Clorofenamina + Paracetamol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
Analgésicos e antipiréticos.

A clorfenamina (CP, CPM), também conhecida como clorfeniramina, é um anti-histamínico usado para tratar os sintomas de condições alérgicas, como rinite alérgica (febre do feno).

O paracetamol, também conhecido como acetaminofeno, é um medicamento usado para tratar a dor e a febre. É normalmente usado para o alívio da dor leve a moderada.
Usos comuns
É uma associação de paracetamol que reduz a febre e alivia a dor, e de clorofeniramina que ajuda a reduzir o corrimento nasal, o lacrimejar e os espirros.

Está indicado no tratamento sintomático de síndromes gripais e constipações.

Se não se sentir melhor, ou se piorar após 3 dias, deve consultar um médico.
Tipo
Sem informação
História
A clorfenamina foi patenteada em 1948 e entrou em uso médico em 1949.

O paracetamol foi produzido pela primeira vez em 1877. Está na lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial de Saúde.
Indicações
Está indicado no tratamento sintomático de síndromes gripais e constipações.
Classificação CFT

02.10 : Analgésicos e antipiréticos

Mecanismo De Acção
O paracetamol é um fármaco analgésico que também possui propriedades antipiréticas.

O mecanismo de acção analgésica não está totalmente determinado.

O paracetamol pode actuar predominantemente inibindo a síntese das prostaglandinas no sistema nervoso central e em menor grau bloqueando a génese do impulso doloroso a nível periférico.

A acção periférica pode ser também devida à inibição da síntese de prostaglandinas ou à inibição da síntese ou da acção de outras substâncias que sensibilizam os nocireceptores perante estímulos mecânicos ou químicos.

Provavelmente, o paracetamol produz um efeito antipirético actuando a nível central sobre o centro hipotalâmico regulador da temperatura, para produzir uma vasodilatação periférica que dá lugar a um aumento da sudação e do fluxo sanguíneo na pele e perda de calor.

A acção a nível central está relacionada provavelmente com a inibição da síntese de prostaglandinas no hipotálamo.

O maleato de Clorofeniramina é um antagonista dos receptores H1 da histamina que se administra por via oral para o alívio sintomático das reacções de hipersensibilidade e prurido cutâneo.
Posologia Orientativa
Adultos e crianças com idade superior a 12 anos: 1 a 2 comprimidos a cada 6 ou 8 horas (3 ou 4 vezes por dia).

Recomenda-se que uma das tomas seja efectuada ao deitar.

A dose máxima diária recomendada é de 8 comprimidos com um intervalo mínimo de 6 horas entre cada toma.
Administração
Via oral.
Contra-Indicações
Não tomar:
- se tiver alergia (hipersensibilidade) às substâncias;
- em caso de doença hepática ou renal;
- se estiver em tratamento com antidepressivos;
- em crianças com idade inferior a 12 anos ou com peso inferior a 30 Kg;
- insuficiência respiratória;
- tosse asmática e produtiva;
- insuficiência renal e
- alcoolismo.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Ocasionalmente podem surgir sedação ou sonolência.

Outros efeitos secundários incluem perturbações gastrintestinais (náuseas e vómitos), obstipação, confusão, euforia, alterações visuais, boca seca, e dificuldade em urinar.

Também estão descritas erupções cutâneas, urticária, reacções alérgicas e alterações sanguíneas (agranulocitose, leucopenia, trombocitopenia, anemia hemolítica).

Ocasionalmente, podem aparecer efeitos secundários renais, hepatotoxicidade (icterícia), piúria estéril (urina turva) e hipoglicémia.
Advertências
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Os anti-histamínicos podem inibir a lactação e são excretados no leite materno, pelo que não devem ser utilizados por mulheres a amamentar.
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Recomenda-se que a sua administração apenas se os riscos potenciais justificarem os benefícios potenciais.
Condução
Condução
Condução:Durante o tratamento podem surgir, em ocasiões raras, uma diminuição da capacidade de reacção ou sonolência, as quais devem ser tidas em consideração no caso de conduzir veículos ou utilizar maquinaria perigosa.
Precauções Gerais
Fale com o médico ou farmacêutico antes de tomar Clorofenamina / Paracetamol).

- Alcoólicos crónicos não deverão tomar mais de 2 g de paracetamol.

- Se tiver alguma doença renal ou hepática grave, cardíaca ou pulmonar, anemia, se tiver a tensão ocular elevada (glaucoma).

Consultar o médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento, uma vez que pode agravar estas situações;

- Não utilizar este medicamento para a tosse persistente ou crónica, como a devida ao tabaco, asma ou enfisema, quando a tosse for acompanhada por secreções abundantes, uma vez que pode dificultar a expectoração e aumentar a resistência das vias respiratórias;

- Ter em conta que os idosos podem ser mais sensíveis aos efeitos da dose habitual recomendada para os adultos, pelo que se recomenda reduzir as doses e consultar o médico.

Se for realizar testes cutâneos que utilizam alergenos, deve suspender a medicação pelo menos 3 dias antes da realização dos testes.
Cuidados com a Dieta
A toma deste medicamento com álcool pode potenciar os efeitos sedativos do álcool ou dos anti-histamínicos sobre o Sistema Nervoso Central.

Portanto, não deve tomar bebidas alcoólicas enquanto durar o tratamento.

A utilização do paracetamol em doentes que consomem habitualmente bebidas alcoólicas (três ou mais bebidas por dia) pode provocar lesões hepáticas.
Terapêutica Interrompida
Não tomar uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Não conservar acima de 25ºC.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação
Potencialmente Fatal

Clorofenamina + Paracetamol + Tioridazina

Observações: N.D.
Interacções: Foi referido um caso de fibrilhação auricular e morte numa doente em tratamento com tioridacina e prociclina, após a toma de um medicamento com Clorofeniramina. - Tioridazina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Barbitúricos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Carbamazepina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Hidantoínas

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Hidantoínas
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Isoniazida

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Isoniazida
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Rifampicina

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Rifampicina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Clorofenamina + Paracetamol + Sulfinpirazona

Observações: N.D.
Interacções: A potencial hepatotoxicidade do paracetamol pode ser aumentada pela administração de doses elevadas ou de doses repetidas de determinadas substâncias, por indução das enzimas microssomais hepáticas. Estes agentes também podem provocar uma diminuição dos efeitos terapêuticos do paracetamol. Nestas substâncias incluem-se os barbitúricos, a carbamazepina, as hidantoínas, a isoniazida, a rifampicina e a sulfinpirazona. - Sulfinpirazona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Álcool

Observações: N.D.
Interacções: Clorofenamina/Paracetamol potencia os efeitos dos sedativos e do álcool. O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Álcool etílico: Ocorreu hepatotoxicidade em alcoólicos crónicos com diferentes doses (moderadas e elevadas) de paracetamol, por aumento dos seus efeitos. - Álcool
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Cloranfenicol

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol pode aumentar a toxicidade do cloranfenicol. - Cloranfenicol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Anticoagulantes orais derivados da cumarina ou da indanodiona: A administração crónica de doses de paracetamol superiores a 2g/dia com este tipo de fármacos, pode provocar um aumento do efeito anticoagulante, possivelmente devido a uma diminuição da síntese hepática dos factores da coagulação. - Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Indandiona (indanediona)

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Anticoagulantes orais derivados da cumarina ou da indanodiona: A administração crónica de doses de paracetamol superiores a 2g/dia com este tipo de fármacos, pode provocar um aumento do efeito anticoagulante, possivelmente devido a uma diminuição da síntese hepática dos factores da coagulação. - Indandiona (indanediona)
Risco Moderado

Clorofenamina + Paracetamol + Anticolinérgicos

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Anticolinérgicos: O início de acção do paracetamol pode ser atrasado ou ligeiramente diminuído, embora o efeito farmacológico não seja afectado de forma significativa pela interacção com os anticolinérgicos. - Anticolinérgicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: β-bloqueantes, propranolol: O propranolol inibe o sistema enzimático responsável pela glucuronização e oxidação do paracetamol. Assim, pode potenciar a acção do paracetamol. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Propranolol (propanolol)

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: β-bloqueantes, propranolol: O propranolol inibe o sistema enzimático responsável pela glucuronização e oxidação do paracetamol. Assim, pode potenciar a acção do paracetamol. - Propranolol (propanolol)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Carvão activado

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Carvão activado: Reduz a absorção do paracetamol quando se administra imediatamente após uma sobredosagem. - Carvão activado
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Contraceptivos orais: Aumenta a glucuronização, aumentando assim a clearance plasmática e diminuindo a semivida do paracetamol. Logo, reduz os efeitos do paracetamol. - Contracetivos orais
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Diuréticos da ansa

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Diuréticos de ansa: Os efeitos dos diuréticos podem ser reduzidos, uma vez que o paracetamol pode reduzir a excreção renal de prostaglandinas e a actividade da renina plasmática. - Diuréticos da ansa
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Lamotrigina

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Lamotrigina: O paracetamol pode reduzir as concentrações séricas da lamotrigina, levando a uma redução do seu efeito terapêutico. - Lamotrigina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Probenecida

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Probenecid: Pode aumentar ligeiramente a eficácia terapêutica do paracetamol. - Probenecida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorofenamina + Paracetamol + Zidovudina

Observações: N.D.
Interacções: O paracetamol tem interacções medicamentosas com: Zidovudina: Pode provocar a redução dos efeitos farmacológicos da zidovudina por aumento da depuração desta substância. - Zidovudina
Usar com precaução

Clorofenamina + Paracetamol + Testes Laboratoriais/Diagnóstico

Observações: N.D.
Interacções: interacções com exames complementares de diagnóstico: O paracetamol pode alterar os valores das seguintes determinações analíticas: Sangue: Aumento (biológico) das transaminases (ALT e AST) fosfatase alcalina, amoníaco, bilirrubina, creatinina, desidrogenase láctica (LDH) e ureia; aumento (interferência analítica) da glicose, teofilina e ácido úrico. Aumento do tempo de protrombina (em doentes com doses de manutenção de varfarina, embora sem significado clínico). Redução (interferência analítica) da glicose quando se utiliza o método de oxidase-peroxidade. Urina: Podem surgir valores falsamente aumentados de metadrenalina e ácido úrico. Provas da função pancreática pela bentiromida: O paracetamol, como a bentiromida, metaboliza-se também na forma de arilamina, pelo que aumenta a quantidade aparente do ácido para-aminobenzóico (PABA) recuperada; recomenda-se interromper o tratamento com paracetamol pelo menos três dias antes da administração de bentiromida. Determinação do ácido 5-hidroxiindolacético (5-HIAA) na urina: Nas provas de diagnóstico qualitativo de detecção que utilizam o nitrosonaftol como reagente, o paracetamol pode produzir resultados falsamente positivos. As provas quantitativas não se alteram. Os Anti-histamínicos podem inibir a resposta cutânea à histamina dando lugar a resultados falsamente negativos. Recomenda-se suspender o tratamento pelo menos 72 horas antes de iniciar os testes. - Testes Laboratoriais/Diagnóstico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Clorofenamina + Paracetamol
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não utilizar este medicamento com outros analgésicos sem consultar o médico.

A administração de Clorofenamina + Paracetamol durante a gravidez deverá ser cuidadosamente avaliada por um médico.
Embora não se tenham realizado estudos controlados, demonstrou-se que o paracetamol, atravessa a placenta, pelo que se recomenda a sua administração apenas se os riscos potenciais justificarem os benefícios potenciais.

Os anti-histamínicos podem inibir a lactação e são excretados no leite materno, pelo que não devem ser utilizados por mulheres a amamentar.

Durante o tratamento podem surgir, em ocasiões raras, uma diminuição da capacidade de reacção ou sonolência, as quais devem ser tidas em consideração no caso de conduzir veículos ou utilizar maquinaria perigosa.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2021