Cabazitaxel

DCI com Advertência na Gravidez DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) DCI/Medicamento sujeito a Monitorização Adicional
O que é
O Cabazitaxel é um anti-neoplásico usado com o medicamento esteroide prednisona.

O Cabazitaxel é preparado por semi-síntese com um precursor extraído de folhas de teixo (10-desacetilbacatina III).
Usos comuns
Nota: Mulheres em idade fértil não devem tomar ou manusear o cabazitaxel.

O Cabazitaxel pode causar defeitos congénitos em fetos do sexo masculino.

A Injeção de Cabazitaxel é administrada juntamente com um medicamento esteróide (por exemplo, prednisona, Deltasone, Sterapred) para o tratamento de homens com cancro de próstata metastático (cancro que já se espalhou).

É usado em pacientes que já foram tratados com outros medicamentos que não funcionaram bem.

O Cabazitaxel interfere com o crescimento de células cancerosas, que são eventualmente destruídas.

Uma vez que o crescimento das células normais do corpo também podem ser afectadas, ​​também irão ocorrer outros efeitos indesejáveis.

Alguns deles podem ser graves e devem ser relatados ao médico.

O Cabazitaxel deve ser administrado apenas por ou sob a supervisão imediata do médico.
Tipo
pequena molécula
História
Foi desenvolvido pela Sanofi-Aventis e foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) para o tratamento do cancro da próstata hormono-refratário em 17 de junho de 2010.
Indicações
Para o tratamento de pacientes com cancro de próstata metastático hormono-resistente, tratados anteriormente por quimioterapia à base de docetaxel.
Classificação CFT
16.01.07     Citotóxicos que interferem com a tubulina
Mecanismo De Ação
O Cabazitaxel é um inibidor de microtúbulos.

O Cabazitaxel liga-se à tubulina e promove a sua montagem em microtúbulos, ao mesmo tempo que inibe a desmontagem.

Isto conduz à estabilização dos microtúbulos, o que resulta na interferência de mitose e interfase das funções celulares.

A célula é então incapaz de progredir mais no ciclo celular, estando parada em metafase, o que desencadeia a apoptose da célula do cancro.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para o cancro da próstata:
Dose inicial: 25 mg/m2 IV a cada 3 semanas em combinação com prednisona 10 mg por via oral uma vez ao dia.
Administração
Via intravenosa.
Contraindicações
História de reações graves de hipersensibilidade ao cabazitaxel ou outros medicamentos formulados com polissorbato 80; contagem de neutrófilos de 1.500 células ou menos/mm3.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Deve obter ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reacção alérgica: urticária, erupção cutânea vermelha ; respiração difícil, sensação de tontura , inchaço do rosto, lábios , língua ou garganta.

Deve contactar o médico imediatamente se experimentar um efeito colateral grave, tais como:
– febre, tosse, calafrios, dores musculares, sintomas de gripe, feridas na boca e na garganta, respiração rápida e superficial, desmaio;
– pele pálida, sentir-se tonto ou com falta de ar, aumento da frequência cardíaca, dificuldade de concentração;
– diarreia grave ou continuada;
– dificuldade para respirar;
– sentir muita sede ou sentor-se quente, ser incapaz de urinar, transpiração intensa, ou pele quente e seca;
– inchaço ou aumento de peso rápido, ou
– sangue na urina, dor ou ardor ao urinar.

Os efeitos secundários menos graves podem incluir:
– náuseas, vómitos, dor de estômago;
– constipação, diarreia leve;
– fraqueza, sensação de cansaço;
– dor nas articulações, dor nas costas;
– dormência, ardor ou sensação de dormência nas mãos ou pés;
– mudanças no sentido do paladar, ou
– perda de cabelo.

Esta não é a lista completa dos efeitos secundários, podendo ocorrer outros.

Deve pedir aconselhamento médico sobre os efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Precauções Gerais
É muito importante que o médico verifique o progresso em consultas regulares para se certificar de que o cabazitaxel está a actuar corretamente.

Podem ser necessários exames de sangue para verificar se existem efeitos indesejáveis.

As mulheres que estão grávidas ou que possam engravidar devem evitar tocar ou manusear no cabazitaxel.

O cabazitaxel pode entrar no organismo através da pele e pode prejudicar um bebé do sexo masculino que ainda não nasceu.

O Cabazitaxel pode reduzir temporariamente o número de glóbulos brancos no sangue, aumentando a hipótese de contrair uma infecção.

Se puder, deve evitar as pessoas com infecções.

Entre imediatamente em contacto com o médico se achar que está a contrair uma infecção, ou se tiver febre ou calafrios, tosse ou rouquidão; dor na parte inferior das costas ou de lado, ou dor ou dificultade para urinar.

O cabazitaxel pode causar reacções alérgicas graves.

Deve informar imediatamente o médico se começar a ter tosse, tonturas, respiração ofegante, dificuldade em respirar; sensação de aperto na garganta ou no peito, inchaço no rosto ou mãos, febre, arrepios, erupção cutânea; comichão ou urticária, vermelhidão da pele, ou tonturas ou desmaios enquanto está a receber o cabazitaxel.

Pode ocorrer insuficiência renal enquanto estiver a receber cabazitaxel.

Entre imediatamente em contacto com o médico se sentir agitação, confusão, diminuição da produção de urina, tonturas, dor de cabeça, hostilidade, irritabilidade, letargia, espasmos musculares, náuseas, ganho de peso rápido, convulsões; estupor; inchaço da face, tornozelos ou mãos, ou cansaço ou fraqueza incomum.

Os medicamentos para o cancro podem causar diarreia, náuseas, vómitos na maioria das pessoas, às vezes, mesmo após receber medicamentos para prevenir isso.

Pode perguntar ao médico ou enfermeiro sobre outras maneiras de controlar esses efeitos indesejáveis.

Não tomar outros medicamentos que não tenham sido discutidas com o médico.

Isso inclui medicamentos prescritos ou sem receita (over-the-counter [OTC]) e medicamentos à base de plantas (por exemplo, erva de São João) ou suplementos vitamínicos.
Cuidados com a Dieta
Alguns medicamentos não devem ser usados ​​com ou perto da hora de ingestão de alimentos, ou comer certos tipos de alimentos, por poderem ocorrer interações.

O consumo de álcool ou tabaco com certos medicamentos também pode causar interações.
Terapêutica Interrompida
Deve contactar o médico para instruções se faltar a uma consulta para a injecção de cabazitaxel.
Cuidados no Armazenamento
Guardar os frascos entre 59° e 86° F (15˚ e 30˚ C).

Não refrigerar.

Usar a solução inicial diluída imediatamente (dentro de 30 min).

A solução da infusão final diluída é estável durante 8 horas (incluindo a infusão de 1h) a temperatura ambiente, ou no total de 24 horas (incluindo a infusão de 1h) sob condições de refrigeração.

Descartar a porção não utilizada.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Enzalutamida + Cabazitaxel

Observações: N.D.
Interações: Potencial da enzalutamida para afetar a exposição a outros medicamentos: Indução enzimática: A enzalutamida é um potente inibidor enzimático levando ao aumento da síntese de muitas enzimas e transportadores; portanto é esperada a interação com muitos medicamentos comuns que são substratos destas enzimas ou transportadores. A redução das concentrações plasmáticas podem ser substanciais, e levar a perda ou reduzir o efeito clínico. Existe também um risco aumentado da formação de metabolitos ativos. As enzimas que podem ser induzidas são o CYP3A no fígado e intestino, o CYP2C9, o CYP2C19, o CYP1A2 e auridina 5’ difosfato-glucuronosiltransferases (conjugação das enzimas UGTs-glucuronida). A proteína de transporte de P-gp pode também ser induzida, e provavelmente outros transportadores, como por exemplo, a proteína de resistência múltipla 2 (MRP2), proteína de resistência do cancro da mama (BCRP) e do polipéptido transportador aniónico orgânico 1B1, (OATP1B1). Estudos in vivo demonstraram que a enzalutamida é um indutor potente do CYP3A4 e um indutor moderado do CYP2C9 e do CYP2C19. A coadministração da enzalutamida (160 mg uma vez por dia) com doses únicas orais de substratos sensíveis ao CYP em doentes com cancro da próstata, resultou numa diminuição de 86% da AUC do midazolam (substrato do CYP3A4), numa diminuição de 56% na AUC da S-varfarina (substrato do CYP2C9) e numa diminuição de 70% na AUC do omeprazol (substrato do CYP2C19). A UGT1A1 pode também ter sido induzida. São esperadas interações com alguns medicamentos que são eliminados através do metabolismo ou por transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico é de grande importância para o doente, e se os ajustes de dose não são facilmente realizados com base na monitorização de eficácia ou da concentração plasmática, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. O risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é suspeito ser maior em doentes tratados concomitantemente com indutores de enzima. Grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não se limitam a: Analgésicos (ex. fentanilo, tramadol) Antibióticos (ex. claritromicina, doxiciclina) Agentes antineoplásicos (ex. cabazitaxel) Anticoagulantes (ex. acenocumarol, varfarina) Antiepiléticos (ex. carbamazepina, clonazepam, fenitoína, primidona, ácido valpróico) Antipsicóticos (ex. haloperidol) Bloqueadores beta (ex. bisoprolol, propranolol) Bloqueadores da entrada do cálcio (ex. diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) Cardiotónicos digitálicos (ex. digoxina) Corticosteroides (ex. dexametasona, prednisolona) Antirretrovirais VIH (ex. indinavir, ritonavir) Hipnóticos (ex. diazepam, midazolam, zolpidem) Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (ex. atorvastatina, sinvastatina)

Dabrafenib + Cabazitaxel

Observações: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de dabrafenib noutros medicamentos: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Num estudo clínico de interação medicamentosa, a Cmax e AUC do midazolam oral (um substrato do CYP3A4) diminuiu 61% e 74% respetivamente com a coadministração de doses repetidas de dabrafenib utilizando uma formulação com uma biodisponibilidade mais baixa do que a formulação de dabrafenib. A administração de 150 mg de dabrafenib duas vezes por dia e varfarina resultou numa diminuição da AUC de S-e R-varfarina em 37% e 33% em comparação com a administração de varfarina em monoterapia. A Cmax de S-e R-varfarina aumentou 18% e 19%. São esperadas interações com muitos medicamentos eliminados através do metabolismo ou transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico for de grande importância para o doente, e os ajustes posológicos não forem facilmente realizáveis com base na monitorização da eficácia ou concentrações plasmáticas, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. Suspeita-se que o risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é superior nos doentes tratados concomitantemente com indutores enzimáticos. Espera-se que o número de medicamentos afetados seja grande; embora a magnitude da interação possa variar. Os grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não estão limitados a: - Analgésicos (por ex. fentanilo, metadona) - Antibióticos (por ex., claritromicina, doxiciclina) - Agentes anticancerígenos (por ex., cabazitaxel) - Anticoagulantes (por ex. acenocumarol, varfarina) - Antiepiléticos (por ex., carbamazepina, fenitoína, primidona, ácido valpróico) - Antipsicóticos (por ex., haloperidol) - Bloqueadores dos canais de cálcio (por ex., diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) - Glicosidos cardíacos (por ex., digoxina) - Corticosteroides (por ex., dexametasona, metilprednisolona) - Antivíricos para o VIH (por ex., amprenavir, atazanavir, darunavir, delavirdina, efavirenz, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, saquinavir, tipranavir) - Contracetivos hormonais - Hipnóticos (por ex., diazepam, midazolam, zolpidem) - Imunossupressores (por ex., ciclosporina, tacrolimus, sirolímus) - Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (por ex., atorvastatina, sinvastatina) É provável que o início da indução ocorra após 3 dias de administração repetida com dabrafenib. Aquando da descontinuação de dabrafenib, o equilibro da indução é gradual, as concentrações dos CYP3A4, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19, UDP-glucuronosil transferases (UGT) e substratos transportadores podem aumentar e os doentes devem ser monitorizados para toxicidade e a posologia destes agentes pode necessitar de ser ajustada. In vitro, o dabrafenib é um inibidor do mecanismo do CYP3A4. Como tal, a inibição transitória do CYP3A4 pode ser vista durante os primeiros dias do tratamento.

Cabazitaxel + Cetoconazol

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Inibidores do CYP3A4

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel. A administração concomitante de aprepitante, um inibidor moderado do CYP3A, não teve efeito na depuração do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Itraconazol

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Carbamazepina

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel. A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Indinavir

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Nefazodona

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Nelfinavir

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Ritonavir

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Saquinavir

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Telitromicina

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Voriconazol

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de cetoconazol (400 mg uma vez por dia), um inibidor potente do CYP3A, resultou numa diminuição de 20% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a um aumento de 25% na AUC. Portanto, a administração concomitante de inibidores potentes do CYP3A (p.ex. cetoconazol, itraconazol, claritromicina, indinavir, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, voriconazol) deve ser evitada uma vez que pode ocorrer um aumento das concentrações plasmáticas de cabazitaxel.

Cabazitaxel + Aprepitant

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração concomitante de aprepitante, um inibidor moderado do CYP3A, não teve efeito na depuração do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Rifampicina

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de rifampicina (600 mg uma vez por dia), um indutor potente do CYP3A, resultou num aumento de 21% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a uma diminuição de 17% na AUC. A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Indutores do CYP3A4

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração repetida de rifampicina (600 mg uma vez por dia), um indutor potente do CYP3A, resultou num aumento de 21% na depuração do cabazitaxel, que corresponde a uma diminuição de 17% na AUC. Portanto, a administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel. Além disso, os doentes devem evitar tomar hipericão.

Cabazitaxel + Fenitoína

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Hipericão

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: Os doentes devem evitar tomar hipericão.

Cabazitaxel + Rifabutina

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Rifapentina

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Fenobarbital

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração concomitante de indutores potentes do CYP3A (p.ex. fenitoína, carbamazepina, rifampicina, rifabutina, rifapentina, fenobarbital) deve ser evitada uma 7 vez que pode ocorrer uma diminuição das concentrações plasmáticas do cabazitaxel.

Cabazitaxel + Substratos do OATP1B1

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: O cabazitaxel mostrou também inibir in vitro as proteinas transportadoras do Polipétido Transportador de Aniões Orgânicos (OATP1B1). O risco de interação com os substractos da OATP1B1 (por ex., estatinas, valsartan, repaglinida) é possível, principalmente durante a perfusão (1 hora) e até 20 minutos após o fim desta. Recomenda-se um intervalo de 12 horas antes da perfusão e de, pelo menos, 3 horas após o fim da perfusão, antes de administrar os substratos da OATP1B1.

Cabazitaxel + Vacinas vivas

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: A administração de vacinas vivas ou atenuadas em doentes imunocomprometidos por agentes quimioterápicos pode resultar em infeções graves ou fatais. A vacinação com vacina atenuada deve ser evitada em doentes a receber cabazitaxel. Podem ser administradas vacinas mortas ou inativas; no entanto, a resposta a estas vacinas pode ser reduzida.

Cabazitaxel + Vacinas inativadas

Observações: Os estudos in vitro mostraram que cabazitaxel é principalmente metabolizado através do CYP3A (80% a 90%).
Interações: Podem ser administradas vacinas mortas ou inativas; no entanto, a resposta a estas vacinas pode ser reduzida.
Elucidar o paciente sobre o potencial risco de hipersensibilidade associado a cabazitaxel.

Confirmar que os pacientes não têm um historial de reações graves de hipersensibilidade ao cabazitaxel ou a outros medicamentos formulados com polissorbato 80.

Instruir os pacientes a relatar imediatamente sinais de reacção de hipersensibilidade.

Avisar os pacientes ou o cuidador de que a medicação será preparada e administrada por um profissional de saúde num ambiente de cuidados de saúde.

Explicar a importância de CBCs de rotina.

Instruir o paciente a monitorizar a sua temperatura com frequência e comunicar imediatamente qualquer ocorrência de febre ao médico assistente.

Avidsar os pacientes de que é importante tomar o prednisona por via oral como prescrito.

Instruir os pacientes a relatar se não forem compatíveis com o regime de prednisona oral.

Ensinar aos pacientes que infecções graves e fatais, desidratação e insuficiência renal têm sido associadas à exposição do cabazitaxel.

Instruir os pacientes a relatar imediatamente se houver débito urinário diminuído, febre, hematúria e vómitos ou diarreia significativa, ao prestador de cuidados de saúde.

Informar os pacientes idosos que certos efeitos adversos podem ser mais frequentes ou graves na sua faixa etária.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017