Talidomida

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
A talidomida é um medicamento usado para tratar vários tipos de cancro (incluindo mieloma múltiplo), doença do enxerto contra hospedeiro e várias doenças de pele, incluindo complicações da hanseníase.
Embora tenha sido usado em várias condições associadas ao HIV, esse uso está associado a níveis elevados do vírus.

Devido a seus efeitos teratogénicos, tal substância deve ser evitada durante a gravidez e em mulheres que podem engravidar, pois causa má-formação ou ausência de membros no feto.
Usos comuns
A talidomida é usada para tratar e prevenir as feridas da pele debilitantes e desfigurantes causadas por eritema nodoso hansénico (ENH), uma complicação inflamatória da lepra.

Ele também é usado em conjunto com outro medicamento chamado dexametasona no tratamento de mieloma múltiplo (cancro da medula óssea).
Tipo
Molécula pequena.
História
A talidomida está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde.

A talidomida foi desenvolvida pela empresa farmacêutica alemã Grunenthal GmbH, que obteve uma patente para ele em 1954.

Foi prescrito como um sedativo, calmante e antiemético para as náuseas.

A talidomida, lançada pela Grunenthal em 1 de Outubro de 1957, foi proclamada uma "substância maravilha " para a insónia, tosse, resfriados e dores de cabeça.

Constatou-se também ser um antiemético eficaz, que tiveram um efeito inibitório sobre a doença da manhã.

Durante este período de tempo o uso de medicamentos durante a gravidez não foi rigorosamente controlada e as substâncias não foram exaustivamente testadas para as lesões potenciais para o feto. Milhares de mulheres grávidas tomaram a substância para aliviar seus sintomas.

Na época do desenvolvimento da substância, os cientistas não acreditam que qualquer medicamento tomado por uma mulher grávida pode atravessar a barreira placentária e prejudicar o desenvolvimento do feto, embora o efeito do álcool sobre o desenvolvimento do feto havia sido documentado por estudos de caso sobre mães alcoólicas desde, pelo menos, 1957.

Logo apareceram relatos de achados de anormalidades em crianças nascidas, com ligação ao uso da substância.

No final de 1959, observou-se que a neurite periférica desenvolvida em pacientes que tomaram a substância durante um período de tempo, e foi só depois disto que a talidomida deixou de ser de venda livre.
Indicações
Para o tratamento agudo das manifestações cutâneas de eritema nodoso hansénico (ENH) moderado a grave.

Também para uso como tratamento de manutenção para prevenção e repressão das manifestações cutâneas de recorrência de ENH.
Classificação CFT

16.03 : IMUNOMODULADORES

Mecanismo De Ação
Em pacientes com eritema nodoso hansénico (ENH), o mecanismo de acção não é totalmente compreendido.

Os dados disponíveis a partir de estudos in vitro e estudos clínicos preliminares sugerem que os efeitos imunológicos do presente composto pode variar substancialmente, sob diferentes condições, mas pode estar relacionada com a supressão de excessiva factor de necrose tumoral-alfa (TNF-a) e produção de modulação descendente selecionada moléculas de adesão da superfície celular envolvidas na migração de leucócitos.

Por exemplo, a administração da talidomida tem sido relatado para reduzir os níveis circulantes de TNF-a em pacientes com ENH, no entanto, também tem sido demonstrado que o aumento de plasma de TNF-a em pacientes com HIV-seropositivos.

Como um tratamento de cancro, o fármaco pode actuar como um inibidor de VEGF.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para Lepra - Eritema Nodoso:
Eritema nodoso hansénico cutâneo (ENH):
Dose inicial: 100 a 300 mg por via oral uma vez ao dia com água, de preferência na hora de dormir e pelo menos 1 hora após a refeição da noite, os pacientes inferior a 50 kg deve ser iniciado com o limite inferior do intervalo de dose.

Reacção ENL cutâneas graves ou pacientes que necessitam de doses mais elevadas anteriormente para controlar a reacção:
A dose inicial: até 400 mg/dia por via oral uma vez por dia ao deitar ou em doses divididas, com água, pelo menos 1 hora após as refeições.

Comentários:
- Em pacientes com moderada a grave associada a neurite uma reacção grave ENH, corticosteróides pode ser iniciada concomitantemente com a talidomida; uso de esteróides pode ser reduzida e interrompida quando a neurite tem melhorado.

A talidomida não está indicada como tratamento de monoterapia para a ENL na presença de moderada a grave neurite.

- Em geral, a administração deve prosseguir até que a reacção diminui activo (normalmente, pelo menos, 2 semanas), em seguida, afuniladas em 50 mg diminui a cada 2 a 4 semanas.

- Pacientes com história de exigir manutenção prolongada para evitar a recorrência ou que incendiar durante afinando devem ser mantidos com a dose mínima necessária para controlar a reacção; diminuindo a medicação deve ser tentada a cada 3 a 6 meses, em decréscimos de 50 mg a cada 2 a 4 semanas.

Indicações aprovadas: para o tratamento agudo de manifestações cutâneas de moderada a severa e ENH como terapia de manutenção para prevenção e repressão de manifestações cutâneas de ENH recorrência.

Dose adulta usual para Mieloma Múltiplo:
200 mg por via oral uma vez ao dia com água, de preferência na hora de dormir e pelo menos uma hora após a refeição da noite.

Comentários:
- A talidomida é administrada em combinação com a dexametasona em ciclos de tratamento de 28 dias.

A dose é de 40 mg de dexametasona por via oral nos dias 1 a 4, 9 a 12 e 17 a 20, a cada 28 dias.

Indicação aprovada: Em combinação com dexametasona, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo recentemente diagnosticado.

Dose usual pediátrica para Lepra - Eritema Nodoso:
12 anos ou mais de idade:
Hansénico cutânea eritema nodoso (ENH):
Dose inicial: 100 a 300 mg por via oral uma vez ao dia com água, de preferência na hora de dormir e pelo menos 1 hora após a refeição da noite, os pacientes inferior a 50 kg deve ser iniciado com o limite inferior do intervalo de dose.

Reacção ENH cutâneas graves ou pacientes que necessitam de doses mais elevadas anteriormente para controlar a reacção:
A dose inicial: até 400 mg/dia por via oral uma vez por dia ao deitar ou em doses divididas, com água, pelo menos 1 hora após as refeições.

Comentários:
- Em pacientes com moderada a grave associada a neurite uma reacção grave ENH, corticosteróides pode ser iniciada concomitantemente com a talidomida; uso de esteróides pode ser reduzida e interrompida quando a neurite tem melhorado.

A talidomida não está indicada como tratamento de monoterapia para a ENH na presença de moderada a grave neurite.

- Em geral, a administração deve prosseguir até que a reacção diminui activo (normalmente, pelo menos, 2 semanas), em seguida, afuniladas em 50 mg diminui a cada 2 a 4 semanas.

- Pacientes com história de exigir manutenção prolongada para evitar a recorrência ou que incendiar durante afinando devem ser mantidos com a dose mínima necessária para controlar a reacção; diminuindo a medicação deve ser tentada a cada 3 a 6 meses, em decréscimos de 50 mg a cada 2 a 4 semanas.

Indicações aprovadas: para o tratamento agudo de manifestações cutâneas de moderada a severa e ENH como terapia de manutenção para prevenção e repressão de manifestações cutâneas de ENH recorrência.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade à talidomida.
Mulheres que estejam grávidas.
Mulheres com potencial para engravidar excepto se reunidas todas as condições do Programa de Prevenção de Gravidez.
Doentes do sexo masculino incapazes de seguir ou cumprir com as medidas de contracepção exigidas.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Pare de usar este medicamento e obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reacção alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Contacte o médico imediatamente se tiver algum destes efeitos secundários graves:
- Dor no peito, falta de ar súbita, tosse com sangue;
- Dor ou inchaço no braço, coxa ou panturrilha;
- Febre, calafrios, dores no corpo, sintomas de gripe, fáceis contusões ou sangramento;
- Batimentos cardíacos lentos, respiração superficial, sensação de desmaio;
- Pele vermelha, com erupções, bolhas ou com descamação (especialmente se também tiver febre, ritmo cardíaco acelerado e tonturas ou desmaios);
- Dormência, ardor, dor ou sensação de formigueiro, ou
- Convulsões.

Efeitos secundários menos graves podem incluir:
- Sensação de sonolência ou languidez;
- Ansiedade, confusão, tremores ou agitação;
- Dor óssea, fraqueza muscular;
- Problemas de sono (insónia), ou
- Náusea, obstipação, perda de apetite.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: X - Estudos revelaram anormalidades no feto ou evidências de risco para o feto. Os riscos durante a gravidez são superiores aos potenciais benefícios. Não usar em hipótese alguma durante a gravidez.
Precauções Gerais
Fale com o médico, farmacêutico ou enfermeiro antes de tomar este medicamento nas seguintes situações:

Para mulheres que tomam Talidomida
Antes de iniciar o tratamento, deve consultar o médico se estiver apta a engravidar, mesmo se considerar isto improvável. Mesmo que não tenha hemorragia menstrual após terapêutica cancerígena, pode engravidar.

Se estiver apta a engravidar:
• o médico certificar-se-á da realização de testes de gravidez
- antes do tratamento
- de 4 em 4 semanas durante o tratamento
- 4 semanas após o fim do tratamento

• Deve recorrer a um método de contracepção eficaz
- durante pelo menos 4 semanas antes do início do tratamento
- durante o tratamento
- durante pelo menos 4 semanas após o fim do tratamento
- médico indicar-lhe-á qual o método de contracepção a utilizar.

Se estiver apta a engravidar, o médico registará, aquando de cada prescrição, que as medidas necessárias supracitadas foram tomadas.

Para homens que tomam Talidomida
Talidomida passa para o esperma humano. Portanto, não pode ter relações sexuais sem proteção, mesmo que tenha sido vasectomizado.
• A gravidez e qualquer exposição durante a gravidez têm de ser evitadas. Use sempre um preservativo:
- durante o tratamento
- durante pelo menos 7 dias após o fim do tratamento

• Não deve doar esperma:
- durante o tratamento
- durante pelo menos 7 dias após o fim do tratamento

Para todos os doentes
Fale com o médico antes de tomar Talidomida se:
• não compreende os conselhos dados pelo médico relativamente à contracepção, ou se achar que não consegue seguir esses conselhos.
• teve um ataque cardíaco, já teve no passado um coágulo sanguíneo, ou se fuma, tem tensão arterial elevada ou níveis elevados de colesterol. Durante o tratamento com Talidomida tem um risco aumentado de desenvolver coágulos sanguíneos nas veias e artérias.
• já teve ou tem presentemente neuropatia, isto é, danos nos nervos que causam formigueiros, coordenação anormal ou dor nas mãos ou pés.
• já teve ou tem presentemente um ritmo lento do coração (este pode ser um sintoma de bradicárdia).
• tem tensão arterial elevada nas artérias dos pulmões.
• tem uma diminuição do número de glóbulos brancos (neutropenia), acompanhada por febre e infecção.
• tem uma diminuição do número de plaquetas. Ficará mais susceptível a hemorragias e formaçãode nódoas negras.
• tem ou teve lesões no fígado (afecções hepáticas), incluindo alteração das provas da função hepática.
• tem ou já teve no passado reações cutâneas graves chamadas síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica ou síndrome DRESS (também conhecida como DRESS ou síndrome de hipersensibilidade a fármacos).
• já teve uma reação alérgica durante a toma de Talidomida, como uma erupção na pele, comichão, inchaço, tonturas ou dificuldade em respirar.
• já teve sonolência.
• teve febre, arrepios e tremores intensos, complicados possivelmente por uma tensão arterial baixa e confusão (estes podem ser sintomas de infeções graves).
• tem ou já teve uma infecção viral anterior, em particular varicela zoster, infecção por hepatite B ou VIH. Se tiver dúvidas, fale com o médico. O tratamento com Talidomida pode fazer com que os vírus se tornem novamente activos em doentes que são portadores dos mesmos, resultando numa recorrência da infecção. O médico deverá verificar se alguma vez teve uma infecção por hepatite B.
• tem problemas nos rins ou no fígado.

O médico pode verificar se tem uma grande quantidade do tumor espalhada pelo corpo, incluindo na medula óssea. Esta pode ser a causa de uma situação em que os tumores se decompõem e produzem níveis anormais de substâncias químicas no seu corpo que podem causar uma insuficiência renal (esta situação é chamada Síndrome de Lise Tumoral).

O médico deve avaliá-lo para verificar se desenvolve tipos adicionais de neoplasias hematológicas (chamadas leucemia mieloide aguda e síndromes mielodisplásicas) durante o tratamento com Talidomida.

Não deve doar sangue durante o tratamento com Talidomida e durante pelo menos 7 dias após o fim do tratamento.
Se não tiver a certeza de que nenhuma das situações acima se aplica ao seu caso, consulte o médico antes de tomar Talidomida.

Talidomida não é recomendada para utilização em crianças e jovens com menos de 18 anos.

Outros medicamentos e Talidomida
Informe o médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos. Isto inclui medicamentos obtidos sem receita médica, incluindo medicamentos à base de plantas.
Certifique-se de que informa o médico se estiver a tomar quaisquer medicamentos que:
• causam sonolência, uma vez que a talidomida pode aumentar os seus efeitos. Estes incluem sedativos (como ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, anti-histamínicos H1, derivados de opioides e barbitúricos).
• tornam o ritmo do coração mais lento (induzem bradicárdia, como as anticolinesterases e os bloqueadores beta).
• são utilizados para problemas do coração e as suas complicações (como a digoxina), ou para tornar o sangue mais fluido (como a varfarina).
• estão associados a neuropatia, como outros tratamentos para o cancro.
• são utilizados para contracepção.
Cuidados com a Dieta
Não beba álcool enquanto tomar Talidomida. Isto porque o álcool pode provocar sonolência e Talidomida acentua ainda mais essa sonolência.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.
Ignorar a dose se estiver quase hora da sua próxima dose.
Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde talidomida a 25 graus C na embalagem original.
Breve armazenamento em temperaturas entre 15 e 30 graus C é permitida.
Não armazene na casa de banho.

Mantenha talidomida fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pamidronato de sódio + Talidomida

Observações: N.D.
Interacções: Em doentes com mieloma múltiplo, o risco de disfunção renal pode estar aumentado quando Pamidronato é usado em combinação com a talidomida. - Talidomida
Sem significado Clínico

Talidomida + Citocromo P450

Observações: N.D.
Interacções: A talidomida é um substrato com fraca ligação às isoenzimas do citocromo P450 e, como tal, são improváveis interacções clinicamente significativas com medicamentos que são inibidores e/ou indutores deste sistema enzimático. A hidrólise não enzimática da talidomida, sendo o mecanismo primário de depuração, sugere que o potencial para interacções medicamentosas com a talidomida é baixo. - Citocromo P450
Usar com precaução

Paracetamol + Feniramina + Ácido ascórbico + Talidomida

Observações: N.D.
Interacções: Associações em que devem ser tomadas precauções: Outros medicamentos sedativos (devido à presença de feniramina): derivados da morfina (analgésicos, antitússicos e tratamentos de substituição, neurolépticos, barbitúricos, benzodiazepinas, outros ansiolíticos que não as benzodiazepinas (por exemplo meprobamato), hipnóticos, sedativos antidepressivos (amitriptilina, doxepina, mianserina, mirtazapina, trimipramina, anti-histamínicos sedativos H1, anti-hipertensivos de acção central, talidomida e baclofeno. Pode aumentar uma depressão central. A diminuição da vigilância pode tornar perigosas a condução de veículos e utilização de máquinas. - Talidomida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido zoledrónico + Talidomida

Observações: O ácido zoledrónico não revela ligação apreciável às proteínas plasmáticas e não inibe as enzimas do P450 humano, in vitro, mas não foram realizados estudos formais de interação clínica.
Interacções: Em doentes com mieloma múltiplo, o risco de disfunção renal poderá aumentar quando se utilizar Ácido Zoledrónico em associação com talidomida. - Talidomida
Usar com precaução

Morfina + Talidomida

Observações: N.D.
Interacções: Deve ter-se em atenção o facto de vários medicamentos e substâncias poderem adicionar os seus efeitos depressores do sistema nervoso central e contribuírem para a diminuição da vigília. Tratam-se dos derivados da morfina (analgésicos, antitússicos e tratamentos de substituição), neurolépticos, barbitúricos, benzodiazepinas, outros ansiolíticos além das benzodiazepinas (por exemplo meprobamato), hipnóticos, antidepressores sedativos (amitriptilina, doxepina, mianserina, Mirtazapina, trimipramina), anti-histamínicos H1 sedativos, antihipertensores centrais, baclofeno e talidomida. - Talidomida
Usar com precaução

Talidomida + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Ansiolíticos
Usar com precaução

Talidomida + Hipnóticos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Hipnóticos
Usar com precaução

Talidomida + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Antipsicóticos
Usar com precaução

Talidomida + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Antihistamínicos
Usar com precaução

Talidomida + Opiáceos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Opiáceos
Usar com precaução

Talidomida + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Barbitúricos
Usar com precaução

Talidomida + Álcool

Observações: N.D.
Interacções: Aumento dos efeitos sedativos de outros medicamentos: A talidomida tem propriedades sedativas pelo que poderá potenciar a sedação induzida pelos ansiolíticos, hipnóticos, antipsicóticos, Anti-histamínicos H1, derivados dos opiáceos, barbitúricos e álcool. Deve ter-se particular atenção quando a talidomida é administrada juntamente com medicamentos que provocam sonolência. - Álcool
Usar com precaução

Talidomida + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: N.D.
Interacções: Efeitos bradicárdicos: Devido ao potencial da talidomida para induzir bradicardia, deverá ter-se particular atenção com medicamentos que tenham o mesmo efeito farmacodinâmico como substâncias ativas que induzem torsade de pointes, bloqueadores beta ou agentes anticolinesterásicos. - Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes
Usar com precaução

Talidomida + Vincristina

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos conhecidos por causarem neuropatia periférica: Os medicamentos conhecidos por estarem associados à neuropatia periférica (por ex., vincristina e bortezomib) devem ser usados com precaução nos doentes que tomam talidomida - Vincristina
Usar com precaução

Talidomida + Bortezomib

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos conhecidos por causarem neuropatia periférica: Os medicamentos conhecidos por estarem associados à neuropatia periférica (por ex., vincristina e bortezomib) devem ser usados com precaução nos doentes que tomam talidomida - Bortezomib
Usar com precaução

Talidomida + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interacções: Efeitos bradicárdicos: Devido ao potencial da talidomida para induzir bradicardia, deverá ter-se particular atenção com medicamentos que tenham o mesmo efeito farmacodinâmico como substâncias ativas que induzem torsade de pointes, bloqueadores beta ou agentes anticolinesterásicos. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Usar com precaução

Talidomida + Inibidor da acetilcolinesterase (Agentes anticolinesterásicos)

Observações: N.D.
Interacções: Efeitos bradicárdicos: Devido ao potencial da talidomida para induzir bradicardia, deverá ter-se particular atenção com medicamentos que tenham o mesmo efeito farmacodinâmico como substâncias ativas que induzem torsade de pointes, bloqueadores beta ou agentes anticolinesterásicos. - Inibidor da acetilcolinesterase (Agentes anticolinesterásicos)
Sem efeito descrito

Talidomida + Contracetivos hormonais

Observações: N.D.
Interacções: Contraceptivos hormonais: A talidomida não interage com métodos de contraceção hormonais. Em 10 mulheres saudáveis, foram estudados os perfis farmacocinéticos da noretisterona e do etinilestradiol após a administração de uma dose única contendo 1,0 mg de acetato de noretisterona e 0,75 mg de etinilestradiol. Os resultados foram idênticos com e sem administração em combinação com talidomida 200 mg/dia em relação aos níveis do estado estacionário. Contudo, os métodos de contraceção hormonais combinados não são recomendados devido ao risco acrescido de doença tromboembólica venosa. - Contracetivos hormonais
Sem efeito descrito

Talidomida + Etinilestradiol

Observações: N.D.
Interacções: Contraceptivos hormonais: A talidomida não interage com métodos de contraceção hormonais. Em 10 mulheres saudáveis, foram estudados os perfis farmacocinéticos da noretisterona e do etinilestradiol após a administração de uma dose única contendo 1,0 mg de acetato de noretisterona e 0,75 mg de etinilestradiol. Os resultados foram idênticos com e sem administração em combinação com talidomida 200 mg/dia em relação aos níveis do estado estacionário. Contudo, os métodos de contraceção hormonais combinados não são recomendados devido ao risco acrescido de doença tromboembólica venosa. - Etinilestradiol
Sem efeito descrito

Talidomida + Noretisterona

Observações: N.D.
Interacções: Contraceptivos hormonais: A talidomida não interage com métodos de contraceção hormonais. Em 10 mulheres saudáveis, foram estudados os perfis farmacocinéticos da noretisterona e do etinilestradiol após a administração de uma dose única contendo 1,0 mg de acetato de noretisterona e 0,75 mg de etinilestradiol. Os resultados foram idênticos com e sem administração em combinação com talidomida 200 mg/dia em relação aos níveis do estado estacionário. Contudo, os métodos de contraceção hormonais combinados não são recomendados devido ao risco acrescido de doença tromboembólica venosa. - Noretisterona
Não recomendado/Evitar

Talidomida + Contracetivos estroprogestativos

Observações: N.D.
Interacções: Contraceptivos hormonais: A talidomida não interage com métodos de contraceção hormonais. Em 10 mulheres saudáveis, foram estudados os perfis farmacocinéticos da noretisterona e do etinilestradiol após a administração de uma dose única contendo 1,0 mg de acetato de noretisterona e 0,75 mg de etinilestradiol. Os resultados foram idênticos com e sem administração em combinação com talidomida 200 mg/dia em relação aos níveis do estado estacionário. Contudo, os métodos de contraceção hormonais combinados não são recomendados devido ao risco acrescido de doença tromboembólica venosa. - Contracetivos estroprogestativos
Usar com precaução

Talidomida + Varfarina

Observações: N.D.
Interacções: Varfarina: Uma administração de dose múltipla de 200 mg de talidomida por dia durante 4 dias não teve qualquer efeito sobre o valor da Razão Normalizada Internacional (RNI) em voluntários saudáveis. Contudo, devido ao risco acrescido de trombose em doentes com cancro e ao metabolismo potencialmente acelerado da varfarina com corticosteróides, é aconselhada uma monitorização apertada dos valores de RNI durante o tratamento em combinação com talidomida-prednisona, bem como durante as primeiras semanas após a conclusão destes tratamentos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Talidomida + Digoxina

Observações: N.D.
Interacções: Digoxina: A talidomida não interage com a digoxina. Em 18 voluntários saudáveis do sexo masculino, uma administração com dose múltipla de 200 mg de talidomida não teve aparentemente qualquer efeito sobre a farmacocinética numa dose única de digoxina. Além disso, a administração de uma dose única de 0,5 mg de digoxina não teve aparentemente qualquer efeito sobre a farmacocinética da talidomida. Desconhece-se se o efeito será diferente em doentes com mieloma múltiplo. - Digoxina
Usar com precaução

Tramadol + Paracetamol + Talidomida

Observações: N.D.
Interacções: Outros depressores do sistema nervoso central, tais como outros derivados dos opiáceos (incluindo medicamentos antitússicos e tratamentos substitutivos), barbitúricos, benzodiazepinas, outros ansiolíticos, hipnóticos, antidepressivos sedativos, Anti-histamínicos sedativos, neurolépticos, medicamentos antihipertensores de acção central, talidomida e baclofeno. Estes medicamentos podem provocar um agravamento da depressão central. O efeito na capacidade de alerta pode tornar perigosa a condução de veículos e a utilização de máquinas. - Talidomida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Veraliprida + Talidomida

Observações: N.D.
Interacções: Associações a ter em atenção: Outros depressores do sistema nervoso central: Tais como derivados da morfina (analgésicos antitússicos e tratamentos de substituição), barbitúricos; benzodiazepinas; outros ansióliticos para além das benzodiazepinas: carbamatos, captodiaminas, étifoxinas; hipnóticos; antidepressivos sedativos; anti-histamínicos sedativos H1, antihipertensores centrais; baclofeno; talidomida. Potenciação da depressão central. A alteração do estado vigil pode tornar-se perigosa na condução de veículos e na utilização de máquinas. - Talidomida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Periciazina + Talidomida

Observações: n.d.
Interacções: Associações a serem consideradas Outros depressores do sistema nervoso central: derivados da morfina (medicamenos para dor, para tosse e tratamentos de substituição), barbitúricos (medicamentos derivados do ácido barbitúrico, tais como, anestésicos, anticonvulsivantes e hipnóticos/sedativos), benzodiazepínicos (grupo de medicamentos ansiolíticos), outros ansiolíticos (medicamentos que aliviam transtornos da ansiedade) além dos benzodiazepínicos (carbamatos, captodiamo, etifoxina), hipnóticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos (medicamentos para alergia), anti-hipertensivos centrais, baclofeno; talidomida: aumento da depressão central. A alteração da vigilância pode se tornar perigosa na condução de veículos e operação de máquinas. - Talidomida
Usar com precaução

Tetrazepam + Talidomida

Observações: n.d.
Interacções: ASSOCIAÇÕES A CONSIDERAR: - Medicamentos sedativos: derivados da morfina (analgésicos, antitussígenos e tratamentos de substituição que não a buprenorfina); neurolépticos; barbitúricos; benzodiazepínicos; ansiolíticos que não sejam benzodiazepínicos (por exemplo, meprobamato); hipnóticos; antidepressivos sedativos (amitriptilina, doxepina, mianserina, mirtazapina, trimipramina); anti-histamínicos H1 sedativos; anti-hipertensivos centrais; baclofeno; talidomida, pizotifeno. Aumento da depressão central. A falta de atenção pode tornar a condução perigosa e o uso de máquinas perigoso. Além disso, para derivados de morfina (analgésicos, antitussígenos e tratamentos de substituição), os barbitúricos: aumento do risco de depressão respiratória, que pode ser fatal em caso de sobredosagem. - Talidomida
Usar com precaução

Paracetamol + Ópio + Cafeína + Talidomida

Observações: n.d.
Interacções: RELACIONADO AO ÓPIO Associações a ter em conta Outros depressores do SNC: antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, ansiolíticos e hipnóticos, neurolépticos, clonidina e afins, talidomida: Aumento da depressão central. O estado de alerta comprometido pode tornar a condução e o uso de máquinas perigosos. - Talidomida
Potencialmente Grave

Fumarato de clemastina + Dexametasona + Talidomida

Observações: n.d.
Interacções: interacções Medicamento – Medicamento Este medicamento pode interagir com as seguintes substâncias: Talidomida: Deve ser evitado o uso deste medicamento com Fumarato de clemastina + Dexametasona, pois pode causar necrólise epidérmica tóxica. - Talidomida
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Talidomida
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

A talidomida causa anomalias congénitas graves ou morte dos fetos.
• Apenas uma cápsula tomada por uma mulher grávida pode causar graves anomalias congénitas no feto.
• Estas anomalias podem incluir membros superiores ou inferiores encurtados, malformações das mãos ou dos pés, deficiências visuais e auditivas, bem como problemas dos órgãos internos.

Se está grávida, não deve tomar Talidomida. Além disso, não deve engravidar enquanto tomar Talidomida.

Deve utilizar um método de contracepção eficaz se estiver apta a engravidar.

Deve interromper o tratamento e informar imediatamente o médico:
• Se não teve ou acha que não teve a sua menstruação, se apresentar hemorragias menstruais anormais ou se suspeitar uma gravidez.
• Se tiver relações heterossexuais sem utilizar um método de contracepção eficaz.

Se engravidar durante o tratamento com talidomida, deverá interromper o tratamento e informar imediatamente o médico.

Para os homens que tomam Talidomida e que têm uma parceira apta a engravidar: Se a sua parceira engravidar enquanto estiver a ser tratado com talidomida, deverá informar imediatamente o médico.

Não amamente quando estiver a tomar Talidomida, pois sabe-se que a talidomida passa para o leite materno humano.

Não conduza ou utilize quaisquer ferramentas ou máquinas se sentir efeitos secundários como tonturas, fadiga, sonolência ou visão turva.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 09 de Julho de 2021