Hidroclorotiazida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI com Advertência no Dopping
O que é
Diuréticos e Agentes Mascarantes.

A Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico muitas vezes considerado o membro protótipo desta classe.

Reduz a reabsorção de eletrólitos dos túbulos renais. Isto resulta no aumento da excreção de água e electrólitos, incluindo sódio, potássio, cloreto, e magnésio.

Tem sido usado no tratamento de várias doenças, incluindo edema, hipertensão, diabetes insipidus, e hipoparatiroidismo.

Dopping: Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Usos comuns
A Hidroclorotiazida é usado isoladamente ou em associação com outros medicamentos para tratar a pressão arterial elevada (hipertensão). A pressão arterial elevada aumenta a carga de trabalho do coração e artérias. A manter-se por longos períodos de tempo, o coração e as artérias podem deixar de funcionar corretamente. Isto pode danificar os vasos sanguíneos do cérebro, coração e rins, resultando num acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, ou renal.

A pressão arterial elevada também pode aumentar o risco de ataques cardíacos. Pode haver menor probabilidade de isso ocorrer se a pressão arterial estiver controlada.

A Hidroclorotiazida também é utilizado para tratar retenção de líquidos (edema) que é causada por insuficiência cardíaca congestiva, doença hepática grave (cirrose), doença renal, ou tratamento com um esteróide ou terapia hormonal.

A Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico. É usada para ajudar a reduzir os níveis de água no corpo, aumentando o fluxo de urina. Também pode ser usada para outras condições, tal como determinado pelo médico.

A Hidroclorotiazida está disponível apenas sob prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Para o tratamento de pressão sanguínea elevada e tratamento de edema.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
A Hidroclorotiazida, um diurético tiazídico, inibe a reabsorção de água no nefrónio inibindo o cotransportador - cloreto de sódio (SLC12A3) no túbulo complexo distal, que é responsável pela reabsorção de 5 % do total de sódio.

Normalmente, o cloreto de sódio cotransportador - transporte de sódio e cloreto do lúmen para a célula epitelial que reveste o túbulo complexo distal.

A energia para isso é fornecido por um gradiente de sódio estabelecida por ATPases de potássio de sódio sobre a membrana basolateral.

Depois de sódio entrar na célula, é transportado para o inyerior do interstício basolateral através da ATPase sódio - potássio, causando um aumento da osmolaridade do interstício, estabelecendo, assim, um gradiente osmótico para a reabsorção de água.

Ao bloquear o cotransportador - cloreto de sódio, Hidroclorotiazida reduz efectivamente o gradiente osmótico e a reabsorção de água ao longo do nefrónio. A Hidroclorotiazida, um diurético tiazídico, inibe a reabsorção de água no nefrónio inibindo a cotransportador - cloreto de sódio (SLC12A3) no túbulo convoluto distai, que é responsável por 5% do total de reabsorção de sódio.

Normalmente, o cloreto de sódio cotransportador - transporte de sódio e cloreto do lúmen para a célula epitelial que reveste o túbulo complexo distal.

A energia para isso é fornecido por um gradiente de sódio estabelecida por ATPases de potássio de sódio sobre a membrana basolateral.

Depois do sódio entrar na célula, é transportado para o interior do interstício basolateral através da ATPase sódio - potássio, causando um aumento da osmolaridade do interstício, estabelecendo, assim, um gradiente osmótico para a reabsorção de água.

Ao bloquear a cotransportador - cloreto de sódio, a Hidroclorotiazida reduz efectivamente o gradiente osmótico e a reabsorção de água por todo o nefrónio.
Posologia Orientativa
A dose de Hidroclorotiazida será diferente para diferentes pacientes. Siga as indicações do seu Médico ou as instruções da etiqueta.

As informações a seguir inclui apenas as doses médias de Hidroclorotiazida. Se a dose que lhe é ministrada for diferente, não a mudar não ser que o seu Médico lhe diga para o fazer. A quantidade de medicamento que toma depende da sua dosagem.

Além disso, o número de doses que toma em cada dia, o intervalo entre elas, e a duração do tratamento dependem do problema Médico para o qual está a usá-lo.

Para retenção de líquidos (edema)
Para forma de dosagem oral (comprimidos):
Adultos - A dose habitual é de 25 a 100 miligramas (mg) por dia em dose única ou dividida.

O seu Médico pode querer que tome esta dose a cada dois dias ou durante 3 a 5 dias por semana.

Crianças - a dose é baseada no peso corporal e deve ser determinada pelo Médico.

Para a pressão arterial elevada:
Para forma de dosagem oral (cápsula):
Adultos - Em primeiro lugar 12,5 miligramas (mg) ou uma cápsula, uma vez por dia.

O seu Médico pode querer que tome isso por si só ou em conjunto com outros medicamentos para a tensão arterial. O seu Médico poderá aumentar a dose conforme necessário. No entanto , a dose geralmente não é superior a 50 mg por dia.

Crianças - uso e dose deve ser determinada pelo seu Médico.
Para forma de dosagem oral (comprimidos):
Adultos - Em primeiro lugar, 25 miligramas (mg) uma vez por dia.

O seu Médico poderá aumentar a dose conforme for necessário e pode ser feita como uma dose única ou dividida em duas doses.
Crianças - dose é baseada no peso corporal e deve ser determinada pelo seu Médico.
Administração
Via oral.

Administrá-la com a alimentação.

Evitar o uso após as 18 horas para prevenir noctúria.
Contraindicações
Não use se a Hidroclorotiazida:
– é alérgico a qualquer ingrediente de Hidroclorotiazida ou a outro medicamento sulfonamida (por exemplo, sulfametoxazol).

– é incapaz de urinar.

– está tomando dofetilida ou Cetanserina.

Contacte o seu Médico ou Profissional de Saúde imediatamente se algum destes se aplicar a si.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Todos os medicamentos podem causar efeitos colaterais, mas muitos pacientes não os têm ou são insignificantes.

Fale com seu Médico se qualquer destes efeitos secundários mais comuns persistirem ou se tornarem incómodos:
Prisão de ventre, diarréia, tonturas, sensação de desmaio, perda de apetite, náuseas, visão turva temporária.

Procure ajuda médica imediatamente se algum destes efeitos secundários graves ocorrem:
Reações alérgicas graves (rash, urticária, comichão, dificuldade em respirar; aperto no peito, inchaço da boca, face, lábios ou língua), urina escura; diminuição da urina, dor ocular, desmaio; rápido ou batimentos cardíacos irregulares, febre, calafrios ou dor de garganta persistente; aumento da sede, dor nas articulações, inchaço, calor, vermelhidão ou (especialmente da articulação do dedo grande), dor muscular, fraqueza ou cãibras; dormência ou formigamento; vermelha, inchada, com bolhas ou descamação da pele; grave ou tontura persistente ou sensação de desmaio, náuseas ou dor de estômago grave ou persistente; falta de ar, sintomas de níveis baixos de sódio no sangue (por exemplo, confusão, alterações mentais ou do humor, convulsões, lentidão); hematomas ou hemorragias; sonolência, agitação incomum, cansaço ou fraqueza, boca seca excepcionalmente, alterações da visão (por exemplo, diminuição da visão clareza); vômitos; amarelecimento dos olhos ou da pele.

Esta não é uma lista completa de todos os efeitos secundários que podem ocorrer.

Se tiver dúvidas sobre os efeitos colaterais, entre em contato com o seu Cuidador de Saúde.

Peça aconselhamento Médico sobre efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Ver Diuréticos. Usar com precaução. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º, 2º e 3º
Aleitamento
Aleitamento:Ver Tiazidas.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Tiazidas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Tiazidas e análogos.
Conducao
Conducao:Risco de hipotensão; pode alterar a capacidade de condução.
Dopping
Dopping:Dopping: Diuréticos e Agentes Mascarantes. Tiazidas. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Precauções Gerais
É muito importante que o seu Médico verifique o seu progresso em visitas regulares para se certificar de que a Hidroclorotiazida está a funcionar corretamente. Podem ser necessários exames de sangue e urina para verificar se há efeitos indesejáveis.

Fale com o seu Médico imediatamente se tiver algum dos seguintes sintomas enquanto estiver a tomar Hidroclorotiazida: convulsões ou ataques diminuição da urina; sonolência, boca seca, sede excessiva, aumento do ritmo cardíaco ou do pulso; dores musculares ou cãibras, náuseas ou vómitos, ou cansaço ou fraqueza incomuns. Estes podem ser sintomas de uma condição chamada de hipocalemia ou perda de potássio.

Suspenda o uso de Hidroclorotiazida e fale com o seu Médico imediatamente se tiver visão turva, dificuldade de leitura, dor nos olhos, ou qualquer outra alteração na visão durante ou após o tratamento. Este poderia ser um sinal de um problema ocular grave.

O seu Médico vai querer que seja observado por um um oftalmologista. A Hidroclorotiazida pode levar alguns pacientes a ficarem tontos. Não conduzir, utilizar máquinas, ou executar tarfeas que poderiam ser perigosas se ficar tonto ou menos alerta. A ingestão de bebidas alcoólicas também pode agravar as tonturas.

Enquanto estiver a tomar Hidroclorotiazida, ter o cuidado de limitar a quantidade de álcool que ingere. Antes de fazer quaisquer exames clínicos, informar o Médico responsável que está a tomar Hidroclorotiazida.

Os resultados de alguns testes (por exemplo, testes de função da paratireóide) podem ser afetados pela Hidroclorotiazida. Não tome outros medicamentos que não tenham sido discutidos com o seu Médico.

Isso inclui medicamentos sem receita para controle do apetite, asma, constipações, tosse, febre dos fenos, ou problemas de sinusite, uma vez que eles tendem a aumentar a pressão arterial.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.
Evite o excesso de sal / sódio a menos que instruído de outra forma pelo seu médico.
Evite alcaçuz natural.
Não tome cálcio, alumínio, magnésio ou suplementos de ferro dentro de 2 horas após a toma deste medicamento.
Aumentar a ingestão de potássio, adicione uma banana ou suco de laranja, a menos que instruído de forma diferente pelo clínico.
Tome com alimentos.
Terapêutica Interrompida
Se esquecer uma dose de Hidroclorotiazida, tome-a assim que possível. No entanto, se estiver quase na hora da sua próxima dose, salte a dose e volte ao seu esquema posológico regular. Não duplique doses.
Cuidados no Armazenamento
Hidroclorotiazida.
Conservar à temperatura ambiente, entre 20 e 25 graus C. Armazene longe do calor, humidade e luz. Não guarde na casa de banho. Mantenha Hidroclorotiazida fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Valsartan + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com VALSARTAN: Sem interações: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. Digoxina e indometacina podem interagir com a hidroclorotiazida.

Fosinopril + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outros: A biodisponibilidade do fosinopril não sofre alteração quando é administrado com ácido acetilsalicílico, clortalidona, cimetidina, digoxina, hidroclorotiazida, metoclopramida, nifedipina, propranolol, propantelina ou varfarina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Memantina + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Devido aos efeitos farmacológicos e ao mecanismo de ação da memantina, poderão ocorrer as seguintes interações: É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT), quando esta, ou qualquer combinação contendo hidroclorotiazida, são administradas concomitantemente com memantina.

Tenoxicam + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Não se verificaram interações entre Tenoxicam e a furosemida, mas Tenoxicam atenua o efeito hipotensor da hidroclorotiazida.
 Sem significado Clínico

Captopril + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: CAPTOPRIL: Diuréticos (tiazídicos ou diuréticos de ansa): O tratamento anterior com doses elevadas de diuréticos pode produzir a depleção de volume e um risco de hipotensão quando se inicia a terapêutica com captopril. Os efeitos hipotensores podem ser reduzidos pela interrupção do diurético, pelo aumento de volume ou ingestão de sal ou pelo início do tratamento com dose baixa de captopril. Contudo, não foram observadas interações medicamentosas clinicamente significativas nos estudos específicos com hidroclorotiazida ou furosemida.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.

Eprosartan + Hidroclorotiazida

Observações: Foi demonstrado in vitro que o eprosartan não inibe as isoenzimas CYP1A, 2A6, 2C9/8, 2C19, 2D6, 2E e 3A do citocromo P450 humano.
Interações: O eprosartan pode ser administrado concomitantemente com diuréticos tiazídicos (por ex. hidroclorotiazida) e bloqueadores dos canais de cálcio (por ex. nifedipina de libertação prolongada), sem evidência de interações adversas clinicamente significativas.

Dapagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na dapagliflozina: Estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, sugerem que a farmacocinética da dapagliflozina não é alterada pela metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR.

Empagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: Os dados in vitro sugerem que a via metabólica primária da empagliflozina em seres humanos é a glucuronidação, pelas uridina-5'-difosfato-glucuronil-transferases UGT1A3, UGT1A8, UGT1A9 e UGT2B7. A empagliflozina é um substrato dos transportadores de recaptação humanos OAT3, OATP1B1 e OATP1B3, mas não dos OAT1 e OCT2. A empagliflozina é um substrato da glicoproteína-P (P-gp) e da proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP). Estudos de interação, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, Ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida.

Aliscireno + Hidroclorotiazida

Observações: O aliscireno não inibe as isoenzimas CYP450 (CYP1A2, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 e 3A). O aliscireno não induz a CYP3A4. Assim não se espera que o aliscireno afete a exposição sistémica de substâncias que inibam, induzam ou sejam metabolizadas por estas enzimas. O aliscireno é pouco metabolizado pelas enzimas do citocromo P450. Assim, não são de esperar interações devidas a inibição ou indução das isoenzimas do citocromo CYP450.
Interações: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido, e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interações.

Oxihidróxido sucroférrico + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro com as seguintes substâncias ativas não revelaram qualquer interação significativa: cinacalcet, ciprofloxacina, clopidogrel, enalapril, hidroclorotiazida, metformina, metoprolol, nifedipina, pioglitazona e quinidina.

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Amlodipina / Valsartan e outros medicamentos.
Interações: Interações associadas ao VALSARTAN: Outras: Em monoterapia com valsartan não se verificaram interações clinicamente significativas com as seguintes substâncias: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.

Febuxostate + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Colquicina/indometacina/hidroclorotiazida/varfarina: O febuxostate pode ser coadministrado com colquicina ou indometacina sem que seja necessário qualquer ajuste do febuxostate ou da substância ativa administrada concomitantemente. Não é necessário ajuste da dose do febuxostate quando administrado com hidroclorotiazida. Não é necessário ajuste da dose da varfarina quando administrada com febuxostate. A administração de febuxostate (80 mg ou 120 mg uma vez por dia) com varfarina não teve qualquer efeito na farmacocinética da varfarina em indivíduos saudáveis. O INR e a atividade do Fator VII também não foram afetados pela administração concomitante de febuxostate.

Empagliflozina + Linagliptina + Hidroclorotiazida

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Empagliflozina / Linagliptinae outros medicamentos; contudo, foram realizados estudos desta natureza com as substâncias ativas individuais. Com base nos resultados dos estudos farmacocinéticos, não é recomendado qualquer ajuste posológico de Empagliflozina / Linagliptinaquando coadministrado com medicamentos habitualmente prescritos, exceto os mencionados à frente.
Interações: Interações farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: A empagliflozina é maioritariamente excretada na forma inalterada. Estudos de interação, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida.

Nebivolol + Hidroclorotiazida

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacocinéticas: A coadministração de álcool, furosemida ou hidroclorotiazida não afectou a farmacocinética do nebivolol.
 Sem significado Clínico

Amlodipina + Candesartan + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio ou outros medicamentos (por ex., heparina) pode aumentar os níveis de potássio. A monitorização do potássio deve ser realizada quando apropriado. As substâncias ativas investigadas nos estudos de farmacocinética clínica incluem a hidroclorotiazida, varfarina, digoxina, contracetivos orais (i.e., etinilestradiol/levonorgestrel), glibenclamida, nifedipina e enalapril. Não foram identificadas interações farmacocinéticas clinicamente significativas com estes medicamentos.

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida

Observações: Não foram realizados estudos de interação de Aliscireno + Amlodipina com outros medicamentos. Apresenta-se a informação conhecida sobre interações com outros medicamentos para as substâncias ativas individualmente. A administração conjunta de aliscireno e amlodipina não provoca alterações significativas na exposição farmacocinética no estado estacionário (AUC) e na concentração máxima (Cmax) de ambos os componentes em voluntários saudáveis.
Interações: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5- isossorbido, e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interações.

Canagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos na canagliflozina: O metabolismo da canagliflozina é principalmente efetuado via conjugação com glucuronido mediado pela enzima UDP glucuronil transferase 1A9 (UGT1A9) e 2B4 (UGT2B4). A canagliflozina é transportada pela glicoproteína-P (gp-P) e pela proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP). Os indutores enzimáticos (tais como a erva de São João [Hypericum perforatum], rifampicina, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, ritonavir, efavirenz) podem dar origem a uma diminuição da exposição da canagliflozina. Após a administração concomitante de canagliflozina com rifampicina (um indutor de vários transportadores ativos e enzimas metabolizadoras de fármacos), foram observadas reduções de 51% e 28% na exposição sistémica (AUC) e na concentração máxima (Cmax) de canagliflozina. Estas diminuições na exposição à canagliflozina podem diminuir a eficácia. Se um indutor combinado destas enzimas UGTs e de proteínas de transporte for administrado concomitantemente com canagliflozina, é apropriado efetuar a monitorização do controlo da glicemia para avaliar a resposta à canagliflozina. Se um indutor destas enzimas UGT for administrado concomitantemente com canagliflozina, deve-se considerar o aumento da dose para 300 mg uma vez ao dia em doentes que toleram 100 mg de canagliflozina uma vez ao dia, que apresentam uma TFGe ≥ 60 ml/min/1,73 m2 ou CrCl≥ 60 ml/min e necessitam de um controlo adicional da glicemia. Em doentes a tomar 100 mg de canagliflozina com uma TFGe de 45 ml/min/1,73 m2 a <60 ml/min/1,73 m2 ou CrCl de 45 ml/min a <60 ml/min, que estão a receber terapêutica concomitante com um indutor da enzima UGT e que requerem controlo glicémico adicional, devem ser consideradas outras terapêuticas hipoglicemiantes. A colestiramina pode reduzir potencialmente a exposição à canagliflozina. A dose de canagliflozina deve ser administrada pelo menos 1 hora antes ou 4 -6 horas após a administração de sequestradores de ácidos biliares de forma a minimizar uma possível interferência com a absorção. Os estudos de interação sugerem que a farmacocinética da canagliflozina não é alterada pela metformina, hidroclorotiazida, contracetivos orais (etinilestradiol e levonorgestrel), ciclosporina, e/ou probenecida. Efeitos da canagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação, a canagliflozina no estado estacionário não teve um efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, contracetivos orais (etinilestradiol e levonorgestrol), glibenclamida, paracetamol, hidroclorotiazida, ou varfarina.

Saxagliptina + Dapagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: Saxagliptina: O metabolismo da saxagliptina é mediado principalmente pelo citocromo P450 3A4/5 (CYP3A4/5). Dapagliflozina: O metabolismo da dapagliflozina é feito principalmente através de conjugação do glucuronido mediado pela UDP glucuroniltransferase 1A9 (UGT1A9).
Interações: A dapagliflozina não alterou significativamente a farmacocinética de saxagliptina, metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Estes medicamentos não alteraram a farmacocinética da dapagliflozina. Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, nos quais se utilizou principalmente o esquema de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona [um substrato do CYP2C8 (major) e CYP3A4 (minor)], sitagliptina, glimepirida (um substrato do CYP2C9), hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pela Razão Normalizada Internacional (RNI). A associação de uma dose única de dapagliflozina 20 mg e sinvastatina (um substrato do CYP3A4) resultou num aumento de 19% na AUC de sinvastatina e num aumento de 31% na AUC do ácido de sinvastatina. O aumento da exposição de sinvastatina e do ácido de sinvastatina não foram considerados clinicamente relevantes.

Diacereína + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Não foram descritas interações farmacológicas com varfarina, fenitoína, indometacina, ácido salicílico, glibenclamida e hidroclorotiazida.

Metformina + Canagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica farmacocinética com este medicamento. Contudo, tais estudos foram realizados com as substâncias ativas individuais (canagliflozina e metformina). A administração concomitante de canagliflozina (300 mg uma vez por dia) e metformina (2000 mg uma vez por dia) não teve um efeito clínico relevante sobre a farmacocinética quer da canagliflozina, quer da metformina.
Interações: CANAGLIFLOZINA Efeitos de outros medicamentos na canagliflozina: O metabolismo da canagliflozina é principalmente efetuado via conjugação com glucuronido mediada pela enzima UDP glucuronil transferase 1A9 (UGT1A9) e 2B4 (UGT2B4). A canagliflozina é transportada pela glicoproteína-P (gp-P) e pela proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP). Os estudos de interação sugerem que a farmacocinética da canagliflozina não é alterada pela metformina, hidroclorotiazida, contracetivos orais (etinilestradiol e levonorgestrel), ciclosporina, e/ou probenecida. CANAGLIFLOZINA Efeitos da canagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação, a canagliflozina no estado estacionário não teve um efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, contracetivos orais (etinilestradiol e levonorgestrol), glibenclamida, paracetamol, hidroclorotiazida ou varfarina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etofenamato + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Com a hidroclorotiazida pode diminuir a ação diurética desta e a sua eficácia antihipertensiva.

Sacubitril + Valsartan + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Sem interação significativa: Não foi observada nenhuma interação medicamentosa clinicamente significativa quando Sacubitril / Valsartan foi coadministrado com digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, amlodipina, omeprazol, carvedilol ou com a associação de levonorgestrel/etinilestradiol.

Candesartan + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Os compostos investigados nos estudos de farmacocinética clínica incluem a hidroclorotiazida, varfarina, digoxina, contracetivos orais (nomeadamente, etinilestradiol/levonorgestrel), glibenclamida, nifedipina e enalapril. Não foram identificadas quaisquer interações farmacocinéticas clinicamente significativas com estes medicamentos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Felodipina + Hidroclorotiazida

Observações: A felodipina é um substrato CYP3A4. Fármacos que induzam ou inibam o CYP3A4, terão grande influência na concentração da felodipina.
Interações: A hidroclorotiazida pode aumentar o efeito anti-hipertensor da felodipina.

Topiramato + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outras interações medicamentosas: Hidroclorotiazida (HCTZ): Um estudo de interacção medicamentosa conduzido em voluntários saudáveis avaliou a farmacocinética no estado de equilíbrio de HCTZ (25 mg de 24 em 24 horas) e topiramato (96 mg de 12 em 12 horas) quando administrada em monoterapia e concomitantemente. Os resultados deste estudo indicam que a Cmax do topiramato aumentou em 27% e a AUC aumentou em 29% quando a HCTZ foi adicionada ao topiramato. Desconhece-se qual é a significância clínica desta alteração. A adição de HCTZ à terapêutica com topiramato pode exigir um ajuste da dose deste último. A farmacocinética no estado de equilíbrio de HCTZ não foi significativamente influenciada pela administração concomitante de topiramato. Os resultados das análises clínicas indicaram diminuições do potássio sérico após a administração de topiramato ou de HCTZ, que foram maiores quando a HCTZ e o topiramato foram administrados em associação.

Empagliflozina + Metformina + Hidroclorotiazida

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de empagliflozina e metformina não altera significativamente a farmacocinética da empagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interação com Empagliflozina/Metformina.
Interações: EMPAGLIFLOZINA: Interações farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: Estudos de interação, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pirbuterol + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos (por exemplo, furosemida, hidroclorotiazida) porque o risco de níveis baixos de potássio no sangue pode ser aumentado.

Metformina + dapagliflozina + Hidroclorotiazida

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de dapagliflozina e metformina não alterou significativamente o perfil farmacocinético quer da dapagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interação para Metformina / dapagliflozina. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: DAPAGLIFLOZINA: Interações farmacocinéticas: O metabolismo da dapagliflozina é principalmente via conjugação do glicuronídeo mediado pela UDP-glicuronosiltransferase 1A9 (UGT1A9). Em estudos in vitro, a dapagliflozina não inibiu o citocromo P450 (CYP) 1A2, CYP2A6, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP3A4, nem induziu o CYP1A2, CYP2B6 ou CYP3A4. Assim, não é esperado que este medicamento altere a depuração metabólica de medicamentos administrados concomitantemente e que são metabolizados por estas enzimas. Efeitos de outros medicamentos na dapagliflozina: Estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, sugerem que a farmacocinética da dapagliflozina não é alterada pela pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR (Razão Internacional Normalizada).

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interações: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interações.

Irbesartan + Hidroclorotiazida

Observações: O irbesartan é principalmente metabolizado pelo CYP2C9 e em menor extensão pela glucuronidação.
Interações: Nos estudos clínicos a farmacocinética do irbesartan não é afetada pela hidroclorotiazida.

Irbesartan + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Informações adicionais sobre as interações do IRBESARTAN: Nos estudos clínicos a farmacocinética do irbesartan não é afectada pela hidroclorotiazida.
 Sem significado Clínico

Teriparatida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Teriparatida foi avaliado em estudos de interação farmacodinâmica com hidroclorotiazida. Não foram notadas quaisquer interações clínicas significativas.

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacocinéticas: NEBIVOLOL: A administração concomitante de álcool, furosemida ou hidroclorotiazida não afetou a farmacocinética do nebivolol.

Isradipina + Hidroclorotiazida

Observações: A isradipina não parece inibir as enzimas do citocromo P450, em particular CYP3A4, numa extensão clínica significativa. A ingestão concomitante de sumo de toranja pode aumentar a biodisponibilidade da isradipina.
Interações: A farmacocinética da isradipina não é modificada pela administração concomitante de digoxina, propranolol, varfarina, hidroclorotiazida ou ciclosporina. A isradipina não afeta a farmacocinética da digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, diclofenac, teofilina, triazolam ou ciclosporina.

Rosuvastatina + Valsartan + Hidroclorotiazida

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Rosuvastatina / Valsartan e outros medicamentos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos. A extensão das interações na população pediátrica não é conhecida.
Interações: Precaução recomendada no uso concomitante: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.

Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: a depuração renal do lítio é diminuída pelas tiazidas, pelo que o risco de toxicidade do lítio pode ser aumentado pela hidroclorotiazida. A administração concomitante de lítio e hidroclorotiazida não é recomendada. Se esta associação for realmente necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis de lítio sérico durante o uso concomitante.

Hidroclorotiazida + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que podem induzir torsades de pointes: Devido ao risco de hipocaliemia, a hidroclorotiazida deverá ser administrada com precaução quando associada com medicamentos que possam induzir torsades de pointes, em particular antiarrítmicos Classe Ia e Classe III e alguns antipsicóticos.

Hidroclorotiazida + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que podem induzir torsades de pointes: Devido ao risco de hipocaliemia, a hidroclorotiazida deverá ser administrada com precaução quando associada com medicamentos que possam induzir torsades de pointes, em particular antiarrítmicos Classe Ia e Classe III e alguns antipsicóticos.

Hidroclorotiazida + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que podem induzir torsades de pointes: Devido ao risco de hipocaliemia, a hidroclorotiazida deverá ser administrada com precaução quando associada com medicamentos que possam induzir torsades de pointes, em particular antiarrítmicos Classe Ia e Classe III e alguns antipsicóticos. Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: O efeito hiponatrémico dos diuréticos pode ser intensificado através da administração concomitante de medicamentos tais como antidepressivos, antipsicóticos, antiepiléticos, etc. É necessária precaução na administração prolongada destes medicamentos.

Hidroclorotiazida + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: O efeito hiponatrémico dos diuréticos pode ser intensificado através da administração concomitante de medicamentos tais como antidepressivos, antipsicóticos, antiepiléticos, etc. É necessária precaução na administração prolongada destes medicamentos.

Hidroclorotiazida + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: O efeito hiponatrémico dos diuréticos pode ser intensificado através da administração concomitante de medicamentos tais como antidepressivos, antipsicóticos, antiepiléticos, etc. É necessária precaução na administração prolongada destes medicamentos.
 Sem significado Clínico

Hidroclorotiazida + Vasopressores

Observações: N.D.
Interações: Aminas pressoras (p. ex. noradrenalina, adrenalina): A hidroclorotiazida pode reduzir a resposta às aminas pressoras tais como noradrenalina. O significado clínico deste efeito é incerto e não é suficiente para impedir a sua utilização.
 Sem significado Clínico

Hidroclorotiazida + Noradrenalina

Observações: N.D.
Interações: Aminas pressoras (p. ex. noradrenalina, adrenalina): A hidroclorotiazida pode reduzir a resposta às aminas pressoras tais como noradrenalina. O significado clínico deste efeito é incerto e não é suficiente para impedir a sua utilização.
 Sem significado Clínico

Hidroclorotiazida + Adrenalina

Observações: N.D.
Interações: Aminas pressoras (p. ex. noradrenalina, adrenalina): A hidroclorotiazida pode reduzir a resposta às aminas pressoras tais como noradrenalina. O significado clínico deste efeito é incerto e não é suficiente para impedir a sua utilização.

Hidroclorotiazida + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Digoxina ou outros glicosidos digitálicos: Podem ocorrer, como efeitos indesejáveis, hipocaliemia ou hipomagnesemia induzidas pelas tiazidas, favorecendo o aparecimento de arritmias cardíacas induzidas pelos digitálicos.

Hidroclorotiazida + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: Digoxina ou outros glicosidos digitálicos: Podem ocorrer, como efeitos indesejáveis, hipocaliemia ou hipomagnesemia induzidas pelas tiazidas, favorecendo o aparecimento de arritmias cardíacas induzidas pelos digitálicos.

Hidroclorotiazida + Cálcio

Observações: N.D.
Interações: Vitamina D e sais de cálcio: A administração de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, com vitamina D ou com sais de cálcio pode potenciar o aumento do cálcio sérico. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos poderá levar a hipercalcemia em doentes predispostos a hipercalcemia (p. ex. hiperparatiroidismo, doenças mediadas pela vitamina D ou malígnas) através do aumento de reabsorção tubular de cálcio.

Hidroclorotiazida + Vitaminas D

Observações: N.D.
Interações: Vitamina D e sais de cálcio: A administração de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, com vitamina D ou com sais de cálcio pode potenciar o aumento do cálcio sérico. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos poderá levar a hipercalcemia em doentes predispostos a hipercalcemia (p. ex. hiperparatiroidismo, doenças mediadas pela vitamina D ou malígnas) através do aumento de reabsorção tubular de cálcio.

Hidroclorotiazida + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.

Hidroclorotiazida + Metformina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (p. ex. insulina e fármacos antidiabéticos orais): As tiazidas podem alterar a tolerância à glucose. Pode ser necessário ajuste posológico do medicamento antidiabético. A metformina deve ser utilizada com precaução devido ao risco de acidose láctica induzida por possível insuficiência renal funcional relacionada com a hidroclorotiazida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores beta e diazóxido: O uso concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, com bloqueadores beta, pode aumentar o risco de hiperglicemia. Os diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, podem aumentar o efeito hiperglicémico do diazóxido.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Diazóxido

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores beta e diazóxido: O uso concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, com bloqueadores beta, pode aumentar o risco de hiperglicemia. Os diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, podem aumentar o efeito hiperglicémico do diazóxido.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Uricosúricos (gota) (Antigotosos)

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Probenecida

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Sulfimpirazona

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Anticolinérgicos

Observações: N.D.
Interações: Fármacos anticolinérgicos e outros medicamentos que afetem a motilidade gástrica: A biodisponibilidade dos diuréticos de tipo tiazídico pode ser aumentada por fármacos anticolinérgicos (p. ex. atropina, biperideno) aparentemente devido a uma redução da motilidade gastrointestinal e da taxa de esvaziamento gástrico. Por outro lado, prevê-se que substâncias procinéticas tais como cisaprida podem diminuir a biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Atropina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos anticolinérgicos e outros medicamentos que afetem a motilidade gástrica: A biodisponibilidade dos diuréticos de tipo tiazídico pode ser aumentada por fármacos anticolinérgicos (p. ex. atropina, biperideno) aparentemente devido a uma redução da motilidade gastrointestinal e da taxa de esvaziamento gástrico. Por outro lado, prevê-se que substâncias procinéticas tais como cisaprida podem diminuir a biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Biperideno

Observações: N.D.
Interações: Fármacos anticolinérgicos e outros medicamentos que afetem a motilidade gástrica: A biodisponibilidade dos diuréticos de tipo tiazídico pode ser aumentada por fármacos anticolinérgicos (p. ex. atropina, biperideno) aparentemente devido a uma redução da motilidade gastrointestinal e da taxa de esvaziamento gástrico. Por outro lado, prevê-se que substâncias procinéticas tais como cisaprida podem diminuir a biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Cisaprida

Observações: N.D.
Interações: Fármacos anticolinérgicos e outros medicamentos que afetem a motilidade gástrica: A biodisponibilidade dos diuréticos de tipo tiazídico pode ser aumentada por fármacos anticolinérgicos (p. ex. atropina, biperideno) aparentemente devido a uma redução da motilidade gastrointestinal e da taxa de esvaziamento gástrico. Por outro lado, prevê-se que substâncias procinéticas tais como cisaprida podem diminuir a biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Amantadina

Observações: N.D.
Interações: Amantadina: As tiazidas, incluindo a hidroclorotiazida, podem aumentar o risco de reações adversas causadas pela amantadina.

Hidroclorotiazida + Resinas permutadoras de iões

Observações: N.D.
Interações: Resinas de troca de iões: A absorção dos diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, é reduzida por colestiramina ou colestipol. Isto pode resultar em efeitos sub-terapêuticos dos diuréticos tiazídicos. Porém, o escalonamento da dosagem de hidroclorotiazida e resina de forma a que a hidroclorotiazida seja administrada pelo menos 4 horas antes ou 4-6 horas após a administração de resinas irá potencialmente minimizar a interação.

Hidroclorotiazida + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: Resinas de troca de iões: A absorção dos diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, é reduzida por colestiramina ou colestipol. Isto pode resultar em efeitos sub-terapêuticos dos diuréticos tiazídicos. Porém, o escalonamento da dosagem de hidroclorotiazida e resina de forma a que a hidroclorotiazida seja administrada pelo menos 4 horas antes ou 4-6 horas após a administração de resinas irá potencialmente minimizar a interação.

Hidroclorotiazida + Colestipol

Observações: N.D.
Interações: Resinas de troca de iões: A absorção dos diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, é reduzida por colestiramina ou colestipol. Isto pode resultar em efeitos sub-terapêuticos dos diuréticos tiazídicos. Porém, o escalonamento da dosagem de hidroclorotiazida e resina de forma a que a hidroclorotiazida seja administrada pelo menos 4 horas antes ou 4-6 horas após a administração de resinas irá potencialmente minimizar a interação.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Citotóxicos

Observações: N.D.
Interações: Fármacos citotóxicos: As tiazidas, incluindo a hidroclorotiazida, podem reduzir a excreção renal de fármacos citotóxicos (p. ex. ciclofosfamida, metotrexato) e potenciar os seus efeitos mielosupressores.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Ciclofosfamida

Observações: N.D.
Interações: Fármacos citotóxicos: As tiazidas, incluindo a hidroclorotiazida, podem reduzir a excreção renal de fármacos citotóxicos (p. ex. ciclofosfamida, metotrexato) e potenciar os seus efeitos mielosupressores.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Metotrexato

Observações: N.D.
Interações: Fármacos citotóxicos: As tiazidas, incluindo a hidroclorotiazida, podem reduzir a excreção renal de fármacos citotóxicos (p. ex. ciclofosfamida, metotrexato) e potenciar os seus efeitos mielosupressores.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Relaxantes musculares

Observações: N.D.
Interações: Relaxantes musculares esqueléticos não-despolarizantes: As tiazidas, incluindo a hidroclorotiazida, potenciam a ação de relaxantes musculares tais como os derivados do curare.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com substâncias que também têm um efeito de redução da pressão arterial (p. ex. através da redução da atividade simpática do sistema nervoso central ou de vasodilatação direta) podem potenciar hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com substâncias que também têm um efeito de redução da pressão arterial (p. ex. através da redução da atividade simpática do sistema nervoso central ou de vasodilatação direta) podem potenciar hipotensão ortostática.

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, fenofibrato, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido, digoxina, metformina, amlodipina, atorvastatina, cimetidina e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interações clinicamente relevantes. Consequentemente não é necessário ajuste posológico do aliscireno ou destes medicamentos administrados concomitantemente.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com substâncias que também têm um efeito de redução da pressão arterial (p. ex. através da redução da atividade simpática do sistema nervoso central ou de vasodilatação direta) podem potenciar hipotensão ortostática.

Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica que ocorreram com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.

Hidroclorotiazida + Agentes/Meios de Contraste

Observações: N.D.
Interações: Agentes iodados de contraste: Em caso de desidratação induzida por diuréticos, existe risco acrescido de insuficiência renal aguda especialmente com doses altas do produto iodado. Os doentes devem ser rehidratados antes da administração.

Valsartan + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tolazamida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Os bloqueadores dos canais de cálcio (por exemplo, diltiazem), corticosteróides (por exemplo, prednisona), descongestionantes (por exemplo, pseudoefedrina), diazóxido, diuréticos (por exemplo, furosemida, hidroclorotiazida), estrogénios, contraceptivos hormonais (por exemplo, comprimidos anticoncepcionais), isoniazida, niacina, Fenotiazinas (por exemplo, prometazina), fenitoína, rifamicinas (por exemplo, rifampicina), simpaticomiméticos (por exemplo, albuterol, epinefrina, terbutalina) ou suplementos de tireóide (por exemplo, levotiroxina), porque podem diminuir a eficácia da tolazamida, resultando em níveis elevados de açúcar no sangue.

Amlodipina + Telmisartan + Hidroclorotiazida

Observações: Os efeitos hipotensores da amlodipina são aditivos a efeitos de outros medicamentos com propriedades hipotensoras
Interações: Utilizações concomitantes que requerem precaução: O tratamento anterior com doses elevadas de diuréticos como a furosemida (diurético da ansa) e a hidroclorotiazida (diurético tiazídico) pode resultar em depleção do volume, e em risco de hipotensão quando iniciada a terapia com telmisartan.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Instruir o paciente para tomar a medicação no início de dia com alimentos ou leite.

– Instruir o paciente para monitorizar o peso diariamente.

– Aconselhar o paciente a evitar a exposição à luz solar e usar protetor solar ou roupas de proteção para evitar reações de fotossensibilidade.

– Instrua os pacientes diabéticos denunciar o aumento dos níveis de glicose no sangue ao Prestador de Cuidados de Saúde.

– Avisar o paciente para evitar a ingestão de bebidas alcoólicas.

– Avisar o paciente para se levantar lentamente da posição deitado ou sentado e deitar-se se tiver visão turva ou tonturas.

– Diga o paciente para relatar os seguintes sintomas ao Médico: visão turva, diminuição da diurese, tontura, distúrbios gastrointestinais, icterícia, dores musculares, náuseas, fraqueza.

– Instruir o paciente para beber de 2 a 3 litros de líquidos por dia, salvo conselhado contrário do médico.

– Avisar o paciente de que o fármaco pode causar tonturas e visão turva e ter cuidado ao dirigir ou executar outras tarefas que requeiram agilidade mental e acuidade visual.

– Informe o paciente de que o efeito terapêutico pode demorar 2 a 3 semanas.

Dopping: Diuréticos e Agentes Mascarantes. Tiazidas. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017