposição ao imatinib (a Cmax e a AUC médias do imatinib aumentaram em 26% e 40%, respetivamente) em indivíduos saudáveis quando ele foi coadministrado com uma dose única de cetoconazole (um inibidor da CYP3A4). Devem ser tomadas precauções quando se administra imatinib com inibidores da família da CYP3A4. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Lapatinib + Voriconazol

Observações: O lapatinib é predominantemente metabolizado pelo CYP3A.
Interações: Deve evitar-se a administração concomitante de Lapatinib com inibidores potentes do CYP3A4 (p.ex. ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, nefazodona). - Voriconazol
Usar com precaução

Omeprazol + Voriconazol

Observações: A diminuição da acidez intragástrica durante o tratamento com omeprazol pode aumentar ou diminuir a absorção de substâncias activas com uma absorção dependente do pH gástrico.
Interações: Como o omeprazol é metabolizado por CYP2C19 e CYP3A4, as substâncias activas que inibem a CYP2C19 ou CYP3A4 (tais como a claritromicina e voriconazol) podem levar a um aumento dos níveis séricos de omeprazol, por diminuir a taxa de metabolismo do omeprazol. O tratamento concomitante com voriconazol resultou numa exposição ao omeprazol superior ao dobro. Uma vez que altas doses de omeprazol têm sido bem toleradas, o ajuste da dose de omeprazol geralmente não é necessário. No entanto, deve considerar-se o ajuste da dose em doentes com compromisso hepático grave e se estiver indicado um tratamento a longo prazo. - Voriconazol
Contraindicado

Ranolazina + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: A ranolazina é um substrato do citocromo CYP3A4. Os inibidores do CYP3A4 aumentam as concentrações plasmáticas de ranolazina. A possibilidade de ocorrência de episódios adversos relacionados com a dose (p.ex. náuseas, tonturas) pode também aumentar com o aumento das concentrações plasmáticas. O tratamento concomitante com 200 mg de cetoconazol duas vezes ao dia aumentou a AUC da ranolazina em 3,0 – 3,9 vezes durante o tratamento com ranolazina. A associação de ranolazina a inibidores potentes do CYP3A4 (p.ex. itraconazol, cetoconazol, voriconazol, posaconazol, inibidores da protease do VIH, claritromicina, telitromicina, nefazodona) está contraindicada. O sumo de toranja também é um inibidor potente do CYP3A4. O diltiazem (180 a 360 mg uma vez ao dia), um inibidor do CYP3A4 moderadamente potente, causa um aumento dependente da dose das concentrações médias em estado estacionário da ranolazina de 1,5 a 2,4 vezes. Recomenda-se o ajustamento cuidadoso da dosagem de Ranolazina em doentes tratados com diltiazem e outros inibidores do CYP3A4 de potência moderada (p.ex. eritromicina, fluconazol). Pode ser necessário reduzir a posologia de Ranolazina. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Rivaroxabano + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: A coadministração de rivaroxabano com cetoconazol (400 mg uma vez ao dia) ou ritonavir (600 mg duas vezes ao dia) originou um aumento de 2,6 vezes/ 2,5 vezes da média da AUC do rivaroxabano e um aumento de 1,7 vezes/ 1,6 vezes da média da Cmax do rivaroxabano, com aumentos significativos nos efeitos farmacodinâmicos o que pode originar um risco aumentado de hemorragia. Deste modo, a utilização de Rivaroxabano não é recomendada em doentes submetidos a tratamento sistémico concomitante com antimicóticos azólicos tais como cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol ou inibidores da protease do VIH. Estas substâncias ativas são potentes inibidores do CYP3A4 e da gp-P. - Voriconazol
Usar com precaução

Vemurafenib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Os estudos in vitro sugerem que o metabolismo pelo CYP3A4 e a glucoronidação são responsáveis pelo metabolismo de vemurafenib. A excreção biliar aparenta ser outra via de eliminação importante. Não existem dados clínicos disponíveis que demonstrem o efeito de indutores ou inibidores potentes do CYP3A4 e/ou a atividade de proteínas transportadoras na exposição ao vemurafenib. O vemurafenib deve ser utilizado com precaução em combinação com inibidores potentes do CYP3A4, glucoronidação e/ou proteínas transportadoras (por exemplo, ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, nefazodona, atazanavir). - Voriconazol
Usar com precaução

Ponatinib + Voriconazol

Observações: Ponatinib é metabolizado por CYP3A4. Substratos de transporte In vitro, o ponatinib é um inibidor de P-gp e BCRP. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Deve ter-se cuidado e deve considerar-se uma redução da dose inicial de ponatinib para 30 mg com a utilização simultânea de inibidores de CYP3A fortes tais como claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, troleandomicina, voriconazol, e sumo de toranja. - Voriconazol
Usar com precaução

Dabrafenib + Voriconazol

Observações: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Tomar precauções se forem coadministrados inibidores fortes (por ex., cetoconazol, gemfibrozil, nefazodona, claritromicina, ritonavir, saquinavir, telitromicina, itraconazol, voriconazol, posaconazol, atazanavir) com dabrafenib. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Demonstrou-se que os inibidores potentes da CYP3A4 causam um aumento marcado das concentrações de atorvastatina. A coadministração de inibidores potentes da CYP3A4 (p. ex., ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores da protease do VIH, incluindo o ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc.) deve ser evitada se possível. Nos casos em que não se pode evitar a coadministração destes medicamentos com a atorvastatina, aconselha-se a monitorização clínica apropriada do doente. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Palbociclib + Voriconazol

Observações: Palbociclib é metabolizado principalmente pela CYP3A e pela SULT2A1, uma enzima da família das sulfotransferases (SULT). In vivo, palbociclib é um inibidor fraco e dependente do tempo da CYP3A.
Interações: A utilização concomitante de inibidores fortes da CYP3A incluindo, entre outros: claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, lopinavir/ritonavir, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, saquinavir, telaprevir, telitromicina, voriconazol e toranja ou sumo de toranja, deve ser evitada. - Voriconazol
Contraindicado

Venetoclax + Voriconazol

Observações: Venetoclax é metabolizado predominantemente pelo CYP3A.
Interações: Agentes que podem aumentar as concentrações plasmáticas de venetoclax: Inibidores do CYP3A: A coadministração de cetoconazol 400 mg uma vez por dia, um inibidor forte do CYP3A, gp-P e BCRP, durante 7 dias em 11 doentes aumentou em 2,3 vezes a Cmax e em 6,4 vezes a AUC∞ de venetoclax. Estima-se que a coadministração de venetoclax com outros inibidores fortes do CYP3A4 aumente a AUC de venetoclax em média 5,8- a 7,8- vezes. A utilização concomitante de venetoclax com inibidores fortes do CYP3A (p. ex. cetoconazol, ritonavir, claritromicina, itraconazol, voriconazol, posaconazol) no início e durante a fase de titulação da dose é contraindicada devido ao risco aumentado de SLT. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Amlodipina + Atorvastatina + Voriconazol

Observações: Os dados de um estudo de interação fármaco-fármaco que envolveu 10 mg de amlodipina e 80 mg de atorvastatina em indivíduos saudáveis indicam que a farmacocinética da amlodipina não é alterada quando os fármacos são coadministrados. Não foi demonstrado nenhum efeito da amlodipina na Cmáx da atorvastatina, mas a AUC da atorvastatina aumentou 18% (IC 90% [109-127%]) na presença de amlodipina. Não foi realizado nenhum estudo de interação medicamentosa com a associação fixa de amlodipina e atorvastatina e outros fármacos, embora tenham sido realizados estudos com os componentes individuais amlodipina e atorvastatina.
Interações: Interações relacionadas com a ATORVASTATINA: Inibidores da CYP3A4: Foi demonstrado que os inibidores potentes da CYP3A4 conduzem a concentrações de atorvastatina acentuadamente aumentadas. Se possível, a coadministração de inibidores potentes da CYP3A4 (p.ex. ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores da protease do VIH, incluindo ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc.) deverá ser evitada. Nos casos em que a coadministração desses medicamentos com atorvastatina não puder ser evitada, deverão ser consideradas doses iniciais e máximas de atorvastatina mais baixas e é recomendada uma monitorização clínica apropriada do doente. - Voriconazol
Usar com precaução

Diclofenac + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: As interações potencialmente perigosas ocorrem com: Inibidores potentes do CYP2C9: É recomendada precaução ao prescrever simultaneamente diclofenac e inibidores potentes do CYP2C9 (como a sulfinpirazona e o voriconazole), que pode resultar num aumento significativo no pico de concentração plasmática e da exposição ao diclofenac devido à inibição do metabolismo do diclofenac. Registou-se a ocorrência de insuficiência renal aguda na administração concomitante com triamtereno. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Metilergometrina + Voriconazol

Observações: Os alcaloides da cravagem do centeio são substratos do CYP3A4.
Interações: Interações que levam a que a utilização concomitante não seja recomendada: Inibidores do CYP3A4: A utilização concomitante de Metilergometrina com inibidores potentes do CYP3A4, como os antibióticos da classe dos macrólidos (p.ex. troleandomicina, eritromicina, claritromicina), inibidores da transcriptase reversa ou da protease do VIH (p.ex. ritonavir, indinavir, nelfinavir, delavirdine) ou antifúngicos da classe dos azóis (p.ex. cetoconazol, itraconazol, voriconazol), deve ser evitada, pois esta pode levar a uma elevada exposição à metilergometrina e a toxicidade da cravagem do centeio (vasoespasmo ou isquémia das extremidades ou outros tecidos). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Mesilato de di-hidroergotamina + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: O uso concomitante de inibidores do citocromo P450 3A(CYP3A) tais como, antibióticos macrólidos (por exemplo, eritromicina, troleandomicina, claritromicina), inibidores da protease na terapêutica do VIH e da transcriptase reversa (por exemplo, ritonavir, indinavir, nelfinavir, delavirdine) ou antifúngicos azóis (por exemplo, cetoconazole, itraconazol, voriconazole) com Mesilato de di-hidroergotamina tem de ser evitado, pois pode resultar numa exposição elevada à dihidroergotamina e a toxicidade causada pela ergotamina (vasoespasmo e isquémia das extremidades e de outros tecidos). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Apixabano + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP3A4 e da P-gp: A coadministração de apixabano com cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente da CYP3A4 e da P-gp, provocou um aumento de 2 vezes na AUC média do apixabano e um aumento de 1,6 vezes na Cmax média do apixabano. A utilização de Apixabano não é recomendada em doentes a receber tratamento sistémico concomitante com inibidores potentes da CYP3A4 e da P-gp, tais como antimicóticos azólicos (por exemplo, cetoconazol, itraconazol, voriconazol e posaconazol) e inibidores da protease do VIH (por exemplo, ritonavir). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Atorvastatina + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores do CYP3A4: Foi demonstrado que os inibidores potentes do CYP3A4 conduzem a um aumento acentuado da concentração de atorvastatina. A administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 (por exemplo, ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores das proteases do VIH incluindo ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc.) se possível, devem ser evitadas. Nos casos em que a administração concomitante de atorvastatina com estes medicamentos não pode ser evitada, devem ser consideradas doses iniciais e máximas mais baixas e recomenda-se uma adequada monitorização clínica destes doentes. - Voriconazol
Usar com precaução

Aprepitant + Voriconazol

Observações: O aprepitant é um substrato e um inibidor, dependente da dose e um indutor do CYP3A4. O aprepitant é também um indutor do CYP2C9. Durante o tratamento, o aprepitant na dose única de 40 mg recomendada para a náusea e vómito no pós-operatório resulta numa inibição fraca do CYP3A4. Após o tratamento, o Aprepitant causa uma indução ligeira transitória do CYP2C9, CYP3A4 e da glucuronidação. O aprepitant também foi estudado em doses superiores. Durante o tratamento da náusea e vómito induzidos pela quimioterapia (NVIQ), o aprepitant no esquema terapêutico de 3 dias de 125 mg/80 mg é um inibidor moderado do CYP3A4. O aprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interação entre o aprepitant por via oral com a digoxina.
Interações: A administração concomitante de Aprepitant com substâncias ativas que inibam a atividade do CYP3A4 (ex. cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, claritromicina, telitromicina, nefazodona e inibidores da protease) deve ser feita de forma cuidadosa, uma vez que é esperado que da associação resulte um grande aumento das concentrações plasmáticas de aprepitant. - Voriconazol
Usar com precaução

Fluindiona + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de utilização: Fluconazol, itraconazol, voriconazol: Efeito aumentado de anticoagulantes orais e risco de hemorragia. Monitorização mais frequente do INR. Se ajustar a dosagem de anticoagulante oral durante o tratamento com o azole e 8 dias depois de sua interrupção. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Lumacaftor + Ivacaftor + Voriconazol

Observações: O lumacaftor é um indutor potente das CYP3A e o ivacaftor é um inibidor fraco das CYP3A, quando administrados em monoterapia. Existe a possibilidade de outros medicamentos afetarem lumacaftor/ivacaftor quando administrados concomitantemente, assim como de lumacaftor/ivacaftor afetar outros medicamentos.
Interações: Itraconazol*, cetoconazol, posaconazol, voriconazol: Não se recomendam ajustes posológicos de lumacaftor/ivacaftor quando estes antifúngicos são iniciados em doentes a tomar lumacaftor/ivacaftor. A dose de lumacaftor/ivacaftor deve ser reduzida para um comprimido por dia durante a primeira semana de tratamento quando se inicia lumacaftor/ivacaftor em doentes a tomar estes antifúngicos. A utilização concomitante de lumacaftor/ivacaftor com estes antifúngicos não é recomendada. Os doentes devem ser monitorizados regularmente para deteção do reaparecimento de infeções fúngicas se estes medicamentos forem necessários. Lumacaftor/ivacaftor pode diminuir as exposições destes antifúngicos, o que pode reduzir a sua eficácia. * Com base em estudos de interações clínicas entre medicamentos. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Rupatadina + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos e adolescentes (com mais de 12 anos) com rupatadina 10 mg comprimidos.
Interações: A administração concomitante com inibidores potentes do CYP3A4 (ex. itraconazol, cetoconazol, voriconazol, posaconazol, inibidores da protease do VIH, claritromicina, nefazodona) deve ser evitada e a administração concomitante com inibidores moderados do CYP3A4 (eritromicina, fluconazol, diltiazem) deve ser realizada com precaução. A administração concomitante de 20 mg de rupatadina e cetoconazol ou eritromicina aumenta a exposição sistémica à rupatadina 10 e 2-3 vezes respetivamente. Estas modificações não foram associadas a um efeito no intervalo QT ou a um aumento das reações adversas em comparação com a administração separada dos fármacos. - Voriconazol
Usar com precaução

Ruxolitinib + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Ruxolitinib é eliminado através de metabolismo catalisado por CYP3A4 e CYP2C9. Assim, os medicamentos que inibem estas enzimas podem dar origem a um aumento da exposição a ruxolitinib.
Interações: Inibidores da CYP3A4: Inibidores potentes da CYP3A4 (tais como, mas não limitados a, boceprevir, claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, lopinavir/ritonavir, ritonavir, mibefradil, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, saquinavir, telaprevir, telitromicina, voriconazol). Em indivíduos saudáveis a administração concomitante de Ruxolitinib (dose única 10 mg) com um inibidor potente da CYP3A4, cetoconazol, resultou em Cmax e AUC de ruxolitinib mais elevadas em 33% e 91%, respetivamente, do que de ruxolitinib isoladamente. A semivida foi prolongada de 3,7 para 6,0 horas com administração concomitante de cetoconazol. Quando Ruxolitinib é administrado com inibidores potentes da CYP3A4 a dose unitária de Ruxolitinib deve ser reduzida em aproximadamente 50%, para administração duas vezes por dia. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados (p. ex. duas vezes por semana) para identificação de citopenias e a dose ajustada com base na segurança e eficácia. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Bosutinib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP3A: A utilização concomitante de bosutinib com inibidores potentes (por exemplo, ritonavir, indinavir, nelfinavir, saquinavir, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, troleandomicina, claritromicina, telitromicina, boceprevir, telaprevir, mibefradil, nefazodona, conivaptan, produtos à base de toranja incluindo sumo de toranja) ou moderados (por exemplo, fluconazol, darunavir, eritromicina, diltiazem, dronedarona, atazanavir, aprepitant, amprenavir, fosamprenavir, imatinib, verapamil, tofisopam, ciprofloxacina) da CYP3A deve ser evitada, devido à ocorrência de um aumento na concentração plasmática do bosutinib. Deve-se ter cuidado no caso de uma utilização concomitante de inibidores ligeiros da CYP3A com bosutinib. Se possível, recomenda-se um medicamento concomitante alternativo sem ou com um mínimo de potencial de inibição da enzima CYP3A. Se for necessário administrar um inibidor potente ou moderado da CYP3A durante o tratamento com Bosutinib, deve-se considerar a interrupção da terapêutica com Bosutinib ou uma redução da dose de Bosutinib. Num estudo realizado com 24 indivíduos saudáveis a quem foram administradas cinco doses diárias de 400 mg de cetoconazol concomitantemente com uma única dose de 100 mg de bosutinib em jejum, o cetoconazol aumentou a Cmax do bosutinib em 5,2 vezes e a AUC do bosutinib no plasma em 8,6 vezes, em comparação com a administração isolada de bosutinib. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Budesonida + Formoterol + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores potentes do CYP3A4 (por exemplo, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, claritromicina, telitromicina, nefazodona e inibidores da protease do VIH) são suscetíveis de aumentar significativamente os níveis plasmáticos da budesonida e o seu uso concomitante deve ser evitado. Se não for possível, o intervalo de tempo entre a administração do inibidor e a budesonida deverá ser o mais longo possível. Budesonida / Formoterol em terapêutica de manutenção e alívio não é recomendado a doentes que utilizam inibidores potentes do CYP3A4. O inibidor potente CYP3A4 cetoconazol, 200 mg uma vez por dia, aumenta os níveis plasmáticos da budesonida administrada concomitantemente por via oral (dose única de 3 mg), em média, seis vezes. Quando o cetoconazol foi administrado 12 horas após a budesonida, a concentração foi em média aumentada apenas três vezes mostrando que uma separação nos tempos de administração pode reduzir o aumento dos níveis plasmáticos. Dados limitados relativos a esta interação para budesonida inalada em doses elevadas indicam que pode ocorrer um aumento marcado dos níveis plasmáticos (em média de quatro vezes) se o itraconazol, 200 mg uma vez por dia, for administrado concomitantemente com budesonida inalada (dose única de 1000 mcg). - Voriconazol
Usar com precaução

Alectinib + Voriconazol

Observações: Com base nos dados in vitro, CYP3A4 é a principal enzima que medeia o metabolismo do alectinib e do metabolito principal M4, o CYP3A4 contribui para 40%-50% da totalidade do metabolismo hepático. O M4 mostrou potência e atividade in vitro similar contra o ALK.
Interações: Recomenda-se a monitorização adequada em doentes a tomar concomitantemente inibidores do CYP3A (incluindo, mas não limitado a, ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, nefazodona, toranja ou laranja-de-sevilha). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Clopidogrel + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Outras terapêuticas concomitantes: Uma vez que o clopidogrel é metabolizado no seu metabolito activo em parte pelo CYP2C19, o uso de medicamentos que inibem a actividade desta enzima têm um resultado esperado de redução dos níveis do metabolito activo do clopidogrel e uma redução na eficácia clínica. O uso concomitante de medicamentos que inibem o CYP2C19 deve ser desencorajado. Os fármacos que inibem o CYP2C19 incluem omeprazol e esomeprazol, fluvoxamina, fluoxetina, moclobemida, voriconazol, fluconazol, ticlopidina, ciprofloxacina, cimetidina, carbamazepina, oxcarbazepina e cloranfenicol. - Voriconazol
Usar com precaução

Clopidogrel + Ácido acetilsalicílico + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Outras terapêuticas concomitantes com clopidogrel: Uma vez que o clopidogrel é metabolizado no seu metabolito ativo em parte pelo CYP2C19, o uso de medicamentos que inibem a atividade desta enzima têm um resultado esperado de redução dos níveis do metabolito ativo do clopidogrel. A relevância clínica desta interação é incerta. Como precaução o uso concomitante de inibidores fortes ou moderados do CYP2C19 deve ser desencorajado. Os medicamentos que inibem o CYP2C19 incluem omeprazol e esomeprazol, fluvoxamina, fluoxetina, moclobemida, voriconazol, fluconazol, ticlopidina, ciprofloxacina, cimetidina, carbamazepina, oxcarbazepina e cloranfenicol. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Crizotinib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Agentes que podem aumentar as concentrações plasmáticas do crizotinib: A coadministração de crizotinib com inibidores potentes do CYP3A pode aumentar as concentrações plasmáticas do crizotinib. A coadministração de uma dose oral única de 150 mg de crizotinib na presença de cetoconazol (200 mg duas vezes por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou em aumentos na exposição sistémica do crizotinib, com os valores de AUC inf e Cmax aproximadamente 3,2 vezes e 1,4 vezes, respetivamente, os observados quando o crizotinib foi administrado isolado. Como tal, o uso concomitante de inibidores potentes do CYP3A (certos inibidores da protease como o atazanavir, indinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir e certos antifúngicos azólicos como o itraconazol, cetoconazol e voriconazol, certos macrólidos como a claritromicina, telitromicina e troleandomicina) deve ser evitado. A toranja e o sumo de toranja podem também aumentar as concentrações plasmáticas do crizotinib e devem ser evitados. Para além disso, o efeito dos inibidores do CYP3A na exposição do crizotinib em estado estacionário não foi estabelecido. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Vismodegib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de medicamentos concomitantes no vismodegib: Os estudos in vitro indicam que o vismodegib é um substrato do transportador de efluxo da glicoproteína-P (gp-P) e das enzimas metabolizadoras de fármacos CYP2C9 e CYP3A4. A exposição sistémica de vismodegib e a incidência de reações adversas com vismodegib podem ser maiores quando vismodegib é coadministrado com medicamentos que inibem a gp-P (por exemplo, claritromicina, eritromicina, azitromicina, verapamil, ciclosporina), CYP2C9 (amiodarona, fluconazol ou miconazol), ou CYP3A4 (bocepravir, claritromicina, conivaptan, indinavir, itraconazol, cetoconazol, lopinavir/ritonavir, nelfinavir, posaconazol, ritonavir, saquinavir, telaprevir, telitromicina ou voriconazol). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Cobimetinib + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Efeitos do cobimetinib nos sistemas transportadores de fármacos: Estudos in vitro demonstraram que o cobimetinib não é um substrato dos transportadores de captação hepáticos OATP1B1, OATP1B3 e OCT1, sendo, contudo, um inibidor fraco destes transportadores. A relevância clínica festes resultados não foi investigada.
Interações: Efeitos de outros medicamentos em cobimetinib: Inibidores potentes do CYP3A4: Evitar o uso concomitante de inibidores potentes do CYP3A durante o tratamento com cobimetinib. Os inibidores potentes do CYP3A4 incluem, mas não se limitam a, ritonavir, cobicistat, lopinavir, itraconazol, voriconazol, claritromicina, telitromicina, posaconazol, nefazodona e sumo de toranja. Caso não seja possível evitar o uso concomitante de um inibidor potente do CYP3A4, os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados quanto à segurança. Para inibidores potentes dos CYP3A4 utilizados a curto prazo (7 dias ou menos), considerar a interrupção do tratamento com cobimetinib durante a duração da utilização do inibidor. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interações: Utilização concomitante NÃO RECOMENDADA: ATORVASTATINA: Inibidores potente do CYP3A4: A atorvastatina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4) e é substrato para proteínas de transporte por exemplo, o transportador de captação hepático OATP1B1. A administração concomitante de medicamentos que sejam inibidores do CYP3A4 ou de proteínas de transporte pode originar um aumento da concentração plasmática de atorvastatina e aumentar o risco de miopatia. O risco também poderá estar aumentado quando há administração concomitante de atorvastatina com outros medicamentos que têm um potencial elevado para induzir a miopatia, como os derivados do ácido fíbrico e ezetimiba. Foi demonstrado que os inibidores potentes do CYP3A4 conduzem a um aumento acentuado da concentração de atorvastatina. A administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 (por exemplo, ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores das proteases do VIH incluindo ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc.) com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina deve ser evitada, se possível. Nos casos em que a administração concomitante destes medicamentos com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina não pode ser evitada, devem ser consideradas as doses mais baixas de atorvastatina no Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e recomenda-se uma adequada monitorização clínica destes doentes. - Voriconazol
Usar com precaução

Panobinostate + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: O metabolismo de Panobinostate faz-se através tanto de vias de mediação não-CYP como CYP. Aproximadamente 40% do panobinostate é metabolizado através da CYP3A4. O metabolismo via CYP2D6 e 2C19 foi mínimo. Assim, medicamentos que possam ter influência sobre a atividade da enzima CYP3A4 podem alterar a farmacocinética de panobinostate. Panobinostate é um substrato gp-P. Agentes que podem aumentar as concentrações plasmáticas de panobinostate: A co-administração de uma dose única de 20 mg de panobinostate com cetoconazol, um inibidor potente da CYP3A, aumentou a Cmax e a AUC de panobinostate em 1,6 e 1,8 vezes, respetivamente, comparativamente com panobinostate administrado isoladamente. O tratamento concomitante de doentes com inibidores potentes da CYP3A e/ou inibidores gpP, incluindo mas não limitado a, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, ritonavir, saquinavir, telitromicina, posaconazol e nefazodona, a dose de panobinostate deve ser reduzida. - Voriconazol
Usar com precaução

Sonidegib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Agentes que podem aumentar a concentração plasmática de sonidegib: Em indivíduos saudáveis, a coadministração de uma dose única de 800 mg de sonidegib com cetoconazol (200 mg duas vezes por dia, durante 14 dias), um inibidor potente da CYP3A, resultou num aumento de 2,25 vezes e 1,49 vezes da AUC e Cmax, do sonidegib, respetivamente, comparativamente com sonidegib isoladamente. Com base em simulações, durações mais longas de utilização concomitante de inibidores/indutores potentes da CYP3A4 (por ex.: mais de 14 dias) levará a uma alteração de maior magnitude na exposição ao sonidegib. Se for necessária a utilização concomitante de um inibidor potente da CYP3A, a dose de sonidegib deve ser reduzida para 200 mg em dias alternados. Os inibidores potentes do CYP3A incluem, mas não estão limitados a, ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol e nefazodona. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados para efeitos adversos se um destes agentes for usado conjuntamente com o sonidegib. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Atazanavir + Cobicistate + Voriconazol

Observações: Ensaios de interações de fármacos não foram realizados para o Atazanavir / Cobicistate. Os mecanismos complexos ou não conhecidos de interações de fármacos opõem-se à extrapolação de interações medicamentosas com ritonavir a certas interações medicametosas com o cobicistate. As recomendações dadas mediante o uso concomitante de atazanavir e de outros medicamentos podem diferir consoante o atazanavir é potenciado com o ritonavir ou com o cobicistate. Em particular, o atazanavir potenciado com o cobicistate é mais sensível na indução da CYP3A. É também necessária precaução durante a primeira vez em que é efetuado o tratamento se for alternado o potenciador farmacológico do ritonavir para o cobicistate.
Interações: Medicamentos que afetam a exposição ao atazanavir/cobicistate: O atazanavir é metabolizado no fígado através da CYP3A4. O cobicistate é um substrato da CYP3A e é metabolizado com menor extensão pela CYP2D6. Uso concomitante não recomendado: A coadministração do Atazanavir / Cobicistate com medicamentos que inibam a CYP3A pode resultar num aumento das concentrações plasmáticas do atazanavir e/ou do cobicistate. Alguns exemplos incluem, mas não estão limitados ao itraconazol, ao cetoconazol, e ao voriconazol. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Darunavir + Voriconazol

Observações: O perfil de interação do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interações: ANTIFÚNGICOS: Voriconazol: Não foi estudado. O ritonavir pode diminuir as concentrações plasmáticas do voriconazol. (indutores das enzimas CYP450). As concentrações de voriconazol podem aumentar ou diminuir quando coadministrado com Darunavir coadministrado com cobicistate. (inibição de enzimas do CYP450). Voriconazol não deve ser coadministrado com Darunavir potenciado, exceto se a avaliação da relação benefício/risco justificar a utilização de voriconazol. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Cobicistate + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: A coadministração de Cobicistate com medicamentos que inibem o CYP3A pode resultar no aumento da concentração plasmática de cobicistate. Alguns exemplos incluem, mas não se limitam ao itraconazol, cetoconazol e voriconazol. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Darunavir + Cobicistate + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interação com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interações: ANTIFÚNGICOS: Voriconazol: As concentrações plasmáticas de voriconazol podem aumentar ou diminuir quando administrados concomitantemente com Darunavir / Cobicistate. O voriconazol não deve ser combinado com Darunavir / Cobicistate, a não ser que uma avaliação do benefício/risco justifique a utilização de voriconazol. - Voriconazol
Contraindicado

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos ANTIFÚNGICOS: Voriconazol: Mecanismo: indução do CYP2C19 e inibição de CYP3A4 pelo ritonavir. Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. Não estudado. A utilização concomitante está contraindicada. - Voriconazol
Contraindicado

Eliglustato + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP3A: Em metabolizadores intermédios (MI) e extensivos (ME): Após doses repetidas de 84 mg de eliglustato duas vezes por dia em doentes não-MF, a administração concomitante de doses repetidas de 400 mg de cetoconazol, um inibidor potente da CYP3A, uma vez por dia, resultou num aumento da Cmax e da AUC0-12 do eliglustato, de 3,8 e 4,3 vezes, respetivamente; Serão de esperar efeitos semelhantes com outros inibidores potentes da CYP3A (p.ex., claritromicina, cetoconazol, itraconazol, cobicistat, indinavir, lopinavir, ritonavir, saquinavir, telaprevir, tipranavir, posaconazol, voriconazol, telitromicina, conivaptan, boceprevir). Em MI e ME, deve proceder-se com cuidado relativamente aos inibidores potentes da CYP3A. Para uma dosagem de 84 mg duas vezes por dia com eliglustato em doentes não-MFs, é de prever que a utilização concomitante de inibidores moderados da CYP3A (p.ex., eritromicina, ciprofloxacina, fluconazol, diltiazem, verapamilo, aprepitant, atazanavir, darunavir, fosamprenavir, imatinib, cimetidina) iria aumentar aproximadamente até 3 vezes a exposição ao eliglustato. Em MIs e MEs, deve proceder-se com cuidado relativamente aos inibidores moderados da CYP3A. Em metabolizadores fracos (MF): Para uma dosagem de 84 mg uma vez por dia com eliglustato em MF, é de prever que a utilização concomitante de inibidores potentes da CYP3A (p.ex., cetoconazol, claritromicina, itraconazol, cobicistat, indinavir, lopinavir, ritonavir, saquinavir, telaprevir, tipranavir, posaconazol, voriconazol, telitromicina, conivaptan, boceprevir) iria aumentar a Cmax e a AUC0-24 do eliglustato, em 4,3 e 6,2 vezes, respetivamente. É contraindicada a utilização de inibidores potentes da CYP3A em MF. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ceritinib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Agentes que podem aumentar a concentração plasmática de ceritinib: Em indivíduos saudáveis, a co-administração de uma dose única de 450 mg de ceritinib com cetoconazol (200 mg duas vezes por dia durante 14 dias), um inibidor potente da CYP3A/P-gp, resultou num aumento de 2,9-vezes e 1,2-vezes da AUC inf e Cmax de Ceritinib, respetivamente, comparativamente com ceritinib administrado isoladamente. O estado de equilíbrio da AUC de ceritinib em doses reduzidas após coadministração com cetoconazol 200 mg duas vezes por dia durante 14 dias, estimou-se, através de simulação, ser semelhante ao estado de equilíbrio da AUC de ceritinib isoladamente. Se não for possível evitar a utilização concomitante de inibidores potentes da CYP3A (incluindo, mas não limitado a, ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol e nefazodona ), reduzir a dose de ceritinib em aproximadamente um terço, arredondado para o múltiplo mais próximo da dosagem de 150 mg. Após interrupção de um inibidor potente da CYP3A, reiniciar com a dose utilizada antes de iniciar o inibidor potente da CYP3A4. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Atorvastatina + Ezetimiba + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos: ATORVASTATINA: Inibidores do CYP3A4: Foi demonstrado que os inibidores potentes do CYP3A4 conduzem a um aumento acentuado das concentrações de atorvastatina. Deve ser evitada, se possível, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 (p. ex., ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores da protease do VIH incluindo ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc). Nos casos em que a administração concomitante destes medicamentos com este medicamento não pode ser evitada, dever-se-á considerar uma dose inicial e máxima mais baixa deste medicamento e é recomendada uma monitorização clínica adequada destes doentes. Inibidores moderados do CYP3A4 (p. ex., eritromicina, diltiazem, verapamil e fluconazol) podem aumentar as concentrações plasmáticas de atorvastatina. Foi observado um aumento do risco de miopatia com a utilização de eritromicina em associação com estatinas. Não foram efetuados estudos de interação para avaliar os efeitos de amiodarona ou verapamil na atorvastatina. Tanto a amiodarona como o verapamil são conhecidos por inibirem a atividade do CYP3A4 e a administração concomitante com este medicamento pode resultar num aumento da exposição à atorvastatina. Assim sendo, deve ser considerada uma dose máxima mais baixa deste medicamento e recomenda-se a monitorização clínica adequada do doente quando é utilizado concomitantemente com inibidores moderados do CYP3A4. Recomenda-se uma adequada monitorização clínica após iniciar ou após o ajuste de dose do inibidor. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Ibrutinib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores moderados do CYP3A4: Simulações que utilizam condições de jejum sugerem que inibidores moderados do CYP3A4, tais como o diltiazem, a eritromicina e o voriconazol, podem aumentar a AUC de ibrutinib num fator de 5-9. Os inibidores moderados do CYP3A4 (ex. voriconazol, eritromicina, amprenavir, aprepitant, atazanavir, ciprofloxacina, crizotinib, darunavir/ritonavir, diltiazem, fluconazol, fosamprenavir, imatinib, verapamilo, amiodarona, dronedarona) devem ser evitados. Se for necessário utilizar um inibidor moderado do CYP3A4, a dose de Ibrutinib deve ser reduzida para 140 mg (uma cápsula) ao longo da duração do tratamento com o inibidor. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados quanto a toxicidade e as orientações para modificação da dose devem ser seguidas, conforme necessário. - Voriconazol
Contraindicado

Lurasidona + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Outros potenciais medicamentos que podem afetar a lurasidona: Tanto a lurasidona como o seu metabolito ativo ID-14283 contribuem para o efeito farmacodinâmico nos recetores dopaminérgicos e serotoninérgicos. A lurasidona e seu metabolitoativo ID-14283 são principalmente metabolizados pelo CYP3A4. Inibidores do CYP3A4: A lurasidona é contraindicada em concomitância com inibidores fortes do CYP3A4 (por exemplo, boceprevir, claritromicina, cobicistate, indinavir, itraconazol, cetoconazol, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, ritonavir, saquinavir, telaprevir, telitromicina, voriconazol). A administração concomitante de lurasidona com o inibidor forte do CYP3A4 cetoconazol resultou num aumento de 9 e 6 vezes na exposição da lurasidona e do seu metabolito ativo ID-14283, respetivamente. A administração concomitante de lurasidona com medicamentos que inibem moderadamente o CYP3A4 (por exemplo, diltiazem, eritromicina, fluconazol, verapamil) pode aumentar a exposição à lurasidona. Estima-se que os inibidores moderados do CYP3A4 resultam num aumento de 2-5 vezes na exposição dos substratos do CYP3A4. A administração concomitante de lurasidona com diltiazem (formulação de libertação lenta), um inibidor moderado do CYP3A4, resultou num aumento de 2,2 e 2,4 vezes na exposição da lurasidona e do ID-14283, respetivamente. A utilização de uma formulação de libertação imediata do diltiazem pode resultar num maior aumento da exposição à lurasidona. - Voriconazol
Usar com precaução

Vortioxetina + Voriconazol

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interações: Potencial de outros medicamentos para afetar a vortioxetina: Interações em metabolizadores fracos do CYP2D6: A coadministração de inibidores fortes do CYP3A4 (tais como itraconazol, voriconazol, claritromicina, telitromicina, nefazodona, conivaptan e muitos dos inibidores da protease do VIH) e inibidores do CYP2C9 (tais como o fluconazol e amiodarona) a metabolizadores fracos do CYP2D6 não foi investigada especificamente, mas antecipa-se que levará a uma exposição aumentada da vortioxetina mais evidente nestes doentes em comparação com o efeito moderado acima descrito. Não foi observado nenhum efeito inibitório de uma dose única de 40 mg de omeprazol (inibidor do CYP2C19) na farmacocinética de dose múltipla da vortioxetina em indivíduos saudáveis. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Regorafenib + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores do CYP3A4 e UGT1A9/indutores do CYP3A4: Dados in vitro indicam que o regorafenib é metabolizado pelo citocromo CYP3A4 e pela uridina difosfato glucuronosil transferase UGT1A9. A administração de cetoconazol (400 mg durante 18 dias), um inibidor potente do CYP3A4, com uma dose única de regorafenib (160 mg no dia 5) resultou num aumento da exposição média do regorafenib (AUC) de aproximadamente 33% e numa diminuição da exposição média dos metabolitos ativos, M-2 (N-óxido) e M-5 (N-óxido e N-desmetil), de aproximadamente 90%. Recomenda-se evitar a utilização concomitante de inibidores potentes da atividade do CYP3A4 (ex.: claritromicina, sumo de toranja, itraconazol, cetoconazol, posaconazol, telitromicina e voriconazol) uma vez que a sua influência na exposição do regorafenib no estado estacionário e os seus metabolitos não foram estudados. Durante o tratamento com regorafenib deve ser evitada a coadministração de um inibidor potente da UGT1A9 (ex.: ácido mefenâmico, diflunisal e ácido niflúmico), uma vez que a sua influência na exposição do regorafenib no estado estacionário e os seus metabolitos não foram estudados. A administração de rifampicina (600mg durante 9 dias), um indutor potente do CYP3A4, com uma dose única de regorafenib (160 mg no dia 7) resultou numa diminuição da exposição média do regorafenib (AUC) de aproximadamente 50%, num aumento de 3 a 4 vezes da exposição média do metabolito ativo M-5 e em nenhuma alteração da exposição do metabolito ativo M-2. Outros indutores potentes da atividade do CYP3A4 (ex.: fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, hipericão) também podem aumentar o metabolismo do regorafenib. Devem evitar-se os indutores potentes do CYP3A4 ou considerar-se a seleção de um medicamento alternativo concomitante sem potencial ou com um potencial mínimo de indução do CYP3A4. - Voriconazol
Contraindicado

Avanafil + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outras substâncias no avanafil: O avanafil é um substrato da CYP3A4 e é predominantemente metabolizado por esta enzima. Alguns estudos demonstraram que os medicamentos que inibem a CYP3A4 podem aumentar a exposição ao avanafil. Inibidores da CYP3A4: O cetoconazol (400mg por dia), um inibidor seletivo e altamente potente da CYP3A4, aumentou a Cmax e a exposição (AUC) do avanafil 50 mg em dose única em 3 vezes e 14 vezes, respetivamente, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 9horas. O ritonavir (600 mg duas vezes por dia), um inibidor altamente potente da CYP3A4, que também inibe a CYP2C9, aumentou a Cmax e a AUC do avanafil 50 mg em dose única em cerca de 2 vezes e 13 vezes, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 9horas. Será de esperar que outros inibidores fortes da CYP3A4 (por exemplo, itraconazol, voriconazol, claritromicina, nefazodona, saquinavir, nelfinavir, indinavir, atazanavir e telitromicina) tenham efeitos semelhantes. Consequentemente, a administração concomitante do avanafil com inibidores potentes da CYP3A4 é contraindicada. A eritromicina (500 mg duas vezes por dia), um inibidor moderado da CYP3A4, aumentou a Cmax e a AUC do avanafil 200 mg em dose única em cerca de 2 vezes e 3 vezes, respetivamente, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 8 horas. Será de esperar que outros inibidores moderados da CYP3A4 (por exemplo, amprenavir, aprepitante, diltiazem, fluconazol, fosamprenavir e verapamilo) tenham efeitos semelhantes. Consequentemente, nos doentes a tomar simultaneamente inibidores moderados da CYP3A4, a dose máxima recomendada do avanafil é de 100 mg, uma vez a cada 48 horas, no máximo. Apesar de não terem sido estudadas interações específicas, outros inibidores da CYP3A4, incluindo sumo de toranja, aumentarão provavelmente a exposição ao avanafil. Os doentes devem ser informados de que é necessário evitar a ingestão de sumo de toranja nas 24 horas que antecedem a toma do avanafil. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Esomeprazol + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação foram realizados apenas em adultos.
Interações: Efeitos de esomeprazol sobre a farmacocinética de outros medicamentos Voriconazol O omeprazol (40 mg uma vez por dia) resultou num aumento na Cmax e AUCt em 15% e 41%, respetivamente, de voriconazol (um substrato do CYP2C19). Efeitos de outros medicamentos sobre a farmacocinética de esomeprazol Medicamentos que inibem o CYP2C19 e/ou o CYP3A4 O esomeprazol é metabolizado pelo CYP2C19 e CYP3A4. A administração concomitante por via oral de esomeprazol com um inibidor do CYP3A4, claritromicina (500 mg, 2xdia), resultou numa duplicação da exposição (AUC) ao esomeprazol. A administração concomitante de esomeprazol e um inibidor combinado do CYP2C19 e CYP3A4, pode resultar em mais do que uma duplicação da exposição ao esomeprazol. O voriconazol, inibidor do CYP2C19 e CYP3A4, aumentou a AUCt de omeprazol em 280%. Um ajuste posológico de esomeprazol não é normalmente necessário em nenhuma destas situações. Contudo, deverá ser considerado um ajuste posológico em doentes com compromisso hepático grave e no caso de indicação para tratamento prolongado. - Voriconazol
Contraindicado

Dronedarona + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Efeito de outros medicamentos na Dronedarona: Inibidores potentes do CYP3A4: A administração repetida de doses diárias de 200 mg de cetoconazol resultou num aumento na exposição à dronedarona de 17-vezes. Consequentemente, é contraindicada a utilização concomitante de cetoconazol, bem como de outros inibidores potentes do CYP3A4, tais como o itraconazol, voriconazol, pozaconazol, ritonavir, telitromicina, claritromicina ou nefazodona. - Voriconazol
Usar com precaução

Efavirenz + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: ANTI-INFECCIOSOS: Antifúngicos: Voriconazol/Efavirenz: (200 mg duas vezes ao dia/400 mg uma vez ao dia). (400 mg duas vezes ao dia/300 mg uma vez ao dia). Quando o efavirenz é coadministrado com voriconazol, a dose de manutenção do voriconazol deve ser aumentada para 400 mg duas vezes por dia e a dose de efavirenz tem de ser reduzida em 50%, i.e., para 300 mg uma vez por dia. Quando o tratamento com voriconazol é interrompido, deve ser reinstituída a dose inicial de efavirenz. - Voriconazol
Usar com precaução

Toremifeno + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Teoricamente, o metabolismo do toremifeno é inibido por fármacos que inibem o sistema enzimático CYP3A, reconhecidamente responsável pelas principais vias metabólicas do toremifeno. São exemplos deste tipo de fármacos os imidazóis antifúngicos (cetoconazol); outros agentes antifúngicos (itraconazol, voriconazol, posaconazol); inibidores da protease (ritonavir, nelfinavir), Macrólidos (claritromicina, eritromicina e telitromicina). O uso concomitante destes fármacos com toremifeno deve ser ponderado cuidadosamente. - Voriconazol
Contraindicado

Efavirenz + Emtricitabina + Tenofovir + Voriconazol

Observações: As interações que foram identificadas com Efavirenz, Emtricitabina e Tenofovir individualmente podem ocorrer com esta associação. Os estudos de interação com estes medicamentos só foram realizados em adultos.
Interações: Voriconazol: A coadministração de doses padrão de efavirenz e voriconazol está contraindicada. Como este medicamento é um medicamento de associação de doses fixas, a dose de efavirenz não pode ser alterada. Por conseguinte, voriconazol e Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir não devem ser coadministrados. ANTI-INFECCIOSOS: Antifúngicos: Voriconazol/Efavirenz: (200 mg b.i.d./400 mg q.d.). A coadministração de doses padrão de efavirenz e voriconazol está contraindicada. Voriconazol/Emtricitabina: Interação não estudada. Voriconazol/Tenofovir disoproxil fumarato: Interação não estudada. Como Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir é um medicamento de associação de doses fixas, a dose de efavirenz não pode ser alterada. Por conseguinte, voriconazol e Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir não devem ser coadministrados. - Voriconazol
Usar com precaução

Erlotinib + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Os inibidores potentes da atividade do CYP3A4 diminuem o metabolismo do erlotinib e aumentam a sua concentração plasmática. Num ensaio clínico, a utilização concomitante do erlotinib com o cetoconazol (200 mg por via oral, duas vezes por dia, durante 5 dias), um inibidor potente do CYP3A4, resultou num aumento da exposição ao erlotinib (86% na AUC e 69% na Cmax). Assim, deve ter-se cuidado ao associar o erlotinib com um inibidor potente do CYP3A4, como por exemplo antifúngicos do grupo dos azóis (i.e. cetoconazol, itraconazol, voriconazol), inibidores da protease, eritromicina ou claritromicina. Se necessário, a dose de erlotinib deve ser diminuída, especialmente se for observada toxicidade. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Everolímus + Voriconazol

Observações: O everolímus é um substrato da CYP3A4, e também é um substrato e inibidor modera do da gp-P. Por esta razão, a absorção e eliminação subsequente do everolímus pode ser influenciada por produtos que afetem a CYP3A4 e/ou a gp - P. In vitro, o everolímus é um inibidor competitivo da CYP3A4 e um inibidor misto da CYP2D6.
Interações: Inibidores potentes da CYP3A4/gp-P: Cetoconazol: Não é recomendado o tratamento concomitante de com inibidores potentes. Itraconazol, posaconazol, voriconazol, telitromicina, claritromicina, nefazodona, ritonavir, atazanavir, saquinavir, darunavir, indinavir, nelfinavir: Não estudada. É esperado um grande aumento na concentração de everolímus. - Voriconazol
Usar com precaução

Fluconazol + Voriconazol

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interações: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Voriconazol: (inibidores CYP2C9 e CYP3A4): Coadministração de voriconazol por via oral (400 mg de 12 em 12 h durante 1 dia, depois 200 mg de 12 em 12 h durante 2,5 dias) e fluconazol por via oral (400 mg no dia 1, depois 200 mg cada 24 h) a 8 indivíduos masculinos saudáveis resultaram num aumento na Cmax e AUC ד do voriconazol numa média de 57% (IC 90%: 20%, 107%) e 79% (IC 90%: 40%, 128%), respetivamente. Não foi estabelecida a dose reduzida e/ou frequência do voriconazol e fluconazol que eliminem este efeito. É recomendada a monitorização dos acontecimentos adversos associados ao voriconazol se este for utilizado sequencialmente após o fluconazol. - Voriconazol
Usar com precaução

Fosaprepitant + Voriconazol

Observações: Quando administrado por via intravenosa o fosaprepitant é rapidamente convertido em aprepitant. As interações medicamentosas decorrentes da administração de intravenosa de fosaprepitant são passíveis de ocorrer com substâncias ativas que interagem com o aprepitant administrado por via oral. A informação seguinte resultou de dados obtidos com o aprepitant por via oral e de estudos realizados com fosaprepitant por via intravenosa coadministrados com dexametasona, midazolam ou diltiazem. O fosaprepitant 150 mg, em dose única, é um inibidor fraco do CYP3A4. O fosaprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interação entre o aprepitant por via oral com a digoxina. Antevê-se que, quando comparado com a administração de aprepitant oral, o fosaprepitant provoque indução menor ou não superior do CYP2C9, do CYP3A4 e da glucuronidação. Não há dados sobre os efeitos no CYP2C8 e CYP2C19.
Interações: Efeito de outros medicamentos na farmacocinética do aprepitant, decorrentes da administração de fosaprepitant 150 mg: A administração concomitante de fosaprepitant com substâncias ativas que inibam a atividade do CYP3A4 (ex. cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, claritromicina, telitromicina, nefazodona e inibidores da protease) deve ser feita de forma cuidadosa, uma vez que é esperado que da associação resulte um aumento acentuado das concentrações plasmáticas de aprepitant. A semivida terminal média do aprepitant aumentou aproximadamente 3 vezes com cetoconazol. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Glipizida + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Os compostos mencionados a seguir podem aumentar o efeito hipoglicemiante: Miconazol, fluconazol e voriconazol (antifúngicos): Aumentam o efeito hipoglicemiante, podendo originar sintomas de hipoglicemia ou mesmo coma. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Halofantrina + Voriconazol

Observações: N.D.
Interações: Antifungícos azólicos (itraconazol, cetoconazol, fluconazol, miconazol, voriconazol) (por via sistémica e gel bucal): risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes. Estudos in vitro demonstraram que os fármacos que inibem o citocromo CYP3A4, como o cetoconazol, por exemplo, provocam a inibição do metabolismo do halofantrina. Além disso, o metabolismo do halofantrina diminuiu, após a administração oral de cetoconazol em cães. - Voriconazol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Indutores do CYP2C19

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Indutores do CYP2C19
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Inibidores do CYP2C9

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Inibidores do CYP2C9
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Indutores do CYP2C9

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Indutores do CYP2C9
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Indutores do CYP3A4

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Indutores do CYP3A4
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Voriconazol + Inibidores do CYP3A4

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol é metabolizado por, e inibe a atividade das isoenzimas CYP2C19, CYP2C9 e CYP3A4 do citocromo P450. Os inibidores ou indutores destas isoenzimas podem aumentar ou diminuir, respetivamente, as concentações plasmáticas de voriconazol, e existe o potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estas isoenzimas do CYP450. Salvo informação em contrário, os estudos de interação medicamentosa foram realizados em indivíduos adultos do sexo masculino, saudáveis com doses múltiplas de voriconazol, 200 mg duas vezes por dia (BID), por via oral, até ser atingido o estado estacionário. Estes resultados são relevantes para outras populações e outras vias de administração. - Inibidores do CYP3A4
Usar com precaução

Voriconazol + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: n.d.
Interações: O voriconazol deve ser administrado com precaução em doentes com medicação concomitante que se sabe que prolonga o intervalo QTc. - Medicamentos que prolongam o intervalo QT
Contraindicado

Voriconazol + Antihistamínicos

Observações: n.d.
Interações: A coadministração é contraindicada quando existe também um potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas de substâncias metabolizadas pelas isoenzimas do CYP3A4 (alguns antihistamínicos, quinidina, cisaprida, pimozida). - Antihistamínicos
Contraindicado

Voriconazol + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: A coadministração é contraindicada quando existe também um potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas de substâncias metabolizadas pelas isoenzimas do CYP3A4 (alguns antihistamínicos, quinidina, cisaprida, pimozida). Astemizol, cisaprida, pimozida, quinidina e terfenadina [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, os níveis plasmáticos elevados destes medicamentos podem conduzir ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência de torsades de pointes. Contraindicado. - Quinidina
Contraindicado

Voriconazol + Cisaprida

Observações: n.d.
Interações: A coadministração é contraindicada quando existe também um potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas de substâncias metabolizadas pelas isoenzimas do CYP3A4 (alguns antihistamínicos, quinidina, cisaprida, pimozida). Astemizol, cisaprida, pimozida, quinidina e terfenadina [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, os níveis plasmáticos elevados destes medicamentos podem conduzir ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência de torsades de pointes. Contraindicado. - Cisaprida
Contraindicado

Voriconazol + Pimozida

Observações: n.d.
Interações: A coadministração é contraindicada quando existe também um potencial para o voriconazol aumentar as concentrações plasmáticas de substâncias metabolizadas pelas isoenzimas do CYP3A4 (alguns antihistamínicos, quinidina, cisaprida, pimozida). Astemizol, cisaprida, pimozida, quinidina e terfenadina [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, os níveis plasmáticos elevados destes medicamentos podem conduzir ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência de torsades de pointes. Contraindicado. - Pimozida
Contraindicado

Voriconazol + Astemizol

Observações: n.d.
Interações: Astemizol, cisaprida, pimozida, quinidina e terfenadina [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, os níveis plasmáticos elevados destes medicamentos podem conduzir ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência de torsades de pointes. Contraindicado. - Astemizol
Contraindicado

Voriconazol + Terfenadina

Observações: n.d.
Interações: Astemizol, cisaprida, pimozida, quinidina e terfenadina [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, os níveis plasmáticos elevados destes medicamentos podem conduzir ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência de torsades de pointes. Contraindicado. - Terfenadina
Contraindicado

Voriconazol + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interações: Carbamazepina e barbitúricos de ação prolongada (ex. fenobarbital, mefobarbital) [potentes indutores do CYP450] Apesar de não ter sido estudado, é provável que a carbamazepina e os barbitúricos de ação prolongada diminuam significativamente as concentrações plasmáticas do voriconazol. Contraindicado. - Carbamazepina
Contraindicado

Voriconazol + Barbitúricos

Observações: n.d.
Interações: Carbamazepina e barbitúricos de ação prolongada (ex. fenobarbital, mefobarbital) [potentes indutores do CYP450] Apesar de não ter sido estudado, é provável que a carbamazepina e os barbitúricos de ação prolongada diminuam significativamente as concentrações plasmáticas do voriconazol. Contraindicado. - Barbitúricos
Contraindicado

Voriconazol + Fenobarbital

Observações: n.d.
Interações: Carbamazepina e barbitúricos de ação prolongada (ex. fenobarbital, mefobarbital) [potentes indutores do CYP450] Apesar de não ter sido estudado, é provável que a carbamazepina e os barbitúricos de ação prolongada diminuam significativamente as concentrações plasmáticas do voriconazol. Contraindicado. - Fenobarbital
Contraindicado

Voriconazol + Metilfenobarbital (mefobarbital, mefobarbitona)

Observações: n.d.
Interações: Carbamazepina e barbitúricos de ação prolongada (ex. fenobarbital, mefobarbital) [potentes indutores do CYP450] Apesar de não ter sido estudado, é provável que a carbamazepina e os barbitúricos de ação prolongada diminuam significativamente as concentrações plasmáticas do voriconazol. Contraindicado. - Metilfenobarbital (mefobarbital, mefobarbitona)
Contraindicado

Voriconazol + Efavirenz

Observações: n.d.
Interações: Efavirenz (inibidor da transcriptase reversa não-nucleósido) [indutor do CYP450, inibidor e substrato do CYP3A4] Efavirenz 400 mg OD, coadministrado com 200 mg BID de voriconazol * Efavirenz 300 mg OD, coadministrada com 400 mg BID de voriconazol* Doses padrão de voriconazol e doses de efavirenz (400 mg OD ou mais elevadas) é contraindicado. O voriconazol pode ser coadministrado com efavirenz se a dose de manutenção do voriconazol for aumentada para 400 mg BID e a dose de efavirenz for reduzida para 300 mg OD. Quando o tratamento com o voriconazol for interrompido, deve retomar-se a dose inicial de efavirenz. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Efavirenz
Contraindicado

Voriconazol + Alcalóides da cravagem do centeio

Observações: n.d.
Interações: Alcaloídes da cravagem de centeio (ex. ergotamina e di-hidroergotamina) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar as concentrações plasmáticas dos alcaloídes da cravagem do centeio e conduzir ao ergotismo. Contraindicado. - Alcalóides da cravagem do centeio
Contraindicado

Voriconazol + Ergotamina

Observações: n.d.
Interações: Alcaloídes da cravagem de centeio (ex. ergotamina e di-hidroergotamina) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar as concentrações plasmáticas dos alcaloídes da cravagem do centeio e conduzir ao ergotismo. Contraindicado. - Ergotamina
Contraindicado

Voriconazol + Mesilato de di-hidroergotamina

Observações: n.d.
Interações: Alcaloídes da cravagem de centeio (ex. ergotamina e di-hidroergotamina) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar as concentrações plasmáticas dos alcaloídes da cravagem do centeio e conduzir ao ergotismo. Contraindicado. - Mesilato de di-hidroergotamina
Não recomendado/Evitar

Voriconazol + Rifabutina

Observações: n.d.
Interações: Rifabutina [potente indutor do CYP450] 300 mg OD 300 mg OD (coadministrado com 350 mg BID de voriconazol)* 300 mg OD (coadministrado com 400 mg BID de voriconazol)* O uso concomitante de voriconazol e rifabutina deverá ser evitado, a menos que o benefício supere o risco. A dose de manutenção do voriconazol pode ser aumentada para 5 mg/kg BID por via intravenosa ou para 200 mg a 350 mg por via oral, BID (100 mg a 200 mg por via oral BID em doentes com peso inferior a 40 kg). Recomenda-se a monitorização cuidadosa da contagem de células sanguíneas e reações adversas à rifabutina (ex. uveíte), quando a rifabutina é coadministada com o voriconazol. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Rifabutina
Contraindicado

Voriconazol + Rifampicina

Observações: n.d.
Interações: Rifampicina (600 mg OD) [potente indutor do CYP450] Contraindicado. - Rifampicina
Contraindicado

Voriconazol + Ritonavir

Observações: n.d.
Interações: Ritonavir (inibidor da protease) [potente indutor do CYP450; inibidor e substrato do CYP3A4] Dose elevada (400 mg BID) Dose baixa (100 mg BID)* A coadministração de voriconazol e doses elevadas de ritonavir (400 mg e superiores BID) é contraindicada. A coadministração de voriconazol e doses baixas de ritonavir (100 mg BID) deve ser evitada, a não ser que a avaliação benefício/risco para o doente justifique a utilização de voriconazol. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Ritonavir
Contraindicado

Voriconazol + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: n.d.
Interações: Hipericão [indutor do CYP450; indutor P-gp] 300 mg TID (coadministrado com uma dose única de 400 mg de voriconazol) Contraindicado. - Hipericão (Erva de S. João)
Não recomendado/Evitar

Voriconazol + Everolímus

Observações: n.d.
Interações: Everolímus [substrato do CYP3A4, substrato P-gp] Apesar de não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente significativamente as concentrações de everolímus. Não se recomenda a coadministração de voriconazol com everolímus uma vez é expectável que o voriconazol aumente significativamente as concentrações de everolímus. - Everolímus
Usar com precaução

Voriconazol + Fluconazol

Observações: n.d.
Interações: Fluconazol (200 mg OD) [inibidor do CYP2C9, CYP2C19 e CYP3A4] Não foi estabelecida a redução e/ou a frequência da dose de voriconazol e fluconazol que poderia eliminar este efeito. Recomenda-se a monitorização das reações adversas associadas ao voriconazol, caso o mesmo seja usado sequencialmente após o fluconazol. - Fluconazol
Não recomendado/Evitar

Voriconazol + Fenitoína

Observações: n.d.
Interações: Fenitoína [substrato do CYP2C9 e potente indutor do CYP450] 300 mg OD 300 mg OD (coadministração de 400 mg BID com voriconazol)* O uso concomitante de voriconazol e fenitoína deve ser evitado, a menos que o benefício supere o risco. Recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis plasmáticos da fenitoína. A fenitoína pode ser coadministrada com voriconazol se a dose de manutenção do voriconazol for aumentada para 5 mg/kg BID por via intravenosa ou de 200 mg para 400 mg BID por via oral (100 mg para 200 mg BID por via oral em doentes com peso inferior a 40 kg). O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Fenitoína
Usar com precaução

Voriconazol + Varfarina

Observações: n.d.
Interações: Anticoagulantes: Varfarina (dose única de 30 mg, coadministrada com 300 mg BID de voriconazol) [substrato do CYP2C9] O aumento máximo do tempo de protrombina foi de, aproximadamente, 2 vezes. Recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina ou outros testes adequados de anticoagulação, e a dose dos anticoagulantes deve ser ajustada em conformidade. - Varfarina
Usar com precaução

Voriconazol + Femprocumona

Observações: n.d.
Interações: Anticoagulantes: Outros cumarínicos orais (ex. femprocumom, acenocumarol) [substratos do CYP2C9, CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar a concentração plasmática dos anticoagulantes cumarínicos que pode aumentar o tempo de protrombina. Recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina ou outros testes adequados de anticoagulação, e a dose dos anticoagulantes deve ser ajustada em conformidade. - Femprocumona
Usar com precaução

Voriconazol + Acenocumarol

Observações: n.d.
Interações: Anticoagulantes: Outros cumarínicos orais (ex. femprocumom, acenocumarol) [substratos do CYP2C9, CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar a concentração plasmática dos anticoagulantes cumarínicos que pode aumentar o tempo de protrombina. Recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina ou outros testes adequados de anticoagulação, e a dose dos anticoagulantes deve ser ajustada em conformidade. - Acenocumarol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Benzodiazepinas

Observações: n.d.
Interações: Benzodiazepinas (ex. midazolam, triazolam, alprazolam) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das benzodiazepinas que são metabolizadas pelo CYP3A4 e leve a um prolongamento do efeito sedativo. Deve ser considerada a redução da dose das benzodiazepinas. - Benzodiazepinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Midazolam

Observações: n.d.
Interações: Benzodiazepinas (ex. midazolam, triazolam, alprazolam) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das benzodiazepinas que são metabolizadas pelo CYP3A4 e leve a um prolongamento do efeito sedativo. Deve ser considerada a redução da dose das benzodiazepinas. - Midazolam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Triazolam

Observações: n.d.
Interações: Benzodiazepinas (ex. midazolam, triazolam, alprazolam) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das benzodiazepinas que são metabolizadas pelo CYP3A4 e leve a um prolongamento do efeito sedativo. Deve ser considerada a redução da dose das benzodiazepinas. - Triazolam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Alprazolam

Observações: n.d.
Interações: Benzodiazepinas (ex. midazolam, triazolam, alprazolam) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das benzodiazepinas que são metabolizadas pelo CYP3A4 e leve a um prolongamento do efeito sedativo. Deve ser considerada a redução da dose das benzodiazepinas. - Alprazolam
Contraindicado

Voriconazol + Sirolímus

Observações: n.d.
Interações: Imunossupressores: [substratos do CYP3A4] Sirolímus (dose única de 2 mg) A coadministração de voriconazol e sirolímus é contraindicada. - Sirolímus
Usar com precaução

Voriconazol + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interações: Imunossupressores: [substratos do CYP3A4] Ciclosporina (em indivíduos transplantados renais estáveis em terapia crónica com ciclosporina) Quando se inicia o voriconazol em doentes sob terapêutica com ciclosporina, recomenda-se a redução da dose da ciclosporina para metade e a monitorização cuidadosa dos seus níveis. Níveis de ciclosporina aumentados foram associados a nefrotoxicidade. Quando o voriconazol é descontinuado, os níveis de ciclosporina devem ser cuidadosamente monitorizados e a dose aumentada, se necessário. - Ciclosporina
Usar com precaução

Voriconazol + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Imunossupressores: [substratos do CYP3A4] Tacrolimus (dose única de 0,1 mg/kg) Quando se inicia o tratamento com voriconazol em doentes sob terapêutica com tacrolimus, recomenda-se a redução da dose de tacrolimus para um terço da dose inicial e a monitorização cuidadosa dos seus níveis. Níveis de tacrolimus aumentados foram associados a nefrotoxicidade. Quando o voriconazol é descontinuado, os níveis de tacrolimus devem ser cuidadosamente monitorizados e a dose aumentada, se necessário. - Tacrolímus
Usar com precaução

Voriconazol + Oxicodona

Observações: n.d.
Interações: Opiáceos de ação prolongada [substratos do CYP3A4] Oxicodona (dose única de 10 mg) Deve ser considerada a redução da dose de oxicodona e outros opiáceos de ação prolongada metabolizados pelo CYP3A4 (ex. hidrocodona). Pode ser necessária uma monitorização frequente das reações adver as associadas aos opiáceos. - Oxicodona
Usar com precaução

Voriconazol + Metadona

Observações: n.d.
Interações: Opiáceos de ação prolongada [substratos do CYP3A4] Metadona (32-100 mg OD) [substrato do CYP3A4] Recomenda-se a monitorização frequente das reações adversas e toxicidade relacionados com a metadona, incluindo o prolongamento do intervalo QTc. Poderá ser necessário reduzir a dose de metadona. - Metadona
Usar com precaução

Voriconazol + Omeprazol

Observações: n.d.
Interações: Omeprazol (40 mg [inibidor do CYP2C19; substrato CYP2C19 e do CYP3A4] Outros inibidores da bomba de protões que são substrato do CYP2C19 também podem ser inibidos pelo voriconazol e pode resultar num aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos. Não é recomendado ajuste posológico do voriconazol. Quando se inicia o tratamento com voriconazol em doentes em terapêutica com dose de 40 mg ou superiores de omeprazol, recomenda-se que a dose de omeprazol seja reduzida para metade. - Omeprazol
Usar com precaução

Voriconazol + Etinilestradiol + Noretisterona

Observações: n.d.
Interações: Contracetivos [substrato do CYP3A4; inibidor do CYP2C19] Noretisterona/etinilestradiol (1 mg/0,035 mg OD) Recomenda-se a monitorização das reações adversas dos contracetivos orais, adicionalmente aos do voriconazol. - Etinilestradiol + Noretisterona
Usar com precaução

Voriconazol + Alfentanilo

Observações: n.d.
Interações: Opiáceos de curta ação [substratos do CYP3A4] Alfentanilo (dose única de 20 μg/kg, com naloxona concomitante) Fentanilo (dose única de 5 µg/kg) Deve considerar-se a redução na dose de alfentanilo, fentanilo e outros opiáceos de curta ação com estrutura semelhante à do alfentanilo e metabolisados pelo CYP3A4 (ex. sufentanilo). Recomenda-se a monitorização alongada e frequente para a depressão respiratória e reações adversas associa as com outros opiáceos. - Alfentanilo
Usar com precaução

Voriconazol + Fentanilo

Observações: n.d.
Interações: Opiáceos de curta ação [substratos do CYP3A4] Alfentanilo (dose única de 20 μg/kg, com naloxona concomitante) Fentanilo (dose única de 5 µg/kg) Deve considerar-se a redução na dose de alfentanilo, fentanilo e outros opiáceos de curta ação com estrutura semelhante à do alfentanilo e metabolisados pelo CYP3A4 (ex. sufentanilo). Recomenda-se a monitorização alongada e frequente para a depressão respiratória e reações adversas associa as com outros opiáceos. - Fentanilo
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Lovastatina

Observações: n.d.
Interações: Estatinas (ex. lovastatina) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das estatinas que são metabolisadas pelo CYP3A4 e pode levar a rabdomiólise. Deve considerar-se a redução da dose das estatinas. - Lovastatina
Usar com precaução

Voriconazol + Tolbutamida

Observações: n.d.
Interações: Sulfonilureias (ex. tolbutamida, glipizida, gliburida) [substratos do CYP2C9] Apesar de não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente os níveis plasmáticos das sulfonilureias e cause hipoglicemia. Recomenda-se a monitorização cuidadosa da glicemia. Deve ser considerada a redução da dose das sulfonilureias. - Tolbutamida
Usar com precaução

Voriconazol + Glibenclamida

Observações: n.d.
Interações: Sulfonilureias (ex. tolbutamida, glipizida, gliburida) [substratos do CYP2C9] Apesar de não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente os níveis plasmáticos das sulfonilureias e cause hipoglicemia. Recomenda-se a monitorização cuidadosa da glicemia. Deve ser considerada a redução da dose das sulfonilureias. - Glibenclamida
Usar com precaução

Voriconazol + Glipizida

Observações: n.d.
Interações: Sulfonilureias (ex. tolbutamida, glipizida, gliburida) [substratos do CYP2C9] Apesar de não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente os níveis plasmáticos das sulfonilureias e cause hipoglicemia. Recomenda-se a monitorização cuidadosa da glicemia. Deve ser considerada a redução da dose das sulfonilureias. - Glipizida
Usar com precaução

Voriconazol + Sulfonilureias

Observações: n.d.
Interações: Sulfonilureias (ex. tolbutamida, glipizida, gliburida) [substratos do CYP2C9] Apesar de não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente os níveis plasmáticos das sulfonilureias e cause hipoglicemia. Recomenda-se a monitorização cuidadosa da glicemia. Deve ser considerada a redução da dose das sulfonilureias. - Sulfonilureias
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Voriconazol + Estatinas

Observações: n.d.
Interações: Estatinas (ex. lovastatina) [substratos do CYP3A4] Apesar de não ter sido estudado clinicamente, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas das estatinas que são metabolisadas pelo CYP3A4 e pode levar a rabdomiólise. Deve considerar-se a redução da dose das estatinas. - Estatinas
Usar com precaução

Voriconazol + Opiáceos

Observações: n.d.
Interações: Opiáceos de curta ação [substratos do CYP3A4] Alfentanilo (dose única de 20 μg/kg, com naloxona concomitante) Fentanilo (dose única de 5 µg/kg) Deve considerar-se a redução na dose de alfentanilo, fentanilo e outros opiáceos de curta ação com estrutura semelhante à do alfentanilo e metabolisados pelo CYP3A4 (ex. sufentanilo). Recomenda-se a monitorização alongada e frequente para a depressão respiratória e reações adversas associa as com outros opiáceos. - Opiáceos
Usar com precaução

Voriconazol + Imunossupressores

Observações: n.d.
Interações: Imunossupressores: [substratos do CYP3A4] Tacrolimus (dose única de 0,1 mg/kg) Quando se inicia o tratamento com voriconazol em doentes sob terapêutica com tacrolimus, recomenda-se a redução da dose de tacrolimus para um terço da dose inicial e a monitorização cuidadosa dos seus níveis. Níveis de tacrolimus aumentados foram associados a nefrotoxicidade. Quando o voriconazol é descontinuado, os níveis de tacrolimus devem ser cuidadosamente monitorizados e a dose aumentada, se necessário. - Imunossupressores
Usar com precaução

Voriconazol + Alcalóides da vinca

Observações: n.d.
Interações: Alcalóides da Vinca (ex. vincristina e vinblastina) [substratos do CYP3A4] Apesar de tal não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas dos alcalóides da vinca e cause neurotoxicidade. Deve ser considerada a redução da dose dos alcalóides da vinca. - Alcalóides da vinca
Usar com precaução

Voriconazol + Vincristina

Observações: n.d.
Interações: Alcalóides da Vinca (ex. vincristina e vinblastina) [substratos do CYP3A4] Apesar de tal não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas dos alcalóides da vinca e cause neurotoxicidade. Deve ser considerada a redução da dose dos alcalóides da vinca. - Vincristina
Usar com precaução

Voriconazol + Vinblastina

Observações: n.d.
Interações: Alcalóides da Vinca (ex. vincristina e vinblastina) [substratos do CYP3A4] Apesar de tal não ter sido estudado, é provável que o voriconazol aumente as concentrações plasmáticas dos alcalóides da vinca e cause neurotoxicidade. Deve ser considerada a redução da dose dos alcalóides da vinca. - Vinblastina
Usar com precaução

Voriconazol + Inibidores da Protease (IP)

Observações: n.d.
Interações: Outros inibidores da protease do VIH (ex. saquinavir, amprenavir e nelfinavir)* [substratos e inibidores do CYP3A4] Não foi estudado clinicamente. Estudos in vitro mostram que o voriconazol pode inibir o metabolismo dos inibidores da protease do VIH e que o metabolismo do voriconazol pode também ser inibido pelos inibidores da protease do VIH. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Inibidores da Protease (IP)
Usar com precaução

Voriconazol + Saquinavir

Observações: n.d.
Interações: Outros inibidores da protease do VIH (ex. saquinavir, amprenavir e nelfinavir)* [substratos e inibidores do CYP3A4] Não foi estudado clinicamente. Estudos in vitro mostram que o voriconazol pode inibir o metabolismo dos inibidores da protease do VIH e que o metabolismo do voriconazol pode também ser inibido pelos inibidores da protease do VIH. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Saquinavir
Usar com precaução

Voriconazol + Amprenavir

Observações: n.d.
Interações: Outros inibidores da protease do VIH (ex. saquinavir, amprenavir e nelfinavir)* [substratos e inibidores do CYP3A4] Não foi estudado clinicamente. Estudos in vitro mostram que o voriconazol pode inibir o metabolismo dos inibidores da protease do VIH e que o metabolismo do voriconazol pode também ser inibido pelos inibidores da protease do VIH. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Amprenavir
Usar com precaução

Voriconazol + Nelfinavir

Observações: n.d.
Interações: Outros inibidores da protease do VIH (ex. saquinavir, amprenavir e nelfinavir)* [substratos e inibidores do CYP3A4] Não foi estudado clinicamente. Estudos in vitro mostram que o voriconazol pode inibir o metabolismo dos inibidores da protease do VIH e que o metabolismo do voriconazol pode também ser inibido pelos inibidores da protease do VIH. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. - Nelfinavir
Usar com precaução

Voriconazol + Inibidores não nucleosídeos da transcriptase inversa (reversa) (NNRTIs)

Observações: n.d.
Interações: Outros Inibidores da transcriptase reversa não-nucleósidos (ITRNN) (ex. delavirdina, nevirapina)* [substratos do CYP3A4, inibidores ou indutores do CYP450] Não foi estudado clinicamente. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. Estudos in vitro mostram que o metabolismo do voriconazol pode ser inibido pelos ITRNN e o voriconazol pode inibir o metabolismo dos ITRNN. Os achados do efeito do efavirenz no voriconazol sugerem que o metabolismo de voriconazol pode ser induzido pelos ITRNN. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. - Inibidores não nucleosídeos da transcriptase inversa (reversa) (NNRTIs)
Usar com precaução

Voriconazol + Delavirdina

Observações: n.d.
Interações: Outros Inibidores da transcriptase reversa não-nucleósidos (ITRNN) (ex. delavirdina, nevirapina)* [substratos do CYP3A4, inibidores ou indutores do CYP450] Não foi estudado clinicamente. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. Estudos in vitro mostram que o metabolismo do voriconazol pode ser inibido pelos ITRNN e o voriconazol pode inibir o metabolismo dos ITRNN. Os achados do efeito do efavirenz no voriconazol sugerem que o metabolismo de voriconazol pode ser induzido pelos ITRNN. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. - Delavirdina
Usar com precaução

Voriconazol + Nevirapina

Observações: n.d.
Interações: Outros Inibidores da transcriptase reversa não-nucleósidos (ITRNN) (ex. delavirdina, nevirapina)* [substratos do CYP3A4, inibidores ou indutores do CYP450] Não foi estudado clinicamente. O asterisco (*) indica uma interação de dois sentidos. Estudos in vitro mostram que o metabolismo do voriconazol pode ser inibido pelos ITRNN e o voriconazol pode inibir o metabolismo dos ITRNN. Os achados do efeito do efavirenz no voriconazol sugerem que o metabolismo de voriconazol pode ser induzido pelos ITRNN. Pode ser necessário o ajuste da dose e a monitorização cuidadosa para qualquer ocorrência de toxicidade medicamentosa e/ou perda de eficácia. - Nevirapina
Sem efeito descrito

Voriconazol + Cimetidina

Observações: n.d.
Interações: Cimetidina (400 mg BID) [inibidor não específico do CYP450 e aumenta o pH gástrico] Não necessário ajuste de dose - Cimetidina
Sem efeito descrito

Voriconazol + Digoxina

Observações: n.d.
Interações: Digoxina (0,25 mg OD) [substrato P-gp] Não necessário ajuste de dose - Digoxina
Sem efeito descrito

Voriconazol + Indinavir

Observações: n.d.
Interações: Indinavir (800 mg TID) [inibidor e substrato do CYP3A4] Não necessário ajuste de dose - Indinavir
Sem efeito descrito

Voriconazol + Macrólidos

Observações: n.d.
Interações: Antibióticos macrólidos: Eritromicina (1 g BID) [inibidor do CYP3A4] Não necessário ajuste de dose Azitromicina (500 mg OD) Não necessário ajuste de dose - Macrólidos
Sem efeito descrito

Voriconazol + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Antibióticos macrólidos: Eritromicina (1 g BID) [inibidor do CYP3A4] Não necessário ajuste de dose - Eritromicina
Sem efeito descrito

Voriconazol + Azitromicina

Observações: n.d.
Interações: Antibióticos macrólidos: Azitromicina (500 mg OD) Não necessário ajuste de dose - Azitromicina
Sem efeito descrito

Voriconazol + Ácido micofenólico

Observações: n.d.
Interações: Ácido micofenólico (dose única de 1 g) [substrato da UDP- glucorunil transferase] Não necessário ajuste de dose - Ácido micofenólico
Sem efeito descrito

Voriconazol + Prednisolona

Observações: n.d.
Interações: Prednisolona (dose única de 60 mg) [substrato do CYP3A4] Não necessário ajuste de dose - Prednisolona
Sem efeito descrito

Voriconazol + Ranitidina

Observações: n.d.
Interações: Ranitidina (150 mg BID) [aumento do pH gástrico] Não necessário ajuste de dose - Ranitidina
Usar com precaução

Voriconazol + Anticoagulantes orais

Observações: n.d.
Interações: Anticoagulantes: Varfarina (dose única de 30 mg, coadministrada com 300 mg BID de voriconazol) [substrato do CYP2C9] Outros cumarínicos orais (ex. femprocumom, acenocumarol) [substratos do CYP2C9, CYP3A4] O aumento máximo do tempo de protrombina foi de, aproximadamente, 2 vezes. Apesar de não ter sido estudado, o voriconazol pode aumentar a concentração plasmática dos anticoagulantes cumarínicos que pode aumentar o tempo de protrombina. Recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina ou outros testes adequados de anticoagulação, e a dose dos anticoagulantes deve ser ajustada em conformidade. - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Voriconazol + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) [substratos do CYP2C9] Ibuprofeno (dose única de 400 mg) Diclofenac (dose única de 50 mg) Recomenda-se a monitorização frequente das reações adversas e toxicidade relacionadas com os AINEs. Pode ser necessária a redução da dose dos AINEs. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Voriconazol + Ibuprofeno

Observações: n.d.
Interações: Ibuprofeno (dose única de 400 mg) Recomenda-se a monitorização frequente das reações adversas e toxicidade relacionadas com os AINEs. Pode ser necessária a redução da dose dos AINEs. - Ibuprofeno
Usar com precaução

Voriconazol + Contracetivos orais

Observações: n.d.
Interações: Contracetivos [substrato do CYP3A4; inibidor do CYP2C19] Noretisterona/etinilestradiol (1 mg/0,035 mg OD) Recomenda-se a monitorização das reações adversas dos contracetivos orais, adicionalmente aos do voriconazol. - Contracetivos orais
Usar com precaução

Midazolam + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Fármacos inibidores do CYP3A: Antifúngicos azólicos: O cetoconazol quintuplicou as concentrações plasmáticas do midazolam intravenoso enquanto que a semivida terminal aproximadamente triplicou. Se for administrado midazolam parentérico concomitantemente com o potente inibidor do CYP3A, cetoconazol, deve atuar-se em unidade de cuidados intensivos (UCI) ou ambiente semelhante que assegure monitorização clínica estreita e tratamento médico apropriado em caso de depressão respiratória e/ou sedação prolongada. Ponderar bem a dose e ajustes de dose, especialmente se for administrada mais do que uma dose i.v. unitária de midazolam. A mesma recomendação pode aplicar-se também a outros antifúngicos azólicos, uma vez que foram relatados aumentos, embora menos intensos, do efeito sedativo do midazolam. O voriconazol aumentou a exposição do midazolam intravenoso para o triplo, enquanto que a sua semivida de eliminação quase triplicou. O fluconazol e o itraconazol produziram concentrações plasmáticas de midazolam intravenoso aumentadas para o dobro ou triplo, associadas a incrementos da semivida terminal de 2,4 e 1,5 vezes para o itraconazol e fluconazol, respetivamente. O posaconazol aumentou as concentrações plasmáticas de midazolam intravenoso para cerca do dobro. Deve ter-se presente que se o midazolam for dado oralmente, a sua exposição será drasticamente mais alta do que as mencionadas acima, particularmente com cetoconazol, itraconazol, voriconazol. As ampolas de midazolam não são indicadas para administração oral. - Voriconazol
Usar com precaução

Naproxeno + Esomeprazol + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: O seguinte foi também observado relativamente às mesmas enzimas: A administração concomitante de 30 mg de esomeprazol resulta numa diminuição de 45% na depuração do diazepam substrato CYP2C19. Não é provável que esta interação tenha relevância clínica. A administração concomitante de 40 mg de esomeprazol resulta num aumento de 13% nos níveis plasmáticos de fenitoína em doentes epiléticos. A administração concomitante de esomeprazol e um inibidor combinado do CYP2C19 e CYP3A4, tal como voriconazol, pode originar mais do que o dobro da exposição ao esomeprazol. A administração concomitante de esomeprazol e um inibidor CYP3A4, claritromicina (500 mg duas vezes ao dia), pode originar mais do que o dobro da exposição (AUC) ao esomeprazol. Não são necessários ajustes posológicos de esomeprazol em qualquer destes casos. Os fármacos conhecidos por induzir o CYP2C19 ou CYP3A4 ou ambos (tais como a rifampicina e o hipericão) podem levar à redução dos níveis séricos de esomeprazol, através do aumento do metabolismo de esomeprazol. O omeprazol, assim como o esomeprazol atuam como inibidores do CYP2C19. O omeprazol, administrado em doses de 40 mg em indivíduos saudáveis num estudo cruzado, aumentou a Cmax e a AUC para o cilostazol em 18% e 26% respetivamente, e um dos seus metabolitos ativos em 29% e 69% respetivamente. Dados em animais indicam que os AINEs podem aumentar o risco de convulsões associadas aos antibióticos do grupo das quinolonas. Doentes a tomar quinolonas podem ter um risco aumentado de desenvolvimento de convulsões. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Nifedipina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do CYP3A4: Com a administração concomitante de conhecidos inibidores do sistema do citocromo P450 3A4, as concentrações plasmáticas da nifedipina podem aumentar fortemente. Se a administração concomitante for considerada necessária, a tensão arterial deve ser monitorizada e, se necessário, deve ser considerada uma redução na dose de nifedipina. A associação de potentes inibidores do CYP 3A4 (cetoconazol, itraconazol, voriconazol, pozaconazol, ritonavir, indinavir, saquinavir, atazanavir, nelfinavir, claritromicina, telitromicina, nefazodona) deve ser evitada. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Nilotinib + Voriconazol

Observações: O nilotinib é principalmente metabolizado no fígado e é também substrato para a bomba de efluxo multifármacos, glicoproteína-P (gp-P). Assim, a absorção e subsequente eliminação do nilotinib absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por substâncias que afetem a CYP3A4 e/ou a gp-P.
Interações: Substâncias que podem aumentar as concentrações séricas do nilotinib: A exposição ao nilotinib em indivíduos saudáveis aumentou 3 vezes quando administrado em conjunto com cetoconazol, um forte inibidor da CYP3A4. Deve ser evitado o tratamento concomitante com inibidores fortes da CYP3A4, incluindo cetoconazol, itraconazol, voriconazol, ritonavir, claritromicina e telitromicina. O aumento da exposição ao nilotinib pode ainda esperar-se com inibidores moderados do CYP3A4. Devem ser consideradas medicações concomitantes alternativas com inibição mínima ou ausência de inibição da CYP3A4. - Voriconazol
Usar com precaução

Rifabutina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: ANTIFÚNGICOS: Voriconazol: Efeito na rifabutina: ↑195% na Cmax ↑331% na AUC*** Efeito no fármaco coadministrado: A rifabutina ( 300 mg uma vez ao dia) diminui a Cmax e a AUC do voriconazol 200 mg 2 vezes ao dia em 69% e 78%, respetivamente. Durante a coadministração com rifabutina, a Cmax e a AUC do voriconazol 350 mg 2 vezes ao dia foram 96% e 68% dos níveis quando administrado isolado 200 mg 2 vezes ao dia. Numa dose de 400 mg de voriconazol 2 vezes ao dia a Cmax e AUC foram 104% e 87% mais elevados, respetivamente, comparativamente ao voriconazol isolado 200 mg 2 vezes ao dia. Se o benefício compensar o risco, a rifabutina pode ser coadministrada com o voriconazol, se a dose de manutenção do voriconazol for aumentada para 5 mg/kg via intravenosa cada 12 h ou de 200 mg para 350 mg via oral, cada 12 h (100 mg para 200 mg via oral, cada 12 h para doentes com peso inferior a 40 kg). É recomendado uma monitorização cuidadosa do hemograma completo e dos acontecimentos adversos à rifabutina (por ex. uveite) quando a rifabutina é coadministrada com voriconazol. AUC - área sob a concentrações vs. Curva do tempo Cmax – Concentrações sérica máxima *** - 400 mg, 2 vezes ao dia de voriconazol - Voriconazol
Sem efeito descrito

Rilpivirina + Voriconazol

Observações: A rilpivirina é um inibidor in vitro do transportador MATE-2K com um IC50 < 2,7 nM. As implicações clínicas deste achado são atualmente desconhecidas.
Interações: INTERAÇÕES E RECOMENDAÇÕES POSOLÓGICAS COM OUTROS MEDICAMENTOS AGENTES ANTIFÚNGICOS DE TIPO AZOL: Fluconazol, Itraconazol, Posaconazol, Voriconazol: Não foi estudado. A utilização concomitante de Rilpivirina com agentes antifúngicos de tipo azol pode causar um aumento das concentrações plasmáticas de rilpivirina. (inibição das enzimas CYP3A) Não é necessário qualquer ajuste da dose. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pazopanib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos de outros medicamentos no pazopanib: Inibidores do CYP3A4, da P-gp e da BCRP: O pazopanib é um substrato do CYP3A4, P-gp e BCRP. A administração concomitante de pazopanib com outros inibidores fortes da família do CYP3A4 (p.ex. itraconazol, claritromicina, atazanavir, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) pode aumentar as concentrações de pazopanib. - Voriconazol
Contraindicado

Sinvastatina + Ezetimiba + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações farmacocinéticas: Interações Medicamentosas Associadas com o Risco Aumentado de Miopatia/Rabdomiólise: Inibidores potentes do CYP3A4 por ex. Itraconazol, Cetoconazol, Posaconazol, Voriconazol, Eritromicina, Claritromicina, Telitromicina, Inibidores da protease do VIH (ex: nelfinavir), Boceprevir, Telaprevir, Nefazodona, Cobicistato, Ciclosporina, Danazol, Gemfibrozil: Contraindicados com Sinvastatina / Ezetimiba. SINVASTATINA: A sinvastatina é um substrato do citocromo P450 3A4. Os inibidores potentes do citocromo P450 3A4 aumentam o risco de miopatia e de rabdomiólise através do aumento da concentração de atividade inibidora da redutase da HMG-CoA no plasma durante a terapêutica com sinvastatina. Estes inibidores incluem: Itraconazol, cetoconazol, posaconazol, voriconazol, eritromicina, claritromicina, telitromicina, inibidores da protease do VIH (p. ex: nelfinavir), boceprevir, telaprevir, nefazodona e medicamentos contendo cobicistato. A administração concomitante de itraconazol resultou num aumento de mais de 10 vezes na exposição ao ácido da sinvastatina (o metabolito betahidroxiácido ativo). A telitromicina causou um aumento de 11 vezes na exposição ao ácido da sinvastatina. Está contraindicada a utilização concomitante de sinvastatina com itraconazol, cetoconazol, posaconazol, voriconazol, inibidores da protease do VIH (p. ex: nelfinavir), boceprevir, telaprevir, eritromicina, claritromicina, telitromicina, nefazodona e medicamentos contendo cobicistato, assim como com gemfibrozil, ciclosporina e danazol. Se o tratamento com inibidores potentes do CYP3A4 (fármacos que aumentam a AUC em aproximadamente 5 vezes ou mais) for inevitável, a terapêutica com Sinvastatina / Ezetimiba deverá ser interrompida (e considerada a utilização de uma estatina alternativa) durante o tratamento. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Ribociclib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Substâncias que podem aumentar as concentrações plasmáticas de ribociclib: Deve ser evitada a utilização concomitante de inibidores potentes da CYP3A4 incluindo, mas não limitado a: claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, lopinavir, ritonavir, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, saquinavir, telaprevir, telitromicina, verapamilo e voriconazol. Em alternativa devem ser considerados medicamentos concomitantes com menor potencial para inibir CYP3A4 e devem ser monitorizados os Acontecimentos Adversos (AA) relacionados com ribociclib nos doentes. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Ritonavir + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Anti-infeciosos: Voriconazol: O uso concomitante de ritonavir administrado como medicamento antirretroviral e voriconazol está contraindicado, devido a redução nas concentrações de voriconazol. Deve ser evitada a coadministração de voriconazol e ritonavir administrado como potenciador farmacocinético, a não ser que a avaliação do benefício/risco para o doente justifique o uso de voriconazol. - Voriconazol
Usar com precaução

Venlafaxina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos de outros medicamentos sobre a venlafaxina: Cetoconazol (inibidor da CYP3A4): Num estudo farmacocinético realizado com cetoconazol em indivíduos metabolizadores extensivos (ME) e fracos (MF) de CYP2D6 observaram-se AUC mais elevadas de venlafaxina (70% e 21% em indivíduos MF e ME de CYP2D6, respectivamente) e de O-desmetilvenlafaxina (33% e 23% em indivíduos MF e ME de CYP2D6, respectivamente) após a administração de cetoconazole. O uso concomitante de inibidores da CYP3A4 (por exemplo, atazanavir, claritromicina, indinavir, itraconazol, voriconazol, posaconazol, cetoconazol, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina) e venlafaxina pode aumentar os níveis de venlafaxina e O-desmetilvenlafaxina. Deste modo, aconselha-se precaução no caso da terapêutica do doente incluir concomitantemente um inibidor da CYP3A4 e venlafaxina. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Sirolímus + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O sirolímus é extensamente metabolizado na parede do intestino e no fígado pela isoenzima CYP3A4. O sirolímus é também um substrato da bomba de efluxo de multifármacos, glicoproteína P (P - gp), localizada no intestino delgado. Portanto, a absorção e subsequente eliminação do sirolímus podem ser afetadas por substâncias que interferem com essas proteínas. Os inibidores da CYP3A4 (tais como cetoconazol, voriconazol, itraconazol, telitromicina ou claritromicina) diminuem o metabolismo do sirolímus e aumentam os níveis de sirolímus. Os indutores da CYP3A4 (tais como rifampicina ou rifabutina) aumentam o metabolismo do sirolímus e diminuem os níveis de sirolímus. Não se recomenda a administração simultânea de sirolímus com potentes inibidores da CYP3A4 ou indutores da CYP3A4. Voriconazol (inibidor da CYP3A4): Foi relatado que a administração simultânea de sirolímus (2 mg dose única) com a administração oral de doses múltiplas de voriconazol (400 mg de 12 em 12 h no 1º dia, seguido de 100 mg de 12 em 12h durante 8 dias) em indivíduos saudáveis provocou um aumento da Cmax e da AUC do sirolímus, em média, de 7 vezes e 11 vezes, respetivamente. Não se recomenda a administração simultânea de sirolímus e voriconazol. Os inibidores da CYP3A4 podem diminuir o metabolismo do sirolímus e aumentar os seus níveis sanguíneos. Estes inibidores incluem alguns antifúngicos (por exemplo, clotrimazol, fluconazol, itraconazol, voriconazol), alguns antibióticos (por exemplo, troleandomicina, telitromicina, claritromicina), alguns inibidores da protease (por exemplo, ritonavir, indinavir, boceprevir, telaprevir), nicardipina, bromocriptina, cimetidina e danazol. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Temsirolímus + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Agentes inibidores do metabolismo CYP3A: A administração concomitante de temsirolímus 5 mg com cetoconazol, um potente inibidor do CYP3A4, não teve efeito significativo na Cmax do temsirolímus ou AUC; no entanto, a AUC do sirolímus aumentou 3,1 vezes, e a AUC som a (temsirolímus + sirolímus) aumentou 2,3 vezes comparativamente ao temsirolímus em monoterapia. O efeito nas concentrações de sirolímus não ligado não foi determinado, mas espera-se que seja maior do que o efeito nas concentrações no sangue total devido a uma saturação da ligação aos glóbulos vermelhos. O efeito pode também ser mais pronunciado numa dose de 25 mg. Assim, as substâncias que sejam inibidores potentes da atividade do CYP3A4 (p.ex., nelfinavir, ritonavir, itraconazol, cetoconazol, voriconazol, nefazodona) aumentam as concentrações sanguíneas de sirolímus. Deve evitar-se o tratamento concomitante de temsirolímus com agentes que tenham forte potencial inibidor do CYP3A4. O tratamento concomitante com inibidores moderados do CYP3A4 (p.ex., diltiazem, verapamil, claritromicina, eritromicina, aprepitante, amiodarona) deve apenas ser administrado com precaução nos doentes a receber 25 mg e deve evitar-se nos doentes a receber doses de temsirolímus mais elevadas do que 25 mg. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona. - Voriconazol
Usar com precaução

Telaprevir + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: ANTIFÚNGICOS: Cetoconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol: Se existir necessidade de administração concomitante, não são recomendadas doses elevadas de itraconazol (> 200 mg/dia) ou cetoconazol (> 200 mg/dia). Deve existir precaução e recomenda-se monitorização clínica para o itraconazol, posaconazol e voriconazol. Foram notificados prolongamento do intervalo QT e Torsade de Pointes com voriconazol e posaconazol. Foi reportado prolongamento do intervalo QT com cetoconazol. Voriconazol não deve ser administrado em doentes que recebem telaprevir, exceto se uma avaliação da relação risco/benefício justificar a sua utilização. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Tipranavir + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação apenas foram realizados em adultos.
Interações: MEDICAMENTOS ANTI-INFECCIOSOS: Antifúngicos: Voriconazol Não foi realizado qualquer estudo de interação. Dado estarem envolvidas múltiplas isoenzimas do citocromo P450 na metabolização do voriconazol, é difícil prever uma interação com Tipranavir, coadministrado com ritonavir em dose baixa. Com base na conhecida interação do voriconazol com ritonavir em dose baixa (ver RCM do voriconazol), a coadministração de tipranavir/r e voriconazol deve ser evitada, exceto se a avaliação do risco/benefício para o doente justificar a utilização do voriconazol. - Voriconazol
Contraindicado

Cariprazina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Potencial de outros medicamentos para afetar a cariprazina: O metabolismo da cariprazina e dos seus principais metabolitos ativos, a desmetil cariprazina (DCAR) e a didesmetil cariprazina (DDCAR), é maioritariamente mediado pela CYP3A4 com um contributo menor da CYP2D6. Inibidores da CYP3A4: O cetoconazol, um forte inibidor da CYP3A4, provocou um aumento duas vezes superior na exposição plasmática à cariprazina total (soma da cariprazina e dos seus metabolitos ativos) durante uma coadministração de curta duração (4 dias), considerando-se tanto as frações não ligadas ou não ligadas+ligadas. Devido à longa semivida das frações ativas da cariprazina, pode esperar-se um aumento adicional da exposição plasmática à cariprazina total durante uma coadministração mais longa. Assim, a coadministração de cariprazina com inibidores fortes ou moderados da CYP3A4 (p. ex., boceprevir, claritromicina, cobicistate, indinavir, itraconazol, cetoconazol, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, ritonavir, saquinavir, telaprevir, telitromicina, voriconazol, diltiazem, eritromicina, fluconazol, verapamilo) é contraindicada. O consumo de sumo de toranja deve ser evitado. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Sofosbuvir + Velpatasvir + Voxilaprevir + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Interações entre Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir e outros medicamentos: ANTIFÚNGICOS Voriconazol (Inibição do CYP3A) Interação apenas estudada com voxilaprevir. Voriconazol (200 mg duas vezes por dia) + voxilaprevir (dose única de 100 mg) Não são necessários ajustes da dose de Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir ou de voriconazol. - Voriconazol
Usar com precaução

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interação com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interações: ANTIFÚNGICOS Voriconazol Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COBI aumente as concentrações plasmáticas destes antifúngicos, e as concentrações plasmáticas de darunavir, cobicistate e/ou tenofovir alafenamide podem aumentar com estes antifúngicos. (inibição do CYP3A e/ou da glicoproteína-P) As concentrações de voriconazol podem aumentar ou diminuir quando administrados concomitantemente com DRV/COBI. Recomenda-se precaução e monitorização clínica. É recomendada monitorização terapêutica de voriconazol, posaconazol ou itraconazol. Se for necessária uma administração concomitante, a dose diária de itraconazol não deve exceder os 200mg. O voriconazol não deve ser combinado com este medicamento, a não ser que uma avaliação do benefício/risco justifique a utilização de voriconazol. - Voriconazol
Usar com precaução

Letermovir + Voriconazol

Observações: Informação geral sobre as diferenças na exposição entre os diferentes regimes de tratamento com letermovir - A exposição plasmática esperada de letermovir difere consoante o regime terapêutico utilizado. Desta forma, as consequências clínicas das interações medicamentosas do letermovir vão depender do regime de letermovir utilizado, e se o letermovir está ou não associado à ciclosporina. - A associação de ciclosporina e letermovir pode levar a efeitos potenciados ou adicionais dos medicamentos concomitantes quando comparado com letermovir isoladamente.
Interações: Medicamentos metabolizados pelo CYP2C9 e/ou CYP2C19 A administração concomitante de Letermovir com voriconazol (um substrato CYP2C19) resulta numa diminuição significativa das concentrações plasmáticas de voriconazol, o que indica que letermovir é um indutor do CYP2C19. O CYP2C9 é provavelmente induzido também. O letermovir tem o potencial para diminuir a exposição dos substratos de CYP2C9 e/ou CYP2C19, resultando potencialmente em níveis sub-terapêuticos. - Exemplos destes medicamentos incluem varfarina, fenitoína, voriconazol, diazepam, lansoprazol, omeprazol, esomeprazol, pantoprazol, tilidina e tolbutamida. É esperado que o efeito não seja tão pronunciado para letermovir oral sem ciclosporina do que para letermovir IV com ou sem ciclosporina, ou letermovir oral com ciclosporina. Isto deve ser tido em consideração quando o regime de letermovir é alterado durante o tratamento com um substrato CYP2C9 ou CYP2C19. Antifúngicos Voriconazol (200 mg duas vezes por dia)/ letermovir (480 mg por dia): Se for necessária a administração concomitante, é recomendada TDM do voriconazol nas 2 primeiras semanas após iniciar e após terminar letermovir, bem como após alterar a via de administração de letermovir ou do imunossupressor. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Atorvastatina + Perindopril + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina e perindopril separadamente. Os dados de estudos clínicos demonstram que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através da utilização combinada de IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado ao aumento da frequência de eventos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia, diminuição da função renal (incluindo insuficiência renal aguda) comparativamente com a utilização de um único medicamento que atua no SRAA.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: Atorvastatina Inibidores potentes do CYP3A4 A atorvastatina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4) e é substrato para proteínas de transporte por exemplo, o transportador de captação hepático OATP1B1. A administração concomitante de medicamentos que sejam inibidores do CYP3A4 ou de proteínas de transporte pode originar um aumento da concentração plasmática de atorvastatina e aumentar o risco de miopatia. O risco também poderá estar aumentado quando há administração concomitante de atorvastatina com outros medicamentos que têm um potencial elevado para induzir a miopatia, como os derivados do ácido fíbrico e ezetimiba. Foi demonstrado que os inibidores potentes do CYP3A4 conduzem a um aumento acentuado da concentração de atorvastatina. A administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 (por exemplo, ciclosporina, telitromicina, claritromicina, delavirdina, estiripentol, cetoconazol, voriconazol, itraconazol, posaconazol e inibidores das proteases do VIH incluindo ritonavir, lopinavir, atazanavir, indinavir, darunavir, etc.) com Atorvastatina + Perindopril deve ser evitada, se possível. Nos casos em que a administração concomitante destes medicamentos com Atorvastatina + Perindopril não pode ser evitada, devem ser consideradas as doses mais baixas de atorvastatina no Atorvastatina + Perindopril e recomenda-se uma adequada monitorização clínica destes doentes. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Dolutegravir + Rilpivirina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Fármacos antifúngicos azólicos Fluconazol Itraconazol Isavuconazol Posaconazol Voriconazol/Dolutegravir: Não é necessário ajuste de dose. Fluconazol Itraconazol Isavuconazol Posaconazol Voriconazol/Rilpivirina: Não é necessário ajuste de dose. - Voriconazol
Sem efeito descrito

Bictegravir + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Voriconazol (300 mg duas vezes por dia), Bictegravir (Inibição de CYP3A) Não é necessário ajuste posológico com a coadministração. - Voriconazol
Usar com precaução

Ibuprofeno + Paracetamol + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol). - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Neratinib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos de outras substâncias sobre o neratinib Inibidores da CYP3A4/Pgp A coadministração de uma dose oral única de 240 mg de neratinib na presença de cetoconazol (400 mg uma vez por dia durante 5 dias), um inibidor potente da CYP3A4/Pgp, aumentou a exposição sistémica ao neratinib. A Cmáx de neratinib aumentou em 3,2 vezes e a AUC aumentou em 4,8 vezes quando coadministrado com cetoconazol, em comparação com o neratinib administrado em monoterapia. A utilização concomitante de inibidores potentes da CYP3A4/Pgp (por ex., atazanavir, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir cetoconazol, itraconazol, claritromicina, telitromicina e voriconazol) deve ser evitada. A toranja ou o sumo de toranja também podem aumentar as concentrações plasmáticas de neratinib e devem ser evitados. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Abemaciclib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética do abemaciclib O abemaciclib é principalmente metabolizado pela CYP3A4. Inibidores da CYP3A4 A coadministração de abemaciclib com inibidores da CYP3A4 pode aumentar as concentrações plasmáticas do abemaciclib. Em doentes com cancro metastático e/ou avançado, a co-administração do inibidor da CYP3A4 claritromicina resultou num aumento de 3,4-vezes na exposição plasmática de abemaciclib e num aumento de 2.5-vezes na exposição plasmática combinada livre ajustada à potência de abemaciclib e dos seus metabolitos ativos. A utilização de inibidores fortes da CYP3A4 em conjunto com o abemaciclib deve ser evitada. Se é necessário coadministrar inibidores fortes da CYP3A4, a dose de abemaciclib deve ser reduzida, seguida por uma monitorização cuidadosa da toxicidade. Exemplos de inibidores fortes da CYP3A4 incluem, mas não se limitam: claritromicina, itraconazol, cetoconazol, lopinavir/ritonavir, posaconazol ou o voriconazol. Evitar a ingestão de toranja ou sumo de toranja. Para doentes tratados com inibidores CYP3A4 fracos ou moderados, não é necessário um ajuste de dose. No entanto, deve existir, uma monitorização atenta dos sinais de toxicidade. - Voriconazol
Usar com precaução

Tezacaftor + Ivacaftor + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que afetam a farmacocinética de tezacaftor e de ivacaftor Inibidores da CYP3A A coadministração com o itraconazol, um inibidor forte da CYP3A, aumentou a exposição ao tezacaftor (medida pela AUC) 4,0 vezes e aumentou a AUC do ivacaftor 15,6 vezes. A dose de Tezacaftor/Ivacaftor deve ser ajustada quando coadministrada com inibidores fortes da CYP3A. Exemplos de inibidores fortes da CYP3A incluem: • cetoconazol, itraconazol, posaconazol e voriconazol • telitromicina e claritromicina O modelo farmacocinético fisiológico sugeriu que a coadministração com fluconazol, um inibidor moderado da CYP3A, poderá aumentar a exposição (AUC) do tezacaftor em, aproximadamente, 2 vezes. A coadministração com fluconazol aumentou a AUC do ivacaftor 3 vezes. A dose de Tezacaftor/Ivacaftor e de ivacaftor deve ser ajustada quando coadministrada com inibidores moderados da CYP3A. Exemplos de inibidores moderados da CYP3A incluem: • fluconazol • eritromicina - Voriconazol
Sem efeito descrito

Doravirina + Lamivudina + Tenofovir + Voriconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Agentes Antifúngicos Azólicos Fluconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol: Não é necessário ajuste posológico. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Brigatinib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Agentes que podem aumentar a concentração plasmática de brigatinib Inibidores do CYP3A Estudos in vitro demonstraram que brigatinib é um substrato do CYP3A4/5. Em indivíduos saudáveis, a administração concomitante de doses múltiplas de 200 mg duas vezes ao dia de itraconazol, um inibidor potente do CYP3A, com uma dose única de 90 mg de brigatinib aumentou a Cmáx em 21%, AUC0-INF em 101% (2 vezes) e a AUC0-120 em 82% (< 2 vezes) de brigatinib, em relação a uma dose de 90 mg de brigatinib administrada isoladamente. A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A com Brigatinib, incluindo mas não limitado a determinados medicamentos antivirais (por exemplo, indinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir), antibióticos macrólidos (por exemplo, claritromicina, telitromicina, troleandomicina), antifúngicos (por exemplo, cetoconazol, voriconazol), mibefradil e nefazodona, deverá ser evitada. Caso não seja possível evitar a utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A, a dose de Brigatinib deve ser reduzida em 50% (isto é, 180 mg para 90 mg ou de 90 mg para 60 mg). Após descontinuação de um inibidor potente do CYP3A, Brigatinib deve ser retomado na dose tolerada antes do início da toma do inibidor potente do CYP3A. - Voriconazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lorlatinib + Voriconazol

Observações: Dados in vitro indicam que lorlatinib é principalmente metabolizado pelo CYP3A4 e pela uridina difosfato-glucuronosiltransferase (UGT)1A4, com pequenas contribuições do CYP2C8, CYP2C19, CYP3A5 e UGT1A3.
Interações: Inibidores do CYP3A4/5 O itraconazol, um inibidor potente do CYP3A4/5, administrado em doses orais de 200 mg uma vez por dia durante 5 dias, aumentou a AUC média de lorlatinib em 42% e a Cmax em 24% de uma dose única oral de 100 mg de lorlatinib em voluntários saudáveis. A administração concomitante de lorlatinib com inibidores potentes do CYP3A4/5 (p. ex., boceprevir, cobicistate, itraconazol, cetoconazol, posaconazol, troleandomicina, voriconazol, ritonavir, paritaprevir em associação com ritonavir e ombitasvir e/ou dasabuvir, e ritonavir em associação com elvitegravir, indinavir, lopinavir ou tipranavir) pode aumentar as concentrações plasmáticas de lorlatinib. Os produtos à base de toranja podem igualmente aumentar as concentrações plasmáticas de lorlatinib e devem ser evitados. Deve ser considerado um medicamento concomitante alternativo com menos potencial para inibir o CYP3A4/5. Se tiver de ser administrado concomitantemente um inibidor potente do CYP3A4/5, recomenda-se uma redução da dose de lorlatinib. - Voriconazol
Contraindicado

Lamivudina + Nevirapina + Zidovudina + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Voriconazol: Inibidores da Transcriptase Reversa (Não Nucleósido) podem diminuir a concentração sérica de Voriconazol. O voriconazol pode aumentar a concentração sérica de inibidores da transcriptase reversa (não nucleossídeo). Gerenciamento: considere evitar quando possível. Use efavirenz com voriconazol apenas se o voriconazol for administrado a 400 mg a cada 12 horas e o efavirenz for administrado a 300 mg por dia (doses em adultos) durante a terapia. Evite Atripla (efavirenz / emtricitabina / tenofovir). Considere modificação da terapia - Voriconazol
Usar com precaução

Larotrectinib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Efeitos de outros agentes sobre o larotrectinib Efeito dos inibidores dos CYP3A, P-gp e BCRP sobre o larotrectinib O larotrectinib é um substrato do citocromo P450 (CYP) 3A, da glicoproteína-P (P-gp) e da proteína de resistência do cancro da mama (BCRP - breast cancer resistance protein). A coadministração de Larotrectinib com inibidores potentes dos CYP3A e com inibidores da P-gp e da BCRP (p. ex., atazanavir, claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, troleandomicina, voriconazol ou toranja) pode aumentar as concentrações plasmáticas do larotrectinib. Os dados clínicos obtidos em indivíduos adultos saudáveis indicam que a coadministração de uma dose única de 100 mg de Larotrectinib com 200 mg de itraconazol (um inibidor potente do CYP3A e inibidor da P-gp e da BCRP), uma vez por dia durante 7 dias, aumentou a Cmax e a AUC do larotrectinib, respetivamente, 2,8 e 4,3 vezes. Os dados clínicos obtidos em indivíduos adultos saudáveis indicam que a coadministração de uma dose única de 100 mg de Larotrectinib com uma dose única de 600 mg de rifampicina (um inibidor da P-gp e da BCRP) aumentou a Cmax e a AUC do larotrectinib, respetivamente, 1,8 e 1,7 vezes. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Gilteritinib + Voriconazol

Observações: Gilteritinib é principalmente metabolizado pelas enzimas do CYP3A, que podem ser induzidas ou inibidas por diversos medicamentos concomitantes.
Interações: Efeitos de outros medicamentos no Gilteritinib Inibidores do CYP3A e/ou gp-P Os inibidores fortes do CYP3A e/ou gp-P (por ex., voriconazol, itraconazol, posaconazol, claritromicina, eritromicina, captopril, carvedilol, ritonavir, azitromicina) podem aumentar as concentrações plasmáticas de gilteritinib. A administração concomitante de uma dose única de 10 mg de gilteritinib e itraconazol (200 mg uma vez por dia durante 28 dias), um inibidor forte do CYP3A e/ou gp-P, em indivíduos saudáveis resultou num aumento aproximado de 20% da Cmax média e num aumento de 2,2 vezes da AUCinf média em comparação com os indivíduos que receberam uma única dose de gilteritinib isolado. A exposição a gilteritinib aumentou aproximadamente 1,5 vezes nos doentes com LMA recidivante ou refratária quando administrado concomitantemente com inibidores fortes do CYP3A e/ou gp-P. - Voriconazol
Usar com precaução

Upadacitinib + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Coadministração com inibidores da CYP3A4 A exposição a upadacitinib aumenta quando coadministrado com inibidores potentes da CYP3A4 (tais como cetoconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol e claritromicina). Num estudo clínico, a coadministração de upadacitinib com cetoconazol resultou em aumentos de 70% e 75% na Cmax e AUC de upadacitinib, respetivamente. Upadacitinib deve ser utilizado com precaução em doentes que estejam a receber tratamento crónico com inibidores potentes da CYP3A4. Considerar alternativas a medicamentos inibidores potentes da CYP3A4 quando utilizados a longo prazo. - Voriconazol
Usar com precaução

Polatuzumab vedotina + Voriconazol

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação farmacológica com polatuzumab vedotina em humanos.
Interações: Com base na simulação farmacocinética baseada em fisiologia (PBPK) de MMAE libertado de polatuzumab vedotina, inibidores potentes do CYP3A4 e gp-P (ex. cetoconazol) podem aumentar a área sob a curva da concentração-tempo (AUC) de MMAE não conjugado em 48%. É recomendada precaução no caso de tratamento concomitante com um inibidor do CYP3A4. Os doentes que recebam concomitantemente inibidores potentes do CYP3A4 (ex. boceprevir, claritromicina, cobicistate, indinavir, itraconazol, nefazodona, nelfinavir, posaconazol, ritonavir, saquinavir, telaprevir, telitromicina, voriconazol) devem ser alvo de vigilância mais apertada quanto ao aparecimento de sinais de toxicidade. - Voriconazol
Não recomendado/Evitar

Codeína + Diclofenac de sódio + Voriconazol

Observações: As seguintes interações incluem as observadas com Codeína + Diclofenac de sódio e/ou outras formas farmacêuticas de diclofenac.
Interações: Diclofenac Inibidores do CYP2C9: Recomenda-se cautela na coprescrição de diclofenac com inibidores potentes do CYP2C9 (tais como voriconazol), uma vez que pode resultar em aumento significativo do pico de concentração plasmática e exposição ao diclofenac. - Voriconazol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Voriconazol
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Os medicamentos descritos na lista seguinte não podem ser tomados durante o tratamento com Voriconazol:
- Terfenadina (utilizado para as alergias)
- Astemizol (utilizado para as alergias)
- Cisaprida (utilizado para os problemas de estômago)
- Pimozida (utilizado para o tratamento de doenças mentais)
- Quinidina (utilizado para o batimento irregular do coração)
- Rifampicina (utilizado para o tratamento da tuberculose)
- Efavirenz (utilizado no tratamento da infeção por VIH) em doses de 400 mg ou superiores, uma vez por dia
- Carbamazepina (utilizado no tratamento das convulsões)
- Fenobarbital, mefobarbital (utilizado para situações graves de insónia e convulsões)
- Alcaloides da cravagem do centeio (e.g. ergotamina, di-hidroergotamina; utilizados para a enxaqueca)
- Sirolímus (utilizado em doentes transplantados)
- Ritonavir (utilizado no tratamento da infeção por VIH) em doses de 400 mg ou superiores, duas vezes por dia
- Hipericão (suplemento à base de plantas

Voriconazol não pode ser tomado durante a gravidez, exceto por indicação do médico.

As mulheres em idade fértil deverão utilizar um método contracetivo eficaz.

Voriconazol não pode ser tomado durante o aleitamento.

Voriconazol pode causar visão turva, perceção visual alterada ou sensação de desconforto à luz.

Quando afetado, não conduza nem utilize ferramentas ou máquinas.

Contacte o seu médico se tiver tido estas reações.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020