Glicirrizina (alcaçuz)

O que é
A glicirrizina (ou ácido glicirrízico ou ácido glicirrízico) é o principal constituinte de sabor adocicado da raiz de Glycyrrhiza glabra (alcaçuz).

Nome Popular: Alcaçuz
Nome Científico: Glycyrrhiza glabra
Nome Farmacêutico: Radix glycyrrhizae

A glicirrizina é um glicosídio doce que se encontra no alcaçuz sob a forma de sais de potássio, cálcio e magnésio solúveis em água.


Existem cerca de 20 espécies diferentes de alcaçuz crescendo por partes da Europa, Ásia, América do Norte, América do Sul, e Austrália. A planta exibe tipicamente pequenas folhas pontiagudas, e inflorescências. Outro nome comum da planta é raiz-doce, qual provém do nome original da planta em grego, glukos riza.

O ingrediente activo do alcaçuz, a glicirrizina, é 50 vezes mais doce do que o açúcar, mas deixa um sabor na boca.

O ácido glicirrízico é um agente anti-inflamatório amplamente utilizado isolado da raiz de alcaçuz.

Inibe as deshidrogenases de 11-Beta-Hidroxisteróide e outras enzimas envolvidas no metabolismo de corticoteróides.

Portanto, o ácido glicirrízico, que é o componente principal e doce do alcaçuz, tem sido investigado por sua capacidade de causar hipermineralocorticóides com retenção de sódio e perda de potássio, edema, aumento da pressão arterial, bem como depressão do sistema renina-angiotensina-aldosterona.

É um composto de tipo saponina que fornece o principal sabor doce para Glycyrrhiza glabra (alcaçuz), com potenciais actividades imunomoduladoras, anti-inflamatórias, hepatógenas e neuro-protectoras e antineoplásicas.
Glicirrizina modula certas enzimas envolvidas na inflamação, protegendo assim os danos induzidos pela inflamação e oxigénio reativo (ROS).

A Glicirrizina também pode suprimir o crescimento de células tumorais susceptíveis.
Usos comuns
Tem um amplo espectro de actividade antiviral in vitro contra:
Vírus Herpes simplex, que também foi confirmado in vivo.
Influenzavírus (incluindo H5N1)
Varicella zoster virus
Coronavírus SARS
HIV
Vírus da hepatite A
Vírus da hepatite B
Vírus da hepatite C
Vírus da hepatite E
Vírus de Epstein Barr
Citomegalovírus humano
Flavivirus
Vírus da encefalite japonesa
Tipo
Sem informação.
História
A planta alcaçuz de nome científico (Glycyrrhiza Glabra) foi usada terapeuticamente na Roma e China Antigas, sobretudo para queixas respiratórias e aflições intestinais.

Desde então, as raízes da planta têm sido usadas para tratar estes e outros mais problemas, com uma crescente montanha de evidências científicas apoiando as suas aplicações.
Indicações
Bronquite, tosse, inflamação das membranas mucosas, doenças respiratórias, inflamação do estômago, úlceras.
Doença de Addison, artrite, asma, cataratas, cáries, doença do sistema nervoso central, síndrome de fadiga crónica, obstipação, congestão, diabetes, encefalite, gripe, rinite alérgica, problemas de vesícula biliar, hepatite, herpes, VIH, indigestão, doenças renais, líquen plano, lúpus, malária, comer excessivamente, síndrome de ovário policístico, hipertrofia benigna da próstata, retinopatia, garganta inflamada, aftas infantis, tuberculose, infecções no tracto urinário, vaginite e candidíase.

Usos tradicionais: apendicite, furúnculos, aftas, cólicas, prisão de ventre, tísica, cãibras, depressão, difteria, tonturas, dores de ouvidos, eczema, epilepsia, inflamação dos olhos, fibromialgia, azia, doenças cardiovasculares, hemorróidas, pedra nos rins, falta de apetite, dores menstruais, inflamação oral, mordeduras de cobra, tétano, hepatite viral.
Classificação CFT

N.D.

Mecanismo De Ação
Inibe a enzima 11β-hidroxiesteróide desidrogenase, o que provavelmente contribui para a sua actividade anti-inflamatória e mineralocorticóide.
Posologia Orientativa
Conforme prescrição médica.
Administração
Vias Oral e intravenosa.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Glicirrizina.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos secundários mais amplamente divulgados do uso de glicirrizina são a retenção de líquidos.
Esses efeitos estão relacionados à inibição do metabolismo do cortisol no rim e à estimulação subsequente dos receptores mineralocorticóides.

Outros efeitos secundários incluem:
Dor de cabeça
Paralisia
Perda visual transitória
Torsades de pointes
Taquicardia
Parada cardíaca
Hipopotasemia
Testosterona Reduzida
Nascimento prematuro
Insuficiência renal aguda
Fraqueza muscular
Miopatia
Mioglobinúria
Rabdomiólise
Aumento do peso corporal
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Se tomar mais do que 50 mg de raiz de alcaçuz por dia pode elevar a tensão arterial, baixar os níveis de potássio, e provocar a retenção de líquidos, entre outros problemas.
Tomando em consideração estes problemas potenciais, não deve tomar a planta se tiver hipertensão, problemas nos rins ou no fígado, diabetes ou doença cardíaca.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Não utilizar uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Cassia angustifolia (fruto) + Ispagula (mucilagem) + Plantago ovata (sementes) + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: N.D.
Interacções: O uso concomitante com outros fármacos indutores de hipocaliemia (por exemplo diuréticos tiazídicos os adrenocorticóides e a raiz de alcaçuz), pode fomentar o desequiliíbrio electrolítico. A absorção entérica de preparados administrados em concomitância pode ser retardada. - Glicirrizina (alcaçuz)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piretanida + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: N.D.
Interacções: Quando Piretanida for administrado simultaneamente com hormonas que afetem o equilíbrio eletrolítico (corticosteróides), laxantes ou carbenoxolonas, ou nos casos onde o alcaçuz (erva medicinal) é frequentemente consumido, a capacidade desses fármacos provocarem hipopotassemia deve ser considerada. O efeito anti-hipertensivo de outros medicamentos pode ser aumentado. - Glicirrizina (alcaçuz)
Usar com precaução

Prednisona + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: N.D.
Interacções: Alcaçuz: É possível a inibição do metabolismo dos glucocorticoides. - Glicirrizina (alcaçuz)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metilprednisolona + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: N.D.
Interacções: Os efeitos desejados de agentes hipoglicémicos (incluindo a insulina), dos anti-hipertensivos e dos diuréticos, são antagonizados por corticosteróides e os efeitos hipocalémicos da acetazolamida, dos diuréticos, dos diuréticos tiazídicos e da glicirrizina são aumentados. - Glicirrizina (alcaçuz)
Usar com precaução

Furazolidona + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: N.D.
Interacções: O uso de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos pode causar um aumento do risco de alguns efeitos secundários. - Acarbose - Albiglutido - Alogliptina - Bromocriptina - Canagliflozina - Clorpropamida - Dapagliflozina - Dulaglutido - Empagliflozina - Exenatido - Ginseng - Glimepirida - Glipizida - Gliburida - Insulina - Insulina Aspart, Recombinante - Insulina Bovina - Insulina Degludec - Insulina Detemir - Insulina Glulisine - Insulina Lispro, Recombinante - Linagliptina - Liraglutido - Lixisenatido - Metformina - Miglitol - Nateglinida - Pioglitazona - Pramlintida - Repaglinida - Rosiglitazona - Saxagliptina - Sitagliptina - Tolazamida - Tolbutamida - Vildagliptina - Glicirrizina (alcaçuz)
Usar com precaução

Prednisona + Tetraciclina + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: n.d.
Interacções: interacções da PREDNISONA: Alcaçuz: É possível a inibição do metabolismo dos glucocorticoides. - Glicirrizina (alcaçuz)
Usar com precaução

Ramipril + Hidroclorotiazida + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: n.d.
Interacções: Precauções de utilização: Corticosteróides, ACTH, anfotericina B, carbenoxolona, quantidades elevadas de alcaçuz, laxantes (em caso de utilização prolongada), e outros caliuréticos ou agentes poupadores do potássio plasmático: aumento do risco da hipocaliemia. - Glicirrizina (alcaçuz)
Usar com precaução

Cloreto de potássio + Furosemida + Glicirrizina (alcaçuz)

Observações: n.d.
Interacções: Medicamento – Medicamento Associações a considerar Corticosteróides, carbenoxolona, alcaçuz e laxantes O uso concomitante de furosemida com corticosteróides, carbenoxolona e alcaçuz em grandes quantidades e o uso prolongado de laxantes, pode aumentar o risco de desenvolvimento de hipopotassemia. - Glicirrizina (alcaçuz)
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Glicirrizina (alcaçuz)
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 05 de Março de 2021