Ertugliflozina + Metformina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
A ertugliflozina pertence a um grupo de medicamentos chamados inibidores do cotransportador de sódio-glicose 2 (SGLT2).

A metformina pertence a um grupo de medicamentos chamados biguanidas.

A diabetes tipo 2 é uma doença na qual o organismo não produz insulina em quantidade suficiente ou a insulina que o seu organismo produz não actua tão bem como deveria. O organismo pode também produzir demasiado açúcar. Quando isto acontece, o açúcar (glicose) acumula-se no sangue. Isto pode causar problemas de saúde graves, tais como doenças do coração, dos rins, cegueira e má circulação.
Usos comuns
Ertugliflozina + Metformina é indicado em adultos com idade igual ou superior a 18 anos com diabetes mellitus tipo 2 como um adjuvante da dieta e do exercício para melhorar o controlo glicémico:
- em doentes não adequadamente controlados com a sua dose máxima tolerada de metformina isolada
- em doentes a tomar as suas doses máximas toleradas de metformina juntamente com outros medicamentos para o tratamento da diabetes
- em doentes já a fazer tratamento com a associação de ertugliflozina e metformina em comprimidos separados.
Tipo
Sem informação.
História
A Ertugliflozina nos Estados Unidos, foi aprovado pela Food and Drug Administration para uso como monoterapia e como combinação de dose fixa com sitagliptina ou metformina. Na Europa, foi aprovado em março de 2018, para uso como monoterapia ou terapia combinada. Em setembro de 2020, o The New England Journal of Medicine relatou que a Ertugliflozina se mostrou essencialmente não inferior ao placebo.

A metformina foi descoberta em 1922. O médico francês Jean Sterne iniciou o estudo em humanos na década de 1950. Foi introduzido como medicamento na França em 1957 e nos Estados Unidos em 1995. Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde. A metformina é o medicamento mais amplamente usado para diabetes tomado por via oral.
Indicações
Ertugliflozina + Metformina baixa os níveis de açúcar no sangue em doentes adultos (com 18 anos de idade ou mais) com diabetes tipo 2.

Ertugliflozina + Metformina pode ser usado em vez de tomar ertugliflozina e metformina em comprimidos separados.

Ertugliflozina + Metformina pode ser utilizado isolado ou com alguns outros medicamentos que baixam o açúcar no sangue.

Tem de continuar a seguir o seu plano alimentar e de exercício enquanto estiver a tomar Ertugliflozina + Metformina.

A ertugliflozina actua bloqueando a proteína SGLT2 nos rins. Isto faz com que o açúcar do sangue seja removido na urina.

A metformina actua inibindo a produção de açúcar (glicose) no fígado.
Classificação CFT

08.04.02 : Antidiabéticos orais

Mecanismo De Acção
Ertugliflozina + Metformina associa dois agentes anti-hiperglicémicos com mecanismos de acção complementares para melhorar o controlo glicémico em doentes com diabetes tipo 2: a ertugliflozina, um inibidor do SGLT2 e o cloridrato de metformina, um membro da classe das biguanidas.

Ertugliflozina
O SGLT2 é o transportador predominante responsável pela reabsorção da glicose do filtrado glomerular de volta para a circulação. A ertugliflozina é um inibidor potente, selectivo e reversível do SGLT2. Ao inibir o SGLT2, a ertugliflozina reduz a reabsorção renal da glicose filtrada e baixa o limiar renal para a glicose, aumentando desta forma a excreção urinária da glicose.

Metformina
A metformina é um agente anti-hiperglicémico que melhora a tolerância à glicose em doentes com diabetes tipo 2, baixando a glicemia basal e pós-prandial. Os seus mecanismos de acção farmacológicos são diferentes dos de outras classes de agentes anti-hiperglicémicos orais. A metformina diminui a produção hepática de glicose, diminui a absorção intestinal de glicose e melhora a sensibilidade à insulina ao aumentar a absorção e utilização periféricas da glicose. Ao contrário das sulfonilureias, a metformina não causa hipoglicemia em doentes com diabetes tipo 2 ou em indivíduos normais, excepto em circunstâncias especiais e não causa hiperinsulinemia. Com a terapêutica com metformina, a excreção de insulina permanece inalterada, enquanto os níveis de insulina em jejum e a resposta da insulina plasmática ao longo dia podem, efectivamente, diminuir.
Posologia Orientativa
A dose recomendada é um comprimido duas vezes por dia.

A dosagem deve ser individualizada com base no regime actual do doente, eficácia e tolerabilidade usando a dose diária recomendada de 5 mg ou 15 mg de ertugliflozina, sem exceder a dose diária máxima recomendada de metformina.
Administração
Ertugliflozina + Metformina deve ser tomado por via oral duas vezes por dia às refeições para reduzir as reacções adversas gastrointestinais associadas à metformina.

No caso de dificuldades em engolir, o comprimido pode ser partido ou esmagado uma vez que se trata de uma forma farmacêutica de libertação imediata.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade à Ertugliflozina e à Metformina
- qualquer tipo de acidose metabólica aguda (tal como, acidose láctica, cetoacidose diabética [CAD]);
- pré-coma diabético;
- insuficiência renal grave (TFG inferior a 30 ml/min), doença renal terminal (DRT) ou doentes a fazer diálise;
- situações agudas com potencial para alterar a função renal, tais como:
- desidratação,
- infecção grave,
- choque;
- doença aguda ou crónica passível de causar hipoxia tecidular, como:
- insuficiência cardíaca ou respiratória,
- enfarte do miocárdio recente,
- choque;
- compromisso hepático;
- intoxicação alcoólica aguda, alcoolismo.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Acidose láctica (muito raro, pode afectar até 1 em 10.000 pessoas)
Ertugliflozina + Metformina pode causar um efeito secundário muito raro, mas muito grave chamado acidose láctica.
Se isto acontecer, tem de parar de tomar Ertugliflozina + Metformina e contactar imediatamente um médico ou o hospital mais próximo, pois a acidose láctica pode resultar em coma.

Cetoacidose diabética (raro, pode afectar até 1 em 1.000 pessoas)
Estes são os sinais de cetoacidose diabética:
• níveis aumentados de “corpos cetónicos” na urina ou sangue
• perda de peso rápida
• enjoos ou vómitos
• dor de estômago
• sede excessiva
• respiração rápida e profunda
• confusão
• sonolência ou cansaço fora do normal
• cheiro adocicado no hálito, paladar doce ou metálico na boca ou odor diferente da urina ou suor Isto pode ocorrer independentemente do nível de glicose no sangue. O médico pode decidir interromper de forma temporária ou permanente o seu tratamento com Ertugliflozina + Metformina.
Contacte imediatamente um médico ou o hospital mais próximo se tiver algum dos efeitos secundários acima indicados.

Contacte o médico logo que possível se notar os seguintes efeitos secundários:
Desidratação (perda de água em demasia do seu organismo; frequente, pode afectar até 1 em 10 pessoas)
Os sintomas de desidratação incluem:
• boca seca
• sentir-se tonto, atordoado ou fraco, especialmente quando se levanta
• desmaio

Pode ter maior probabilidade de ficar desidratado, se:
• tem problemas dos rins
• toma medicamentos que aumentam a sua produção de urina (diuréticos) ou que diminuem a pressão arterial
• tem 65 anos de idade ou mais

Açúcar baixo no sangue (hipoglicemia; frequente)
O médico irá dizer-lhe como tratar o açúcar baixo no sangue e o que fazer se tiver alguns dos sinais ou sintomas a seguir indicados. O médico poderá baixar a dose de insulina ou de outro medicamento para a diabetes.

Os sinais e sintomas de nível baixo de açúcar no sangue podem incluir:
• dor de cabeça
• sonolência
• irritabilidade
• fome
• tonturas
• confusão
• transpiração
• sentir-se nervoso
• fraqueza
• batimento cardíaco rápido
Contacte o médico logo que possível se notar algum dos efeitos secundários acima indicados.

Outros efeitos secundários incluem:
Muito frequentes
• infecção vaginal por leveduras (sapinhos)
• sensação de mal-estar (náuseas)
• vómitos
• diarreia
• dor de estomâgo
• perda de apetite

Frequentes
• infecção do pénis por leveduras
• alterações na micção, incluindo necessidade urgente de urinar com mais frequência, em maior quantidade ou de noite
• sede
• comichão vaginal
• alteração do paladar
• análises ao sangue poderão revelar alterações da ureia no sangue
• análises ao sangue poderão revelar alterações na quantidade de colesterol total e mau (chamado LDL - um tipo de gordura no sangue)
• análises ao sangue poderão revelar alterações na quantidade de glóbulos vermelhos no sangue (chamada hemoglobina)

Pouco frequentes (podem afectar até 1 em cada 100 pessoas)
• análises ao sangue poderão revelar alterações relacionadas com a função renal (tais como a “creatinina”)
• dor ao urinar

Muito raros
• diminuição dos níveis de vitamina B12. Isto pode causar anemia (níveis baixos de glóbulos vermelhos).
• alterações em análises da função hepática
• hepatite (um problema do fígado)
• urticária
• vermelhidão da pele
• comichão
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Ertugliflozina + Metformina não deve ser utilizado durante a gravidez
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Ertugliflozina + Metformina não deve ser utilizado durante a amamentação.
Condução
Condução
Condução:Os doentes devem ser alertados para o risco de hipoglicemia quando Ertugliflozina + Metformina é utilizado em associação com insulina ou um secretagogo de insulina e para o risco elevado de reacções adversas relacionadas com a depleção de volume, tais como tonturas posturais.
Precauções Gerais
Ertugliflozina + Metformina não deve ser utilizado em doentes com diabetes mellitus tipo 1.

A acidose láctica é uma complicação metabólica rara, mas grave, que ocorre habitualmente com o agravamento agudo da função renal, com a doença cardiorrespiratória ou com a sepsia. Com o agravamento agudo da função renal, dá-se uma acumulação de metformina que aumenta o risco de acidose láctica.

Em caso de desidratação (vómitos intensos, diarreia, febre ou redução da ingestão de líquidos), a metformina deve ser temporariamente interrompida, recomendando-se contactar um profissional de saúde.

Os medicamentos que podem comprometer a função renal de forma aguda (tais como anti-hipertensores, diuréticos e anti-inflamatórios não esteróides [AINEs]) devem ser iniciados com precaução nos doentes tratados com metformina. Outros factores de risco de acidose láctica são o consumo excessivo de álcool, insuficiência hepática, diabetes mal controlada, cetose, jejum prolongado e quaisquer situações associadas a hipoxia, assim como a utilização concomitante de medicamentos que possam provocar acidose láctica.

Os doentes e/ou cuidadores devem ser informados do risco de acidose láctica. A acidose láctica caracteriza-se por dispneia acidótica, dor abdominal, cãibras musculares, astenia e hipotermia, seguidas de coma. Se ocorrerem sintomas suspeitos, o doente deve parar de tomar a metformina e procurar assistência médica imediata. Os resultados laboratoriais que permitem o diagnóstico são a diminuição do pH do sangue (< 7,35), o aumento das concentrações plasmáticas de lactato (> 5 mmol/l) e o aumento do hiato aniónico e do quociente lactato/piruvato.

A administração intravascular de agentes de contraste iodados pode provocar nefropatia induzida pelo contraste, resultando na acumulação de metformina e no aumento do risco de acidose láctica.

Ertugliflozina + Metformina deve ser interrompido antes ou no momento do procedimento imagiológico e só deve ser retomado, pelo menos, 48 horas depois, desde que a função renal tenha sido reavaliada e considerada estável.

A eficácia de ertugliflozina é dependente da função renal, estando reduzida em doentes com compromisso renal moderado e provavelmente ausente em doentes com compromisso renal grave.

Ertugliflozina + Metformina não deve ser iniciado em doentes com uma TFG inferior a 60 ml/min. Ertugliflozina + Metformina deve ser descontinuado quando a TFG é persistentemente inferior a 45 ml/min devido a uma redução da eficácia.

A TFG deve ser avaliada antes de iniciar o tratamento e regularmente, daí em diante. Recomenda-se uma monitorização mais frequente da função renal em doentes com uma TFG inferior a 60 ml/min.
A metformina é contra-indicada em doentes com uma TFG < 30 ml/min e deve ser descontinuada temporariamente na presença de condições que alteram a função renal.

Ertugliflozina + Metformina tem de ser descontinuado aquando de uma cirurgia com anestesia geral, espinal ou epidural. A terapêutica só se pode reiniciar pelo menos 48 horas após a cirurgia ou da retoma da alimentação por via oral e desde que a função renal tenha sido reavaliada e considerada estável.

A ertugliflozina causa uma diurese osmótica, que pode resultar em contração do volume intravascular. Por conseguinte, pode ocorrer hipotensão sintomática após o início de tratamento com Ertugliflozina + Metformina, particularmente em doentes com compromisso da função renal (TFGe inferior a 60 ml/min/1,73 m2 ou ClCr inferior a 60 ml/min), em doentes idosos (≥ 65 anos), em doentes a tomar diuréticos ou em doentes em terapêutica anti-hipertensora com antecedentes de hipotensão. Antes de iniciar Ertugliflozina + Metformina, o estado do volume deve ser avaliado e corrigido, se for indicado. Monitorizar quanto a sinais e sintomas após o início da terapêutica.

Devido ao seu mecanismo de acção, a ertugliflozina induz uma diurese osmótica e aumenta a creatinina sérica e diminui a TFGe. Os aumentos da creatinina sérica e as diminuições da TFGe foram maiores em doentes com compromisso renal moderado.

Em situações que possam resultar em perda de fluidos (p. ex., doença gastrointestinal), recomenda-se monitorização cuidadosa do volume (p. ex., exame físico, medições da pressão arterial, análises clínicas incluindo hematócrito) e dos electrólitos para os doentes a receber ertugliflozina. Deve ser ponderada a interrupção temporária do tratamento com Ertugliflozina + Metformina até a perda de fluidos ser corrigida.

Foram reportados casos raros de CAD, incluindo casos potencialmente fatais e fatais em ensaios clínicos e no período pós-comercialização em doentes tratados com inibidores do cotransportador sódio-glicose 2 (SGLT2), e foram reportados casos em ensaios clínicos com ertugliflozina. Em alguns casos, a apresentação da condição era atípica com valores de glicemia apenas moderadamente aumentados, abaixo dos 14 mmol/l (250 mg/dl). Desconhece-se se a probabilidade de ocorrência de CAD é maior com doses mais elevadas de ertugliflozina.

O risco de cetoacidose diabética tem de ser considerado no caso de sintomas não específicos, tais como náuseas, vómitos, anorexia, dor abdominal, sede excessiva, dificuldade em respirar, confusão, fadiga fora do normal ou sonolência. Os doentes devem ser avaliados imediatamente quanto a cetoacidose, caso estes sintomas ocorram, independentemente do valor da glicemia.

Nos doentes com suspeita ou diagnóstico de CAD, o tratamento com Ertugliflozina + Metformina deve ser descontinuado de imediato.

O tratamento deve ser interrompido em doentes hospitalizados para procedimentos cirúrgicos major ou por doença clínica aguda grave. Em ambos os casos, o tratamento com Ertugliflozina + Metformina pode ser reiniciado assim que a condição do doente estabilizar.

Antes de iniciar Ertugliflozina + Metformina, devem ser considerados os factores da história do doente, que possam predispor para cetoacidose.

Os doentes que podem ter um risco superior de CAD incluem doentes com baixa reserva da função das células beta (p. ex., doentes com diabetes tipo 2 com peptídeo C baixo ou diabetes autoimune latente do adulto [LADA] ou doentes com antecedentes de pancreatite), doentes com condições que levam a restrições do aporte alimentar ou desidratação grave, doentes para os quais as doses de insulina são reduzidas e doentes com necessidades aumentadas de insulina devido a doença clínica aguda, cirurgia ou abuso de álcool. Os inibidores do SGLT2 devem ser utilizados com precaução nestes doentes.

O reinício do tratamento com um inibidor do SGLT2 em doentes com CAD anterior enquanto estavam a fazer tratamento com um inibidor do SGLT2 não é recomendado, a não ser que outro factor desencadeador inequívoco seja identificado e resolvido.

A segurança e a eficácia de Ertugliflozina + Metformina em doentes com diabetes tipo 1 não foram estabelecidas e Ertugliflozina + Metformina não deve ser utilizado para o tratamento de doentes com diabetes tipo 1. Dados limitados de ensaios clínicos sugerem que a CAD ocorre com frequência quando doentes com diabetes tipo 1 são tratados com inibidores do SGLT2.

Tem sido observado um aumento do número de casos de amputação dos membros inferiores (principalmente do dedo grande do pé) em ensaios clínicos de longo prazo com um outro inibidor do SGLT2. Desconhece-se se tal constitui um efeito de classe. Como para todos os doentes diabéticos, é importante aconselhar os doentes sobre cuidados preventivos de rotina com os pés.

Hipoglicemia na utilização concomitante com insulina e secretagogos de insulina
A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina, os quais se sabe que causam hipoglicemia. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para minimizar o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com Ertugliflozina + Metformina.

A ertugliflozina aumenta o risco de infecções fúngicas genitais. Em ensaios com inibidores do SGLT2, os doentes com antecedentes de infecções fúngicas genitais e os homens não circuncidados tinham maior probabilidade de desenvolver infecções fúngicas genitais. Os doentes devem ser monitorizados e tratados adequadamente.

A excreção urinária da glicose pode estar associada a um risco aumentado de infecções do tracto urinário. A incidência de infecções do tracto urinário não apresentou uma diferença notória nos grupos de ertugliflozina de 5 mg e 15 mg (4,0% e 4,1%) e no grupo placebo (3,9%). A maioria dos acontecimentos foram ligeiros ou moderados e não foi reportado nenhum caso grave. A interrupção temporária da ertugliflozina deve ser considerada no tratamento da pielonefrite ou urosepsis.

Os doentes idosos poderão ter um risco acrescido de deplecção de volume. Os doentes com idade igual ou superior a 65 anos tratados com ertugliflozina tiveram uma incidência superior de reacções adversas relacionadas com deplecção de volume comparativamente a doentes mais novos. O risco de acidose láctica associada à metformina aumenta com a idade do doente porque os doentes idosos têm uma maior probabilidade de ter compromisso hepático, renal ou cardíaco que os doentes mais novos. É de esperar que Ertugliflozina + Metformina tenha uma eficácia diminuída em doentes idosos com compromisso renal. Avaliar a função renal mais frequentemente nos doentes idosos.

A experiência com doentes de classe I-II da New York Heart Association (NYHA) é limitada e não existe experiência em estudos clínicos com ertugliflozina em doentes de classe III-IV da NYHA.

Devido ao mecanismo de acção da ertugliflozina, os doentes a tomar Ertugliflozina + Metformina terão resultados positivos para a glicose na urina. Devem usar-se métodos alternativos para monitorizar o controlo glicémico.

Não se recomenda a monitorização do controlo glicémico com o doseamento do 1,5-AG pois as medições do 1,5-AG não são fiáveis para a avaliação do controlo glicémico em doentes a tomar medicamentos contendo inibidores do SGLT2. Devem usar-se métodos alternativos para monitorizar o controlo glicémico.
Cuidados com a Dieta
Evite o consumo excessivo de álcool enquanto estiver a tomar Ertugliflozina + Metformina pois pode aumentar o risco de acidose láctica
Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose, tome-a logo que se lembrar. Contudo, se estiver próximo da hora da próxima dose, ignore a dose esquecida e prossiga com o seu plano regular.
Não tome uma dose a dobrar (duas doses ao mesmo tempo) para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.

Não utilize este medicamento se verificar que a embalagem está deteriorada ou mostra sinais de adulteração.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Diuréticos

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacodinâmicas Diuréticos A ertugliflozina pode contribuir para o efeito diurético dos diuréticos e pode aumentar o risco de desidratação e hipotensão. Metformina Associações que requerem precauções de utilização Os glucocorticoides (administrados por via sistémica e local), os agonistas beta 2 e os diuréticos possuem uma actividade hiperglicémica intrínseca. O doente deve ser informado e submetido a uma monitorização mais frequente dos níveis de glicemia, especialmente no início do tratamento com esses medicamentos. Se necessário, deve ajustar-se a dose do medicamento hipoglicemiante durante a terapêutica com o outro medicamento e após a sua interrupção. - Diuréticos
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Insulinas

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacodinâmicas Insulina e secretagogos de insulina A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, causam hipoglicemia. A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com Ertugliflozina + Metformina. - Insulinas
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Sulfonilureias

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacodinâmicas Insulina e secretagogos de insulina A insulina e os secretagogos de insulina, tais como as sulfonilureias, causam hipoglicemia. A ertugliflozina pode aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizada em associação com insulina e/ou um secretagogo de insulina. Por conseguinte, poderá ser necessária uma dose inferior de insulina ou de secretagogo de insulina para reduzir o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com Ertugliflozina + Metformina. - Sulfonilureias
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Sitagliptina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. Estudos de interacção efetuados em indivíduos saudáveis, utilizando uma conceção de dose única, sugerem que a farmacocinética da ertugliflozina não é alterada pela sitagliptina, metformina, glimepirida ou sinvastatina. Efeitos da ertugliflozina na farmacocinética de outros medicamentos Estudos de interacção efetuados em voluntários saudáveis sugerem que a ertugliflozina não tem qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da sitagliptina, metformina e glimepirida. A co-administração de sinvastatina e ertugliflozina resultou num aumento de 24% e 19% na AUC e Cmax da sinvastatina, respectivamente, e num aumento de 30% e 16% na AUC e Cmax do ácido de sinvastatina, respectivamente. O mecanismo para os pequenos aumentos da sinvastatina e do ácido de sinvastatina é desconhecido e não é causado pela inibição da OATP pela ertugliflozina. Estes aumentos não são considerados clinicamente relevantes. - Sitagliptina
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Metformina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. Estudos de interacção efetuados em indivíduos saudáveis, utilizando uma conceção de dose única, sugerem que a farmacocinética da ertugliflozina não é alterada pela sitagliptina, metformina, glimepirida ou sinvastatina. Efeitos da ertugliflozina na farmacocinética de outros medicamentos Estudos de interacção efetuados em voluntários saudáveis sugerem que a ertugliflozina não tem qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da sitagliptina, metformina e glimepirida. A co-administração de sinvastatina e ertugliflozina resultou num aumento de 24% e 19% na AUC e Cmax da sinvastatina, respectivamente, e num aumento de 30% e 16% na AUC e Cmax do ácido de sinvastatina, respectivamente. O mecanismo para os pequenos aumentos da sinvastatina e do ácido de sinvastatina é desconhecido e não é causado pela inibição da OATP pela ertugliflozina. Estes aumentos não são considerados clinicamente relevantes. - Metformina
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Glimepirida

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. Estudos de interacção efetuados em indivíduos saudáveis, utilizando uma conceção de dose única, sugerem que a farmacocinética da ertugliflozina não é alterada pela sitagliptina, metformina, glimepirida ou sinvastatina. Efeitos da ertugliflozina na farmacocinética de outros medicamentos Estudos de interacção efetuados em voluntários saudáveis sugerem que a ertugliflozina não tem qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da sitagliptina, metformina e glimepirida. A co-administração de sinvastatina e ertugliflozina resultou num aumento de 24% e 19% na AUC e Cmax da sinvastatina, respectivamente, e num aumento de 30% e 16% na AUC e Cmax do ácido de sinvastatina, respectivamente. O mecanismo para os pequenos aumentos da sinvastatina e do ácido de sinvastatina é desconhecido e não é causado pela inibição da OATP pela ertugliflozina. Estes aumentos não são considerados clinicamente relevantes. - Glimepirida
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Sinvastatina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. Estudos de interacção efetuados em indivíduos saudáveis, utilizando uma conceção de dose única, sugerem que a farmacocinética da ertugliflozina não é alterada pela sitagliptina, metformina, glimepirida ou sinvastatina. Efeitos da ertugliflozina na farmacocinética de outros medicamentos Estudos de interacção efetuados em voluntários saudáveis sugerem que a ertugliflozina não tem qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da sitagliptina, metformina e glimepirida. A co-administração de sinvastatina e ertugliflozina resultou num aumento de 24% e 19% na AUC e Cmax da sinvastatina, respectivamente, e num aumento de 30% e 16% na AUC e Cmax do ácido de sinvastatina, respectivamente. O mecanismo para os pequenos aumentos da sinvastatina e do ácido de sinvastatina é desconhecido e não é causado pela inibição da OATP pela ertugliflozina. Estes aumentos não são considerados clinicamente relevantes. - Sinvastatina
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Rifampicina (rifampina)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. A administração de doses múltiplas de rifampicina (um indutor da UGT e do CYP) diminui a AUC e a Cmax da ertugliflozina em 39% e 15%, respectivamente. Esta diminuição na exposição não é considerada clinicamente relevante e, por conseguinte, não é recomendado qualquer ajuste posológico. Não é de esperar um efeito clinicamente relevante com outros indutores (p. ex., carbamazepina, fenitoína, fenobarbital). Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Rifampicina (rifampina)
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Carbamazepina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. A administração de doses múltiplas de rifampicina (um indutor da UGT e do CYP) diminui a AUC e a Cmax da ertugliflozina em 39% e 15%, respectivamente. Esta diminuição na exposição não é considerada clinicamente relevante e, por conseguinte, não é recomendado qualquer ajuste posológico. Não é de esperar um efeito clinicamente relevante com outros indutores (p. ex., carbamazepina, fenitoína, fenobarbital). - Carbamazepina
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Fenitoína

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. A administração de doses múltiplas de rifampicina (um indutor da UGT e do CYP) diminui a AUC e a Cmax da ertugliflozina em 39% e 15%, respectivamente. Esta diminuição na exposição não é considerada clinicamente relevante e, por conseguinte, não é recomendado qualquer ajuste posológico. Não é de esperar um efeito clinicamente relevante com outros indutores (p. ex., carbamazepina, fenitoína, fenobarbital). - Fenitoína
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Fenobarbital

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. A administração de doses múltiplas de rifampicina (um indutor da UGT e do CYP) diminui a AUC e a Cmax da ertugliflozina em 39% e 15%, respectivamente. Esta diminuição na exposição não é considerada clinicamente relevante e, por conseguinte, não é recomendado qualquer ajuste posológico. Não é de esperar um efeito clinicamente relevante com outros indutores (p. ex., carbamazepina, fenitoína, fenobarbital). - Fenobarbital
Sem significado Clínico

Ertugliflozina + Metformina Inibidores da UGT

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Ertugliflozina interacções farmacocinéticas Efeitos de outros medicamentos na farmacocinética da ertugliflozina O metabolismo pela UGT1A9 e UGT2B7 é o principal mecanismo de depuração para a ertugliflozina. O impacto dos inibidores da UGT na farmacocinética da ertugliflozina não foi estudado clinicamente, mas não é esperado que qualquer potencial aumento à exposição de ertugliflozina devido à inibição da UGT, seja clinicamente relevante. - Inibidores da UGT
Não recomendado/Evitar

Ertugliflozina + Metformina Álcool

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Utilização concomitante não recomendada Álcool A intoxicação alcoólica está associada a um risco acrescido de acidose láctica, particularmente em casos de jejum, má nutrição ou compromisso hepático. - Álcool
Não recomendado/Evitar

Ertugliflozina + Metformina Agentes/Meios de Contraste

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Utilização concomitante não recomendada Agentes de contraste iodados Ertugliflozina + Metformina tem de ser interrompido antes ou no momento do procedimento imagiológico e só deve ser retomado, pelo menos, 48 horas depois, desde que a função renal tenha sido reavaliada e considerada estável. - Agentes/Meios de Contraste
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Alguns medicamentos podem afectar negativamente a função renal, o que pode aumentar o risco de acidose láctica, p. ex., AINEs, incluindo inibidores seletivos da cicloxigenase (COX) II, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), antagonistas dos receptores da angiotensina II e diuréticos, sobretudo diuréticos da ansa. Quando se iniciam ou utilizam estes medicamentos em associação com metformina, é necessária uma monitorização atenta da função renal. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Alguns medicamentos podem afectar negativamente a função renal, o que pode aumentar o risco de acidose láctica, p. ex., AINEs, incluindo inibidores seletivos da cicloxigenase (COX) II, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), antagonistas dos receptores da angiotensina II e diuréticos, sobretudo diuréticos da ansa. Quando se iniciam ou utilizam estes medicamentos em associação com metformina, é necessária uma monitorização atenta da função renal. - Inibidores da cicloxigenase (COX)
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Alguns medicamentos podem afectar negativamente a função renal, o que pode aumentar o risco de acidose láctica, p. ex., AINEs, incluindo inibidores seletivos da cicloxigenase (COX) II, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), antagonistas dos receptores da angiotensina II e diuréticos, sobretudo diuréticos da ansa. Quando se iniciam ou utilizam estes medicamentos em associação com metformina, é necessária uma monitorização atenta da função renal. - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Antagonistas da angiotensina II (AAII)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Alguns medicamentos podem afectar negativamente a função renal, o que pode aumentar o risco de acidose láctica, p. ex., AINEs, incluindo inibidores seletivos da cicloxigenase (COX) II, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), antagonistas dos receptores da angiotensina II e diuréticos, sobretudo diuréticos da ansa. Quando se iniciam ou utilizam estes medicamentos em associação com metformina, é necessária uma monitorização atenta da função renal. - Antagonistas da angiotensina II (AAII)
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Diuréticos da ansa

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Alguns medicamentos podem afectar negativamente a função renal, o que pode aumentar o risco de acidose láctica, p. ex., AINEs, incluindo inibidores seletivos da cicloxigenase (COX) II, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), antagonistas dos receptores da angiotensina II e diuréticos, sobretudo diuréticos da ansa. Quando se iniciam ou utilizam estes medicamentos em associação com metformina, é necessária uma monitorização atenta da função renal. - Diuréticos da ansa
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Inibidores do OCT (Transportador Catiónico Orgânico OCT)

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Inibidores do OCT (Transportador Catiónico Orgânico OCT)
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Verapamilo

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Verapamilo
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Cimetidina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Cimetidina
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Dolutegravir

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Dolutegravir
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Ranolazina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Ranolazina
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Trimetoprim

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Trimetoprim
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Vandetanib

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Vandetanib
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Isavuconazol

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Isavuconazol
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Crizotinib

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Crizotinib
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Olaparib

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Transportadores orgânicos catiónicos (OCT) A metformina é um substrato de ambos os transportadores OCT1 e OCT2. A coadmnistração da metformina com: • Inibidores do OCT1 (tais como o verapamilo) podem reduzir a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT1 (tais como a rifampicina) podem aumentar a absorção gastrointestinal e a eficácia da metformina. • Inibidores do OCT2 (tais como a cimetidina, dolutegravir, ranolazina, trimetoprim, vandetanib, isavuconazol) podem diminuir a eliminação renal da metformina o que leva a um aumento da concentração plasmática da metformina. • Inibidores de ambos OCT1 e OCT2 (tais como crizotinib, olaparib) podem alterar a eficácia e a eliminação renal da metformina. Recomenda-se precaução, especialmente em doentes com compromisso renal, quando estes medicamentos são coadmnistrados com metformina uma vez que a concentração plasmática de metformina pode aumentar. Se necessário, pode ser considerado um ajuste da dose de metformina uma vez que os inibidores/indutores do OCT podem alterar a eficácia da metformina. - Olaparib
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Glucocorticóides

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Os glucocorticoides (administrados por via sistémica e local), os agonistas beta 2 e os diuréticos possuem uma actividade hiperglicémica intrínseca. O doente deve ser informado e submetido a uma monitorização mais frequente dos níveis de glicemia, especialmente no início do tratamento com esses medicamentos. Se necessário, deve ajustar-se a dose do medicamento hipoglicemiante durante a terapêutica com o outro medicamento e após a sua interrupção. - Glucocorticóides
Usar com precaução

Ertugliflozina + Metformina Beta agonistas

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção medicamentosa farmacocinética com Ertugliflozina + Metformina; contudo, estes tipos de estudo foram efetuados com as substâncias ativas individuais de Ertugliflozina + Metformina.
Interacções: Metformina Associações que requerem precauções de utilização Os glucocorticoides (administrados por via sistémica e local), os agonistas beta 2 e os diuréticos possuem uma actividade hiperglicémica intrínseca. O doente deve ser informado e submetido a uma monitorização mais frequente dos níveis de glicemia, especialmente no início do tratamento com esses medicamentos. Se necessário, deve ajustar-se a dose do medicamento hipoglicemiante durante a terapêutica com o outro medicamento e após a sua interrupção. - Beta agonistas
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Ertugliflozina + Metformina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Ertugliflozina + Metformina não deve ser utilizado durante a gravidez e a amamentação.

Os doentes devem ser alertados para o risco de hipoglicemia quando Ertugliflozina + Metformina é utilizado em associação com insulina ou um secretagogo de insulina e para o risco elevado de reacções adversas relacionadas com a deplecção de volume, tais como tonturas posturais.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021