Perindopril + Indapamida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O Perindopril pertence a uma classe de inibidores ECA.

Estes medicamentos actuam dilatando os vasos sanguíneos no corpo, tornando assim mais fácil ao coração bombear o sangue através das artérias.

A Indapamida pertence a um grupo de medicamentos chamados diuréticos.

Esta actua permitindo que os seus rins produzam mais urina do que o normal.
Usos comuns
Perindopril + Indapamida é utilizado no tratamento da pressão arterial elevada (hipertensão).
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Hipertensão arterial.
Classificação CFT
03.04.01.01     Tiazidas e análogos 03.04.02.01     Inibidores da enzima de conversão da angiotensina
Mecanismo De Ação
Ligada ao Perindopril+Indapamida
Perindopril + indapamida produz uma sinergia aditiva dos efeitos anti-hipertensores dos dois componentes.


Ligada ao perindopril:

Perindopril é um inibidor da enzima de conversão da angiotensina (IECA) que converte a angiotensina I em angiotensina II, uma substância vasoconstritora; em adição estimula a secreção de aldosterona pelo córtex suprarenal e estimula a degradação da bradiquinina, substância vasodilatadora, em heptapeptideos inativos.

Isto resulta em:
- uma redução da secreção de aldosterona,
- um aumento da atividade renina plasmática, dado que a aldosterona não exerce mais controlo negativo,
- uma redução das resistências periféricas totais com uma ação preferencial sobre o leito vascular no músculo e rim, não se acompanhando de retenção hidrosalina nem de taquicardia reflexa, com tratamento crónico.


A ação anti-hipertensora do perindopril ocorre também em doentes com concentrações de renina baixas ou normais.


Perindopril atua por meio do seu metabolito ativo, perindoprilato.

Os outros metabolitos são inativos.

Perindopril reduz o trabalho do coração:

- por um efeito vasodilatador venoso, provavelmente causado por modificações no metabolismo das prostaglandinas: diminuição da pré-carga,
- por diminuição das resistências periféricas totais: diminuição da pós-carga.


Os estudos realizados em doentes com insuficiência cardíaca mostraram:
- uma redução das pressões de enchimento ventriculares esquerda e direita,
- uma redução da resistência vascular periférica total,
- um aumento do débito cardíaco e uma melhoria do índice cardíaco,
- um aumento do débito sanguíneo regional no músculo.

As provas de esforço também mostraram melhoria.

Ligada à indapamida:

A indapamida é um derivado sulfonamida de núcleo indol, farmacologicamente aparentada aos diuréticos tiazídicos.

Indapamida inibe a reabsorção do sódio ao nível do segmento cortical de diluição.

Aumenta a excreção urinária do sódio e dos cloretos e, em menor grau, a excreção do potássio e do magnésio, aumentando deste modo a diurese e
exercendo uma ação anti-hipertensora.
Posologia Orientativa
A dose habitual é um comprimido de Perindopril + Indapamida por dia numa única toma, de preferência de manhã e antes da refeição.

Se a pressão arterial não estiver controlada após um mês de tratamento, a dose pode ser aumentada para o dobro.
Administração
Via oral.

Toma única toma, de preferência de manhã e antes da refeição.

O comprimido pode ser dividido em doses iguais.
Contraindicações
Ligadas ao perindopril:
- Hipersensibilidade ao perindopril ou a qualquer outro inibidor da enzima de conversão da angiotensina (IECA).
- História de angioedema (edema de Quincke) associado à terapêutica prévia com IECA.
- Hereditariedade/angioedema idiopático.
- Segundo e terceiro trimestre da gravidez

Ligadas à indapamida:
- Hipersensibilidade à indapamida ou a qualquer outra sulfonamida
- Compromisso renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min)
- Encefalopatia hepática
- Compromisso hepático grave
- Hipocaliemia.
- Este medicamento é geralmente desaconselhado em associação com medicamentos não antiarrítmicos causando “torsades de pointes”.
- Aleitamento

Ligadas ao Perindopril+Indapamida:
- Hipersensibilidade ao perindopril e à indapamida
Devido à insuficiente experiencia terapêutica, Perindopril + Indapamida não deve ser utilizado em:
- doentes dialisados
- doentes com insuficiência cardíaca descompensada, não tratada.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sangue e do sistema linfático:
Muito raros:
- Trombocitopenia, leucopenia/neutropenia, agranulocitose, anemia aplásica, anemia hemofílica.

- Anemia tem sido notificada com o uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina em circunstâncias específicas (doentes que foram sujeitos a transplantes renais, doentes em hemodiálise).

Perturbações do foro psiquiátrico:
Pouco frequentes: mudanças de humor ou distúrbios de sono.


Doenças do sistema nervoso:
Frequentes: parestesia, dor de cabeça, tonturas, sensação de vertigem.
Muito raros: confusão.
Frequência desconhecida: síncope

Afeções oculares:
Frequentes: distúrbios da visão.


Afeções do ouvido e do labirinto:
Frequentes: acufenos.


Cardiopatias:
Muito raros: arritmia, incluindo bradicardia, taquicardia ventricular, fibrilhação auricular, angina de peito e enfarte do miocárdio possivelmente consequência da hipotensão excessiva em doentes de alto risco
Frequência desconhecida: “Torsade de pointes” (potencialmente fatal)


Vasculopatias:
Frequentes: hipotensão, seja ortostática ou não

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino: Frequentes:
Uma tosse seca tem sido notificada com o uso de IECAs.


É caracterizada pela sua persistência e pelo seu desaparecimento quando o tratamento é interrompido.


Na presença deste sintoma deve ser considerada uma etiologia iatrogénica.

Dispneia.

Pouco frequentes: broncoespasmo.

Muito raro: pneumonia eosinofílica, rinite.


Doenças gastrointestinais:
Frequentes: obstipação, xerostomia, náusea, vómitos, dor epigástrica, anorexia, vómitos, dor abdominal, disgeusia, dispepsia, diarreia.
Muito raros: pancreatite

Afeções Hepatobiliares:
Muito raros: hepatite citolítica ou colestática
Frequência desconhecida: em caso de insuficiência hepática, existe a possibilidade do aparecimento de encefalopatia hepática

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Frequentes: erupção cutânea, prurido, erupções maculopapulares.

Pouco frequentes:
- Angioedema da face, extremidades, lábios, membranas mucosas, língua, glote e/ou laringe, urticária.

- Reações de hipersensibilidade, principalmente dermatológicas, em doentes com predisposição para reações alérgicas e asmáticas

- Púrpura,

- Possível agravamento de lúpus eritematoso disseminado agudo pré-existente
Muito raros: eritema multiforme, necrólise tóxica epidérmica, síndrome de Steven- Johnson.

Foram notificados casos de reações de fotossensibilidade.


Afeções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos:
Frequentes: Cãibras musculares.


Doenças renais e urinárias:
Pouco frequentes: Insuficiência renal.

Muito raros: Insuficiência renal aguda.


Doenças dos órgãos genitais e da mama:
Pouco frequentes: Impotência.


Perturbações gerais e alterações no local de administração:
Frequentes: Astenia.

Pouco frequentes: sudação.


Exames complementares de diagnóstico:
Frequência desconhecida:
- Eletrocardiograma com QT prolongado

- Aumento dos níveis de glucose e dos níveis de ácido úrico no sangue durante o tratamento.

- Ligeiro aumento da ureia e dos níveis plasmáticos de creatinina, reversíveis quando o tratamento é interrompido.

Este aumento é mais frequente nos casos de estenose da artéria renal, hipertensão arterial tratada com diuréticos, insuficiência renal.

- Aumento dos níveis de enzimas hepáticas.


Doenças do metabolismo e da nutrição:
Raros: Hipercalcemia
Frequência desconhecida:
- Depleção de potássio com hipocalemia particularmente grave em algumas populações de elevado risco.

- Aumento dos níveis de potássio, normalmente transitório.

- Hiponatremia com hipovolémia provocando desidratação e hipotensão ortostática.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento:Perindopril + Indapamida não pode ser utilizado durante a amamentação.
Conducao
Conducao:Podem surgir reações como tonturas e fraqueza relacionadas com a descida da pressão arterial. Nestes casos a sua capacidade para conduzir.
Precauções Gerais
Advertências especiais
Comuns ao perindopril e indapamida:

Para a combinação de baixa dose Perindopril + Indapamida não foi demonstrada uma redução significativa das reações adversas quando comparadas com as mais baixas doses aprovadas dos monocomponentes individuais exceto para a hipocaliemia.

Um aumento da frequência de reações idiossincráticas não pode ser excluído se o doente for exposto simultaneamente a dois novos agentes anti-hipertensores.

Para minimizar este risco o doente deve ser cuidadosamente monitorizado.


Lítio:
A combinação de lítio e a combinação de perindopril e indapamida não é geralmente recomendada.


Ligadas ao perindopril:

Neutropenia/agranulocitose:
Casos de neutropenia/agranulocitose, trombocitopenia e anemia têm sido notificados em doentes tratados com IECAs.

Raramente ocorrem casos de neutropenia em doentes com função renal normal e sem outros fatores de risco.

O perindopril deve ser utilizado com extrema precaução em doentes com alteração da doença do colagénio vascular, em terapia com agentes imunossupressores, tratamento com alopurinol ou procainamida, ou a combinação destes fatores de risco, especialmente se existir previamente um compromisso da função renal.

Alguns destes doentes desenvolveram infeções graves que não responderam por alguns instantes à terapêutica antibiótica intensiva.

Se o perindopril for usado nestes doentes, recomenda-se a monitorização periódica do número de glóbulos brancos e os doentes devem ser aconselhados a informar o médico de qualquer sinal de infeção (por exemplo: dores de garganta, febre).


Hipersensibilidade/Angioedema:
Casos raros de angioedema da face, extremidades, lábios, língua, glote e/ou laringe têm sido notificados em doentes tratados com IECAs, incluindo o perindopril.

Isto pode ocorrer em qualquer momento durante o tratamento.

Nestes casos o tratamento com perindopril deve ser imediatamente interrompido e um acompanhamento adequado deve ser instituído para garantir a resolução completa dos sintomas antes de dar alta ao doente.



Quando o edema só atinge a face e os lábios, o efeito geralmente regride sem tratamento, se bem que os anti-histamínicos têm sido benéficos no alívio dos sintomas.

O angioedema associado a um edema da laringe pode ser fatal.

Se houver envolvimento da língua, glote ou laringe, suscetíveis de causar obstrução das vias respiratórias, deve ser administrada imediatamente uma terapêutica adequada, que pode incluir uma solução de adrenalina subcutânea a 1/1000 (0,3 ml a 0,5 ml) e/ou medidas para assegurar a desobstrução das vias respiratórias do doente.


Tem sido identificada uma maior incidência de angioedema em doentes de raça negra a tomar IECA comparativamente com doentes de raça não negra.


Doentes com historial de angioedema, não associado à toma de IECA, podem ter um risco aumentado de angioedema com a toma de um IECA.


Foram notificados casos raros de angioedema intestinal em doentes tratados com IECAs.

Estes doentes apresentam dores abdominais (com ou sem náuseas ou vómitos); em alguns casos, não houve previamente angioedema facial e os níveis de C-1 estearase eram normais.

O angioedema foi diagnosticado através de procedimentos como TAC abdominal, ou ultrassons, ou durante uma cirurgia, e os sintomas desapareceram após a descontinuação do IECA.

O angioedema intestinal deve ser incluído no diagnóstico diferencial em doentes com dores abdominais a tomarem IECAs.


Reações anafilactóides durante a dessensibilização:
Foram notificados casos isolados de doentes com reações anafilactóides, com risco de vida, ao receberem IECAs durante tratamentos de dessensibilização com veneno de himenópteros (abelhas, vespas).

Os IECAs devem ser utilizados com precaução em doentes alérgicos tratados com dessensibilização, e evitados nos submetidos a imunoterapia com o veneno.

Contudo estas reações podem ser evitadas com a interrupção temporária do IECA pelo menos 24 horas antes do tratamento, nos doentes que necessitem de ambos, IECA e dessensibilização.


Reações anafilactóides durante a aférese com lipoproteínas de baixa densidade:
Doentes que recebem IECAs, durante a aférese com lipoproteína de baixa densidade (LDL), com sulfato de dextrano, raramente têm reações anafilactóides, com risco de vida.

Estas reações foram evitadas com a interrupção temporária do tratamento com IECA antes de cada aférese.


Doentes hemodialisados:
Têm sido notificadas reações anafilactóides em doentes hemodialisados com membranas de alto fluxo (por exemplo AN 69) e tratados concomitantemente com um IECA.

Nestes doentes deve ser considerada a possibilidade de se utilizar um outro tipo de membrana de diálise ou outra classe de anti-hipertensor.


Diuréticos poupadores de potássio, sais de potássio:
A combinação de perindopril com diuréticos poupadores de potássio e sais de potássio não é usualmente recomendada.


Gravidez:
Os IECAs não devem ser iniciados durante a gravidez.

A não ser em situações em que a manutenção da terapêutica com IECA seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar, o tratamento deve ser alterado para anti-hipertensores cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido.

Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com IECA deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa.


Ligadas à indapamida:

Em caso de compromisso da função hepática, os diuréticos tiazídicos e análogos podem induzir encefalopatia hepática.

Neste caso, a administração do diurético deve ser imediatamente interrompida.


Fotossensibilidade:
Foram notificados casos de reações de fotossensibilidade para os diuréticos tiazídicos e análogos.

Se a reação de fotossensibilidade ocorrer durante o tratamento, recomenda-se a interrupção deste.

Se for considerada necessária a readministração do diurético, é recomendada a proteção das áreas expostas ao sol ou aos raios UVA artificiais.


Precauções de utilização

Comuns ao perindopril e indapamida:

Compromisso renal:
O tratamento está contraindicado em caso de compromisso renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min).

Em certos hipertensos sem lesão renal aparente pré-existente e cujos testes sanguíneos renais mostrem uma insuficiência renal funcional, o tratamento deve ser interrompido e eventualmente ser retomado com uma dose mais baixa ou só com um dos constituintes.

Nestes doentes, a prática clínica compreende um controlo periódico do potássio e da creatinina, após duas semanas de tratamento e depois de 2 em 2 meses durante o período de estabilidade terapêutica.

Foram referidos casos de insuficiência renal, maioritariamente, em doentes com insuficiência cardíaca grave, ou uma insuficiência renal subjacente, incluindo estenose da artéria renal.

O medicamento não é geralmente recomendado, em caso de estenose bilateral da artéria renal ou de um só rim funcional.


Hipotensão e depleção hidroeletrolítica:
Existe um risco de hipotensão súbita na presença de depleção sódica pré-existente (especialmente em indivíduos com estenose da artéria renal).

Contudo podem ser realizados testes para deteção da depleção hidroeletrolítica que pode aparecer por ocasião dum episódio intercorrente de diarreia ou de vómitos.

Nestes doentes será efetuada uma vigilância regular dos eletrólitos plasmáticos.

Uma hipotensão importante pode necessitar duma perfusão intravenosa salina isotónica.



Uma hipotensão transitória não é contraindicação para a continuação do tratamento.

Após restabelecimento duma volémia e duma pressão arterial satisfatória, é possível retomar o tratamento quer com a posologia reduzida ou só com um dos constituintes.


Níveis de potássio:
A associação de perindopril e indapamida não exclui o aparecimento duma hipocaliemia, particularmente nos doentes diabéticos ou doentes com insuficiência renal.

Como para todo o anti-hipertensor contendo um diurético, deve ser efetuado um controlo regular dos níveis de potássio.


Excipientes:
Perindopril + Indapamida não deve ser administrado a doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência lactase de Lapp ou malabsorção de glucose-galactose.


Ligadas ao perindopril:

Tosse:
Foi referida uma tosse seca com a utilização de inibidores da enzima de conversão da angiotensina.

É caraterizada pela sua persistência, bem como pelo seu desaparecimento com a interrupção do tratamento.

A etiologia iatrogénica deve ser encarada em presença deste sintoma.

Se a prescrição de um inibidor da enzima de conversão for ainda preferida, a continuação do tratamento pode ser considerada.


População pediátrica:
A eficácia e a tolerância do perindopril em crianças e adolescentes, só ou em associação, não foram estabelecidas.


Risco de hipotensão arterial e/ou insuficiência renal (em caso de insuficiência cardíaca, de depleção hidroeletrolítica, etc...):
Uma estimulação importante do sistema renina-angiotensina-aldosterona tem sido observada em particular no decurso de depleções hidroeletrolíticas acentuadas (dieta restrita em sódio ou tratamento diurético prolongado), em doentes com pressão arterial inicialmente baixa, em caso de estenose da artéria renal, de insuficiência cardíaca congestiva ou de cirrose com edema e ascite.

O bloqueio deste sistema com um inibidor da enzima de conversão da angiotensina pode contudo provocar, particularmente quando da primeira administração e durante as duas primeiras semanas de tratamento, uma brusca descida tensional e/ou uma elevação da creatinina plasmática traduzindo uma insuficiência renal funcional.

Ocasionalmente esta pode ser aguda no início, embora rara e com tempo de início variável.

Nestes casos, o tratamento deve ser iniciado com uma dose baixa e aumentada progressivamente.


Idosos:


A função renal e os níveis do potássio devem ser avaliados antes do início do tratamento.

A dose inicial é ajustada posteriormente em função da resposta tensional, especialmente em caso de depleção hidroeletrolítica, a fim de evitar o aparecimento brusco duma hipotensão.


Doentes com aterosclerose conhecida:
O risco de hipotensão existe em todos os doentes mas devem ser tomados cuidados especiais nos doentes com uma cardiopatia isquémica ou uma insuficiência circulatória cerebral, cujo tratamento deve ser iniciado com uma dose baixa.


Hipertensão renovascular:
O tratamento da hipertensão renovascular é a revascularização.

Contudo os IECAs podem ser benéficos em doentes com hipertensão renovascular à espera de intervenção corretiva ou quando esta cirurgia não é possível.

Se Perindopril + Indapamida for prescrito a doentes com conhecida ou suspeita de estenose da artéria renal o tratamento deve então ser instituído em meio hospitalar com uma dose baixa e devem vigiar-se a função renal e a caliemia, dado que alguns doentes desenvolveram uma insuficiência renal funcional, reversível com a interrupção do tratamento.


Outras populações de risco:
Em doentes com insuficiência cardíaca grave (grau IV) ou em doentes diabéticos insulino-dependentes (tendência espontânea para a hipercaliemia), a instauração do tratamento deve fazer-se sob vigilância médica com uma posologia inicial reduzida.

Não interromper um tratamento por β-bloqueador num hipertenso com insuficiência coronária: o inibidor da enzima de conversão da angiotensina deve ser associado ao β- bloqueador.


Doentes diabéticos:
Os níveis de glicemia devem ser cuidadosamente monitorizados em doentes diabéticos tratados previamente com medicamentos antidiabéticos orais ou insulina, especialmente durante o primeiro mês de tratamento com um IECA.


Diferenças étnicas:
Assim como outros IECAs, o perindopril é aparentemente menos eficaz em reduzir a pressão arterial na raça negra do que em não negros, possivelmente devido a uma maior prevalência de níveis baixos de renina na população negra hipertensa.


Cirurgia/anestesia:
Em caso de anestesia especialmente quando a anestesia é realizada com agentes com potencial hipotensor, os inibidores da enzima de conversão da angiotensina podem originar uma hipotensão.

A interrupção do tratamento com inibidores da enzima de conversão da angiotensina de longa ação como o perindopril, quando possível, é pois recomendada na véspera da intervenção.


Estenose da válvula aórtica ou mitral /cardiomiopatia hipertrófica:
Os IECAs devem ser utilizados com precaução em doentes com obstrução do fluxo do ventrículo esquerdo.


Insuficiência hepática:
Raramente os IECAs têm sido associados com uma síndrome que começa com icterícia colestática e progride para necrose hepática fulminante e (algumas vezes) morte.

O mecanismo desta síndrome não está compreendido.

Doentes em tratamento com IECAs e que desenvolvam icterícia, ou aumentos significativos das enzimas hepáticas, devem descontinuar o IECA e receber seguimento médico apropriad.


Hipercaliemia:
Foi observado em alguns doentes tratados com IECA, incluindo perindopril, aumento do potássio sérico.

Os fatores de risco para o desenvolvimento de hipercaliemia incluem os que tem insuficiência renal, degradação da função renal, idade (> 70 anos), diabetes mellitus, eventos intercorrentes, em particular desidratação, descompensação cardíaca aguda, acidose metabólica e o uso concomitante de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, espironolactona, eplerenona, triamtereno, ou amilorida), suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio, ou os doentes que tomam outros fármacos associados a aumento do potássio sérico (p. ex.: heparina).

O uso de suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio ou substitutos do sal que contenham potássio, particularmente em doentes com compromisso da função renal, pode levar a um aumento significativo nos níveis de potássio sérico.

A hipercaliemia pode causar arritmias graves, por vezes fatais.

Se o uso concomitante dos agentes acima mencionados for considerado estritamente necessário, devem ser utilizados com precaução e com monitorização regular do potássio sérico.


Ligadas à indapamida:

Água e equilíbrio eletrolítico:

Níveis do sódio:
Devem ser controlados antes do início do tratamento e em seguida em intervalos regulares.

Qualquer tratamento diurético pode provocar uma redução dos níveis do sódio, com consequências por vezes graves.

Como a descida do sódio pode ser inicialmente assintomática é indispensável um controlo regular.

Os testes devem ser mais frequentes nos idosos e doentes cirróticos.


Níveis de potássio:
A depleção de potássio com hipocaliemia é um risco “major” com diuréticos tiazídicos e análogos.

O risco de aparecimento de baixos níveis de potássio (<3,4 mmol/l) deve ser prevenido em certas populações de risco como os idosos e/ou desnutridos, quer sejam polimedicados ou não, doentes cirróticos com edema e ascite, doentes coronários e doentes com insuficiência cardíaca.

Nestes casos a hipocaliemia aumenta a toxicidade cardíaca dos glicosidos cardíacos e o risco de alterações do ritmo.


Os indivíduos que apresentam um intervalo QT longo são igualmente de risco, quer a origem seja congénita ou iatrogénica.

A hipocaliemia, tal como a bradicardia, atua então como um fator que favorece o aparecimento de alterações graves do ritmo, em particular de “ torsades de pointes”, potencialmente fatais.

Em todos os casos, são necessários controlos mais frequentes dos níveis do potássio.

O primeiro controlo do potássio plasmático deve ser efetuado durante a primeira semana após o início do tratamento.

Se forem detetados níveis de potássio baixos, é necessária correção.


Níveis do cálcio:
Os diuréticos tiazídicos e análogos podem diminuir a excreção urinária do cálcio e provocar um aumento ligeiro e transitório dos níveis plasmáticos do cálcio.

Elevados níveis de cálcio podem estar relacionados com um hiperparatiroidismo não diagnosticado.

Nestes casos o tratamento deve ser interrompido antes da investigação da função paratiroide.


Glicemia:
É importante controlar a glicemia nos diabéticos, particularmente quando os níveis de potássio são baixos.


Ácido úrico:
Nos doentes hiperuricémicos a tendência para ataques de gota pode estar aumentada.


Função renal e diuréticos:
Os diuréticos tiazídicos e análogos só são plenamente efetivos quando a função renal é normal ou fracamente alterada (níveis de creatinina baixos aproximadamente 25 mg/l, isto é 220 µmol/l para um adulto).

No idoso o valor dos níveis da creatinina deve ser ajustado em função da idade, peso e sexo do doente, segundo a fórmula de Cockroft:

clcr = (140 - idade) x peso/0,814 x nível plasmático da creatinina com:
idade expressa em anos
peso em Kg
nível plasmático da creatinina em µmol/l.

Esta fórmula é válida para os idosos de sexo masculino e deve ser adaptada para as mulheres multiplicando o resultado por 0,85.


A hipovolémia, secundária à perda de água e de sódio provocada pelo diurético no início do tratamento, provoca uma redução da filtração glomerular.

Isto pode provocar um aumento da ureia no sangue e dos níveis da creatinina.

Esta insuficiência renal funcional transitória não tem consequências nos doentes com função renal normal, mas pode contudo agravar uma insuficiência renal prévia.


Desportistas:
Chama-se a atenção dos desportistas para o facto deste medicamento conter uma substancia ativa que pode induzir uma reação positiva nos testes de controlo antidoping.
Cuidados com a Dieta
É preferível tomar Perindopril + Indapamida antes duma refeição.
Terapêutica Interrompida
É importante tomar o seu medicamento todos os dias regularmente para o tratamento ser mais efetivo.

Contudo, se se esquecer de tomar uma dose de Perindopril + Indapamida, tome a dose seguinte à hora habitual.


Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.


Não conservar acima de 25ºC.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Perindopril + Indapamida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificadas durante a administração concomitante de lítio com IECAs, aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio, e toxicidade. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos com IECAs pode aumentar ainda mais os níveis de lítio e provocar toxicidade. Não é recomendado o uso do perindopril associado à indapamida com lítio, mas se a associação for necessária deve monitorizar-se rigorosamente os níveis séricos do lítio no soro.

Perindopril + Indapamida + Baclofeno

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Baclofeno: Potencialização do efeito anti-hipertensor. Vigilância da pressão arterial e da função renal e, se necessário, adaptação da dose do anti-hipertensor.

Perindopril + Indapamida + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (incluindo ácido acetilsalicílico, salicilados em doses altas): Quando os IECAs são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteroides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteroides e IECAs pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante.

Perindopril + Indapamida + Ácido Acetilsalicílico

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (incluindo ácido acetilsalicílico, salicilados em doses altas): Quando os IECAs são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteroides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteroides e IECAs pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante.

Perindopril + Indapamida + Salicilatos

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (incluindo ácido acetilsalicílico, salicilados em doses altas): Quando os IECAs são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteroides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteroides e IECAs pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante.

Perindopril + Indapamida + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (incluindo ácido acetilsalicílico, salicilados em doses altas): Quando os IECAs são administrados em simultâneo com anti-inflamatórios não esteróides (ou seja, ácido acetilsalicílico em regimes posológicos anti-inflamatórios, inibidores da COX-2 e anti-inflamatórios não esteroides não seletivos) pode ocorrer a redução do efeito anti-hipertensivo. O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteroides e IECAs pode levar a um aumento do risco de agravamento da função renal, incluindo uma possível insuficiência renal aguda, e um aumento no potássio sérico, especialmente em doentes com uma disfunção renal pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá ser considerada a monitorização periódica da função renal após o início da terapêutica concomitante.

Perindopril + Indapamida + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Antidepressivos imipraminicos (tricíclicos), neurolépticos: Efeito anti-hipertensor e risco de hipotensão ortostática majorados (efeito aditivo).

Perindopril + Indapamida + Neurolépticos

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Antidepressivos imipraminicos (tricíclicos), neurolépticos: Efeito anti-hipertensor e risco de hipotensão ortostática majorados (efeito aditivo). Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Corticosteroides

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Corticosteroides, tetracosactido: Diminuição do efeito anti-hipertensor (retenção de água e sais devido aos corticosteroides). Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.

Perindopril + Indapamida + Tetracosactido

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Corticosteroides, tetracosactido: Diminuição do efeito anti-hipertensor (retenção de água e sais devido aos corticosteroides). Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes.

Perindopril + Indapamida + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Outros antihipertensores: O uso de outros medicamentos antihipertensores com perindopril / indapamida pode provocar um efeito adicional na diminuição da pressão sanguínea.

Perindopril + Indapamida + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triamtereno, em monoterapia ou associados), potássio (sais de): Os IECAs atenuam a perda de potássio induzida por diuréticos. Diuréticos poupadores de potássio: Tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG.

Perindopril + Indapamida + Espironolactona

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triamtereno, em monoterapia ou associados), potássio (sais de): Os IECAs atenuam a perda de potássio induzida por diuréticos. Diuréticos poupadores de potássio: Tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG.

Perindopril + Indapamida + Triamtereno

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triamtereno, em monoterapia ou associados), potássio (sais de): Os IECAs atenuam a perda de potássio induzida por diuréticos. Diuréticos poupadores de potássio: Tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG.

Perindopril + Indapamida + Potássio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante não recomendado: Diuréticos poupadores de potássio (espironolactona, triamtereno, em monoterapia ou associados), potássio (sais de): Os IECAs atenuam a perda de potássio induzida por diuréticos. Diuréticos poupadores de potássio: Tais como espironolactona, triantereno ou amilorida, suplementos de potássio ou potássio contendo sais substitutos podem provocar aumentos significativos do potássio sérico (potencialmente fatal). Se o uso concomitante for indicado devido a uma hipocaliemia documentada deve ser usado com precaução e com frequente monitorização do potássio sérico e por ECG.

Perindopril + Indapamida + Antidiabéticos Orais

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Perindopril + Indapamida + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Perindopril + Indapamida + Sulfonamidas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Perindopril + Indapamida + Captopril

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Perindopril + Indapamida + Enalapril

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Agentes antidiabéticos (insulina, sulfonamidas hipoglicémicas): Notificados com captopril e enalapril. O uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode aumentar o efeito hipoglicémico em diabéticos a receber tratamento com insulina ou com sulfonamidas hipoglicémicas. O aparecimento de episódios hipoglicémicos é muito raro (melhoria na tolerância à glucose que resulta na redução das necessidades em insulina).

Perindopril + Indapamida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.

Perindopril + Indapamida + Citotóxicos

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.

Perindopril + Indapamida + Imunossupressores

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.

Perindopril + Indapamida + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Anestésicos

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Anestésicos: Os IECAs podem aumentar os efeitos hipotensores de certos fármacos anestésicos.

Perindopril + Indapamida + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Diuréticos (tiazídicos ou diuréticos da ansa): Tratamento prévio com doses altas de diuréticos podem provocar depleção de volume e um risco de hipotensão quando do início da terapia com perindopril.

Perindopril + Indapamida + Diuréticos da ansa

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Diuréticos (tiazídicos ou diuréticos da ansa): Tratamento prévio com doses altas de diuréticos podem provocar depleção de volume e um risco de hipotensão quando do início da terapia com perindopril.

Perindopril + Indapamida + Aurotiomalato de sódio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Ouro: Foram notificados casos raros de reações nitritóides (os sintomas incluem rubor facial, náusea, vómitos e hipotensão) em doentes com uma terapêutica concomitante de ouro injetável (aurotiomalato de sódio) e terapêutica concomitante com IECA, incluindo o perindopril.

Perindopril + Indapamida + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Hidroquinidina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Disopiramida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Amiodarona

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Dofetilida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Ibutilida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Tosilato de bretílio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Sotalol

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Ciamemazina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Levomepromazina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Tioridazina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Trifluoperazina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Benzamidas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Sulpirida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Sultoprida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Tiaprida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Butirofenonas

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Droperidol

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Haloperidol

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Pimozida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Bepridilo

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Cisaprida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Metilsulfato de difemanila

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Halofantrina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Mizolastina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Moxifloxacina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Pentamidina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Esparfloxacina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Vincamina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Metadona

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Astemizol

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Terfenadina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina.

Perindopril + Indapamida + Mineralocorticoides

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes.

Perindopril + Indapamida + Anfotericina B

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes.

Perindopril + Indapamida + Glucocorticoides

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes.

Perindopril + Indapamida + Laxantes

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes.

Perindopril + Indapamida + Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: Monitorização do intervalo QT. Medicamentos que baixam o potássio: Anfotericina B (via IV), glucocorticoides e mineralocorticoides (via sistémica), tetracosactido, laxantes estimulantes: Risco aumentado de descida dos níveis do potássio (efeito aditivo). Monitorização dos níveis do potássio e a sua correção, se necessário; em caso de tratamento com glicosidos cardíacos é necessária particular atenção. Não devem ser usados laxantes estimulantes. Glicosidos cardíacos: Níveis baixos de potássio favorecem os efeitos tóxicos dos glicosidos cardíacos. Devem ser monitorizados os níveis de potássio e ECG e, se necessário, o tratamento deve ser reconsiderado.

Perindopril + Indapamida + Metformina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Metformina: Acidose láctica devido à metformina, causada por possível insuficiência renal funcional ligada aos diuréticos e, em particular, aos diuréticos da ansa. Não utilizar a metformina quando os níveis plasmáticos da creatinina ultrapassam 15 mg/l (135μol/l) no homem e 12 mg/l (110 μmol/l) na mulher.

Perindopril + Indapamida + Agentes/Meios de Contraste

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Produtos de contraste iodados: Nos casos de desidratação provocada por diuréticos, existe um risco aumentado de insuficiência renal aguda, particularmente aquando da utilização de doses altas de produtos de contraste iodados. Deve proceder-se à rehidratação antes da administração do produto iodado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Cálcio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Cálcio (sais de): Risco de aumento dos níveis de cálcio devido à redução da eliminação do cálcio na urina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Ciclosporina: Risco de aumento dos níveis da creatinina sem modificação dos níveis circulantes de ciclosporina, mesmo em ausência de depleção salina e de água.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Perindopril + Indapamida não está recomendado no início da gravidez e não deve ser tomado após o terceiro mês de gravidez, uma vez que pode ser gravemente prejudicial para o bebé se utilizado a partir desta altura.

Perindopril + Indapamida não pode ser utilizado durante a amamentação.

Podem surgir reações como tonturas e fraqueza relacionadas com a descida da pressão arterial. Nestes casos a sua capacidade para conduzir ou utilizar máquinas pode estar diminuída.

Os desportistas deverão ter em atenção que Perindopril + Indapamida, contém uma indapamida que pode induzir uma reação positiva nos testes de controlo antidoping.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017