Clortalidona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução
O que é
Clortalidona é um diurético usado para tratar a hipertensão.

É descrito como um diurético tiazida (ou, em vez disso, um diurético tiazida semelhante porque actua de forma semelhante às tiazidas mas não contém o benzotiadiazina estrutura molecular).

Em comparação com outros medicamentos da classe tiazidas, a clortalidona tem a maior duração de acção, mas um efeito diurético semelhante em doses terapêuticas máximas.

É frequentemente usado no tratamento da hipertensão e edema.

Em termos de actividade, clorotalidona é muito semelhante a hidroclorotiazida e é utilizado como um fármaco independente ou em combinação com outros agentes anti-hipertensivos para baixar a tensão arterial, e também como um fármaco adjuvante para o tratamento de edema causado por insuficiência cardíaca e renal irregularidades, incluindo síndrome nefrótica.
Usos comuns
Hipertensão arterial essencial, nefrogénica ou sistólica isolada; como terapia primária ou em combinação com outros agentes anti-hipertensivos.

Insuficiência cardíaca congestiva estável de grau leve a moderado (classe funcional II ou III da New York Heart Association, NYHA).

Edema de origem específica:
- Edema decorrente de insuficiência venosa periférica crónica; terapia de curto prazo, se medidas físicas provarem ser insuficientes;

- Ascite decorrente de cirrose hepática em pacientes estáveis sob controle rigoroso;

- Edema decorrente de síndrome nefrótica.

Tratamento profilático de cálculo de oxalato de cálcio recorrente, em pacientes com hipercalciúria normocalcêmica idiopática.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Hipertensão arterial essencial, nefrogénica ou sistólica isolada; como terapia primária ou em combinação com outros agentes anti-hipertensivos.

Insuficiência cardíaca congestiva estável de grau leve a moderado (classe funcional II ou III da New York Heart Association, NYHA).

Edema de origem específica:
- Edema decorrente de insuficiência venosa periférica crónica; terapia de curto prazo, se medidas físicas provarem ser insuficientes;

- Ascite decorrente de cirrose hepática em pacientes estáveis sob controle rigoroso;

- Edema decorrente de síndrome nefrótica.

Tratamento profilático de cálculo de oxalato de cálcio recorrente, em pacientes com hipercalciúria normocalcêmica idiopática.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
A Clortalidona é quimicamente relacionada às sulfonamidas, no entanto, é um diurético do grupo das tiazidas com ação prolongada.

A tiazida e os diuréticos semelhantes à tiazida agem principalmente na porção proximal do túbulo contornado distal, inibindo a reabsorção de NaCl (antagonizando o co-transporte de Na+ e Cl-) e promovendo a reabsorção de Ca++ (mecanismo desconhecido).

O aumento de liberação de Na+ e água para o túbulo coletor cortical e, ou o aumento da velocidade do fluxo conduz a um aumento da secreção e excreção de K+ e H+.
Posologia Orientativa
Recomenda-se uma dose única diária ou em dias alternados, administrada oralmente pela manhã, com alimento.

População geral:

Hipertensão:
A variação da dose clinicamente eficaz é de 12,5 a 50 mg/dia.

As doses iniciais recomendadas são de 12,5 ou 25 mg/dia, sendo a última suficiente para produzir a redução da pressão sanguínea máxima na maioria dos pacientes.

O efeito total é atingido após 3 a 4 semanas para uma determinada dose.

- Insuficiência cardíaca congestiva estável (classe funcional II ou III):
A dose inicial recomendada é de 25 a 50 mg/dia; em casos graves, pode-se aumentar a dose até 100 a 200 mg/dia.

A dose usual de manutenção é a menor dose efetiva, por exemplo, 25 a 50 mg diariamente ou em dias alternados.

- Edema de origem específica:
A menor dose eficaz é identificada por titulação e administrada somente durante períodos limitados.

Recomenda-se que as doses não devem exceder a 50 mg/dia.

- Tratamento profilático do cálculo de oxalato de cálcio recorrente em hipercalciúria normocalcêmica:
Na maioria dos casos a dose profilática ótima é 25 mg/dia.

A eficácia não aumenta com doses acima de 50 mg/dia.
Administração
Deve ingerir o comprimido no horário de uma refeição, de preferência pela manhã.

Tome o comprimido com um copo de água.

Durante o tratamento com Clortalidona é recomendada uma dieta rica em potássio (frutas e vegetais); uma dieta rigorosa pobre em sal não é aconselhável.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Clortalidona, a outros derivados sulfonamídicos.

Anúria, insuficiência hepática grave e insuficiência renal grave (clearance (depuração) de creatinina menor do que 30 mL/min).

Hipocalemia refratária ou condições que envolvam perda aumentada de potássio, hiponatremia e hipercalcemia.

Hiperuricemia sintomática (história de gota ou cálculo de ácido úrico).

Hipertensão durante a gravidez.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
As reações adversas a seguir, são derivadas de diversas fontes, incluindo experiência pós comercialização com Clortalidona, estão listados por classe de sistemas de órgãos do MedDRA.

- Distúrbios no sangue e sistema linfático:
Raras: trombocitopenia, leucopenia, agranulocitose e eosinofilia.

- Distúrbios metabólicos e nutricionais
Muito comuns: principalmente em doses mais elevadas, hipocalemia, hiperuricemia e aumento de lipídios.

Comuns: hiponatremia, hipomagnesemia e hiperglicemia.

Raras: hipercalcemia, glicosúria, controle inadequado da diabetes mellitus e gota.
Muito rara: alcalose hipoclorêmica.

- Distúrbios do sistema nervoso
Comum: vertigem.
Raras: parestesia e cefaleia.

- Distúrbios oculares
Rara: Problemas visuais.

- Distúrbios cardíacos
Rara: arritmias.

- Distúrbios vasculares
Comuns: Hipotensão postural, a qual pode ser agravada pelo álcool, anestésicos ou sedativos.
Muito rara: vasculite

- Distúrbios respiratórios, torácicos e do mediastino
Muito raras: edema pulmonar não cardiogênico.

- Distúrbios gastrintestinais
Comuns: diminuição do apetite e desconforto abdominal.
Raras: náuseas, vômitos, dor abdominal, constipação e diarreia.
Muito rara: pancreatite.

- Distúrbios hepatobiliares
Raras: colestase ou icterícia.

- Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos
Comuns: urticária e outras formas de rash (erupção).
Rara: reações de fotosensibilidade.

- Distúrbios renais e urinários
Muito rara: Nefrite tubulointersticial.

- Distúrbios no sistema reprodutivo
Comum: Disfunção erétil.

Reações adversas ao medicamento de relatos espontâneos e casos de literatura (frequência desconhecida):

As seguintes reações adversas são provenientes da experiência pós-comercialização com Clortalidona através de relatos espontâneos e casos da literatura.

Como estas reações foram relatadas voluntariamente de uma população do tamanho desconhecido, não é possível estimar com segurança suas frequências que são, portanto, classificadas como desconhecidas.

As reações adversas são listadas de acordo com classes de sistemas de órgãos em MedDRA. Dentro de cada classe do sistema do órgão, as reações adversas são apresentadas em ordem decrescente de gravidade:

- Distúrbios do sistema imunológico: reações de hipersensibilidade.
- Distúrbios oculares: miopia aguda e glaucoma de ângulo agudo.
Advertências
Gravidez
Gravidez:A Clortalidona durante a gravidez deve ser evitada.
Conducao
Conducao:A Clortalidona especialmente no início do tratamento, pode prejudicar as reações do paciente, como por exemplo, quando conduzir.
Precauções Gerais
Insuficiência hepática:
Nenhum ajuste da dose inicial é necessário para pacientes com insuficiência hepática leve ou moderada.

Quando usado para tratar a ascite cirrótica, assim como outros diuréticos, Clortalidona pode precipitar desequilíbrio eletrolítico, encefalopatia hepática e síndrome hepato-renal.

Insuficiência renal:
A Clortalidona comprimido deve ser usado com cautela em pacientes com insuficiência renal grave (clearance de creatinina < 30 mL/min).

Os diuréticos tiazídicos podem precipitar azotemia nos pacientes, com insuficiência renal grave, e os efeitos de administrações repetidas podem ser cumulativos.

Eletrólitos:
O tratamento com diuréticos tiazídicos tem sido associado com distúrbios eletrolíticos como hipocalemia, hipomagnesemia, hipercalcemia e hiponatremia.

Os diuréticos tiazídicos podem precipitar o aparecimento de uma nova hipocalemia ou agravar a hipocalemia pré-existentes.

Correção da hipocalemia e qualquer hipomagnesemia coexistente é recomendada antes do início das tiazidas.

As concentrações séricas de potássio e magnésio devem ser verificadas periodicamente.

Todos os pacientes que recebem diuréticos devem ser monitorados para desequilíbrios de eletrólitos especialmente de potássio.

Hipocalemia pode sensibilizar o coração ou aumentar sua resposta aos efeitos tóxicos dos digitálicos.

Como ocorre com todos os diuréticos tiazídicos, a perda urinária de potássio induzida por Clortalidona comprimido é dose-dependente e sua extensão varia de indivíduo para indivíduo.

Com doses de 25 a 50 mg/dia, a concentração sérica de potássio diminui em média 0,5 mmol/L.

Para tratamento crónico, as concentrações séricas de potássio devem ser monitorizadas no início do tratamento e após 3 a 4 semanas.

Depois disso, se o balanço de potássio não for perturbado por fatores adicionais (por ex., vómito, diarreia, alteração na função renal etc.), devem ser feitos controles periodicamente.

Se necessário, Clortalidona pode ser combinado com suplementos orais de potássio ou com um diurético poupador de potássio (por ex., triantereno).

A coadministração titulada de um sal de potássio por via oral (por exemplo, KCl) pode ser considerada em pacientes recebendo digitálicos; em pacientes que apresentam sinais de doença cardíaca coronária, a menos que eles também estejam recebendo um inibidor da ECA; em pacientes com altas doses de um agonista beta adrenérgico; e em todos os casos onde a concentração de potássio no plasma é <3,0 mmol/L.

Se as soluções orais de potássio não forem toleradas, Clortalidona pode ser combinado com um diurético poupador de potássio.

Mesmo nos casos de tratamento combinado, o potássio sérico deve ser monitorizado.

Se ocorrer hipocalemia acompanhada por sinais clínicos (por ex., fraqueza muscular, paresia e alteração no ECG), Clortalidona deve ser descontinuado.

Em pacientes que também recebem inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina, ou inibidores diretos da renina, deve-se evitar o tratamento combinado de Clortalidona com sais de potássio ou com diuréticos poupadores de potássio.

Os diuréticos tiazídicos podem precipitar o aparecimento da hiponatremia ou exacerbar a hiponatremia pré-existentes.

Em pacientes com depleção grave de sódio e/ou volume, como naqueles que recebem altas doses de diuréticos, podem ocorrer casos raros de hipotensão sintomática após o início do tratamento com Clortalidona.

Diuréticos tiazídicos devem ser usados somente após a correção de qualquer depleção de sódio pré-existente e/ou de volume e com o devido cuidado na população geriátrica.

Controle regular da concentração sérica de sódio é recomendado.

As tiazidas diminuem a excreção urinária de cálcio e podem causar elevação discreta do cálcio sérico na ausência de problemas conhecidos do metabolismo de cálcio.

Uma vez que a Clortalidona pode aumentar as concentrações séricas de cálcio, deve ser usada com precaução em pacientes com hipercalcemia.

Hipercalcemia acentuada não responsiva à retirada da tiazida ou ≥ 12 mg/dL pode ser evidências de um processo de hipercalcemia independente de tiazídicos.

As alterações patológicas na glândula paratireoide com hipercalcemia e hipofosfatemia têm sido observadas em alguns pacientes sob terapia prolongada com tiazidas.

Se hipercalcemia ocorrer, esclarecimentos adicionais no diagnóstico são necessários.

A monitorização dos eletrólitos séricos está particularmente indicada em pacientes idosos, em pacientes com ascite decorrente de cirrose hepática e em pacientes com edema secundário à síndrome nefrótica, sendo que nesta, Clortalidona comprimido deve ser usado somente sob controle rigoroso, em pacientes normocalêmicos e sem sinais de depleção de volume ou hipoalbuminemia grave.

Efeitos metabólicos:
As tiazidas reduzem a depuração do ácido úrico, podendo causar ou agravar a hiperuricemia e, embora raros, podem desencadear gota em pacientes suscetíveis.

Diuréticos tiazídicos, devem ser usados somente após a correção da hiperuricemia e na menor dose eficaz.

Os diuréticos tiazídicos, inclusive Clortalidona, podem alterar a tolerância à glicose e aumentar os níveis séricos de colesterol e triglicérides.

Miopia aguda e glaucoma de ângulo estreito secundário:
A Clortalidona comprimido tem sido associada com uma reação idiossincrática, resultando em miopia aguda transitória e glaucoma de ângulo estreito.

Os sintomas incluem início agudo de diminuição da acuidade visual ou dor ocular e ocorrem normalmente dentro de horas ou semanas após o início do tratamento. O glaucoma de ângulo estreito quando não tratado pode levar à perda permanente da visão.

O tratamento primário é descontinuar Clortalidona o mais rapidamente possível.

Tratamento médico ou cirúrgico rápido deve ser considerado se a pressão intraocular permanecer descontrolada.

Os fatores de risco para o desenvolvimento de glaucoma de ângulo estreito podem incluir histórico de alergia à penicilina ou sulfonamidas.

Outros efeitos:
O efeito anti-hipertensivo dos inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina, e inibidores diretos da renina são potencializados por agentes que aumentam a atividade da renina plasmática (diuréticos).

Portanto, a dosagem adotada deve ser cautelosa quando um inibidor da ECA (ou bloqueador dos receptores da angiotensina, ou inibidor direto da renina) for adicionado a um agente diurético particularmente a pacientes com depleção grave de sódio e/ou de volume.

O lúpus eritematoso pode eventualmente tornar-se ativo durante o tratamento com tiazidas.

Reações de hipersensibilidade a outros medicamentos na classe dos tiazídicos (por exemplo, hidroclorotiazida) são mais prováveis em pacientes com alergia e asma.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Quando acontecer do paciente se esquecer de tomar uma dose, ele deve ingeri-la logo que se lembrar; no entanto se já estiver próximo ao horário da dose seguinte, a dose esquecida não deve ser tomada e o paciente deve retornar ao esquema de tratamento.

A dose não deve ser duplicada.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora da vista e do alcance das crianças.

O produto deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30 °C).

Proteger da luz e humidade.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Fosinopril + Clortalidona

Observações: N.D.
Interações: Outros: A biodisponibilidade do fosinopril não sofre alteração quando é administrado com ácido acetilsalicílico, clortalidona, cimetidina, digoxina, hidroclorotiazida, metoclopramida, nifedipina, propranolol, propantelina ou varfarina.

Fosinopril + Hidroclorotiazida + Clortalidona

Observações: N.D.
Interações: Outros fármacos: a biodisponibilidade do fosinopril não ligado não é alterada pela coadministração com ácido acetilsalicílico, clortolidona, cimetidina, digoxina, metoclopramida, nifedipina, propanolol, propantelina ou varfarina. Fosinopril / Hidroclorotiazida tem sido usado concomitantemente com paracetamol, outros anti-inflamatórios não- esteroides, anti-histamínicos, antilipémicos, estrogénios, sem evidência de eventos adversos clinicamente importantes.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Corticosteroides

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Beta agonistas

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Anfotericina B

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Carbenoxolona

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Penicilinas

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Salicilatos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Laxantes

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de potássio: O efeito hipocalémico dos diuréticos pode ser aumentado pela administração concomitante de corticosteroides, ACTH, agonistas beta2, anfotericina, carbenoxolona e estimulantes laxativos, e altas doses de penicilina e, salicilatos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Lítio: Os diuréticos aumentam o nível de lítio no sangue; portanto, esse nível deve ser monitorizado em pacientes sob terapia concomitante de Clortalidona com lítio. Onde o tratamento com lítio induziu poliúria, os diuréticos podem exercer um efeito antidiurético paradoxal.

Clortalidona + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Glicosídeos digitálicos: Hipocalemia ou hipomagnesemia induzida por tiazida pode favorecer a ocorrência de arritmias cardíacas induzidas por digitálicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Guanetidina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Vasodilatadores

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Bloqueadores dos Recetores da Angiotensina II (BRA)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Inibidores da renina (Inibidores diretos da renina)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).

Clortalidona + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: A hiponatremia provocada pelos diuréticos pode ser intensificada pela administração concomitante de alguns medicamentos que também produzem a hiponatremia, tais como: - antidepressivos, antipsicóticos, anticonvulsivantes, antineoplásicos, etc. É recomendada cautela na administração a longo prazo desses medicamentos. Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos pode potencializar a hipotensão ortostática.

Clortalidona + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: A hiponatremia provocada pelos diuréticos pode ser intensificada pela administração concomitante de alguns medicamentos que também produzem a hiponatremia, tais como: - antidepressivos, antipsicóticos, anticonvulsivantes, antineoplásicos, etc. É recomendada cautela na administração a longo prazo desses medicamentos.

Clortalidona + Anticonvulsivantes

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: A hiponatremia provocada pelos diuréticos pode ser intensificada pela administração concomitante de alguns medicamentos que também produzem a hiponatremia, tais como: - antidepressivos, antipsicóticos, anticonvulsivantes, antineoplásicos, etc. É recomendada cautela na administração a longo prazo desses medicamentos.

Clortalidona + Antineoplásicos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos que afetam o nível sérico de sódio: A hiponatremia provocada pelos diuréticos pode ser intensificada pela administração concomitante de alguns medicamentos que também produzem a hiponatremia, tais como: - antidepressivos, antipsicóticos, anticonvulsivantes, antineoplásicos, etc. É recomendada cautela na administração a longo prazo desses medicamentos. Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes antineoplásicos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode reduzir a excreção renal de agentes citotóxicos (ex., ciclofosfamida e metotrexato) e potencializar seu efeito mielossupressor.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos pode potencializar a hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos pode potencializar a hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos com álcool, barbitúricos, narcóticos ou antidepressivos pode potencializar a hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Alopurinol: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos anti-inflamatórios não-esteroidais: A administração concomitante de certos medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (por ex., indometacina), incluindo inibidores da COX-2, pode reduzir a atividade diurética e anti-hipertensiva dos diuréticos, tendo ocorrido casos isolados de deterioração da função renal em pacientes predispostos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Indometacina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos anti-inflamatórios não-esteroidais: A administração concomitante de certos medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (por ex., indometacina), incluindo inibidores da COX-2, pode reduzir a atividade diurética e anti-hipertensiva dos diuréticos, tendo ocorrido casos isolados de deterioração da função renal em pacientes predispostos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Medicamentos anti-inflamatórios não-esteroidais: A administração concomitante de certos medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (por ex., indometacina), incluindo inibidores da COX-2, pode reduzir a atividade diurética e anti-hipertensiva dos diuréticos, tendo ocorrido casos isolados de deterioração da função renal em pacientes predispostos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Anticolinérgicos

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes anticolinérgicos: A biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos pode ser aumentada por agentes anticolinérgicos (atropina, biperideno), aparentemente em função de uma diminuição da motilidade gastrintestinal e da taxa de esvaziamento gástrico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Atropina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes anticolinérgicos: A biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos pode ser aumentada por agentes anticolinérgicos (atropina, biperideno), aparentemente em função de uma diminuição da motilidade gastrintestinal e da taxa de esvaziamento gástrico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Biperideno

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes anticolinérgicos: A biodisponibilidade de diuréticos tiazídicos pode ser aumentada por agentes anticolinérgicos (atropina, biperideno), aparentemente em função de uma diminuição da motilidade gastrintestinal e da taxa de esvaziamento gástrico.

Clortalidona + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes antidiabéticos: Pode ser necessário reajustar a dosagem de insulina e de agentes antidiabéticos orais.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Ciclosporina: O tratamento concomitante com ciclosporina pode aumentar o risco de hiperuricemia e complicações do tipo gota.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Ciclofosfamida

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes antineoplásicos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode reduzir a excreção renal de agentes citotóxicos (ex., ciclofosfamida e metotrexato) e potencializar seu efeito mielossupressor.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Metotrexato

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Agentes antineoplásicos: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode reduzir a excreção renal de agentes citotóxicos (ex., ciclofosfamida e metotrexato) e potencializar seu efeito mielossupressor.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Amantadina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Amantadina: A administração concomitante pode aumentar o risco de reação adversa causada por amantadina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Vitaminas D

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Vitamina D: A administração de diuréticos tiazídicos com vitamina D pode potenciar o aumento do cálcio no soro.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Cálcio

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Sais de cálcio: A administração de diuréticos tiazídicos com vitamina D pode potencializar o aumento do cálcio sérico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Relaxantes musculares

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Relaxantes da musculatura esquelética: Os diuréticos potencializam a ação dos relaxantes musculares, como derivados do curare.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Diazóxido

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Diazóxido: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o efeito hipoglicemiante do diazóxido.

Clortalidona + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Resinas de troca iónica: A absorção de diuréticos tiazídicos é prejudicada pela presença de resinas de troca aniónica como a colestiramina ou colestipol, e uma diminuição do efeito farmacológico pode ser esperada. No entanto, organizando os horários de administração da Clortalidona e resina, de forma que a Clortalidona seja administrada pelo menos 4 horas antes ou 4-6 horas após a administração da resina, pode potencialmente minimizar a interação.

Clortalidona + Colestipol

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Resinas de troca iónica: A absorção de diuréticos tiazídicos é prejudicada pela presença de resinas de troca aniónica como a colestiramina ou colestipol, e uma diminuição do efeito farmacológico pode ser esperada. No entanto, organizando os horários de administração da Clortalidona e resina, de forma que a Clortalidona seja administrada pelo menos 4 horas antes ou 4-6 horas após a administração da resina, pode potencialmente minimizar a interação.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A Clortalidona durante a gravidez deve ser evitada.

Deve-se evitar o uso de Clortalidona em lactantes.
Este medicamento pertence à categoria de risco de gravidez B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

A Clortalidona especialmente no início do tratamento, pode prejudicar as reações do paciente, como por exemplo, quando conduzir veículos e/ou operar máquinas.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017