Formoterol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução DCI com Advertência no Dopping
O que é
O Formoterol é uma beta2-agonista de longa duração (12 horas), utilizado no tratamento de asma e / ou doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).

O Formoterol funciona como outros beta2-agonistas, causando broncodilatação através do relaxamento do músculo liso das vias aéreas, de modo a tratar a exacerbação da asma.
Usos comuns
O Formoterol é usado juntamente com outros medicamentos (tais como corticosteróides inalados) para tratar a asma e evitar broncoespasmo em pacientes com asma.

Quando usado diariamente, com regularidade, o Formoterol inalado diminui o número e a gravidade dos ataques de asma. No entanto, não vai aliviar um ataque de asma que já teve início.

O Formoterol também é usado para tratar os sintomas da doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), incluindo bronquite crónica e o enfisema.

O Formoterol pertence à família de medicamentos conhecidos como broncodilatadores-adrenérgicos.

Os broncodilatadores adrenérgicos são medicamentos que são inalados através da boca para abrir os brônquios (vias aéreas) nos pulmões.

Aliviar a tosse, falta de ar e respiração agitada, aumentando o fluxo de ar através dos brônquios.

O Formoterol também é usado para prevenir a pieira causada pelo exercício (broncoespasmo induzido pelo exercício ou BEI).

O Formoterol só está disponível sob prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Profilaxia e tratamento da broncoconstrição em doentes com asma.

Profilaxia do broncospasmo induzido por inalação de alergénios, ar frio ou exercício.
Classificação CFT

5.1.1 : Agonistas adrenérgicos beta

Mecanismo De Ação
Os efeitos farmacológicos dos agonistas beta2-adrenocetores, incluindo o Formoterol, são, pelo menos em parte, devido à estimulação da guanilato ciclase intracelular, a enzima que catalisa a conversão da adenosina trifosfato (ATP) para cíclica-3 ', 5'-monofosfato de adenosina (AMP cíclico).

Níveis aumentados de AMP cíclico provocam o relaxamento do músculo liso brônquico e inibe a libertação de mediadores pró-inflamatórios de mastócitos, tais como a histamina e os leucotrienos.

O Formoterol também inibe a histamina induzida pela extravasão do plasma da albumina em cobaias anestesiadas e inibe o influxo induzido pelo alérgeno de eosinófilos em cães com hiperatividade do tracto respiratório.

A relevância destes achados em animais e in vitro para os seres humanos é desconhecida.
Posologia Orientativa
Manutenção terapêutica regular da asma: 1 a 2 cápsulas para inalação (12 a 24 μg), duas vezes por dia.

Profilaxia do broncospasmo induzido por exercício ou antes de exposição inevitável a um alergénio conhecido: 1 cápsula para inalação (12 μg), inalada cerca de 15 minutos antes da exposição. Nos doentes com asma grave, poderão ser necessárias 2 cápsulas por inalação (24 μg).

Crianças com idade igual ou superior a 5 anos
Asma
Terapêutica de manutenção: 1 cápsula para inalação (12 μg), duas vezes por dia.
Profilaxia do broncospasmo induzido por exercício ou antes de exposição inevitável a um alergénio conhecido: 1 cápsula para inalação (12 μg), inalada cerca de 15 minutos antes da exposição.
Administração
O Formoterol é administrado por inalação através de um dispositivo bucal. As cápsulas não devem ser ingeridas.
As cápsulas apenas devem ser retiradas do blister imediatamente antes da sua utilização.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Formoterol.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Afeções musculosqueléticas e dos tecido conjuntivos.
Ocasionalmente: tremores.
Raramente: cãibras, mialgias.

Cardiopatias
Ocasionalmente: palpitações.
Raramente: taquicardia.

Doenças do sistema nervoso
Ocasionalmente: cefaleias.
Raramente: agitação, tonturas, ansiedade, nervosismo, insónia.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino
Raramente: broncospasmo com agravamento.

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Raramente: irritação orofaríngea.

Outros
Em casos isolados: reações de hipersensibilidade, tais como hipotensão grave, urticária, angioedema, prurido, exantema, edema periférico, alteração do paladar e náuseas.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Em experimentação animal provocou perdas de implantação e redução da sobrevivência numa fase precoce pósnatal e do peso à nascença. Só deverá usar- se durante a gravidez após ponderar convenientemente a situação, em especial nos 3 primeiros meses e pouco antes do parto. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º e 3º
Aleitamento
Aleitamento:Evitar.
Dopping
Dopping:Beta-2 Agonistas. Exepto: quando administrado por via inalatória (máximo de 54 microgramas num período de 24 horas. A presença do formoterol numa concentração superior a 40 ng/mL faz presumir que não se trata de um uso terapêutico da substância e será considerada como um resultado analítico positivo a não ser que o praticante desportivo prove, através de um estudo farmacocinético controlado, que o resultado anormal foi a consequência de uma utilização terapêutica administrada por via inalatória dentro dos limites máximos acima indicados. Diuréticos e Agentes Mascarantes. O uso Em Competição e Fora de Competição, conforme aplicável, de qualquer quantidade das seguintes substâncias sujeitas a um valor limite de deteção: formoterol, salbutamol, catina, efedrina, metilefedrina e pseudoefedrina, associado com um diurético ou outro agente mascarante, requer a obtenção de uma Autorização de Utilização Terapêutica especificamente para essa substância, para além da obtida para o diurético ou outro agente mascarante.
Condução
Condução:Os doentes que experimentem tonturas ou outros efeitos indesejáveis semelhantes devem ser aconselhados a evitar conduzir.
Precauções Gerais
Se estiver igualmente em tratamento com um anti-inflamatório:
Na generalidade, os doentes asmáticos que requerem tratamento regular com um agonista devem ser igualmente tratados com doses regulares e adequadas de um agente anti-inflamatório inalado (por exemplo corticosteróides e/ou, na criança, cromoglicato de sódio) ou corticosteróides orais.

Sempre que o Formoterol for prescrito, os doentes devem ser avaliados quanto à adequabilidade da terapêutica anti-inflamatória a que são submetidos.

Os doentes devem ser aconselhados a manter inalterada a terapêutica anti-inflamatória, mesmo após melhoria dos sintomas.

A persistência dos sintomas ou o aumento do número de doses de Formoterol necessárias para controlo dos sintomas, indica geralmente um agravamento da patologia subjacente, tornando necessária uma reavaliação médica da terapêutica asmática.

Se tiver alguma das patologias a seguir indicadas:
Nos doentes tratados com Formoterol são necessários cuidados e monitorização especiais, com ênfase especial para os limites de dosagem, sempre que possam existir as seguintes patologias: doença cardíaca isquémica, arritmias cardíacas, em especial bloqueio auriculoventricular de terceiro grau, descompensação cardíaca grave, estenose subvalvular aórtica idiopática, cardiomiopatia obstrutiva hipertrófica, tirotoxicose, suspeita ou diagnóstico de prolongamento do intervalo QT (QTc > 0,44 segundos).

Se for diabético:
Dado o efeito hiperglicémico dos estimulantes beta-2, recomendam-se monitorizações adicionais da glicémia nos doentes diabéticos.

Em casos de asma grave / hipocaliemia:
A terapêutica com agonistas beta-2 pode provocar hipocaliemia potencialmente grave.

Recomenda-se precaução especial na asma grave, uma vez que este efeito pode ser potenciado pela hipóxia e pela terapêutica concomitante.

Nestas situações, recomenda-se a monitorização dos níveis de potássio sérico.

No caso de broncospasmo paradoxal:
Tal como em qualquer terapêutica inalada, o potencial para broncospasmo paradoxal deve ser tido em conta.

Caso ocorra, o tratamento deve ser imediatamente interrompido e substituído por uma terapêutica alternativa.

Se sentir dificuldade em respirar ou se sentir pieira durante a utilização de Formoterol, deve continuar a utilizar este medicamento mas deverá consultar o seu médico o mais brevemente possível, pois poderá necessitar de tratamento adicional.

Uma vez a asma controlada, o seu médico pode considerar a redução gradual da dose de Formoterol.
Cuidados com a Dieta
Não são conhecidas interações entre o Formoterol e alimentos ou bebidas.
Terapêutica Interrompida
Retome a administração do medicamento logo que seja possível; no entanto, não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Não conservar acima de 25ºC. Conservar na embalagem de origem.
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Beclometasona + Formoterol + Formoterol

Observações: O dipropionato de beclometasona sofre um metabolismo rápido via enzimas estearase sem envolvimento do sistema citocrómio P450.
Interações: Por outro lado, o uso concomitante de outros fármacos beta adrenérgicos pode ter, potencialmente, efeitos aditivos, pelo que é requerida precaução quando são prescritos concomitantemente com formoterol, teofilina ou outros fármacos beta-adrenérgicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Antihistamínicos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Terfenadina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Astemizol

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Mizolastina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Antiarrítmicos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Quinidina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Disopiramida

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Procainamida

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Eritromicina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.

Formoterol + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos. Nos doentes que estão a ser tratados com inibidores da monoaminoxidasese ou antidepressivos tricíclicos a administração de Formoterol deve efetuar-se com precaução, uma vez que a ação dos estimulantes ß2-adrenérgicos sobre o sistema cardiovascular pode ser potenciada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Simpaticomiméticos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: A administração concomitante de outras substâncias simpaticomiméticas, como outros agonistas β 2 ou efedrina, pode potenciar os efeitos indesejáveis do Formoterol e exigir a titulação da dose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Beta agonistas

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: A administração concomitante de outras substâncias simpaticomiméticas, como outros agonistas β 2 ou efedrina, pode potenciar os efeitos indesejáveis do Formoterol e exigir a titulação da dose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Efedrina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: A administração concomitante de outras substâncias simpaticomiméticas, como outros agonistas β 2 ou efedrina, pode potenciar os efeitos indesejáveis do Formoterol e exigir a titulação da dose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O uso simultâneo de formoterol e teofilina pode resultar numa potenciação mútua dos efeitos, sendo igualmente provável observar-se o aumento dos efeitos indesejáveis, tais como as disrritmias cardíacas.

Formoterol + Levodopa

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os compostos que, por si só, potenciam os efeitos simpaticomiméticos, como L-dopa, L-tiroxina, oxitocina ou álcool, podem afetar igualmente a regulação cardiovascular quando tomados ao mesmo tempo que o formoterol.

Formoterol + Tiroxina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os compostos que, por si só, potenciam os efeitos simpaticomiméticos, como L-dopa, L-tiroxina, oxitocina ou álcool, podem afetar igualmente a regulação cardiovascular quando tomados ao mesmo tempo que o formoterol.

Formoterol + Oxitocina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os compostos que, por si só, potenciam os efeitos simpaticomiméticos, como L-dopa, L-tiroxina, oxitocina ou álcool, podem afetar igualmente a regulação cardiovascular quando tomados ao mesmo tempo que o formoterol.

Formoterol + Álcool

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os compostos que, por si só, potenciam os efeitos simpaticomiméticos, como L-dopa, L-tiroxina, oxitocina ou álcool, podem afetar igualmente a regulação cardiovascular quando tomados ao mesmo tempo que o formoterol.

Formoterol + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Nos doentes que estão a ser tratados com inibidores da monoaminoxidasese ou antidepressivos tricíclicos a administração de Formoterol deve efetuar-se com precaução, uma vez que a ação dos estimulantes ß2-adrenérgicos sobre o sistema cardiovascular pode ser potenciada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + XANTINAS (Derivados da Metilxantina)

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O tratamento concomitante com derivados da xantina, esteroides ou diuréticos como as tiazidas ou os diuréticos da ansa pode potenciar um efeito adverso hipocalémico raro dos ß2-agonistas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Esteróides

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O tratamento concomitante com derivados da xantina, esteroides ou diuréticos como as tiazidas ou os diuréticos da ansa pode potenciar um efeito adverso hipocalémico raro dos ß2-agonistas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O tratamento concomitante com derivados da xantina, esteroides ou diuréticos como as tiazidas ou os diuréticos da ansa pode potenciar um efeito adverso hipocalémico raro dos ß2-agonistas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Diuréticos da ansa

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O tratamento concomitante com derivados da xantina, esteroides ou diuréticos como as tiazidas ou os diuréticos da ansa pode potenciar um efeito adverso hipocalémico raro dos ß2-agonistas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Glicósideos digitálicos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: A hipocalemia pode aumentar a predisposição para arritmias em doentes tratados com glicosídeos digitálicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Anestésicos halogenados

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe um risco elevado de arritmias em doentes que recebem anestesia concomitante com hidrocarbonetos halogenados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Anticolinérgicos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os efeitos broncodilatadores do formoterol podem ser potenciados pelos fármacos anticolinérgicos.

Formoterol + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Os bloqueadores ß-adrenérgicos podem atenuar ou inibir o efeito do formoterol, pelo que, a menos que existam razões que obrigam ao seu uso, formoterol não deve ser administrado juntamente com bloqueadores ß-adrenérgicos (incluindo gotas oftálmicas).

Furazolidona + Formoterol

Observações: N.D.
Interações: A utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos não é geralmente recomendada, mas pode ser necessária em alguns casos. - Salbutamol (albuterol) - Altretamina - Anfetamina - Formoterol (Arformoterol) - Abacate - Bambuterol - Laranja amarga - Clenbuterol - Difenoxina - Difenoxilato - Dolasetrona - Droperidol - Efedrina - Etcorvinol - Fenoterol - Fentanilo - Formoterol - Frovatriptano - Granisetron - Guaraná - Hexoprenalina - Hidrocodona - Hidromorfona - Indacaterol - Iobenguano (123I) - Isoetarina - Kava - Levalbuterol - Alcaçuz - Lisdexanfetamina - Lorcaserina - Ma Huang - Meperidina - Metaproterenol - Metaraminol - Morfina - Naratriptano - Norepinefrina - Olodaterol - Oxicodona - Palonossetrom - Fenilefrina - Fenilpropanolamina - Pirbuterol - Procaterol - Reboxetina - Reproterol - Ritodrina - Salmeterol - Erva de São João (Hipericão) - Terbutalina - Tretoquinol - Tulobuterol - Tirosina - Vilanterol - Ziprasidona

Roflumilaste + Formoterol

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Não foram observadas interações com salbutamol inalado, formoterol, budesonida, montelucaste oral, digoxina, varfarina, sildenafil e midazolam.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

O seu uso durante a gravidez deve ser evitado, excepto nos casos em que não existam quaisquer alternativas mais seguras.

As mulheres tratadas com Formoterol não devem amamentar.

Os doentes que experimentem tonturas ou outros efeitos indesejáveis semelhantes devem ser aconselhados a evitar conduzir ou utilizar máquinas.

Dopping: Beta-2 Agonistas. Exepto: quando administrado por via inalatória (máximo de 54 microgramas num período de 24 horas. A presença do formoterol numa concentração superior a 40 ng/mL faz presumir que não se trata de um uso terapêutico da substância e será considerada como um resultado analítico positivo a não ser que o praticante desportivo prove, através de um estudo farmacocinético controlado, que o resultado anormal foi a consequência de uma utilização terapêutica administrada por via inalatória dentro dos limites máximos acima indicados.

Dopping: Diuréticos e Agentes Mascarantes. O uso Em Competição e Fora de Competição, conforme aplicável, de qualquer quantidade das seguintes substâncias sujeitas a um valor limite de deteção: formoterol, salbutamol, catina, efedrina, metilefedrina e pseudoefedrina, associado com um diurético ou outro agente mascarante, requer a obtenção de uma Autorização de Utilização Terapêutica especificamente para essa substância, para além da obtida para o diurético ou outro agente mascarante.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019