Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
Este medicamento é uma combinação de três substâncias activas, rosuvastatina, perindopril e indapamida.

A rosuvastatina pertence a um grupo de medicamentos chamada estatinas.

O perindopril pertence a uma classe de medicamentos chamada inibidores da ECA (enzima conversão angiotensina).

A indapamida é um diurético.

A rosuvastatina ajuda a controlar os níveis de colesterol elevados. O perindopril e a indapamida ajudam a controlar a pressão arterial elevada (hipertensão).

Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida é prescrito para o tratamento da pressão arterial elevada (hipertensão) concomitantemente com níveis de colesterol elevados.

Os doentes que já tomam rosuvastatina, perindopril e indapamida em comprimidos separados podem, em vez disso, tomar um comprimido de Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida que contém os três ingredientes.
Usos comuns
Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida está indicado para terapêutica de substituição em doentes adultos controlados adequadamente com rosuvastatina, perindopril e indapamida, administrados concomitantemente com o mesmo nível de dose da associação para o tratamento da hipertensão essencial e uma das seguintes condições coincidentes: hipercolesterolemia primária (tipo IIa incluindo hipercolesterolemia familiar heterozigótica), dislipidemia mista (tipo IIb) ou hipercolesterolemia familiar homozigótica.
Tipo
Sem informação.
História
A rosuvastatina foi patenteada em 1991 e aprovada para uso médico nos Estados Unidos em 2003.

Perindopril foi patenteado em 1980 e aprovado para uso médico em 1988.

Indapamida foi patenteada em 1968 e aprovada para uso médico em 1977.
Indicações
Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida está indicado para terapêutica de substituição em doentes adultos controlados adequadamente com rosuvastatina, perindopril e indapamida, administrados concomitantemente com o mesmo nível de dose da associação para o tratamento da hipertensão essencial e uma das seguintes condições coincidentes: hipercolesterolemia primária (tipo IIa incluindo hipercolesterolemia familiar heterozigótica), dislipidemia mista (tipo IIb) ou hipercolesterolemia familiar homozigótica.
Classificação CFT

03.04.02.01 : Inibidores da enzima de conversão da angiotensina

03.07 : Antidislipidémicos

03.04.01.01 : Tiazidas e análogos

Mecanismo De Acção
Relacionados com perindopril:
Perindopril é um inibidor da enzima de conversão da angiotensina (inibidor da ECA) que converte a angiotensina I em angiotensina II, uma substância vasoconstritora; em adição estimula a secreção de aldosterona pelo córtex supra-renal e estimula a degradação da bradiquinina, substância vasodilatadora, em heptapeptideos inactivos.

Isto resulta em:
– uma redução da secreção de aldosterona,
– um aumento da actividade renina plasmática, dado que a aldosterona não exerce mais controlo negativo,
– uma redução das resistências periféricas totais com uma acção preferencial sobre o leito vascular no músculo e rim, não se acompanhando de retenção hidrossalina nem de taquicardia reflexa, com tratamento crónico.
A acção anti-hipertensora do perindopril ocorre também em doentes com concentrações de renina baixas ou normais.
Perindopril actua por meio do seu metabólito activo, perindoprilato. Os outros metabólitos são inactivos.

Perindopril reduz o esforço do coração:
– por um efeito vasodilatador venoso, provavelmente causado por modificações no metabolismo das prostaglandinas: diminuição da pré-carga,
– por diminuição das resistências periféricas totais: diminuição da pós-carga.

Os estudos realizados em doentes com insuficiência cardíaca mostraram:
– uma redução das pressões de enchimento ventriculares esquerda e direita;
– uma redução da resistência vascular periférica total;
– um aumento do débito cardíaco e uma melhoria do índice cardíaco;
– um aumento do débito sanguíneo regional no músculo. As provas de esforço também mostraram melhoria.

Relacionados com indapamida:
A indapamida é um derivado sulfonamida de núcleo indol, farmacologicamente aparentada aos diuréticos tiazídicos. Indapamida inibe a reabsorção do sódio ao nível do segmento cortical de diluição. Aumenta a excreção urinária do sódio e dos cloretos e, em menor grau, a excreção do potássio e do magnésio, aumentando deste modo a diurese e exercendo uma acção anti-hipertensiva.

Relacionados com rosuvastatina:
A rosuvastatina é um inibidor selectivo e competitivo da redutase da HMG-CoA, a enzima limitante da taxa de conversão da 3-hidroxi-3-metilglutaril coenzima A em mevalonato, um precursor do colesterol. O principal local de acção da rosuvastatina é o fígado, o órgão alvo na diminuição do colesterol.

A rosuvastatina aumenta o número de receptores hepáticos das LDL na superfície celular, potenciando a captação e o catabolismo das LDL e inibindo a síntese hepática das VLDL, reduzindo, desta forma, o número total de partículas de VLDL e LDL.
Posologia Orientativa
A dose recomendada de Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida é um comprimido por dia, de preferência tomado de manhã e antes da refeição.

A combinação de dose fixa não é adequada para terapia inicial.
Administração
Via oral.
Contra-Indicações
Relacionados com rosuvastatina:
– Hipersensibilidade à rosuvastatina.
– Doença hepática activa incluindo elevações persistentes e inexplicáveis das transaminases séricas e qualquer elevação das transaminases séricas excedendo 3 vezes o limite superior da normalidade (LSN).
– Doentes com miopatia.
– Doentes tratados concomitantemente com ciclosporina.
– Gravidez e aleitamento e em mulheres em idade fértil que não adoptam medidas contraceptivas apropriadas.

Relacionados com perindopril:
– Hipersensibilidade ao perindopril ou a qualquer outro inibidor da ECA.
– História de angioedema (edema de Quincke) associado a terapêutica prévia com inibidor da ECA.
– Angioedema hereditário/idiopático.
– Segundo e terceiro trimestre da gravidez.
– O uso concomitante de Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida com medicamentos contendo aliscireno é contra-indicado em doentes com diabetes mellitus ou compromisso renal (TFG <60 ml/min/1,73m2).

Relacionados com indapamida:
– Hipersensibilidade à indapamida ou a qualquer outra sulfonamida.
– Encefalopatia hepática.
– Insuficiência hepática grave.
– Hipocaliemia.
– Este medicamento é geralmente desaconselhado em associação com os medicamentos não antiarrítmicos que causam “torsades de pointes”.
– Aleitamento.

Relacionados com Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida:
Todas as contra-indicações relacionadas com cada monocomponente, conforme listado acima, devem aplicar-se também ao Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida.
– Insuficiência renal grave (clearance da creatinina abaixo de 30 ml/min).

Devido à falta de experiência terapêutica, Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida não deve ser utilizado em:
– Doentes em diálise.
– Doentes com insuficiência cardíaca descompensada não tratada.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Se sentir algum dos seguintes efeitos, pare logo de tomar o medicamento e fale imediatamente com o médico:
− dificuldade em respirar, com ou sem inchaço da face, lábios, língua e/ou garganta;
− inchaço da face, lábios, boca, língua ou garganta, o que pode causar dificuldade em engolir;
− tonturas graves ou desmaios;
− batimentos cardíacos irregulares ou mais rápidos do que o habitual;
− comichão intensa na pele (com inchaços ou nódulos).

Pare também de tomar Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida e fale imediatamente com o médico se sentir dores musculares invulgares que se prolonguem mais do que o esperado. Os sintomas musculares são mais frequentes nas crianças e adolescentes do que nos adultos.

Tal como com outras estatinas, um número muito reduzido de pessoas pode sentir efeitos musculares indesejáveis e raramente estes efeitos resultam na destruição muscular potencialmente fatal, conhecida como rabdomiólise.

Por ordem decrescente de frequência, os efeitos secundários podem incluir:

Frequentes (podem afectar até 1 em 10 pessoas):
− diabetes (é mais provável se tiver níveis altos de açúcar e gorduras no sangue, se estiver acima do peso e pressão arterial elevada; o seu médico irá monitorizá-lo enquanto estiver a tomar este medicamento);
− tonturas, dores de cabeça, vertigens, picadas e formigueiro;
− alterações da visão (incluindo visão dupla);
− zumbidos (sensação de barulhos nos ouvidos);
− sensação de cabeça oca devido à baixa de pressão;
− falta de ar, tosse;
− perturbações gastrointestinais (náuseas, vómitos, dor abdominal, alteração do paladar, boca seca, dispepsia ou dificuldade de digestão, diarreia, obstipação);
− reacções alérgicas (tais como erupções cutâneas, comichão);
− cãibras, dores musculares;
− sensação de fadiga.

Pouco frequentes (podem afectar até 1 em 100 pessoas):
− alterações de humor, distúrbios do sono;
− broncospasmo (aperto no peito, respiração ofegante e falta de ar);
− angioedema (sintomas tais como respiração ofegante, inchaço da face ou língua), urticária, púrpura (pontos vermelhos na pele). Se sofrer de lúpus eritematoso sistémico (um tipo de doença do colagénio), este poderá agravar-se;
− problemas renais;
− impotência;
− sudação;
− aumento da quantidade de proteínas na urina – que geralmente volta ao normal sem que seja necessário parar o tratamento com Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida.

Raros (podem afectar até 1 em 1000 pessoas):
− diminuição do número de plaquetas (que causa facilmente hematomas e hemorragias nasais);
− alterações dos parâmetros laboratoriais,
− dor de estômago intensa (inflamação do pâncreas),
− aumento do nível de enzimas hepáticas,
− reacções alérgicas graves – os sinais incluem inchaço da face, lábios, língua e/ou garganta, dificuldade em engolir e respirar, prurido intenso (comichão) na pele (com inchaço ou nódulos). Caso ache que está a ter uma reacção alérgica, pare de tomar Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida e procure ajuda médica de imediato, − lesão muscular em adultos – como precaução, pare de tomar Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida e fale imediatamente com o médico se sentir dores musculares invulgares que se prolonguem mais do que o esperado.

Muito raros (podem afectar até 1 em 10.000 pessoas):
− diminuição do número de glóbulos brancos, anemia (diminuição dos glóbulos vermelhos);
− confusão, lesão dos nervos nos braços e nas pernas (como dormência), perda de memória;
− alterações cardiovasculares (batimento cardíaco irregular, angina, ataque cardíaco);
− pneumonia eosinofílica (um tipo raro de pneumonia), rinite;
− alteração da função hepática, inflamação do fígado (hepatite), icterícia (amarelecimento da pele e dos olhos);
− eritema multiforme (erupção cutânea que começa muitas vezes com manchas vermelhas e comichão no rosto, braços ou pernas), reacções de fotossensibilidade (alteração na aparência da pele) após exposição ao sol ou UVA artificial;
− dor nas articulações;
− vestígios de sangue na urina;
− problemas renais graves;
− ginecomastia (aumento mamário nos homens).

Desconhecidos (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis):
− depressão;
− desmaios;
− distúrbios de sono, incluindo insónias e pesadelos;
− diarreia (fezes soltas);
− encefalopatia hepática (doença do cérebro causada por doença hepática);
− síndrome de Stevens-Johnson (doença grave que causa bolhas na pele, boca, olhos e órgãos genitais);
− fraqueza muscular constante, lesão nos tendões;
− edema (inchaço);
− valores anómalos no electrocardiograma, batimentos cardíacos irregulares potencialmente fatal (Torsades de pointes).

Podem surgir alterações no sangue, rins, fígado ou pâncreas ou nos parâmetros laboratoriais (análises ao sangue).
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida está contra-indicado na gravidez.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida está contra-indicado no aleitamento.
Precauções Gerais
A associação de lítio com a associação de perindopril e indapamida não é usualmente recomendada.

Casos de neutropenia/agranulocitose, trombocitopenia e anemia têm sido notificados em doentes tratados com IECAs.
Raramente ocorrem casos de neutropenia em doentes com função renal normal e sem outros factores de risco.
O perindopril deve ser utilizado com extrema precaução em doentes com alteração da doença do colagénio vascular, em terapia com agentes imunossupressores, tratamento com alopurinol ou procainamida, ou a combinação destes factores de risco, especialmente se existir previamente uma insuficiência renal.
Alguns destes doentes desenvolveram infecções graves que não responderam à terapêutica antibiótica intensiva.
Se o perindopril for usado nestes doentes, recomenda-se a monitorização periódica do número de glóbulos brancos e os doentes devem ser aconselhados a informar o médico de qualquer sinal de infecção (por exemplo dores de garganta, febre).

Casos raros de angioedema da face, extremidades, lábios, língua, glote e/ou laringe têm sido notificados em doentes tratados com IECAs, incluindo perindopril.
Isto pode ocorrer em qualquer momento durante o tratamento.
Nestes casos o tratamento com perindopril deve ser imediatamente interrompido e um acompanhamento adequado deve ser instituído para garantir a resolução completa dos sintomas antes de dar alta ao doente.
Quando o edema só atinge a face e os lábios, o efeito geralmente regride sem tratamento, se bem que os anti-histamínicos possam ser utilizados para alívio dos sintomas.

O angioedema associado a um edema da laringe pode ser fatal.
Se houver envolvimento da língua, glote ou laringe, susceptíveis de causar obstrução das vias aéreas, deve ser administrada imediatamente uma terapêutica adequada, que deve incluir uma solução de adrenalina subcutânea a 1/1000 (0,3 ml a 0,5 ml) e/ou medidas para assegurar a desobstrução das vias aéreas do doente.

Tem sido identificada uma maior incidência de angioedema em doentes de raça negra a tomar IECA comparativamente com doentes de raça não negra.

Doentes com história de angioedema, não associado à toma dum IECA, podem ter um risco aumentado de angioedema com um IECA.

Foram notificados casos raros de angioedema intestinal em doentes tratados com IECAs.
Estes doentes apresentam dores abdominais (com ou sem náuseas ou vómitos); em alguns casos não houve previamente angioedema facial e os níveis de C-1 estearase eram normais.
O angioedema foi diagnosticado através de procedimentos como TAC abdominal, ou ultrassons, ou durante uma cirurgia, e os sintomas desapareceram após a descontinuação do IECA.
O angioedema intestinal deve ser incluído no diagnóstico diferencial de doentes com dores abdominais a tomarem IECAs.

Os doentes tratados concomitantemente com inibidores da mTOR (por exemplo, sirolímus, everolímus, temsirolímus) podem ter um risco aumentado de angioedema (por exemplo, inchaço das vias respiratórias ou língua, com ou sem insuficiência respiratória).

Foram notificados casos isolados de doentes com reacções anafilactóides sustentadas, com risco de vida, que estavam em tratamento com IECAs, durante tratamentos de dessensibilização com veneno de himenópteros (abelhas, vespas).
Os IECAs devem ser utilizados com precaução em doentes alérgicos submetidos a dessensibilização, e evitados naqueles que estão a ser submetidos a imunoterapia com este tipo de venenos.
Contudo, estas reacções podem ser evitadas com a interrupção temporária do inibidor do ECA pelo menos 24 horas antes do tratamento, nos doentes que necessitem de ambos os tratamentos, IECA e dessensibilização.

Raramente, doentes que estavam em tratamento com inibidores do ECA, durante a aférese de lipoproteínas de baixa densidade (LDL) com sulfato de dextrano têm reacções anafilácticas, com risco de vida.
Estas reacções foram evitadas com a interrupção temporária do tratamento com IECA antes de cada aférese.

Têm sido notificadas reacções anafilactóides em doentes hemodialisados com membranas de alto fluxo (por exemplo AN 69) e tratados concomitantemente com um IECA.
Nestes doentes deve ser considerada a possibilidade de se utilizar um outro tipo de membrana de diálise ou outra classe de anti-hipertensor.

A deplecção de potássio com hipocaliemia é um risco “major” com diuréticos tiazídicos e análogos.
O risco de aparecimento de baixos níveis de potássio (< 3,4 mmol/l) deve ser prevenido em certas populações de risco como os idosos e/ou desnutridos, quer sejam polimedicados ou não, doentes cirróticos com edema e ascite, doentes coronários e doentes com insuficiência cardíaca.
Nestes casos a hipocaliemia aumenta a toxicidade cardíaca dos glicosidos cardíacos e o risco de alterações do ritmo.

A associação de perindopril e indapamida não exclui o aparecimento duma hipocaliemia, particularmente nos doentes diabéticos ou doentes com insuficiência renal.
Como para todo o anti-hipertensor contendo um diurético, deve ser efectuado um controlo regular dos níveis de potássio.

A associação de perindopril com diuréticos poupadores de potássio ou sais de potássio não é geralmente recomendada.

Foi observado em alguns doentes tratados com IECA, incluindo perindopril, aumento do potássio sérico.
Os factores de risco para o desenvolvimento de hipercaliemia incluem os que tem insuficiência renal, degradação da função renal, idade (> 70 anos), diabetes mellitus, eventos intercorrentes, em particular desidratação, descompensação cardíaca aguda, acidose metabólica e o uso concomitante de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, espironolactona, eplerenona, triamtereno, ou amilorida), suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio, ou os doentes que tomam outros fármacos associados a aumento do potássio sérico (p.ex.: heparina).
O uso de suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio ou substitutos do sal que contenham potássio, particularmente em doentes com compromisso da função renal, pode levar a um aumento significativo nos níveis de potássio sérico.
A hipercaliemia pode causar arritmias graves, por vezes fatais.
Se o uso concomitante dos agentes acima mencionados for considerado estritamente necessário, devem ser utilizados com precaução e com monitorização regular do potássio sérico.

Os IECAs não devem ser iniciados durante a gravidez.
A não ser em situações em que a manutenção da terapêutica com IECA seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar, o tratamento deve ser alterado para anti-hipertensores cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido.
Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com IECA deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa.

Foram notificados casos de reacções de fotossensibilidade com diuréticos tiazídicos e análogos.
Se a reacção de fotossensibilidade ocorrer durante o tratamento, recomenda-se a interrupção deste.
Se for considerada necessária a readministração do diurético, é recomendada a protecção das áreas expostas ao sol ou aos raios UVA artificiais.

Em casos de comprimido renal grave (clearance de creatinina < 30 ml/min) o tratamento está contra-indicado.
Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida não é adequado para doentes com clearance de creatinina<60ml/min.
Nestes doentes, recomenda-se uma titulação individual da dose com os monocomponentes.

Em certos hipertensos sem lesão renal aparente pré-existente e cujos testes sanguíneos renais mostrem uma insuficiência renal funcional, o tratamento deve ser interrompido e, eventualmente, ser retomado com uma dose mais baixa ou só com um dos constituintes.

Nestes doentes, o acompanhamento médico usual incluirá monitorização frequente do potássio e da creatinina, após duas semanas de tratamento e, seguidamente, a cada dois meses durante o período de estabilidade terapêutica.
Foi reportado insuficiência renal em doentes com insuficiência cardíaca grave ou insuficiência renal subjacente, incluindo estenose da artéria renal.

O medicamento não é geralmente recomendado, em caso de estenose bilateral da artéria renal ou de um só rim funcional.

Proteinúria, detectada por teste com fita reagente e principalmente de origem tubular, tem sido observada em doentes tratados com doses mais altas de rosuvastatina, em particular 40 mg, onde foi transitória ou intermitente na maioria dos casos.
A proteinúria não demonstrou ser preditiva de doença renal aguda ou progressiva.

Os diuréticos tiazídicos e análogos só são plenamente efectivos quando a função renal é normal ou fracamente alterada (níveis de creatinina baixos aproximadamente 25 mg/l, isto é 220 micromol/l para um adulto).

Nos idosos, o valor dos níveis da creatinina deve ser ajustado em função da idade, peso e sexo do doente, segundo a fórmula de Cockroft:
Clcr = (140 - idade) x peso/0,814 x nível plasmático da creatinina
com: idade expressa em anos
peso em kg
nível plasmático da creatinina em µmol/l.
Esta fórmula é válida para os idosos de sexo masculino e deve ser adaptada para as mulheres multiplicando o resultado por 0,85.

A hipovolémia, secundária à perda de água e de sódio provocada pelo diurético no início do tratamento com indapamida, provoca uma redução da filtração glomerular.
Isto pode provocar um aumento da ureia no sangue e dos níveis da creatinina.
Esta insuficiência renal funcional transitória não tem consequências nos doentes com função renal normal, mas pode contudo agravar uma insuficiência renal prévia.

Existe um risco de hipotensão súbita em presença de deplecção sódica prévia (especialmente em doentes com estenose da artéria renal).
Assim, devem ser realizados análises sistemáticas para detecção da deplecção electrolítica que pode aparecer por ocasião dum episódio intercorrente de diarreia ou de vómitos.
Nestes doentes deverá ser efectuada uma vigilância regular dos electrólitos plasmáticos.

Uma hipotensão transitória não é contra-indicação para a continuação do tratamento.
Após restabelecimento duma volémia e pressão arterial satisfatória, é possível retomar o tratamento com a posologia reduzida ou só com um dos constituintes.

Uma estimulação importante do sistema renina-angiotensina-aldosterona é observada em particular no decurso de deplecção electrolítica marcada (dieta restritiva de sódio ou tratamento diurético prolongado), em doentes com pressão arterial inicialmente baixa, em caso de estenose da artéria renal, de insuficiência cardíaca congestiva ou de cirrose com edema e ascite.

O bloqueio deste sistema com um IECA pode por isso provocar, particularmente aquando da primeira administração e durante as duas primeiras semanas de tratamento, uma brusca descida tensional e/ou uma elevação da creatinina plasmática, traduzindo uma insuficiência renal funcional.
Ocasionalmente, no início pode ser aguda, contudo rara e com tempo de início variável.
Nestes casos o tratamento com perindopril deve ser iniciado com uma dose mais baixa e aumentada progressivamente.

O tratamento da hipertensão renovascular é a revascularização.
Contudo, os inibidores da enzima de conversão da angiotensina podem ser benéficos em doentes com hipertensão renovascular à espera de uma cirurgia corretiva ou quando esta cirurgia não é possível.
O tratamento com perindopril/indapamida em doentes com conhecida ou suspeita de estenose da artéria renal, deve ser iniciado em meio hospitalar.

Os inibidores da ECA devem ser utilizados com precaução em doentes com obstrução do fluxo de saída do ventrículo esquerdo.

Foi referida tosse seca com a utilização de inibidores da ECA.
É caraterizada pela sua persistência e pelo seu desaparecimento com a interrupção do tratamento.
A etiologia iatrogénica deve ser encarada em presença deste sintoma.
Se a prescrição de um IECA for ainda preferida, a continuação do tratamento deve ser considerada.

Foram notificados casos raros de doença pulmonar intersticial com algumas estatinas, especialmente com tratamentos de longa duração.
Os sintomas observados incluem dispneia, tosse não produtiva e deterioração do estado de saúde em geral (fadiga, perda de peso e febre).
Se houver suspeita de desenvolvimento de doença pulmonar intersticial, a terapêutica com estatinas deve ser interrompida.

Raramente os inibidores da ECA têm sido associados com um síndrome que começa com icterícia colestática e progride para necrose hepática fulminante e (algumas vezes) morte.
O mecanismo deste síndrome não está compreendido.
Doentes que recebem inibidores da ECA e que desenvolvam icterícia ou aumentos significativos das enzimas hepáticas devem descontinuar o inibidor da ECA e receber seguimento médico apropriado.

Quando a função hepática está comprometida, os diuréticos tiazídicos e os diuréticos relacionados à tiazida podem causar encefalopatia hepática.
A administração do diurético deve ser interrompida imediatamente se isso ocorrer.

Estes devem ser determinados antes do início do tratamento com indapamida e depois a intervalos regulares.
Qualquer tratamento diurético pode provocar uma redução dos níveis do sódio, com consequências por vezes graves.
Como a descida do sódio pode ser inicialmente assintomática é indispensável um controlo regular.
As análises devem ser mais frequentes nos idosos e nos doentes cirróticos.

Os indivíduos que apresentam um intervalo QT longo são igualmente de risco, quer a origem seja congénita ou iatrogénica.
A hipocaliemia, tal como a bradicardia, actua então como um factor que favorece o aparecimento de alterações graves do ritmo, em particular de “ torsades de pointes”, potencialmente fatais.

Em todos os casos, são necessários controlos mais frequentes dos níveis do potássio.
O primeiro controlo do potássio plasmático deve ser efectuado durante a primeira semana após o início do tratamento.
Se forem detectados níveis de potássio baixos, é necessária correção.

Os diuréticos tiazídicos e análogos podem diminuir a excreção urinária do cálcio e provocar um aumento moderado e transitório dos níveis plasmáticos do cálcio.
Elevados níveis de cálcio podem estar relacionados com um hiperparatiroidismo não diagnosticado.
Em muitos casos, o tratamento com inibidores da ECA deve ser interrompido antes da investigação da função paratiróide.

Tendência para ataques de gota pode ser aumentada em doentes hiperuricémicos.

A função renal e os níveis do potássio devem ser avaliados antes do início do tratamento.
Subsequentemente, a dose inicial é ajustada de acordo com a resposta da pressão sanguínea, especialmente em caso de deplecção electrolítica, a fim de evitar o aparecimento brusco duma hipotensão.

O risco de hipotensão existe em todos os doentes, mas devem ser tomados cuidados especiais nos doentes com uma cardiopatia isquémica ou uma insuficiência circulatória cerebral, cujo tratamento com perindopril deve ser iniciado com uma dose baixa.

Os níveis de glicemia devem ser cuidadosamente monitorizados em doentes diabéticos tratados previamente com medicamentos antidiabéticos orais ou insulina, especialmente durante o primeiro mês de tratamento com um IECA.

Algumas evidências sugerem que as estatinas como classe aumentam a glicose no sangue e em alguns doentes, com alto risco de diabetes no futuro, podem produzir um nível de hiperglicemia para o qual o tratamento formal do diabetes é apropriado.
Este risco, no entanto, é superado pela redução do risco vascular com estatinas e, portanto, não deve ser uma razão para interromper o tratamento com estatinas.
Doentes em risco (glicemia de jejum de 5,6 a 6,9 mmol/L, IMC> 30 kg/m2, aumento de triglicéridos, hipertensão) devem ser monitorizados clínica e bioquimicamente, de acordo com a directrizes nacionais.
No estudo JUPITER, a frequência global notificada de diabetes mellitus foi de 2,8% em rosuvastatina e 2,3% em placebo, principalmente em doentes com glicose em jejum de 5,6 a 6,9 mmol/L.

É importante controlar a glicemia nos diabéticos, particularmente quando os níveis de potássio são baixos.

Em doentes com insuficiência cardíaca grave (grau IV) ou em doentes diabéticos insulinodependentes (tendência espontânea para o aumento dos níveis de potássio), o tratamento deve fazer-se sob vigilância médica e com uma posologia inicial reduzida.
O tratamento por β-bloqueador num hipertenso com insuficiência coronária não deve ser interrompido: o inibidor da enzima de conversão da angiotensina deve ser associado ao β- bloqueador.

Assim como outros IECAs, o perindopril é aparentemente menos eficaz em reduzir a pressão arterial em indivíduos de raça negra do que em indivíduos de outras raças, possivelmente devido a uma maior prevalência dos níveis baixos de renina na população negra hipertensa.
Estudos farmacocinéticos mostram um aumento na exposição da rosuvastatina em indivíduos asiáticos em comparação com os caucasianos.

Em caso de anestesia, especialmente quando a anestesia é realizada com fármacos com potencial hipotensor, os inibidores da ECA podem originar hipotensão.
Por isso, é recomendada a interrupção do tratamento com inibidores da ECA de acção prolongada como o perindopril, se possível um dia antes da cirurgia.

Chama-se a atenção dos desportistas para o facto deste medicamento conter a substância activa indapamida que pode induzir uma reacção positiva nos testes de controlo antidopping.

Efeitos no músculo esquelético, por exemplo mialgia, miopatia e, raramente, rabdomiólise têm sido notificados em doentes tratados com rosuvastatina em todas as doses e em particular com doses > 20 mg.
Foram notificados casos muito raros de rabdomiólise com a utilização de ezetimiba em combinação com os inibidores da redutase da HMG-CoA.
Não pode ser excluída uma interacção farmacodinâmica e a sua combinação deve ser utilizada com precaução.
Tal como com outros inibidores da redutase da HMG-CoA, a taxa de notificação de rabdomiólise associada a rosuvastatina na experiência pós-comercialização é maior com a dose de 40 mg.

A creatinaquinase (CK) não deve ser doseada após exercício intenso ou na presença de causas alternativas plausíveis de aumento de CK, que possam confundir a interpretação dos resultados.
Se os níveis basais de CK forem significativamente elevados (> 5xLSN) deverá ser efectuado um teste de confirmação dentro de 5-7 dias.
Se a repetição do teste confirmar um valor basal de CK> 5xLSN, o tratamento não deverá ser iniciado.

Rosuvastatina, tal como com os outros inibidores da redutase da HMG-CoA, deverá ser prescrito com precaução em doentes com factores predisponentes para miopatia/rabdomiólise.

Tais factores incluem:
- compromisso renal;
- hipotiroidismo;
- antecedentes pessoais ou familiares de perturbações musculares hereditárias;
- antecedentes pessoais de toxicidade muscular com outro inibidor da redutase da HMG-CoA ou fibrato;
- alcoolismo;
- idade > 70 anos;
- situações em que possa ocorrer um aumento dos níveis plasmáticos;
- uso concomitante de fibratos.

Nestes doentes deverá ser avaliado o risco do tratamento relativamente aos possíveis benefícios, sendo recomendado uma monitorização clínica.
Se os níveis basais de CK forem significativamente elevados (> 5xLSN), o tratamento não deverá ser iniciado.

Os doentes devem ser advertidos a notificar imediatamente dor muscular, astenia ou cãibras inexplicáveis, particularmente se associados a mal-estar ou febre.
Deve determinar-se os níveis de CK nestes doentes.
A terapêutica deve ser interrompida se os níveis de CK estiverem francamente elevados (> 5xLSN) ou se os sintomas musculares forem graves e causarem desconforto diário (mesmo com níveis de CK ≤ 5xLSN).
Se os sintomas desaparecerem e os níveis de CK regressarem ao normal, deverá considerar-se a reintrodução de rosuvastatina ou um inibidor alternativo da redutase da HMG-CoA na dose mais baixa e com uma monitorização apertada.
A monitorização de rotina dos níveis de CK em doentes assintomáticos não se justifica.
Foram notificados casos muito raros de miopatia necrosante imunomediada (IMNM) durante ou após o tratamento com estatinas, incluindo a rosuvastatina.
A IMNM é clinicamente caracterizada por fraqueza muscular proximal e elevação da creatinina quinase sérica, que persistem apesar da interrupção do tratamento com estatinas.

Os ensaios clínicos não demonstraram evidência de aumento de efeitos sobre o músculo esquelético no reduzido número de doentes tratados com rosuvastatina e terapêutica concomitante.
Observou-se, no entanto, aumento da incidência de miosite e de miopatia em doentes tratados com outros inibidores da redutase da HMG-CoA em associação a derivados do ácido fíbrico, incluindo gemfibrozil, ciclosporina, ácido nicotínico, antifúngicos do grupo dos azóis, inibidores da protease e antibióticos macrólidos.
O gemfibrozil aumenta o risco de miopatia quando administrado concomitantemente com alguns inibidores da redutase da HMG-CoA.
Por conseguinte, a associação de rosuvastatina com gemfibrozil não é recomendada.
O benefício de alterações adicionais nos níveis lipídicos, resultantes da combinação de rosuvastatina com fibratos ou niacina, deverá ser cuidadosamente considerado em relação aos potenciais riscos de tais associações.
Com as doses de 30 mg e 40 mg de rosuvastatina está contra-indicado o uso concomitante de fibratos.

A rosuvastatina não deve ser utilizada em doentes com condição aguda ou séria de miopatia ou na predisposição de desenvolvimento de falência secundária renal à rabdomiólise (por exemplo sépsis, hipotensão, cirurgia major, trauma, metabolismo severo, perturbações endócrinas ou electrolíticas, ou convulsões descontroladas.

Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida não deve ser administrado concomitantemente com formulações sistémicas de ácido fusídico ou nos primeiros 7 dias após a interrupção do tratamento com ácido ácido fusídico.
Nos doentes em que a administração sistémica de ácido fusídico é considerada essencial, o tratamento com estatinas deverá ser suspenso durante toda a duração do tratamento com o ácido fusídico.
Foram notificados casos de rabdomiólise (incluindo alguns casos fatais) em doentes que receberam ácido fusídico e estatinas em associação.
Os doentes devem ser aconselhados a consultar imediatamente o médico se experimentarem sintomas de fraqueza, dor ou sensibilidade muscular.
A terapêutica com estatina pode ser reintroduzida 7 dias após a toma da última dose de ácido fusídico.
Em circunstâncias excepcionais, quando é necessária um tratamento prolongado de ácido fusídico sistémico, por exemplo, para o tratamento de infecções graves, a necessidade de administração concomitante de Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida e ácido fusídico só deve ser considerada numa base caso a caso e sob vigilância médica rigorosa.

Existe evidência de que o uso concomitante de inibidores da ECA, antagonistas dos receptores da angiotensina II ou aliscireno aumenta o risco de hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda).
O duplo bloqueio do SRAA através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos receptores da angiotensina II ou aliscireno, é portanto, não recomendado.
Se a terapêutica de duplo bloqueio for considerada absolutamente necessária, esta só deverá ser utilizada sob a supervisão de um especialista e sujeita a uma monitorização frequente e apertada da função renal, electrólitos e pressão arterial.
Os inibidores da ECA e os antagonistas dos receptores da angiotensina II não devem ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética.

Um aumento da exposição sistémica à rosuvastatina tem sido observado em indivíduos tratados concomitantemente com rosuvastatina com vários inibidores da protease em combinação com ritonavir.
Deve ser considerado, quer o benefício de redução lipídica pelo uso de rosuvastatina em doentes com o Vírus de Imunodeficiência Humana (VIH) tratados com inibidores da protease quer o potencial para o aumento das concentrações plasmáticas de rosuvastatina quando se inicia e se titulam doses de rosuvastatina em doentes tratados com inibidores da protease.
O uso concomitante com determinados inibidores da protease não é recomendado a menos que a dose de rosuvastatina seja ajustada.
Cuidados com a Dieta
É preferível tomar Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida antes da refeição.
Terapêutica Interrompida
É importante tomar o seu medicamento todos os dias regularmente para o tratamento ser mais eficaz. Contudo, se se esquecer de tomar uma dose de Roxiper, tome a dose seguinte à hora habitual.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.
O medicamento não necessita de qualquer temperatura especial de conservação.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Lítio

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificadas durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA, aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e da sua toxicidade. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos com inibidores da ECA pode aumentar ainda mais os níveis de lítio e potenciar o risco de toxicidade por lítio. Não é recomendado o uso do perindopril associado à indapamida com lítio, mas se a associação for necessária deve-se monitorizar rigorosamente os níveis séricos de lítio. - Lítio
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Racecadotril

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Racecadotril: Os inibidores da ECA (por exemplo perindopril) são conhecidos por causar angioedema. Este risco pode estar aumentado quando utilizado concomitantemente com racecadotril (um medicamento usado no tratamento da diarreia aguda). - Racecadotril
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Inibidores da mTOR

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Inibidores da mTOR (por exemplo, sirolímus, everolímus, temsirolímus): Os doentes tratados concomitantemente com inibidores da mTOR podem ter um risco aumentado de angioedema. - Inibidores da mTOR
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sirolímus

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Inibidores da mTOR (por exemplo, sirolímus, everolímus, temsirolímus): Os doentes tratados concomitantemente com inibidores da mTOR podem ter um risco aumentado de angioedema. - Sirolímus
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Everolímus

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Inibidores da mTOR (por exemplo, sirolímus, everolímus, temsirolímus): Os doentes tratados concomitantemente com inibidores da mTOR podem ter um risco aumentado de angioedema. - Everolímus
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Temsirolímus

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Inibidores da mTOR (por exemplo, sirolímus, everolímus, temsirolímus): Os doentes tratados concomitantemente com inibidores da mTOR podem ter um risco aumentado de angioedema. - Temsirolímus
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Baclofeno

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Baclofeno: Potencialização do efeito anti-hipertensor. Vigilância da pressão sanguínea e da função renal e, se necessário, adaptação da dose do anti-hipertensor. - Baclofeno
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (incluindo ácido acetilsalicílico em doses altas): quando os inibidores da ECA são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteróides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteróides e inibidores do ECA pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ácido Acetilsalicílico

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (incluindo ácido acetilsalicílico em doses altas): quando os inibidores da ECA são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteróides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteróides e inibidores do ECA pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Antidepressivos imipraminicos (tricíclicos), neurolépticos: Efeito anti-hipertensor e risco de hipotensão ortostática majorados (efeito aditivo). - Antidepressores (Tricíclicos)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Neurolépticos

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Antidepressivos imipraminicos (tricíclicos), neurolépticos: Efeito anti-hipertensor e risco de hipotensão ortostática majorados (efeito aditivo). Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Neurolépticos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Corticosteróides

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Corticosteróides, tetracosactido: Diminuição do efeito anti-hipertensor (retenção de água e sais devido aos corticosteróides). Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Corticosteróides
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Tetracosactido

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Corticosteróides, tetracosactido: Diminuição do efeito anti-hipertensor (retenção de água e sais devido aos corticosteróides). Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que baixam o potássio: anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo), devendo ser feita a monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. - Tetracosactido
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Anti-hipertensores

Observações: n.d.
Interacções: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Outros anti-hipertensores: O uso de outros medicamentos anti-hipertensores com Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida pode provocar um efeito adicional na diminuição da pressão sanguínea. - Anti-hipertensores
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos receptores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com acção no SRAA. - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos receptores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com acção no SRAA. - Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Aliscireno

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos receptores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com acção no SRAA. - Aliscireno
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Diuréticos poupadores de potássio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triantereno, em monoterapia ou em associação), potássio (sais): inibidores da ECA atenuam a descida de potássio induzida pelo diurético. Diuréticos poupadores de potássio tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG. - Diuréticos poupadores de potássio
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Espironolactona

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triantereno, em monoterapia ou em associação), potássio (sais): inibidores da ECA atenuam a descida de potássio induzida pelo diurético. Diuréticos poupadores de potássio tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG. - Espironolactona
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Triamtereno

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triantereno, em monoterapia ou em associação), potássio (sais): inibidores da ECA atenuam a descida de potássio induzida pelo diurético. Diuréticos poupadores de potássio tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG. - Triamtereno
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sais de Potássio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triantereno, em monoterapia ou em associação), potássio (sais): inibidores da ECA atenuam a descida de potássio induzida pelo diurético. Diuréticos poupadores de potássio tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG. - Sais de Potássio
Não recomendado/Evitar

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Amilorida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triantereno, em monoterapia ou em associação), potássio (sais): inibidores da ECA atenuam a descida de potássio induzida pelo diurético. Diuréticos poupadores de potássio tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG. - Amilorida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antidiabéticos

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores do ECA pode aumentar o efeito hipoglicémico nos diabéticos a receberem tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina). - Antidiabéticos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Insulinas

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores do ECA pode aumentar o efeito hipoglicémico nos diabéticos a receberem tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina). - Insulinas
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sulfonamidas (sulfanilamidas)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores do ECA pode aumentar o efeito hipoglicémico nos diabéticos a receberem tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina). - Sulfonamidas (sulfanilamidas)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Citotóxicos (citostáticos)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Citotóxicos (citostáticos)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Imunossupressores

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Imunossupressores
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Procainamida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Procainamida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Anestésicos

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Anestésicos: os inibidores da ECA podem aumentar os efeitos hipotensivos de certos medicamentos anestésicos. - Anestésicos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Diuréticos (tiazídicos ou diuréticos da ansa): tratamento prévio com doses altas de diuréticos pode provocar depleção de volume e um risco de hipotensão quando do início da terapia com perindopril. - Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Diuréticos da ansa

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Diuréticos (tiazídicos ou diuréticos da ansa): tratamento prévio com doses altas de diuréticos pode provocar depleção de volume e um risco de hipotensão quando do início da terapia com perindopril. - Diuréticos da ansa
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ouro

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Ouro: foram notificados casos raros de reacções nitritoides (sintomas incluem rubor facial, náusea, vómitos, e hipotensão) em doentes com uma terapêutica concomitante de ouro injetável (aurotiomalato de sódio) e um IECA, incluindo o perindopril. - Ouro
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Aurotiomalato de sódio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Ouro: foram notificados casos raros de reacções nitritoides (sintomas incluem rubor facial, náusea, vómitos, e hipotensão) em doentes com uma terapêutica concomitante de ouro injetável (aurotiomalato de sódio) e um IECA, incluindo o perindopril. - Aurotiomalato de sódio
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Quinidina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Quinidina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Hidroquinidina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Hidroquinidina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Disopiramida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Disopiramida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Amiodarona

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Amiodarona
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Dofetilida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Dofetilida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ibutilida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Ibutilida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Tosilato de bretílio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Tosilato de bretílio
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sotalol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Sotalol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Cloropromazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ciamemazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Ciamemazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Levomepromazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Levomepromazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Tioridazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Tioridazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Trifluoperazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Trifluoperazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Benzamidas

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Benzamidas
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Amissulprida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Amissulprida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sulpirida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Sulpirida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Sultoprida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Sultoprida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Tiaprida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Tiaprida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Butirofenonas

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Butirofenonas
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Droperidol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Droperidol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Haloperidol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Haloperidol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Pimozida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Pimozida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Bepridilo

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Bepridilo
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Cisaprida

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Cisaprida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Metilsulfato de difemanila

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Metilsulfato de difemanila
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Eritromicina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Eritromicina: O uso concomitante de rosuvastatina e eritromicina resultou num decréscimo de 20% na AUC e um decréscimo de 30% na Cmax de rosuvastatina. Esta interacção pode ser provocada pelo aumento da motilidade intestinal causada pela eritromicina. - Eritromicina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Halofantrina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Halofantrina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Mizolastina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Mizolastina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Moxifloxacina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Moxifloxacina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Pentamidina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Pentamidina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Esparfloxacina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Esparfloxacina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Vincamina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Vincamina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Metadona

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Metadona
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Astemizol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Astemizol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Terfenadina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Terfenadina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Anfotericina B

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que baixam o potássio: anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo), devendo ser feita a monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. - Anfotericina B
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Glucocorticóides

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que baixam o potássio: anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo), devendo ser feita a monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. - Glucocorticóides
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Mineralocorticoides

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que baixam o potássio: anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo), devendo ser feita a monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. - Mineralocorticoides
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Laxantes

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que baixam o potássio: anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo), devendo ser feita a monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. - Laxantes
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Glicosidos cardíacos: níveis baixos de potássio favorecem os efeitos tóxicos dos glicosidos cardíacos. Devem ser monitorizados os níveis de potássio e ECG e, se necessário, o tratamento deve ser reconsiderado. - Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Metformina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Metformina: acidose láctica devido à metformina, causada por possível insuficiência renal funcional ligada aos diuréticos e em particular aos diuréticos da ansa. Não utilizar a metformina quando os níveis plasmáticos da creatinina ultrapassam 15 mg/l (135 µmol/l) no homem e 12 mg/l (110 µmol/l) na mulher. - Metformina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Agentes/Meios de Contraste

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Produtos de contraste iodados: nos casos de desidratação provocada por diuréticos, existe um risco aumentado de insuficiência renal aguda, particularmente aquando da utilização de doses altas de produtos de contraste iodados. Deve proceder-se à re-hidratação do doente antes da administração do produto iodado. - Agentes/Meios de Contraste
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Cálcio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Cálcio (sais): risco de aumento dos níveis de cálcio devido à redução da eliminação do cálcio na urina. - Cálcio
Contraindicado

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ciclosporina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer alguns cuidados: Ciclosporina: risco de aumento dos níveis da creatinina sem modificação dos níveis circulantes de ciclosporina, mesmo em ausência de depleção salina e de água. Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Ciclosporina: Durante a terapêutica concomitante com rosuvastatina e ciclosporina, os valores da AUC de rosuvastatina foram em média 7 vezes mais elevados, relativamente aos observados em voluntários saudáveis. A rosuvastatina é contra-indicada em doentes a receber concomitantemente ciclosporina. A administração concomitante não provocou alteração da concentração plasmática da ciclosporina. - Ciclosporina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Inibidores das proteinas de transporte

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Inibidores das proteínas transportadoras: A rosuvastatina é um substrato para certas proteínas transportadoras incluindo o transportador de captação hepático OATP1B1 e o transportador de efluxo BCRP. A administração concomitante de rosuvastatina com medicamentos que são inibidores destes transportadores de proteínas pode resultar num aumento das concentrações plasmáticas da rosuvastatina e num aumento do risco de miopatia. - Inibidores das proteinas de transporte
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Inibidores da Protease (IP)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Inibidores da protease: Apesar de ser desconhecido o mecanismo de interacção exato, o uso concomitante com inibidores da protease pode aumentar fortemente a exposição à rosuvastatina. Por exemplo, num estudo farmacocinético, a administração concomitante de 10 mg de rosuvastatina e a combinação de dois inibidores da protease (300 mg atazanavir/ 100 mg de ritonavir) em voluntários saudáveis foi associada a um aumento da AUC e da Cmax da rosuvastatina em aproximadamente três-vezes e sete- vezes, respectivamente. O uso concomitante de rosuvastatina e algumas combinações de inibidores da protease pode ser considerado após cuidadosa avaliação dos ajustes na dose de rosuvastatina baseados no aumento expectável da exposição à rosuvastatina. - Inibidores da Protease (IP)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Gemfibrozil

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Gemfibrozil e outros medicamentos hipolipemiantes: O uso concomitante de rosuvastatina e gemfibrozil resultou num aumento para o dobro da Cmax e AUC da rosuvastatina. Com base em dados de estudos de interacção específicos, não são de esperar interacções farmacocinéticas relevantes com fenofibrato, contudo podem ocorrer interacções farmacodinâmicas. O gemfibrozil, fenofibrato, outros fibratos e niacina (ácido nicotínico) em doses hipolipemiantes (> ou igual a 1 g/dia) aumentam o risco de miopatia quando administrados concomitantemente com inibidores da redutase da HMG-CoA, provavelmente porque podem provocar miopatia quando administrados isoladamente. A dose de 40 mg está contra-indicada no uso concomitante de fibratos. Estes doentes devem também iniciar o tratamento com a dose de 5 mg. - Gemfibrozil
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Fenofibrato

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Gemfibrozil e outros medicamentos hipolipemiantes: O uso concomitante de rosuvastatina e gemfibrozil resultou num aumento para o dobro da Cmax e AUC da rosuvastatina. Com base em dados de estudos de interacção específicos, não são de esperar interacções farmacocinéticas relevantes com fenofibrato, contudo podem ocorrer interacções farmacodinâmicas. O gemfibrozil, fenofibrato, outros fibratos e niacina (ácido nicotínico) em doses hipolipemiantes (> ou igual a 1 g/dia) aumentam o risco de miopatia quando administrados concomitantemente com inibidores da redutase da HMG-CoA, provavelmente porque podem provocar miopatia quando administrados isoladamente. A dose de 40 mg está contra-indicada no uso concomitante de fibratos. Estes doentes devem também iniciar o tratamento com a dose de 5 mg. - Fenofibrato
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ácido nicotínico (ou niacina, vitamina B3, vitamina PP)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Gemfibrozil e outros medicamentos hipolipemiantes: O uso concomitante de rosuvastatina e gemfibrozil resultou num aumento para o dobro da Cmax e AUC da rosuvastatina. Com base em dados de estudos de interacção específicos, não são de esperar interacções farmacocinéticas relevantes com fenofibrato, contudo podem ocorrer interacções farmacodinâmicas. O gemfibrozil, fenofibrato, outros fibratos e niacina (ácido nicotínico) em doses hipolipemiantes (> ou igual a 1 g/dia) aumentam o risco de miopatia quando administrados concomitantemente com inibidores da redutase da HMG-CoA, provavelmente porque podem provocar miopatia quando administrados isoladamente. A dose de 40 mg está contra-indicada no uso concomitante de fibratos. Estes doentes devem também iniciar o tratamento com a dose de 5 mg. - Ácido nicotínico (ou niacina, vitamina B3, vitamina PP)
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ezetimiba

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Ezetimiba: O uso concomitante de 10 mg de rosuvastatina e 10 mg de ezetimiba resultou num aumento na AUC da rosuvastatina de 1,2 vezes em indivíduos hipercolesterolémicos. No entanto, não pode ser excluída uma interacção farmacodinâmica, em termos de efeitos adversos entre a rosuvastatina e a ezetimiba. - Ezetimiba
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antiácidos

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Antiácidos: A administração simultânea de rosuvastatina com uma suspensão de antiácido contendo hidróxido de alumínio e de magnésio produziu uma descida de aproximadamente 50% da concentração plasmática da rosuvastatina. Este efeito foi atenuado quando o antiácido foi administrado 2 horas após rosuvastatina. Não foi investigada a importância clínica desta interacção. - Antiácidos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Hidróxido de Alumínio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Antiácidos: A administração simultânea de rosuvastatina com uma suspensão de antiácido contendo hidróxido de alumínio e de magnésio produziu uma descida de aproximadamente 50% da concentração plasmática da rosuvastatina. Este efeito foi atenuado quando o antiácido foi administrado 2 horas após rosuvastatina. Não foi investigada a importância clínica desta interacção. - Hidróxido de Alumínio
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Hidróxido de magnésio

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Antiácidos: A administração simultânea de rosuvastatina com uma suspensão de antiácido contendo hidróxido de alumínio e de magnésio produziu uma descida de aproximadamente 50% da concentração plasmática da rosuvastatina. Este efeito foi atenuado quando o antiácido foi administrado 2 horas após rosuvastatina. Não foi investigada a importância clínica desta interacção. - Hidróxido de magnésio
Sem efeito descrito

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Citocromo P450

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Enzimas do citocromo P450: Os resultados de estudos in vitro e in vivo mostram que a rosuvastatina não é nem um inibidor nem um indutor das isoenzimas do citocromo P450. Além disso, a rosuvastatina é um substrato pobre destas isoenzimas. Por conseguinte, não são esperadas interacções com fármacos cujo metabolismo é mediado pelo citocromo P450. Não se verificaram interacções clinicamente importantes entre a rosuvastatina quer com o fluconazol (inibidor do CYP2C9 e CYP3A4) quer com o cetoconazol (inibidor do CYP2A6 e CYP3A4). - Citocromo P450
Sem efeito descrito

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Fluconazol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Efeito da administração concomitante de medicamentos na rosuvastatina Enzimas do citocromo P450: Os resultados de estudos in vitro e in vivo mostram que a rosuvastatina não é nem um inibidor nem um indutor das isoenzimas do citocromo P450. Além disso, a rosuvastatina é um substrato pobre destas isoenzimas. Por conseguinte, não são esperadas interacções com fármacos cujo metabolismo é mediado pelo citocromo P450. Não se verificaram interacções clinicamente importantes entre a rosuvastatina quer com o fluconazol (inibidor do CYP2C9 e CYP3A4) quer com o cetoconazol (inibidor do CYP2A6 e CYP3A4). - Fluconazol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Outros medicamentos

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina interacções que requerem ajustes na dose de rosuvastatina: Quando for necessário administrar concomitantemente rosuvastatina com outros medicamentos conhecidos por aumentarem a exposição à rosuvastatina, as doses de rosuvastatina devem ser ajustadas. Iniciar com uma dose diária de 5 mg de rosuvastatina se o aumento expectável na exposição (AUC) é de aproximadamente 2 vezes ou superior. A dose máxima diária de rosuvastatina deve ser ajustada para que a exposição expectável à rosuvastatina não exceda os 40 mg diários de rosuvastatina tomados sem interacções medicamentosas, por exemplo uma dose de 20 mg de rosuvastatina com gemfibrozil (aumenta 1,9 vezes), e uma dose de 10 mg de rosuvastatina com a combinação atazanavir/ritonavir (aumenta 3,1 vezes). - Outros medicamentos
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Antagonistas da vitamina K

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Antagonistas da Vitamina K: À semelhança dos outros inibidores da redutase da HMG- CoA, o início da terapêutica ou o aumento da dose de rosuvastatina em doentes tratados concomitantemente com antagonistas da vitamina K (p. ex. varfarina ou outro anticoagulante cumarínico) pode originar um aumento da Razão Internacional Normalizada (INR). A interrupção ou redução da dose de rosuvastatina pode resultar num decréscimo da INR. Nestas situações, é desejável a monitorização apropriada da INR. - Antagonistas da vitamina K
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Contraceptivos orais

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina contraceptivo oral/terapêutica hormonal de substituição (THS): O uso concomitante de rosuvastatina e um contraceptivo oral resultou num aumento da AUC de etinilestradiol e norgestrel de 26% e 34%, respectivamente. Deve ter-se em consideração este aumento dos níveis plasmáticos na escolha da dose do contraceptivo oral. Não existem dados farmacocinéticos disponíveis em indivíduos a tomar concomitantemente rosuvastatina e THS mas um efeito similar não pode ser excluído. Contudo, em estudos clínicos, esta associação foi extensamente utilizada em mulheres e foi bem tolerada. - Contraceptivos orais
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Terapêutica hormonal de substituição (THS)

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina contraceptivo oral/terapêutica hormonal de substituição (THS): O uso concomitante de rosuvastatina e um contraceptivo oral resultou num aumento da AUC de etinilestradiol e norgestrel de 26% e 34%, respectivamente. Deve ter-se em consideração este aumento dos níveis plasmáticos na escolha da dose do contraceptivo oral. Não existem dados farmacocinéticos disponíveis em indivíduos a tomar concomitantemente rosuvastatina e THS mas um efeito similar não pode ser excluído. Contudo, em estudos clínicos, esta associação foi extensamente utilizada em mulheres e foi bem tolerada. - Terapêutica hormonal de substituição (THS)
Sem efeito descrito

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Digoxina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Digoxina: Com base em dados de estudos de interacção específicos, não são esperadas interacções clinicamente relevantes com digoxina. - Digoxina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida Ácido fusídico

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com rosuvastatina Ácido fusídico: O risco de miopatia, incluindo rabdomiólise, pode ser aumentado pela administração concomitante de ácido fusídico sistémico com estatinas. O mecanismo desta interacção (se é farmacodinâmico, farmacocinético ou ambos) ainda é desconhecido. Foram notificados casos de rabdomiólise (incluindo alguns casos fatais) em doentes medicados com esta associação. Se for necessário o tratamento com ácido fusídico, o tratamento com rosuvastatina deverá ser interrompido durante o período de duração do tratamento com ácido fusídico. - Ácido fusídico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Rosuvastatina / Perindopril / Indapamida está contra-indicado na gravidez e aleitamento.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021