Treprostinilo

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O Treprostinilo pertence a um grupo de medicamentos que atuam de forma semelhante às prostaciclinas produzidas naturalmente.

As prostaciclinas são substâncias semelhantes às hormonas que baixam a tensão arterial relaxando os vasos sanguíneos, fazendo com que alarguem, o que permite ao sangue fluir mais facilmente.

As prostaciclinas podem ter também uma influência na prevenção da coagulação do sangue.
Usos comuns
Treprostinil é usada para tratar a hipertensão arterial pulmonar (HAP).

Ele melhora a sua capacidade de exercer e impede a sua condição se agrave.
Tipo
Molécula pequena.
História
Durante a década de 1960 uma equipa de pesquisadores do Reino Unido, liderado pelo Professor John Vane começou a explorar o papel das prostaglandinas na anafilaxia e doenças respiratórias.

Trabalhando com uma equipa do Royal College of Surgeons, Vane descobriu que a aspirina e outros medicamentos anti-inflamatórios orais trabalharam pela inibição da síntese de prostaglandinas.

Esta descoberta abriu a porta para uma compreensão mais ampla do papel das prostaglandinas no corpo.

Vane e uma equipa da Fundação Wellcome tinha identificado um mediador lipídico que chamaram de " PG- X ", o que inibiu a agregação plaquetária. PG - X, que mais tarde se tornou conhecido como a prostaciclina, foi 30 vezes mais potente do que qualquer outro agente anti - agregadora conhecido.

Em 1976, Vane e colega pesquisador Salvador Moncada publicou o primeiro trabalho em prostaciclina, na revista científica Nature. A colaboração produziu uma molécula sintética que foi dado o nome epoprostenol.

Mas, como a prostaciclina nativa, a estrutura da molécula de epoprostenol provou ser instável em solução, propenso para a degradação rápida. Este apresentou um desafio para ambos os ensaios in vitro e aplicações clínicas.

Para superar esse desafio, a equipe de pesquisa que descobriu prostacyclin estava determinado a continuar a pesquisa em uma tentativa de construir sobre o sucesso que tinha visto com a molécula protótipo. A equipe de pesquisa sintetizado quase 1.000 análogos.

Treprostinil demonstrou um efeito único sobre o PPAR gama, um factor de transcrição importante na patogénese vascular como um mediador da proliferação, inflamação e apoptose.

Através de uma via independente -AMP complementar, mas cíclica, treprostinil ativa PPAR, um outro mecanismo que contribui para os benefícios anti-crescimento da classe prostaciclina.
Indicações
Tratamento da hipertensão arterial pulmonar (HAP) idiopática ou hereditária para melhorar a tolerância ao exercício físico e os sintomas da doença em doentes pertencentes à Classe III da classificação funcional da New York Heart Association (NYHA).
Classificação CFT

04.03.01.03 : Antiagregantes plaquetários

Mecanismo De Ação
O treprostinilo é um análogo da prostaciclina que exerce um efeito vasodilatador direto sobre a circulação arterial pulmonar e sistémica, inibindo a agregação plaquetária.


Em animais, os efeitos vasodilatadores reduzem a sobrecarga ventricular direita e esquerda e aumentam o débito cardíaco e volume sistólico.

O efeito do treprostinilo sobre o ritmo cardíaco em animais varia com a dose.

Não se observaram efeitos major sobre a condução cardíaca.
Posologia Orientativa
Adultos
Início do tratamento para doentes que nunca fizeram terapêutica com prostaciclina:
O tratamento deve ser iniciado sob apertada vigilância clínica em estabelecimento médico com capacidade para viabilizar cuidados intensivos.

A taxa de perfusão inicial recomendada é de 1,25 ng/kg/min. Se esta dose inicial for mal tolerada, a taxa de perfusão deve ser reduzida para 0,625 ng/kg/min.

Ajuste da dose
A taxa de perfusão deve ser aumentada sob vigilância clínica em incrementos de 1,25 ng/kg/min por semana durante as primeiras quatro semanas de tratamento, e depois de 2,5 ng/kg/min por semana.
A dose deve ser ajustada de acordo com o indivíduo e sob vigilância clínica, até se obter uma dose de manutenção com a qual os sintomas melhorem e que seja tolerada pelo doente.
Administração
O tratamento deve ser iniciado e monitorizado apenas por médicos com experiência no tratamento da hipertensão pulmonar.

Treprostinilo é administrado por como uma perfusão contínua, por via:
Subcutânea (sob a pele), através de um pequeno tubo (cânula) que é colocado no abdómen ou na coxa; ou Intravenosa, através de um tubo (cateter) geralmente colocado no pescoço, no peito ou na virilha.


Em ambos os casos, é empurrado através do tubo por uma bomba portátil.
Contraindicações
Hipersensibilidade conhecida ao treprostinilo.

Hipertensão arterial pulmonar relacionada com doença veno-oclusiva.

Insuficiência cardíaca congestiva causada por disfunção grave do ventrículo esquerdo.

Insuficiência hepática grave (Classe C de Child-Pugh).

Úlcera gastrointestinal ativa, hemorragia ou lesão intracraniana ou qualquer outro estado que inclua hemorragia.

Defeitos valvulares congénitos ou adquiridos, com disfunções clinicamente relevantes da função miocárdica não relacionadas com hipertensão pulmonar.

Doença cardíaca coronária grave ou angina instável; enfarte do miocárdio nos últimos seis meses; insuficiência cardíaca descompensada, caso não esteja a ser devidamente acompanhada por um médico; arritmias graves; problemas cerebrovasculares (ex. ataque isquémico transitório, acidente vascular cerebral) nos últimos três meses.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sistema nervoso
Muito frequentes: cefaleias
Frequentes: tonturas

Cardiopatias
Muito frequentes: vasodilatação
Frequentes: hipotensão

Doenças gastrointestinais
Muito frequentes: diarreia, náuseas

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos
Muito frequentes: erupção cutânea
Frequentes: prurido

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Muito frequentes: dores maxilares

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Muito frequentes: dores no local da perfusão, reação no local da perfusão, hemorragias ou hematomas.
Frequentes: edema

Os casos de hemorragia demonstraram ser tão frequentes como era expectável nesta população de doentes, com uma proporção elevada de doentes a tomar anticoagulantes. Devido aos seus efeitos sobre a agregação plaquetária, o Treprostinilo pode aumentar o risco de hemorragia, conforme verificado através de um aumento de incidência de epistaxe e hemorragia gastrointestinal (GI) (incluindo hemorragia GI, hemorragia retal, hemorragia gengival e melena) em estudos clínicos controlados. Registaram-se ainda casos de hemoptise, hematemese e hematúria, mas estes ocorreram com ou menor frequência do que no grupo de placebo.

Eventos observados durante a prática clínica
Além das reações adversas notificadas dos estudos clínicos, foram identificados os seguintes eventos durante a utilização pós-aprovação deste medicamento. Visto serem notificados voluntariamente de uma população cujo tamanho é desconhecido, não podem ser feitas estimativas da frequência.
Tromboflebite associada a perfusão intravenosa periférica, infeção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central, sépsis, bacteremia, infeção no local da perfusão, formação de abcesso no local da perfusão subcutânea, trombocitopenia, hemorragia associada ao local da perfusão e dor nos ossos.
Além disso, foram notificadas, com pouca frequência, erupções cutâneas generalizadas, por vezes de natureza macular ou papular e celulite.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: B - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiência em animais não foram encontrados riscos, mas foram encontrados efeitos colaterais que não foram confirmado nas mulheres, especialmente durante o último trimestre de gravidez.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Deve recomendar-se às mulheres que estão a amamentar e a tomar treprostinilo que interrompam o aleitamento.
Condução
Condução
Condução:No início do tratamento ou no ajuste da dosagem poderão ocorrer efeitos indesejáveis tais como a hipotensão sistémica sintomática ou tonturas, que pode condicionar a capacidade de conduzir.
Precauções Gerais
A decisão de iniciar o tratamento com Treprostinilo deve tomar em consideração a grande probabilidade de ser necessário prolongar por um grande período de tempo uma perfusão contínua.


Assim, deve tomar-se em consideração a capacidade do doente para aceitar e responsabilizar-se por um cateter implantado no seu corpo e pelo dispositivo de perfusão.


Treprostinilo é um potente vasodilatador pulmonar e sistémico.

Nos indivíduos que apresentam uma tensão arterial sistémica baixa, o tratamento com treprostinilo poderá aumentar o risco de hipotensão sistémica.

Este tratamento não é recomendado em doentes com uma tensão arterial sistólica abaixo de 85 mmHg.


Recomenda-se a monitorização da tensão arterial sistémica e do ritmo cardíaco durante qualquer alteração da dose, com instruções para interromper a perfusão caso se desenvolvam sintomas de hipotensão, ou caso se detete uma pressão arterial sistólica de 85 mmHg ou inferior.


A interrupção abrupta ou as reduções significativas e súbitas da dose de deste medicamento poderão causar hipertensão arterial pulmonar rebound.


Se um doente contrair edema pulmonar enquanto estiver a tomar este medicamento, deverá ser considerada a possibilidade de existência de uma doença veno-oclusiva pulmonar.

Neste caso, deve ser interrompido o tratamento.


Os doentes obesos (com IMC acima de 30 kg/m2) eliminam o treprostinilo mais lentamente.


O benefício do tratamento subcutâneo com Treprostinilo em doentes com hipertensão arterial pulmonar mais grave (NYHA, classe funcional IV) não foi estabelecido.


A relação eficácia/segurança deste medicamento não foi ainda estudada na hipertensão arterial pulmonar associada com shunt cardíaco esquerda/direita, com a hipertensão portal ou com a infeção a HIV.


Devem calcular-se cuidadosamente as doses dos doentes que sofram de insuficiência hepática e renal.


Como o treprostinilo e os seus metabolitos são excretados principalmente através da via urinária, recomenda-se precaução ao efetuar o tratamento em doentes com insuficiência renal, a fim de evitar consequências deletérias relacionadas com o possível aumento da exposição sistémica.


Recomenda-se precaução em situações em que o treprostinilo possa aumentar o risco de

Acontecimentos adversos relacionados com o sistema de administração intravenosa do fármaco
Foram notificados casos de infeções da corrente sanguínea associadas ao cateter venoso central e sepsis em doentes que receberam Treprostinilo por perfusão intravenosa.

Estes riscos estão relacionados com o sistema de administração do fármaco.

Um estudo retrospetivo realizado pelos Centros de Controlo de Doenças em sete centros nos Estados Unidos que utilizaram Treprostinilo por via intravenosa para tratamento da HAP obteve uma taxa de incidência de infeções da corrente sanguínea relacionadas com o cateter de 1,10 acontecimentos por 1000 dias de uso do cateter.

Os médicos devem ter em conta a gama de possíveis bactérias Gram-negativas e Gram-positivas que podem infetar os doentes portadores de cateteres venosos centrais de longo prazo.

Por conseguinte, a perfusão subcutânea contínua de Treprostinilo não diluído é a forma de administração por excelência.


A equipa médica responsável pela terapêutica deve assegurar-se de que o doente adquiriu a experiência necessária e é competente para usar o dispositivo de perfusão escolhido.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
contate o seu médico para instruções se você esquecer de uma dose de Treprostinilo.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Treprostinilo + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos, antihipertensores, ou outros vasodilatadores: A administração concomitante de Treprostinilo com diuréticos, anti-hipertensivos ou outros vasodilatadores aumenta o risco de hipotensão sistémica. - Antihipertensores
Usar com precaução

Treprostinilo + Diuréticos

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos, antihipertensores, ou outros vasodilatadores: A administração concomitante de Treprostinilo com diuréticos, anti-hipertensivos ou outros vasodilatadores aumenta o risco de hipotensão sistémica. - Diuréticos
Usar com precaução

Treprostinilo + Vasodilatadores

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos, antihipertensores, ou outros vasodilatadores: A administração concomitante de Treprostinilo com diuréticos, anti-hipertensivos ou outros vasodilatadores aumenta o risco de hipotensão sistémica. - Vasodilatadores
Usar com precaução

Treprostinilo + Antiagregantes plaquetários

Observações: N.D.
Interações: Antiagregantes plaquetários incluindo AINEs e anticoagulantes: Treprostinilo pode inibir a função plaquetária. A administração concomitante de Treprostinilo com antiagregantes plaquetários, incluindo AINEs, dadores de óxido nítrico ou anticoagulantes poderá aumentar o risco de hemorragias. Deverá manter-se uma vigilância clínica apertada nos doentes que estejam a tomar anticoagulantes, em conformidade com as recomendações da prática médica convencional para a monitorização destes tratamentos. Deve evitar-se a utilização concomitante de outros inibidores plaquetários em doentes a tomar anticoagulantes. A perfusão subcutânea contínua de treprostinilo não teve efeito sobre a farmacodinâmica e a farmacocinética de uma dose única (25 mg) de varfarina. Não há dados disponíveis sobre as interações potenciais que fazem aumentar o risco de hemorragia, caso o treprostinilo seja prescrito em conjunção com dadores de óxido nítrico. - Antiagregantes plaquetários
Usar com precaução

Treprostinilo + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Antiagregantes plaquetários incluindo AINEs e anticoagulantes: Treprostinilo pode inibir a função plaquetária. A administração concomitante de Treprostinilo com antiagregantes plaquetários, incluindo AINEs, dadores de óxido nítrico ou anticoagulantes poderá aumentar o risco de hemorragias. Deverá manter-se uma vigilância clínica apertada nos doentes que estejam a tomar anticoagulantes, em conformidade com as recomendações da prática médica convencional para a monitorização destes tratamentos. Deve evitar-se a utilização concomitante de outros inibidores plaquetários em doentes a tomar anticoagulantes. A perfusão subcutânea contínua de treprostinilo não teve efeito sobre a farmacodinâmica e a farmacocinética de uma dose única (25 mg) de varfarina. Não há dados disponíveis sobre as interações potenciais que fazem aumentar o risco de hemorragia, caso o treprostinilo seja prescrito em conjunção com dadores de óxido nítrico. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Treprostinilo + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Antiagregantes plaquetários incluindo AINEs e anticoagulantes: Treprostinilo pode inibir a função plaquetária. A administração concomitante de Treprostinilo com antiagregantes plaquetários, incluindo AINEs, dadores de óxido nítrico ou anticoagulantes poderá aumentar o risco de hemorragias. Deverá manter-se uma vigilância clínica apertada nos doentes que estejam a tomar anticoagulantes, em conformidade com as recomendações da prática médica convencional para a monitorização destes tratamentos. Deve evitar-se a utilização concomitante de outros inibidores plaquetários em doentes a tomar anticoagulantes. A perfusão subcutânea contínua de treprostinilo não teve efeito sobre a farmacodinâmica e a farmacocinética de uma dose única (25 mg) de varfarina. Não há dados disponíveis sobre as interações potenciais que fazem aumentar o risco de hemorragia, caso o treprostinilo seja prescrito em conjunção com dadores de óxido nítrico. - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Treprostinilo + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Antiagregantes plaquetários incluindo AINEs e anticoagulantes: Treprostinilo pode inibir a função plaquetária. A administração concomitante de Treprostinilo com antiagregantes plaquetários, incluindo AINEs, dadores de óxido nítrico ou anticoagulantes poderá aumentar o risco de hemorragias. Deverá manter-se uma vigilância clínica apertada nos doentes que estejam a tomar anticoagulantes, em conformidade com as recomendações da prática médica convencional para a monitorização destes tratamentos. Deve evitar-se a utilização concomitante de outros inibidores plaquetários em doentes a tomar anticoagulantes. A perfusão subcutânea contínua de treprostinilo não teve efeito sobre a farmacodinâmica e a farmacocinética de uma dose única (25 mg) de varfarina. Não há dados disponíveis sobre as interações potenciais que fazem aumentar o risco de hemorragia, caso o treprostinilo seja prescrito em conjunção com dadores de óxido nítrico. - Óxido nítrico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Treprostinilo + Furosemida

Observações: N.D.
Interações: A depuração plasmática do treprostinilo pode sofrer uma ligeira redução em doentes tratados com furosemida. Esta interação deve-se provavelmente a certas funções metabólicas comuns, compartilhadas por ambos os compostos (glucuroconjugação do grupo de carboxilatos). - Furosemida
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Treprostinilo
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

O treprostinilo só deve ser utilizado durante a gravidez caso o benefício potencial para a mãe justifique o risco potencial para o feto.

Recomenda-se contraceção durante o tratamento com treprostinilo.

Deve recomendar-se às mulheres que estão a amamentar e a tomar treprostinilo que interrompam o aleitamento.

No início do tratamento ou no ajuste da dosagem poderão ocorrer efeitos indesejáveis tais como a hipotensão sistémica sintomática ou tonturas, que pode condicionar a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020