Metotrexato

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Metotrexato (MTX), anteriormente conhecido como ametopterina, é um agente quimioterápico e supressor do sistema imunológico.
É usado para tratar cancro, doenças autoimunes e gravidez ectópica e para abortos medicamentosos.
Os tipos de cancro para os quais é usado incluem cancro de mama, leucemia, cancro de pulmão, linfoma, doença trofoblástica gestacional e osteossarcoma.
Os tipos de doenças autoimunes para as quais é usado incluem psoríase, artrite reumatoide e doença de Crohn.
Usos comuns
Metotrexato pertence às classes de medicamentos designados por modificadores da evolução da doença reumatismal e medicamentos antineoplásicos e imunomoduladores antimetabolitos.

Metotrexato é utilizado em doses elevadas para tratar muitos tipos de cancro.

Em doses mais baixas, também pode ser utilizado para o tratamento da psoríase e artrite reumatóide.
Tipo
Molécula pequena.
História
O Metotrexato foi originado na década de 1940 quando o Dr. Sidney Farber do Children's Hospital Boston estava a testar os efeitos do ácido fólico na leucemia aguda em crianças. Farber pediu para o Dr. Y. SubbaRow, então director da Divisão de Pesquisas do Lederle Labs (parte do American Cyanamid), para sintetizar o antifolato (metotrexato). Depois que Row fabricou o antifolato, Farber o administrou a um pequeno grupo de crianças doentes com leucemia. A melhororia observada nestes pacientes foi relatada por Farber em 3 de junho de 1948 no NEJM. Em 1950, Dr. Farber fundou em Boston o primeiro centro de pesquisa de cancro do mundo. O Metotrexato foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) como droga oncológica em 1953.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, os medicamentos mais seguros e eficazes necessários em um sistema de saúde.
Indicações
O Metotrexato está indicado no tratamento de doenças neoplásicas:
- Coriocarcinoma
- Corioadenoma destruens
- Mola hidatiforme
- Leucemia linfoblástica aguda
- Cancro da mama
- Cancros epidermóides da cabeça e pescoço
- Micose fungóide (linfoma cutâneo das células T)
- Cancro do pulmão
- Linfoma não-Hodgkin
- Osteossarcoma

O Metotrexato está ainda indicado no tratamento da psoríase e artrite reumatóide, incluindo artrite crónica juvenil poliarticular, quando estas se manifestam de forma grave, recalcitrante e incapacitante.
Classificação CFT

16.1.3 : Antimetabólitos

Mecanismo De Acção
O Metotrexato é uma mistura que contém pelo menos 85% de ácido 4-amino10-metilfólico, calculado sobre uma base anidra, e pequenas quantidades de compostos afins.

O Metotrexato é antagonista do ácido fólico.

Estruturalmente, o componente primário do Metotrexato difere do ácido fólico pela substituição de um grupo aminado por um grupo hidroxílico no núcleo de pteridina e pela junção de um grupo de metilo no azoto aminado entre os grupos pteroil e benzoil.

O Metotrexato é um ácido fraco que se apresenta com uma cor laranja acastanhada, sob a forma de pó cristalino, praticamente insolúvel na água e no álcool.

Devem ser tomadas precauções no sentido de prevenir a inalação de partículas do produto, bem como o contacto da pele com o mesmo.

O Metotrexato de sódio, apresenta-se sob a forma de um pó amarelo, solúvel em água.

O Metotrexato de sódio em solução injectável tem um pH entre 7,5 e 9,0.

O Metotrexato inibe de forma reversível a dihidrofolato reductase, enzima que reduz o ácido fólico a ácido tetrahidrofólico.

A inibição da formação de tetrahidrofolato limita a disponibilidade das frações de carbono-1, necessárias à síntese das purinas, e a conversão de desoxiuridilato em timidilato, na síntese do DNA e no processo da reprodução celular.

A afinidade da dihidrofolato reductase com o Metotrexato é mais longínqua do que a sua afinidade com o ácido fólico ou com o ácido dihidrofólico e, por essa razão, mesmo que sejam administradas simultaneamente grandes doses de ácido fólico, não inverterão os efeitos do Metotrexato.

A leucovorina, uma derivada do ácido tetrahidrofólico, administrada imediatamente a seguir ao agente antineoplásico, pode bloquear os efeitos do Metotrexato.

Os resultados, apurados após um estudo, indicam que o Metotrexato também é responsável por um aumento do trifosfato de desoxiadenosina intracelular, que se julga responsável pela inibição da redução da ribonucleotido e polinucleotido-ligase, enzimas envolvidas na síntese e reparação do DNA.

Tecidos com índices elevados de proliferação celular, tais como: tecidos neoplásicos, epiderme de doentes com psoríase, medula óssea, revestimento do tracto gastrointestinal, couro cabeludo e células fetais, são muito sensíveis aos efeitos do Metotrexato.

Pode-se desenvolver resistência ao Metotrexato, que tem sido associada ao decréscimo de retoma celular do fármaco, contudo o mecanismo exacto do desenvolvimento desta resistência não está ainda devidamente estabelecido.

O Metotrexato apresenta também uma actividade imunossupressora, possivelmente resultante da inibição da multiplicação linfocitária.
Posologia Orientativa
A posologia e o método de administração do metotrexato variam com o protocolo de tratamento utilizado.
Administração
Vias oral, intra-arterial, instramuscular, intravenosa, subcutânea.

O metotrexato só deverá ser prescrito por médicos com experiência na utilização de metotrexato e um conhecimento total dos riscos da terapêutica com metotrexato.
Contra-Indicações
- Se tem alergia (hipersensibilidade) ao metotrexato
- Se tem uma doença importante do fígado (o médico decidirá qual é a gravidade da sua doença).
- Se tem uma doença importante dos rins (o médico decidirá qual é a gravidade da sua doença).
- Se tem doenças do sistema formador de sangue.
- Se tem infecções graves ou existentes, tais como tuberculose e VIH.
- Se tem úlceras da boca e garganta ou úlceras do estômago e intestino.
- Se está grávida ou a amamentar
- Se o seu consumo de álcool é elevado.

Não deve ser vacinado com vacinas vivas durante o tratamento com Metotrexato
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos secundários mais comuns incluem estomatite ulcerativa, leucopenia, vasculite, irritação ocular e perda de libido/impotência, náusea e tensão abdominal. Embora muito raramente, ocorreram reacções anafilácticas ao Metotrexato.

Outros efeitos secundários notificados foram, mal estar geral, fadiga excessiva, arrepios e febre, vertigens e resistência diminuída às infecções. No geral, a incidência e gravidade dos efeitos colaterais são considerados relacionados com a dose. Os efeitos secundários notificados para os vários sistemas são como segue:

- Infecções e Infestações: infecções oportunisticas (por vezes fatais, ex. sépsis fatal). Foram também notificados pneumonia em doentes sob terapia com Metotrexato para doenças neoplásicas e não-neoplásicas, sendo a mais comum a pneumonia por Pneumocystis carinii. Outros efeitos secundários notificados incluem, pneumonia, nocardioses, histoplasmoses, criptococoses, herpes zoster, hepatite H. Simplex e infecção citomegalovirus, incluindo pneumonia citomegalovirica

- Sangue: Depressão da medula óssea; leucopenia; trombocitopenia; anemia; hipogamaglobulinemia; hemorragias de localização diversa; septicemia (problemas de sangue)

- Perturbações do foro psiquiátrico: Alterações de humor

- Sistema nervoso central: Dor de cabeça; sonolência; perturbações da visão; afasia; hemiparesias e convulsões (possivelmente relacionadas com hemorragias ou complicações na cateterização intra-arterial). Após administração intratecal: convulsões, paresias, síndroma de Guillain-Barré e aumento de pressão da LCR.

- Problemas de visão: Conjuntivites, visão turva

- Ouvido: Zumbidos

- Coração: Pericardite, derrame pericárdico

- Vasculapatias: Vasculite, hipotensão, acontecimentos tromboembólicos (ex. Tromboflebite, embolia pulmonar, trombose arterial, trombose cerebral, trombose das veias profundas ou das veias da retina).

- Sistema pulmonar: Pneumonite intersticial aguda ou crónica, muitas vezes associada com eosinofilia sanguínea podem ocorrer e foram reportadas mortes. Edema pulmonar agudo foi também reportado após uso oral e intratecal. A fibrose pulmonar é rara. Uma síndroma consistindo de dor pleuritica e espessamento pleural foi reportado após altas dosagens.

- Aparelho digestivo: Gengivite; faringite; estomatite; anorexia; vómitos; diarreia; hematemeses; melenas; ulcerações gastrointestinais hemorrágicas; enterite; toxicidade do fígado originando atrofia aguda do fígado; necrose; degenerescência gorda; fibrose periportal ou cirrose hepática. Em raros casos o efeito do Metotrexato sobre a mucosa intestinal levou a má absorção ou a megacolon tóxico.

- Fígado: Toxicidade no fígado resultando em aumentos significativos das enzimas do fígado, atrofia aguda do fígado, necrose, metamorfose gorda, fibrose periportal ou cirrose ou morte podem ocorrer após administração crónica.

- Pele: Síndroma de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica, erupção na pele, erupção na pele com comichão, urticária, sensibilidade à luz, alteração dos pigmentos da pele, queda de cabelo, equimose, telangiectasia, acne, furunculose. As lesões da psoriase podem ser agravadas pela exposição concomitante a radiação ultravioleta. Foi notificada ulceração da pele em doentes psoriáticos e em casos raros erosão dolorosa das placas psoriáticas.
Foi notificado fenómenos de recaída na pele danificada pelo sol ou por radiação.

- Afecções muscoloesqueléticas e dos tecidos conjuntivos: Artralgia/mialgia

- Órgãos urinários e genitais (urogenital): Insuficiência do rim; azotemia; cistite; hematúria; oogénese e espermatogénese deficiente; oligospermia transitória; disfunção menstrual; infertilidade; aborto; malformações fetais; nefropatia grave. Vaginite, úlceras vaginais, cistite, hematúria e nefropatia foram também reportadas.

- Outros: Outras reacções relacionadas, ou atribuídas ao uso de Metotrexato foram relatadas, como: pneumonia, alterações metabólicas, diabetes, osteoporose, alteração do metabolismo celular e até morte súbita.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:O metotrexato está contra-indicado em grávidas com psoríase ou artrite reumatóide e só deve ser usado no tratamento de doenças neoplásicas quando os potenciais benefícios compensarem os riscos para o feto.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:O metotrexato foi detectado no leite humano e está contra-indicado durante o aleitamento.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Toxicidade dependente da dose; evitar nas indicações não neoplásicas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose na IR ligeira (nefrotóxico); evitar na IR moderada e grave.
Condução
Condução
Condução:Alguns dos efeitos tais como tonturas e fadiga, podem influenciar a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.
Precauções Gerais
- O Metotrexato deve ser usado apenas por médicos especialistas em quimioterapia antimetabólica.

- Devido à possibilidade de reacções fatais ou tóxicas graves, o doente deverá ser devidamente informado pelo Médico sobre os riscos a que está sujeito e deverá manter-se sob sua constante supervisão.

- No tratamento da psoríase, com o Metotrexato, foram registadas mortes.

No tratamento da psoríase o Metotrexato deverá ficar restringido somente à psoríase refractária e incapacitante que não respondeu de forma adequada a outras formas de terapêutica, bem como somente após diagnóstico estabelecido através de biópsia e/ou consulta dermatológica.

- O Metotrexato pode produzir assinalável depressão da espinal medula, com anemia, leucopenia, trombocitopenia e hemorragia.

- O Metotrexato pode ser hepatotóxico, particularmente em dosagem elevada ou em terapêutica prolongada.

Observaram-se atrofia do fígado, necrose, cirrose, alterações lipídicas e fibrose periportal.

Já que as alterações ocorrem sem sinais prévios de toxicidade gastrointestinal ou hematológica, é imperativo que seja previamente determinada a função hepática quando do início do tratamento e monitorizada regularmente ao longo da terapêutica.

Dever-se-ão ter especiais cuidados em presença de doença hepática pré-existente ou de função hepática diminuída.

Deverá ser evitada a utilização concomitante de outros fármacos potencialmente hepatotóxicos (incluindo o álcool).

- O Metotrexato tem provocado morte fetal e/ou malformações fetais.

Assim, não deverá ser utilizado em mulheres grávidas ou com possibilidade de vir a engravidar, a não ser que através de avaliação médica se verifique que os benefícios serão superiores aos riscos.

As doentes grávidas com psoríase não deverão ser tratadas com Metotrexato.

- O Metotrexato não deverá ser administrado durante o aleitamento.

- O Metotrexato afecta a espermatogénese e a oogénese durante o período da sua administração, o que pode resultar num decréscimo da fertilidade.

Este efeito parece ser reversível, mas dever-se-á evitar a concepção durante pelo menos 6 meses após ter cessado o tratamento.

Os doentes e os seus parceiros deverão ser avisados em conformidade.

- O metotrexato não deve ser utilizado em doentes com problemas renais

- Diarreia e estomatite ulcerosa são efeitos tóxicos frequentes e implicam a interrupção da terapêutica para evitar a evolução hemorrágica e morte.

- Deve ser tido precaução quando administrado doses elevadas de Metotrexato em doentes sujeitos a terapia com inibidores de bomba de protões (esomeprazol, omeprazol, pantoprazol).

- Não devem ser utilizadas vacinas enquanto estiver a utilizar metotrexato.

- Não deve ser utilizado em doentes com problemas no funcionamento dos pulmões.

- Deve ser usado com cuidado em doentes idosos e a redução da dose pode ser necessária.
Cuidados com a Dieta
Enquanto estiver a tomar Metotrexato, deve evitar beber álcool, uma vez que isto pode aumentar o risco de efeitos secundários, especialmente ao nível do fígado.
Deve beber mais líquidos.
Isto irá ajudar a passagem do medicamento pelo seu organismo e prevenir problemas de rins.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Se se esqueceu de tomar uma dose, tome-a dentro das 24 horas a seguir ao dia programado; se o atraso foi maior, fale com o médico antes de tomar Metotrexato.
Cuidados no Armazenamento
Não conserver acima de 25 ºC.
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.
Este medicamento é armazenado em meio hospitalar.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Salicilatos

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. Estes fármacos, especialmente salicilatos e sulfonamidas, qualquer antibacteriano, hipoglicémico ou diurético não devem ser dados concomitantemente até que o significado destas verificações seja estabelecido. Deverá tomar-se cuidado quando AINE's e salicilatos são administrados concomitantemente com o Metotrexato. Estes fármacos foram reportados reduzir a excreção tubular do Metotrexato e, deste modo, podem aumentar a sua toxicidade. O uso concomitante de AINE's e salicilatos tem sido associado com toxicidade fatal por Metotrexato. - Salicilatos
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Sulfonamidas (sulfanilamidas)

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. Estes fármacos, especialmente salicilatos e sulfonamidas, qualquer antibacteriano, hipoglicémico ou diurético não devem ser dados concomitantemente até que o significado destas verificações seja estabelecido. - Sulfonamidas (sulfanilamidas)
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Diuréticos

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. Estes fármacos, especialmente salicilatos e sulfonamidas, qualquer antibacteriano, hipoglicémico ou diurético não devem ser dados concomitantemente até que o significado destas verificações seja estabelecido. - Diuréticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Hipoglicemiantes

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Hipoglicemiantes
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Hidantoínas

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Hidantoínas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Tetraciclinas

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Tetraciclinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Cloranfenicol

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Cloranfenicol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Ácido 4-aminobenzoico (Ácido para-aminobenzóico)

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Ácido 4-aminobenzoico (Ácido para-aminobenzóico)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Anti-inflamatórios

Observações: n.d.
Interacções: O Metotrexato está ligado em parte à albumina sérica após a absorção, e a toxicidade pode ser aumentada devido ao deslocamento por certos fármacos tais como: Salicilatos, sulfonamidas, diuréticos, hipoglicemiantes, difenil-hidantoínas, tetraciclinas, Cloranfenicol e Ácido p-aminobenzóico, agentes anti-inflamatórios acídicos, originando condições para uma potenciação da toxicidade quando usados concomitantemente. - Anti-inflamatórios
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Leflunomida

Observações: n.d.
Interacções: O uso concomitante de outros fármacos com potencial nefrotóxico, mielotóxico ou hepatotóxico tais como Leflunomida, Azatioprina, Sulfalazina, Retinóides e Álcool deve ser evitado. - Leflunomida
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Azatioprina

Observações: n.d.
Interacções: O uso concomitante de outros fármacos com potencial nefrotóxico, mielotóxico ou hepatotóxico tais como Leflunomida, Azatioprina, Sulfalazina, Retinóides e Álcool deve ser evitado. - Azatioprina
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Sulfassalazina

Observações: n.d.
Interacções: O uso concomitante de outros fármacos com potencial nefrotóxico, mielotóxico ou hepatotóxico tais como Leflunomida, Azatioprina, Sulfalazina, Retinóides e Álcool deve ser evitado. - Sulfassalazina
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Retinóides

Observações: n.d.
Interacções: O uso concomitante de outros fármacos com potencial nefrotóxico, mielotóxico ou hepatotóxico tais como Leflunomida, Azatioprina, Sulfalazina, Retinóides e Álcool deve ser evitado. - Retinóides
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Álcool

Observações: n.d.
Interacções: O uso concomitante de outros fármacos com potencial nefrotóxico, mielotóxico ou hepatotóxico tais como Leflunomida, Azatioprina, Sulfalazina, Retinóides e Álcool deve ser evitado. - Álcool
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Ácido fólico (Vitamina B9)

Observações: n.d.
Interacções: Preparações vitaminicas contendo Ácido Fólico ou seus derivados pode diminuir a eficácia do Metotrexato. - Ácido fólico (Vitamina B9)
Usar com precaução

Metotrexato Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interacções: Deverá tomar-se cuidado quando AINE's e salicilatos são administrados concomitantemente com o Metotrexato. Estes fármacos foram reportados reduzir a excreção tubular do Metotrexato e, deste modo, podem aumentar a sua toxicidade. O uso concomitante de AINE's e salicilatos tem sido associado com toxicidade fatal por Metotrexato. No entanto, doentes usando regimes de dosagem constante de AINE's receberam doses concomitantes de Metotrexato sem problemas observados. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Probenecida

Observações: n.d.
Interacções: O transporte tubular renal está também diminuído pelo Probenecide e Penicilinas; o uso destes com Metotrexato deverá ser cuidadosamente monitorizado. - Probenecida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Penicilinas

Observações: n.d.
Interacções: O transporte tubular renal está também diminuído pelo Probenecide e Penicilinas; o uso destes com Metotrexato deverá ser cuidadosamente monitorizado. - Penicilinas
Usar com precaução

Metotrexato Omeprazol

Observações: n.d.
Interacções: Uma potencial interacção entre metotrexato e inibidores de bomba de protões (ex. Omeprazol, pantoprazol). Omeprazol pode inibir a depuração do metotrexato, potenciando os níveis de toxicidade pelo metotrexato. - Omeprazol
Usar com precaução

Metotrexato Inibidores da Bomba de Protões (IBP)

Observações: n.d.
Interacções: Uma potencial interacção entre metotrexato e inibidores de bomba de protões (ex. Omeprazol, pantoprazol). Omeprazol pode inibir a depuração do metotrexato, potenciando os níveis de toxicidade pelo metotrexato. - Inibidores da Bomba de Protões (IBP)
Usar com precaução

Metotrexato Pantoprazol

Observações: n.d.
Interacções: Uma potencial interacção entre metotrexato e inibidores de bomba de protões (ex. Omeprazol, pantoprazol). Omeprazol pode inibir a depuração do metotrexato, potenciando os níveis de toxicidade pelo metotrexato. - Pantoprazol
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Trimetoprim

Observações: n.d.
Interacções: Grave depressão da medula óssea foi reportada após uso concomitante de Metotrexato e Cotrimoxazole ou Trimetoprim. O uso concomitante deverá provavelmente ser evitado. - Trimetoprim
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Protóxido de azoto

Observações: n.d.
Interacções: Estomatite induzida pelo Metotrexato e outros efeitos tóxicos podem ser aumentados pelo uso de Óxido Nitroso. - Protóxido de azoto
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Etretinato

Observações: n.d.
Interacções: Um risco aumentado de hepatite foi reportado após uso de Metotrexato e o metabólito do Acitretino, Etretinato. Consequentemente, o uso concomitante de Metotrexato e Acitretino deverá ser evitado. - Etretinato
Não recomendado/Evitar

Metotrexato Acitretina

Observações: n.d.
Interacções: Um risco aumentado de hepatite foi reportado após uso de Metotrexato e o metabólito do Acitretino, Etretinato. Consequentemente, o uso concomitante de Metotrexato e Acitretino deverá ser evitado. - Acitretina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato Teofilina

Observações: n.d.
Interacções: Tratamento com mais de um DMARD em diferentes esquemas está sendo testado, no entanto, há pouca evidência disponível para avaliar o benefício. Uma meta-análise de cinco diferentes combinações de DMARD demonstraram, que embora a eficácia seja superior do que DMARDs individuais, a toxicidade também foi aumentada. A administração de metotrexato com teofilina pode reduzir a depuração da teofilina. - Teofilina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Metotrexato
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

O metotrexato está contra-indicado em grávidas com psoríase ou artrite reumatóide e só deve ser usado no tratamento de doenças neoplásicas quando os potenciais benefícios compensarem os riscos para o feto.

As mulheres em idade fértil não devem iniciar uma terapêutica com metotrexato até ser excluída uma possível gravidez; devem ainda ser convenientemente informadas sobre os graves riscos para o feto caso engravidem no decurso do tratamento.

A gravidez deve ser evitada se qualquer dos membros do casal estiver a ser submetido a uma terapêutica com metotrexato.

O intervalo de tempo óptimo entre o final do tratamento, de qualquer dos membros do casal, com metotrexato e a gravidez não foi claramente estabelecido.

A literatura publicada recomenda intervalos de tempo que variam entre três meses e um ano.

O metotrexato foi detectado no leite humano e está contra-indicado durante o aleitamento.

Alguns dos efeitos tais como tonturas e fadiga, podem influenciar a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021