Clonazepam

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) DCI/Medicamento Psicofármaco
O que é
O Clonazepam é um anticonvulsivante usado para vários tipos de ataques, incluindo convulsões tónicas ou átonas, epilepsia fotossensível, e crises de ausência, embora pode desenvolver tolerância.

Raramente é eficaz em crises tónico-clónicas generalizadas ou parcial.

O mecanismo de ação parece envolver o reforço das respostas dos recetores de ácido gama-aminobutírico.
Usos comuns
Clonazepam é usado para controle de certos tipos de convulsões no tratamento da epilepsia e de distúrbios de pânico. Também pode ser usado para outras condições, tal como determinado pelo Médico.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Clonazepam está indicado para a epilepsia, epilepsia e mioclonia.
Classificação CFT
02.06     Antiepiléticos e anticonvulsivantes
Mecanismo De Ação
Interacções alostéricas entre os recetores das benzodiazepinas centrais e o ácido gama-aminobutírico (GABA) potenciam os efeitos do GABA.

Como o GABA é um neurotransmissor inibitório, isto resulta num aumento da inibição do sistema de ativação reticular ascendente.

As benzodiazepinas, deste modo, bloqueam a estimulação cortical e límbico que ocorre a seguir à estimulação das vias reticulares.
Posologia Orientativa
Administrar 1 mg à noite durante 4 noites (nos idosos 0,5 mg), depois aumentar durante 2 a 4 semanas até à dose de manutenção de 4-8 mg/dia em várias tomas.

Crianças – menos de 1 ano: 0,25 mg que podem ser aumentadas até 0,5-1 mg; 1 a 5 anos: 0,25 mg a aumentar até 1-3 mg/dia; 5 a 12 anos: 0,5 mg a aumentar até 3 a 6 mg/dia.
Administração
Oral. Pode ser ingerido com ou sem alimentos.
Contraindicações
As doses nos indivíduos idosos devem ser em geral menores do que no adulto jovem; nas crianças, tal como no idoso, podem desencadear-se reações paradoxais. Ter atenção na miastenia gravis, na insuficiência respiratória grave, síndrome de apneia do sono.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sonolência e descordenação motora, alterações gastrintestinais, obstipação,
diarreia, vómitos e alterações do apetite; alterações visuais e irregularidades
cardiovasculares; alteração da memória a curto prazo, confusão, depressão, vertigem.

O uso prolongado pode causar dependência e síndrome de abstinência quando a medicação é interrompida.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Ver Antiepilépticos e Benzodiazepinas; íleo paralítico. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento:Continuar o aleitamento; efeitos adversos possíveis; sonolência no lactente.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Ansiolíticos e Hipnóticos.
Conducao
Conducao:Altera a capacidade de condução.
Precauções Gerais
– Clonazepam pode causar sonolência, tonturas, vertigens, visão turva, ou dificuldade de coordenação. Estes efeitos podem ser mais graves se for adicionado álcool ou certos medicamentos.
Use o Clonazepam com precaução. Não conduzir ou realizar tarefas potencialmente perigosas até que saiba como reagir aos efeitos do fármaco.

– Clonazepam pode causar a perda de consciência, se tiver um histórico de convulsões. Use Clonazepam com precaução. Não execute tarefas que poderiam ser potencialmente perigosas se perder a consciência (por exemplo, conduzir, nadar, correr ou usar máquinas pesadas).

– Não beba álcool ou utilize medicamentos que podem causar sonolência (por exemplo, soníferos, relaxantes musculares), enquanto estiver a tomar o Clonazepam, que pode adicionar aos seus efeitos. Esclareça com o seu Farmacêutico se tiver dúvidas sobre quais os medicamentos que podem causar sonolência.

– Pacientes que tomam Clonazepam pode estar em risco aumentado de ter pensamentos ou atos suicidas. O risco pode ser maior em pacientes que tiveram pensamentos ou atos suicidas no passado.

Assista de perto os doentes que tomam Clonazepam. Contacte o Médico imediatamente, se tiver novos sintomas, se piorou, ou tem sintomas repentinos, como ficar ansioso, inquieto, ou com comportamento irritável; humor deprimido; ataques de pânico, ou qualquer mudança incomum no humor ou comportamento ocorrerem.

Contacte o Médico imediatamente se ocorrer qualquer sinal de pensamentos ou atos suicidas.

– Avise o seu Médico se o controle das crises piorar.

– Tenha permanentemente consigo um cartão de identificação, que indique que está a tomar Clonazepam para evitar as convulsões.

– Exames laboratoriais, incluindo a função hepática, hemograma completo e eletrocardiograma, podem ser executados enquanto está a tomar Clonazepam.

Estes testes podem ser usados ​​para monitorizar a sua condição ou verificar eventuais efeitos secundários. Certifique-se de que mantém todas as consultas médicas e laboratoriais.

– Use o Clonazepam com precaução em idosos, pois eles podem ser mais sensíveis aos seus efeitos, especialmente confusão e sonolência.

– Clonazepam não deve ser utilizado em crianças menores de 18 anos com síndrome do pânico, pois a segurança e eficácia nessas crianças não foram confirmados.

– Gravidez e Aleitamento: Clonazepam pode causar danos ao feto. Se acha que pode estar grávida, consulte o seu Médico. Vai precisar para discutir os benefícios e riscos do uso de Clonazepam, enquanto estiver grávida.

Clonazepam é encontrado no leite materno. Faça por não amamentar ao tomar Clonazepam.

Quando usado por longos períodos de tempo ou em doses elevadas, Clonazepam pode não funcionar tão bem e podem ser necessárias doses maiores para obter o mesmo efeito de quando inicialmente retirado. Isto é conhecido como tolerância.

Fale com o seu Médico se o Clonazepam deixar de funcionar bem. Não tome mais do que o prescrito.

Quando usado por mais de algumas semanas ou em doses elevadas, algumas pessoas desenvolvem a necessidade de continuar a tomar Clonazepam. Isto é conhecido como dependência ou vício.

Se parar de tomar Clonazepam, de repente, pode ter sintomas de abstinência. Estes podem incluir pensamentos anormais ou distúrbio de comportamento, ansiedade, depressão, alucinações, alterações de personalidade, ou perda de contacto com a realidade; convulsões, insónia, estômago e cãibras musculares; tremores.

Não parar de tomar Clonazepam de repente. Se precisar de parar a toma de Clonazepam, o seu Médico irá reduzir a dose ao longo do tempo.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.

Evite quantidades excessivas de café ou chá (cafeína).

Tome, independentemente das refeições.
Terapêutica Interrompida
Se falhar uma dose de Clonazepam e está a tomá-lo regularmente, retomar o mais rápido possível. Se várias horas se passaram ou se está a aproximar-se do tempo para a próxima dose, não duplique a dose, a menos que aconselhado pelo seu Médico. Não tome duas doses de uma só vez.
Cuidados no Armazenamento
Guardar o Clonazepam a 25 graus C.

O armazenamento por curto período de tempo a temperaturas entre 15 e 30 graus C é permitida. Armazene longe do calor, humidade e luz. Não guarde na casa de banho.

Mantenha o Clonazepam fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Sem significado Clínico

Retigabina + Clonazepam

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Com base nesses dados agrupados, a retigabina não causou efeitos clinicamente significativos no plasma nas concentrações dos seguintes antiepiléticos: Carbamazepina, clobazam, clonazepam, gabapentina, lamotrigina, levetiracetam, oxcarbazepina, fenobarbital, fenitoína, pregabalina, topiramato, valproato, zonisamida.

Clonazepam + Antiepilépticos (AEs)

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Clonazepam pode ser administrado concomitantemente com um ou mais agentes antiepiléticos. Porém, a introdução de um novo fármaco num regime terapêutico já estabelecido implica uma rigorosa avaliação da resposta ao tratamento, pois efeitos adversos como sedação e apatia são mais susceptíveis de ocorrer. Nestas situações, é necessário ajustar a dose de cada fármaco, de modo a obter o efeito desejado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clonazepam + Fenitoína

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: O tratamento concomitante com fenitoína ou primidona pode alterar a concentração plasmática de fenitoína ou primidona (em geral, um aumento). Os fármacos antiepiléticos, fenitoína, fenobarbital, carbamazepina e valproato podem aumentar a depuração do clonazepam, reduzindo assim as concentrações plasmáticas de clonazepam durante uma terapêutica combinada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clonazepam + Primidona

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: O tratamento concomitante com fenitoína ou primidona pode alterar a concentração plasmática de fenitoína ou primidona (em geral, um aumento).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clonazepam + Fenobarbital

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os fármacos antiepiléticos, fenitoína, fenobarbital, carbamazepina e valproato podem aumentar a depuração do clonazepam, reduzindo assim as concentrações plasmáticas de clonazepam durante uma terapêutica combinada.

Felbamato + Clonazepam

Observações: N.D.
Interações: Clonazepam, oxcarbazepina, vigabatrina e lamotrigina: Embora o felbamato, administrado em doses de 1.200 mg a intervalos de 12 horas, tenha provocado alterações estatisticamente significativas na farmococinética do clonazepam, lamotrigina e vigabatrina, estas alterações foram mínimas e sem relevância clínica. Não se observaram alterações na farmacocinética do metabolito activo monohidroxilado da oxcarbazepina. Uma vez que não é possível excluir a interacção farmacodinâmica de felbamato com qualquer destes fármacos, o ajustamento posológico deve ser sempre fundamentado na resposta clínica e na tolerabilidade.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clonazepam + Carbamazepina

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os fármacos antiepiléticos, fenitoína, fenobarbital, carbamazepina e valproato podem aumentar a depuração do clonazepam, reduzindo assim as concentrações plasmáticas de clonazepam durante uma terapêutica combinada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clonazepam + Valproato semisódico (ácido valpróico)

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os fármacos antiepiléticos, fenitoína, fenobarbital, carbamazepina e valproato podem aumentar a depuração do clonazepam, reduzindo assim as concentrações plasmáticas de clonazepam durante uma terapêutica combinada.

Clonazepam + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os inibidores selectivos da recaptação da serotonina, sertralina e fluoxetina, não afectam a farmacocinética do clonazepam quando administrado concomitantemente.

Clonazepam + Fluoxetina

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os inibidores selectivos da recaptação da serotonina, sertralina e fluoxetina, não afectam a farmacocinética do clonazepam quando administrado concomitantemente.

Clonazepam + Sertralina

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Os inibidores selectivos da recaptação da serotonina, sertralina e fluoxetina, não afectam a farmacocinética do clonazepam quando administrado concomitantemente.

Clonazepam + Ácido Valpróico (Valproato de sódio)

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: A combinação do clonazepam com o ácido valpróico pode ocasionalmente provocar crises de ausência (pequeno mal).

Clonazepam + Álcool

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Podem ocorrer efeitos mais intensos na sedação, na respiração e na hemodinâmica quando se co-administra Clonazepam com qualquer depressor do SNC incluindo o álcool. Evitar o álcool em doentes a receber Clonazepam.

Clonazepam + Depressores do SNC

Observações: O clonazepam não induz os enzimas responsáveis pelo seu próprio metabolismo.
Interações: Em terapêutica combinada com fármacos de acção central, a dose de cada fármaco deve ser adaptada de modo a obter o efeito desejado.

Perampanel + Clonazepam

Observações: Perampanel não é considerado um indutor ou inibidor potente das enzimas do citocromo P450 ou da UGT. O perampanel é administrado até obtenção do efeito clínico independentemente de outros antiepiléticos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Num estudo farmacocinético populacional dos doentes adolescentes dos estudos clínicos de Fase 3, não se observaram diferenças dignas de nota entre esta população e a população global.
Interações: As interações potenciais entre Perampanel (até 12 mg uma vez por dia) e outros medicamentos antiepiléticos foram analisadas em estudos clínicos e avaliadas na análise farmacocinética populacional de quatro estudos agrupados de Fase 3, incluindo doentes com crises epiléticas parciais e convulsões tónico-clónicas generalizadas primárias. Clonazepam: Influência do antiepilético na concentração de Perampanel: Sem influência Influência de Perampanel na concentração do antiepilético: Sem influência Numa análise farmacocinética populacional de doentes com crises epiléticas parciais medicados com Perampanel até 12 mg/dia em ensaios clínicos controlados com placebo, Perampanel não afetou a depuração do clonazepam, levetiracetam, fenobarbital, fenitoína, topiramato, zonisamida, carbamazepina, clobazam, lamotrigina e ácido valpróico de maneira clinicamente relevante com a dose mais elevada de perampanel avaliada (12 mg/dia).

Etcorvinol + Clonazepam

Observações: N.D.
Interações: Usando etclorvinol com qualquer um dos seguintes medicamentos normalmente não é recomendada, mas pode não ser necessária em alguns casos. Se ambos os medicamentos são prescritos em conjunto, o médico pode alterar a dose. - Adinazolam - Alfentanil - Alprazolam - Amobarbital - Anileridina - Aprobarbital - Brofaromina - Bromazepam - Brotizolam - Buprenorfina - Butabarbital - Butalbital - Carbinoxamina - Carisoprodol - Clorodiazepóxido - Clorzoxazona - Clobazam - Clonazepam - Clorazepato - Clorgilina - Codeína - Dantroleno - Diazepam - Estazolam - Fentanilo - Flunitrazepam - Flurazepam - Furazolidona - Halazepam - Hidrocodona - Hidromorfona - Iproniazida - Isocarboxazida - Cetazolam - Lazabemida - Levorfanol - Linezolida - lorazepam - lormetazepam - Meclizina - Medazepam - meperidina - mefenesina - meprobamato - metaxalone - metadona - Metocarbamol - Metoexital - Midazolam - Moclobemida - Morfina - Nialamida - Nitrazepam - Nordazepam - Oxazepam - Oxicodona - Oximorfona - Pargilina - Pentobarbital - Fenelzina - Fenobarbital - Prazepam - Primidona - Procarbazina - Propoxifeno - Quazepam - Rasagilina - Remifentanil - Secobarbital - Selegilina - Sufentanil - Suvorexanto - Tapentadol - Temazepam - Tiopental - Toloxatona - Tranilcipromina - Triazolam - Zolpidem

Enzalutamida + Clonazepam

Observações: N.D.
Interações: Potencial da enzalutamida para afetar a exposição a outros medicamentos: Indução enzimática: A enzalutamida é um potente inibidor enzimático levando ao aumento da síntese de muitas enzimas e transportadores; portanto é esperada a interação com muitos medicamentos comuns que são substratos destas enzimas ou transportadores. A redução das concentrações plasmáticas podem ser substanciais, e levar a perda ou reduzir o efeito clínico. Existe também um risco aumentado da formação de metabolitos ativos. As enzimas que podem ser induzidas são o CYP3A no fígado e intestino, o CYP2C9, o CYP2C19, o CYP1A2 e auridina 5’ difosfato-glucuronosiltransferases (conjugação das enzimas UGTs-glucuronida). A proteína de transporte de P-gp pode também ser induzida, e provavelmente outros transportadores, como por exemplo, a proteína de resistência múltipla 2 (MRP2), proteína de resistência do cancro da mama (BCRP) e do polipéptido transportador aniónico orgânico 1B1, (OATP1B1). Estudos in vivo demonstraram que a enzalutamida é um indutor potente do CYP3A4 e um indutor moderado do CYP2C9 e do CYP2C19. A coadministração da enzalutamida (160 mg uma vez por dia) com doses únicas orais de substratos sensíveis ao CYP em doentes com cancro da próstata, resultou numa diminuição de 86% da AUC do midazolam (substrato do CYP3A4), numa diminuição de 56% na AUC da S-varfarina (substrato do CYP2C9) e numa diminuição de 70% na AUC do omeprazol (substrato do CYP2C19). A UGT1A1 pode também ter sido induzida. São esperadas interações com alguns medicamentos que são eliminados através do metabolismo ou por transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico é de grande importância para o doente, e se os ajustes de dose não são facilmente realizados com base na monitorização de eficácia ou da concentração plasmática, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. O risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é suspeito ser maior em doentes tratados concomitantemente com indutores de enzima. Grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não se limitam a: Analgésicos (ex. fentanilo, tramadol) Antibióticos (ex. claritromicina, doxiciclina) Agentes antineoplásicos (ex. cabazitaxel) Anticoagulantes (ex. acenocumarol, varfarina) Antiepiléticos (ex. carbamazepina, clonazepam, fenitoína, primidona, ácido valpróico) Antipsicóticos (ex. haloperidol) Bloqueadores beta (ex. bisoprolol, propranolol) Bloqueadores da entrada do cálcio (ex. diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) Cardiotónicos digitálicos (ex. digoxina) Corticosteroides (ex. dexametasona, prednisolona) Antirretrovirais VIH (ex. indinavir, ritonavir) Hipnóticos (ex. diazepam, midazolam, zolpidem) Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (ex. atorvastatina, sinvastatina)

Bussulfano + Clonazepam

Observações: N.D.
Interações: A administração sistémica concomitante de fenitoína a doentes a fazer doses elevadas de bussulfano por via oral tem sido relacionada com o aumento da depuração do bussulfano, devido à indução da glutationa-S-transferase, enquanto que não foi relatada qualquer interação com a utilização de benzodiazepinas como o diazepam, clonazepam, ou lorazepam na prevenção de convulsões provocadas por doses elevadas de bussulfano. Foi realizado um ensaio clínico de fase II para avaliar a influência do tratamento profilático de episódios convulsivos sobre a farmacocinética do bussulfano intravenoso. Neste estudo, 24 doentes adultos receberam clonazepan (0,025-0,03 mg/kg/dia na forma de perfusão IV contínua) como terapêutica anticonvulsivante e os dados farmacocinéticos destes doentes foram comparados com os dados históricos recolhidos em doentes tratados com fenitoína. A análise dos dados através de um método de farmacocinética da população indicou não haver diferenças na depuração do bussulfano intravenoso entre a terapêutica com fenitoína e clonazepan, e por conseguinte, foram obtidas exposições plasmáticas de bussulfano semelhantes independentemente do tipo de profilaxia de episódios convulsivos.

Brivaracetam + Clonazepam

Observações: Os estudos de interação formais foram realizados apenas em adultos.
Interações: Clonazepam: Influência dos medicamentos antiepiléticos sobre as concentrações plasmáticas do brivaracetam: Sem informação disponível. Influência do brivaracetam nas concentrações plasmáticas dos medicamentos antiepiléticos: Nenhuma.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Primidona + Clonazepam

Observações: Tanto a primidona como o seu principal metabolito, o fenobarbital, induzem a actividade enzimática hepática, principalmente o sistema enzimático CYP4503A4. Isto pode provocar alterações na farmacocinética de fármacos administrados simultaneamente.
Interações: Os fármacos cujo metabolismo possa ser aumentado e levar a uma diminuição da concentração plasmática e/ou diminuição do tempo de semi-vida, devido a uma terapêutica concomitante são: Androgéneos, beta-antagonistas, carbamazepina, ciclosporina, clonazepam, cloranfenicol, corticosteróides/glucocorticóides, ciclofosfamida, dicumarinas, digitoxina, doxiciclina, etosuxamida, etoposido, felbamato, granissetrom, lamotrigina, losartan, metadona, metronidazol, mianserina, Montelucaste, nelfinavir, nimodipina, contracetivos orais, oxcarbazepina, fentoína, quinidina, rocurónio, valproato de sódio, tiagabina, teofilinas, topiramato, antidepressores tricíclicos, vecurónio, varfarina e zonisamida.
 Sem significado Clínico

Lamotrigina + Clonazepam

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações envolvendo outros agentes psicoativos: Ensaios de inibição in vitro, demonstraram que a formação do metabolito primário da lamotrigina, 2- N-glucuronido, foi afetada minimamente pela incubação concomitante com amitriptilina, bupropiom, clonazepam, haloperidol, ou lorazepam.
 Sem significado Clínico
Use Clonazepam como indicado pelo seu Médico. Siga as instruções de dosagens exatas no rótulo do medicamento.

– Tomar Clonazepam por via oral com ou sem alimentos. Se ocorrerem dores de estômago, tome com alimentos para reduzir a irritação do estômago.

– Ingira o Clonazepam inteiro com um copo cheio de água (240 ml).

– Se estiver a tomar Clonazepam para a prevenção de crises, administrando-o nos mesmos horários a cada dia vai ajudá-lo a lembrar-se de o tomar.

– Continue a tomar Clonazepam mesmo que se sinta bem. Não perca nenhuma dose. Clonazepam funciona melhor quando se mantém um nível constante da substância no organismo.

– Se esquecer uma dose de Clonazepam e está a tomá-lo regularmente, tomá-la o mais rápido possível.

Se várias horas se passaram ou se está a aproximar-se o tempo para a próxima dose, não duplique a dose para recuperar, a menos que aconselhado pelo seu Médico.

Não tome duas doses de uma só vez. Esclareça com o seu Médico qualquer dúvida que possa ter sobre a forma de usar o Clonazepam.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017