Fenilefrina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução DCI com Advertência no Dopping DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
A fenilefrina é uma amina simpatomimética que actua predominantemente sobre os receptores adrenérgicos-α.

É utilizado principalmente para tratar a congestão nasal, mas podem também ser úteis no tratamento de hipotensão e choque, hipotensão durante a anestesia espinal, o prolongamento da anestesia espinal, taquicardia supraventricular paroxística, alívio sintomático de hemorróidas externas ou internas, e para aumentar a pressão arterial como um auxílio no diagnóstico de sopros cardíacos.
Usos comuns
Tratamento e profilaxia das sinéquias posteriores (por exemplo, como terapêutica adjuvante das uveítes anteriores);
- na indução de midríase pré-operatória;
- nos exames de observação do fundo do olho (o efeito permanece por várias
horas).


Fenilefrina está ainda indicada na redução temporária da pressão intraocular no glaucoma de ângulo aberto e na redução da ptose.

Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Fenilefrina, colírio, solução, está indicado nos casos em que se pretende uma rápida dilatação pupilar e uma redução da congestão dos capilares, como seja:
- no tratamento e profilaxia das sinéquias posteriores (por exemplo, como terapêutica adjuvante das uveítes anteriores);
- na indução de midríase pré-operatória;
- nos exames de observação do fundo do olho (o efeito permanece por várias horas).


Fenilefrina está ainda indicado na redução temporária da pressão intra-ocular no glaucoma de ângulo aberto e na redução da ptose.



Classificação CFT
14.01.01     Descongestionantes 15.02.03     Outros anti-inflamatórios, descongestionantes e antialérgicos 15.03.01     Simpaticomiméticos
Mecanismo De Ação
O cloridrato de fenilefrina é uma amina simpaticomimética de síntese, com propriedades midriáticas.


Após aplicação na conjuntiva, a fenilefrina actua directamente nos receptores α-adrenérgicos do olho, produzindo contracção do músculo dilatador da pupila (efeito midriático) e constrição dasarteríolas da conjuntiva (efeito descongestionante).

Em concentrações de 2,5 a 10%, o efeito da fenilefrina sobre a dilatação pupilar é apenas um pouco menor que o efeito produzido por um agente cicloplégico.

Em doses baixas, a fenilefrina também pode produzir midríase, especialmente quando aplicada na córnea lesada, após tonografia, após desenervação pós-ganglionar simpática, ou quando usada em associação com um agente anti-muscarínico (com um mecanismo de acção diferente).

Pelo seu efeito directo sobre o músculo orbital do olho, a fenilefrina também pode aliviar a ptose em doentes com síndroma de Horner ou Raeder.


A seguir à aplicação tópica na conjuntiva de soluções contendo 2,5 a 10% de fenilefrina, pode ocorrer um decréscimo da pressão intra-ocular em olhos normais ou em doentes com glaucoma de ângulo aberto (crónico simples).

Isto deve-se ao aumento da facilidade do fluxo de saída do humor aquoso e/ou à redução da sua produção.


A fenilefrina provoca apenas um ligeiro relaxamento do músculo ciliar, pelo que é pouco provável ocorrer uma cicloplegia substancial.



Posologia Orientativa
Como média, recomenda-se a aplicação de uma a duas gotas, com dez minutos de intervalo entre cada gota.

Administração
O modo de administração, consiste em aplicar a dose de Fenilefrina, colírio, solução, indicada pelo médico, no(s) olho(s).

Evitar o contacto do frasco com o olho.


A duração do tratamento deve ser determinada pelo médico oftalmologista com base na situação clínica do paciente.



Contraindicações
Fenilefrina, colírio, solução, está contra-indicado:
- em pacientes com hipersensibilidade àfenilefrina, ou a qualquer dos componentes do medicamento;
- em doentes com ou predispostos a glaucoma de ângulo fechado (sobretudo se o epitélio está lesado por doença ou por tonometria);
- em doentes sob tratamento simultâneo com inibidores da MAO, ou que tenham cessado o tratamento à menos de 15 dias, ou antidepressivos tricíclicos;
- em doentes com Hipertensão Arterial grave;
- em crianças.



Efeitos Indesejáveis/Adversos
Nas doses terapêuticas, Fenilefrina, colírio, não apresenta, habitualmente, efeitos indesejáveis.

Contudo, a sensação de ardor e de queimadura, bem como de hiperémia reactiva poderão ocorrer com doses excessivas e/ou uso muito frequente ou prolongado.

Ocasionalmente, em indivíduos predispostos, a midríase pode precipitar uma crise de glaucoma agudo de ângulo fechado.


Outros efeitos possíveis, caso ocorra absorção sistémica da fenilefrina, são os comuns a qualquer simpaticomimético, manifestando-se a nível do sistema nervoso central e do sistema cardiovascular: palpitações, taquicardia, hipertensão, aumento da sudação, palidez, cefaleias e tremores.



Advertências
Gravidez
Gravidez:Evitar se possível; malformações se usada no 1º trimestre; pode causar redução do calibre dos vasos, produzindo hipoxia fetal e bradicardia no final da gravidez e durante o parto. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º
Conducao
Conducao:Pode alterar a capacidade de condução.
Dopping
Dopping:Dopping: Estimulantes específicos. Esta substância está incluída no Programa de Monitorização para 2016 e não é considerada Substância Proibida.
Precauções Gerais
Fenilefrina deve ser usado com precaução pelos(as):
- Desportistas: este medicamento contém uma substância activa, o cloridrato de fenilefrina, que pode induzir uma reacção positiva nos testes efectuados no decurso do controlo anti-doping.


- Indivíduos com doença cardíaca, hipertensão grave, glaucoma agudo, diabetes Mellitus insulina-dependente (tipo I), hipertiroidismo, ateriosclerose avançada e aneurisma;
- Utilizadores de lentes de contacto hidrófilas;
- Indivíduos que estão a fazer, concomitantemente, tratamento com outro(s) colírio(s), cujas substâncias activas são diferentes, devem aguardar 15 minutos após a última aplicação do Fenilefrina;
- Crianças e idosos, dado o risco de ocorrerem efeitos sistémicos.


- Doentes com asma e Hipertrofia Benigna da Próstata.


- O conservante do Fenilefrina (cloreto de benzalcónio) pode causar irritação ocular e é passível de descolorar lentes de contacto moles.


O conservante do Fenilefrina (cloreto de benzalcónio) pode depositar-se nas lentes de contacto hidrófilas, pelo que se recomenda que os portadores deste tipo de lentes as retirem antes de aplicar o colírio e aguardem cerca de 15 minutos, após aplicação, para voltarem a colocá-las.


- A Fenilefrina, colírio, solução contém na sua constituição bissulfito de sódio, pelo que deve ser utilizado com precaução em doentes asmáticos visto poder provocar episódios agudos desta doença ou reacções anafiláticas.



Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de utilizar.

Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.


Conservar bem fechado e na embalagem de origem.

Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Efedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Agentes simpaticomiméticos indiretos (fenilpropanolamina, pseudoefedrina, fenilefrina, metilfenidato) Risco de vasoconstrição e/ou de episódios agudos de hipertensão.
 Potencialmente Grave

Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO) + Fenilefrina

Observações: Aumento das reservas de nordrenalina nos neurónios adrenérgicos; Deslocamento destas reservas por outros fármacos que podem desencadear uma crise hipertensiva; Os IMAOs têm actividade hipoglicémica intrínseca
Interações: Fenilefrina: episódio hipertensivo, uma vez que a fenilefrina é metabolizada pela MAO - Fenilefrina
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clomipramina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a farmacodinâmica: Fármacos simpaticomiméticos: Clomipramina pode potenciar os efeitos cardiovasculares da adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefedrina (por exemplo, anestésicos locais).

Loratadina + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Não se recomendam as seguintes associações: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais pelas vias oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desloratadina + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: SULFATO de PSEUDOEFEDRINA: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais por via oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição.

Maprotilina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Maprotilina pode potenciar os efeitos cardiovasculares dos agentes simpaticomiméticos tais como a adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefrina, bem como gotas nasais e anestésicos locais (por exemplo, aqueles usados pelos dentistas). Nestes casos, torna-se necessário proceder à supervisão cuidadosa (pressão arterial, frequência cardíaca) e ao ajustamento cuidadoso da posologia.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Terazosina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: A terazosina pode diminuir a tensão arterial e as reações vasculares à dopamina, efedrina, epinefrina, metaraminol, metoxamina e fenilefrina.

Atomoxetina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que afetam a noradrenalina devem ser usados com precaução quando administrados concomitantemente com atomoxetina, dados os potenciais efeitos farmacológicos aditivos ou sinérgicos. Exemplos incluem antidepressivos tais como a imipramina, venlafaxina e mirtazapina ou os descongestionantes pseudoefedrina ou fenilefrina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imipramina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos simpaticomiméticos: Imipramina pode potenciar os efeitos cardiovasculares da adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefrina (por ex. anestésicos locais).

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Outros fármacos 〈-simpaticomiméticos ou vasoconstritores, de ação indireta, administrados por via oral ou nasal, fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, metilfenidato: Risco de vasoconstrição e/ou de crise hipertensiva.

Furazolidona + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: A utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos não é geralmente recomendada, mas pode ser necessária em alguns casos. - Salbutamol (albuterol) - Altretamina - Anfetamina - Formoterol (Arformoterol) - Abacate - Bambuterol - Laranja amarga - Clenbuterol - Difenoxina - Difenoxilato - Dolasetrona - Droperidol - Efedrina - Etcorvinol - Fenoterol - Fentanilo - Formoterol - Frovatriptano - Granisetron - Guaraná - Hexoprenalina - Hidrocodona - Hidromorfona - Indacaterol - Iobenguano (123I) - Isoetarina - Kava - Levalbuterol - Alcaçuz - Lisdexanfetamina - Lorcaserina - Ma Huang - Meperidina - Metaproterenol - Metaraminol - Morfina - Naratriptano - Norepinefrina - Olodaterol - Oxicodona - Palonossetrom - Fenilefrina - Fenilpropanolamina - Pirbuterol - Procaterol - Reboxetina - Reproterol - Ritodrina - Salmeterol - Erva de São João (Hipericão) - Terbutalina - Tretoquinol - Tulobuterol - Tirosina - Vilanterol - Ziprasidona
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenilefrina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Com antidepressores tricíclicos e IMAO - baseiam-se na possibilidade destes poderem potenciar os efeitos sistémicos da fenilefrina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenilefrina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Com antidepressores tricíclicos e IMAO - baseiam-se na possibilidade destes poderem potenciar os efeitos sistémicos da fenilefrina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antidepressores (tricíclicos) + Fenilefrina

Observações: Inibição da recaptação de aminas nos neurónios adrenérgicos pós-ganglionares. Efeitos antimuscarínicos aditivos com fármacos antimuscarínicos. Indução do metabolismo. Susceptíveis à inibição do metabolismo pelo CYP2D6 e outras enzimas CYP450.
Interações: Simpaticomiméticos: aumentam a resposta pressora à adrenalina, noradrenalina e fenilefrina. Os antidepressores tricíclicos só devem ser iniciados 2 semanas após suspensão dos IMAOs e também os IMAOS só devem ser introduzidos pelo menos 1-2 semanas depois de suspender os antidepressores tricíclicos. A moclobemida necessita pelo menos 1 semana. - Fenilefrina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Guanetidina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Drogas simpaticomiméticas, como a dobutamina e a dopamina, a efedrina, a metoxanina, a norepinefrina e a fenilefrina, podem reduzir os efeitos anti-hipertensivos da guanetidina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Na gravidez e amamentação deve ser avaliado o benefício/risco.

Os doentes não deverão conduzir nem utilizar máquinas durante uma a duas horas após o efeito midriático.

Dopping: Estimulantes específicos. Esta substância está incluída no Programa de Monitorização para 2016 e não é considerada Substância Proibida.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017