Ticlopidina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
A Ticlopidina é um inibidor eficaz da agregação das plaquetas.

É um profármaco que é metabolizado a uma forma ativa, o que bloqueia o recetor de ADP que está envolvida na ativação do recetor GPIIb / IIIa conduz à agregação de plaquetas.

Ticlopidina é indicado para pacientes que não podem tomar aspirina ou para aqueles em que a aspirina não conseguiu evitar um acidente vascular cerebral trombótico.

O rótulo FDA inclui um aviso de caixa-preta de neutropenia, anemia aplástica, púrpura trombótico, e agranulocitose, por isso é necessário para monitorar WBC e plaquetas dos pacientes quando eles estão tomando ticlopidina.
Usos comuns
Usado em pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral ou precursores de acidente vascular cerebral que não podem tomar aspirina ou a aspirina não funcionou, para tentar evitar outro acidente vascular cerebral trombótico.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Redução do risco de ocorrência e recorrência de um acidente vascular cerebral, em doentes que sofreram, pelo menos, um dos seguintes acidentes: acidente vascular cerebral isquémico constituído, acidente vascular cerebral menor, défice neurológico reversível de origem isquémica, acidente isquémico transitório (AIT), incluindo cegueira unilateral transitória.

Prevenção dos acidentes isquémicos, em particular coronários, em doentes com arteriopatia dos membros inferiores no estadio de claudicação intermitente.

Prevenção e correção das alterações da função plaquetária, induzidas pelos circuitos extracorporais: cirurgia com circulação extracorporal, hemodiálise crónica.

Prevenção das oclusões subagudas após implante de STENT coronário.

Tendo em conta os efeitos adversos hematológicos da ticlopidina, o médico prescritor deve considerar os riscos e benefícios da ticlopidina em relação ao ácido acetilsalicílico, uma vez que a relação benefício/risco é maior nos doentes para os quais o ácido acetilsalicílico não é aconselhável.
Classificação CFT

04.03.01.03 : Antiagregantes plaquetários

Mecanismo De Ação
A Ticlopidina é um inibidor da agregação plaquetária que provoca uma ação dose dependente sobre a agregação plaquetária, com libertação de fatores plaquetários, bem como o prolongamento do tempo de hemorragia.

O fármaco não possui atividade in vitrosignificativa, apenas in vivo, no entanto não existem quaisquer evidências que apontem para a existência de um metabolito ativo em circulação.


A Ticlopidina interfere com a agregação plaquetária pela inibição, ADP-dependente, da ligação do fibrinogénio à membrana da plaqueta: não actua por inibição da cicloxigenase, como o faz o ácido acetilsalicílico.

O AMP cíclico plaquetário não parece desempenhar qualquer papel no seu mecanismo de ação.


O tempo de hemorragia, medido pelo método de Ivy, com um garrote a uma pressão de 40 mmHg, prolonga-se duas vezes mais comparativamente aos valores iniciais.

O prolongamento do tempo de hemorragia sem garrote é menos pronunciado.


Após a descontinuação do tratamento, o tempo de hemorragia bem como os outros testes da função plaquetária voltam a valores normais, no espaço de uma semana, para a maioria dos doentes.


O efeito antiagregante plaquetário observa-se nos dois dias que se seguem à administração de Ticlopidina a 250 mg, duas vezes ao dia.

O efeito antiagregante máximo é obtido 5 a 8 dias após a toma de 250 mg, duas vezes ao dia.


Na dose terapêutica, a Ticlopidina inibe entre 50 a 70% a agregação plaquetária induzida por ADP (2,5 μmol/l).

Doses inferiores estão associadas a uma inibição menor da agregação plaquetária.


O efeito da Ticlopidina sobre o risco de acidentes cardiovasculares foi avaliado através de vários ensaios clínicos duplamente cegos.


Num ensaio comparativo entre a Ticlopidina e o ácido acetilsalicílico (the Ticlopidine Aspirin Stroke Study ou TASS), 3069 doentes que apresentavam antecedentes de acidente isquémico
cerebral transitório ou um AVC menor foram incluídos e seguidos, pelo menos durante 2 a 5 anos.

Durante a duração do estudo a Ticlopidina reduziu significativamente o risco de ocorrência de AVC (fatal ou não) em 27% (p=0,011) quando comparado com o ácido acetilsalicílico.

Durante o primeiro ano, quando o risco de AVC é mais elevado, a redução do risco de AVC (fatal e não fatal) comparativamente ao ácido acetilsalicílico foi de 48%.

A redução foi semelhante nos homens e nas mulheres.


Num ensaio comparativo entre a Ticlopidina e o placebo (the Canadian American Ticlopidine Study ou CATS), 1073 doentes com antecedentes de acidente vascular cerebral aterotrombótico foram tratados por um período de 3 anos.


A Ticlopidina reduziu significativamente o risco de global de AVC em 34% (p=0,017) comparativamente ao placebo.


No decorrer do primeiro ano, o risco de ocorrência de AVC (fatal e não fatal) em comparação com o placebo foi de 33%.


Num estudo comparativo entre a Ticlopidina e o placebo ( the Swedish Ticlopidine Multicenter Study ou STIMS) foram incluídos 687 doentes com claudicação intermitente.


A duração média de observação dos doentes, desde a sua inclusão até à avaliação final, foi de 5,6 anos.


A Ticlopidina reduziu significativamente em 29% (p=0,015) a mortalidade global.


A incidência de efeitos cardio e cerebrovasculares (mortais e não mortais) foi diminuída em 41% (p=0;007).
Posologia Orientativa
Adultos
A posologia habitual é de dois comprimidos por dia, a tomar durante as refeições.
Administração
Via oral.
É recomendado tomar os comprimidos durante as refeições.
Contraindicações
Diátese hemorrágica.


Lesões orgânicas com potencial hemorrágico: úlcera gastroduodenal ativa ou acidente vascular cerebral hemorrágico em fase aguda.


Hemopatias envolvendo um aumento do tempo de hemorragia.


Antecedentes de manifestações alérgicas à Ticlopidina.


Antecedentes de leucopénia, trombocitopénia ou agranulocitose.


Existência de alterações hematopoiéticas tais como neutropénia e trombocitopénia ou antecedentes de púrpura trombocitopénica trombótica.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Hematológicos
A monitorização cuidadosa da fórmula sanguínea no âmbito dos dois estudos supracitados revelou uma incidência de 2,4% de neutropénia (<1200 neutrófilos/mm3), que incluía 0,8% de neutropénias graves (<450 neutrófilos/mm3).


Nestes ensaios clínicos, tal como na maioria dos casos referidos pelos estudos de farmacovigilância, a maior parte das neutropénias graves ou das agranulocitoses (<300 neutrófilos/mm3), desenvolvem-se durante os três primeiros meses de tratamento com a Ticlopidina, não tendo sido sempre acompanhadas de sinais de infecção ou de outros sintomas clínicos (necessidade de uma vigilância do hemograma).

Nestes casos verificou-se em geral, uma descida dos precursores mieloides na medula óssea.


Foram referidas, raramente, aplasias medulares ou pancitopénias.


Foram referidos casos isolados e pouco comuns de trombocitopénia (<80.000 / mm3), com a Ticlopidina.

Foram referidos casos raros de púrpura trombocitopénica trombótica.

Efeitos hematológicos raros: agranulocitose, eosinofilia e trombocitose.


Hemorrágicos
No decurso do tratamento, podem surgir frequentemente complicações hemorrágicas, principalmente equimoses ou contusões, bem como epistaxis.

Foram referidas hemorragias peri e pós-cirurgia.


Gastrointestinais
O tratamento com Ticlopidina pode causar perturbações gastrointestinais, sendo a mais comum a diarreia e, em segundo lugar, as náuseas.

Na maior parte dos casos a diarreia é moderada e passageira e surge no decurso dos três primeiros meses de tratamento.

Estas situações resolvem-se normalmente em 1 a 2 semanas sem necessitarem de interrupção de tratamento.


Foram referidos casos muito raros de diarreia grave com colite.


Se o efeito é grave e persistente, é conveniente interromper a terapêutica.


Efeitos gastrointestinais comuns: anorexia, vómitos e dor epigástrica.


Foram descritos casos raros de úlcera péptica.


Cutâneos
A Ticlopidina é frequentemente associada a erupções cutâneas (maculopapular ou urticária, frequentemente acompanhadas de prurido).

Em geral, as erupções cutâneas desenvolvem-se nos três primeiros meses após o início do tratamento e, em média, ao 11º dia.

Se o tratamento for interrompido, os sintomas desaparecem em alguns dias.


Estas erupções cutâneas podem ser generalizadas.


Efeitos cutâneos muito raros: eritema multiforme e Síndrome de Stevens Johnson.


Hepáticos
Foram referidos raros casos de hepatite e icterícia colestática durante os primeiros meses de tratamento.

A sua evolução foi, em geral, favorável após a interrupção do tratamento.


Efeito hepático raro: necrose hepática.


Imunológicos
Foram referidos casos muito raros de reações imunológicas de expressão diversa: edema de Quincke, vasculite, síndroma lúpico e nefropatia de hipersensibilidade.


Efeitos imunológicos muito raros: artralgia, anafilaxia e pneumopatia alérgica.


Alterações nos testes laboratoriais
Hematológicas
Durante o tratamento com Ticlopidina foram referidas neutropénias e, raramente, pancitopénias, assim como trombocitopénias isoladas ou, excepcionalmente, associadas a uma anemia hemolítica.


Hepáticas
O tratamento com Ticlopidina tem sido associado a um aumento das enzimas hepáticas.

Foi observado, quer no grupo da Ticlopidina, quer no grupo do placebo, um aumento comum (isolado ou não) das fosfatases alcalinas e das transaminases (com uma incidência superior a duas vezes o limite superior normal).

O tratamento pela Ticlopidina foi, igualmente, associado a elevações menores da bilirrubina.


Colesterol
O tratamento crónico com Ticlopidina tem sido associado a um aumento dos níveis séricos do colesterol e dos triglicéridos.

Os níveis séricos de HDL-C, LDL-C, VLDL-C e dos triglicéridos podem ser aumentados 8 a 10% após um a quatro meses; com o prosseguimento da terapêutica não se verificam quaisquer aumentos suplementares.


As taxas das subfracções lipoproteícas (particularmente, a razão entre HDL/LDL) permanecem inalteradas.

Os dados obtidos a partir dos ensaios clínicos demonstraram que o efeito não é dependente da idade, do sexo, do consumo de álcool ou diabetes e não tem qualquer influência no risco cardiovascular.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Toxicidade em estudos animais; o produtor recomenda evitar; usar só durante a gravidez se for absolutamente necessária. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Evitar.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Pode ser necessária redução da dose; suspender terapêutica se surgirem complicações hemorrágicas.
Precauções Gerais
Monitorização hematológica
É necessário determinar os parâmetros hematológicos (incluindo plaquetas) antes do início do tratamento, de duas em duas semanas durante os três primeiros meses de tratamento com Ticlopidina, e durante os 15 dias seguintes à interrupção do mesmo, se esta ocorrer nos três primeiros meses.


Se se verificar a ocorrência de neutropénia (<1500 neutrófilos / mm3), trombocitopénia (<100.000 plaquetas / mm3) ou diminuição do hematócrito, o tratamento deve ser interrompido, devendo determinar-se o hemograma completo, incluindo plaquetas e elementos figurados no sangue (esquistócitos) e creatinina sérica, mantendo-se a monitorização até ao restabelecimento dos valores normais.


Monitorização clínica
Todos os doentes devem ser alvo de uma monitorização cuidadosa, a fim de despistar quaisquer eventuais sinais e sintomas clínicos relacionados com reações adversas, particularmente durante os primeiros três meses de tratamento.


Os sinais e sintomas que possam estar relacionados com neutropénia (febre, amigdalites, ou ulcerações da cavidade oral), com a trombocitopénia e/ou alterações na hemostase (hemorragias não habituais ou prolongadas, hematomas, púrpura e melenas), ou com icterícia (incluindo urina escura e descoloração das fezes), devem ser explicados ao doente.


Todos os doentes devem ser alertados para descontinuar a medicação e consultar de imediato o médico assistente, logo que se manifeste algum dos sintomas acima descritos.


A decisão de retomar o tratamento deve ser efectuada de acordo com os resultados clínicos e laboratoriais.


O diagnóstico clínico de Púrpura Trombocitopénica Trombótica (PTT) é caracterizado pela presença de trombocitopénia, anemia hemolítica, sintomas neurológicos, disfunção renal e febre.


O início pode ocorrer subitamente.

A maioria dos casos foram reportados nas oito primeiras semanas após o início da terapêutica.


Devido ao risco de desfecho fatal, em caso de suspeita de púrpura trombocitopénica trombótica, recomenda-se contatar uma equipa médica especializada.


Foi referido que o tratamento com plasmaferese melhora o prognóstico.


Hemostase
A Ticlopidina deve ser utilizada com prudência nos doentes suscetíveis a hemorragias.


O fármaco não deve ser administrado em associação com as heparinas, os anticoagulantes orais e os antiagregantes plaquetários, contudo, em casos excepcionais de administração concomitante, deve ser assegurada uma monitorização clínica e laboratorial cuidadosa.


Em doentes sujeitos a cirurgia electiva, o tratamento deve ser, sempre que possível, suspenso pelo menos 10 dias antes da cirurgia.


Numa situação de emergência cirúrgica, numa tentativa de minimizar o risco hemorrágico, bem como o prolongamento do tempo de hemorragia, podem ser utilizados três meios, isolados ou conjuntamente:

− administração de 0,5 a 1 mg/Kg de metilprednisolona I.V., renováveis.

− desmopressina 0,2 a 0,4 μg/Kg.

− transfusão de plaquetas.


Sendo a Ticlopidina extensivamente metabolizada pelo fígado, o fármaco deve ser empregue com precaução no insuficiente hepático, devendo o tratamento ser descontinuado se se desenvolver um quadro de hepatite ou de icterícia.


Em caso de hepatite ou icterícia, deverá ser iniciada uma investigação para o esclarecimento da situação.

Nestes casos, a re-exposição à ticlopidina deve ser evitada.
Cuidados com a Dieta
Não são conhecidas interacções com alimentos ou bebidas.
Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar ticlopidina:
Retome a administração do medicamento logo que seja possível; no entanto, não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não conservar acima de 25ºC.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Abciximab + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Anticoagulantes (por exemplo, varfarina, heparina), dipiridamol, anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) (por exemplo, ibuprofeno), ticlopidina, ou trombolíticos (ativadores do plasminogénio tecidual), pois o risco de hemorragia pode ser aumentado. - Ticlopidina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidróxido de alumínio + Hidróxido de magnésio + Carbonato de magnésio + Simeticone + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Os antiácidos que associam alumínio e magnésio, podem diminuir a biodisponibilidade da ticlopidina. - Ticlopidina
Sem efeito descrito

Bivalirudina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Foram conduzidos estudos de interação com inibidores da agregação plaquetária, incluindo ácido acetilsalicílico, ticlopidina, clopidogrel, abciximab, eptifibatide ou tirofiban. Os resultados não sugerem quaisquer interações farmacodinâmicas com estes medicamentos. - Ticlopidina
Usar com precaução

Ticlopidina + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Anti-inflamatórios não esteróides: Aumento do risco hemorrágico (por aumento da actividade antiagregante plaquetária conjugada ao efeito agressivo dos AINEs sobre a mucosa gastroduodenal). Se a associação for essencial, deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Tenecteplase + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Os medicamentos que afetam a coagulação, ou os que alteram a função plaquetária (como, por exemplo, ticlopidina, clopidogrel, heparina de baixo peso molecular), podem aumentar o risco de hemorragia, durante e após a terapêutica com tenecteplase. A utilização concomitante de antagonistas da GPIIb/IIIa aumenta o risco de hemorragia. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Cetoprofeno + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: No caso dos anticoagulantes e antiagregantes orais (heparina, ticlopidina e clopidogrel), se a coadministração não puder ser evitada, deve ser efetuada uma monitorização rigorosa da hemostase, devido ao aumento do risco de hemorragia. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Acetilsalicilato de lisina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Aumento do risco de hemorragia (sinergia dos efeitos antiagregantes plaquetários). Caso a associação não possa ser evitada, estreita supervisão clínica (incluindo o tempo de hemorragia). - Ticlopidina
Usar com precaução

Ácido acetilsalicílico + Ácido ascórbico + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Requer precaução: Aumento do risco de hemorragias. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol + Cafeína + Ticlopidina

Observações: Não existem interações de segurança relevantes entre o ácido acetilsalicílico e o paracetamol.
Interações: Ácido acetilsalicílico e Antiagregantes plaquetários (ticlopidina, clopidogrel, cilostazol): Existe um risco aumentado de hemorragia. Deve proceder-se à monitorização clínica e laboratorial do tempo de hemorragia. O uso concomitante não é, por isso, recomendado. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Ácido niflúmico + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Ticlopidina: Aumento do risco de lesão gastrointestinal e hemorragia por efeito sinérgico aditivo. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Bemiparina sódica + Ticlopidina

Observações: Não foram investigadas as interações da bemiparina com outros fármacos, sendo a informação fornecida nesta secção derivada de dados disponíveis de outras Heparinas de Baixo Peso Molecular.
Interações: Não é aconselhada a administração concomitante de bemiparina e os seguintes fármacos: Antagonistas da vitamina K e outros anticoagulantes, ácido acetilsalicílico e outros salicilatos e AINEs, ticlopidina, clopidogrel e outros inibidores plaquetários, glucocorticoides sistémicos e dextrano. Todos estes fármacos aumentam o efeito farmacológico da bemiparina, por interferência com a ação coagulante e/ou função plaquetária, e pelo aumento do risco hemorrágico. Se a associação não puder ser evitada, deve ser utilizada com monitorização clínica e laboratorial cuidadosa. Os fármacos que aumentam a concentração sérica de potássio apenas devem ser tomados concomitantemente sob cuidadosa vigilância médica. - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bupropiom (Bupropiona) + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: O bupropiom é metabolizado no seu principal metabolito ativo, hidroxibupropiom, principalmente pelo citocromo P450 CYP2B6. A administração concomitante de medicamentos que possam afetar o metabolismo do bupropiom pela isoenzima CYP2B6 (por ex. substractos da CYP2B6) ciclofosfamida, ifosfamida e inibidores da CYP2B6: orfenadrina, ticlopidina, clopidogrel), pode resultar num aumento dos níveis plasmáticos do bupropiom e numa diminuição dos níveis do metabolito ativo, hidroxibupropiom. As consequências clínicas da inibição do metabolismo do bupropiom pela enzima CYP2B6, e as alterações consequentes na razão bupropiom- hidroxibupropiom, são atualmente desconhecidas. - Ticlopidina
Usar com precaução

Pravastatina + Ácido acetilsalicílico + Ticlopidina

Observações: Não há evidência de interações farmacocinéticas clinicamente significativas na co-administração da pravastatina com o ácido acetilsalicílico.
Interações: O uso de vários antiagregantes plaquetários, i.e. ácido acetilsalicílico, anti-inflamatórios não esteróides, ticlopidina, clopidogrel, tirofibano, eptifibatida, aumento o risco de hemorragia, tal como a associação destes com heparina e seus derivados (hirudina, fondaparinux), anticoagulantes orais e trombolíticos. Os parâmetros clínicos e biológicos de hemostase devem ser monitorizados regularmente. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Gentamicina + Indometacina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Ticlopidina: aumento do risco hemorrágico (por sinergia da actividade anti-agregante plaquetária). Se a associação não puder ser evitada, impõe-se uma vigilância clínica e biológica estreita (incluindo o tempo de coagulação). - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Os inibidores da agregação plaquetária, como a ticlopidina e o clopidogrel, podem aumentar o tempo de coagulação. - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tiotepa + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: A tiotepa parece ser metabolizada através de CYP2B6 e CYP3A4. A administração concomitante com inibidores de CYP2B6 (por exemplo, clopidogrel e ticlopidina) ou de CYP3A4 (por exemplo, antifúngicos de tipo azol, macrólidos como eritromicina, claritromicina, telitromicina e inibidores da protease) pode aumentar as concentrações plasmáticas de tiotepa e potencialmente diminuir as concentrações do metabolito activo TEPA. - Ticlopidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contracetivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respetivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a ação de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Ticlopidina
Usar com precaução

Ticlopidina + Antiagregantes plaquetários

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Antiagregantes plaquetários: Aumento do risco hemorrágico (por aumento da actividade antiagregante plaquetária). Se a associação for essencial, deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica. - Antiagregantes plaquetários
Usar com precaução

Ticlopidina + Salicilatos

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Salicilatos (por extrapolação a partir do ácido acetilsalicílico): Aumento do risco hemorrágico (por aumento da actividade antiagregante plaquetária conjugada ao efeito agressivo dos salicilatos sobre a mucosa gastroduodenal). Se a associação for essencial, deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica. Na situação de existência de um implante STENT. - Salicilatos
Usar com precaução

Ticlopidina + Ácido Acetilsalicílico

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Salicilatos (por extrapolação a partir do ácido acetilsalicílico): Aumento do risco hemorrágico (por aumento da actividade antiagregante plaquetária conjugada ao efeito agressivo dos salicilatos sobre a mucosa gastroduodenal). Se a associação for essencial, deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica. Na situação de existência de um implante STENT. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Ticlopidina + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Anticoagulantes orais: Aumento do risco hemorrágico (associação do efeito anticoagulante e do efeito antiagregante plaquetário). Se a associação for essencial deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica e laboratorial (INR). - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Ticlopidina + Heparinas

Observações: N.D.
Interações: Associações com aumento de risco hemorrágico: Heparinas: Aumento do risco hemorrágico (associação do efeito anticoagulante e do efeito antiagregante plaquetário). Se a associação for essencial deve ser efectuada uma rigorosa vigilância clínica e laboratorial (aPTT). - Heparinas
Usar com precaução

Ticlopidina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Associações que necessitam de precauções especiais de utilização: Teofilina: Aumento dos níveis plasmáticos de teofilina com risco de sobredosagem (diminuição da depuração plasmática da teofilina). Vigilância clínica e, eventualmente, da teofilinémia. Se necessário deve-se efectuar a adaptação posológica da teofilina durante e após o tratamento com Ticlopidina. - Teofilina
Sem significado Clínico

Ticlopidina + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Digoxina: A co-administração de digoxina e de Ticlopidina leva a uma ligeira descida (cerca de 15%) das taxas plasmáticas de digoxina. Não devem daqui resultar alterações na eficácia terapêutica da digoxina. - Digoxina
Sem efeito descrito

Ticlopidina + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: Fenobarbital: Em voluntários saudáveis, os efeitos antiagregantes plaquetários da Ticlopidina não são afectados pela administração crónica de fenobarbital. - Fenobarbital
Usar com precaução

Ticlopidina + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Fenitoína: Estudos in vitro demonstraram que a Ticlopidina não altera a ligação da fenitoína ás proteínas plasmáticas. No entanto as interações das ligações da Ticlopidina ás proteínas plasmáticas não foram estudadas in vivo. A administração concomitante de fenitoína e de Ticlopidina deve ser encarada com precaução, sendo aconselhável reavaliar as concentrações plasmáticas de fenitoína. - Fenitoína
Sem significado Clínico

Ticlopidina + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: No decurso de estudos clínicos a Ticlopidina foi utilizada conjuntamente com beta-bloqueantes, inibidores dos canais de cálcio e diuréticos; não foram reportadas interações indesejáveis clinicamente significativas. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Sem efeito descrito

Ticlopidina + Propranolol (propanolol)

Observações: N.D.
Interações: Os estudos in vitro mostraram que a Ticlopidina se liga ás proteínas plasmáticas de forma reversível (98%), mas que não interage com a ligação ás proteínas plasmáticas do propranolol, um fármaco também reconhecido pela sua elevada capacidade de ligação ás proteínas plasmáticas. - Propranolol (propanolol)
Sem significado Clínico

Ticlopidina + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: No decurso de estudos clínicos a Ticlopidina foi utilizada conjuntamente com beta-bloqueantes, inibidores dos canais de cálcio e diuréticos; não foram reportadas interações indesejáveis clinicamente significativas. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Sem significado Clínico

Ticlopidina + Diuréticos

Observações: N.D.
Interações: No decurso de estudos clínicos a Ticlopidina foi utilizada conjuntamente com beta-bloqueantes, inibidores dos canais de cálcio e diuréticos; não foram reportadas interações indesejáveis clinicamente significativas. - Diuréticos
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ticlopidina + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Em situações muito raras, foi referido um decréscimo nos níveis plasmáticos da ciclosporina. Deverá portanto ser efectuada uma monitorização dos níveis plasmáticos da ciclosporina, aquando de uma co-administração. - Ciclosporina
Sem efeito descrito

Tirofibano + Ticlopidina

Observações: Estudos interativos só foram realizados em adultos.
Interações: Tirofibano prolongou o tempo de hemorragia, contudo, a administração combinada de Tirofibano e ticlopidina não teve qualquer efeito adicional no tempo de hemorragia. - Ticlopidina
Consultar informação actualizada

Lepirudina + Ticlopidina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção.
Interações: Agentes antiplaquetários outros que não o ácido acetilsalicílico, tais como ticlopidina ou clopidogrel, Antagonista do receptor GpIIb/IIIa tais como eptifibatide, tirofiban, ou abciximab. Outros inibidores da trombina tais como heparinas de baixo peso molecular não foram avaliados. - Ticlopidina
Usar com precaução

Enoxaparina sódica + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Antes de se iniciar a terapêutica com enoxaparina, recomenda-se a descontinuação de outros agentes que afetem a hemostase, exceto quando expressamente indicados. Estes agentes incluem medicamentos tais como: - Ácido acetilsalicílico e outros salicilatos sistémicos, anti-inflamatórios não esteroides; - Dextrano 40, ticlopidina e clopidogrel; - Glucocorticoides sistémicos; - Trombolíticos e anticoagulantes; - Outros fármacos antiagregantes plaquetares incluindo os antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa Em caso de indicação para a terapêutica combinada a enoxaparina deve ser usada com precaução e com monitorização laboratorial apropriada. - Ticlopidina
Usar com precaução

Drotrecogina alfa + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Deve ter-se cuidado quando se utilizar Drotrecogina alfa com outros fármacos que afectam a hemostase incluindo Proteína C, trombolíticos (por ex. estreptoquinase, tPA, rPA e uroquinase), anticoagulantes orais (por ex. varfarina), hirudinas, antitrombina, Ácido Acetilsalicílico e outros agentes antiplaquetários (por ex. anti-inflamatórios não esteróides, ticlopidina e clopidogrel), antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa (como o abciximab, eptifibatide e tirofibano) e prostaciclinas como o iloprost. - Ticlopidina
Usar com precaução

Carbasalato cálcico + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: A utilização de vários inibidores da agregação plaquetária, ex: ácido acetilsalicílico, AINE, ticlopidina, clopidogrel, tirofiban, eptifibatida, aumenta o risco de hemorragia, tal como a sua combinação com heparina e seus derivados (hirudina, fondaparinux), anticoagulantes orais e trombolíticos. Os parâmetros clínicos e biológicos da hemostase devem ser regularmente monitorizados. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Clonixina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Clonixina pode interagir com outros medicamentos, pelo que não se recomenda a sua utilização com: Anticoagulantes e antiagregantes orais (heparina e heparina de baixo peso molecular (HBPM), ticlopidina e clopidogrel) – aumento do risco de hemorragia. - Ticlopidina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclosporina + Ticlopidina

Observações: Interações medicamentosas: Encontram-se descritos de seguida os vários fármacos para os quais há relatos de interações com a ciclosporina, devidamente fundamentadas e consideradas como tendo implicações clínicas. São conhecidos vários fármacos que aumentam ou diminuem os níveis plasmáticos ou sanguíneos de ciclosporina habitualmente pela inibição ou indução de enzimas envolvidos no metabolismo da ciclosporina, em particular as enzimas do citocromo P450.
Interações: Fármacos que diminuem os níveis de ciclosporina: Barbituratos, carbamazepina, fenitoína, nafcilina, sulfadimidina iv, rifampicina, octreótido, probucol, orlistat, Hypericum perforatum (hipericão, erva de S. João), troglitazona, fenobarbital e ticlopidina. - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sertralina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que afectam a função plaquetária: O risco de hemorragia pode ser aumentado quando fármacos com efeito na função plaquetária (ex: AINEs, ácido acetilsalicílico e ticlopidina), ou outros fármacos que possam aumentar o risco de hemorragia, são administrados concomitantemente com ISRSs, incluindo sertralina. - Ticlopidina
Usar com precaução

Citalopram + Ticlopidina

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interações: Hemorragias: É necessária precaução em doentes que estão a ser tratados simultaneamente com anticoagulantes (como a varfarina), medicamentos que afetam a função dos trombócitos, como medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINE), ácido acetilsalicílico, dipiridamol e ticlopidina ou outros medicamentos (p.ex. antipsicóticos atípicos)que podem aumentar o risco de hemorragia. Influência com outros medicamentos na farmacocinética do citalopram: Omeprazol e outros inibidores do CYP2C19: A administração concomitante de escitalopram (o enantiómero ativo do citalopram) com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Assim, deverá ser tomada precaução quando utilizado concomitantemente com inibidores da CYP2C19 (p.ex. omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina). Poderá ser necessária uma redução da dose de citalopram com base na monitorização dos efeitos indesejáveis durante o tratamento concomitante. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Clopidogrel + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Outras terapêuticas concomitantes: Uma vez que o clopidogrel é metabolizado no seu metabolito activo em parte pelo CYP2C19, o uso de medicamentos que inibem a actividade desta enzima têm um resultado esperado de redução dos níveis do metabolito activo do clopidogrel e uma redução na eficácia clínica. O uso concomitante de medicamentos que inibem o CYP2C19 deve ser desencorajado. Os fármacos que inibem o CYP2C19 incluem omeprazol e esomeprazol, fluvoxamina, fluoxetina, moclobemida, voriconazol, fluconazol, ticlopidina, ciprofloxacina, cimetidina, carbamazepina, oxcarbazepina e cloranfenicol. - Ticlopidina
Usar com precaução

Clopidogrel + Ácido acetilsalicílico + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Outras terapêuticas concomitantes com clopidogrel: Uma vez que o clopidogrel é metabolizado no seu metabolito ativo em parte pelo CYP2C19, o uso de medicamentos que inibem a atividade desta enzima têm um resultado esperado de redução dos níveis do metabolito ativo do clopidogrel. A relevância clínica desta interação é incerta. Como precaução o uso concomitante de inibidores fortes ou moderados do CYP2C19 deve ser desencorajado. Os medicamentos que inibem o CYP2C19 incluem omeprazol e esomeprazol, fluvoxamina, fluoxetina, moclobemida, voriconazol, fluconazol, ticlopidina, ciprofloxacina, cimetidina, carbamazepina, oxcarbazepina e cloranfenicol. - Ticlopidina
Sem efeito descrito

Dabigatrano etexilato + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos anticoagulantes e antiagregantes plaquetários: Não existe experiência, ou a experiência existente é limitada, relativamente aos seguintes tratamentos que podem aumentar o risco de hemorragia quando usados concomitantemente com Dabigatrano etexilato: Anticoagulantes tais como heparina não fracionada (HNF), heparinas de baixo peso molecular (HBPM) e derivados da heparina (fondaparinux, desirudina), medicamentos trombolíticos, e antagonistas da vitamina K, rivaroxabano ou outros anticoagulantes orais, e medicamentos agregantes plaquetários tais como antagonistas dos recetores GPIIb/IIIa, ticlopidina, prasugrel, ticagrelor, dextrano e sulfimpirazona. A HNF pode ser administrada em doses necessárias para manter um cateter central ou venoso funcionante. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Melagatrano + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: A utilização concomitante de Melagatrano com fármacos que actuam sobre a hemostase ou a coagulação pode aumentar consideravelmente o risco de hemorragia. Por conseguinte, os fármacos a seguir referidos não devem ser administrados concomitantemente com Melagatrano: Antagonistas da vitamina K, heparina não fraccionada e derivados, heparinas de baixo peso molecular (HBPM), fondaparinux, desirudina, trombolíticos, antagonistas dos receptores da glicoproteína IIb/IIIa, clopidogrel, ticlopidina, Ácido Acetilsalicílico em doses > 500 mg/dia, dipiridamol, sulfimpirazona. - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bupropiom + Naltrexona + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: A coadministração de medicamentos, que podem inibir o metabolismo do bupropiom através da isoenzima CYP2B6 (por exemplo, substratos da CYP2B6: Ciclofosfamida, ifosfamida, e inibidores da CYP2B6: orfenadrina, ticlopidina, clopidogrel), pode resultar num aumento dos níveis plasmáticos do bupropiom e numa diminuição dos níveis do metabolito ativo hidroxibupropiom. As consequências clínicas da inibição do metabolismo do bupropiom via enzima CYP2B6 e as consequentes alterações no rácio bupropiom/hidroxibupropiom são atualmente desconhecidas, mas podem levar potencialmente a uma eficácia reduzida da associação naltrexona/bupropiom. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Ximelagatrano + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: A utilização concomitante de Ximelagatrano com fármacos que actuam sobre a hemostase ou a coagulação pode aumentar consideravelmente o risco de hemorragia. Por conseguinte, os fármacos a seguir referidos não devem ser administrados concomitantemente com Ximelagatrano: Antagonistas da vitamina K, heparina não fraccionada e derivados, heparinas de baixo peso molecular (HBPM), fondaparinux, desirudina, trombolíticos, antagonistas dos receptores da glicoproteína IIb/IIIa, clopidogrel, ticlopidina, aspirina em doses > 500 mg/dia, dipiridamol, sulfimpirazona. A aspirina como fármaco antiagregante plaquetário em doses ≤ 500 mg/dia, os AINEs e o dextrano devem ser utilizados com precaução quando administrados concomitantemente com Ximelagatrano devido a um potencial aumento do risco de hemorragia. Caso seja essencial a co-administração, é necessária monitorização rigorosa. - Ticlopidina
Usar com precaução

Droperidol + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: As substâncias inibidoras da atividade das isoenzimas do citocromo P450 (CYP) CYP1A2, CYP3A4 ou ambas, podem diminuir a taxa de metabolização do droperidol e prolongar a sua ação farmacológica. Por conseguinte, é aconselhada precaução se o droperidol for administrado concomitantemente com inibidores do CYP1A2 (como por exemplo, ciprofloxacina, ticlopidina), inibidores do CYP3A4 (por exemplo, diltiazem, eritromicina, fluconazol, indinavir, itraconazol, quetoconazol, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, verapamil) ou de ambos (como por exemplo, cimetidina, mibefradil). - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Heparina sódica + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Aumento do efeito da heparina: O aumento clinicamente significativo do efeito da heparina e o aumento da tendência para hemorragia podem ser provocados por: inibidores da agregação plaquetária, como ácido acetilsalicílico, ticlopidina, clopidogrel, dipiridamol em doses elevadas. Fibrinolíticos, Outros anticoagulantes (derivados da cumarina), Anti-inflamatórios não-esteroides (fenilbutazona, indometacina, sulfinpirazona), Bloqueadores dos recetores da glicoproteína IIb/ IIIa, Penicilina de alta dose, Medicamentos citostáticos, exceto a doxorrubicina, Dextranos - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Anticoagulantes: (por exemplo, varfarina, ticlopidina, clopidogrel, tirofibano, eptifibatida, abciximab, iloprost) Os AINE, como o ibuprofeno, podem potenciar os efeitos dos anticoagulantes. - Ticlopidina
Usar com precaução

Dexibuprofeno + Ticlopidina

Observações: A informação desta secção é baseada na experiência já existente com o ibuprofeno racémico e com outros AINEs. Em geral, os AINEs devem ser usados com precaução, quando são administrados simultaneamente com outros fármacos que podem aumentar o risco de ulceração gastrointestinal, ou de hemorragia gastrointestinal, ou de insuficiência renal.
Interações: Precauções: Trombolíticos, ticlopidina e agentes antiplaquetários: O dexibuprofeno inibe a agregação plaquetária através da inibição da cicloxigenase plaquetária. Por isso é necessária precaução quando o dexibuprofeno é combinado com trombolíticos, ticlopidina e outros agentes antiplaquetários, devido ao risco aumentado do efeito antiplaquetário. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Tizanidina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores CYP: A co-administração de tizanidina com outros inibidores do CYP1A2 tais como alguns antiarritmicos (amiodarona, mexiletina, propafenona), cimetidina, algumas fluoroquinolonas (enoxacina, pefloxacina, norfloxacina), rofecoxib, contracetivos orais e ticlopidina não são recomendados. - Ticlopidina
Usar com precaução

Escitalopram + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Ticlopidina
Não recomendado/Evitar

Ibuprofeno + Codeína + Ticlopidina

Observações: Relacionados com o ibuprofeno: Em geral, os AINEs devem ser utilizados com precaução quando se utilizam com outros fármacos que podem aumentar o risco de ulcerações gástricas, hemorragia gastrointestinal ou disfunção renal.
Interações: Relacionados com o ibuprofeno: Não se recomenda o seu uso concomitante com: - ticlopidina: os AINEs não se devem combinar com ticlopidina devido ao risco de um efeito aditivo na inibição da função plaquetária; - Ticlopidina
Usar com precaução

Ácido Tolfenâmico + Ticlopidina

Observações: Trata-se de um fármaco de alta ligação com proteínas plasmáticas e, portanto, com potencial para deslocar outras substâncias unidas em alta proporção às mesmas. Em função desta propriedade, é necessária uma monitoração médica cuidadosa com relação aos requisitos posológicos de outros fármacos que apresentam alto coeficiente de ligação protéica quando são administrados concomitantemente.
Interações: As seguintes interações foram encontradas com a administração de antiinflamatórios não-esteroidais associados a: outros AINEs, ácido acetilsalicílico, ticlopidina e glicocorticóides: aumento do risco de úlcera e hemorragia gastrintestinal. - Ticlopidina
Contraindicado

Codeína + Diclofenac de potássio + Ticlopidina

Observações: A administração simultânea de diclofenac com os seguintes produtos requer um controle rigoroso do status clínico e biológico do paciente.
Interações: Associações desaconselhadas: - Anticoagulantes orais: heparina parenteral e ticlopidina; aumento do risco de sangramento devido à inibição da função plaquetária e agressão da mucosa gastroduodenal. Se a associação não puder ser evitada, deve-se fazer um controle clínico e biológico cuidadoso, principalmente com o tempo de sangramento e protombina. - Ticlopidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Metoclopramida + Ticlopidina

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas ao salicilato Outros medicamentos antiplaquetários: Salicilatos podem aumentar o risco de sangramento com clopidogrel e ticlopidina. - Ticlopidina
Usar com precaução

Meloxicam + Glucosamina + Ticlopidina

Observações: n.d.
Interações: O uso simultâneo de terapia anticoagulante oral, ticlopidina, heparina, trombofílica com o meloxicam aumenta o risco de sangramento é necessário para controlar os efeitos deste medicamento. - Ticlopidina
Usar com precaução

Ibuprofeno + Cafeína + Dimenidrinato + Ticlopidina

Observações: n.d.
Interações: Interações devidas ao ibuprofeno: Efeito aditivo na inibição plaquetária com: ticlopidina. - Ticlopidina
Usar com precaução

Ibuprofeno + Alumínio glicinato + Metamizol + Ticlopidina

Observações: n.d.
Interações: Devido ao ibuprofeno: Efeito aditivo na inibição plaquetária com: ticlopidina. - Ticlopidina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Ticlopidina
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica.

Excepto em casos de indicação formal, a Ticlopidina não deve ser prescrita durante a gravidez ou o aleitamento.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020