Paracetamol + Tiocolquicosido

DCI com Advertência na Gravidez DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) DCI/Medicamento sujeito a Monitorização Adicional
O que é
Analgésico e antipirético para tratamento sintomático das dores ligeiras a moderadas de origem musculoesquelética.
Usos comuns
Tratamento sintomático das dores ligeiras a moderadas de origem musculoesquelética.

Tratamento complementar de contraturas musculares em reumatologia.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Tratamento sintomático das dores ligeiras a moderadas de origem musculoesquelética.

Tratamento complementar de contraturas musculares em reumatologia.
Classificação CFT
02.03.02     Ação periférica
Mecanismo De Ação
O tiocolquicosido é um relaxante muscular, que inibe as contrações, usado no reumatismo, em traumatismos e para alívio da hipertonia uterina.

Os dados experimentais mostram que o tiocolquicosido atua no SNC como um agonista do neurotransmissor inibidor GABA, ao interagir de forma altamente seletiva com os recetores gabaminérgicos.

Também foi demonstrada uma afinidade elevada para os recetores glicinérgicos, de onde desloca a estricnina, apresentando um efeito agonista.

A elevada afinidade para os recetores gabaminérgicos e glicinérgicos e a sua ação agonista sobre os mesmos explicam, razoavelmente, a sua ação inibitória sobre o SNC, que se manifesta por uma diminuição do tónus muscular, ou seja, atua como um relaxante muscular.

Este mecanismo de ação é comparável ao exercido pelo baclofeno, um derivado lipófilo do GABA: atua como uma agonista seletivo dos recetores GABA (B) pré-sinápticos e reduz os espasmos dolorosos flexores ou extensores.

O paracetamol tem ação analgésica e antipirética.

É usado para alívio de vários tipos de dores como cefaleias, dores de origem muscular ou articular, nevrálgicas.

Só tem atividade anti-inflamatória em doses elevadas (300 mg/Kg).

Não dá origem a irritações, nem erosão ou aparição de sangue no sistema gastrintestinal como os salicilatos.

Esse efeito está relacionado com a biossíntese das prostaglandinas ao nível da parede estomacal.

Os dados experimentais sugerem que o paracetamol atua eficazmente inibindo a síntese de prostaglandinas no SNC e, em menor grau, bloqueando a geração do impulso nervoso nociceptivo a nível periférico.

Estas ações são devidas à diferente sensibilidade do paracetamol para inibir as cicloxigenases tissulares, o que também explica a escassa ou nula potência anti-inflamatória e a sua tolerância gastrintestinal.

A ação antipirética está relacionada com a inibição das prostaglandinas hipotalâmicas, o que se traduz em vasodilatação periférica que origina um aumento do aporte sanguíneo à pele, sudação e, consequentemente, perda de calor.
Posologia Orientativa
Adultos: 1 a 2 comprimidos, 3 ou 4 vezes por dia.
Não exceder a toma de 8 comprimidos/24 horas.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer dos excipientes.

Está contraindicado em casos de doença hepática grave.

Não administrar em caso de paralisia flácida ou hipotonia muscular.

O paracetamol está contraindicado em indivíduos portadores de manifesta perturbação renal, salvo indicação clínica.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos adversos são, geralmente, pouco frequentes, mas podem ser importantes em alguns casos, particularmente relacionados com o paracetamol.

Hepatotoxicidade com doses altas ou tratamentos prolongados.

Raramente, podem aparecer erupções cutâneas e alterações sanguíneas (trombocitopénia, pancitopénia, neutropénia, agranulocitose e anemia hemolítica).

Também foi descrito o aparecimento de pancreatite, febre, hipoglicémia e icterícia.

Excecionalmente, gastralgias e diarreias.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez.
Precauções Gerais
Em pacientes com insuficiência hepática e/ou renal, anemia, afeções cardíacas ou pulmonares, evitar tratamentos prolongados.

Em caso de administração prolongada, estes doentes devem ser monitorizados clinicamente.

Não exceder a dose máxima recomendada por dia.

Aconselha–se a consulta ao médico em tratamentos de mais de 3 dias.

Não é necessária qualquer precaução especial de utilização em idosos.

Deve evitar-se o tratamento concomitante com fármacos que tenham ação potencialmente hepatotóxica.

Não associar ao consumo de bebidas alcoólicas.
Cuidados com a Dieta
Não associar ao consumo de bebidas alcoólicas.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Não são necessárias precauções especiais de conservação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Cloranfenicol

Observações: N.D.
Interações: Paracetamol/Tiocolquicosido pode aumentar a toxicidade do cloranfenicol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interações: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Indandiona (indanediona)

Observações: N.D.
Interações: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Acenocumarol

Observações: N.D.
Interações: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Femprocumona

Observações: N.D.
Interações: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição.

Paracetamol + Tiocolquicosido + Ácido Acetilsalicílico

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a administração simultânea de paracetamol com Ácido Acetilsalicílico, salicilatos ou AINEs, devido a uma provável maior incidência de nefropatia, necrose papilar renal, doença renal terminal ou cancro da bexiga relacionada com o consumo crónico de analgésicos.

Paracetamol + Tiocolquicosido + Salicilatos

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a administração simultânea de paracetamol com Ácido Acetilsalicílico, salicilatos ou AINEs, devido a uma provável maior incidência de nefropatia, necrose papilar renal, doença renal terminal ou cancro da bexiga relacionada com o consumo crónico de analgésicos.

Paracetamol + Tiocolquicosido + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a administração simultânea de paracetamol com Ácido Acetilsalicílico, salicilatos ou AINEs, devido a uma provável maior incidência de nefropatia, necrose papilar renal, doença renal terminal ou cancro da bexiga relacionada com o consumo crónico de analgésicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Diflunisal

Observações: N.D.
Interações: O emprego simultâneo de diflunisal com paracetamol eleva significativamente os níveis plasmáticos deste, o que aumenta o risco de hepatotoxicidade.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Paracetamol + Tiocolquicosido + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: A resposta analgésica esperada deste medicamento, devida ao paracetamol, altera-se pela administração de barbitúricos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Paracetamol + Tiocolquicosido + Colestipol

Observações: N.D.
Interações: O efeito do paracetamol é inibido pela administração de colestipol, colestiramina e estrogénios.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Paracetamol + Tiocolquicosido + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: O efeito do paracetamol é inibido pela administração de colestipol, colestiramina e estrogénios.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Paracetamol + Tiocolquicosido + Estrogénios

Observações: N.D.
Interações: O efeito do paracetamol é inibido pela administração de colestipol, colestiramina e estrogénios.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Isoniazida

Observações: N.D.
Interações: A isoniazida reforça a capacidade hepatotóxica do paracetamol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido + Zidovudina

Observações: N.D.
Interações: A toma concomitante de paracetamol e AZT pode aumentar a incidência ou agravar a neutropénia.

Paracetamol + Tiocolquicosido + Testes Laboratoriais/Diagnóstico

Observações: N.D.
Interações: Devido ao conteúdo em paracetamol, os seguintes valores laboratoriais podem estar aumentados: Transaminases plasmáticas, fosfatase alcalina, amoníaco, creatinina, lactatodesidrogenase e ureia. Pode causar interferências de natureza analítica na determinação da glucose e do ácido úrico no sangue e da metadrenalina e do ácido úrico na urina.
Não exceder a dose máxima recomendada por dia.
Aconselha–se a consulta ao médico em tratamentos de mais de 3 dias.
Deve evitar-se o tratamento concomitante com fármacos que tenham ação potencialmente hepatotóxica.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 10 de Março de 2016