Fenilefrina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução DCI com Advertência no Dopping
O que é
A fenilefrina é uma amina simpatomimética que actua predominantemente sobre os receptores adrenérgicos-α.

É utilizado principalmente para tratar a congestão nasal, mas podem também ser úteis no tratamento de hipotensão e choque, hipotensão durante a anestesia espinal, o prolongamento da anestesia espinal, taquicardia supraventricular paroxística, alívio sintomático de hemorróidas externas ou internas, e para aumentar a pressão arterial como um auxílio no diagnóstico de sopros cardíacos.
Usos comuns
Tratamento e profilaxia das sinéquias posteriores (por exemplo, como terapêutica adjuvante das uveítes anteriores); na indução de midríase pré-operatória; nos exames de observacção do fundo do olho (o efeito permanece por várias horas).

Fenilefrina está ainda indicada na redução temporária da pressão intra-ocular no glaucoma de ângulo aberto e na redução da ptose.
Tipo
Molécula pequena.
História
A fenilefrina foi patenteada em 1927 e passou a ser usada na medicina em 1938.
Indicações
Fenilefrina, colírio, solução, está indicado nos casos em que se pretende uma rápida dilatação pupilar e uma redução da congestão dos capilares, como seja:
- no tratamento e profilaxia das sinéquias posteriores (por exemplo, como terapêutica adjuvante das uveítes anteriores);
- na indução de midríase pré-operatória;
- nos exames de observacção do fundo do olho (o efeito permanece por várias horas).

Fenilefrina está ainda indicado na redução temporária da pressão intra-ocular no glaucoma de ângulo aberto e na redução da ptose.
Classificação CFT

15.02.03 : Outros anti-inflamatórios, descongestionantes e antialérgicos

15.03.01 : Simpaticomiméticos

14.01.01 : Descongestionantes

Mecanismo De Ação
O cloridrato de fenilefrina é uma amina simpaticomimética de síntese, com propriedades midriáticas.


Após aplicação na conjuntiva, a fenilefrina actua directamente nos receptores α-adrenérgicos do olho, produzindo contracção do músculo dilatador da pupila (efeito midriático) e constrição dasarteríolas da conjuntiva (efeito descongestionante).

Em concentrações de 2,5 a 10%, o efeito da fenilefrina sobre a dilatação pupilar é apenas um pouco menor que o efeito produzido por um agente cicloplégico.

Em doses baixas, a fenilefrina também pode produzir midríase, especialmente quando aplicada na córnea lesada, após tonografia, após desenervacção pós-ganglionar simpática, ou quando usada em associação com um agente anti-muscarínico (com um mecanismo de acção diferente).

Pelo seu efeito directo sobre o músculo orbital do olho, a fenilefrina também pode aliviar a ptose em doentes com síndroma de Horner ou Raeder.


A seguir à aplicação tópica na conjuntiva de soluções contendo 2,5 a 10% de fenilefrina, pode ocorrer um decréscimo da pressão intra-ocular em olhos normais ou em doentes com glaucoma de ângulo aberto (crónico simples).

Isto deve-se ao aumento da facilidade do fluxo de saída do humor aquoso e/ou à redução da sua produção.


A fenilefrina provoca apenas um ligeiro relaxamento do músculo ciliar, pelo que é pouco provável ocorrer uma cicloplegia substancial.



Posologia Orientativa
Como média, recomenda-se a aplicação de uma a duas gotas, com dez minutos de intervalo entre cada gota.

Administração
O modo de administração, consiste em aplicar a dose de Fenilefrina, colírio, solução, indicada pelo médico, no(s) olho(s).

Evitar o contacto do frasco com o olho.

A duração do tratamento deve ser determinada pelo médico oftalmologista com base na situação clínica do paciente.
Contraindicações
Fenilefrina, colírio, solução, está contra-indicado:
- em pacientes com hipersensibilidade à fenilefrina;
- em doentes com ou predispostos a glaucoma de ângulo fechado (sobretudo se o epitélio está lesado por doença ou por tonometria);
- em doentes sob tratamento simultâneo com inibidores da MAO, ou que tenham cessado o tratamento à menos de 15 dias, ou antidepressivos tricíclicos;
- em doentes com Hipertensão Arterial grave;
- em crianças.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Nas doses terapêuticas, Fenilefrina, colírio, não apresenta, habitualmente, efeitos indesejáveis.

Contudo, a sensação de ardor e de queimadura, bem como de hiperémia reactiva poderão ocorrer com doses excessivas e/ou uso muito frequente ou prolongado.

Ocasionalmente, em indivíduos predispostos, a midríase pode precipitar uma crise de glaucoma agudo de ângulo fechado.

Outros efeitos possíveis, caso ocorra absorção sistémica da fenilefrina, são os comuns a qualquer simpaticomimético, manifestando-se a nível do sistema nervoso central e do sistema cardiovascular: palpitações, taquicardia, hipertensão, aumento da sudação, palidez, cefaleias e tremores.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Fenilefrina deve ser usado com precaução pelos(as):
- Desportistas: este medicamento contém uma substância activa, o cloridrato de fenilefrina, que pode induzir uma reacção positiva nos testes efectuados no decurso do controlo anti-doping.
- Indivíduos com doença cardíaca, hipertensão grave, glaucoma agudo, diabetes Mellitus insulina-dependente (tipo I), hipertiroidismo, ateriosclerose avançada e aneurisma;
- Utilizadores de lentes de contacto hidrófilas;
- Indivíduos que estão a fazer, concomitantemente, tratamento com outro(s) colírio(s), cujas substâncias activas são diferentes, devem aguardar 15 minutos após a última aplicação do Fenilefrina;
- Crianças e idosos, dado o risco de ocorrerem efeitos sistémicos.
- Doentes com asma e Hipertrofia Benigna da Próstata.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de utilizar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Conservar bem fechado e na embalagem de origem.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potencialmente Grave

Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO) + Fenilefrina

Observações: Aumento das reservas de nordrenalina nos neurónios adrenérgicos; Deslocamento destas reservas por outros fármacos que podem desencadear uma crise hipertensiva; Os IMAOs têm actividade hipoglicémica intrínseca
Interações: Fenilefrina: episódio hipertensivo, uma vez que a fenilefrina é metabolizada pela MAO - Fenilefrina - Fenilefrina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antidepressores (tricíclicos) + Fenilefrina

Observações: Inibição da recaptação de aminas nos neurónios adrenérgicos pós-ganglionares. Efeitos antimuscarínicos aditivos com fármacos antimuscarínicos. Indução do metabolismo. Susceptíveis à inibição do metabolismo pelo CYP2D6 e outras enzimas CYP450.
Interações: Simpaticomiméticos: aumentam a resposta pressora à adrenalina, noradrenalina e fenilefrina. Os antidepressores tricíclicos só devem ser iniciados 2 semanas após suspensão dos IMAOs e também os IMAOS só devem ser introduzidos pelo menos 1-2 semanas depois de suspender os antidepressores tricíclicos. A moclobemida necessita pelo menos 1 semana. - Fenilefrina - Fenilefrina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenilefrina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Com antidepressores tricíclicos e IMAO - baseiam-se na possibilidade destes poderem potenciar os efeitos sistémicos da fenilefrina. - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenilefrina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Com antidepressores tricíclicos e IMAO - baseiam-se na possibilidade destes poderem potenciar os efeitos sistémicos da fenilefrina. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Usar com precaução

Maprotilina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Maprotilina pode potenciar os efeitos cardiovasculares dos agentes simpaticomiméticos tais como a adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefrina, bem como gotas nasais e anestésicos locais (por exemplo, aqueles usados pelos dentistas). Nestes casos, torna-se necessário proceder à supervisão cuidadosa (pressão arterial, frequência cardíaca) e ao ajustamento cuidadoso da posologia. - Fenilefrina
Não recomendado/Evitar

Loratadina + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Não se recomendam as seguintes associações: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais pelas vias oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição. - Fenilefrina
Não recomendado/Evitar

Furazolidona + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: A utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos não é geralmente recomendada, mas pode ser necessária em alguns casos. - Salbutamol (albuterol) - Altretamina - Anfetamina - Formoterol (Arformoterol) - Abacate - Bambuterol - Laranja amarga - Clenbuterol - Difenoxina - Difenoxilato - Dolasetrona - Droperidol - Efedrina - Etcorvinol - Fenoterol - Fentanilo - Formoterol - Frovatriptano - Granisetron - Guaraná - Hexoprenalina - Hidrocodona - Hidromorfona - Indacaterol - Iobenguano (123I) - Isoetarina - Kava - Levalbuterol - Alcaçuz - Lisdexanfetamina - Lorcaserina - Ma Huang - Meperidina - Metaproterenol - Metaraminol - Morfina - Naratriptano - Norepinefrina - Olodaterol - Oxicodona - Palonossetrom - Fenilefrina - Fenilpropanolamina - Pirbuterol - Procaterol - Reboxetina - Reproterol - Ritodrina - Salmeterol - Erva de São João (Hipericão) - Terbutalina - Tretoquinol - Tulobuterol - Tirosina - Vilanterol - Ziprasidona - Fenilefrina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clomipramina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: interacções relacionadas com a farmacodinâmica: Fármacos simpaticomiméticos: Clomipramina pode potenciar os efeitos cardiovasculares da adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefedrina (por exemplo, anestésicos locais). - Fenilefrina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desloratadina + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: SULFATO de PSEUDOEFEDRINA: Outros vasoconstritores utilizados como descongestionantes nasais por via oral ou nasal (fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, oximetazolina, nafazolina...): risco de vasoconstrição. - Fenilefrina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Guanetidina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Drogas simpaticomiméticas, como a dobutamina e a dopamina, a efedrina, a metoxanina, a norepinefrina e a fenilefrina, podem reduzir os efeitos anti-hipertensivos da guanetidina. - Fenilefrina
Contraindicado

Efedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Associações contra-indicadas: Agentes simpaticomiméticos indiretos (fenilpropanolamina, pseudoefedrina, fenilefrina, metilfenidato) Risco de vasoconstrição e/ou de episódios agudos de hipertensão. - Fenilefrina
Usar com precaução

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Outros fármacos 〈-simpaticomiméticos ou vasoconstritores, de acção indireta, administrados por via oral ou nasal, fenilpropanolamina, fenilefrina, efedrina, metilfenidato: Risco de vasoconstrição e/ou de crise hipertensiva. - Fenilefrina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Terazosina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: A terazosina pode diminuir a tensão arterial e as reações vasculares à dopamina, efedrina, epinefrina, metaraminol, metoxamina e fenilefrina. - Fenilefrina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imipramina + Fenilefrina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos simpaticomiméticos: Imipramina pode potenciar os efeitos cardiovasculares da adrenalina, noradrenalina, isoprenalina, efedrina e fenilefrina (por ex. anestésicos locais). - Fenilefrina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Fenilefrina
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Na gravidez e amamentação deve ser avaliado o benefício/risco.

Os doentes não deverão conduzir nem utilizar máquinas durante uma a duas horas após o efeito midriático.

Doping: Estimulantes específicos. Esta substância está incluída no Programa de Monitorizacção para 2016 e não é considerada Substância Proibida.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020