Ibuprofeno + Paracetamol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O paracetamol atua impedindo que as mensagens de dor cheguem até ao cérebro.

O ibuprofeno pertence a um grupo de medicamentos designados anti-inflamatórios não esteroides (ou AINE). Alivia a dor e reduz a inflamação (inchaço, vermelhidão ou sensibilidade dolorosa).
Usos comuns
Tratamento sintomático a curto prazo da dor ligeira a moderada.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Tratamento sintomático a curto prazo da dor ligeira a moderada.
Classificação CFT
02.10     Analgésicos e antipiréticos
Mecanismo De Ação
Embora o local e o mecanismo exatos da ação analgésica do paracetamol não estejam claramente definidos, parece que induz analgesia através do aumento do limiar de dor. O potencial mecanismo poderá envolver a inibição da via de sinalização do óxido nítrico mediada por uma variedade de recetores de neurotransmissores, incluindo o N-metil-D-aspartato e a substância P.
O ibuprofeno é um derivado do ácido propiónico com atividade analgésica, anti-inflamatória e antipirética. Como um AINE, os efeitos terapêuticos do fármaco resultam do seu efeito inibitório sobre a enzima ciclo-oxigenase, levando a uma redução na síntese de prostaglandinas.

Dados experimentais sugerem que o ibuprofeno pode inibir competitivamente o efeito de doses baixas de ácido acetilsalicílico sobre a agregação plaquetária quando administrados de modo concomitante. Alguns estudos farmacodinâmicos demonstraram que quando foram tomadas doses individuais de ibuprofeno 400 mg nas 8 horas anteriores ou nos 30 minutos posteriores à administração de ácido acetilsalicílico de libertação imediata (81 mg), ocorreu uma diminuição do efeito do ácido acetilsalicílico na formação de tromboxano ou na agregação plaquetária. Apesar de haver incertezas no que se refere à extrapolação destes dados para a situação clínica, não pode ser excluída a possibilidade de que o uso regular e a longo prazo de ibuprofeno pode reduzir o efeito cardioprotetor de baixas doses de ácido acetilsalicílico. Não se considera provável nenhum efeito clinicamente relevante decorrente do uso ocasional de ibuprofeno.
Posologia Orientativa
Adultos
A dose habitual é de um comprimido (500 mg de paracetamol e 150 mg de ibuprofeno) a dois comprimidos (1000 mg de paracetamol e 300 mg de ibuprofeno) tomados a cada seis horas, conforme necessário, até um máximo de seis comprimidos em 24 horas. A dose diária máxima recomendada é de 3000 mg de paracetamol e 900 mg de ibuprofeno.

Idosos
Não são necessárias modificações posológicas especiais. Os idosos apresentam um risco mais elevado de consequências graves de reações adversas. Se um AINE for considerado necessário, deve ser usada a dose eficaz mais baixa durante o período de tempo mais curto possível. O doente deve ser monitorizado regularmente quanto a hemorragia gastrointestinal durante a terapêutica com AINE.

Doentes com compromisso renal/hepático
Não são necessários ajustes posológicos especiais.
Administração
Apenas para administração oral e uso de curta duração (não mais de 3 dias).

Recomenda-se tomar este medicamento com um copo cheio de água.
Contraindicações
O uso deste medicamento é contraindicado:
• em doentes com insuficiência cardíaca grave (classe IV da NYHA).
• em doentes com hipersensibilidade conhecida ao paracetamol, ao ibuprofeno, a outros AINE
• em doentes com alcoolismo ativo, uma vez que a ingestão de álcool excessiva crónica poderá predispor os doentes a hepatotoxicidade (devido ao componente paracetamol).
• em doentes que tenham apresentado asma, urticária ou reações do tipo alérgico após tomar ácido acetilsalicílico ou outro AINE.
• em doentes com história de hemorragia ou perfuração gastrointestinal, relacionada com terapêutica anterior com AINE.
• em doentes com ulceração/hemorragia péptica ativa ou história de ulceração/hemorragia péptica recorrente (dois ou mais episódios distintos de ulceração ou hemorragia demonstrada).
• em doentes com insuficiência hepática grave ou insuficiência renal grave.
• em doentes com hemorragia cerebrovascular ou outra hemorragia ativa.
• em doentes com perturbações na formação do sangue.
• durante o terceiro trimestre de gravidez.
• em doentes com menos de 18 anos de idade.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Se tiver algum destes efeitos secundários graves, pare de tomar este medicamento e informe o seu médico imediatamente ou dirija-se ao serviço de urgência do hospital mais próximo:

Frequentes:
• vomitar sangue ou material que se assemelha a grãos de café;
• sangrar pelo ânus, fezes escuras e pegajosas ou diarreia com sangue;
• inchaço do rosto, lábios ou língua que pode dificultar a deglutição ou a respiração;

Muito raros:
• asma, pieira, falta de ar;
• comichão repentina ou intensa, erupção cutânea, urticária;
• erupção cutânea intensa com bolhas e hemorragia nos lábios, olhos, boca, nariz e genitais (síndrome de Stevens-Johnson). Foram reportados casos muito raros de reações cutâneas graves;
• agravamento de infeções cutâneas graves existentes (pode detetar uma erupção cutânea, formação de bolhas e descoloração da pele, febre, sonolência, diarreia e indisposição) ou agravamento de outras infeções, incluindo varicela ou herpes, ou infeção grave com destruição (necrose) de tecido subcutâneo e muscular, formação de bolhas e descamação da pele;
• febre, mal-estar geral, náuseas, dor de estômago, dor de cabeça e pescoço rígido.

Outros possíveis efeitos secundários são:

Frequentes (podem afetar até 1 em 10 pessoas):
• náuseas ou vómitos;
• perda de apetite;
• azia ou dor na parte superior do estômago;
• espasmos, gases, prisão de ventre ou diarreia, ligeira perda de sangue gastrointestinal;
• erupções cutâneas, comichão na pele;
• dor de cabeça;
• tonturas;
• sensação de nervosismo;
• sibilos ou zumbidos nos ouvidos;
• aumento invulgar de peso, inchaço e retenção de fluidos, inchaço dos tornozelos ou das pernas (edema).

Pouco frequentes (podem afetar até 1 em 100 pessoas):
• diminuição dos glóbulos vermelhos, hemorragias nasais e menstruações abundantes;
• reações alérgicas — erupções cutâneas, cansaço, dor nas articulações (p. ex. doença do soro, síndrome de lúpus eritematoso, vasculite de Henoch-Schönlein, angioedema);
• aumento do tecido mamário nos homens; níveis de glucose no sangue baixos;
• dificuldade em dormir;
• alteração do humor, por exemplo depressão, confusão, nervosismo;
• problemas nos olhos como visão turva (reversível), olhos vermelhos sensíveis, comichão;
• muco espesso;
• dor intensa ou sensibilidade no estômago; úlcera péptica/gastrointestinal;
• inflamação do intestino e agravamento da inflamação do cólon (colite) e do trato digestivo (doença de Crohn), complicações da doença diverticular do intestino grosso (perfuração ou fístula);
• incapacidade de esvaziar completamente a bexiga (retenção urinária);
• resultados anormais nos testes laboratoriais (resultados de testes de enzimas do sangue, fígado e rins).

Raros (podem afetar até 1 em 1.000 pessoas):
• formigueiro nas mãos e nos pés;
• sonhos anormais, alucinações;
• danos nos tecidos renais (particularmente em utilizações a longo prazo);
• níveis elevados de ácido úrico no sangue (hiperuricemia).

Muito raros (podem afetar até 1 em 10.000 pessoas):
• níveis baixos de potássio — fraqueza, fadiga, espasmos musculares (hipocaliemia)
• sinais de anemia, tais como cansaço, dores de cabeça, falta de ar e palidez;
• hemorragias ou fazer nódoas negras com mais facilidade do que o habitual, manchas avermelhadas ou arroxeadas sob a pele;
• dor de cabeça intensa ou persistente;
• sensação de estar a girar (vertigens);
• batimentos cardíacos irregulares ou rápidos, também denominado de palpitações;
• aumento da pressão arterial e possíveis problemas cardíacos;
• inflamação do esófago;
• amarelecimento da pele e/ou olhos, também denominado de icterícia;
• danos hepáticos (particularmente em utilizações a longo prazo)
• queda de cabelo;
• aumento da transpiração;
• sinais de infeções frequentes ou preocupantes tais como febre, calafrios intensos, dor de garganta ou úlceras na boca.

Desconhecidos (a frequência não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis):
• Pode ocorrer uma reação cutânea grave conhecida como síndrome de DRESS. Os sintomas de DRESS incluem: erupção cutânea, febre, inchaço dos nódulos linfáticos e um aumento de eosinófilos (um tipo de células sanguíneas brancas).

A lista acima inclui efeitos secundários graves que podem requerer assistência médica.
Os efeitos secundários graves são raros para doses baixas deste medicamento e quando este é usado durante um curto período de tempo.
Advertências
Precauções Gerais
Acontecimentos trombóticos cardiovasculares
Estudos clínicos sugerem que o uso de ibuprofeno, particularmente numa dose elevada (2400 mg/dia), poderá estar associado a um pequeno aumento do risco de acontecimentos trombóticos arteriais (por exemplo, enfarte do miocárdio ou AVC). No geral, estudos epidemiológicos não sugerem que ibuprofeno a doses inferiores (p. ex. ≤1200 mg/dia) esteja associado a um risco aumentado de acontecimentos trombóticos arteriais.

Os doentes com hipertensão não controlada, insuficiência cardíaca congestiva (classes II– III da NYHA), doença cardíaca isquémica estabelecida, doença arterial periférica e/ou doença cerebrovascular devem apenas ser tratados com ibuprofeno após consideração ponderada, devendo ser evitadas as doses elevadas (2400 mg/dia).

Deve-se igualmente realizar uma consideração ponderada antes de iniciar tratamento a longo prazo em doentes com fatores de risco para acontecimentos cardiovasculares (p. ex. hipertensão, hiperlipidemia, diabetes mellitus, tabagismo), particularmente se forem necessárias doses elevadas de ibuprofeno (2400 mg/dia).

Para evitar o risco de sobredosagem:
• confirme que os outros medicamentos não contêm paracetamol;
• respeite as doses máximas recomendadas (ver secção 4.2).

O uso de paracetamol em doses acima das recomendadas pode levar a hepatotoxicidade e até mesmo a insuficiência hepática e morte. Adicionalmente, os doentes com função hepática comprometida, ou com história de doença hepática, que estejam a receber tratamento com paracetamol ou terapêutica de ibuprofeno a longo prazo, devem ser monitorizados quanto à função hepática em intervalos regulares, uma vez que tem sido reportado um efeito pequeno e transitório do ibuprofeno nas enzimas hepáticas. Recomenda-se a redução da dose em doentes com sinais de agravamento da função hepática. O tratamento deve ser interrompido nos doentes que desenvolvam insuficiência hepática grave.
Foram reportados casos de reações hepáticas graves, incluindo icterícia e hepatite fatal, embora raros, com ibuprofeno tal como com outros AINE. Caso persistam ou se agravem os testes hepáticos anormais, caso se desenvolvam sinais e sintomas clínicos consistentes com doença hepática ou caso ocorram manifestações sistémicas (p. ex. eosinofilia, erupção cutânea, etc.), o ibuprofeno deve ser descontinuado. Tem sido reportado que ambas as substâncias ativas causam hepatotoxicidade e até mesmo insuficiência hepática, em particular o paracetamol.
Os doentes que consumirem regularmente mais álcool do que as quantidades recomendadas não devem tomar este medicamento.

Compromisso renal
O paracetamol pode ser usado em doentes com doença renal crónica sem ajustes posológicos. Existe um risco mínimo de toxicidade do paracetamol em doentes com insuficiência renal moderada a grave. No entanto, para o componente ibuprofeno deste medicamento, recomenda-se precaução ao iniciar o tratamento com ibuprofeno em doentes com desidratação. Os dois principais metabolitos do ibuprofeno são excretados principalmente na urina e poderá ocorrer compromisso da função renal com a acumulação dos mesmos. O significado deste facto é desconhecido. Reportou-se que os AINE causam várias formas de nefrotoxicidade: nefrite intersticial, síndrome nefrótica e insuficiência renal. O compromisso renal resultante do uso de ibuprofeno é normalmente reversível. Em doentes com compromisso renal, cardíaco ou hepático, em doentes que tomam diuréticos e inibidores da ECA e nos idosos, recomenda-se precaução uma vez que o uso de fármacos anti-inflamatórios não esteroides poderá resultar na deterioração da função renal. Nestes doentes, a dose deve ser mantida o mais baixa possível e a função renal deve ser monitorizada. O tratamento deve ser interrompido nos doentes que desenvolvam insuficiência renal grave.

Uso combinado de inibidores da ECA ou antagonistas dos recetores da angiotensina, fármacos anti-inflamatórios e diuréticos tiazídicos
O uso de um fármaco inibidor da ECA (inibidor da ECA ou antagonista dos recetores da angiotensina), um fármaco anti-inflamatório (AINE ou inibidor da COX-2) e um diurético tiazídico ao mesmo tempo aumenta o risco de compromisso renal. Isto inclui o uso de medicamentos de combinação fixa que contêm mais de uma classe de fármacos. O uso combinado destes medicamentos deve ser acompanhado por um aumento da monitorização da creatinina sérica, particularmente no início da combinação. A combinação de fármacos destas três classes deve ser usada com precaução particularmente nos doentes idosos ou doentes com compromisso renal preexistente.

Idosos
Não é necessário nenhum ajuste na posologia indicada para doentes idosos que precisem de terapêutica com paracetamol. Os doentes que precisem de terapêutica durante mais de 10 dias devem consultar o seu médico para monitorização da condição; no entanto, não é necessária nenhuma redução na posologia recomendada. Contudo, recomenda-se precaução relativamente ao uso de ibuprofeno, uma vez que não pode ser tomado por adultos com mais de 65 anos de idade sem consideração das comorbilidades e medicação concomitante devido a um aumento do risco de efeitos adversos, em particular insuficiência cardíaca, ulceração gastrointestinal e compromisso renal.

Efeitos hematológicos
Foram reportados casos raros de discrasias sanguíneas. Os doentes a receber terapêutica de longa duração com ibuprofeno devem ter monitorização hematológica regular.

Perturbações da coagulação
Tal como outros AINE, o ibuprofeno pode inibir a agregação plaquetária. Demonstrou-se que o ibuprofeno prolonga o tempo de sangramento (mas dentro do intervalo normal), em indivíduos normais. Devido ao facto de este efeito de sangramento prolongado poder ser exagerado em doentes com perturbações hemostáticas subjacentes, os medicamentos que contêm ibuprofeno devem ser usados com cuidado em pessoas com perturbações da coagulação intrínsecas e em pessoas a receber terapêutica anticoagulante.

Acontecimentos gastrointestinais
Hemorragia, ulceração e perfuração gastrointestinal (GI): foram reportados casos de hemorragia, ulceração ou perfuração GI, que podem ser fatais, com todos os AINE em qualquer momento durante o tratamento, com ou sem sintomas de aviso ou história prévia de acontecimentos GI graves.

O risco de hemorragia, ulceração ou perfuração GI é mais elevado com doses crescentes de AINE, em doentes com história de úlcera, particularmente se complicada com hemorragia ou perfuração (ver secção 4.3), e em idosos. Estes doentes devem iniciar o tratamento com a dose mais baixa disponível.

A terapêutica de combinação com agentes protetores (p. ex. misoprostol ou inibidores da bomba de protões) deve ser considerada para estes doentes, bem como para doentes que precisem concomitantemente de uma dose baixa de ácido acetilsalicílico ou outros medicamentos propensos a aumentar o risco gastrointestinal. Os doentes com história de toxicidade GI, particularmente os idosos, devem comunicar qualquer sintoma abdominal não habitual (especialmente hemorragia GI), em particular nas etapas iniciais do tratamento.

Recomenda-se precaução em doentes a receber medicação concomitante que possa aumentar o risco de ulceração ou hemorragia, tal como corticosteroides orais, anticoagulantes como a varfarina, inibidores seletivos da recaptação da serotonina ou agentes antiplaquetários tais como o ácido acetilsalicílico.

Devido ao componente ibuprofeno, este medicamento deve ser administrado com precaução em doentes com história de doença GI (colite ulcerosa, doença de Crohn), bem como em doentes com porfiria e varicela.

Este medicamento deve ser descontinuado se houver qualquer indício de hemorragia ou ulceração gastrointestinal.

O uso deste medicamento 500 mg/150 mg comprimidos revestidos por película concomitantemente com AINE, incluindo inibidores seletivos da COX-2, deve ser evitado.
Idosos: Os idosos apresentam um aumento da frequência de reações adversas a AINE, especialmente hemorragia e perfuração gastrointestinal que podem ser fatais.

Hipertensão:
Os AINE podem levar a um aparecimento de nova hipertensão ou ao agravamento da hipertensão preexistente, podendo os doentes a tomar medicamentos anti-hipertensores com AINE, ter uma resposta anti-hipertensora comprometida. Recomenda-se precaução ao prescrever AINE a doentes com hipertensão. A pressão arterial deve ser monitorizada atentamente durante a iniciação do tratamento com AINE e posteriormente em intervalos regulares.

Insuficiência cardíaca
Observou-se retenção de fluidos e edema em alguns doentes a tomar AINE; portanto, recomenda-se precaução em doentes com retenção de fluidos ou insuficiência cardíaca.

Reações cutâneas graves
Os AINE podem em casos muito raros causar acontecimentos adversos cutâneos graves, tais como dermatite exfoliativa, necrólise epidérmica tóxica (NET) e síndrome de Stevens-Johnson (SST), o que pode ser fatal e ocorrer sem aviso. Aparentemente, os doentes apresentam um risco mais elevado de desenvolver estas reações no início da terapêutica: o aparecimento da reação ocorreu, na maior parte dos casos, no primeiro mês de tratamento. Os doentes devem ser aconselhados sobre os sinais e sintomas de reações cutâneas graves e a consultar o seu médico ao primeiro aparecimento de erupção cutânea ou qualquer outro sinal de hipersensibilidade.

Asma preexistente
Os medicamentos que contêm ibuprofeno não devem ser administrados em doentes com asma sensível ao ácido acetilsalicílico e devem ser usados com precaução em doentes com asma preexistente.

Efeitos oftalmológicos
Observaram-se efeitos oftalmológicos adversos com AINE; em conformidade, os doentes que desenvolverem distúrbios visuais durante o tratamento com produtos que contêm ibuprofeno devem ser submetidos a um exame oftalmológico.

Meningite assética
Foram reportados apenas raramente casos de meningite assética para medicamentos contendo ibuprofeno, normalmente mas nem sempre em doentes com lúpus eritematoso sistémico (LES) ou outras perturbações do tecido conjuntivo.

Potenciais interferências com testes laboratoriais
Usando sistemas analíticos atuais, o paracetamol não causa interferências com ensaios laboratoriais. No entanto, há certos métodos com os quais existe a possibilidade de interferências laboratoriais, conforme descrito abaixo:

Testes de urina:
O paracetamol, em doses terapêuticas, pode interferir com a determinação do ácido 5-hidroxi-indolacético (5HIAA), causando resultados falsos positivos. As falsas determinações podem ser eliminadas evitando a ingestão de paracetamol algumas horas antes e durante a recolha da amostra de urina.

Mascarar sinais de infeção
Os AINE podem mascarar sintomas de infeção e febre.

Com o uso prolongado de analgésicos, podem ocorrer dores de cabeça que não podem ser tratadas aumentando a dose do medicamento.

Precauções especiais
Para evitar exacerbação da doença ou insuficiência adrenal, os doentes que tenham estado a receber terapêutica prolongada com corticosteroides devem ser submetidos a um desmame lento da respetiva terapêutica, em vez de esta ser descontinuada abruptamente quando são adicionados ao programa de tratamento produtos que contêm ibuprofeno.

Há alguns indícios de que os fármacos que inibem a síntese da ciclo-oxigenase ou de prostaglandinas podem afetar a fertilidade feminina através de um efeito na ovulação. Isto é reversível após interromper o medicamento.

Um comprimido revestido por película contém 3,81 mg de lactose, resultando em 22,86 mg de lactose segundo a dose diária máxima recomendada. Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência total de lactase ou malabsorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.
Cuidados com a Dieta
Tomar com um copo cheio de água.

Não beba bebidas alcoólicas enquanto tomar este medicamento.
Terapêutica Interrompida
Se estiver quase na hora da próxima dose, não tome a dose esquecida e tome a próxima dose à hora programada. Caso contrário, tome-a assim que se lembrar e depois volte a tomar os seus comprimidos como habitualmente.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se não tiver a certeza se deve ou não tomar a dose esquecida, fale com o seu médico ou farmacêutico.
Cuidados no Armazenamento
O medicamento não necessita de qualquer temperatura especial de conservação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Ibuprofeno + Paracetamol + Paracetamol

Observações: n.d.
Interações: Este medicamento não deve ser tomado com outros medicamentos que contenham paracetamol, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, salicilatos ou qualquer outro fármaco anti-inflamatório (AINE), exceto por indicação médica. Efeitos em testes laboratoriais O paracetamol pode interferir com testes laboratoriais para determinar o ácido úrico sérico que usam o método do ácido fosfotúngstico e com testes para determinar a glucose sanguínea que usam o método glucose-oxidase-peroxidase.

Ibuprofeno + Paracetamol + Ibuprofeno

Observações: n.d.
Interações: Este medicamento não deve ser tomado com outros medicamentos que contenham paracetamol, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, salicilatos ou qualquer outro fármaco anti-inflamatório (AINE), exceto por indicação médica.

Ibuprofeno + Paracetamol + Ácido Acetilsalicílico

Observações: n.d.
Interações: Este medicamento não deve ser tomado com outros medicamentos que contenham paracetamol, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, salicilatos ou qualquer outro fármaco anti-inflamatório (AINE), exceto por indicação médica. Ácido acetilsalicílico De um modo geral, a administração concomitante de ibuprofeno e ácido acetilsalicílico não é recomendada devido ao potencial aumento de efeitos adversos. Dados experimentais sugerem que o ibuprofeno pode inibir competitivamente o efeito de doses baixas de ácido acetilsalicílico sobre a agregação plaquetária quando administrados de modo concomitante. Apesar de haver incertezas no que se refere à extrapolação destes dados para a situação clínica, não pode ser excluída a possibilidade de que o uso regular e a longo prazo de ibuprofeno, pode reduzir o efeito cardioprotetor de baixas doses de ácido acetilsalicílico. Não se considera provável nenhum efeito clinicamente relevante decorrente do uso ocasional de ibuprofeno. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • ácido salicílico, salicilatos ou outros medicamentos AINE

Ibuprofeno + Paracetamol + Salicilatos

Observações: n.d.
Interações: Este medicamento não deve ser tomado com outros medicamentos que contenham paracetamol, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, salicilatos ou qualquer outro fármaco anti-inflamatório (AINE), exceto por indicação médica. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • ácido salicílico, salicilatos ou outros medicamentos AINE

Ibuprofeno + Paracetamol + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: Este medicamento não deve ser tomado com outros medicamentos que contenham paracetamol, ibuprofeno, ácido acetilsalicílico, salicilatos ou qualquer outro fármaco anti-inflamatório (AINE), exceto por indicação médica. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • ácido salicílico, salicilatos ou outros medicamentos AINE

Ibuprofeno + Paracetamol + Varfarina

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Fármacos anticoagulantes (varfarina) — pode ser necessária uma redução da dose caso se tome paracetamol e anticoagulantes durante um período de tempo prolongado. Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos • Anticoagulantes, incluindo a varfarina — o ibuprofeno interfere com a estabilidade da INR e pode aumentar o risco de hemorragia grave e por vezes fatal, especialmente do trato gastrointestinal. O ibuprofeno só deve ser usado em doentes que tomam varfarina se for absolutamente necessário, tendo estes de ser monitorizados atentamente. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • varfarina, um medicamento usado para prevenir coágulos sanguíneos

Ibuprofeno + Paracetamol + Anticoagulantes orais

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Fármacos anticoagulantes (varfarina) — pode ser necessária uma redução da dose caso se tome paracetamol e anticoagulantes durante um período de tempo prolongado. Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • Anticoagulantes, incluindo a varfarina — o ibuprofeno interfere com a estabilidade da INR e pode aumentar o risco de hemorragia grave e por vezes fatal, especialmente do trato gastrointestinal. O ibuprofeno só deve ser usado em doentes que tomam varfarina se for absolutamente necessário, tendo estes de ser monitorizados atentamente.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Metoclopramida

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A absorção de paracetamol é aumentada por substâncias que incrementam o esvaziamento gástrico, p. ex. a metoclopramida.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Brometo de propantelina

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A absorção de paracetamol é reduzida por substâncias que diminuem o esvaziamento gástrico, p. ex. propantelina, antidepressivos com propriedades anticolinérgicas e analgésicos narcóticos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Antidepressores

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A absorção de paracetamol é reduzida por substâncias que diminuem o esvaziamento gástrico, p. ex. propantelina, antidepressivos com propriedades anticolinérgicas e analgésicos narcóticos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Narcóticos

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A absorção de paracetamol é reduzida por substâncias que diminuem o esvaziamento gástrico, p. ex. propantelina, antidepressivos com propriedades anticolinérgicas e analgésicos narcóticos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Cloranfenicol

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • O paracetamol pode aumentar as concentrações plasmáticas de cloranfenicol. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • cloranfenicol, um antibiótico usado para tratar infeções dos ouvidos e oculares
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Álcool

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • O risco de toxicidade do paracetamol pode estar aumentado em doentes a receber outros fármacos potencialmente hepatotóxicos ou fármacos que induzem enzimas microssomais hepáticas como o álcool e agentes anticonvulsivantes.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Anticonvulsivantes

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • O risco de toxicidade do paracetamol pode estar aumentado em doentes a receber outros fármacos potencialmente hepatotóxicos ou fármacos que induzem enzimas microssomais hepáticas como o álcool e agentes anticonvulsivantes.

Ibuprofeno + Paracetamol + Probenecida

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A administração de probenecida pode afetar a excreção e as concentrações plasmáticas de paracetamol. Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com probenecida, medicamentos antidiabéticos e fenitoína. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • probenecida, um medicamento usado para tratar a gota
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Colestiramina

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • A colestiramina reduz a absorção de paracetamol se administrada no período de 1 hora após o paracetamol.

Ibuprofeno + Paracetamol + Isoniazida

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Foram reportados casos de hepatotoxicidade grave em doses terapêuticas ou sobredosagens moderadas de paracetamol em doentes a receber isoniazida em monoterapia ou combinada com outros fármacos para o tratamento da tuberculose. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • medicamentos usados para tratar a tuberculose, como a isoniazida

Ibuprofeno + Paracetamol + Antituberculosos

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Foram reportados casos de hepatotoxicidade grave em doses terapêuticas ou sobredosagens moderadas de paracetamol em doentes a receber isoniazida em monoterapia ou combinada com outros fármacos para o tratamento da tuberculose.
 Potencialmente Grave

Ibuprofeno + Paracetamol + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Ocorreu hepatotoxicidade grave após o uso de paracetamol num doente a tomar zidovudina e cotrimoxazol.
 Potencialmente Grave

Ibuprofeno + Paracetamol + Zidovudina

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Ocorreu hepatotoxicidade grave após o uso de paracetamol num doente a tomar zidovudina e cotrimoxazol. Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode prolongar o tempo de sangramento em doentes tratados com zidovudina. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • zidovudina, um medicamento usado no tratamento do VIH (o vírus que causa SIDA)
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Antiagregantes plaquetários

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • Agentes antiagregantes plaquetários e inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) — aumento do risco de hemorragia gastrointestinal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • Agentes antiagregantes plaquetários e inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) — aumento do risco de hemorragia gastrointestinal.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode diminuir a depuração renal e aumentar a concentração plasmática de lítio. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • lítio, um medicamento usado para tratar alguns tipos de depressão
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode reduzir o efeito anti-hipertensor de inibidores da ECA, beta-bloqueadores e diuréticos, podendo provocar natriurese e hipercaliemia em doentes a receber estes tratamentos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode reduzir o efeito anti-hipertensor de inibidores da ECA, beta-bloqueadores e diuréticos, podendo provocar natriurese e hipercaliemia em doentes a receber estes tratamentos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Diuréticos

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode reduzir o efeito anti-hipertensor de inibidores da ECA, beta-bloqueadores e diuréticos, podendo provocar natriurese e hipercaliemia em doentes a receber estes tratamentos. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • diuréticos, também chamados de «drenantes»
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Metotrexato

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno reduz a depuração de metotrexato. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • metotrexato, um medicamento usado para tratar artrite e alguns tipos de cancro
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode aumentar os níveis plasmáticos de glicosídeos cardíacos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Corticosteroides

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode aumentar o risco de hemorragia gastrointestinal, especialmente se tomado com corticosteroides. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • corticosteroides, como a prednisona ou a cortisona.

Ibuprofeno + Paracetamol + Antidiabéticos

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com probenecida, medicamentos antidiabéticos e fenitoína.

Ibuprofeno + Paracetamol + Fenitoína

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com probenecida, medicamentos antidiabéticos e fenitoína.

Ibuprofeno + Paracetamol + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Sulfonilureias

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Quinolonas

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Inibidores do CYP2C9

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Fluconazol

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).

Ibuprofeno + Paracetamol + Antiepilépticos (AEs)

Observações: n.d.
Interações: Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • medicamentos para tratar epilepsia ou convulsões

Ibuprofeno + Paracetamol + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interações: Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • medicamentos para tratar a pressão arterial elevada ou outras condições cardíacas

Ibuprofeno + Paracetamol + Medicamentos cardiovasculares

Observações: n.d.
Interações: Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • medicamentos para tratar a pressão arterial elevada ou outras condições cardíacas

Ibuprofeno + Paracetamol + Remifentanilo

Observações: n.d.
Interações: Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • corticosteroides, como a prednisona ou a cortisona.

Ibuprofeno + Paracetamol + Cortisona

Observações: n.d.
Interações: Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • corticosteroides, como a prednisona ou a cortisona.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Ibuprofeno
A inibição da síntese de prostaglandinas pode prejudicar a gravidez e/ou o desenvolvimento embrionário/fetal.
O ibuprofeno não deve ser administrado durante o primeiro e o segundo trimestre de gravidez, a menos que expressamente necessário. Se o ibuprofeno for usado por uma mulher que esteja a tentar engravidar, ou durante o primeiro e o segundo trimestre de gravidez, a dose e a duração do tratamento devem ser as mínimas possíveis.

Durante o terceiro trimestre de gravidez, todos os inibidores da síntese de prostaglandinas podem expor o feto a:
- toxicidade cardiopulmonar (com encerramento prematuro do canal arterial e hipertensão pulmonar);
- disfunção renal, que pode progredir para insuficiência renal com oligoidrâmnio; a mãe e o recém-nascido, no final da gravidez, a:
- possível prolongamento do tempo de hemorragia, um efeito antiagregante que pode ocorrer mesmo em doses muito baixas;
- inibição das contrações uterinas, resultando no atraso ou prolongamento do trabalho de parto.

Este medicamento é contraindicado durante o terceiro trimestre de gravidez.

Paracetamol
O paracetamol pode ser usado durante a gravidez se houver necessidade clínica; contudo, deve ser usada a dose mais baixa eficaz durante o período de tempo mais curto possível e com a frequência mais baixa possível.

Não é necessário interromper a amamentação para um tratamento de curta duração com as doses recomendadas deste medicamento.

O uso do medicamento pode comprometer a fertilidade feminina, não sendo recomendado em mulheres que estejam a tentar engravidar. Deve ser considerada a descontinuação do tratamento em mulheres com dificuldades para engravidar ou que estão a ser submetidas a investigação da infertilidade.

Podem ocorrer efeitos indesejáveis como tonturas, sonolência, fadiga e distúrbios visuais após a toma de AINE. Se afetados, os doentes não devem conduzir ou utilizar máquinas.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 25 de Setembro de 2018