Fenilpropanolamina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência no Dopping
O que é
Fenilpropanolamina é uma substância derivada das feniletilaminas, que por sua vez é derivada dos alcalóides.

A fenilpropanolamina era um fármaco vendido livremente e usado em diversos medicamentos, como descongestionante, antialérgico e emagrecedor.
Usos comuns
A fenilpropanolamina é um agente simpaticomimético utilizado em associação, em medicamentos autorizados para o tratamento de sintomas de congestão nasal associados a constipações e gripes.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
A fenilpropanolamina é um agente simpaticomimético que está indicado para o tratamento de sintomas de congestão nasal associados a constipações e gripes.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Fenilpropanolamina comporta-se como um simpaticomimético devido ao seu agonismo sobre os receptores alfa-1.

O agonismo sobre receptores alfa-1 conduz à constrição dos vasos sanguíneos, incluindo a mucosa nasal, diminuindo o conteúdo de sangue e inchaço da mucosa, causando um efeito descongestionante das passagens nasais.

Além dos efeitos diretos, fenilpropanolamina também atua através de um mecanismo indireto, favorecendo a liberação de noradrenalina.
Posologia Orientativa
Adultos: 100 mg/24 horas em doses divididas.
Administração
Via oral.

Se tomar à noite, deve fazê-lo várias horas antes de se deitar para diminuir a possibilidade de insónia.
Contraindicações
Hipersenibilidade à Fenilpropanolamina.

Diabetes mellitus.

Cardiopatias, insuficiência coronária, isquémia coronária, arrit,mia cardíaca, hipertensão, feocromocitoma, hipertiroidismo.

Doentes a tomar antidepressivos do tipo IMAO nos 14 dias antes do início do tratamento com Fenilpropanolamina.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos adversos deste medicamento são geralmente raros nas doses recomendadas, mas pode aumentar de intensidade e gravidade com doses mais elevadas.

As alterações mais comuns são:
Digestivo: Náuseas, vómitos, dispepsia, boca seca.

Neurológicos/psicológicos: Podem aparecer casos de estimulação nervosa, especialmente em doentes sensíveis.

Pode aparecer nervosismo, excitabilidade, vertigo, insónia e dor de cabeça.
Também estão descritos casos de astenia e sonolência.
Em casos mais graves e normalmente associados a sobredosagem pode aparecer ansiedade, colvulsões e alucinações.

Cardiovascular: Arritmia cardíaca com taquicardia e palpitações, especialmente em doses elevadas e em pacientes predispostos.
Também pode ocorrer hipertensão arterial e bradicardia reflexa.

Respiratória: Dispneia.

Geniturinário: A retenção urinária em pacientes com hipertrofia prostática.

Hematológicas: Às vezes, tem havido casos de leucopenia, agranulocitose e trombocitopenia, normalmente associados a reacções de hipersensibilidade.

Allergicas/dermatológicas: Há relatos de reações de hipersensibilidade, com urticária e Erupções com prurido.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Dopping
Dopping:Dopping: Estimulantes específicos. Esta substância está incluída no Programa de Monitorização para 2016 e não é considerada Substância Proibida.
Aleitamento
Aleitamento:Não adminsitrar durante a amamentação.
Precauções Gerais
Os pacientes nos quais a estimulação simpática poderia agravar as condições, tais como aqueles como diabetes, glaucoma ou hipertrofia prostática.

O uso de fenilpropanolamina, ou outro simpaticomimético poderia agravar os sintomas destas doenças, por isso o seu uso não é recomendado sem receita médica.

Em caso de sintomas graves, tais como a diabetes não controlada ou doença cardíaca grave, pode ser aconselhável evitar a administração de fenilpropanolamina.
Cuidados com a Dieta
Limite o consumo de cafeína.

Tome, independentemente das refeições.

Tome cada dose com um copo cheio de água.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

No entanto, se estiver quase na hora da sua próxima dose, ignore a dose esquecida e tome apenas a dose regularmente programado seguinte.

Não tome uma dose dupla dessa medicação.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Guarde fenilpropanolamina à temperatura ambiente longe da humidade e calor.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Efedrina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Agentes simpaticomiméticos indiretos (fenilpropanolamina, pseudoefedrina, fenilefrina, metilfenidato) Risco de vasoconstrição e/ou de episódios agudos de hipertensão.
 Potencialmente Grave

Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO) + Fenilpropanolamina

Observações: Aumento das reservas de nordrenalina nos neurónios adrenérgicos; Deslocamento destas reservas por outros fármacos que podem desencadear uma crise hipertensiva; Os IMAOs têm actividade hipoglicémica intrínseca
Interações: Simpaticomiméticos (de acção indirecta): episódio hipertensivo por libertação das reservas de noradrenalina (anfetaminas, efedrina, fenilpropanolamina, pseudoefedrina) - Fenilpropanolamina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol + Cafeína + Fenilpropanolamina

Observações: Não existem interações de segurança relevantes entre o ácido acetilsalicílico e o paracetamol.
Interações: Cafeína e Nicotina, fenitoína e fenilpropanolamina: Reduzem a semi-vida de eliminação da cafeína.

Loratadina + Pseudoefedrina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: Não se recomendam as seguintes associações: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais pelas vias oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desloratadina + Pseudoefedrina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: SULFATO de PSEUDOEFEDRINA: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais por via oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, contracetivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes.

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: Outros fármacos 〈-simpaticomiméticos ou vasoconstritores, de ação indireta, administrados por via oral ou nasal, fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, metilfenidato: Risco de vasoconstrição e/ou de crise hipertensiva.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metoprolol + Fenilpropanolamina

Observações: Metoprolol é um substrato do CYP2D6. Os fármacos que inibem esta enzima podem aumentar a concentração plasmática de metoprolol.
Interações: Fenilpropanolamina (norefedrina) em doses únicas de 50 mg pode aumentar a pressão sanguínea diastólica para níveis patológicos em indivíduos saudáveis. Em geral, o propanolol neutraliza o aumento da tensão arterial provocado pela fenilpropanolamina. Recetores beta-bloqueadores podem, no entanto, provocar reações hipertensivas paradoxais em doentes que tomam doses elevadas de fenilpropanolamina. Crises hipertensivas durante o tratamento apenas com fenilpropanolamina têm sido notificadas em alguns casos.

Furazolidona + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interações: A utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos não é geralmente recomendada, mas pode ser necessária em alguns casos. - Salbutamol (albuterol) - Altretamina - Anfetamina - Formoterol (Arformoterol) - Abacate - Bambuterol - Laranja amarga - Clenbuterol - Difenoxina - Difenoxilato - Dolasetrona - Droperidol - Efedrina - Etcorvinol - Fenoterol - Fentanilo - Formoterol - Frovatriptano - Granisetron - Guaraná - Hexoprenalina - Hidrocodona - Hidromorfona - Indacaterol - Iobenguano (123I) - Isoetarina - Kava - Levalbuterol - Alcaçuz - Lisdexanfetamina - Lorcaserina - Ma Huang - Meperidina - Metaproterenol - Metaraminol - Morfina - Naratriptano - Norepinefrina - Olodaterol - Oxicodona - Palonossetrom - Fenilefrina - Fenilpropanolamina - Pirbuterol - Procaterol - Reboxetina - Reproterol - Ritodrina - Salmeterol - Erva de São João (Hipericão) - Terbutalina - Tretoquinol - Tulobuterol - Tirosina - Vilanterol - Ziprasidona

Linezolida + Fenilpropanolamina

Observações: Linezolida é um inibidor reversível, não seletivo da monoaminoxidase (IMAO). Linezolida não é metabolizado de forma detetável pelo sistema enzimático do citocromo P450 (CYP) e não inibe nenhuma das isoformas CYP humanas clinicamente significativas (1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1, 3A4). Da mesma forma, linezolida não induz as isoenzimas P450 em ratos. Assim, não se espera que linezolida induza interações farmacológicas a nível do CYP450.
Interações: Em voluntários saudáveis normotensos, linezolida potenciou o aumento da pressão sanguínea provocado pela pseudoefedrina e cloridrato de fenilpropanolamina. A coadministração de linezolida tanto com a pseudoefedrina como com a fenilpropanolamina originou aumentos médios da pressão sanguínea sistólica na ordem dos 30-40 mm Hg, em comparação com aumentos de 11-15 mm Hg com linezolida administrado isoladamente, 14-18 mm Hg tanto com a pseudoefedrina como com a fenilpropanolamina administradas isoladamente, e 8-11 mm Hg com placebo. Não se realizaram estudos semelhantes em indivíduos hipertensos. Recomenda-se que sejam determinadas cuidadosamente as doses dos fármacos com ação vasopressora, incluindo agentes dopaminérgicos, de modo a atingir a resposta desejada quando coadministrados com linezolida.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Deve interromper o tratamento e consultar um médico se os sintomas persistirem por mais de cinco dias, se se agravam ou se ele aparecer febre alta, tontura, insónia ou nervosismo.

Se tiver uma cirurgia agendada, recomenda-se a interromper o tratamento com fenilpropanolamina pelo menos 24 horas antes da cirurgia.

Deve acompanhar regularmente a pressão arterial em pacientes hipertensos e de açúcar no sangue em pacientes diabéticos.

Não adminsitrar durante a gravidez e amamentação.

Dopping: Estimulantes específicos. Esta substância está incluída no Programa de Monitorização para 2016 e não é considerada Substância Proibida.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017