Etinilestradiol + Etonogestrel

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
A associação Etinilestradiol e Etonogestrel contém hormonas femininas, que impedem a ovulação (a libertação de um óvulo de um ovário).

Este medicamento também provoca alterações no seu muco cervical e no endométrio, tornando mais difícil para os espermatozóides atingirem o útero tornando assim mais difícil a fertilizacção do óvulo.

O anel vaginal Etinilestradiol e Etonogestrel é usado como método contraceptivo para prevenir a gravidez.
Usos comuns
Etinilestradiol + Etonogestrel é utilizado para prevenir a gravidez.
Tipo
Sem informação.
História
Etinilestradiol / etonogestrel foi aprovada para uso médico nos Estados Unidos em 2001.
Indicações
Contracepção.
Classificação CFT

08.05.01.02 : Anticoncepcionais

Mecanismo De Ação
O etonogestrel é um progestagénio derivado da 19-nortestosterona e liga-se com grande afinidade aos receptores da progesterona nos órgãos alvo.

O etinilestradiol é um estrogénio largamente utilizado em medicamentos contraceptivos.

A acção contraceptiva deste produto baseia-se em vários mecanismos, o mais importante dos quais é a inibição da ovulação.
Posologia Orientativa
Insira um anel vaginal na vagina e deixar no lugar continuamente por 3 semanas.

Em seguida, retire anel vaginal para uma pausa de uma semana.

Um novo anel vaginal é inserido de uma semana após o último anel foi removido.
Administração
Uso vaginal.

Não usou nenhum contraceptivo hormonal durante o mês anterior
Insira o primeiro anel no primeiro dia do seu ciclo natural (isto é, no primeiro dia do seu período menstrual).

O anel começa a exercer a sua acção imediatamente e, por este motivo, não necessita de utilizar qualquer outra medida contraceptiva.

Poderá também iniciar Etinilestradiol + Etonogestrel entre o dia 2 e o dia 5 do seu ciclo, mas se tiver relações sexuais durante os primeiros 7 dias de utilização do anel, não se esqueça de usar também um método contraceptivo adicional (por exemplo, um preservativo).

Deverá seguir este conselho apenas quando usa o anel pela primeira vez.

Usou uma pílula combinada durante o mês anterior
Comece a usar o anel o mais tardar no dia seguinte ao intervalo de tempo sem comprimidos da sua pílula atual.

Se a embalagem da sua pílula actual também contém comprimidos inactivos, comece a utilizar o anel o mais tardar no dia seguinte a ter tomado o último comprimido inativo.

Se não tiver a certeza qual é o comprimido, pergunte ao médico ou farmacêutico.

Nunca prolongue o intervalo de tempo sem hormonas da sua actual embalagem para além do tempo recomendado.

Se tiver usado a sua anterior pílula em conformidade e de forma correcta, e se tiver certeza que não está grávida, poderá, também, parar a toma da pílula em qualquer dia da sua embalagem actual e começar a usar o anel imediatamente.

Usou um sistema transdérmico durante o mês anterior
Comece a usar o anel o mais tardar no dia seguinte após o intervalo de tempo sem o sistema transdérmico.

Nunca prolongue o intervalo de tempo sem sistema transdérmico para além do tempo recomendado.

Se tiver usado o seu anterior sistema transdérmico em conformidade e de forma correcta, e se tiver certeza que não está grávida, poderá, também, parar a utilização do sistema transdérmico em qualquer dia e começar a usar o anel imediatamente.

Usou uma minipílula (pílula só com progestagénio) durante o mês anterior
Pode parar de tomar a minipílula em qualquer dia e iniciar o anel no dia seguinte, à mesma hora que normalmente tomava a sua pílula.

Mas use sempre também um método contraceptivo adicional (por exemplo, um preservativo) durante os primeiros 7 dias de utilização do anel.

Usou um contraceptivo injectável, implante ou sistema intrauterino (SIU) libertador de progestagénio durante o último mês
Comece a utilizar o anel no dia em que deveria tomar a sua próxima injecção ou no dia em que o implante ou o SIU libertador de progestagénio são removidos.

Mas use sempre um método contraceptivo adicional (por exemplo, um preservativo) durante os primeiros 7 dias de utilização do anel.

Após ter um parto
Se acabou de ter um bebé, o médico poder-lhe-á aconselhar a esperar pelo seu primeiro período menstrual normal para começar a utilizar Circlet.

Por vezes, é possível começar mais cedo. O médico irá aconselhá-la.

Se estiver a amamentar e quiser utilizar o anel vaginal, deverá também aconselhar-se primeiro com o médico.

Após um aborto
O médico irá aconselhá-la.
Contraindicações
Os contraceptivos hormonais combinados (CHCs) não deverão ser utilizados nas seguintes situações.

Se uma destas situações surgir pela primeira vez durante o uso do anel, este deverá ser imediatamente retirado.

Presença ou risco de tromboembolismo venoso (TEV):
Tromboembolismo venoso - TEV actual (com anticoagulantes) ou antecedentes do mesmo(p. ex., trombose venosa profunda [TVP] ou embolia pulmonar [EP]).

Predisposição hereditária ou adquirida conhecida para tromboembolismo venoso, tal como resistência à APC (incluindo factor V de Leiden), deficiência de antitrombina III, deficiência de proteína C, deficiência de proteína S
Grande cirurgia com imobilização prolongada.

Um risco elevado de tromboembolismo venoso devido à presença de múltiplos factores de risco.

Presença ou risco de tromboembolismo arterial (TEA):
Tromboembolismo arterial - tromboembolismo arterial actual, antecedentes de tromboembolismo arterial (p. ex., enfarte do miocárdio) ou situação prodromal (p. ex., angina de peito).

Doença cerebrovascular - acidente vascular cerebral actual, antecedentes de acidente vascular cerebral ou situação prodromal (p. ex., acidente isquémico transitório, AIT).

Predisposição hereditária ou adquirida conhecida para tromboembolismo arterial, tal como hiper-homocisteínemia e anticorpos antifosfolípidos (anticorpos anticardiolipina, anticoagulante lúpico).

Antecedentes de enxaqueca com sintomas neurológicos focais.

Um risco elevado de tromboembolismo arterial devido a múltiplos factores de risco ou à presença de um factor de risco grave, tal como: diabetes mellitus com sintomas vasculares hipertensão grave dislipoproteínemia grave
• Pancreatite actual ou antecedentes se associada a hipertrigliceridemia grave.
• Presença ou antecedentes de doença hepática grave desde que os valores da função hepática não tenham regressado aos valores normais.
• Presença ou antecedentes de tumores hepáticos (benignos ou malignos).
• Patologia maligna ou suspeita de situações malignas dos órgãos genitais ou da mama, se sensíveis aos esteróides sexuais.
• Hemorragia vaginal não diagnosticada.
• Hipersensibilidade ao Etinilestradiol e ao Etonogestrel
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Um risco aumentado de coágulos sanguíneos nas veias (tromboembolismo venoso (TEV)) ou coágulos sanguíneos nas artérias (tromboembolismo arterial (TEA)) está presente em todas as mulheres que tomem contraceptivos hormonais combinados.

Para informação mais detalhada sobre os diferentes riscos de tomar contraceptivos hormonais combinados.

Se tem alergia (hipersensibilidade) ao Etinilestradiol e ao Etonogestrel poderá apresentar os seguintes sintomas (frequência desconhecida): angiedema (cara, língua e/ou garganta inchadas e/ou dificuldade em engolir) ou erupção da pele com comichão (urticária) juntamente com dificuldade em respirar.

Se isto acontecer, retire o anel e contacte imediatamente o médico.

As utilizadoras deste dispositivo têm comunicado os seguintes efeitos secundários:
Frequentes: podem afectar até 1 em 10 mulheres
- dor de barriga, sensação de enjoo (náuseas)
- infecção vaginal de origem micótica (tal como, candidíase); desconforto vaginal devido ao anel; comichão na zona genital; corrimento vaginal
- dores de cabeça ou enxaquecas; humor deprimido; desejo sexual diminuído
- tensão mamária; dor pélvica, períodos menstruais dolorosos
- acne
- aumento de peso
- expulsão do anel

Pouco frequentes: podem afectar até 1 em 100 mulheres
- perturbações na visão; tonturas
- abdómen inchado; vómitos, diarreia ou prisão de ventre
- sensação de cansaço, má disposição ou irritabilidade; alterações do humor; oscilações de humor
- retenção de líquidos (edema)
- infecção do tracto urinário ou da bexiga
- dificuldade ou dor ao urinar; forte desejo ou necessidade de urinar; aumento da frequência de urinar
- problemas durante a relação sexual, incluindo dor, hemorragia ou o parceiro sentir o anel
- aumento da pressão arterial
- aumento do apetite
- dor das costas; espasmos musculares; dor nas pernas ou braços
- sensibilidade da pele diminuída
- dor ou aumento das mamas; doença fibroquística da mama (quistos nas mamas que podem inchar ou tornarem-se dolorosos)
- inflamação do colo do útero; pólipos cervicais (saliências no colo do útero); eversão (crescimento para fora) do tecido interior do colo do útero (ectrópio)
- alterações do período menstrual (por exemplo, os períodos menstruais podem ser abundantes, prolongados, irregulares ou inexistentes), desconforto pélvico; síndrome pré-menstrual, contrações uterinas
- infecção vaginal (fúngica ou bacteriana); sensação vaginal ou vulvar de queimadura, odor, dor, desconforto ou secura vaginal ou vulvar.
- queda de cabelo, eczema, comichão, erupção da pele ou afrontamentos
- fractura do anel

Raros: podem afectar até 1 em 1.000 mulheres coágulos sanguíneos prejudiciais numa veia ou artéria, por exemplo:
numa perna ou pé (ou seja, TVP)
no pulmão (ou seja, EP)
ataque cardíaco
acidente vascular cerebral
miniacidente vascular crerebral ou sintomas temporários do tipo acidente vascular
cerebral, conhecidos como um acidente isquémico transitório (AIT)
coágulos sanguíneos no fígado, barriga/intestinos, rins ou olhos.

A possibilidade de ter um coágulo sanguíneo pode ser mais elevada se tiver outras condições que aumentam este risco (ver seção 2 para mais informação sobre as condições que aumentam o risco de coágulos sanguíneos e os sintomas de um coágulo sanguíneo)
Corrimento mamário

Desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis)
cloasma (manchas de pigmentação na pele castanho amareladas, particularmente na face)
desconforto do pénis do parceiro (tal como: irritação, erupção da pele, comichão)

Foram notificados cancro da mama e tumores hepáticos em utilizadoras de contraceptivos hormonais combinados.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: X - Estudos revelaram anormalidades no feto ou evidências de risco para o feto. Os riscos durante a gravidez são superiores aos potenciais benefícios. Não usar em hipótese alguma durante a gravidez.
Precauções Gerais
1. Alterações na circulação:
Risco de tromboembolismo venoso (TEV), que aumenta com a idade (especialmente acima de 35 anos), história familiar, obesidade, imobilização prolongada, cirurgia de grande porte, qualquer cirurgia de perna ou pélvica, neurocirurgia ou trauma importante.

Outras doenças associadas ao TEV: cancro, lúpus eritematoso sistémico, síndrome hemolítico-urémica, doença inflamatória intestinal crénica (doença de Crohn ou colite ulcerativa) e anemia falciforme.

Risco de tromboembolismo arterial (CIA), que aumenta com a idade (especialmente acima de 35 anos), tabagismo, hipertensão, obesidade, história familiar, enxaqueca, outras doenças associadas a eventos vasculares adversos: diabetes mellitus, hiper-homocisteinemia, doença valvular e fibrilação atrial, dislipoproteinemia e lúpus eritematoso sistémico.

2. Tumores:
O uso prolongado de anticoncepcionais orais é um factor de risco para o desenvolvimento de cancro cervical em mulheres infectadas com o papilomavírus humano (HPV).
Não há dados epidemiológicos sobre o risco de cancro cervical em usuárias de anel.

3. Alanina aminotranferase elevada (ALT):
Em mulheres que usam etinilestradiol combinado como em anticoncepcionais hormonais combinados (CHCs) e tratadas para infecções pelo vírus da hepatite C (VHC) com medicamentos contendo ombitasvir / paritaprevir / ritonavir e dasabuvir com ou sem ribavirina, houve aumentos significativos na alanina aminotransferase.

4. Outras patologias:
Hipertrigliceridemia ou história familiar dela, pode haver um risco aumentado de desenvolver pancreatite durante o uso de anticoncepcionais hormonais.

HBP, foram observados aumentos da pressão arterial. Se houver hipertensão clinicamente relevante, interrompa o uso do anel e trate a hipertensão. Retome o emprego se os valores normais da pressão arterial forem alcançados com o tratamento anti-hipertensivo.
Eles podem ser agravados: icterícia e / ou prurido devido à colestase; formação de cálculos biliares; porfiria; lúpus eritematoso sistémico; Síndrome hemolítico-urémica; Coréia de Sydenham; herpes gestacional; perda auditiva devido à otosclerose.

Os estrogénios exógenos podem induzir ou exacerbar os sintomas de angioedema (hereditário).

Alterações agudas ou crénicas na função hepática podem exigir a descontinuação do anel até que os marcadores da função hepática voltem ao normal.

Mulheres com tendência ao cloasma devem evitar a exposição ao sol ou à radiação ultravioleta enquanto usam o anel.

Nos casos de prolapso uterino, cistocele e / ou proctocele, obstipação crónica ou grave, pode acontecer que o anel não seja inserido corretamente ou que seja expelido.
Se apresentarem alterações de humor e sintomas depressivos, entre em contato com o especialista, devido ao risco de depressão.
Cuidados com a Dieta
O tabagismo aumenta o risco de efeitos secundários cardiovasculares graves de combinação uso de contraceptivos orais.
Terapêutica Interrompida
A eficácia contraceptiva e o controlo do ciclo podem estar comprometidos se a mulher não seguir o esquema posológico recomendado.

Para que a eficácia contraceptiva não se perca em caso de desvio ao esquema posológico, aconselha-se o seguinte:

• Como proceder no caso de um intervalo de tempo mais prolongado sem anel
A mulher deverá inserir um novo anel assim que se lembre.

Adicionalmente, deverá ser utilizado um método de barreira (por exemplo, preservativo) durante os 7 dias seguintes.

Se ocorreram relações sexuais durante o intervalo de tempo sem anel, deve-se ponderar a possibilidade de uma gravidez.

Quanto mais prolongado for o intervalo de tempo sem anel, maior será o risco de gravidez.

• Como proceder se o anel tiver estado temporariamente fora da vagina este deverá ser mantido na vagina, continuamente, durante 3 semanas.

No caso de o anel ser expelido acidentalmente, ele poderá ser lavado com água fria a morna (nunca com água quente) e deverá ser reinserido imediatamente.

Se o anel estiver fora da vagina menos de 3 horas, a eficácia contraceptiva não é reduzida.

A mulher deverá reinserir o anel logo que possível, mas o mais tardar até ao final dessas três horas.

Se o anel estiver fora da vagina, ou suspeitar que tenha estado fora da vagina, por mais de 3 horas durante a 1ª ou 2ª semana de utilização, a eficácia contraceptiva poderá ter diminuído.

A mulher deverá reinserir o anel assim que se lembrar.

Um método de barreira (por exemplo, preservativo) deverá ser utilizado simultaneamente até o anel ter permanecido continuamente na vagina durante 7 dias.

Quanto mais tempo o anel estiver fora da vagina e quanto mais perto estiver do intervalo de tempo sem anel, maior será o risco de gravidez.

Se o anel estiver fora da vagina, ou suspeitar que tenha estado fora da vagina, durante mais de 3 horas durante a 3ª semana do período de utilização de 3 semanas, a eficácia contraceptiva poderá estar reduzida.

A mulher deverá deitar fora esse anel, podendo escolher uma das seguintes opções:

1. Inserir imediatamente um novo anel
Nota: Inserindo um novo anel irá iniciar-se um novo período de três semanas.
A mulher pode não ter a hemorragia de privação correspondente ao ciclo anterior.
Contudo, poderão ocorrer hemorragias, metrorragias ou sangramentos.

2. Ter a hemorragia de privação e inserir um novo anel, no máximo, até 7 dias depois (7 x 24 horas) da remoção ou expulsão do anel anterior.

Nota: Deverá optar-se por esta situação apenas se o anel foi usado de forma contínua nos 7 dias anteriores.

• Como proceder em caso de utilização mais prolongada do anel
Embora este esquema não seja recomendado, desde que o anel tenha sido utilizado, no máximo, durante 4 semanas, a eficácia contraceptiva mantém-se adequada.

A mulher poderá manter o seu intervalo de tempo de uma semana sem anel e, seguidamente, inserir um novo anel.

Se o anel tiver permanecido na vagina durante mais de 4 semanas, a eficácia contraceptiva poderá estar diminuída; portanto, antes de inserir um novo anel deverá excluir-se a possibilidade de uma gravidez.

Se a mulher não tiver seguido o esquema posológico recomendado e não tiver hemorragia de privação no intervalo de tempo seguinte sem anel, deverá também excluir-se a possibilidade de uma gravidez antes da inserção de um novo anel.
Cuidados no Armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 30ºC.
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz e humidade.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Contracetivos hormonais

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Contracetivos hormonais
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Fenitoína

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Fenitoína
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Fenobarbital
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Carbamazepina
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Rifampicina

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Rifampicina
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Primidona

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Primidona
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Oxcarbazepina

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Oxcarbazepina
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Topiramato

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Topiramato
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Felbamato

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Felbamato
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Ritonavir

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Ritonavir
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Griseofulvina
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: N.D.
Interacções: interacções com outros medicamentos As interacções entre Contraceptivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interacções: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interacções com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira. - Hipericão (Erva de S. João)
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Antibióticos

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Antibióticos
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Penicilinas

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Penicilinas
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Tetraciclinas

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Tetraciclinas
Sem efeito descrito

Etinilestradiol + Etonogestrel + Amoxicilina

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Amoxicilina
Sem efeito descrito

Etinilestradiol + Etonogestrel + Doxiciclina

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Doxiciclina
Sem efeito descrito

Etinilestradiol + Etonogestrel + Antimicóticos

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Antimicóticos
Sem efeito descrito

Etinilestradiol + Etonogestrel + Espermicidas

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Espermicidas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etinilestradiol + Etonogestrel + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Ciclosporina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etinilestradiol + Etonogestrel + Lamotrigina

Observações: N.D.
Interacções: Foram também notificadas falhas contracetivas com antibióticos, tais como penicilinas e tetraciclinas. O mecanismo de acção deste efeito não foi ainda esclarecido. Num estudo de interacção farmacocinética, a administração oral de amoxicilina (875 mg, duas vezes por dia) ou doxiciclina (200 mg no dia 1, seguido de 100 mg por dia) durante 10 dias durante a utilização concomitante com Etinilestradiol + Etonogestrel, não afetou significativamente a farmacocinética do etonogestrel e do etinilestradiol. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto amoxicilina e doxiciclina) deverão usar um método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de outro fármaco se prolongar para além das 3 semanas do ciclo de utilização do anel, o próximo anel deverá ser inserido imediatamente, sem o habitual intervalo sem anel. Com base em dados farmacocinéticos, é pouco provável que os antimicóticos e espermicidas administrados por via vaginal afetem a eficácia contracetiva e a segurança deste medicamento. Durante o uso concomitante de óvulos antimicóticos, a possibilidade de abertura do anel poderá ser ligeiramente maior. Os Contraceptivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros fármacos, por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas (por exemplo, ciclosporina) ou diminuídas (por exemplo, lamotrigina). A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interacções. - Lamotrigina
Usar com precaução

Etinilestradiol + Etonogestrel + Testes Laboratoriais/Diagnóstico

Observações: N.D.
Interacções: Testes laboratoriais: A utilização de Contraceptivos esteróides pode influenciar as concentrações de certos exames laboratoriais, incluindo os parâmetros bioquímicos das funções hepática, tiróideia, suprarrenal e renal, os valores plasmáticos das proteínas de transporte, (por exemplo, globulinas de ligação aos corticosteróides e globulinas de ligação às hormonas sexuais) e frações lipídicas/lipoproteicas, os parâmetros do metabolismo dos hidratos de carbono e os parâmetros de coagulação e fibrinólise. Em geral, as alterações verificadas mantêm-se dentro dos valores laboratoriais normais. - Testes Laboratoriais/Diagnóstico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Etinilestradiol + Etonogestrel
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A utilização de Etinilestradiol / Etonogestrel não está indicada durante a gravidez.
Se ocorrer gravidez com o Etinilestradiol / Etonogestrel in situ, o anel deverá ser removido.

O aleitamento pode ser influenciado pelos estrogénios, uma vez que estes podem reduzir a quantidade e alterar a composição do leite.
Portanto, o uso de Etinilestradiol / Etonogestrel não deve, em geral, ser recomendado antes do total desmame do lactente.
O leite materno pode conter pequenas quantidades de esteróides contraceptivos e/ou dos seus metabolitos, mas não há conhecimento de que tenham efeitos adversos sobre a saúde do recém-nascido.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 09 de Julho de 2021